sábado, 21 de dezembro de 2013

Distorções nos escritos do ‘espírito de profecia’:“Ellen White e a doutrina monstruosa”

"No livro O Grande Conflito, existe uma declaração que Leandro Quadros considera a síntese do pensamento de Ellen White sobre a predestinação calvinista. Ei-la:

Estas monstruosas doutrinas são essencialmente as mesmas que o ensino posterior dos educadores e teólogos populares, de que não há lei divina imutável como norma do que é reto, mas que o padrão da moralidade é indicado pela própria sociedade, e tem estado constantemente sujeito a mudança. Todas estas idéias são inspiradas pelo mesmo espírito superior, sim, por aquele que mesmo entre os habitantes celestiais, sem pecado, iniciou sua obra de procurar derruir as justas restrições da lei de Deus.
Sai daí a base de Quadros para afirmar que a doutrina calvinista é satânica. Essa afirmação encontra-se no capítulo 14, o mesmo em que White menciona com aprovação o nome e as doutrinas de eminentes predestinistas, entre os quais Martinho Lutero, Ulrich Zwinglio, John Knox, John Bunyan, Richard Baxter, John Flavel, Joseph Alleine e George Whitefield: “O grande princípio mantido por aqueles reformadores... foi a autoridade infalível das Escrituras Sagradas como regra de fé e prática... A Bíblia era a sua autoridade, e por seus ensinos provavam todas as doutrinas e reivindicações”, disse ela sobre todos eles. Soa incoerente ela em seguida classificar a predestinação, juntamente com o antinomianismo, como “monstruosas doutrinas”, inspiradas por Lúcifer? Soa, mas coerência não é a característica principal dos adventistas.

No entanto, há um fato desconhecido por muitos adventistas: a declaração não é da pena de Ellen White. Trata-se de uma alteração feita W. W. Prescott na edição de 1911 do Grande Conflito. Surpreso pelo espírito de profecia precisar ser revisado e corrigido? Mas foi, aqui e em outros 105 pontos, apenas nessa edição da obra. O que White escreveu, e que consta na edição de 1888, é: "Esta monstruosa doutrina é essencialmente a mesma coisa que a alegação dos romanistas, de que ‘o Papa pode dispensar acima da lei, e do errado fazer certo, pela correção e mudança nas leis”, e que‘ele pode pronunciar sentenças e julgamentos em contradição... com a lei de Deus e dos homens’”. O filho de Ellen White questionou Prescott sobre a alteração e este a justificou dizendo que a afirmação da senhora White estava errada e que os adventistas se veriam em dificuldades se alguém pedisse a fonte da declaração.

Além do todo da redação ter sido alterado, na versão original, “monstruosa doutrina” está no singular e se refere ao antinomismo apenas e não ao calvinismo conjuntamente. A autora compara “esta monstruosa doutrina” com a revindicação romanista de que o Papa pode mudar as leis de Deus e dos homens, dizendo em seguida que “ambas revelam a inspiração” do Diabo. O singular, a referência ao romanismo e a palavra “ambas” tornam gramaticalmente impossível inserir ali a “predestinação calvinista”, como faz Leandro Quadros. São dois pontos a se ter em conta: as palavras não são de Ellen White e ela não fez referência direta ou indireta à doutrina da predestinação, mas unicamente ao antinomianismo e ao romanismo.

Seja como for, o fato é que Ellen White está trabalhando sobre declarações que não são, de forma alguma, expressões da doutrina da predestinação conforme entendida pelos calvinistas. Prova isso a própria fonte utilizada por ela, a Cyclopaedia of Biblical, theological, and ecclesiastical literature, de John McClintock e James Strong. Esta obra atribui a origem moderna do antinomianismo a John Agricola, um dos primeiros cooperadores de Lutero. Compreendendo erradamente algumas palavras de Lutero e Melâncton sobre a justificação sem as obras da lei, Agricola apregoou a doutrina antinomiana e foi por isso repreendido severamente por Lutero, não uma mas várias vezes, até que admitiu publicamente seu erro e se reconciliou com Lutero. Desnecessário dizer que Lutero era mais predestinista que Calvino e combateu duramente a teoria do livre-arbítrio, veja-se seu Nascido Escravo para confirmar.

Segundo a mesma obra, o antinomianismo foi defendido nos dias de Oliver Cromwell por um tal John Saltmarsh, que entre outras coisas defendia o universalismo e a justificação eterna, ou seja, que os eleitos eram justificados antes mesmo de nascerem, daí sua declaração de que “as ações ímpias que cometem não são realmente pecaminosas, nem devem considerar-se como violação da lei divina por parte deles, e que em conseqüência não têm motivo quer para confessar os pecados, quer para com os mesmos romper pelo arrependimento”, mencionada por White. Saltmarsh foi combatido por Samuel Rutherford, calvinista escocês que participou da Assembleia de Westminster. Mais tarde, o também calvinista Richard Baxter iria refutar seus ensinos.

Ao lado de Saltmarsh, os principais antinomianos da época foram Crisp, Richardson, Hussey, Eaton e Town, segundo os mesmos McClintock e Strong. E estes foram atacados e refutados com sucesso pelos calvinistas Thomas Gataker, Andrew Fuller, Richard Baxter e, principalmente, por Daniel Williams, além de outros. Embora escrita por teólogos de orientação wesleyana, a obra é cuidadosa em distinguir entre hiper-calvinismo e antinomianismo de um lado e o calvinismo dos reformadores de outro. Em nenhum lugar a obra referenciada menciona o calvinismo como responsável pelo antinomianismo, portanto, se White pretendeu dar essa impressão, agiu de má fé, se não foi o caso, seus intérpretes é que a compreendem equivocadamente ou a distorcem deliberadamente no calor do debate.

Creio que as palavras de Charles Spurgeon, extraídas de um sermão pregado em 1859, deixam clara a posição calvinista conforme definida em Wesminster e Dort: “Quantos danos tem sido causados às almas dos homens por homens que só tem pregado uma parte, e não todo o conselho de Deus! Meu coração sangra por muitas famílias sobre as quais a doutrina antinomiana conquistou domínio... Não posso imaginar instrumento mais apto, nas mãos de satanás, para arruinar almas do que o ministro que diz aos pecadores que não é dever deles arrepender-se de seus pecados ou crer em Cristo”. Em seu The History of Dissenters, no qual retrata a época referida, James Bennett diz que o antinomianismo “não resulta do genuíno calvinismo”, como aquele que “era familiar aos escritos e práticas dos grandes reformadores”, mas do “erro que tem sido enxertado por aqueles que são mais ansiosos para abraçar certas partes do que estudar para entender o todo”.

Em seu texto, Leandro Quadro menciona outras citações feitas por Ellen White no Grande Conflito, recorrendo a John Wesley. A obra de John Wesley não tão fácil de se analisar e cada citação deve ser analisada em sua ordem no tempo, além do contexto em que foi feito. Demanda tempo e requer espaço, ambos me faltam no momento, a Providência dirá se os terei no futuro. Por ora, basta-nos concluir que a citação feita por Leandro Quadro como sendo da senhora White e contra o calvinismo não é nem uma coisa, nem outra.

Soli Deo Gloria"



82 comentários:

  1. Evangelista Luciano Sena sou da IPB aqui do DF tenho acompanhado seu blog e tem sido edificante para minha fé bíblica e reformada, quero de perguntar se aquilo que o Leandro Quadros disse procede a respeito do arcanjo Migue,l em seu livro na Mira da Verdade na pagina 51 ele disse que não foi apenas Ellen Wtihe que ensinou que o arcanjo Miguel é Jesus, Calvino também ensinou isto comprava isto para mim um grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Agradeço o opoio.

    Calvino dizendo ou não, não torna esse erro um acerto. De fato, li em algum lugar, que Calvino não resistia a essa ideia - um nome oficial do Filho nas hostes celestiais.

    O grande problema é que o Adventismo, pelo que parece, preservou isso de seu período ariano, como que "nem tudo estava perdido".

    Heresia é dizer que Jesus não é divino assim como ensina a doutrina clássica da Trindade. Dizer que o nome do Filho é Miguel não torna necessariamente uma heresia se a divindade de Cristo for mantida.

    Devemos notar que essa interpretação é errada até o último suspiro da alma, pois 'arcanjo' significa: principal/primeiro DOS anjos.. E O FILHO não é anjo.

    Calvino, como em outros casos, errou aí.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quanto à isso, eu fiz uma boa pesquisa há um tempo atrás, e acredito que Miguel é um título/nome de Cristo.

      Veja bem:

      Arcanjo tem duas raízes, “arch” e “angelos”.

      O prefixo grego “arch” (ἀρχ) deriva de “arché” (ἀρχή) que se refere tanto a “começo, ponto de partida, princípio”, como “suprema substância subjacente” ou “princípio supremo indemonstrável" .

      A partir dessa raiz “arché” temos o antepositivo “arch”, em português, com o sentido de “aquilo que está na frente, o que está no começo, na origem, ponto de partida de um entroncamento” , sendo traduzido “acima”, “superior” ou “mais importante” e “o que governa, que dirige, que comanda, que lidera” e ainda carregando consigo idéias de poder, autoridade, império e superioridade.

      Quanto ao grego “angelos” (άγγελος), vertido para “anjo”, significa simplesmente “mensageiro”.

      A partir dessas raízes, portanto, a palavra “Arcanjo” (αρχάγγελος) se traduz “Líder dos Mensageiros” - “Chefe dos Mensageiros” - "Capitão dos Anjos" - "Primeiro Anjo" - “Acima dos Anjos” - “Superior aos Anjos” - “Anjo Superior” - “Anjo Chefe.

      Portanto, o significa de "arcanjo" não é absolutamente específico.

      Quanto a Miguel - que significa - "quem é como El (Deus)?" - temos que analisar com coerência.

      A ideia acerca da existência de arcanjos não faz parte original da fé judaica. Na Bíblia, o Arcanjo Miguel é introduzido em Dn 10:13,21 e 12:1, reaparecendo no NT em Jd 9 e Ap 12:7.

      O termo "arcanjo" só aparece no singular, ligado unicamente ao nome de Miguel, donde se conclui que só exista um "anjo" assim denominado Arcanjo, ou anjo-chefe, e que esse Arcanjo chama-se Miguel. À primeira vista, o Antigo Testamento retrata Miguel como um príncipe, e o Novo Testamento o descreve como um arcanjo.

      Antes de mais nada, é importante dizer que, não é incomum encontrar na Bíblia, o termo "anjo do SENHOR" como uma referência ao próprio Deus! - Não estou dizendo aqui que Deus é um anjo ou vice-versa, mas que esse "título" ou termo, já foi utilizado para se referir à Deus.

      Uma das mais famosas profecias messiânicas é encontrada em Malaquias 3:1: “Eis que eu envio o meu mensageiro, que preparará o caminho diante de mim; de repente, virá ao seu templo o Senhor, a quem vós buscais, o Anjo da Aliança, a quem vós desejais; eis que ele vem, diz o SENHOR dos Exércitos.” O mensageiro da aliança falado aqui em Malaquias é claramente uma referência ao advento de Jesus Cristo. A palavra traduzida como mensageiro (mal’ak) é a mesma palavra usada nas passagens anteriores do Antigo Testamento traduzidas como ‘anjo do Senhor’.

      Existem muitos outros exemplos, Estevão concorda com o que o Êxodo conta: “Decorridos quarenta anos, apareceu-lhe, no deserto do monte Sinai, um anjo, por entre as chamas de uma sarça que ardia. Moisés, porém, diante daquela visão, ficou maravilhado e, aproximando-se para observar, ouviu-se a voz do Senhor: Eu sou o Deus dos teus pais, o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó. Moisés, tremendo de medo, não ousava contemplá-la.” (Atos 7:30-32).

      O que estou querendo dizer?

      Que "anjo", "mensageiro", "arcanjo" podem sim ser referência à Deus TAMBÉM.

      Tem mais detalhes interessantes.

      Excluir
    2. Miguel é mencionado em Daniel mais do que em qualquer outro livro na Escritura. (Ver Daniel 10:13; 10:21; 12:1). Em todas as três referências, ele é chamado de Príncipe, o Seu Príncipe e o Grande Príncipe. A profecia de Isaías sobre o Messias (Isaías 9:6) revela os seus principais nomes e um dos que seriam aplicados ao Messias “Príncipe da Paz”.

      Há um outro versículo em Daniel 8:25 em que o “Príncipe dos príncipes” é mencionado. Novamente, o conflito cósmico está sendo jogado com Cristo de um lado e o diabo de outro, com a humanidade servindo como campo de batalha. “O Príncipe dos príncipes” é, na realidade, o mesmo termo que é traduzido “Príncipe do Exército” no versículo 11 . Isto é semelhante ao “Senhor dos senhores” (Salmo 136:3), “Deus dos deuses” (Deuteronômio 10:17) e “Rei dos reis” (Apocalipse 19:16). Todos estes são títulos de divindade. Ele ainda é referido como o “ungido, o Príncipe” (Daniel 9:25).

      Quem é este de que os anjos chamam de o Grande Príncipe? Vamos deixar que a Bíblia nos diga:

      # Isaías 9:6: “E o seu nome será chamado… O Príncipe da Paz“.

      #Atos 3:14, 15: “Mas vós negastes o Santo e Justo… e mataste o Príncipe da Vida.” [frase da King James. A versão Almeida fala de "Autor da Vida".]

      # Atos 5:30, 31: “O Deus de nossos pais ressuscitou a Jesus, ao qual vós matastes, suspendendo-o no madeiro; sim, Deus, com a sua destra, o elevou a Príncipe e Salvador.”

      # Apocalipse 1:5: “e da parte de Jesus Cristo, que é a fiel testemunha, o primogênito dos mortos e o Príncipe dos reis da terra“.

      Estes versos claramente confirmam os três versos de Daniel em que Miguel é chamado de “Príncipe”.

      Daniel 10:13 é provavelmente o mais difícil versículo sobre Miguel: “Mas o príncipe do reino da Pérsia me resistiu por vinte e um dias; porém Miguel, um dos primeiros príncipes, veio para ajudar-me, e eu obtive vitória sobre os reis da Pérsia.” Afigura-se à primeira vista que Miguel é apenas “um dos” primeiros príncipes. Esta é uma tradução infeliz na King James [equivalente a Almeida]. A palavra “um” vem da palavra hebraica “echad”, que também é freqüentemente traduzida como “primeiro”, como é a esposa do presidente sendo chamada de “primeira-dama.” (ver Gênesis 1:5; 8:13.) Isso muda todo o significado do versículo para Miguel ser um dos primeiros, uns dos maiores ou mais altos, para o Chefe dos príncipes, novamente uma referência a Jesus. O príncipe do reino da Pérsia, que resistira ao anjo foi, sem dúvida, o diabo que aparece freqüentemente trabalhando na sombra dos monarcas terrestres, como o rei da Babilônia, o rei de Tiro, e o poder romano (Isaías 14:4, Ezequiel 28 : 2, Apocalipse 12:4). E lembre-se que Jesus chama Satanás “o príncipe deste mundo” (João 12:31).

      Daniel 10:21 diz: “Contudo eu te declararei o que está gravado na escritura da verdade; e ninguém há que se esforce comigo contra aqueles, senão Miguel, vosso príncipe”. Aviso aqui que o anjo se refere a Miguel como o nosso Príncipe. Quem foi o príncipe de Daniel? No capítulo anterior, vemos a resposta. Em Daniel 9:25, o messias de Daniel é chamado o príncipe, que é outra indicação clara da identidade de Miguel! Então Gabriel está dizendo que o arcanjo Miguel é Jesus, que sabe toda a verdade das Escrituras.

      Excluir
    3. Gabriel, obviamante se Ellen White ensinasse outra coisa, suas conclusões desses textos seriam diferentes...

      Não vou delongar muito, pretendo fazer uma postagem futuramente a respeito...

      Abraços

      Excluir
    4. Não tem Ellen G. White.

      Mas ok, aguardo a postagem.

      abs

      Excluir
  3. Caro Luciano, acerca do tema abordado pelo prezado Pós Hermenêutica, como poderia ser Jesus o Arcanjo Miguel, sendo que Ele é SUPERIOR aos anjos como afirma em Hebreus 1? Essa passagem, seria suficiente para refutar tal premissa?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, e espero que eu não tenha deixado nenhuma dúvida da minha posição ortodoxa quando eu disse que devemos rejeitar essa proposta com 'toda força da alma'.

      Acredito, assim também irmão R. Ribeiro. O autor aos Hebreus mostra sua superioridade (de Cristo) sobre os anjos não por dizer que é O melhor entre eles, mas por colocar ele igual ao Pai... [na verdade, quem fez isso foi Deus em Hebreus...]

      Excluir
  4. O que o Gabriel Sanchez disse foi que "Arcanjo Miguel" é um dos nomes/títulos que pode referir-se a Jesus. Gabriel Sanchez não disse que Jesus é um anjo... E é essa interpretação que os Adventistas fazem a respeito de "Miguel Arcanjo" e não de que Jesus seja um anjo..

    Fique na paz

    ResponderExcluir
  5. O único nome próprio AUTORIZADO na nova aliança para IDENTIFICAR A DIVINDADE É JESUS.

    Nenhum outro. E eu posso citar dezenas de textos que comprovam o que eu estou afirmando.

    Judas 1
    "Judas, servo de Jesus Cristo..."
    Judas 3
    "...e negam a Deus, único dominador e Senhor nosso, Jesus Cristo."
    Judas 14
    "E destes profetizou também Enoc, o sétimo depois de Adão: eis que é vindo o Senhor com milhares de seus santos."
    Judas 21
    "...esperando a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo para a vida eterna."

    Judas 9
    "Mas o arcanjo Miguel, quando contendia com o diabo, e disputava a respeito do corpo de Moisés, não OUSOU (Grego, TOLMAO) pronunciar juízo de maldição contra ele; mas disse: O Senhor ("Kyrios"), te repreenda."
    Assim, Miguel não "OUSOU" repreender a Satanás
    A palavra grega para "OUSAR" é "TOLMAO", e aparece dezesseis vezes no novo testamento, e no negativo sempre significa "NÃO OUSAR" por causa do temor da retaliação.

    Assim, se Miguel fôsse Cristo, segundo os adventistas, ele não TEMERIA repreender Satanás por causa da retaliação.
    O Cristo pré encarnado, o LOGOS, tendo a NATUREZA de Deus, (Jo.1;1), certamente não iria recorrer a figura de Deus Pai para repreender Satanás. Enquanto aqui na terra, Cristo o CRIADOR de todas as hierarquias angélicas, REPREENDEU Satanás várias vezes. Então logo se vê só por este texto, a falácia do argumento.

    A distinção entre Jesus Cristo e o arcanjo Miguel, está muito bem definida nesta carta.

    Em apocalipse 12:7 diz: "E houve batalha no céu; Miguel e seus anjos batalhavam contra o dragão, e batalhavam o dragão e os seus anjos;
    Verso 8
    "Mas não prevaleceram, nem mais o seu lugar se achou nos céus."
    Verso 10
    "E ouvi uma grande voz no céu, que dizia...já o acusador de nossos irmãos é derrubado..."
    Verso11
    "E eles o venceram pelo SANGUE DO CORDEIRO e pela palavra do seu testemunho; e não amaram as suas vidas até a morte."
    O exercito celestial, liderado por Miguel, juntamente com os martíres, o exercito terrenal, venceram Satanás pelo SANGUE DO CORDEIRO. Uma leitura do livro de apocalipse mostra que Jesus Cristo em nenhuma hipótese pode ser o arcanjo Miguel, salvo se a pessoa que o ler for um analfabeto funcional. O novo testamento chama explicítamente Jesus de, Filho de Deus, de Deus, de primogênito dentre os mortos, etc, mas NUNCA o identifica com o arcanjo Miguel. Em sua vida pré encarnatória ele é chamado de LOGOS enquanto que arcanjo é um ser de outra natureza, significando "ARKHE", mais velho, e "AGELLOS", anjo. Daí porque os pioneiros adventistas não criam na trindade já que Jesus era um arcanjo e portanto teria sido criado



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. PAULO CADI

      Uma pergunta: Existe algum anjo mais poderoso que Satanás?

      Uma obervação muito esclarecedora:

      Quando Israel se preparava para sua primeira batalha após a passagem para a Terra Prometida, Josué teve um encontro com um incomum guerreiro. “Ora, estando Josué perto de Jericó, levantou os olhos, e olhou; e eis que estava em pé diante dele um homem que tinha na mão uma espada nua. Chegou-se Josué a ele, e perguntou-lhe: És tu por nós, ou pelos nossos adversários? Respondeu ele: Não; mas venho agora como príncipe do exército do Senhor. Então Josué, prostrando-se com o rosto em terra, o adorou e perguntou-lhe: Que diz meu Senhor ao seu servo? Então respondeu o príncipe do exército do Senhor a Josué: Tira os sapatos dos pés, porque o lugar em que estás é santo. E Josué assim fez”. (Josué 5:13-15). Não só Josué prestou culto a Ele, como o capitão celeste recebeu seu culto. Se ele tivesse sido um mero anjo, ele teria repreendido Josué como o anjo repreendeu João por tentar adorá-lo (ver Apocalipse 19:10, 22:8, 9).

      Pergunta: quem é o PRÍNCIPE DO EXÉRCITO DO SENHOR?

      Quanto a questão de Judas 9, ao estudar as Escrituras e a linguagem de Jesus, nós rapidamente vemos que era uma prática muito comum que Jesus falasse de si mesmo na segunda pessoa, como em Lucas 18:8: “Contudo, quando o Filho do homem vier, ele encontrará fé na Terra?”.

      E se ainda há alguma dúvida nesta questão, temos a clara Escritura em Zacarias 3:2, onde o Senhor fala a mesma coisa que Miguel fala em Judas. Ele invoca o seu próprio nome quando repreende o diabo. “E o Senhor (anjo do Senhor em outras versões) disse a Satanás, O SENHOR te repreende, Satanás!”

      As únicas passagens que o Arcanjo Miguel é mencionado na Bíblia, estão relacionadas a conflitos DIRETO contra Satanás.

      Algo interessante também é 1 Tessalonicenses 4:16. E anote o seu contexto: “Porque o mesmo Senhor descerá do céu com um grito, com a voz do arcanjo, e com a trombeta de Deus: e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro” [king James]

      É a voz do arcanjo que levanta os mortos em Cristo, é o próprio Senhor quem grita. Isto indica que eles são uma e a mesma pessoa. Jesus é aquele que grita com a voz do arcanjo, ou “o maior mensageiro”, para levantar os mortos!

      Excluir
    2. Quanto a questão que você levantou, sobre Jesus Cristo ter sido criado, eu deixo esse verso:

      “Pois assim como o Pai tem vida em si mesmo, assim também concedeu ao Filho ter vida em si mesmo..." João 5:26

      Pergunta: Se Deus concedeu algo à Seu Filho, é porque Ele não possuía, certo?

      Excluir
    3. E sobre a postagem? Alguém se aventura?

      Excluir
    4. Luciano, permita-me responder ao Gabriel que logo abaixo vou postar algo que creio, seja interessante de analisar com relação ao adventismo e a doutrina biblíca da eleição.


      Gabriel Sanchez,
      Você citou Josué, 5:13-15 como "prova(?)" de que ele "adorou" o anjo do Senhor como Deus, e também quis identificá-lo com o arcanjo Miguel, o que pode ser verdade mas também pode não ser.

      Vamos retornar ao livro do êxodo, 32:34: "Vai, pois, agora, conduze este povo para onde te tenho dito; eis que O MEU ANJO irá adiante de ti; porém NO DIA DA MINHA VISITAÇÃO visitarei neles o seu pecado." Isto foi dito a Moisés.

      Êx.33:2: "E ENVIAREI UM ANJO adiante de ti, e lançarei fora OS CANANEUS, E OS AMORREUS, E OS HETEUS, E OS PERIZEUS, E OS HEVEUS, E OS JEBUSEUS." Isto ocorreu sob Josué já que Moisés não entrou na terra prometida. Este é o anjo que você citou, em Js.5:13-15.


      Em êxodo 32:2-3 Deus diz a Moisés: "E ENVIAREI UM ANJO ADIANTE DE TI, e lançarei fora os cananeus, e os amorreus, e os heteus, e os perizeus, e os heveus, e os jebuseus,
      À uma terra que mana leite e mel; PORQUE EU NÃO SUBIREI NO MEIO DE TI, porquanto és povo de dura cerviz, para que não consuma eu no caminho."


      Em Josué 5:14 o anjo, NÃO SE APRESENTOU COMO O MENSAGEIRO DE ÊX. 3: "eus sou o Deus de abraão, de Isaac, e de jacob." Ele se apresentou como o "Princípe do Exercito de YHWH." Únicamente Moisés teve acesso a presença imediata de Deus. Dt.34:5-12.

      Agora, o NOME DE YHWH estava no anjo, e Josué reconhecendo o SINAL adorou o NOME DE YHWH o qual o anjo representava. Se você fizer um paralelo de êxodo 3 com Josué 5:14, verá que era ordenado tirar os calçados porque o lugar era terra santa. Só que no caso de Moisés era o Próprio Deus em uma teofania, anjo do Senhor em sentido primário. Já no caso de Josué, não era o SENHOR, mas um anjo da parte de Deus, como demonstrado em êxodo 33:2-3.


      Somente Moisés tinha acesso imediato a Deus, e os outros tinham que ficar lá atrás na montanha. Se lermos em João 1:1, "e o Verbo era Deus", e também quando o Senhor Jesus se identificou como YHWH quando disse: "Jerusalém, Jerusalem, que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados! QUANTAS VEZES QUIS EU (desde o antigo testamento), ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste! Então, fora outros textos comprobatórios, não tem como identificar o arcanjo Miguel com o LOGOS que "existia em forma de Deus."

      Excluir
    5. Certo.

      Mas eu não estou querendo dizer que Deus ou Jesus são anjos. Apenas que, Jesus, pode ter se apresentado, dentro de um contexto, como o Príncipe do Exército do Senhor, vulgo Miguel. Assim como em algumas ocasiões, Ele ter se apresentado como o Anjo do Senhor. Existem muitos textos que sugerem isso.

      Mas vamos por partes.

      Eu sei que não é o assunto do post, mas vamos seguir o raciocínio respondendo as duas perguntas que eu sugeri:

      1 - Existe algum anjo mais poderoso que Satanás?

      2 - Quem é o Príncipe do Exército do Senhor?

      E sobre esse texto?

      1 Tessalonicenses 4:16.:

      “Porque o mesmo Senhor descerá do céu com um grito, com a voz do arcanjo, e com a trombeta de Deus: e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro” [king James] - É a voz do arcanjo que levanta os mortos em Cristo, é o próprio Senhor quem grita. Isto indica que eles são uma e a mesma pessoa.

      Excluir
    6. Gabriel,

      Se você ler bem o texto que citou, 1Ts.4:16, observará que Cristo, no alarido (grito), voz de arcanjo, e trombeta de Deus, precedem sua vinda.

      São as hostes celestes de Mt.24:30-31 precursando Sua pessoa no dia de sua vinda.

      Alarido (grito) - Como nos tempos das batalhas de Israel.

      Voz de arcanjo - Miguel, que comanda os exercitos do Senhor, para destruir o anticristo de 2Ts.

      Trombeta de Deus - O "shofar" dos hebreus anunciando o ataque às forças do mal, como em 2Ts.1:7-8.

      Jo.5:25: "Em verdade, em verdade vos digo que vem a hora, e agora é, em que os mortos ouvirão a VOZ DO FILHO DE DEUS, e os que a ouvirem viverão."

      Está declaração deve em primeiro lugar ser aplicada espirituamente, por causa do "e agora é", mas cumprir-se-á literalmente nos 28-29 do mesmo capítulo 5 de João.

      Aí trata-se da voz do "Filho de Deus", do "Logos" de Jo.1:1 que era "Deus", não podendo ser com todo o respeito "reduzido" a um arcanjo, por mais poderoso, glorioso etc.

      Arcanjo em grego que dizer "anjo mais velho", mas continua sendo um "anjo", talvez o primeiro criado por Deus.

      Agora, afirmar que Satanás é o anjo, "Querubim", mais poderoso foge de nosso atual conhecimento.
      2Pe.2:4 fala de uma "casta" de anjos tão terrível, que Deus teve que "aprisioná-los no mundo espiritual.


      Pode ser que ele seja o mais poderoso, mas mesmo se não o for, de qualquer maneira "prá nossa bolinha" ele é muuuuito poderoso, e muito, por incrível que seja, "sábio", porque toda a sabedoria do mundo vem dele.

      Excluir
  6. As experiências de Ellen White não foram diferentes dessa bispa: https://www.youtube.com/watch?v=4pHPL_0YhUg

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sei não hein! Espírito saindo do corpo, seio de abraão? Tá parecendo mais as crenças que o amigo acredita.

      E parece que ela estava de olhos fechados, estava respirando, e falando!

      Mas este vídeo é bom, dá para se saber mais ou menos como se recebeu a revelação de que o espírito sai do corpo e vai para o seio de Abraão.

      Então amigo Luciano, toma que esta profetiza é sua!

      Excluir
    2. A sim... quem tem essa "caída"...

      Excluir
    3. Ellen White, antes de cair em exaustão e dormir por várias horas (em silêncio), geralmente andava pela casa com os olhos abertos, fitos no ceu. Em silêncio e com as mãos levantadas, passava horas desta forma sem respirar e ninguém podia mover seus braços.

      Sua visão normal voltava gradualmente e estas visões foram escritas de próprio punho em papel.

      Mas além das visões, existem as revelações e os sonhos.

      O que o amigo pode fazer é o de praxe, comparar tudo que ela disse para ver se está de acordo com a bíblia. Se estiver então significa que é uma revelação verdadeira, senão, é uma revelação falsa que provêm de espírito de trevas.

      Mas veja que segundo a crença do amigo acerca das escrituras, e sobre espirito que sai fora do corpo, então para o amigo deve ser sim uma revelação profética verdadeira. Então, toma que a profetiza é sua!

      Mas para nós adventistas, comparando com a Bíblia, o que ela diz, contradiz as escrituras que comparar a morte como um sono, onde não há consciência, trata-se de uma falsa revelação. Então rejeitamos.

      E o dom de profecia é um dom bíblico e que a bíblia garante que haveria nos últimos dias. A pergunta é, onde estão os profetas?

      Então amigo, Luciano Sena, se for em questão de crenças, o amigo pode levar esta profetiza sem dor na consciência, pois o que ela revelou está certinho com aquilo que o amigo crê.

      Infelizmente, ainda sou um "herege" que crê na morte como um sono. Mas se achar alguma profetiza, que pregue verdadeiras doutrinas bíblicas, nos avise, pois a mensagem pode ser importante.

      Então, boa sorte com a sua profetiza!

      Excluir
    4. Manual informal sobre profetizas:

      Viu o espírito saindo do corpo? = é dos imortalistas da alma

      Viu a alma sendo torturada eternamente por um Deus carrasco? = é dos calvinistas

      Falou linguas estranhas? = é dos pentecostalistas

      Caiu no espírito? = é dos neopentecostalistas

      Recebeu algum espírito pacífico? = é do alto espiritismo

      Recebeu algum espírito rebelde? = é do baixo espiritismo

      Recebeu algum demônio a fim de dar entrevista? = é dos teólogos da prosperidade

      Ficou com os olhos fitos no céu por vários minutos ou horas sem respirar e em seguida escreveu tudo que viu? = É dos cristãos..

      Excluir
  7. Luciano, as revelações da bispa estão "unavailable!" Bem, de qualquer forma foi esta a cara que ficou Ellen White depois da meia-noite de 22 de outubro de 1844!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há um livro do reverendo anglicano Geoffrey Paxton sob o título de, "The Shaken of Adventism", ou "O Abalo do Adventismo", em que o autor, com propriedade, faz um paralelo da doutrina adventista da justificação pela fé e a mesma doutrina da justificação redigida e aprovada pelo concílio de Trento, como um contraponto a reforma protestante. O autor demonstra a grande semelhança entre a tradicional doutrina adventista sobre a justificação, regada a bastante molho de arminianismo e a mesma doutrina segundo a teologia catolica romana. Eu trouxe este assunto porque ele está relacionado ao tema da postagem. Nas últimas décadas com o surgimento de um novo segmento no adventismo, o evangelicalismo, a nova geração adventista nada sabe sobre a doutrina da eleição (?) e justificação propagada por Ellen White e Banda. Além da doutrina da trindade este é outro assunto que está escondido debaixo da "nova" apresentação adventista, mas que vez por outra respinga aqui e ali causando desconexões entre as várias publicações da grei.

      Por isso também é oportuno mostrar que a "monstruosa doutrina da predestinação", não deve ceder lugar a estes ensinamentos humanistas, que tem o homem como o centro de tudo, tornando-se como alguém disse, "um cristianismo sem Cristo."

      Excluir
    2. Paulo Cadi, precisaremos falar mais sobre isso...

      Vou procurar esse livro... tenho percebido que existe uma crosta bem grossa de falsidade nas expressões doutrinárias adventistas.

      Nas entrelinhas de suas explicações, sempre tendo o pano de fundo de Ellen White, sentimos latente a esgoto herético, mas eles são inteligentes, como diabo -pai deles- , é muito sutil, e quando não, avolumam com distorções bíblicas.

      Excluir
    3. LUciano, no adventismo existe o ensinamento da justificação "imputada" ao crente, pela fé em Cristo, e também a justificação "comunicada" que o crente recebe quando vai cooperando com o Espírito Santo na obra interior de santificação."

      É o que se chama de "sinergismo" ou cooperação com Deus no processo de salvação, já que no adventismo como não existe a doutrina da perseverança do santos, a salvação não é um fato concluído quando o crente recebe a "inicial" justificação "imputada" ao crer em Jesus como Salvador.

      Excluir
    4. Na verdade, Luciano, o adventismo só apresenta hoje este perfil porque foi permitido intencionalmente por sua liderança, ensinamentos da reforma que foram mesclados com o ensinamento de White and pioneers.

      O resultado é surgimento dos adventistas "evangelicais" que são vistos aqui no Brasil, por exemplo, todos os dias na "Novo Tempo", execrados por uma minoria infíma que já está com o pé na porta de saída.

      Adventistas que abandonam a igreja para se juntar a outros grupos adventistas reformadores. Este é um fenômeno mundial no adventismo, atualmente.

      Gente descontente com os rumos que a denominação tem tomado, cada vez mais longe da doutrina original, abandonam o barco e sobem em outra nau.

      O adventismo, hoje, é teologicamente uma colcha de retalhos. Aquela visão romântica que o membro comum tem, está à um milhão de anos luz dos fatos. Existem muitas discussões, revisões, "amaciamentos", questionamentos sobre o que White teria dito etc, no centro teologico do adventismo.

      O membro comum qua anda com o Grande Conflito" debaixo do "suvaco" como se fôsse a biblía sagrada, nem sequer desconfia que as lições atuais da escola sabatina, nos mesmos assuntos doutrinários não batem com outras de anos atrás.

      Está alheio as decisões de caráter político tomadas no "alto escalão" onde Roma não é mais vista como o anticristo etc. Alías, infelizmente neste quesito esta também é a realidade no meio protestante

      Excluir
  8. Está Escrito Adoração: Predestinaçao e livre arbítrio - Pr. Ivan Saraiva

    https://www.youtube.com/watch?v=bLaObuoad2c

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O sobre a postagem? Tá difícil?

      Excluir
    2. Sobre o post, eu acredito que existem muitas "correções" nos escritos de EGW, mas eu entendo que, assim como você demonstrou aqui, ao examinarmos e estudarmos profundamente tais escritos, é possível compreender o sentido original do que ela está querendo dizer. Pode ser que o Leandro Quadros não sabia disso, e foi infeliz na declaração, ou talvez ele tenha outros argumentos para utilizar o texto, vai saber!

      O fato é que, nem sempre, é necessário consultar os escritos de EGW para compreendermos se uma doutrina é satânica ou não. A Bíblia é o suficiente para entendermos a vontade de Deus.

      Excluir
    3. Quanto aos escritos de Ellen White, os originais estão disponíveis. Não convém fazer portanto especulação. Na dúvida, basta checar os originais.

      Excluir
    4. Quanto à postagem amigo Luciano Sena, faço-lhe a seguinte pergunta:

      Por que deveríamos acreditar neste artigo?

      Ao invés de fazer uma crítica farei algo como exemplo, para que se entenda o porque da indiferença:

      "o mesmo em que White menciona com aprovação o nome e as doutrinas de eminentes predestinistas, entre os quais Martinho Lutero, Ulrich Zwinglio, John Knox, John Bunyan, Richard Baxter, John Flavel, Joseph Alleine e George Whitefield:"

      Aí em cima está a intepretação, e logo abaixo, seria o texto de onde o artiguista tirou esta conclusão:

      “O grande princípio mantido por aqueles reformadores... foi a autoridade infalível das Escrituras Sagradas como regra de fé e prática... A Bíblia era a sua autoridade, e por seus ensinos provavam todas as doutrinas e reivindicações”

      Pergunto se com base neste trecho acima é possível chegar a conclusão de que: "White menciona com aprovação o nome e as doutrinas de eminentes"

      É possível de se chegar a conclusão de que Ellen White ao mencionar tais nomes estava aprovando [todas] as doutrinas destas pessoas?

      Falácia hein amigo?

      Não vejo nada de errado em Ellen White dar crédito a reformadores, por algumas doutrinas corretas que tenham defendido, como a da graça por exemplo.

      E o texto se trata de um caminhar no escuro. Vemos uma narração dos supostos fatos, mas não vemos em contrapartida, ganchos confiáveis a que nos apegar, tais como o texto na íntegra, ou a comparação entre o texto original e a modificação. Documentos históricos de que tal coisa ocorreu, ou de que a citada contenda realmente existiu.

      Assim sendo trata-se de um texto especulativo.

      Especulações não tem credibilidade, então...

      A não ser que o amigo deseje que eu entre na especulação, daí podemos então falar sobre aquilo que achamos sem ter base alguma para apresentar.

      Pessoalmente, não gosto muito de trabalhar no campo da especulação. Mas neste sentido, tenho que dar o braço a torcer, foi um artigo bem chamativo, até pela figura dos monstrinhos na imagem do artigo. Ficou uma coisa bem, ao estilos daquelas revistinhas dos anos 80.

      Excluir
  9. Irmão Paulo é esse?

    http://www.presenttruthmag.com/7dayadventist/shaking/

    Solicitei ao google traduzir...kkk

    Irei ler... mais uma vez, obrigado pela indicação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luciano, é este o livro. Ele vai mostrando como a doutrina da justificação como ensinada na reforma, era quase inexistente no adventismo, já que seus pioneiros não tinham qualquer preparação.

      E os rumos que a doutrina tomou dentro do adventismo, como também a semelhança com a doutrina da justificação do concílio de Trento. Um livro muito útil!

      Excluir
    2. Minha próxima leitura... vamos ver de que bicho é a ponta desse rabo... o que está escondendo...

      Excluir
  10. http://www.youtube.com/watch?v=9RmKTTEk0ls

    Esta linha do tempo passa uma régua sobre as especulações tratadas neste blog nesta semana.

    A questão de a quem forma entregue as obras, fica claro que, aos depositários, os filhos dela saíram em missão.

    Conforme vemos na linha do tempo, Ellen White estava viva quando foi feita a revisão do seu livro "O Grande Conflito" o que ocorreu sob sua supervisão e com seu consentimento. Nesta revisão foram incluídas citações de outros livros (aos quais críticos se referem como plágio).

    Sendo assim, conclui-se de que é melhor começarmos a dar ouvidos à fontes primárias, à procura de fatos, pois o que temos lido aqui está deveras discrepante.

    Permita-me fazer uma sugestão ao amigo Luciano Sena, de perguntar diretamente a Estudiosos adventistas acerca da história do adventismo. As fontes de terceiros de onde o amigo tem buscado informações estão por demais equivocadas e repletas de pretensões excusas.

    O Centro White oferece um DVD contendo os escritos originais de Ellen White, juntamente com documentos históricos e de imprensa da época. As cartas de Ellen White e vários registros que compõem o acervo histórico adventista.

    Basta pedir pela internet.

    O amigo também poderia começar a fazer pesquisas no site do Centro White, há muita informação lá sobre a história dos adventistas e também sobre os fundadores, co-fundadores e suas obras.

    http://centrowhite.org.br/
    http://centrowhite.org.br/pesquisa/pioneiros-adventistas/

    Entendo que o amigo prefira fazer artigos mais especulativos sobre o adventismo, mas adicionar algumas fontes primárias não faria mal a ninguém.

    Há também diversas séries de vídeos sobre a história adventista:

    http://www.youtube.com/watch?v=rFSBUJP0mhA

    Há também sobre Ellen White:

    http://www.youtube.com/watch?v=NF60ZPR3xO8
    http://novamenteadventistas.blogspot.com.br/2013/11/o-dom-profetico-de-ellen-g-white-o.html
    http://novamenteadventistas.blogspot.com.br/2013/11/101-perguntas-sobre-ellen-white-momento.html
    http://novamenteadventistas.blogspot.com.br/2012/10/reforma-da-saude-o-que-significa.html
    http://novamenteadventistas.blogspot.com.br/2012/10/um-povo-que-valoriza-saude.html
    http://novamenteadventistas.blogspot.com.br/2012/10/o-ministerio-de-ellen-white.html

    (..)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E claro que haverão críticos e contraditores adventistas. Novamente, fazendo análises do passado adventista. Já que não há como contradizerem o presente.

      Pregamos uma mensagem contrária à muitas de suas doutrinas.

      Entretanto, o que percebemos na TV, no rádio e nos estudos adventistas é um combate às falsas doutrinas presentes hoje dentro da igreja cristã moderna.

      Os nossos críticos e combatentes, por outro lado, estão sempre buscando algo no passado, uma vez que no presente, muitos destes, assim como o amigo, desistiram de buscar argumentos com que contradizer o adventismo.

      Se os seus leitores pararem para analisar, perceberão que o conteúdo anti-adventista que se encontra por aí, são dirigidos quase que estritamente ao passado adventista, mas por que?

      Simples. Porque é difícil se checar a informação, daí podem dizer o que bem entenderem. E a tática de atacar o passado de uma religião teve dado certo até um tempo atrás.

      Mas representa uma faca de dois gumes, porque aqueles que criticam, muitas vezes também possuem uma religião.

      Fica algo do tipo: - Tá não somos perfeitos, temos nossos esqueletos guardados no armário, mas pelo menos haveremos de provar que estes adventistas não são nada perfeitos, que também possuem um passado duvidoso e por isto, não podem ser os mensageiros que dizem ser.

      Exemplo: O presbiterianismo, teve sérios problemas com a maçonaria, hoje enfrenta escândalos envolvendo o homossexualismo, apologia a teoria da prosperidade, uniões ecumênicas no mínimo estranha com umbandistas e várias outras coisas que não são nada do passado, mas presentes.

      Então é aquela velha questão de procurar o cisco no olho dos outros tendo uma trave com se preocupar em seus próprios olhos.

      Ao analisarmos os artigos do amigo Luciano Sena, percebemos que muitos artigos são de combates à atitudes e até doutrinamentos, não do passado, mas do presente de sua religião.

      E se isto não incomoda tanto ao amigo a ponto de protestar contra sua própria igreja, por que tanta preocupação com a igreja alheia?!

      Veja! O amigo tentou encontrar pontos falhos nas doutrinas e atitudes de líderes adventistas, hoje, no presente. Mas tem encontrado muitas falhas tanto em doutrinas como em atitudes de líderes, presentes hoje em sua religião.

      Assim sendo, bem ou mal, a Igreja Adventista do Sétimo Dia tem apresentado uma casa, no mínimo, mais organizada. Nossos pastores podem comparecer a debates de cara limpa, sem ter que passar pelo constrangimento de responder a questionamentos sobre pastores, praticando a homossexualidade com o conhecimento da igreja, pregando teologia da prosperidade, ao até apoiando doutrinas pentencostalistas ou neopentencostalistas que são contrárias à Bíblia.

      (...)

      Excluir
    2. Agora veja, que se um cristão escolhesse a sua religião pelo passado, ignorando o presente, hoje teríamos muito poucos católicos.

      E em se tratando de passado, o bem da verdade é que as pregações anti-adventistas denegrindo nosso passado e nossa história, não tem muita importância quando a pessoa entra em contato hoje com nossos ensinamentos, nossas doutrinas.

      Este tipo de estratégia de combate, através do medo, implantando o receio e conceitos previamente elaborados sobre uma religião (preconceito), tinha mais efeito no passado, onde as pessoas ficavam com medo de se aproximar de tais religiões e acabarem sendo influenciadas tornando-se um herege.

      Se formos analisar, o discursos do amigo é aquele mesmo discurso de anos atrás, sobre seitas demoníacas destruidoras de almas.

      Só que esta caricatura não tem caído aos adventistas. Basta se assistir a TV Novo Tempo por um dia para se saber o porque.

      Esta apologética brasileira, então, vista como uma das piores de todo o mundo, tem serventia apenas pra dar uma suposta munição à religiosos a fim de terem como contra-atacar um adventista quando for questionado.

      Infelizmente os ataques, com que são munidos, não tem serventia alguma para contradizer as nossas crenças. Ou seja, não dão munição para contradizer doutrinariamente o povo da Bíblia.

      Mas servem como uma válvula de escape, a fim de atacar a história dos adventistas através de seus patriarcas e assim terem uma forma de devesa, nada louvável.

      Seria mais ou menos como, em um debate entre religiosos, sobre a predestinação, uma tratar estritamente de doutrinas enquanto que o outro parte para discutir detalhes do passado da pessoa com quem está debatendo.

      Esta é uma atitude comum de quem já se deu por vencido, ou se vê incapacitado de contradizer a crença que a outra parte prega.

      Da mesma forma acontece com o amigo, Luciano Sena, que não podendo contradizer as pregações dos pastores da TV Novo Tempo nem de nossos livros doutrinários oficiais, se atêm tão somente a falar sobre o passado de pioneiros adventistas e sejamos francos, creio que o amigo não creia de fato sequer em metade do que o amigo tem copiado internet afora.

      E não teríamos problema algum de confirmar as desventuras as falhas, os equívocos e até os erros de alguns pioneiros.

      A exemplo temos Kellog com suas pregações panteístas que levaram muitos adventistas, inclusive Kellog à apostasia.

      Está lá, é uma suposta parte "obscura" da história do adventismo e assumimos isto sem problemas.

      (...)

      Excluir
    3. Agora por que um fato como este que comprova de que o adventismo teve seus altos e baixos, não fazem parte das pregações de nossos críticos?

      E tem várias outras que ver?

      Ellen White era dominguistas e rejeitava as pregações sobre o sábado que já ocorriam dentro da igreja adventista por parte de Batistas sabatistas.

      Somente vários anos depois, de ouvir várias vezes sobre o sábado sem convencimento é que leu uma obra de Bates, onde então se convenceu acerca do sábado.

      Mas isto os críticos não trazem à luz de seus leitores! Mas por que não? Isto não seria um "babado" fortíssimo sobre a profetiza defensora do sábado?

      Outro fato, Ellen White era uma carnívora das boas e comia carne como quem come uma bela de uma salada. No entanto foi ela mesma quem fez várias pregações e inclusive escreveu livros orientando que se abandonasse a carne e que a dieta vegetariana seria ideal.

      Mas por que os Críticos não usam esta questão contra Ellen White e os adventistas?

      Mais um fato?

      Ellen White evitava se pronunciar acerca da terceira pessoa da Trindade, o Espírito Santo e só veio a escrever algo explicitamente à favor desta terceira pessoa a a firmar sua opinião sobre a trindade entre os adventistas, após o lançamento da obra panteísta de Kellog. Como forma de combater tal obra.

      Mas isto os críticos também não relatam, e vejam que é justamente aquilo que o amigo Luciano Sena tem procurado.

      E por que a final de Contas ao invés de nos relatar estas coisas, nossos críticos tem relatado outras coisas?

      E a resposta é simples, porque quando um crítico relata estes acontecimentos, uma adventista lê e diz, sim, foi isto mesmo que aconteceu, você está certíssimo (e fim de papo).

      E isto não gera especulação, pois uma adventista assumiu e morreu o assunto.

      Agora a coisa muda de figura quando se usa da antiga arte da falácia, que é misturar certas verdades com mentiras ou afirmações no mínimo duvidosas.

      Há alguma verdade, mas há também um monte de erros, então um adventista jamais diria que aquilo está correto.

      Isto além de gerar polêmica, passa um certo ar de que o adventista não esteja querendo assumir aquela suposta verdade e então o que acontece?

      (...)

      Excluir
  11. Acontece que o adventista tenta limpar a parte equivocada, ou seja, desfazer os equívocos e isto apenas gera mais discussão e especulação em cima do assunto.

    Desta forma tem funcionado os artigos do amigo Luciano Sena, que realmente pega detalhes sobre a história e crenças de alguns pioneiros, mas adiciona junto, toda sorte de especulação.

    Então fica aquela situação, de que um adventista não pode afirmar de que seja verdade, pois não é, e também não pode afirmar de que seja tudo mentira, porque se trata de uma falácia lembra, verdade misturada com mentira.

    Daí surgem aqueles questionamentos por parte dos críticos:

    O que os adventistas estão escondendo?
    Porque não estão querendo assumir?

    Isto serve para levantar a desconfiança e a opinião publica a seu favor.

    O que o adventista pode fazer então, ao invés de tentar desfazer o engano, é apresentar a verdade, mas daí surge um problema peculiar.

    Muitos dos que procuram este tipo de artigo, não estão a fim de saber a verdade, pois não é isto que atrai. O que atrai é justamente a maneira especulativa como o artigo foi produzido. Em suma, não querem conhecer de fato os adventistas, mas apenas contradizê-los usando dos meios disponíveis.

    E quanto aqueles que buscam a verdade e realmente conhecer o adventismo? Bem estes, geralmente, passam longe deste tipo de artigo e vão procurar em fontes confiáveis, fontes primárias.

    E qual o sentido de um adventista se dispor a contradizer este tipo de artigo?

    Há apenas um! Fazer com que as pessoas que lêem fiquem desinteressadas por este tipo de artigo!

    E isto é feito justamente, aos se contradizer, aquilo que está errado nos artigos. Quando o leitor percebe que aquela parte mais intrigante foi desmistificada, o artigo e o assunto deixa de ser interessante.

    (...)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deixe-me contar uma experiência que tenho tido à alguns anos. Muitos debatentes de outros blogs, também anti-adventistas, têm acompanhado o blog que tenho construído e muitos permanecem até hoje.

      Porém a maioria deixou de participar de meu blog, mas não somente isto, deixaram de participar dos blogs por onde tenho trabalhado.

      Isto ocorre porque se desinteressaram, justamente pelo fato de terem vistos os artigos tão atrativos ao início, serem desmistificados.

      Como resultado muitos deixaram de freqüentar os ditos blogs anti-adventistas, alguns se tornaram adventistas e outros que eram ex-adventistas, retornaram à igreja.

      Hoje se o amigo for olhar o blog ex-adventista, por muito tempo ficam sem participação de comentaristas e hoje está entregue às moscas.

      Percebendo isto, minha participação em tal blog foi cortada, mas não adiantou muito, porque meu blog já havia se tornado popular entre os participantes.

      Então, amigo Luciano Sena, o amigo já deve estar percebendo que a propaganda anti-adventistas tem também seu efeito colateral.

      Depois desta análise e apresentação, deixarei aqui meu blog, para que os participantes, possam visitá-lo usá-lo de forma irrestrita.

      http://novamenteadventistas.blogspot.com.br

      Lá tratarei dos artigos do amigo.

      Lá usarei do modo como estou acostumado e poderei ripostar os artigos do amigo, peço então que não confunda a forma como abordarei os artigos lá, da forma como tenho abordado aqui.

      Continuarei comentando aqui de forma mais comedida e com a forma respeitosa de sempre.

      Excluir
  12. Tá bem convencido em Sr Adventista... então o sr é o "BÃO"...

    Os comentários estão abertos. O Sr, mesmo tão convencido, é sempre bem vindo.

    Não tenho a presunção de dizer que sou isso ou aquilo, nem que o blog MCA é o "Bão" igual o Sr... só exponho com minhas limitações o que penso a respeito da IASD.

    As provas estão aí documentadas.

    ResponderExcluir
  13. Julgue a minha pessoa, como desejar, como é de praxe. Julgarei os teus ensinamentos, como também me é de praxe.

    Discutirei doutrinas e não pessoas. O que fiz aqui foi um "Deixe-me contar uma experiência que tenho tido à alguns anos." se o amigo julga que isto é nota de convencimento, é uma opinião e um direito do amigo.

    E permita-me revogar sua última afirmação de que as provas estejam documentadas. O amigo ainda não apresentou as prova, mas tão somente opinião e especulação às quais o amigo copiou.

    Apresente os documentos citados, para que saibamos se o que foi dito corresponde realmente aos fatos!

    Se o amigo quiser posso apresentar mais documentos, e fontes primárias reforçando aquilo que eu disse.

    Fato é que esta estratégia de atacar o passado de uma religião a fim de derrubá-la, não surte mais efeito hoje, pelo contrário.

    E também o amigo não pode julgar a religião alheia, fazendo parte de uma religião que também já teve e ainda tem seus altos e baixos.

    Se o amigo considera o passado adventista bagunçado, fato é que admite que hoje é organizado. Mas poderíamos dizer o mesmo da religião ao qual o amigo pertence? Pelo que lemos em seus próprios artigos, é um não que há como resposta.

    Então por que se preocupar com o passado dos outros, tendo uma trave posta hoje diante do teu próprio nariz?

    Quando um adventista, por exemplo, se dispõe a debater sobre as doutrinas presbiterianas, não vai lá remexer no passado, como forma de demonstrar que está certo. Ao invés disto, vai a Bíblia e começa a citar versículos e estudos de Teólogos. É nisto que se baseia a apologética adventista.

    E quando pretendemos falar do passado de uma igreja ou de todas as igrejas, costumamos proceder da maneira como lhe demonstrei, apresentando escritos e citações de fontes primárias, com a devida página e titulo da obra.

    E também a opinião oficial da própria religião a qual tratamos, como no caso daquele vídeo onde demonstrei uma autoridade repetindo parte daquelas citações escritas que lhe mostrei e confirmando cada uma delas.

    O que é um atitude muito diferente da que o amigo tem adotado aqui, copiando e colando opiniões e especulações de terceiros, sem apresentar citações de fontes primárias oficiais da atualidade, ou mesmo a fala explícita de algum pastor adventista.

    Do que adianta o amigo ter em mãos alguns livros doutrinários adventistas tão bons, se o amigo não os usa para tratar de nossas doutrinas?

    (...)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Confirma-se aquilo que lhe falei no comentário anterior. Não tem graça apresentar os "podres" que a IASD assume publicamente. Mas é necessário buscar na internet coisas que eles neguem.

      Outro fato que coloco aqui:

      Antes de Ellen White, houveram dois outros pretensos profetas no movimento millerita, que mais tarde confirmaram que haviam recebido o mesmo dom e revelação da parte de Deus.

      Mas por que será que os críticos não mostram este fato, como forma de desabonar a sinceridade do dom profético na Igreja Adventista?

      Repito aquilo que eu disse, de que não interessa pelo fato de ser verdade e algo que assumimos publicamente sem dor na consciência.

      E tudo que possa ser considerado como motivo de dúvida e que realmente tenha ocorrido no passado, assumimos e com muito gosto.

      Veja um outro exemplo, em relação à infabilidade Bíblica:

      Assumimos de que a Bíblia, embora seja infalível doutrinariamente, apresenta equívocos e lapsos de memória de alguns de seus personagens. Ou seja, não acreditamos na infabilidade absoluta, mas de que até mesmo os profetas poderia cometer enganos sobre observações científicas e não doutrinárias.

      Uma bomba para a igreja adventista? Creio que não, porque não vemos os críticos exaltarem esta questão como forma de desabonar a IASD.

      Mas o que os adventistas tem negado? Simples:

      Esta apologética vergonhosa que se instaurou no Brasil, que pretendem demonstrar que conhecem a história dos adventistas mas que não sabem de coisa alguam. Que criam especulações e toda sorte de observações. Pegam fatos e misturam com erros e enganos e apresentam isto como se fossem fatos acerca dos adventistas.

      Não temos problema algum de que mostrem a nossa história, o problema é não relatar os fatos e acontecimentos de forma fiel.

      Como o caso desta questão do livro. Embora o livro O grande Conflito tenha sido revisado, isto ocorreu sob a supervisão e autorização de Ellen White e a mudança mais significativa foi a inclusão das tão referidas citações de outros livros, fato pelo qual, críticos mal intencionados a acusam de plágio, exagerando e dizendo de que todas as suas obras foram construídas através de cópias integrais.

      E o pior é que muita gente acredita, pelo menos os mal intencionados sem a mínima preocupação em checar a informação.

      Voltemos a questão da Trindade. Será que a doutrina da trindade dos adventistas é diferente da trindade dos protestantes?

      A primeira vista não, mas se formos analisar o doutrinariamente construído ao longo dos anos perceberemos que podem haver sim diferenças.

      (...)

      Excluir
    2. Mas diferenças por que?

      Diferenças pelo simples fato de os protestantes terem herdado a doutrina da trindade do catolicismo, onde está vinculada à outros doutrinariamentos como culto à imagens e a imortalidade da alma, com direito a purgatório, além de paraíso e inferno presentes.

      E quanto a trindade dos adventistas?

      A Bíblia! Foi à partir dela que se criou o conceito sobre trindade que há contida em nossas crenças fundamentais. Mas o desenvolvimento desta doutrina se deu no decorrer dos anos dentro da igreja adventista, através de estudo exegéticos usando as mesmas ferramentas de martilho Lutero.

      Ao invés de céu e inferno com purgatório e estado de consciência dos mortos, todas as nossas doutrinas são construídas tendo-se em mente o santuário celestial, que é uma contraposição à estas doutrinas de origem pagã grega que foram introduzidas na Igreja Romana pelo papado, graças ao favorecimento do estado concedendo poder à igreja em troca da aceitação de pagãos e cultos pagãos juto aos cristãos.

      Foi por causa trindade que era ensinada nestes trâmites, que muito adventistas rejeitaram a princípio a doutrina da trindade.

      Foi preciso estudos aprofundados da Bíblia, para se construir uma doutrina pura e livre de tradições, que pudesse ser aceita pelos adventistas.

      O que resultou em um resultado equivalente à trindade crida hoje pelos protestantes em geral.

      Ellen White só fez um posicionamento firme quanto à este assunto, muito depois da igreja já ter sido estabelecida como Igreja Adventista do Sétimo Dia.

      Isto assumimos com muito gosto, mas negamos a falácia que o amigo Lucinao Sena, tem posto aqui, dando a entender de que os adventistas da época em sua quase totalidade eram anti-trinitarianos.

      O que não é verdade, haja vistas que os adventistas nada mais eram do que católicos e protestantes que vieram de suas religiões onde se ensinava a trindade a exemplo de Ellen White que era metodista.

      Então fica aquela coisa, eu não invento, mas aumento, no caso, não inventou sobre o fato de haver um numero (a minoria) de anti-trinitarianos, mas aumentam ao dizer que seriam a quase totalidade.

      Se formos analisar os fundadores, sim, perceberemos que naquele diminuto grupo de fundadores, haviam anti-trinitarianos, dois bem conhecido, o esposo de Ellen White e Bates (o mesmo que convenceu Ellen White e seu marido sobre o sábado).

      (...)

      Excluir
  14. Bates não fez parte a IASD quando de sua fundação, justamente por causa da doutrina da trindade que foi aceita.

    E foi aceita sem muitos problemas justamente porque a comunidade adventista em geral, eram trinitarianos.

    O silêncio de Ellen White naquela época e nos anos que se seguiram foi compensado por um voto à favor da doutrina da trindade, contrariando seu esposo, o que devemos admitir, ter tido grande peso na comunidade.

    Então amigo Luciano Sena, não temos problemas em admitir nossa história e nossa diferença em relação às demais religiões, pelo contrário.

    O que não podemos e admitir, detalhes incorretos, invenções e falácias acerca dos reais fatos.

    Se alguém quiser conhecer a história do adventismo por extenso, é fácil adquirir os materiais, não pareciam ficar restrito às re-traduções e reinterpretações de pessoas que acham que conhecem o adventismo mas que no fundo apenas odeiam os adventistas e só estudam coisas sobre adventistas para fundamentas sua pregações anti-adventistas.


    Quanto a opinião de Ellen White acerca das crenças Calvinistas sobre a predestinação e o tormento eterno. Está claro em seus livros de que pelo menos a predestinação calvinista seja uma doutrina diabólica. Então esta especulação sobre ter mudado um texto onde ela pareceria apoiar o calvinismo é especulação irrelevante, porque se lermos a obra intitulada "Caminho a Cristo" e a forma como ela revela o caráter de amor de Deus e especialmente da pessoa de Cristo, não teremos dúvidas de que é o oposto do que é apresentado pelo calvinismo como sendo a imagem do caráter de Deus.

    Então sim, amigo Luciano Sena, diferente do que diz o artigo do amigo, as obras de Ellen White, assim como a Bíblia condenam a idéia de um Deus que cria o mal e predestina as pessoas a pecarem só para depois puni-las eternamente no inferno, com tormento eterno.

    De modo que os Calvinistas deveriam parar de colocar crianças e bebês inocentes para queimar eternamente, chamando por sua mãezinha, em suas doutrinas.

    Mas não temos em contrapartida de reconhecer a contribuição que Calvino trouxe à comunidade cristão, bem exemplificada naquele trecho do artigo (que infelizmente o autor re-traduziu ao seu modo).

    Reconhecemos inclusive Martinho Lutero como um dos pertencentes à galeria dos heróis da fé e utilizamos muito, até hoje seu método de estudo e suas obras.

    Mas à Bíblia e somente à Bíblia, esta é nossa regra de fé. Se até mesmo as opiniões dos Pais da igreja Protestante não falar segundo estas palavras, nós rejeitamos em pestanejar.

    Portanto, ao contrário do que o amigo esteve supondo em seus artigos, temos uma posição bastante firme acerca de nossa história e também de nossas doutrinas.

    Não há problema algum em relatar a nossa história, desde que façam de forma responsável, com o uso de fontes primárias ao invés de cogitações e toda sorte de análises mal construídas acerca de nossos textos.

    No andar da carroça, até Ellen White se tornou a fundadora do sábado entre os adventistas, quando na verdade o mérito pertence à uma irmã e um irmão que veio antes de Ellen White e também a Bates que foi o próprio que apresentou de fato o sábado a Ellen White e seu esposo de forma a convencê-los.

    E o que eu tenho dito, amigo Luciano Sena, estes sim, estão devidamente documentados.

    ResponderExcluir
  15. Os que defendem o arminianismo afirmam que a doutrina calvinista da eleição é "monstruosa, diabólica, injusta", etc.
    Já que Deus preordenou tudo o que iria acontecer, incluíndo pecado, o mal etc.

    Este é um argumento falácioso. Porque?
    O Deus arminiano, aqui defendido pelos adventistas, também é onisciênte e mesmo sabendo que Satanás iria se revoltar, e
    que o pecado e o mal entrariam no mundo, permitiu isto!

    Mas Deus não queria isso, dizem eles. Se não queria porque permitiu que o homem caísse SABENDO que ele iria cair?
    As escrituras não afirmam que o cordeiro foi morto "desde a fundação do mundo?

    Ou seja, o deus arminiano dos adventistas e afins NÃO TEM CONTROLE sobre a sua criação. mas fica SUJEITO aos desejos, caprichos e decisões de homens caídos.

    Antes de criar todas as coisas, o deus arminiano já sabia de tudo o que iria acontecer, incluíndo o mal no mundo e assim mesmo permitiu que Adão fôsse tentado mesmo sabendo que não iria resistir.

    Isto é uma BLASFÊMIA, na melhor das hipóteses!

    Quanto a White. Ora, em 1Timóteo 2:11 diz: "A mulher aprenda em SILÊNCIO (do grego hesychia, pronuncia-se "ressurría", no sentido de calma, tranquilidade. Descreve a vida de alguém que fica em casa fazendo o seu trabalho), com TODA a SUJEIÇÃO.
    Não permito, porém, (eu, apóstolo Paulo enviado diretamente por Jesus Cristo), que a mulher ENSINE (do grego "didasko", pronuncia-se "didaskou" no sentido de ensinar, manter um discurso com outros para instruí-los), nem use de AUTORIDADE sobre o marido, mas que esteja em SILÊNCIO.
    Porque PRIMEIRO foi formado Adão, depois Eva.
    E Adão NÃO FOI ENGANADO, mas a mulher, SENDO ENGANADA (do grego "apatao no sentido de ser enganada, seduzida, iludida, pronuncia-se "apatao" mesmo), CAIU EM TRANSGRESSÃO.
    Salvar-se-á, porém dando à luz filhos, se permanecer com modéstia na fé, no amor e na santificação." 1Tm.2:11-15.

    Em Efésios 4:11 um dos cinco oficíos que vem do Senhor, reservado aos varões está o de "doutor", do grego "didaskalos", pronunciando-se "didaskalós", significando "professor."

    Estes oficíos NÃO PODEM SER EXERCIDOS POR MULHERES, e os que os permitem estão desobedêcendo a Jesus Cristo de acôrdo com 1Co.14:37:
    "Se alguém cuida ser PROFETA (não profetisa), ou ESPIRITUAL , RECONHEÇA que as coisas que vos escrevo SÃO MANDAMENTOS DO SENHOR."

    "E havia na igreja que estava em Antioquia, alguns PROFETAS E DOUTORES...E, servindo eles ao Senhor, e jejuando, DISSE O ESPÍRITO SANTO: "Apartai-me a Barnabé e a Saulo para a obra que os tenho chamado."

    Em vista de todo este testemunho, qualquer homenzinho, ou mulherzinha pecadores que se insurge contra a palavra do Senhor está fazendo côro com o diabo que ainda se transfigura em anjo de luz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os textos que o amigo se refere a mulher, estão no contexto da chefia dada ao homem.

      O homem sim deve ser o chefe do lar, mas o que isto tem a ver com o fato de uma mulher poder ou não poder pregar?

      Veja que o amigo está usando uma coisa, para tentar justificar outra coisa.

      Quanto à queda do homem, o livre arbítrio é isto mesmo, permitir que suas criaturas escolham.

      Deus respeita estas escolhas? Sim respeita!

      Deus dirige um avião e procura levar a todos com segurança, mas se alguns decidem abrir a porta e pular, Deus não vai impedir, mas apenas alertá-los das consequências!

      Mas se Deus fosse como o deus calvinista, seria então ele próprio quem teria jogado cada um pela janela, escolhendo dentre os tais, aqueles a quem ele daria um para-quedas.

      Excluir
    2. Sr. Adventista, os textos que vedam o acesso da mulher ao púlpito são claros, explcítos e não contextuais.

      São de natureza soteriologica pois estão relacionados a queda.
      Não são de natureza sociologica, ou seja que foram dados dentro de um contexto histórico e podem ser abolidos.

      Quer dizer que levítico 11 que foi dado debaixo do sangue de animais está em vigor, não havendo NENHUMA citação de tal lei no novo testamento mas o oposto!

      Agora, um mandamento que foi dado debaixo do sangue de Cristo, na nova aliança que está relacionado a queda foi Inexplícavemente "anulado" pelo "contexto histórico."

      Isto é INCREDULIDADE NA PALAVRA e não só INCREDULIDADE, mas DESONESTIDADE na apreciação dos textos biblícos.

      A escritura dá testemunho que os eleitos foram escolhidos quando?
      Vamos ler: "Como também nos ELEGEU NELE ANTES DA FUNDAÇÃO DO MUNDO..." Efésios 1:4.

      Deus sabia que o homem cairia. Se ele sabia disto mesmo dando livre arbitrío à ele, e assim o fez, como não estava nos planos dele a queda do homem?

      Ele SABIA, tinha pleno conhecimento da queda, DESDE A ETERNIDADE. Como que a queda não estava no plano de Deus? Por acaso ele foi pego de surpresa?

      No versículo 9 de Efésios 1, vamos ler: "Descobrindo-nos o MISTÉRIO de sua VONTADE, segundo o seu BENEPLÁCITO, que PROPUSERA EM SI MESMO, (ou seja, não dependia de fatôres externos).

      Em Efésios 3:9, vamos ler: "E demonstrar a todos qual seja a comunhão do MISTÉRIO, QUE DESDE OS SÉCULOS ESTEVE OCULTO EM DEUS, que tudo criou por meio de Jesus Cristo.

      A onisciência de Deus faz com que seja IMPOSSÍVEL ele não ter conhecimento da queda do homem, lá na eternidade, inclusive sua ELEIÇÃO.

      Excluir
    3. Sim amigo Paulo Cadi, estes outros textos que falam especificamente de um contexto, proibiam sim a mulher até mesmo de falar em publico, dentro de uma cultura local.

      A única coisa que está relacionado com a entrada do pecado no mundo é a chefia do homem dentro da família.

      Mas desde quando a chefia do homem revoga a liberdade de uma mulher poder pregar?

      E Deus não usa SUA onisciência para se fazer soberano. Pois se a soberania de Deus dependesse de ELE antever os problemas e evitá-los, do que serviria sua onipotência.

      Deus não interfere no curso natural usando sua onisciência justamente porque é também onipotente e não há nada que ELE não possa resolver.

      Se Deus tomasse suas decisões com base no que ocorreria no futuro, muitos de nós não teríamos nascido e talvez nem satanás e nem os anjos.

      Para Deus seria mais fácil não criar coisa alguma e se resguardar de qualquer desgosto.

      Justamente por ser soberano, Deus não permite que nem mesmo a história diga o que ELE deve ou não deve fazer.

      Não é a história que determina o plano de Deus, mas Deus faz seus planos, no presente, independente da história, porque Deus não erra.

      Independente de ter entrado o pecado no universo, e de ter que pagar um preço tão alto ELE sabe que não errou.

      Deus não tem medo de enfrentar nem mesmo o pecado, seja qual for o preço a pagar.

      Se Deus recuasse de fazer alguma criação, por conta da possibilidade de pecar, não teria criado ser algum com livre arbítrio, pois, o preço a pagar pelo livre arbítrio é o perigo da entrada do pecado no mundo por uma escolha errada.

      Então Deus já sabia que ao criar seres com livre arbítrio e semelhantes a ELE, sempre haveria o risco da entrada do pecado. Mas não temia porque sabia que seja lá qual o problema e a extensão, ELE seria capaz de resolver.

      Agora, o surgimento do pecado no interior de satanás ainda é um mistério, mas não pegou Deus despreparado.

      Cristo foi o cordeiro desde a fundação do mundo, pois desde que Decidiu criar, já sabia do preço que acabaria tendo que pagar, caso precisasse resgatar suas criaturas humana.

      Como humanos, é claro que no lugar de Deus, evitaríamos os transtornos deixando de criar seres com livre arbítrio. Seria mais cômodo.

      Mas Deus não é assim! ELE é 100% confiável e não deixa que nem mesmo a história influa nas suas decisões.

      Se ELE decidir algo, ELE vai fazê-lo, independente dos percalços que haverão de vir.

      Deus não se esconde de antemão diante dos problemas, mas Deus enfrenta os problemas.

      Este é o nosso Deus.

      Excluir
    4. Sr. Adventista. apresente os textos que permitem a mulher de ocupar o púlpito. Eu acabei de lhe citar a escritura. Não vou responder ao que você falou se não apresentar escritura provando o oposto do que foi citado.

      Quanto a predestinação você também tem de citar escrituras que demonstrem que este ensinamento
      não consta na biblía.

      Agora, você só fica falando e não apresenta os textos que desmentem o que eu afirmei e apoie a sua crença. Então, não tem como responder já que suas palavras, como as de qualquer outro NÃO TEM VALOR NENHUM em se tratando da Palavra de Deus.

      Se você acredita que tem pertence a verdadeira igreja tem que provar que a doutrina de sua denominação tem apoio nas cartas apostólicas , porque os santos apóstolos são os líderes espirituais da Igreja de Cristo.

      Excluir
    5. Opa! Então já lapidamos o conceito?

      A questão passou do falar em público e do falar dentro da igreja, para o falar no púlpito?

      Façamos estas perguntas:

      A Bíblia proíbe a mulher de falar em público?
      A Bíblia proíbe a mulher de falar na igreja?
      A Bíblia proíbe a mulher de falar sobre o pulpito?

      Eu lhe disse que estas questões se dão na relação estrita entre marido e mulher dentro de uma cultura extremamente patriarcal (para não dizer machista). Mas se eu estiver errado, então teremos um problema, pois a relação seria realmente na questão da mulher em si, e não da relação 'marido-mulher' em um contexto machista.

      Então pergunto, pode um homem cristão se sujeitar à uma mulher em seu trabalho? Pode o homem cristão se sujeitar à uma mulher em uma instituição de ensino? Poderia o homem cristão tolerar que uma mulher lhe ensinasse alguma coisa, ou lhe chamasse a atenção?

      E estes cristãos que acreditam que a mulher deva permanecer calada na igreja? Em casa como é?

      Aquilo, meu amigo, era uma cultura!

      Para o homem era vergonhoso a mulher falar em público, em qualquer lugar público.

      Era vergonhoso a mulher ensinar ao marido, não apenas na igreja, mas também em casa ou em qualquer outro lugar.

      Ou seja, os cristãos não podem adotar hoje algo que era de um contexto cultural geral tão somente dentro da igreja. Ou se adota também fora da igreja, como era na época, ou não adota.

      Daí o cristão teria que mandar sua mulher se calar ao falar em público, e repreendê-la quando pretendesse lhe ensinar alguma coisa, recusar quando fosse fazer as vezes do marido quanto à manteneção do lar ou fazer quaisquer daquelas coisas que Paulo duramente criticou às mulheres.

      E agora meu amigo, ficou difícil?

      Pois alguns cristãos hoje, querem aplicar um contexto cultural amplo tão somente dentro de uma igreja (de tijolos)! Complicado né? Será que estes, em casa, não estão sendo menos cristãos e mais desobedientes às ordens de Paulo?

      Porque o conceito de igreja é o agrupamento dos cristãos, a congregação. Então não podemos dizer que as leis de Paulo eram destinadas para o interior de um templo de tijolos, mas sim para o proceder dentro da comunidade, da sociedade.

      Excluir
    6. O textode 1Timóteo 2:9-14, não é de natureza sociologica, mas soteriologica. À mulher foi proíbido ocupar o púlipito, por causa dos motivos elencados nos versículos 13-14.

      Em 1Co.14:34-38 encontra-se o mesmo assunto

      1Pe.3:1 também trata deste tema.

      Em Tito 1:5 o apóstolo Paulo deixando instruções para Tito afirma:
      "Por esta causa te deixei em Creta...e de cidade em cidade estabeleceste PRESBÍTEROS."

      v.6: "Aquele que for irrepreensível, MARIDO DE UMA MULHER, que tenha filhos fiéis..."

      V.7: "Porque convém que o bispo seja irrepreensível, como MORDOMO DA CASA DE DEUS."


      O Texto de 1Tm. 2:12 diz, vamos ler:

      "Não permito (eu , apóstolo Paulo), porém, que a MULHER ENSINE (não está falando de marido e mulher), Nem (agora está) use de autoridade sobre o marido...." o apóstolo continua a exortação.

      Se uma mulher estiver ensinando do púlpito e seu marido estiver sentado na audiência ela estará usando de AUTORIDADE SOBRE ELE.

      MUlheres pregadoras, bispas, pastoras, profetisas, apóstalas e os cambau, estão mais por fora da PALAVRA do que casca de laranja.

      Estão transgredindo as escrituras, ultrapassando a doutrina de Cristo, e os homens que permitem e batem palmas prá isso participam do mesmo pecado de dissolução.


      Vou repetir: Vocês querem impor Levitico 11 que NÃO CONSTA NO NOVO TESTAMENTO, quando na questão alimentar os textos falam OUTRA COISA bem diferente: foram mandamentos dados a Israel debaixo do sangue de animais que foi a antiga aliança.


      Agora vem e NEGAM textos de NATUREZA soteriologica, dados debaixo do sangue de Cristo, na nova aliança, com sanção apostólica, para a Igreja de Cristo, e querem abolir O MANDAMENTO DADO POR JESUS CRISTO PELO CONTEXTO CULTURAL?

      Leia 1Co.14:37.

      Até agora você não citou os textos que provem a crença de sua denominação, nem quanto à mulheres líderes espirituais sobre a Igreja de Cristo (alías, nem no antigo testamento existiam sacerdotisas, a não ser nos cultos pagãos), e não citou textos da biblía que demonstrem que não existe a doutrina da predestinação.

      Continua só falando ao "ar".

      Mostre os textos que provem o contrário do que foi afirmado aqui. Não adianta você falar sem provar o que está afirmando.

      Excluir
    7. Não amigo, o texto de Timóteo não proibiu a mulher tão somente de falar em púlpito. No contexto apresentado pelas cartas de Paulo as mulheres eram proibidas de falar em qualquer lugar público, e não somente entre os irmãos.

      O amigo não pode restringir à igreja, algo que era amplo! Paulo não limitou as mulheres de falarem dentro da igreja, em verdade, as proibiu de falar em qualquer lugar publico.

      Veja que não estou contradizendo o amigo, aquelas mulheres foram sim proibidas de falarem, quer fosse em pulpito ou fora do pulpito.

      Mas estou mostrando ao amigo de que aquelas cartas não estão dizendo para a mulher deixar de falar apenas dentro da igreja, mas sim deixar de falar em publico.

      Proibindo a mulher, também, não apenas de ensinar dentro da igreja, mas sim de ensinar em qualquer lugar que seja.

      As mulheres deveriam ser totalmente submissas, e servir apenas de parideiras, contribuindo assim com boas obras.

      E concordo com o amigo de que não existe na bíblia como provar de que não exista a doutrina da predestinação. Pelo contrário ela existe!

      Então amigo Paulo Cadi, não há necessidade de contradizer o amigo.

      Entretanto, o amigo mostrou o doutrinariamento da bíblia de uma forma limitada!

      A primeira foi em tentar limitar as ordens de Paulo como se valessem tão somente dentro de uma sinagoga.

      A segunda foi a de não especificar que tipo de predestinação é que não existe na Bíblia.

      E será que a bíblia pode apresentar algum verso provando que algo não exista nela mesma?

      Estranho este pedido não?

      E sou da seguinte opinião! Se temos que seguir as ordens de Paulo então temos que segui-las plenamente. Tanto na igreja, quanto em casa, quanto no trabalho, quanto na universidade.

      Então o cristão deveria chegar para sua mulher e dizer assim: - Olha o pecado entrou no mundo por causa da mulher, então você tem que ser submissa a mim, parir muitos filhos e se redimir com boas obras.

      Veja as dificuldades: Primeiro porque o cristão dificilmente conseguiria uma esposa, segundo porque poderia ser processado, por discriminação e por último estaria impondo à mulher uma espécie de salvação pelas obras!

      Será que era isto mesmo que Paulo estava ensinando?

      Então apoio o amigo, se as cartas de Paulo realmente disserem aquilo que o amigo acredita e creio que seja assim, a mulher, segundo suas ordens deveriam ser na igreja exatamente como o amigo imagina.

      Entretanto, digo, que esta questão não se limitava tão somente a igreja, mas que a mulher deveriam proceder também em casa e em qualquer lugar público segundo as recomendações de Paulo, que na verdade foram ordens expressas!

      Então, só temos duas alternativas! Ou julgamos que as ordens de Paulo era para um contexto social específico e que não sirva para outros contextos. Ou de fato cada cristão teria que proceder hoje, na igreja, em casa, no trabalho e nas universidades da exata forma como Paulo ordenou!

      Então usarei da mesma arquitetura de questionamento do amigo:

      Mostre-me nas escrituras, onde há escrito de que aquelas ordens eram para todos os povos em todas as épocas e em qualquer contexto cultural! E também mostre onde está escrito de que aquelas ordens valiam apenas dentro da igreja!

      Veja que não estou contradizendo o amigo, mas apenas confirmando o que o amigo disse e indo mais além. Estou apresentando o verdadeiro sentido que é amplo e não tão somente restrito ao comportamento das mulheres nas sinagogas. Eram ordens de como as mulheres deveriam agir dentro da sociedade.

      Esteja então livre para demonstrar o contrário!

      Excluir
    8. Eu não tenho que demonstrar nada. Você procure na internet, por exemplo, as mulheres importantes na história da humanidade.

      A mais importante sem duvida, Maria a mãe do salvador!
      As mulheres importantes na biblía, que foram exemplo para qualquer um de nós.

      O que existe na verdade é um discurso leigo, falso, e que não conhece o real papel da mulher e limita-se a exemplos muitas vezes fictícios que retratam o sexo feminino sempre sendo explorado e mal tratado.

      Isto NÃO PASSA DE MITO. É puro discurso feminista, produzido à partir da década de 60. O feminismo para quem não sabe é uma plataforma usada pelos comunistas afim de introduzirem sua doutrina totalitária.

      Depois ficam os histéricos defendendo algo que não conhecem, servindo como "ingênuos utéis."

      Este tipo de discurso da mulher maltratada através da história só serve para convencer quem não conhece a ciência histórica.

      O papel da mulher é através dos séculos muito diferente do que esta visão plantada pelo socialismo marxista afim de detonar as instituições livres do ocidente, inclusive as universidades e igrejas.

      E tem conseguido. Só que o povão não sabe de NADA do que está realmente acontecendo nos escalões políticos e religiosos.

      O amigo tem que pesquisar mais o assunto.

      As mulheres de Deus, cheias do Espírito possuem uma viada espiritual tão rica que não cobiçam um lugar que não lhes foi concedido pelo Altissímo.

      Elas tem de Deus tanto quanto o homem ou até mais, e é só ver o que o Santo fez a Maria, Isabel, Dorcas, Miriam, Rebeca, Sara e por ai vai.

      O Espírito Santo nelas vivifica suas almas para a vida de oração profunda e meditação nas escrituras, como mães e esposas exemplares e também trabalhadoras excelentes na sociedade.


      É só ler provérbios 31:10-31 onde fala da mulher virtuosa, e que é uma negociante.

      Mas detrás daquele altar... Só o sacerdote da casa de Deus para servir o pão da vida. Deus nunca escolheu sacerdotisas, nem apóstalas, nem profetisas ou pastoras para liderar a sua Igreja.

      Os motivos são de natureza hamartiologica, ou seja, relacionados a queda "em estilo" da mulher sendo enganada.

      Uma mulher que cobice o púlpito NÃO ESTÁ SENDO VIVIFICADA PELO ESPÍRITO SANTO,mas por outro espírito estranho a Palavra de Deus.

      Use seus mesmos argumentos com relação a observância do sábado.

      Paulo continua afirmando em 1Co.14:37;
      "Se alguém cuida ser PROFETA (não profetisa), ou ESPIRITUAL, reconheça que as coisas que vos escrevo são MANDAMENTOS DO SENHOR."

      Quem deu procuração ou autorização para alguém de si mesmo afirmar que estes mandamentos não tem mais valor e ao mesmo tempo afirmar que leviticus 11 está ainda em vigor, quando tal mandamento dado debaixo do sangue de animais nem ao menos é citado no novo testamento, mas ao contrário temos atos.15:28-29.

      Então os que se opõem ao que foi dito tem a obrigação de provar com a escritura que os mandamentos quanto a mulheres pastoras, pregadoras foram abolidos por Cristo, já que foi ele mesmo que os deu.

      Quanto a predestinação os oponentes também devem demonstrar que o ensinamento não existe na biblía.

      Excluir
    9. Errata: Na linha 28 onde diz: ..."possuem uma "viada" espiritual (foi mal!), ler, ..."possuem uma "vida" espiritual..."

      Excluir
    10. Voltando ao assunto das Escrituras:

      Independente das questões acerca do feminismo nos dias de hoje, fato é de que Paulo, entregou ordens à igreja, acerca do comportamento das mulheres em um contexto social amplo.

      O que devemos fazer então, amigo Paulo Cadi, é analisar, para ver se estamos de acordo com aquilo que pregamos!

      A crença que tenho se baseia no fato de que as ordens de Paulo eram restritas à um contexto socio-cultural em uma localidade específica. O princípio a ser extraído é o de que as mulheres devem respeitar os costumes de cada sociedade e serem submissas ao marido, nos trâmites que a própria sociedade exige e também nos trâmites que a própria Escritura exige (tomando como referência a chefia dada por Deus à Adão em relação à família com sua esposa Eva).

      Entretanto o amigo crê de que tais ordens dadas por Paulo são abrangentes a qualquer povo cristão, em qualquer época e em qualquer contexto cultural.

      Então pergunto-lhe:

      O amigo tem sido fiel à sua própria crença? Tem procedido não apenas na igreja, mas também em casa, no trabalho e nas instituições de ensino e nas repartições públicas da maneira como Paulo ordenou?

      Se acaso uma policial feminina lhe abordasse e lhe desse ordens, ou lhe repreendesse nalguma falta, ou lhe aplicasse alguma lição ou ensinamento, o amigo a colocaria "no seu devido lugar"?

      Veja também que mulheres possuem também certas profissões, que entrariam em conflito direto com as ordens de Paulo, a exemplo das psicólogas e professoras, além de médicas!

      E temos também as juízas, que em seus cargos se colocam acima de homens e tratam de dar-lhes ordens, punições, e até aplicar uma boa repreensão quando necessário!

      Vamos um pouco mais além! Em nosso país temos uma mulher acima de todo brasileiro, como nossa representante, uma Presidenta.

      O que me diz disto amigo Paulo Cadi? As ordens de Paulo só valem dentro da igreja? Fora dela tudo bem?! O homem pode ficar debaixo da mulher recebendo ordens, sendo ensinado e sendo até mesmo repreendido?

      Excluir
    11. Você não citou a biblía. Então não vou responder.
      O que você falou e NADA é a mesma coisa.

      Excluir
    12. Você tem que demonstrar pela escrituras que a mulher tem autorização para liderar a igreja de Cristo.

      Como você não tem ESCRITURA para o que pretende defender, começa a partir para exemplos que não tem a ver diretamente com o que estamos falando.

      Até a igreja catolica sendo a mais antiga e sabendo que desde o tempo dos apóstolos a mulher está proíbida por JESUS CRISTO de liderar Sua igreja, não tem papisas e nem sacerdotes do sexo feminino.

      Você pode continuar argumentando mas as escrituras vão continuar dando testemunho CONTRA as suas afirmações NÃO BIBLÍCAS.

      Excluir
    13. Em 1Co.14:37 Paulo afirma que são mandamentos do Senhor. Vocês adventistas sempre estão falando em mandamentos, (entenda-se decálogo, na FORMA como está redigido em Êx.20), agora querem esquivar-se dos MANDAMENTOS DADO DIRETAMENTE POR JESUS CRISTO a Sua igreja, utilizando-se de ARBITRARIEDADE ao alegar que o mandamento era local.

      Este mandamento foi dado aos Coríntios porque estavam aparecendo mulheres querendo ocupar o lugar do Prebítero. É um mandamento para TODA A IGREJA.

      O MESMO mandamento foi dado a Timóteo que esta em Éfeso. Pedro, em Jerusalém toca no mesmo assunto em sua primeira epístola.


      A razão porque a mulher não pode ocupar o púlpito está em 2Tm.2:14: "E Adão não foi enganado, mas a mulher, sendo enganada, caiu em TRANSGRESSÃO.

      Nada de razões locais, contextuais etc, sendo que o mandamento está relacionado a QUEDA.
      Este mandamento foi dado a Paulo por JESUS CRISTO para a sua Igreja, sendo portanto de valor perene.


      É claro que os adventistas vão começar a dar voltas para NEGAR um mandamento explícito já que ele condena os atos de sua profetisa que DESOBEDECEU o mandamento de JESUS CRISTO.


      Sendo assim, Deus não tem NADA que ver com isso.
      Senão teria que pedir desculpas a Adão e Eva.

      Ali, a mulher estava sob a chefia do marido; ela saiu detrás da palavra e foi SEDUZIDA por Satanás. O homem pecou porque ouviu a voz de sua mulher, mas NÃO FOI ENGANADO.

      A razão para o mandamento é esta.

      Paulo disse que aqueles que ignorarem o que disse, serão também IGNORADOS, ou seja desconhecidos de Jesus Cristo.


      Excluir
    14. Desculpe-me amigo Paulo Cadi, mas creio de que a Bíblia não está nos exigindo para sermos hipócritas.

      O amigo pretende usar as ordens de Paulo tão somente para embasar a opinião do amigo quanto a mulheres subirem no púlpito. Em contrapartida ignora estas mesmas ordens no que diz respeito ao convívio social.

      Devo então levantar mais uma questão: O amigo já rapou a cabeça das mulheres com quem convive? Porque Paulo também ordenou que as mulheres usassem véu, caso contrário, deveriam rapar a cabeça.

      Agora veja que quando conversamos com algum cristão machista acerca destas questões, estes dizem que o véu não precisa, que era para um contexto cultural específico, porque não querem ver suas mulheres saindo na rua usando véu ou com a cabeça raspada.

      Mas usam outras ordens de Paulo para dizer de que eram amplas e irrestritas. Outrora, como no caso que estamos tratando, dizem de que seria uma ordem válida tão somente dentro da igreja.

      Deste modo, usam a Bíblia segundo suas próprias conveniências afim de encontrar desculpas para apoiar suas próprias ideias e seu estilo de vida.

      Então amigo Paulo Cadi, não é questão de eu lhe mostrar versos! Já disse que o amigo está certo em sua interpretação e que o amigo deve obedecer as ordens de Paulo e colocar as mulheres no seu devido lugar. Deve mandar-lhes calar a boca quando pretenderem falar em público e recusar que se atrevam a ensinar-lhe alguma coisa.

      E quando for pregar ao público, dentre a multidão deve relatar as exatas palavras de Paulo, acerca da conduta de Eva na criação.

      Devemos ser fiéis às nossas convicções. Não podemos pegar todas aquelas ordens de Paulo e aplicar tão somente na questão da mulher falar em público. Lembre-se que Paulo é bem direto, as mulheres devem permanecer caladas e jamais falar em público.

      Portanto não deve trabalhar em empresas, para não ter o risco de conversar com alguém, durante o trabalho ou uma reunião, transgredindo então as ordens de Paulo.

      Também não deverá abrir a boca durante os passeios nos meio da multidão ou nas compras.

      Também não deverá dar palpite, sobre qualquer coisa, mas sim ser totalmente submissa ao marido.

      E deverá usar véu.

      O amigo disse que os adventistas começariam a dar voltas e negar! Mas não estou negando, estou confirmando e não estou dando voltas, estou indo direto ao ponto.

      O amigo deve guardar as ordens de Paulo então exatamente como ele ordenou e assim deverá ensinar aos homens por onde pregar e deverá também dar o exemplo, fazendo-se cumprir as ordens de Paulo, começando por sua própria casa.

      E quando uma mulher vier usar de autoridade para com o amigo, quer seja uma juiza, uma policial ou uma deputada, o amigo deverá dizer:

      - Olha, por causa da mulher o homem caiu em transgressão, por isto vocês devem ficar caladas e serem totalmente submissas, não poderão falar em público e nem dar ordens aos homens. Mas tão somente se preocuparem em se redimir servindo de parideiras aos homens.

      Então amigo Paulo Cadi se as ordens de Paulo são também para nós, por que o amigo não as aplica integralmente? Por que o amigo as aplica tão somente na questão da mulher não poder falar em púlpito?

      Quero apenas entender isto! Como o amigo pode exigir que os adventistas obedeçam a estas ordens de Paulo, sendo que o próprio amigo que crê nestas ordens não as seguem ao pé da letra!?

      Excluir
    15. Você está se utilizando de falsos argumentos e está chamando Jesus Cristo de "machista" porque foi ele mesmo que instruíu ao apóstolo quanto à isso e deu a razão em 2Tm.2:14.


      Depois fez uma afirmação infeliz quando disse:
      "E quando uma mulher vier usar de autoridade para com o amigo, quer seja uma juíza, uma policial ou uma deputada..."

      À isto respondo: Em primeiro lugar nenhuma destas oficiais irá usar de autoridade para comigo porque não sou marginal e cumpro os meus deveres como cidadão.

      Em segundo lugar houvesse necessidade disso a resposta é:
      "Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus."
      Foi "César" que colocou as mulheres em posição de autoridade, não Deus.
      Então enquanto estamos no mundo devemos dar o exemplo como cristãos.

      Depois você partiu para a ignorância,e até fez irônia com a própria palavra de Deus que afirma acreditar. Disse:
      "- Olha, por causa da mulher o homem caiu em transgressão, por isto vocês devem ficar caladas e serem totalmente submissas, não poderão falar em público e nem dar ordens aos homens. Mas tão somente se preocuparem em se redimir servindo de parideiras aos homens."

      Uma afirmação destas só pode vir de pessoa que não tem o MINÍMO entendimento das verdades profundas que subjazem a esta proíbição.

      Você não crê em Paulo como todo o judaizante, não entende o que ele escreveu, e pela inexistência de textos que apoiem a desobediência de sua profetisa termina por se rebelar contra a própria palavra e ao mesmo tempo quer impor levitico 11 que é completamente INEXISTÊNTE no novo testamento, e que foi promulgado debaixo do sangue de animais.

      Você fica fazendo comparações da igreja com o mundo, como se esta tivesse que transigir com ele, quando o corpo de Cristo nada tem a ver com o mundo.

      Se você crê que a sua crença está correta use a escritura, e não seu palavreado.
      Se não tem escritura é melhor ficar quieto.

      Excluir
    16. Amigo Paulo Cadi, usar de autoridade não tem nada a ver com fazer mal a uma pessoa.

      Uma policial usa de autoridade por exemplo quando lhe dá qualquer tipo de ordem. Ou quando chama-lhe a atenção por alguma falta ou até mesmo lhe repreende por um motivo justo.

      E o amigo usou uma justificativa que não pode ser aceita:

      "Em segundo lugar houvesse necessidade disso a resposta é:
      "Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus."
      Foi "César" que colocou as mulheres em posição de autoridade, não Deus..."

      Então, no caso, antes importa obedecer a César do que a Deus? Se Paulo ordena ao homem a não baixar a cabeça para a mulher, mas César ordena que baixe, o cristão deverá baixar?

      Então na igreja o cristão obedece a Deus, mas fora do templo, obedece a César, contrariando as ordens de Deus? Conveniente não!?

      Pois é justamente a isto que tenho Criticado! Pois os que alegam que as mulheres devam usar véu, ou ficarem caladas, demonstram ser cristãos apenas dentro das sinagogas!

      Fora dela é um sim senhora, pois não senhora!

      Digamos então que um cristão não possa receber ordens ou ensinamentos, apenas de cristãs.

      Daí usam convenientemente versos de Paulo a fim de subjugar a mulher.

      Mas, em se tratando de não cristãs, autoridades de Cézar, estes cristãos então baixam a cabeça e aceitam tudo numa boa.

      Um tanto desconsertante, não!?

      E veja amigo Paulo Cadi, que minha intenção não é ferir a sua consciência, nem estou a contradizer os versos que o amigo apresentou. Já concordei com o amigo de que Paulo estava mesmo como diríamos "colocando a mulher no seu devido lugar".

      O que estou fazendo é apenas questionar o amigo sobre algumas incongruências.

      Vamos avançar mais um pouco!?

      E quanto ao falar línguas estranhas!? Tenho vistos muitas mulheres por aí, que supostamente deveriam ficar caladas, falando e falando muito em público, através de línguas estranhas!

      Ué! Se for línguas estranhas pode falar em publico e dentro da igreja?

      http://www.lideranca.org/cgi-bin/index.cgi?action=forum&board=atualidades&op=display&num=7827

      Isto também parece conveniente não?

      Não seria o caso de que, se Paulo estivesse vivo hoje, não mandaria tais mulheres calarem a boca e pararem de pregar em línguas estranhas?

      Excluir
    17. Fazendo um apanhado geral:

      Pessoalmente, o que tiro para mim, segundo as cartas de Paulo, é que a mulher não deva tentar tomar a posição de autoridade do homem. Mas que não haja problemas em uma mulher executar funções, até mesmo de pregações, na falta de de alguém do sexo masculino que possa se encarregar desta autoridade!

      A função da mulher é de ajudadora e não de tomar as rédeas, a frente de uma congregação.

      Algumas coisas que Paulo escreve, são estritamente na relação 'Marido e Mulher'. Na época de Paulo era muito vergonhoso para um homem, ser inferior à mulher na questão intelectual, uma fez que as mulheres eram muito marginalizadas e os homens bastante privilegiados.

      Assim, naquela época, ter uma mulher mais sábia que o marido era visto como motivo de humilhação. Então, mesmo que uma mulher tivesse mais conhecimento que o marido, não poderia pretender ensinar-lhe em publico.

      Também era vergonhoso para o homem, ficar sentado nalgum "banco" enquanto sua mulher prega a toda congregação.

      Aos homens também era muito vergonhoso se verem em um papel social, invertido, onde o homem pareceria estar abaixo da mulher ou em pé de igualdade.

      Socialmente era vergonhoso ao homem não ter autoridade sobre a mulher. Porque o casamento é isto, a mulher se colocar sob a autoridade do marido.

      Então temos algumas vertentes a analisar:

      A primeira é a relação Marido e Mulher, instituída através dos laços sagrados do casamento. Nisto entra os textos de Paulo que exemplifica o porque de a mulher ter sido escolhida para ficar sob a autoridade do homem.

      A segunda vertente é também relacionada à relação conjugal, onde a mulher falar em público era visto como algo vergonhoso. O homem sempre deveria tomar a frente nos diálogos e servir de porta-voz entre o casal, e não a mulher.

      A última vertente é em relação à mulher solteira, ou viúva.

      Que Deus colocou o homem em um posição de privilégio, também dentro da igreja é obvio, e pelo mesmo motivo de ter dado autoridade ao marido, na relação 'marido e mulher'. Porque o homem tem melhor capacidade de liderança.

      Mas quando faltar homens para fazer o trabalho, meu amigo, pode ter certeza de que Deus usará também as mulheres.

      Isto é um fato comprovável, pois a Bíblia está repleta de exemplo mulheres que ocupavam posições de liderança e de profetizas, ex: Débora, Hulda as quatro filhas virgens de Filipe, o evangelista.

      E poderíamos citar mais mulheres, como Priscila, esposa de Áquila e Febe.

      (...)

      Excluir
    18. Mas concordo de que deixar uma mulher no comando, não trouxe boas experiências para uma igreja em específico, a de Tiara.

      Entretanto......

      Por outro lado, comprova de que mulheres podia sim ocupar cargos de liderança, a exemplo de Jezabel, que infelizmente, agiu como uma "Eva", enganando novamente aos "Adões" daquela congregação.

      De tudo tiramos de que, como profetizas, as mulheres podiam sim ensinar aos homens, dar-lhes conselhos e até exercer posições de liderança.

      Isto porque exercem a autoridade que Deus coloca sobre elas, portanto, não se trata meramente da autoridade de uma mera mulher.

      Como já mencionei anteriormente, pelo menos duas pessoas, do sexo masculino, foram chamados por Deus e tiveram as mesmas das primeiras visões dadas a Ellen White.

      O primeiro se negou a passar as revelações, mesmo tendo aceitado a princípio esta tarefa incumbida por Deus. O Espírito Santo se entristeceu com esta pessoa que acabou não mais falando em Deus e morreu tendo abandonado a sua fé.

      O segundo, um batista, não suportou o peso da responsabilidade e acabou se desvencilhando da tarefa. Por fim, Deus decidiu usar uma mulher, a mais fraca das fracas.

      Portanto não há nada de extraordinário em Ellen White como profetiza, que não houvesse sido manifestado em tantas outras profetizas que já existiram.

      Toda profetiza tem visões e revelações, orienta e entrega mensagens à igreja de Deus. Ellen White nunca foi pastora, mas como tantas outras profetizas, falou à multidões, não por sua própria autoridade, pois como mulher não tem mais autoridade do que um homem. Mas usada por Deus, exerceu a autoridade que lhe foi concedida.

      Portanto, quanto a isto, não há nada para o homem se envergonhar.

      Excluir
    19. Sr. Adventista, você quis criar uma dicotomia entre o comportamento do homem crente na sociedade diante de mulheres que possuem autoridade delegada e depois na comunidade religiosa a que pertence,diante de mulheres crentes.

      Um homem inteligente sabe que uma mulher que recebeu autoridade representa o Estado.

      Então, como não vivemos em uma teocracia, mas em uma sociedade que divide Igreja e Estado, o cristão tem de agir com correção.

      Uma mulher pode ser juíza, mas se for cristã sabe que segundo as escrituras a mulher não foi chamada para o púlpito.

      Você não está citando da escritura mas configurando seu pensamento da mesma forma que os não convertidos.

      Continua negando a Palavra querendo que ela se molde aos caprichos humanos.

      Citou os supostos dois homens que Deus teria escolhido antes de Ellen White. quando a biblía demonstra o oposto.

      Quando Deus escolhe um homem para o serviço é AQUELE. Veja Moisés, Jonas, Jeremias, Paulo etc.

      Não tem não querer.

      Além do mais se você ler Efésios no cap.4:11 e seguintes verá que os oficíos da palavra até o fim do mundo estão reservados aos homens.

      Já lhe citei da palavra mas você não cre na biblía mas na doutrina de sua denominação, então não adianta citar a biblía para você.

      Mandamentos claros dados pelos apóstolos são desprezados para ouvir falsas doutrinas sem
      fundamento biblíco.

      Agora saiba de uma coisa. Por mais que você argumente, sempre que abrir a sua biblía ela estará dando testemunho contra você.

      Excluir
    20. Vejo então que o amigo entende o conceito sobre uma mulher receber autoridade!

      Este é o caso das profetizas, conforme lhe expliquei no comentário anterior.

      Uma mulher pode receber autoridade de Deus e servir-lhe de porta-voz, esta é a função de uma profetiza.

      Quanto a Paulo, fato é que sabemos que cada uma de suas ordens possuía algumas particularidades!

      O uso do véu por exemplo era algo estritamente cultural que veio de fora e foi levado para dentro da igreja.

      Outras ordens porém se davam na questão da relação entre marido e mulher, que também veio de fora e que foi levado para dentro da igreja.

      O que mostra de que a igreja se adaptava aos costumes locais de cada sociedade.

      A Bíblia é clara em colocar o homem como chefe, à frente da mulher e a mulher como uma auxiliar, uma ajudadora.

      Entretanto, o que passar disto é de procedência cultural, como aquela questão de as mulheres não poderem falar em publico.

      Se em uma sociedade é visto como normal uma mulher falar em público, problema algum há de a mulher também pregar, quer seja em alguma praça sobre algum banco, ou em um púlpito.

      E não estou tocando na questão de mulheres pastoras, mas sim de pregadoras.

      Sabemos que também a mulher é agraciada com os dons do Espírito Santo e se é o próprio Deus quem dá, quem é o homem para priva-las de exercerem tais dons?

      E o amigo tem usado muito a Bíblia a fim de apoiar suas próprias convicções. Dizendo: É assim!

      Então não é a Bíblia quem estaria dando testemunho contra mim, mas sim as suas próprias convicções!

      A Bíblia é a Bíblia, suas convicções são suas convicções.

      Suas convicções não são a Bíblia.

      Particularmente prefiro usar o que está escrito no antigo testamento ao invés de minhas próprias convicções.

      Ex:

      "Mandamentos claros dados pelos apóstolos são desprezados para ouvir falsas doutrinas sem
      fundamento biblíco."

      Então devo perguntar novamente se o amigo rapa a cabeça das mulheres com quem convive ou se faz com que usem véu!

      O tal mandamento claro acerca do uso do véu está na Bíblia, nas cartas de Paulo que o amigo diz tanto prezar. Então por que não segue?

      Não são "mandamentos claros dados pelos apóstolos"?

      Isto se chama, usar a bíblia a seu bel prazer, amigo Paulo Cadi. Escolhendo usar tão somente aquilo que convém!

      Permita-me contradize-lo mais um pouco:

      "Quando Deus escolhe um homem para o serviço é AQUELE...

      Não tem não querer.'

      E quanto a Saul?

      O amigo tem citado filosofias e usado a bíblia tão somente para apoiar estas mesmas filosofias. Algo fácil de se fazer quando se ignora o restante da Bíblia, atendo-se tão somente às cartas de Paulo.

      E a Palavra de Deus não tem umbigo, de forma a girar em torno de um versiculo isolado, mesmo que seja o de Efésios cap 2:11.

      Ao se estudar as escrituras, deve se levar em consideração tudo que está escrito.

      Como há claros exemplos de mulheres profetizas na Bíblia (Juízes 4:4), pouco importa se o amigo se desagrada por uma mulher falar sobre o púlpito.

      Nem todos os cristãos são dispensacionalistas, de modo que não acreditamos de que Deus tenha mudado de opinião acerca das mulheres poderem executar aqueles mesmos trabalhos apresentados no Antigo Testamento.

      E que vemos também no novo testamento a exemplo das filhas profetizas de Filipe.

      Então não vejo sentido em usar aquelas ordens de Paulo a fim de tentar colocar uma fita adesiva na boca de profetizas.

      Então não havia nada que impedia Ellen White de exercer seu dom, nem mesmo as cartas de Paulo. Porque Paulo não era machista, pelo contrário, sabia valorizar a ajuda das mulheres, conforme relatam alguns versos de suas cartas.

      Paulo era apenas adepto de se respeitar a cultura local e suas regras sociais. Todo o resto que o amigo tem usado é especulação, tão somente para justificar o seu desagrado em ver uma mulher pregando sobre o púlpito.

      Excluir
    21. Cite escrituras que se oponham ao que afirmei.

      O seu problema Sr.Adventista, é que você NÃO MOSTRA ESCRITURA para provar o que afirma.

      Então sua argumentação É NULA.

      Você é que está explicando AS SUAS CONVICÇÕES enquanto eu TODO O TEMPO ESTOU CITANDO DA ESCRITURA.

      Então não venha querer distorçer as coisas.

      Como que você vai afirmar que eu estou especulando se é você é que faz isso.

      Repito você não cita das escrituras para provar sua crença.

      SE este debate fôsse ao vivo, sua argumentação SEM ESCRITURA já teria evaporado.

      Excluir
    22. Não, minha argumentação não é nula! O amigo entenderá porque:

      (1 Coríntios 11)

      "Todo o homem que ora ou profetiza, tendo a cabeça coberta, desonra a sua própria cabeça.
      Mas toda a mulher que ora ou profetiza com a cabeça descoberta, desonra a sua própria cabeça, porque é como se estivesse rapada.
      Portanto, se a mulher não se cobre com véu, tosquie-se também. Mas, se para a mulher é coisa indecente tosquiar-se ou rapar-se, que ponha o véu. O homem, pois, não deve cobrir a cabeça, porque é a imagem e glória de Deus, mas a mulher é a glória do homem."

      Assumindo que o amigo considere ao homem um desrespeito, orar dentro da igreja com um chapéu ou boné cobrindo a cabeça, lhe pergunto:

      a) O amigo se opõe à ordem de Paulo, de que a mulher rape a cabeça ou então que coloque o véu?


      (1 Coríntios 14)

      "Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz, como em todas as igrejas dos santos.
      As vossas mulheres estejam caladas nas igrejas; porque não lhes é permitido falar; mas estejam sujeitas, como também ordena a lei."

      b) O amigo se opõe a ordem de Paulo, de que a mulher permaneça calada na igreja sem lhe ser permitido falar (mesmo que em línguas estranhas)?

      Dois versos bíblicos e duas perguntas simples, o amigo pode responder com um sim ou com um não!

      Vamos ver então se a falta de respostas do amigo era mesmo por falta de versos...

      Excluir
    23. Você CONTINUA NÃO ENCONTRANDO textos que apoiem o ministério de mulheres como líderes espirituais no Corpo de Cristo e partiu para um texto que CONTINUA PONDO A MULHER EM SUJEIÇÃO AO VARÃO.

      Se você prestar mais atenção no texto verá que "homem que ora ou profetiza com a cabeça coberta" é homem com cabelo comprido, de mulher, assim que "mulher que ora ou profetiza com o cabelo curto como de homem" tem sua cabeça descoberta.

      Em 1Co.11.15 vamos ler:

      "Mas ter a mulher CABELO CRESCIDO LHE É HONROSO, PORQUE O CABELO LHE FOI DADO EM LUGAR DE VÉU."

      No verso 10, vamos ler:

      "Porque a mulher DEVE TER sobre a cabeça SINAL DE PODERIO (autoridade), por causa dos anjos (não do contexto social, como você pretende)."

      Se você ir em uma sinagoga, se não foi ainda, (já fui muitas vezes pois estava estudando hebraico, na época), vai ver que os homens usam o "Kipá".

      Os judeus, como Paulo que era um doutor da lei fariseu, sabiam muito bem do que se tratava isto.

      É só você ver no ritual do tabernáculo tanto os sacerdotes como o sumo sacerdote apresentando-se diante de Deus com a CABEÇA COBERTA.

      Paulo está afirmando que o homem que se apresenta com a cabeça "coberta, ou seja, cabelo comprido, de mulher, desonra sua cabeça que é Cristo.

      Da mesma forma a mulher que se apresenta a Deus com a cabeça descoberta, ou seja, sem o "véu natural" que Deus lhe deu, desonra sua cabeça, ou seja seu marido.

      Deus fez a mulher com cabelos longos e que que ela se apresente diante dele assim.

      Se você ler em Ap.9:8 na visão que o apóstolo João teve de uma casta de demônios assim descreve o cabelo deles:

      "E tinham CABELOS COMO O DE MULHERES..."

      Lucas 7:38 vamos ler:

      "...e os enxugava COM OS CABELOS DA SUA CABEÇA;"

      A prostituta arrependida tinha os cabelos tão longos que enxugou os pés do Senhor Jesus com seus próprios cabelos.

      Bem diferente destas mulheres masculinizadas, crentes na igreja moderna mais afastada da palavra do que um tatu, do meio do mar.

      Você gosta muito de "confundir" as coisas quando não tem argumentos.

      Mulher que ora ou profetiza pelo Espírito Santo, ou seja, a unção que vem sobre ela, não por vontade própria; não está se falando de mulheres pastoras ensinando detrás do púlpito,mas como as filhas de Filipe.

      Alías, este texto é DESPREZADO na igreja adventista já que lá quem monopoliza o dom de profecia é só Ellen White, ao contrário do que afirmam as escrituras onde o dom se manifesta em TODO O CORPO, tanto homens, como mulheres.

      Então não adianta você querer colocar um texto da escritura contra o outro, pois está se falando de coisas diferentes.

      Só que vocês estão com a cabeça tão cheia de adventismo que não compreendem isto.

      Excluir
    24. Prossigamos:

      a) Compare estas ordens de Paulo, acerca do uso do cabelo comprido pelos homens, com (Números 6:5) e explique-nos esta aparente contradição!

      b) Compare estas ordens de Paulo, acerca do uso do véu por parte das mulheres, com (Gênesis 38:14-15) e em seguida leia o seguinte artigo:

      http://www.advir.com.br/sermoes/sermoes_c_usodoveu.asp

      E o amigo está misturando as coisas, colocando Ellen White no patamar de pastora.

      Ellen White jamais foi pastora, nem se colocou como tal. Seu papel era o de profetiza e fazia coisas de profetiza.

      Assim como Davi foi um pastor que tinha um profeta ao seu lado e que trazia consigo a autoridade de um porta-voz Deus, assim também foi Ellen White, trabalhando ao lado da Igreja Adventista do Sétimo Dia.

      Voltando ao assunto, faço uma pergunta retórica:

      Por que será que algumas religiões desprezam tanto o Antigo Testamento?

      A resposta é: Porque suas interpretações acerca de doutrinas, muitas vezes entram em conflito com esta parte da Bíblia.

      O que os adventistas fazem neste aspecto é dar uma interpretação harmônica e que não se choca nem com o antigo, nem com o novo testamento.

      Analisando a Bíblia como um todo, percebemos que estas questões acerca de cabelo longo, ou comprido, bem como do uso do véu, ou de as mulheres falarem em pública, não se tratam de leis morais, mas sim de questões culturais.

      De forma que tais ordens só se justificam em locais em que hajam crenças semelhantes àquelas denotadas por Paulo.

      O que podemos extrair destes ensinamentos de Paulo são tão somente os princípios, que são morais importante!

      Como o de a mulher respeitar a autoridade do marido, não procurar tomar o seu lugar à frente como porta-voz do casal, e respeitá-lo, mesmo se intelectualmente ele for menos provido que a mulher.

      Paulo procurou justificar aos ouvintes o motivo de guardarem estas coisas, utilizando a própria Bíblia e seus ensinamentos.

      Mas os detalhes quanto a rapa a cabeça, usar véu, ou cabelos compridos, estes são estritamentes relativos à cultura local, onde cada uma destas coisas, tenha um significado diferente.

      O cabelo comprido no homem em certa cultura tinha um significado, enquanto que na mulher tinha outro. A cabeça raspada no homem, não tinha significado algum, mas na mulher tinha significado.

      (...)

      Excluir
    25. Em certas culturas haviam votos onde ter cabelo comprido era honroso, noutros eram visto como sinal de homossexualismo.

      Em outras culturas, mulheres tinham que usar o véu, mas em outras, haviam culturas onde as prostitutas é que tinham que usar o véu e rapar a cabeça.

      Estas eram questões culturais que variavam de localidade.

      E a questão de uma mulher ser pregadora?

      Percebemos que a proibição da mulher falar em público não se trata de um princípio moral, mas sim cultural, então se em uma cultura é visto como aceitável a mulher falar em publico então problema algum há em a mulher falar em público.

      Nestas culturas as mulheres podem então pregar.

      E o pulpito é o lugar apropriado para se fazer pregações.

      Quanto a mulher ser pastora, de minha opinião e estou me referindo a minha opinião, creio que a mulher não deva ocupar tal posição, haja vista, que até mesmo na comunidade cristã, isto ainda fira moralmente a mente de alguns irmãos.

      Então seguindo os princípios e as ordens de Paulo de que devemos respeitar uma cultura local, a mulher não deveria então ocupar os cargos de pastoreio, para não causar escândalo na comunidade cristã.

      Entretanto, estamos em uma época de transição e a existência de mulheres pregadoras já não assustam tanto quanto antigamente.

      Sempre teremos as religiões e os cristãos ditos "mais ortodoxos" e ainda estes devemos respeitar.

      Quanto à profetas mulheres, isto já é outro assunto, porque a autoridade destas mulheres provém diretamente de Deus, e isto sobrepuja qualquer contexto cultural como vemos claramente na Bíblia.

      As profetizas do tempo de Paulo, atuavam da mesmíssima forma das profetizas do Antigo Testamento.

      E com Ellen White não poderia ser diferente.

      Portanto as pregações de Paulo, em nada desabona a conduta de Ellen White, em guiar e aconselhar a Igreja Adventista do Sétimo dia, pois este sempre foi o papel principal de um profeta.

      Excluir
    26. Sr.Adventista, você sem argumentos sai por aí procurando textos e tentando elaborar uma defesa NULA, porque não está citando textos que ANULEM ou INVALIDEM aqueles que eu citei , que são mandamentos DIRETOS para Igreja.

      Ellen White sim pregava dos púlpitos foi mais que uma pastora dentro do movimento adventista. Ela desprezou os mandamentos positivos do Senhor Jesus quanto a mulheres pregadoras.

      Ela exerceu a liderança até as suas últimas consequências, mesmo que não tenha assumido a presidência, já que no adventismo à semelhança das igrejas protestantes o presidente da Igreja não é ou não deveria ser o líder espiritual.

      Se o é não pode condenar o catolicismo.

      Você se atém muito a mandamentos dados a uma época e cultura de um povo.

      Devia aplicar primeiro este critério a Levitico 11 que não é mencionado no novo testamento. Ao contrário, os mandamentos contra mulheres líderes no corpo de Cristo não foram de natureza contextual, mas soteriológica como demonstrado em 1Tm.2.

      Se você em Efésios 2:20 verá que os líderes da Igreja são os apóstolos e Paulo especialmente para os Gentios.

      Então essa pretensão de uma mulher ser a líder espiritual do corpo de Cristo nos últimos dias não tem fundamento biblíco. Os lídered continuam sendo os apóstolos já que eles continuam em nosso meio através da palavra, e compete ao past(o)r líder da Igreja local conduzir o rebanho de Cristo sob a doutrina dos apóstolos.

      O testemunho de Jesus dado João se encerrou com o apocalipse e agora está na Igreja local se está for fiel a sã doutrina e não em movimentos que surgem aqui e ali como o Senhor Jesus advertiu.

      Excluir
    27. Não estou aqui para anular a lei.

      Cada princípio moral deve ser observado.

      "Como o de a mulher respeitar a autoridade do marido, não procurar tomar o seu lugar à frente como porta-voz do casal, e respeitá-lo, mesmo se intelectualmente ele for menos provido que a mulher."

      Estes são princípios morais amplos, para todos os povos em todas as épocas.

      Se em uma cultura o respeito ao marido significa colocar o véu, ou deixar os cabelos compridos, que então isto seja feito.

      Se em outra cultura significa usar saias até o tornozelo que isto então seja observado.

      Se ainda existe alguma nação onde, a mulher falar em publico, seja visto como desonroso para o marido, então que nesta nação a mulher permaneça calada.

      Quanto ao homem, em culturas onde ter o cabelo grande é visto como falta de asseio, ou como uma prática derivada da homossexualidade, então que o cristão não deixe o cabelo comprido.

      Se em uma cultura é vergonhoso para o homem rapar a barba, que então o homem a deixe onde está.

      Quanto à nós:

      Será que hoje vivemos em uma cultura onde é vergonhoso para o marido ter a mulher falando em público?

      Uma cultura onde é vergonhoso para uma mulher usar cabelo curto!

      Ou vergonhoso quando uma mulher bem estudada tentar ajudar seu marido a concluir o ensino médio, ensinando-lhe algumas fórmulas de matemática?

      Se não é, então só posso lhe dizer a mesmíssima coisa amigo Paulo Cadi, copiando aquela sua afirmação:

      "Você se atém muito a mandamentos dados a uma época e cultura de um povo."

      Aqueles mandamentos de Paulo sim, foram dados à uma época e cultura de um povo.

      O dom de profecia porém, este sempre foi dado em todas as épocas independente da cultura de um povo.

      Profetizas sempre existiram e sempre pregaram, aconselharam e ajudaram os pastores a conduzir o seu rebanho.

      As ordens de Paulo em nada anulam ou revogam de que as mulheres possam assumir o papel de profetizas, pelo contrário.

      No novo testamento encontramos mulheres que ainda recebiam o dom de profecia. As filhas de Filipe e não percebemos qualquer repreensão de Paulo quanto a Isto, pelo contrário.

      "E há de ser que, depois derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas FILHAS profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões."

      Ter uma profetiza mulher neste tempo do fim não é nada incomum, pois a própria Bíblia nos revela de que haveriam tanto profetas como profetizas.

      Agora, amigo Paulo Cadi, se o seu machismo não admite mulheres nem mesmo no papel de profetizas, pouco há de se fazer.

      Profetizas estão em toda a Bíblia, inclusive nas cartas de Paulo, quanto a aceitar ou não isto cabe unicamente ao amigo.

      E não existe nem jamais existiu profetizas nos moldes que o amigo tem exigido. Uma profetiza tem tanta autoridade quanto um profeta, pois um não é mais nem menos porta-voz de Deus do que o outro.

      Excluir
  16. Sr Adventista, muitas pessoas que vc diz ter vencido e esvaziado os tais blogs, na verdade se incomodam com seus extensos e "santimoniosos" comentários.

    Já te pedi, seja objetivo e sucinto.

    Seus comentários são apenas justificativas amigáveis dos defeitos da IASD. A Igreja que vc crê ser a remanescente. Eu agiria assim também se tivesse tal crença distorcida.

    Quer ver uma pessoa agir assim? Vai na postagem "Perguntas aos Trinitários" e veja os comentários de um sr TJ de nome José Roberto. Vai defender lá a Trindade (que vc afirma crer). E mostre os erros da seita TJ... depois te veja nas respostas...

    ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não disse que venci. Porque como resultado as pessoas se desinteressam pelo assunto, ou seja, deixam de frequentar também o meu blog, procurando então coisas mais elevadas.

      E não tenho intenção de mostrar erros dos TJs, porque temos doutrinas bem fundamentadas na Bíblia para apresentar. Apresentemos então primeiramente nossas doutrinas bíblicas e deixemos que estes percebam, por si mesmos, seus próprios erros.

      Excluir
    2. cansativo mesmo, bla...bla..bla...

      Excluir
    3. Obrigado por ler e comentar amigo Fernando Costa.

      Excluir
  17. Sr. Adventista
    Sua participação e comentários são importantíssimos. Vamos aproveitar a " Crítica construtiva " para "TODOS" nós vigiarmos em nossos comentários tanto quando nos alongamos, por até nos empolgarmos no assunto, bem como falarmos "POUCO" e não atingirmos a alvo nos esclarecimentos necessários.
    Creio que o alerta é positivo para todos em todos os sentidos.
    Nosso objetivo é esclarecer também os que participam apenas lendo e não escrevem, não postam.
    Vamos transformar o LIMÃO EM UMA DELICIOSA LIMONADA.
    A Deus toda Glória
    Em Cristo
    Wilton

    ResponderExcluir