quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Avaliação da resposta de Leandro Quadros ao meu comentário

Disponibilizo aqui o vídeo de Leandro Quadros, que ele fez a respeito do comentário que eu fiz no vídeo dele sobre 'apologetas tipo "papagaio". Ou como ele disse, "apologistas papagaios". O conteúdo do meu comentário (com um a mais) nessa postagem: 


E mais abaixo minha resposta onde apenas girei as argumentações dele, a ele mesmo.



MINHA RESPOSTA - UMA CORREÇÃO. EU MENCIONEI TRÊS (3) ANOS, QUE LEANDRO ME PROMETEU UMA RESPOSTA, MAS SÃO QUATRO (4) ANOS:


quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Quando ocorre a primeira ressurreição das Testemunhas de Jeová?

Os Papas da fé das Testemunhas de Jeová, fazem uma distinção da esperança eterna – entre os que viverão para sempre no paraíso na terra e os que vão morar no céu. Dizem esses donos da fé da comunidade jeovita, que os que vão para o céu, que são filhos espirituais de Deus, os únicos que podem tomar da santa ceia, para os quais Jesus é mediador, e apenas a esses, são 144 mil salvos. O Papas das Testemunhas dizem, com vários outros ensinos, que a ressurreição celestial (dos que são desses 144 mil) já está ocorrendo! Isto é, está havendo uma ressurreição espiritual – supostamente Deus faz um outro corpo espiritual a esses (ou eles já possuem, pois nasceram do Espírito) e em um piscar de olhos na morte ressuscitam nesse outro corpo espiritual com a mesma personalidade.

Curioso também que segundo eles, os que estão no céu, desses ressuscitados ajudam as Testemunhas entenderem suas doutrinas!!! Seria uma comunicação ‘espírita’?.

Veja quando isso acontece, segundo os mestres da Torre de Vigia, e tire você mesmo suas conclusões. Atente aos meus grifos em negrito:

Quando ocorre a primeira ressurreição? Há fortes indícios de que ela já está em andamento. Por exemplo, faça uma comparação entre dois capítulos do livro de Revelação. Primeiro, dê uma olhada no capítulo 12. Lemos ali que o recém-entronizado Jesus Cristo, com seus santos anjos, travaria guerra com Satanás e seus demônios. (Revelação 12:7-9) Conforme esta revista já mostrou muitas vezes, essa batalha começou em 1914.* Note, porém, que não se menciona nenhum dos seguidores ungidos de Cristo participando com ele naquela guerra celestial. Agora veja o capítulo 17. Ali lemos que, depois da destruição de “Babilônia, a Grande”, o Cordeiro vencerá as nações. Daí acrescenta: “Também o farão com ele os chamados, e escolhidos, e fiéis.” (Revelação 17:5, 14) Se “os chamados, e escolhidos, e fiéis” estarão com Jesus para a derrota final do mundo de Satanás, é porque já terão sido ressuscitados. É então razoável concluir que os ungidos que morrem antes do Armagedom são ressuscitados entre 1914 e o Armagedom. Podemos dizer com mais exatidão quando começa a primeira ressurreição? Encontramos um indício interessante em Revelação 7:9-15, onde o apóstolo João descreve a visão que teve de “uma grande multidão, que nenhum homem podia contar”. A identidade dessa grande multidão é revelada a João por um dos 24 anciãos, e estes representam os 144.000 co-herdeiros de Cristo após receberem sua glória celestial.* (Lucas 22:28-30; Revelação 4:4) O próprio João tinha esperança celestial; mas visto que ainda era homem na Terra quando o ancião falou com ele, nessa visão João deve representar os ungidos na Terra que ainda não receberam sua recompensa celestial. Então, o que podemos concluir do fato de que um dos 24 anciãos revelou a João quem são os da grande multidão? Parece que os do grupo dos 24 anciãos que já foram ressuscitados estão envolvidos em transmitir verdades divinas hoje. Por que isso é significativo? Porque em 1935, a identidade correta da grande multidão foi revelada aos servos ungidos de Deus que estavam na Terra. Se um dos 24 anciãos foi usado para transmitir essa verdade importante, ele teria de ter sido ressuscitado para a vida no céu no mais tardar por volta de 1935. Isso indicaria que a primeira ressurreição começou em algum tempo entre 1914 e 1935. Podemos ser ainda mais exatos? A esta altura, talvez seja de ajuda analisarmos um possível paralelo bíblico. Jesus Cristo foi ungido para ser o futuro Rei do Reino de Deus por volta do início de outubro de 29 EC. Três anos e meio depois, perto do começo de abril de 33 EC, ele foi ressuscitado como poderosa pessoa espiritual. Visto que Jesus foi entronizado por volta do início de outubro de 1914, será que poderíamos concluir que a ressurreição dos seus fiéis seguidores ungidos começou três anos e meio depois disso, em meados do primeiro semestre de 1918? Essa é uma possibilidade interessante. Embora isso não possa ser confirmado diretamente na Bíblia, está em harmonia com outros textos bíblicos que indicam que a primeira ressurreição teve início pouco depois que começou a presença de Cristo. Por exemplo, Paulo escreveu: “Nós, os viventes, que sobrevivermos até a presença do Senhor [não ‘até o fim da sua presença’], de modo algum precederemos os que adormeceram na morte; porque o próprio Senhor descerá do céu com uma chamada dominante, com voz de arcanjo e com a trombeta de Deus, e os que estão mortos em união com Cristo se levantarão primeiro. Depois nós, os viventes, que sobrevivermos, seremos juntamente com eles arrebatados em nuvens, para encontrar o Senhor no ar; e assim estaremos sempre com o Senhor.” (1 Tessalonicenses 4:15-17) Portanto, os cristãos ungidos que morressem antes da presença de Cristo seriam ressuscitados para a vida celestial antes dos ungidos que ainda estivessem vivos durante a presença dele. Isso significa que a primeira ressurreição deve ter começado em algum tempo no início da presença de Cristo, e continua “durante a sua presença”. (1 Coríntios 15:23) Assim, em vez de acontecer de uma só vez, a primeira ressurreição se dá no decorrer de um espaço de tempo.”

Revista A Sentinela, 01/01/2007, pp. 25,26

Parece que essa heresia já surgiu no passado em outra formatação:

“Estes se desviaram da verdade, dizendo que a ressurreição já aconteceu, e assim a alguns pervertem a fé. (II Tm 2.18)

Interessante que esse trecho do artigo de A Sentinela começa assim “Quando ocorre a primeira ressurreição?” E a versão do Novo Mundo diz em II Tm 2.18 diz:Esses homens se desviaram da verdade, dizendo que a ressurreição já ocorreu, e estão arruinando a fé de alguns.


Que o Espírito de Deus (Jo 16.7-11) ilumine , liberte, e converta as vítimas desses erros!

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Leandro Quadros e a apologética de periquito

Leandro Quadros, o famoso apologista adventista, postou um vídeo no Youtube classificando os apologistas brasileiros de “papagaios”, pois os tais repetem, segundo ele, apenas o que outros já escreverem, sem examinar as fontes primárias. 

Posto algumas notas sobre esse vídeo aqui, mostrando como Leandro Quadros não foi muito feliz:

1º) Críticos adventistas usar argumentos de outros é papagaio, mas pelo que consto o Leandro Quadros também usa argumentos de Francis Nichol, Questões Sobre Doutrinas, etc.
·         No caso dos apologistas adventistas pode?

2º) Leandro Quadros disse que repetir argumentos de outros é uma forma de ser papagaio, mas depois ele mesmo disse que precisa se embasar na opinião de outros - no caso citar notas de Genebra?
·         No caso dos apologistas adventistas pode?

3º) A interpretação sobre Azazel tem mesmo semelhança nesses autores no assunto mais febril do tema: 

por fim o diabo vai ser punido pelos pecados do crentes justificados e salvos por Cristo? Esse assunto é defendido por todos esses citados em Questões?

4º) O autor das notas do livro Questões disse que os delegados adventistas manipularam informações, eles são assim tão confiáveis?
·         No caso dos apologistas adventistas pode?

5º) Os adventistas "possuem todas as fontes primárias” que são citadas nos livros ou sites de apologética adventista? Eles possuem todas as fontes primárias daqueles que o Adventismo critica como Babilônia?
·         No caso dos apologistas adventistas pode?

6º) Nem Ellen White menciona ou dá crédito a Samuel Snow (Veja AQUI) na sua versão do movimento profético Milerita, a não ser breves menções de “Miller e seus companheiros”. 

Ela era desinformada ou omitiu para fazer com que o seu “profeta Eliseu=Miller”, "o homem da vassoura", 'guiado por anjos em suas interpretações', de fato recebesse o crédito do “clamor da meia noite”? 

Seria essa apologética adventista uma apologética de periquito, fazendo muito barulho e sujeira?


***************************
Assista o vídeo de Leandro Quadros:





quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Edson Reis: A Torre de Vigia e sua presunção profética

DESAFIO OS APOLOGISTAS DAS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ, A ASSISTIREM E REFUTAREM ESSE VÍDEO!

E AOS QUE ESTÃO COMEÇANDO A ADENTRAREM NESSA SEITA, QUE VEJAM ATENTAMENTE E CLAMEM A CRISTO, POR LUZ E SALVAÇÃO, E SE LIVREM DESSA SEITA!


terça-feira, 21 de novembro de 2017

terça-feira, 14 de novembro de 2017

As "varias gerações de 1914" do Corpo Governante das Testemunhas de Jeová


1
A Torre de Vigia ensinava que a duração de uma geração seria de 70 ou 80 anos – A Verdade Que Conduz a Vida Eterna, página 95; Está Próximo a Salvação do Homem da Aflição Mundial, página 7; A Sentinela 1/5/1968, página 271.
2
Alguns da geração de 1914 verão o fim do sistema de coisas e sobreviverá a ele. – Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra, página 154.
3
Afirmavam que o Fim seria em nosso século vinte – As Nações Terão de Saber Que eu Sou Jeová, página 200.
4
Os que tinham 15 anos em 1914, eram os que faziam parte da geração que não passaria – Despertai! 22/4/1969, páginas 13 e 14.
5
Os que tinham 10 anos em 1914, eram os que faziam parte da geração que não passaria – A Sentinela 15/4/1981, página 32.
6
A geração não são os bebês que viviam em 1914, mas os seguidores de Cristo – A Sentinela 15/1/1979, página 32.
7
Os Bebês que viviam em 1914, eram os que faziam parte da geração que não passaria – A Sentinela 15/11/1984, página 5.
8
Depois o Corpo Governante disse: O termo "geração", conforme usado por Jesus, refere-se principalmente a pessoas contemporâneas dum certo período histórico, com as características identificadoras delas. – A Sentinela 1/11/1995, página 17, parágrafo 6.
"Esta geração" parece referir-se aos povos da terra que veem o sinal da presença de Cristo, mas que não se corrigem. – Idem página 19, parágrafo 12.
9
Agora o ensino do Corpo Governante é o seguinte: Entendemos que, por mencionar "esta geração", Jesus estava se referindo a dois grupos de cristãos ungidos. O primeiro grupo é composto de irmãos que estavam vivos em 1914 e que discerniram prontamente o sinal da presença de Cristo naquele ano. Eles não pertenciam a esse grupo apenas por estarem vivos em 1914, mas por terem sido ungidos por espírito como filhos de Deus naquele ano ou antes. — Rom. 8:14-17.
O segundo grupo incluído em "esta geração" são ungidos contemporâneos dos membros do primeiro grupo. Eles não estavam simplesmente vivos no mesmo período que os membros do primeiro grupo, mas foram ungidos com espírito santo na época em que os do primeiro grupo ainda estavam na Terra. Assim, nem todo ungido hoje está incluído em "esta geração" mencionada por Jesus. Atualmente, os que formam o segundo grupo estão com idade avançada. Mas as palavras de Jesus em Mateus 24:34 nos dão confiança de que pelo menos alguns ‘desta geração de modo algum passarão’ antes de verem o início da grande tribulação. Isso deve aumentar nossa convicção de que falta pouco tempo para o Rei do Reino de Deus destruir os perversos e trazer um novo mundo de justiça. – A Sentinela 15/1/2014, página 31.
10
A Torre de Vigia atribui a falsa profecia da geração de 1914 a Jesus e a Jeová - A palavra profética de Jeová mediante Cristo Jesus diz: "Esta geração [de 1914] de modo algum passará até que todas estas coisas ocorram" (Lucas 21:32) E Jeová, que é a fonte de profecias inspiradas e infalíveis, fará com que as palavras de seu filho se cumpram num prazo de tempo relativamente curto.  A Sentinela 15/11/1984, páginas 6 e 7.
 Autor: Luiz Bezerra



sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Pr Joaquim de Andrade destroça adventistas em entrevista - Fantástico!!!

Quando dizemos que as conversas dos adventistas são dúbias, dissimuladas, tem gente que não acredita. 
Veja o Pastor e Apologista, Joaquim de Andrade conversando com alguns adventistas, e como os cerca a respeito de "irmãos em outras denominações" - o rapaz flutua em afirmações que claramente tenta ofuscar o obvio - a denominação adventista é exclusivista!!! Depois o Pr Joaquim explora o assunto que certamente eles não esperavam - guardam o sábado mesmo?
Até que por fim a reação de um whiteano é um pouco abrupta o Pr Joaquim sabiamente os deixa. 
Cada vez mais, a máscara dessa seita vai cair no Brasil, em Nome do Senhor Jesus!!!