sexta-feira, 1 de junho de 2018

Jesus falou sobre a prática homossexual?


Introdução

Uma das questões que tem provocado debates teológicos acalorados e até mesmo cismas denominacionais, tem sido a questão da prática homossexual.  De um lado temos conservadores que abraçam a visão majoritária de toda a cristandade (católicos romanos, ortodoxos, protestantes) de que as relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo são proibidas por Deus, portanto, quem incorre nessa prática comete pecado. De outro, revisionistas que tentam a todo custo mudar essa compreensão, apelando para diversos argumentos e utilizando-se de métodos de interpretação que desconsideram a inspiração e a autoridade das Escrituras.  Um dos argumentos mais utilizados é o de que Jesus nada teria dito sobre esse tema, por tanto não haveria qualquer pecado nessa prática, relegando a uma influência meramente cultural todos os textos bíblicos que reprovam esse tipo de relação sexual.

Primeiramente, é preciso ter em mente, que as Escrituras não são um amontoado de  opiniões pessoais condicionadas pela cultura da época. Todos os escritores bíblicos  escreveram por inspiração Divina. Nenhuma só palavra  foi escrita na Bíblia fora da direção de Deus.  É como John Wesley afirma sobre as Escrituras: 

Com referência às Escrituras em geral, pode-se observar que a palavra do Deus vivo que dirigiu também os primeiros patriarcas foi escrita no tempo de Moisés. Foram adicionados a esta os escritos dos outros profetas em várias gerações posteriores. Depois os apóstolos e os evangelistas escreveram o que o Filho de Deus pregou e o que o Espírito Santo falou através dos apóstolos. Isto é o que nós agora chamamos de Escritura Sagrada. Esta é a palavra de Deus que permanece para sempre; dessa palavra não passará um til, embora passem os céus e a terra. Portanto, a Escritura do Antigo e do Novo Testamentos é o mais sólido e precioso sistema de verdade divina. Todas as partes da mesma são dignas de Deus, e todas juntas constituem um corpo total, no qual não há defeito nem excesso”.[1]  

Ele resume muito bem o que é, e qual o propósito da  Bíblia.   Portanto, o primeiro grande erro desse argumento é ser seletivo sobre o que deve ou não ser aceito das Escrituras como palavra de Deus. O apóstolo Paulo enfatiza a seu discípulo Timóteo: “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o servo de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.” (2. Tm. 3.16-17 NAA – SBB) Portanto, não podemos pinçar partes das Escrituras para determinar o que deve ou não ser aceito como inspirado de acordo com o que julgarmos mais palatável aos nossos dias.

É verdade que  existem questões culturais e circunstanciais na bíblia, mas isso fica evidente em uma analise dos textos à luz de seus respectivos contextos. A Bíblia é a fiel interprete de si mesma! Quando tratamos daquilo que a Bíblia classifica como pecado, tratamos de princípios eternos que são normas de conduta para o ser humano em todos os tempos e lugares.

Estaria correta a afirmação de que Jesus nada teria dito sobre a prática homossexual? Uma leitura atenciosa dos Evangelhos nos mostra que não!  Jesus em diversos momentos se referiu aos princípios de santidade sexual estabelecidos no Antigo Testamento. Vejamos:

1.   Jesus e o cumprimento da Lei

O próprio Jesus declarou que não veio subverter a lei. Diferente do que algumas (re)leituras bíblicas propõe, ele não veio ser a antítese da lei, mas sua fiel expressão, tanto no obedecer, quanto no ensinar. Ele afirmou sua origem divina e seu propósito. Lemos em Mateus 5.17-19

Não pensem que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, mas para cumprir. Porque em verdade lhes digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra. Aquele, pois, que desrespeitar um destes mandamentos, ainda que dos menores, e ensinar os outros a fazer o mesmo, será considerado mínimo no Reino dos Céus; aquele, porém, que os observar e ensinar, esse será considerado grande no Reino dos Céus.” (NAA – SBB)

Com essas Palavras Jesus confirma a procedência divina da Torah, a lei de Moisés. Ele, mesmo sendo o infinito Deus-homem se coloca como cumpridor da mesma. Esse cumprir tem diversas implicações. A lei mosaica (Torah) era composta por 613 mandamentos, dentre eles, mandamentos morais, civis e cerimoniais.

 Os mandamentos cerimoniais tratavam de tudo aquilo que estava ligado ao culto, suas simbologias sacrifícios e cerimonias. Incluem-se nisso os ofícios sacerdotais, os dias sagrados, os objetos do templo, as leis sobre pureza e impureza, etc.  Tudo isso apontava para Cristo, seu ministério e sacrifício. Na pessoa e obra de Cristo tudo isso foi cumprido e não mais é exigido do ser humano.  Eram sombras das coisas futuras. (Gl. 3.24-25, Cl.2.16-17, Hb.7.11-19).

            Os mandamentos civis tinham a função de regular a vida cotidiana na sociedade israelita. Israel era uma Teocracia e, portanto, Deus ditou as leis que regiam a nação. Isso incluía normas de higiene, segurança, punições especificas para diversos pecados e crimes, indenizações por prejuízos causados ao próximo etc. Essas leis vigoraram enquanto vigorou a Teocracia israelita. Com a vinda de Cristo,  veio também o Reino de Deus. Não um reino físico, mas espiritual, governado por princípios espirituais. Vivemos sob a ética do reino de Deus e sua abundante graça, onde o “olho por olho e dente por dente” deu lugar ao “se alguém e bater na face direita ofereça também a esquerda” (Mt.5.38,39)  O preceito de apedrejar quem adulterava deu lugar a: “Quem não tiver pecado atire a primeira pedra!”(Jo.8.1-11) A lei condenava pecadores a morte, mas Cristo morreu nossa morte para que vivamos sua vida.  Ele veio para dar vida e vida em abundância! Esses mandamentos assim como os cerimoniais eram transitórios e não vigoram mais.

            Os mandamentos morais tratam daquilo que Deus estabelece e espera para a conduta humana. Estes tem seu cumprimento na pessoa perfeita de Cristo, o qual devemos imitar. A obra santificadora dos Espírito Santo em nossa vida nos torna conforme o caráter de Cristo, ao restaurar a imagem de Deus em nós.  Quando Deus anunciou por meio do profeta Jeremias, que renovaria sua aliança com seu povo, mas, sob uma nova forma, ele diz que suas leis (referindo-se aos seus princípios morais) seriam escritas nos corações das pessoas. Isso se refere à regeneração, ao novo nascimento que experimentamos quando entregamos nossa vida à Cristo: Porque esta é a aliança que farei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o SENHOR: Na mente lhes imprimirei as minhas leis, também no seu coração as inscreverei; eu serei o Deus deles, e eles serão o meu povo. (Jr.31.33  NAA - SBB ) .

            Os princípios morais da lei podem ser sintetizados em dois: Amar à Deus e ao próximo (Mt.22.37-40 – Rm. 13.8-10). Esse amor (ágape) não é de sentimento, mas de entrega. É um amor de decisão e atitude. Se eu amo a Deus, o honro e busco não fazer nada que ofenda sua santidade. Se eu amo meu próximo, busco agir da melhor forma com ele. Todos os princípios morais estão incluídos nestes dois mandamentos. Por tanto, se sei que determinada prática é proibida por Deus e mesmo assim insisto nela, estaria amando a Deus?

            Jesus, portanto, não desprezou a lei, antes trouxe seu verdadeiro sentido. Dessa forma podemos compreender o que era transitório e o que permanece. Os céus e a terra passarão, mas os princípios morais estabelecidos por Deus jamais.  Os princípios morais da lei  dentre outras coisas, tratam de praticas sexuais as quais Deus proíbe, por exemplo: Ex.20.14, Lv.18.6-24. Jesus ao enfatizar o espirito da lei, ao invés de somente sua letra tratou o pecado de forma mais ampla e profunda: Mt.5.21-28 .                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                        
2.    Falas de Jesus sobre Sodoma e Gomorra

Jesus diversas vezes se referiu a Sodoma e Gomorra como exemplo de impiedade e alvo do juízo divino: Mt.10.15, 11.24, Lc.17.28-29. Se o relato sobre Sodoma e Gomorra fosse apenas uma lenda ou mito judaico, Jesus não as citaria dessa forma. O juízo sobre essas cidades se deu por causa se seus pecados sexuais: “Igualmente Sodoma, Gomorra e as cidades vizinhas, que também se entregaram à imoralidade e adotaram práticas contrárias à natureza, foram postas como exemplo do castigo de um fogo eterno.” (Jd.1.7  NAA – SBB)

O pecado que mais se destacou de Sodoma e Gomorra foi justamente a prática homossexual: E chamaram Ló e lhe disseram: Onde estão os homens que, à noitinha, entraram na sua casa? Traga-os aqui fora para que abusemos deles. (Gn.19.5 NAA – SBB). Cada vez que Jesus se refere à condenação de Sodoma e Gomorra, ele está se referindo aos pecados sexuais predominantes nelas, como é bem enfatizado por Judas em sua epístola.


3.   O Ensino de Jesus sobre o Casamento

Ao tratar do casamento, quando foi questionado sobre a causa legitima para o divórcio, Jesus se remete à criação e diz: Vocês não leram que o Criador, desde o princípio, os fez homem e mulher e que disse: “Por isso o homem deixará o seu pai e a sua mãe e se unirá à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne”? ( Mt.19.4,5  NAA - SBB) Jesus afirmou categoricamente que casamento é a união entre um homem  e uma mulher. Não disse: duas pessoas! Disse que Deus fez “homem e mulher” e que o homem “se unirá à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne”.

Jesus em sua fala, não deixa espaço para outra concepção de casamento. Ele descreve o casamento como sendo uma união heterossexual. Não há qualquer recurso interpretativo coerente que abra espaço para outra compreensão da fala do Mestre. Portanto, o ensino de Jesus sobre casamento é a união entre um homem e uma mulher.

4.   O uso bíblico da palavra porneia

Jesus diz em Mateus 15.19:  Pois do coração saem os maus pensamentos, os homicídios, os adultérios, as imoralidades sexuais[porneia], os roubos, os falsos testemunhos e as calúnias. (NVI)  A palavra traduzida como imoralidade sexual  é a grega porneia, que é utilizada para se referir a todos os tipos de práticas sexuais proibidas na lei (Lv.18.6-24). O concilio de Jerusalém enfatiza a permanência dessa moralidade sexual (Atos. 15.29)

No capítulo 19 do Evangelho de Mateus,  Jesus afirma que  a  causa legitima para o divorcio e novo casamento seria a infidelidade: Eu, porém, lhes digo: quem repudiar a sua mulher, não sendo por causa de relações sexuais ilícitas[porneia], e casar com outra comete adultério. (Mt.19.9 NAA – SBB)  Aqui, porneia tem o contexto de infidelidade conjugal, mas é utilizada em diversas partes do Novo Testamento para se referir a outros pecados de natureza sexual, como podemos conferir em diversas outras passagens.

Paulo orienta a  igreja de Corinto  sobre disciplinar alguém que incorria em pecado de natureza sexual. Lv. 18. 8 diz: Não tenha relações com a mulher de seu pai; este é um direito que somente o seu pai tem.(NAA- SBB)  Em 1 Corintios 5.1 Ouve-se por aí que entre vocês existe imoralidade [porneia], e imoralidade [porneia] tal como não existe nem mesmo entre os gentios, isto é, que alguém se atreva a possuir a mulher de seu próprio pai. (NAA – SBB). Note-se que é chamado de porneia justamente a violação de um dos mandamentos de moralidade sexual do antigo testamento.

Hebreus 13.4 Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito conjugal sem mácula; porque Deus julgará os impuros [pornos] e os adúlteros. (NAA – SBB). Como pode alguém cometer porneia dentro do contexto do casamento? Aquelas relações sexuais proibidas poderiam acontecer no contexto de um casamento ilícito do ponto de vista da lei do Antigo Testamento.  O homem de Corinto a quem Paulo se refere, aparentemente tomou por esposa a própria madrasta! Esse leito conjugal estava maculado pela porneia. O mesmo principio podemos enxergar em uma união de pessoas do mesmo sexo (Lv.18.22) .

Judas usa a palavra porneia para se referir ao pecado de Sodoma e Gomorra: Igualmente Sodoma, Gomorra e as cidades vizinhas, que também se entregaram à imoralidade [porneia] e adotaram práticas contrárias à natureza, foram postas como exemplo do castigo de um fogo eterno. (Jd.1.7 NAA – SBB) Isso deixa claro que a prática homossexual é  uma forma de porneia. Portanto, Jesus ao falar sobre esse pecado ele esta incluindo esse tipo de relação sexual.

Conclusão

Podemos ver com muita clareza que o argumento de que Jesus nada teria dito sobre a prática homossexual não se sustenta. Mesmo que ele não tivesse falado nada que remetesse ao assunto, ainda assim, o Novo Testamento está cheio de referências que nos permitem compreender essa prática como contrária ao padrão sexual estabelecido por Deus.

 Não encontramos o Senhor tratando particularmente da prática homossexual, mas, falou varias coisas que remetem diretamente ao assunto em questão. Ele disse que não veio por fim a Lei. Também mencionou diversas vezes Sodoma e Gomorra como exemplo de cidades condenadas por seus pecados. Ao falar sobre o casamento, Jesus afirmou ser este uma união entre homem e mulher, não deixando margem para qualquer outra interpretação.   Ao listar diversos pecados que provém do coração humano, o Mestre cita a porneia que engloba todos tipos de relações  sexuais proibidas na Lei. Ou seja, Jesus de alguma forma tocou no assunto.
            
Meu desejo com esse artigo é desfazer essa concepção errônea, propagada por pessoas, muitas das quais desconsideram a autoridade das Escrituras, e que, tem sido abraçada como argumento válido por muita gente, que por desconhecer ou não se ater a certos detalhes bíblicos, acaba sendo facilmente influenciada.

            Cabe ressaltar que Jesus não veio chamar justos, mas pecadores ao arrependimento (Mt.9.13). A Escritura afirma que justo não há um sequer, todos dependemos da graça de Deus para alcançar gratuitamente por meio de Cristo o perdão e a salvação (Rm. 3.10-12, 22-24). Existe oportunidade de perdão e restauração para todos os que vierem com sinceridade buscar isso do Senhor.  Cristo continua sendo aquele que acolhe a todos os sinceros  e amorosamente diz “vá e não peques mais” (Jo.8.11),  Que o Senhor continue a iluminar cada um de nós para que não nos afastemos da verdade de sua palavra.



[1] Coletânea da Teologia de João Wesley. p.18
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                               
Autor: Rev. Francisco Belvedere Neto                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                

domingo, 27 de maio de 2018

Desmentindo as Hienas 'Adventistas' - Sobre o debate com o CACP

Há um grupo de animais selvagens, carniceiras, violentos, que possuem uma estrutura muito estranha, e uma risada assustadora. Esses animais são as Hienas, capazes de devorar suas vitimas ainda agonizando. 

Esse é o tipo de comportamento que encontramos recentemente em alguns apologistas adventistas - visto que não são adventistas de verdade, pessoas sem escrúpulos, que além de zombar, satirizar, mentiram feito o diabo a respeito do Pr. João Flávio Martinez. E olha que ele explicou, explicou e explicou, mas não teve jeito. A campanha agressiva continuou, em especial por aqueles que gostam de humilhar e desdenhar pessoas, não debater ideias. 

De nossa parte, ninguém ficou satirizando Leandro Quadros, quando esse explicou que a TV Novo Tempo - (e olha que eu duvido se isso seria impossível) não possui um quadro de debates, e assim ele negou o debate com João Flávio, dentro da emissora, a apresentou uma contra proposta.

O Pr. João Flávio debateu com o teólogo Sérgio Monteiro no programa Vejam Só, o que causou grande celeuma depois, já que está provado que os Fariseus ensinavam a imortalidade da alma. Mas a campanha de que ele foge, continuou.

Eu de minha parte, não vejo que esse debate terá um final feliz, dependendo das Hienas. Pessoas que não possuem caráter, não adianta esperar e achar que um dia essa gente agressiva será como Leandro Quadros, ou Sérgio Monteiro, é esperar demais de gente com índole selvagem. Veja como andam agredindo um tal de Pablo, vídeos amplamente vistos. Esse é o tipo de Hiena que existe ali escondida.

No vídeo abaixo, o Pb Paulo Cristiano demonstra algo que me lembro perfeitamente. Ele ligou para mim em 2016, perguntando se eu poderia estar presente em São José do Rio Preto e acompanhar o tal debate, visto que ele estava convidando outros que de alguma forma estavam interessados no tema. Enfim, isso não aconteceu, normal. Ninguém ficou zombando e fazendo chacota.

Sei que vários adventistas que foram enganados pelas Hienas mentirosas, tiveram bom senso, soube de alguns que até se retrataram. Louvo a Deus por isso. Para as Hienas o único mandamento que existe é o quarto mandamento - bem farisaico mesmo, sendo que o sexto e o nono, foram deixados de lado. 




sexta-feira, 18 de maio de 2018

Testemunhas oculares das manifestações estranhas de Ellen White


"Não posso respaldar as visões da irmã Ellen como se fossem de inspiração divina, como o irmão e ela creem... Creio que o que ela e o irmão consideram visões do Senhor, são apenas sonhos religiosos, nos quais sua imaginação corre solta sobre temas nos quais ela está sumamente interessada. Enquanto assim absorta nesses sonhos, permanece alheia a tudo o que lhe ocorre ao redor." [...]

Deve ter sido frustrante para a jovem profetisa que tanta gente que presenciava suas visões, incluindo de sua própria família, mantinha dúvidas de sua divina origem. Mais tarde, Ellen lamentaria que "muitos" dos que presenciaram suas primeiras visões creram que eram resultado de "excitação e mesmerismo", mais que de inspiração divina. Isaac Wellcome, um ministro adventista que presenciou várias das primeiras visões, descreve-as como segue:

"Ellen G. Harmon... estava estranhamente inquieta em corpo e mente... caindo sobre o soalho... (recordamos que a seguramos duas vezes para impedir que caísse sobre o piso)... Nas reuniões falava com grande veemência e rapidez até que caía; nesse momento, como ela afirmava, eram-lhe mostradas maravilhosas cenas do céu e o que sucedia ali. Afirmava haver visto que Cristo tinha deixado o ofício de mediador e assumido o de Juiz, havia fechado a porta da misericórdia, e estava apagando os nomes do livro da vida... Vimo-la em Poland, Portland, Topsham, e Brunswick durante o começo de sua carreira, e a ouvimos falar amiúde, e a vimos cair várias vezes, e a ouvimos relatar maravilhas que dizia que seu Pai celestial lhe permitia ver. Suas visões sobrenaturais ou anormais não foram entendidas em seguida como visões, mas como cenas espirituais de coisas invisíveis, o que era bastante comum entre os metodistas... Essas visões não eram senão os ecos do Pr. [Joseph] Turner e a pregação de outros, e as consideramos como resultado da sobre-excitada imaginação de sua mente, e não como fatos.” [...]

Lucinda Burdick

"Conheci Tiago White e Ellen Harmon (agora Sra. White) em princípios de 1845... Ela fazia crer que Deus lhe mostrava coisas que não sucediam. Numa ocasião, viu que o Senhor viria pela segunda vez em 1845. A profecia foi discutida em todas as igrejas, e num pequeno 'periódico da porta fechada' publicado em Portland, Maine. Durante o verão, depois de que junho havia passado, ouvi um amigo perguntar-lhe como explicava a visão. Ela respondeu que 'lhe falaram não idioma de Canaã, e ela não entendeu o idioma; que seria o próximo setembro quando o Senhor viria, e o segundo crescimento da erva em vez do primeiro em junho.' "Passou aquele setembro, e muitos mais já se têm passado desde então, e ainda não vimos o Senhor. Logo ficou evidente para todas as pessoas ingênuas que muitas coisas devem ter sido 'ditas na língua de Canaã,' ou alguma outra que ela não entendia, pois se deram repetidos fracassos. Eu poderia mencionar muitos dos quais eu mesma me inteirei."

Fonte: A Nuvem Branca (Autor: Dirk Anderson)


sábado, 5 de maio de 2018

AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ SÃO VÍTIMAS !


Sim, as TESTEMUNHAS DE JEOVÁ SÃO VÍTIMAS, vítimas intelectuais e espirituais de seus líderes! As Testemunhas de Jeová passam por um processo doutrinário tão eficaz que elas perdem qualquer senso de crítica e sujeitam-se cegamente aos seus líderes mundiais, mesmo que tal sujeição custe suas vidas e bem estar.
Analise todas estas declarações que observamos da liderança – O Corpo Governante - das Testemunhas de Jeová, e julgue se procedem de Deus ou de homens que não conhecem limites.
DOUTRINAS AGRESSIVAS
1)Proibiram vacinas de 1931 – 1952   “Vacinação é uma direta violação do eterno convênio que Deus fez com Noé depois do dilúvio” – (The golden age – 04/02/1931, p. 293).
“A questão da vacinação é algo que o indivíduo deve encarar e decidir por si próprio” – (A Sentinela – 15/12/1952, p.764 – inglês). “Seria, portanto, uma questão de decisão individual se a pessoa aceita tal tipo de medicamento ou não” – (A Sentinela – 01/02/1959, p. 96).
2) Proíbem desde 1961 a transfusão de sangue “Se, no futuro ele persistir em aceitar transfusões de sangue ou em doar sangue...deve ser cortado por ser desassociado” – (A Sentinela – 01/12/1961, p.736).
NOTA: Sabe-se que desde a década de 40 a transfusão de sangue é rechaçada entre as TJ, mas somente desde 1961 se tornou proibição.
3) Proibiram frações de sangue em 1962 a ...?
“É violada a lei de Deus em tais usos medicinais? É errado suster a vida mediante infusões de...várias frações de sangue? Sim!” – (A Sentinela – 1962, p. 174).
NOTA: É difícil dizer quando terminou esta lei absurda. Em a Sentinela 01/12/1978? O contexto ali era hemofílicos TJ. Em “A Sentinela” de 01/06/1990? Ou 01/06/2000? Não quero dar nenhuma informação tendenciosa, por isso quero deixar em aberto a exata data da mudança, embora suponho ter sido em 1990.
4) Proibiram o serviço militar alternativo desde a década de 40 até 1996. “Um exame dos fatos históricos mostra que as TJ não somente recusaram...pegar em armas, durante o último meio século, ou mais, mas que também recusaram fazer serviços não combatentes ou aceitar outro serviço em substituição do serviço militar...algumas foram tratadas com brutalidade, mesmo a ponto de serem mortas” (Unidos na Adoração, 1983, p. 167).
“Em alguns lugares o serviço civil compulsório, tal como serviço na comunidade, é considerado como serviço não militar, nacional. Pode o cristão dedicado prestar tal serviço? Novamente, o cristão dedicado e batizado deverá fazer a sua própria decisão...” – (A Sentinela, 01/05/1996, p. 19).
5) Proibiram transplantes de órgãos de 1968 a 1980  
“Será que há alguma objeção bíblica a que se doe o corpo para uso na pesquisa médica ou que aceitem órgãos para transplantes?...Deus permitiu que os humanos comessem carne animal...será que isso incluía comer carne humana, sustentar a vida de uma pessoa por meio do corpo ou de parte do corpo de outro humano, vivo ou morto? Não! Isso seria canibalismo, costume repugnante a todas as pessoas civilizadas” – (A Sentinela, 01/06/1968, p. 349).
6) Proibiram casamento entre 1939 a 1942 “Surge, pois, a pergunta: desde que o Senhor está agora ajuntando suas outras ovelhas, que hão de formar a grande multidão, devem eles começar a casar agora e ter filhos em cumprimento ao mandato divino? Não, é a resposta apoiada plenamente pelas escrituras” – (Salvação, p. 287).
NOTA: Tal proibição devia-se ao fato que a liderança dos TJ esperava o fim do mundo para 1942. Compare todas estas declarações acima com Tiago 1:17
FALSAS PREVISÕES
1. “Nosso Senhor, o rei nomeado, já está presente, desde outubro de 1874 A.D.” (Estudo das Escrituras, vol. I, p. 62).
2. “Apresentamos evidências de que o reino de Deus já começou, cujo domínio está apontando na profecia para iniciar em 1878 A.D.” (Estudo das Escrituras, vol. II, p. 101).
3. “Todos os passos preparatórios em direção à grande obra da restauração a partir da data de 1881 devem ser considerados como gotas da grande chuva de bênçãos que dentro em breve será um refrigério para terra inteira...foi a data do fechamento da soberana vocação...” (Estudo das Escrituras, vol. III, p. 367).
4. “A batalha do grande dia de Deus todo poderoso (Ap. 16:14), que terminará em 1914 A.D. com a destruição dos atuais reinos da terra, já começou” (Estudo das Escrituras, vol. II, p. 101); “...os 40 anos da cega era evangélica terminarão em outubro de 1914” (Estudo das Escrituras, vol. II, p. 245).
5. “...consideramos uma verdade estabelecida que o final dos reinos deste mundo, e completo estabelecimento do reino de Deus, se cumprirão próximo do fim de 1915 A.D.” (Estudo das Escrituras, vol. III).
6. “...à luz dos textos bíblicos supracitados se prova que a primavera de 1918 trará à cristandade um espasmo de angústias...” (O Mistério Consumado, p. 62).
7. “As Repúblicas desaparecerão no outono de 1920...todo reino da terra passará, será tragado pela anarquia” (O Mistério Consumado, p. 258).
8. “Podemos esperar em 1925 a volta desses homens fiéis de Israel, ressurgindo da morte...” (Milhões que agora vivem jamais morrerão, p. 111).
9. “Um instrumento providencial do Senhor para um trabalho mais efetivo nos meses que restam antes do armagedom” (Watchtower, 15/09/1941, p. 288).
10. “Devemos presumir, a base deste estudo que a batalha do armagedom já terá acabado até o outono de 1975...? Possivelmente...a diferença talvez envolva apenas semanas, ou meses, não anos” (A Sentinela, 15/02/1969, p. 115).
11. “A palavra profética de Jeová mediante Cristo Jesus diz: esta geração (de 1914) de modo algum passará até que todas estas coisas ocorram” (A Sentinela, 15/11/1984, p. 06).
12. “Dentro em breve, no nosso século XX, começará a batalha do dia de Jeová contra...a cristandade” (As nações terão de saber que eu sou Jeová, p. 220).
Compare todas estas falsas previsões com Deuteronômio 18:21-22 e Lucas 21:8
MAIS UMA PREVISÃO
“A maioria dos membros do restante ungido são bem idosos, e o número dos que são genuinamente ungidos tem diminuído com o passar dos anos...alguns desses escolhidos de Cristo ainda estarão na terra quando começar a grande tribulação”  (A Sentinela, 15/01/2000, p. 13).


sábado, 28 de abril de 2018

Guilherme Rosa: O julgamento da casa de Deus e 1844

“Pois chegou o tempo em que o julgamento deve começar na casa de Deus: e se primeiro começa por nós, qual será o fim daqueles que não obedecem ao evangelho de Deus?” (1 Pe 4.17).

Os Adventistas Sétimo Dia, aplicam esta passagem ao tempo de 22 de outubro de 1844, como um apoio adicional a sua interpretação de Dan 8.14, o começo do juízo investigativo do povo de Deus. Portanto, a questão aqui é se o texto em mira apoia a doutrina - ou se eles estão praticando uma leitura de fora para dentro

A casa de Deus é a Igreja (veja 1 Tm 3:15 ; 1 Co 3.16 ; e 1 Pe 2.5 ). Vejamos o que a passagem nos diz:
“ porque é o tempo do começo do juízo , isto é, no qual o juízo está começando...”

1 Pedro 4:17 V-ANM

GRK: καιρὸς τοῦ ἄρξασθαι τὸ κρίμα

KJV: [é chegado] que o julgamento deve começar em
INT: tempo [para] ter começado o julgamento

Esse tempo já tinha iniciado nos dias de Pedro: “E se primeiro começa em nós”. “O começo do julgamento" é a perseguição dos cristãos, como nosso Senhor ensinou ( Mateus 24: 8, 9). mas esse juízo não é para condenação: "Quando somos julgados, somos castigados pelo Senhor, a fim de não sermos condenados com o mundo" ( 1 Co 11.32 ); é a prova de fogo "que é muito mais preciosa do que a do ouro que perece", o fogo refinado da aflição.” As perseguições e sofrimentos que caíram sobre a Igreja, começando “da casa de Deus”, é a abertura desse julgamento.


ANTECEDENTES NO A.T:
Pedro tem em mente Eze 9: 6; compare Jr 25:29

Matai velhos, jovens, virgens, meninos e mulheres, até exterminá-los; mas a todo o homem que tiver o sinal não vos chegueis; e começai pelo meu santuário. E começaram pelos homens mais velhos que estavam diante da casa.
Ezequiel 9:6
Porque, eis que na cidade que se chama pelo meu nome começo a castigar; e ficareis vós totalmente impunes? Não ficareis impunes, porque eu chamo a espada sobre todos os moradores da terra, diz o Senhor dos Exércitos.
Jeremias 25:29
Que o Julgamento começa na Casa de Deus é uma dedução da visão de Ezequiel 9 ( cf. Ezequiel 7: 4 , o καιρός tempo, chegou ); o massacre dos israelitas que não são marcados com o sinal.

INTERESSANTE QUE O COMENTÁRIO BÍBLICO ADVENTISTA SOBRE 1 Pe 4.17 , NÃO INTERPRETA COMO UM JUÍZO INICIADO EM 1844 E CONCORDA COM O QUE COMENTAMOS ACIMA:

"17. É. Este verbo não está no texto grego, porém tem sido corretamente adicionado, pelos tradutores, Ver com. Sobre “comece” conforme verso 7.
Tempo. Gr., kairós, um “tempo” particular, específico (ver com. Marc 1.15; At 1.7).
Juizo. Gr. kríma, "sentença" (ver com. Apoc. 17: 1). A cena de juízo de Eze. 9 aparentemente constitui o paralelo da comparação que Pedro faz entre o

fiel cristão e os ímpios ante o trono do juízo de Deus.

... A primeira sentença deste versículo poderia traduzir-se:"Porque é o tempo apropriado de que o juízo comece na casa de Deus".

Devido a brevidade do tempo (v. 7) e do “fogo” que pronto sobrevirá (v. 12). Pedro instava a seus irmãos na fé a que recordassem suas solenes responsabilidades como cristãos.

Compararem isto com Eze 9.6 de onde os mensageiros do juízo começaram pelo santuário levando a cabo sua obra de juízo com os que haviam manifestado a mais elevada profissão de fé.

No fogo do tempo do “juízo”, Deus espera muito dos que levam o nome de Cristo.
Casa de Deus. Isto é a igreja (ver com. 1 Tm 3.15).”

Conclusão:
Pedro fala de um tempo que para eles já tinha chegado. Ele usa o termo “juízo” para se referir as perseguições, e aflições,( comp .1 Pe 3.14). O justo é salvo com dificuldades e disciplina ( Jo 15.2; 1 Co 11.31-36; 2 Ts 1.3-8). Então 1 Pe 4.17 se aplica claramente ao tempo em que ele escreveu, e aplicar isso a 1844 é uma interpretação forçada."

Via Facebook

quarta-feira, 25 de abril de 2018

Ellen White ordenou aos Adventistas entenderem os Apócrifos!


A crença adventista em Ellen White, como sendo a manifestação do “espírito de profecia” nos dias finais é uma crença quase que exótica da Igreja Adventista. As visões de Ellen White possuem elementos estranhos, e ensinos que não encontramos na Bíblia – também, com cerca de 2.000 visões [número esse contestado por alguns adventistas, mantidos por outros mais ‘devotos’], não seria de esperar outra coisa.

Ela menciona – em um de seus escritos, a respeito de um livro “escondido”. E curioso que ela depois identificou qual seria esse tal livro escondido:


Eu vi que os Apócrifos são o livro escondido, e que os sábios destes últimos dias devem entendê-lo. Vi que a Bíblia é o livro padrão, que nos julgará no último dia.”— Manuscript 4, 1850, (A copy of E. G. White’s vision which she had at Oswego, N.Y.).


Os defensores intelectuais dela dão a seguinte explicação – coloquei uma nota para cada afirmativa ou defesa: 

“Se o que temos é uma cópia fiel do que ela escrreveuA, o sentido e o significado desta declaração é obscuroB. Em nenhum período subseqüente  Ellen White fez referência aos apócrifos, apelou para os adventistas os estudarem, ou estimulou sua leitura. Nem tampouco incluiu ela tal declaração em qualquer de suas publicaçõesC. O que quer que se faça com essa declaraçãoD, deve ser observado que os apócrifos não são descritos como sendo inspiradosE, mas são contrastados com as Escrituras, que são chamadas de o “Livro padrão, que nos julgará no último dia.F (AQUI)


A)    Parece que mencionar uma inócua inexatidão do documento, ou mesmo, levantar uma duvida com um "SE", pode ajudar a criar uma possibilidade de fraude? Erro? Porém, não se apresenta uma prova para confirmar essa suspeita. Fora que o que mais o Adventismo preza, é manter a aceitação dos escritos de Ellen White, não duvidar deles.

B)    Obscuro? Qualquer leitor ignorante saberia o que ela quer dizer – que os Adventistas, os tais “santos”, devem entender os apócrifos no tempo que vivemos.


C)     E qual a diferença se ela não mencionou isso novamente? Se o que ela escreveu aí foi recebida em visão, precisaria mais alguma coisa? Ela disse: “Vi”! Uma breve comparação – a Bíblia nos fala apenas uma vez da Torre de Babel.

D)    ‘O quer que se faça’? O Centro White parece que não entendeu o que Ellen White escreveu... deixa eu explicar mais uma vez: Que os Adventistas entendam o livro ‘escondido’. Evidentemente, algumas visões de Ellen White poderiam, e podem ser beneficiadas com o conteúdo de alguns apócrifos*.


E)     Ela não disse mesmo, e daí? A visão disse que os santos devem se aplicar em entedê-lo, então caros adventistas – mãos à obra!

F) Essa declaração é clara, sim, tanto quanto a anterior!!!


(*A página na internet (http://www.adventistas.com) demonstra pontos das visões de White relacionados com alguns livros apócrifos, como II Esdras.)



Na verdade, como escreveram Franklin Ferreira e Alan Myatt, na Teologia Sistemática, Ellen White ao invés de ser uma constante fonte de verdade, como afirma a crença fundamental 18, ‘se tornou uma constante fonte de problemas’.