sexta-feira, 13 de abril de 2018

Pb. Paulo Cristiano: a doutrina da imortalidade da alma é diabólica?

A falsa profetisa adventista escreveu: 

“E a declaração da serpente a Eva, no Éden – ‘Certamente não morrereis’ – foi o primeiro sermão pregado acerca da imortalidade da alma. Todavia, essa declaração repousando apenas na autoridade de satanás, ecoa dos púlpitos da cristandade, e é recebida pela maior parte da humanidade tão facilmente como o foi pelos nossos primeiros pais [...] depois da queda, Satanás ordenou a seus anjos que fizessem um esforço especial a fim de inculcar a crença da imortalidade inerente do homem [...]” (Grande Conflito, p. 539,540).

Veja um dos maiores apologistas brasileiros,, Professor Paulo Cristiano - vice presidente do CACP, desbaratando de forma hermenêutica essa acusação acima desprovida de base bíblica, e deixando mais uma vez, o "espírito de profecia" adventista, em fragalhos!



80 comentários:

  1. Realmente fugissem dos argumentos apresentados pelo professor, afim de não desfoc a explicação do professor é clara e segue as regras de uma boa hermeneutica.
    Esperamos que os comentarístas não desfocarmos do objetivo da postagem.
    Sejamos sinceros honestos em tirarmos todas as duvidas sobre este assunto , partindo do exposto pelo Administrador do link.
    Graça e paz
    Wilton

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que Deus ilumine os que estão 'em trevas' por causa da Dona White!

      Excluir
  2. Essa tentativa de exegese aí do Prof. Paulo Cristiano resultou numa "baita" eisegese, a falácia foi a tônica dessa eisegese cristiana. Agora só porque não estavam juntos a Arvore da Vida, não poderiam conversar sobre a mortalidade da alma? Rsrsrsrs
    Deus já havia dito que não poderiam comer da Arvore do Conhecimento do Bem e do Mal, porque, certamente morreriam. (Gn 2:16, 17). Satanás se põe junto a essa arvore e inicia sua fraseologia indefinida e ambígua, com o claro propósito de semear dúvidas no coração de Eva para fazer com ela desobedecesse a Deus e perdesse sua imortalidade condicional.
    Deus disse que se comessem da arvore que se tornou prova de obediência e amor a Ele morreria, e Satanás disse que não morreria, o que o diabo está fazendo a não ser inculcar essa mentira da imortalidade inerente ao homem?
    Prof. Paulo Cristiano foi pedante nesse vídeo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Moisés, tudo bem? Anda sumido...

      Poderia nos mostrar a exegese que Ellen White usou para dizer o que ela disse?

      Excluir
  3. Que fantasia, senhora White!

    Sermão espírita no Jardim do Éden?

    Onde estavam a evocação dos mortos, comunicação com os mortos através do mediunismo, fenômenos paranormais, a serpente ensinando a doutrina da reencarnação, etc...

    Satanás estava falando através de uma besta, um animal do campo e, afirmando que eles seriam [como deuses, do hebraico elohim].

    Conhecedores do bem e do mal [uma expressão usada por Moisés para dizer que à Adão e Eva seriam revelados o conhecimento de mistérios ocultos da existência] provavelmente calcados em sua própria experiência no aprendizado dos mistérios egípcios.

    A morte foi o resultado da transgressão deles. Adão e Eva, dali em diante, estariam sob o jugo da condenação à morte, o que ocorreu 930 depois.

    Agora, se a morte trouxe a inexistência com ela, aí é outro assunto, porque em 1 Samuel 28, o profeta aparece vivo, e as escrituras, contra todas as afirmações dos incrédulos [que dizem que era Satanás] as escrituras afirmam que era o profeta Samuel e que através dele Deus condenou a Saul.

    Eu sugiro aos incrédulos que peçam aos tradutores que mudem o nome de Samuel para Satanás em 1Samuel 28.

    Em Gênesis 2-3 [capítulos] a morte é mencionada como resultado da transgressão, mas nesses mesmos capítulos a ressurreição dos justos e dos injustos não é mencionada, o lago de fogo não é mencionado, o dia do juízo não é mencionado e algumas doutrinas Adventistas também não são referidas tais como a [ressurreição parcial de Daniel 12 e o Juízo Investigativo, o milênio com a terra desabitada....].

    Todos estes assuntos estão relacionados com a vida e a morte.

    Agora, como os Adventista vão descobrí-los?

    Por causa da revelação progressiva que vai introduzindo novos elementos com os quais o [quadro] vai se formando mais claramente.

    Da mesma maneira, a escritura dará testemunho da sobrevivência da consciência [espírito] conforme novos elementos vão sendo acrescentados aqui e ali, através do texto bíblico.

    Então, citar Gênesis 3 onde diz [ao pó voltarás] não pode ser usado como prova conclusiva.

    Diz em Gênesis 5, que Adão viveu 930 anos e morreu. A passagem não acrescenta mais nada. Se pararmos por aí, já era. Nada de ressurreição celestial, de julgamento, de novos céus e de nova terra, etc.

    Mas na parábola ou história do Rico e de Lázaro, o Senhor diz que, morreu o mendigo, e prossegue [ele foi levado pelos anjos ao Seio de Abraão. Morreu, também, Rico, e foi sepultado. No Sheol [o Rico em tormentos gritava...]. O Senhor não disse, [morreu o mendigo, e também morreu o Rico e, ponto, como diz em Gênesis 5].

    Adão, quando pecou, colocou toda a humanidade sob pena eterna no lago de fogo.

    Esta é a morte ao qual toda a humanidade ficou submetida após uma futura ressurreição.

    Nada disto é mencionado em Gênesis 2-3 [capítulos].

    Então, é simples mostrar que, citar Gênesis 3:19, não pode ser tomado como prova contra a sobrevivência do espírito humano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não deixa nada para a gente comentar...rsrs

      Destruiu. Mais uma vez...

      Excluir
    2. Sr Paulo, sobre a sua afirmação de que era realmente Samuel que falou com Saul no relato de 1 Samuel 28:
      Em primeiro lugar, a Bíblia diz que na morte a pessoa “volta ao seu solo” e que “perecem deveras os seus pensamentos”. (Conforme Salmo 146:4) E que na morte não há consciência. (Ler Eclesiastes 9:5, 10). Se de fato foi Samuel que falou com Saul, então a Bíblia se contradiz aqui.

      Em segundo lugar, tanto Saul como Samuel sabiam que Deus condenava o contato com médiuns (Conforme Levítico 19:31). Anteriormente, Saul até mesmo havia tomado a liderança em livrar a nação das práticas espíritas. (1 Samuel 28:3)
      Raciocine sobre o seguinte: Se o fiel profeta Samuel ainda estivesse vivo como espírito, será que ele violaria a lei de Deus e cooperaria com uma médium espírita a fim de se encontrar com Saul? Jeová havia se recusado a falar com Saul. (1 Samuel 28:6) Será que uma médium poderia forçar o Deus Todo-Poderoso a falar com Saul por meio do falecido Samuel? Não. Com certeza, esse “Samuel” não tinha nada a ver com o fiel profeta de Deus. Era um espírito, um demônio perverso que fingiu ser Samuel.
      Os demônios observam as pessoas enquanto elas estão vivas; conhecem o seu jeito de falar, sua aparência e sua maneira de agir. Eles querem promover a ideia de que aquilo que a Bíblia diz é mentira. A Bíblia é muito clara em dizer que não devemos ter contato com nenhum tipo de espiritismo. (Conforme Deuteronômio 18:10-12)

      Além disso, pense no seguinte: Jeová é um Deus de amor, que se importa conosco. Se de fato os mortos estão vivos em algum lugar e podem nos ajudar, será que Deus proibiria o contato com eles e diria que isso é “detestável”? É claro que não! (1 Pedro 5:7)

      Excluir
    3. Sr. Candi, a Sra White não fantasiou nada.
      O que ela fala e nós provamos pela bíblia, é que satanás lançou a base do espiritismo lá naquela conversa. E que vocês(pregadores da imortalidade incondicional) são espíritas disfarçados de crentes. Salomão ensinou que os mortos não vivem "Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, mas a sua memória fica entregue ao esquecimento.
      Também o seu amor, o seu ódio, e a sua inveja já pereceram, e já não têm parte alguma para sempre, em coisa alguma do que se faz debaixo do sol."
      Eclesiastes 9:5,6
      Olha só a explicação do CACP maluco:
      "Porque o escritor inspirado de Eclesiastes está apresentando um contraste entre pontos de vista: o secular, o ponto de vista materialista, versus o celestial e espiritual. Explico. O verso 5 afirma que os mortos não sabem coisa nenhuma, mas também acrescenta “já não têm parte alguma neste século, em coisa alguma do que se faz debaixo do sol” (verso 6). Ora, perguntamos: os mortos se foram para sempre ou irão ressuscitar em uma futura ressurreição para viver na terra debaixo do sol? Mesmo os que ensinam o aniquilamento dos mortos, admitem que haverá uma ressurreição para viverem aqui na terra, que será transformada num paraíso. Como admitir esse ensino, quando o verso comentado (verso 5) afirma “nem tampouco eles têm jamais recompensa”? Logo, entende-se que quando o escritor afirma que os mortos não sabem coisa nenhuma, está se referindo a não saberem coisa nenhuma de tudo o que ocorre debaixo do sol, isto é, no mundo dos vivos, mas isso não significa que os morbos estejam inconscientes no lugar onde se encontram: os salvos no céu e os perdidos no tormento do inferno."
      Olha só a explicação maluca a cima: do ponto de vista.
      Do ponto de vista de quem? Do autor? Prefiro a Bíblia.
      O que Salomão ensinou é que o morto está morto de verdade e o vivo, está vivo de verdade. Só isso! Bota isso na cabeça!!!!!
      Jesus comparou a morte a um sono:
      "Assim falou; e depois disse-lhes: Lázaro, o nosso amigo, dorme, mas vou despertá-lo do sono.
      Disseram, pois, os seus discípulos: Senhor, se dorme, estará salvo.
      Mas Jesus dizia isto da sua morte; eles, porém, cuidavam que falava do repouso do sono.
      Então Jesus disse-lhes claramente: Lázaro está morto;"
      João 11:11-14
      Quem se atreve a discordar de Jesus? Tenho outros trechos. Quer continuar a discussão?

      Excluir
  4. Irmão Luciano estamos esperando a exegese do Moisés, vamos ver qual argumento ele vai usar na biblia deles, me refiro ao desejados de todas as nações.

    ResponderExcluir
  5. (Eclesiastes 9:5, 6 e 10)

    A Bíblia ensina que a morte é um estado de total inconsciência. Os mortos não podem sentir, pensar, ver e tampouco ajudar ou prejudicar os vivos. A morte é o fim da vida.

    Jesus Cristo, confirmou essa verdade sobre a morte. Certa vez, quando um amigo querido morreu, Jesus disse aos discípulos: “Lázaro, nosso amigo, adormeceu.” Mas Lázaro não estava dormindo; ele já estava morto a 4 dias. Ele disse logo depois: “Lázaro morreu.” Jesus comparou a morte com o sono.

    Muitas das ideias erradas e superstições a respeito da morte existem por causa da crença de que algo dentro de nós sobrevive à morte do corpo. Chamam de ‘alma imortal’.

    O QUE É A ALMA DE ACORDO COM A BÍBLIA?

    Hebraico néfesh = Criatura que respira
    Grego psykhé = Um ser vivente

    A Bíblia mostra que a alma é a pessoa como um todo:

    (Ler Genesis 2:7) O homem passou a existir quando Deus o formou do pó do solo e colocou nele o folego de vida. Ele se tornou uma alma vivente. Então o homem não passou a ter uma alma, ele se tornou uma alma!

    Ao falar sobre o que aconteceria quando Adão morresse, notem o que Deus disse. (Ler Genesis 3:19) Adão não existia antes de Deus tê-lo formado do pó do solo. E quando morresse, Deus disse que ele voltaria ao pó. Ele deixaria de existir. Ezequiel 18:4 diz que a alma (ou pessoa) que pecar é a que morrerá. Portanto, não existe alma “imortal”. A alma morre, porque a alma nada mais é do que a pessoa com vida.

    Mas a Bíblia não revela para nós apenas o que é a morte. Ela explica porque morremos.

    Quando Deus criou o primeiro casal humano, Adão e Eva, eles eram perfeitos e moravam num paraíso. A morte não fazia parte dos planos de Deus para eles. Isso fica claro no propósito que Deus tinha para eles: terem filhos, encherem a Terra, cuidar do planeta e dos animais. (Gênesis 1:27, 28) Para poder cumprir essa comissão eles precisariam viver para sempre.

    Em que momento a morte entrou na história? (ler Gênesis 2:15-17) Deus não fixou limite para a vida do homem, mas disse a Adão que a desobediência é que causaria a morte. Isso subentende que, não ocorrendo isso, o homem viveria para sempre. Portanto, Adão veio a morrer porque foi desobediente a Deus. Ele perdeu o direito à vida.

    Mas porque nós morremos? Nós morremos porque somos filhos de Adão.

    Romanos 5:12 diz: “...assim como por meio de um só homem o pecado entrou no mundo, e a morte por meio do pecado, e desse modo a morte se espalhou por toda a humanidade, porque todos haviam pecado...”

    ResponderExcluir
  6. Meu Deus! Esse adeventadas sao demais temosos.

    ResponderExcluir
  7. Na Bíblia, a imortalidade é apresentada somente a:

    1 – Jeová;
    2 – Jesus Cristo;
    3 – Cristãos ungidos

    - JEOVÁ
    Primeiro a Bíblia apresenta JEOVÁ, O DEU TODO-PODEROSO como o ÚNICO que possui imortalidade no sentido eterno (passado e futuro). - Salmo 36:7, 9; 90:1, 2; Habacuque 1:12; 1 Timóteo 1:17.

    - JESUS CRISTO
    Ele é descrito como recompensado com o dom da imortalidade. Que ele NÃO POSSUÍA A IMORTALIDADE ANTES DE SER RESSUSCITADO POR DEUS vê-se nas palavras inspiradas do apóstolo em Romanos 6:9: “Cristo não morre mais, agora que tem sido levantado dentre os mortos; a morte não domina mais sobre ele.” (Compare isso com Apocalipse 1:17, 18.) Por isso, quando o descreve como “Rei dos que reinam e Senhor dos que dominam”, 1 Timóteo 6:15, 16 mostra que Jesus se distingue de todos esses outros reis e senhores no sentido de que é “O ÚNICO QUE TEM IMORTALIDADE”. Como Jesus pode ser “o único que tem imortalidade”? Os outros reis e senhores, por serem mortais, morrem, assim como também morriam os sumos sacerdotes de Israel. O glorificado Jesus, o Sumo Sacerdote designado por Deus segundo a ordem de Melquisedeque, contudo, tem uma “vida indestrutível”. (leia Hebreus 7:15-17, 23-25).

    - CRISTÃO UNGIDOS
    Para os cristãos ungidos que são chamados a reinar com Cristo nos céus (1 Pedro 1:3, 4), a promessa é de que compartilharão com Cristo a semelhança de Sua ressurreição. (Conforme Romanos 6:5) Eles recebem uma ressurreição para a vida espiritual, imortal. (Conforme 1 Corintios 15:50-54) Isso não é simplesmente vida eterna, antes uma “vida indestrutível” (1 Coríntios 15:42-49) Sobre eles, “a segunda morte não tem autoridade”. — Apocalipse 20:6

    Portanto, segundo a Bíblia, a imortalidade é uma qualidade inerente somente a Jeová, e ele a concedeu como premio ao Filho (Jesus Cristo) e aos cristão ungidos, apenas. NENHUMA OUTRA CRIATURA É MENCIONADA NA BÍBLIA É MENCIONADA COMO POSSUINDO IMORTALIDADE.

    ResponderExcluir
  8. Meditando sobre Eclesiastes 9,5. A despeito da triste realidade de tudo, os homens apegam-se a esperança como a última coisa que morrerá, pois calculam que é melhor ser um cão vivo que um leão morto. Naturalmente todo esse raciocínio também é vão. O pregador de eclesiastes nada acrescenta a essa declaração, como se realmente nela houvesse alguma esperança. Ele estava apenas observando quão tolamente os homens continuam esperando, a despeito das infelizes evidências contrárias. o leão era o rei dos animais, temido e honrado pelos homens e pelos animais irracionais. O cão selvagem do Oriente (onde não se criavam cães como animais domésticos) era um predador imundo e desprezado. mas um cão daquela natureza desprezível, se estivesse vivo, seria melhor que um nobre leão em adiantado estado de putrefação. alguns estudiosos reduzem aqui, essa esperança aos pequenos prazeres da vida, o falso summum bonum da vida humana, mas isso parece distante demais da realidade dos fatos. Os vivos sabem que morrerão e, quando essa esperança morre (v 5), eles continuam a esperar por algo melhor. Existem coisas melhores que isso, mas o pregador de eclesiastes não acreditava em nada que trouxesse deleite. ele foi um pessimista do começo ao fim do livro. não tinha asas para voar, era como um réptil a rastejar pela lama.

    ResponderExcluir
  9. Olá Diego

    Bom dia

    A doutrina da morte da alma não se sustenta pois se o fôlego de vida + corpo forma um ser vivente e logicamente o fôlego de vida não é algo estático logo ele age de forma ininterrupta no corpo e participa de forma integrante dos pensamentos e ações do ser humano logo tem consciência e de acordo com a crença mortalista tal fôlego é inconsciente mas nós observamos que na própria doutrina mortalista tal fôlego adquire consciência e se formos raciocinar sob um perspectiva mortalista o fôlego de vida(inconcsiente)não daria vida consciente ao ser humano pois ficaria sempre inconsciente.

    Além do mais é ilógico um fôlego de vida inconsciente entrar em um corpo inconsciente e formar um ser consciente.

    Gênesis 2:7 fala da doutrina da tricotomia pois Deus sopra nas narinas(corpo) o fôlego de vida e forma a alma vivente ( alma imortal) onde a alma vivente é justamente a alma imortal que sendo consciente dá a vida ao ser e mantem a vida consciente.

    A crença mortalista fala de uma soma ou adição vivente mas a doutrina bíblica da alma vivente é justamente a alma imortal pois a alma imortal é um elemento espiritual consciente que sustenta a vida do ser.

    Um abraço

    Luiz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luiz, boa tarde.

      O problema dos que creem na imortalidade da alma é querer ver significado oculto em tudo o que lê, e a partir dai começar a criar explicações confusas e contraditórias para tentar apoiar essa crença. Perceba o malabarismo teológico que você tem que fazer para tentar refutar a prova bíblia que a alma morre. Veja que a Bíblia mostra de modo muito claro e objetivo o contrário, que sim, a alma morre, porque a alma nada mais é do que a PESSOA COMO UM TODO. O texto de Gênesis é muito claro em mostrar que o homem É UMA ALMA, e não que ele POSSUI UMA ALMA.

      Você disse: “é ilógico um fôlego de vida inconsciente entrar em um corpo inconsciente e formar um ser consciente.”

      Mas é justamente isso o que a Bíblia ensina:

      Tiago 2:26:
      “Realmente, assim COMO O CORPO SEM ESPÍRITO (ou fôlego, força de vida, o mesmo fôlego citado em Gênesis 2:7) ESTÁ MORTO, assim também a fé sem obras está morta.

      Salmo 104:29:
      “Quando escondes a tua face, ficam agitados. Se lhes TIRAS O ESPÍRITO (ou fôlego, força de vida, o mesmo fôlego citado em Gênesis 2:7), MORREM E VOLTAM AO PÓ.”

      Salmo 146:4:
      Seu ESPÍRITO (ou fôlego, força de vida, o mesmo fôlego citado em Gênesis 2:7) SAI, E ELES VOLTAM AO SOLO;
      NESSE MESMO DIA OS SEUS PENSAMENTOS SE ACABAM”

      Eclesiastes 12:7:
      “Então o pó volta à terra, de onde veio, e O ESPÍRITO (ou fôlego, força de vida, o mesmo fôlego citado em Gênesis 2:7) VOLTA AO VERDADEIRO DEUS, QUE O DEU.”

      Excluir
    2. Luiz, conforme a Bíblia mostra, essa força de vida, ou espírito, é algo impessoal.

      As Escrituras se referem a rú·ahh, ou força de vida, como existente não somente nos humanos, mas também nos animais. (Gênesis 6:17; 7:15, 22) Eclesiastes 3:18-22 mostra que o homem morre do mesmo modo que os animais, porque “TODOS ELES TÊM APENAS UM SÓ ESPÍRITO [werú·ahh], de modo que não há nenhuma superioridade do homem sobre o animal”, quer dizer, quanto à força de vida comum a ambos. Sendo assim, é evidente que o “espírito”, ou força de vida (rú·ahh), conforme usado neste sentido, É IMPESSOAL. Como ilustração, poder-se-ia compará-lo a outra força invisível, a eletricidade, que pode ser usada para fazer funcionar diversos tipos de máquinas — fazendo com que fogões produzam calor, ventiladores gerem vento, computadores solucionem problemas, televisores produzam imagens, vozes e outros sons — contudo, esta corrente elétrica nunca assume quaisquer das características das máquinas em que opera ou é ativa.

      Excluir
  10. Diego, disse,

    "Sr Paulo, sobre a sua afirmação de que era realmente Samuel que falou com Saul no relato de 1 Samuel 28:
    Em primeiro lugar, a Bíblia diz que na morte a pessoa “volta ao seu solo” e que “perecem deveras os seus pensamentos”. (Conforme Salmo 146:4) E que na morte não há consciência. (Ler Eclesiastes 9:5, 10). Se de fato foi Samuel que falou com Saul, então a Bíblia se contradiz aqui.

    Em segundo lugar, tanto Saul como Samuel sabiam que Deus condenava o contato com médiuns (Conforme Levítico 19:31). Anteriormente, Saul até mesmo havia tomado a liderança em livrar a nação das práticas espíritas. (1 Samuel 28:3)
    Raciocine sobre o seguinte: Se o fiel profeta Samuel ainda estivesse vivo como espírito, será que ele violaria a lei de Deus e cooperaria com uma médium espírita a fim de se encontrar com Saul? Jeová havia se recusado a falar com Saul. (1 Samuel 28:6 Será que uma médium poderia forçar o Deus Todo-Poderoso a falar com Saul por meio do falecido Samuel? Não. Com certeza, esse “Samuel” não tinha nada a ver com o fiel profeta de Deus. Era um espírito, um demônio perverso que fingiu ser Samuel.
    Os demônios observam as pessoas enquanto elas estão vivas; conhecem o seu jeito de falar, sua aparência e sua maneira de agir. Eles querem promover a ideia de que aquilo que a Bíblia diz é mentira. A Bíblia é muito clara em dizer que não devemos ter contato com nenhum tipo de espiritismo. (Conforme Deuteronômio 18:10-12)

    Além disso, pense no seguinte: Jeová é um Deus de amor, que se importa conosco. Se de fato os mortos estão vivos em algum lugar e podem nos ajudar, será que Deus proibiria o contato com eles e diria que isso é “detestável”? É claro que não! (1 Pedro 5:7)."

    Resposta➡ Você chegou à esta conclusão por causa das premissas que estabeleceu, ou seja, de que não existe a sobrevivência da consciência depois da morte e, de que na morte o ser humano volta à inexistência.

    Pela que pude perceber você pertence às Testemunhas de Jeová?

    Estou certo?

    O fato é que, em 1 Samuel, no capítulo 28, o autor "inspirado pelo Espírito Santo", e, diga-se de passagem que uma "força ativa" não produz literatura que só é efetuada por seres inteligentes, bem, voltando, em 1Samuel 28 o autor inspirado afirma claramente, peremptoriamente que a personagem que assombrou a necromante, antes de sequer, ela começar as invocações, era de fato Samuel.

    Inclusive, se você prestar atenção na leitura do texto, vai perceber que, logo que era Samuel,

    "10 Então, Saul lhe jurou pelo Senhor, dizendo: Vive o Senhor, que nenhum mal te sobrevirá por isso. 11 A mulher, então, lhe disse: A quem te farei subir? E disse ele: Faze-me subir a Samuel. 12 VENDO, POIS, A MULHER A SAMUEL, gritou em alta voz; e a mulher falou a Saul, dizendo: Por que me tens enganado?"

    O simples fato de Saul ter buscado uma necromante é prova incontestável de que os judeus criam em uma vida além-túmulo, o que também é provado pela Arqueologia.

    Se você é Testemunha de Jeová, poderia enviar uma sugestão ao Corpo Governante, para mudar o nome de Samuel para Satanás em 1Samuel 28:10 e versículos seguintes. Eu creio que para eles não haverá nenhum impedimento, já que um dos passatempos prediletos deles é brincar de traduzir a Bíblia!

    Existe um axioma no Antigo Testamento que, está no livro do profeta Amós 3:6-7,

    "6 Tocar-se-á a buzina na cidade, e o povo não estremecerá? Sucederá qualquer mal à cidade, e o Senhor não o terá feito? 7 CERTAMENTE O SENHOR JEOVÁ NÃO FARÁ COISA ALGUMA , SEM TER REVELADO O SEU SEGREDO AOS SEUS SERVOS , OS PROFETAS."

    Este foi o método usado por Deus em todo o Antigo Testamento desde o Sinai.

    EM 1Crônicas 13:10 diz,

    "13 Assim, morreu Saul por causa da sua transgressão com que transgrediu contra o Senhor, por causa da palavra do Senhor, a qual não havia guardado; E TAMBÉM PORQUE BUSCOU A ADIVINHADORA PARA A CONSULTAR 14 e não buscou o Senhor, pelo que o matou e transferiu o reino a Davi, filho de Jessé."

    ResponderExcluir
  11. Isto quer dizer que, Deus, através de seu profeta Samuel, condenou o pecado do rei, sendo que, Samuel, repetiu exatamente o que havia falado quando ainda ministrava e, acrescentou o castigo que sobreviria à Saul.

    Todas as argumentações a favor de que a personagem seria "na verdade Satanás ou um demônio personificando a Samuel", terão de negar a inerrância das Escrituras, porque se era o Espírito Santo inspirando o escritor, jamais, Deus, se prestaria a confundir os seus leitores, trocando, sem motivo algum, o nome das personagens, quando poderia, prontamente, ter nos passado a identidade do "suposto" Samuel o qual seria, de fato, Satanás ou um demônio.

    Tanto é assim, que, no próprio livro de 1 Samuel 18:10, o Espírito Santo nos passa a identidade do cidadão,

    "10 E aconteceu, ao outro dia, QUE O MAU ESPÍRITO, DA PARTE DE DEUS, se apoderou de Saul, e profetizava no meio da casa; e Davi tangia a harpa com a sua mão, como de dia em dia; Saul, porém, tinha na mão uma lança. 11 E Saul atirou com a lança, dizendo: Encravarei a Davi na parede. Porém Davi se desviou dele por duas vezes."


    Diego, disse,

    " Raciocine sobre o seguinte: Se o fiel profeta Samuel ainda estivesse vivo como espírito, será que ele violaria a lei de Deus e cooperaria com uma médium espírita a fim de se encontrar com Saul? Jeová havia se recusado a falar com Saul. (1 Samuel 28:6)."


    Resposta➡ Você é que está afirmando de que a presença real de Samuel à cena, seria uma violação a lei de Deus e "cooperaria com uma médium espírita."

    Não há nada disto no texto.

    O que há no texto é,

    Saul desobedece a Deus.

    Não busca a Deus "com saco e cinzas (arrependimento).

    Desesperado, vai em busca de uma necromante.

    Chega ao local, disfarçado, e expõe o caso.

    Antes de começar o ritual de invocação dos mortos, a necromante é surpreendida por um fato inédito do qual não possuía nenhum conhecimento.
    Ela não conhece esta pessoa que se apresenta. Certamente não era um dos espíritos familiares com os quais costumava "trabalhar."

    O escritor inspirado afirma logo no início que era Samuel à quem ela estava vendo, mas ela não sabia disto.

    Samuel repete o julgamento que sobreviria à Saul por causa de sua desobediência.

    A profecia de Samuel se cumpre.

    Não há nada no relato que sequer insinua tratar-se de Satanás que, teria "profetizado" algo bem diferente para Saul, e não o repreendido em nome do Senhor por causa de seu pecado.

    Ou seja, no conteúdo das palavras do profeta, não existe falsa doutrina como é comum acontecer na literatura produzida pelo Corpo Governante.

    No caso de Eclesiastes 9:5-10, a palavra usada no verso 10 é "SH'OL, e que não significa sepultura, mas o mundo inferior para onde íam os mortos.

    É à este lugar que o Senhor se refere na história do Rico e de Lázaro em Lucas 16.

    Agora, o Corpo Governante por incrível que possa parecer, conseguiu fazer até o diabo rir ao traduzir em Lucas 16:23 a palavra grega Hades (hebraico Sh'ol) pela palavra sepultura. Vejam no que deu!


    22 "Com o tempo, o mendigo morreu e foi carregado pelos anjos para junto de Abraão.
    “O rico também morreu e foi enterrado. 23 NA SEPULTURA ELE ERGUEU OS OLHOS, EM TORMENTOS, e viu Abraão de longe, com Lázaro ao seu lado.


    Responda para nós como é que o Rico que estava na sepultura, morto e como vocês querem, inconsciente, poderia estar tendo uma visão do paraíso?!!!

    ResponderExcluir
  12. Olá Diego

    Obrigado pela resposta.

    Meu caro seu comentário foi interessante porém não refutou os meus argumentos, você deu uma definição do fôlego de vida de acordo com a visão mortalista ou seja de como você, e na verdade não só você mas todos os mortalistas entendem assim, porém só a ideia que o fôlego é impessoal não refuta o meu argumento.

    O fôlego de vida sendo inconsciente na própria visão da morte da alma ao interagir com o corpo adquiri consciência então chegamos a conclusão que na própria visão mortalista o fôlego de vida é consciente pois participa durante a vida dos pensamentos e ações mentais do ser humano, logo não tem sentido na interpretação mortalista o fôlego de vida voltar para Deus pois se o fôlego de um ímpio participa consciente da vida de um ser humano ímpio fica totalmente sem sentido ele ir para o mesmo lugar que o fôlego de vida de um justo que também participou ativamente na vida do justo.

    Se o fôlego de vida ficasse sempre inconsciente no corpo de um ser humano
    não haveria alma vivente pois tanto o fôlego quanto o corpo ficariam interagindo de forma inconsciente e isso é uma soma vivente mas nunca uma alma vivente.

    Se o fôlego de vida + corpo gera a consciência ou a mente então teríamos mesmo na crença mortalista três elementos ou seja o fôlego o corpo e a mente ou consciência.

    Os exemplos que você citou como eletricidade não geram vida e considerando que a eletricidae é impessoal faz o ventilador funcionar mas não faz do ventilador uma alma vivente e isso reforça o raciocínio que a soma mortalista não pode gerar um ser humano consciente.

    Um abraço

    Luiz

    ResponderExcluir
  13. Boa noite Paulo Cadi. De acordo com o site testemunhasdejeovaemfoco, a organização das Testemunhas de Jeová, retirou a frase "médiuns espíritas" de suas bíblias conhecida como Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada lançada em português, após a sua revisão no ano de 2015. Me lembrei disso porque estou acompanhando os comentários da postagem e vi que alguns tjs ainda usam esta frase.

    ResponderExcluir
  14. Meditando sobre a imortalidade da alma. Naturalmente que devemos entender que temos uma alma, antes de podermos discutir se a alma é imortal. A alma humana não vive por causa do corpo, mas o corpo vive por causa da alma humana. A alma humana é uma substância espiritual que, devido a sua união substancial com a matéria, empresta existência e formação ao corpo. A alma, que é espiritual por si mesma, intrinsecamente independente da matéria, em sua natureza e existência, não pode deixar de existir. Um espírito; isto é, uma “forma” que de nada precisa senão de si mesma (salvo do influxo da Causa Primária) para exercer a sua existência;uma vez que venha existir, não mais pode deixar de existir. Uma alma espiritual não pode corromper-se, visto que não possui matéria, não pode desintegrar-se, visto que não possui partes substanciais nenhumas, não pode perder a sua unidade individual porque é auto-subsistente; e nem pode perder a sua energia interna, porquanto ela contém dentro de si mesma todas as fontes de suas energias. A alma humana não pode morrer. Uma vez que ela exista, não pode desaparecer; existirá necessariamente para sempre, perdurará sem-fim. As grandes e fundamentais verdades que não são espontaneamente apreendidas pelo instinto natural da mente humana, são sempre as verdades mais difíceis de serem estabelecidas pela razão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Correto, Iran,

      Em linhas gerais eu concordo com a sua explanação.

      Mas eu creio que somente Deus possui a imortalidade e que as pessoas continuam a existir no além-túmulo por causa da vontade de Deus. Eu não acredito em uma imortalidade intrínseca do espírito humano o que faria do homem, Deus.

      Eu nem uso a expressão "imortalidade da alma" porque dá a entender que o homem é de si mesmo imortal quando na verdade a Bíblia o apresenta como uma criatura.

      Porque admitindo a imortalidade intrínseca do espírito teríamos de acreditar que o nosso espírito é uma centelha do Espírito eterno de Deus e como houve a Queda nos encontramos aqui para o aperfeiçoamento moral e espiritual.

      Isto é filosofia espiritualista.

      Pela sua "maneira de se expressar" me parece que você é espírita ou alguma filosofia espiritualista o que bem justificaria a sua linha de raciocínio.

      Agora, a Bíblia afirma que Deus criou o homem.

      Se o homem é uma criatura consequentemente ele não pode ter sido feito da essência divina que é eterna. Isto do ponto estritamente bíblico.

      A criação do homem do pó da terra à semelhança dos animais em Gênesis 2:7 não é a mesma de Gênesis 1:26 onde Deus criou o homem à sua imagem e semelhança.

      Em Gênesis 1:26 Deus cria o homem espírito macho e fêmea como uma única criatura. Ele dá uma ordem para se reproduzir mas essa ordem é para a natureza espiritual de Adão. Essa ordem somente entrará em execução após a criação do homem do pó em Gênesis 2:7 e logo adiante da mulher tirada dele.

      À partir de Gênesis 2:7 Deus cria o homem do solo introduzindo nele o espírito à sua imagem e semelhança que ele criou em Gênesis 1:26 e daí em diante o homem permanece sozinho durante um tempo indefinido-não especificado até que Deus cria a mulher.

      Deus não soprou o ruach em nenhuma outra criatura exatamente por isso. Porque ao soprar o Adão espiritual através do Seu Alento Divino no homem em Gênesis 2:7 ele plasmou em Adão à sua imagem no corpo terreno do homem.

      Agora, como é que Deus soprou o alento de vida em Adão e em Eva não?

      Porque ao fazer Adão adormecer Deus repartiu o espírito de Adão e pôs
      em Eva a parte feminina desse espírito.

      Existem muitas diferenças entre o relato de Gênesis 1:26 e de Gênesis 2:7.

      Alguns falam que são dois relatos um de fonte eloísta e outro de fonte Javísta ou sacerdotal e que foram muito tempo depois de Moisés organizados em um texto unitário.

      Eu já estudei muito esses assuntos e não acredito neles por motivos bíblicos mesmo. A crítica textual dos textos bíblicos tendo suas raízes na teologia protestante moderna do século 19 possui muitas incoerências e é incompatível com o consenso geral da teologia cristã e da exegese através dos séculos.


      Você disse, "l. A alma humana não vive por causa do corpo, mas o corpo vive por causa da alma humana. A alma humana é uma substância espiritual que, devido a sua união substancial com a matéria, empresta existência e formação ao corpo."

      Eu creio neste pressuposto.

      Tudo primeiro acontece no domínio espiritual. Paulo, o Apóstolo ensina essa verdade.

      Excluir
    2. Bem como disse, é uma meditação pois muita coisa pode ser extraída da mesma.

      Excluir
  15. Luiz, Paulo e Iran, bom dia!

    Eu acho que essa frase abaixo pode resumir bem o que ambos acreditam:

    “A ALMA HUMANA NÃO VIVE POR CAUSA DO CORPO, MAS O CORPO VIVE POR CAUSA DA ALMA HUMANA. A ALMA HUMANA É UMA SUBSTÂNCIA ESPIRITUAL QUE, DEVIDO A SUA UNIÃO SUBSTANCIAL COM A MATÉRIA, EMPRESTA EXISTÊNCIA E FORMAÇÃO AO CORPO."

    Qual a base para essa conclusão? Afinal de contas, vocês São Platonistas, Espiritas ou Cristãos? Vocês tem que decidir no que acreditam; não da pra misturar as crenças. O que vi nos comentários acima, foi justamente uma mistura de tudo.

    Se o objetivo é entendermos o que a Bíblia diz, devemos nos apegar somente a ELA como fonte das nossas crenças, e não recorrer a conceitos Filosóficos-Espiritas.

    Os textos que citei nos comentários anteriores são muito claros e objetivos em mostrar o que de fato é a alma SEGUNDO A BÍBLIA. Sugiro que meditem neles com oração, e sem conceitos pré-concebidos; deixem apenas a Bíblia interpretar a si mesma.

    A verdade da Bíblia é muito simples, mas a maior parte do que disseram está muito longe do que ela realmente ensina.

    A palavras usava na Bíblia para ALMA é né·fesh (Hebraico) e psy·khé (Grego).

    Né·fesh ocorre 754 vezes no texto massorético das Escrituras Hebraicas;
    Psy·khé aparece sozinha 102 vezes no texto de Westcott e Hort das Escrituras Gregas Cristãs.

    Ou seja, são TOTAL DE 856 OCORRÊNCIAS.

    Um exame cuidadoso de ALMA na Bíblia mostra que, embora o sentido destes termos seja amplo, com diferentes matizes de significado, entre os escritores bíblicos NÃO HAVIA NENHUMA INCOERÊNCIA, CONFUSÃO OU DESARMONIA quanto à natureza do homem, tal como a existente entre os filósofos gregos do chamado Período Clássico.

    Em contraste direto com o ensino grego sobre a psy·khé (alma) COMO IMATERIAL, INTANGÍVEL, INVISÍVEL E IMORTAL, as Escrituras mostram que tanto psy·khé como né·fesh, conforme usadas com referência a CRIATURAS TERRESTRES, referem-se àquilo que é MATERIAL, TANGÍVEL, VISÍVEL E MORTAL.


    A Nova Enciclopédia Católica (1967, Vol. XIII, p. 467) diz:

    “Nepes [né·fesh] é um termo de muito maior extensão do que nossa ‘alma’, significando vida e suas várias manifestações vitais: respiração, sangue, desejo. A ALMA NO ANTIGO TESTAMENTO SIGNIFICA, NÃO UMA PARTE DO HOMEM, MAS O HOMEM INTEIRO — O HOMEM COMO SER VIVENTE. SIMILARMENTE, NO NOVO TESTAMENTO SIGNIFICA VIDA HUMANA: A VIDA DUMA ENTIDADE INDIVIDUAL, CONSCIENTE.”


    A Nova Bíblia Americana (uma tradução católica romana), em seu “Glossário de Termos de Teologia Bíblica” (páginas 27, 28), diz:

    “No Novo Testamento, ‘salvar a alma’ (Conforme Marcos 8:35) NÃO SIGNIFICA SALVAR ALGUMA PARTE ‘ESPIRITUAL’ DO HOMEM, EM CONTRASTE COM O SEU ‘CORPO’ (NO SENTIDO PLATÔNICO), MAS A INTEIRA PESSOA, COM ÊNFASE NO FATO DE QUE A PESSOA ESTÁ VIVA, DESEJANDO, AMANDO E QUERENDO, ETC., EM ADIÇÃO A SER CONCRETA E FÍSICA.”


    O Léxico dos Livros do Velho Testamento, de Koehler e Baumgartner, define né·fesh como:

    “a substância respiradora, que torna o homem e o animal seres viventes (Gênesis 1,20 Gênesis 1:20), a alma (estritamente distinta da noção grega da alma), cuja sede é o sangue (conforme mostram Gênesis 9:4, Levítico 17:11; Deuterônomio 12,:23; Gênesis 9:4; Levítico 17:11; Deuteronômio 12:23: . . . alma = ser vivente, indivíduo, pessoa.)”

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Diego. Bem da minha parte o que postei foi apenas uma meditação, um raciocínio que tem algum valor. Foi apenas um comentário de apreciação sobre a imortalidade da alma na qual eu creio.

      Excluir
  16. Como já expliquei anteriormente, na Bíblia, a IMORTALIDADE é apresentada somente a:

    JEOVÁ, O DEUS-TODO-PODEROSO (Salmo 36:7, 9; 90:1, 2; Habacuque 1:12; 1 Timóteo 1:17)

    JESUS CRISTO, O FILHO PRIMOGÊNITO E UNIGÊNITO DE JEOVÁ (Romanos 6:9; Apocalipse 1:17, 18; Hebreus 7:15-17, 23-25).

    CRISTÃO UNGIDOS COM ESPERANÇA CELESTIAL (Romanos 6:5; 1 Corintios 15:42-54; 1 Pedro 1:3, 4; Apocalipse 20:6)

    NENHUMA OUTRA CRIATURA É MENCIONADA NA BÍBLIA É MENCIONADA COMO POSSUINDO IMORTALIDADE; A Bíblia não ensina em parte alguma que a imortalidade é uma qualidade inerente aos seres humanos.

    Se analisarmos o que a Bíblia fala sobre imortalidade, com exceção de Jeová (no qual a imortalidade é uma qualidade inerente ao seu Ser), tanto a Jesus Cristo quanto aos Cristãos nascidos do espírito (com esperança celestial) ela diz que foi-lhes CONCEDIDO imortalidade; portanto eles não a possuíam antes ou desde sempre. NEM MESMO OS ANJOS FORAM CRIADOS IMORTAIS, apesar de sua natureza espiritual. Isso é comprovado pelo fato de que as criaturas espirituais que se aliaram a Satanás serão executadas. (Mateus 25:41)

    ResponderExcluir
  17. Uma das implicações na crença de uma ALMA IMORTAL, INERENTE AO SER HUMANO, é que tal crença anula e contradiz a esperança bíblia de RESSURREIÇÃO.

    Na Bíblia, a palavra usada para Ressurreição é vem do grego a·ná·sta·sis significa literalmente “LEVANTAR; ERGUER”

    Jesus disse em João 5:24-29:
    24 Digo-lhes com toda a certeza: Quem ouve as minhas palavras e acredita naquele que me enviou tem vida eterna, e não será julgado, mas passou da morte para a vida.
    25 “Digo-lhes com toda a certeza: Vem a hora, e agora é, em que OS MORTOS OUVIRÃO A VOZ DO FILHO DE DEUS, E OS QUE TIVEREM DADO ATENÇÃO VIVERÃO.
    26 Pois assim como o Pai tem vida em si mesmo, assim concedeu também ao Filho ter vida em si mesmo.
    27 E deu a ele autoridade para julgar, porque ele é o Filho do Homem.
    28 Não fiquem admirados com isso, pois VEM A HORA EM QUE TODOS OS QUE ESTÃO NOS TÚMULOS MEMORIAIS OUVIRÃO A VOZ DELE
    29 E SAIRÃO: os que fizeram coisas boas, para UMA RESSURREIÇÃO DE VIDA; e os que praticaram coisas ruins, para UMA RESSURREIÇÃO DE JULGAMENTO.


    Ora, se os que morrem, possuem uma ALMA IMORTAL, INDESTRUTÍVEL, o que de fato será RESSUSSITADO? A pessoa como um todo ou uma parte dela? Jesus simplesmente ligará a parte imaterial da pessoa (que já vive no domínio espiritual) a um corpo recriado? Isso já se torna um problema quando tratamos da RESSURREIÇÃO TERRESTRE. Mas, o que dizer então da RESSURREIÇÃO CELESTIAL? Ai o problema se torna maior; Pois se a ALMA se desliga do corpo por ocasião da morte, e de imediato vai para o domínio espiritual, como que uma RESSURREIÇÃO seria possível para tais?

    1 Coríntios 15:12-20:
    12 Ora, se pregamos que Cristo foi levantado dentre os mortos,+ como é que alguns entre vocês dizem que não há ressurreição dos mortos?
    13 Se, de fato, não há ressurreição dos mortos, então Cristo não foi levantado.
    14 Mas, se Cristo não foi levantado, a nossa pregação certamente é vã, e a fé que vocês têm também é vã.
    15 Além disso, acabamos também sendo falsas testemunhas de Deus, porque damos testemunho contra Deus, dizendo que ele levantou o Cristo, a quem ele não levantou, se é verdade que os mortos não serão levantados.
    16 Pois, se os mortos não serão levantados, Cristo também não foi levantado.
    17 E, se Cristo não foi levantado, a fé que vocês têm é inútil; vocês continuam em seus pecados.+
    18 Então também os que adormeceram na morte em união com Cristo estão perdidos para sempre.
    19 Se somente para esta vida temos esperado em Cristo, somos mais dignos de pena do que qualquer outra pessoa.
    20 Mas o fato é que Cristo foi levantado dentre os mortos, sendo as primícias dos que adormeceram na morte.
    21 Pois, visto que a morte veio por meio de um homem, a ressurreição dos mortos também vem por meio de um homem.

    Se os humanos possuíssem uma ALMA INERENTEMENTE IMORTAL, a promessa bíblica de ressurreição não faria sentido e nem seria possível.

    ResponderExcluir
  18. Diego, bom dia, com relação ao seu comentário acima ➡ Diego18 de abril de 2018 09:23
    Luiz, Paulo e Iran, bom dia!

    Eu fiz algumas anotações que foi postar aqui tiradas de uma rápida pesquisa,

    Porque os argumentos que as Testemunhas de Jeová, Adventistas do Sétimo Dia e outros grupos moralistas são os mesmos e são o resultado de um ensinamento que os torna incapazes fazer uma apreciação da natureza do homem dentro da cultura bíblica.


    Aqui vai,

    De um modo geral, a linguagem do Antigo Testamento não emprega termo fixo para o corpo humano como um organismo inteiro em oposição exata à "alma" ou "espírito". Vários termos foram empregados, cada um dos quais denota apenas uma parte ou elemento da natureza física, como "tronco", "ossos", "barriga", "intestinos", "rédeas", "carne", essas partes sendo usadas, por sinédoque, para o todo: etsem = "osso", ou "esqueleto", portanto, "corpo", é encontrado em Êxodo 24:10, na versão do King James; Lamentações 4:7; nephesh = "organismo vivo" (Levítico 21:11 Números 6:6, 7, 11; Números 19:11, 13, 16; Ageu 2:13); nebhelah = "uma coisa flácida", "carcaça" (Deuteronômio 21:23 Isaías 26:19 Jeremias 26:23; Jeremias 36:30); beTen = "ventre" (Deuteronômio 28:4, 11, 18, 53; Deuteronômio 30: 9 Jó 19:17 na versão King James; Salmo 132:11 Miquéias 6: 7); yarekh = "coxa", "partes generativas", "corpo" (Juízes 8:30); gewiyah = "um corpo vivo ou morto" (1 Samuel 31:10, 12; 2 Reis 8:5 a versão King James; Daniel 10:6); mim`im, "corpo" (Cânticos 5:14); guphah = "cadáver" (1 Crônicas 10:12); gewah = "as costas", ou seja, (por extensão) "pessoa" (Jó 20:25); she'er = "carne, como viva ou por comida", "corpo" (Ezequiel 10:12); geshem = "uma chuva forte de chuva", portanto, "um corpo" (Daniel 4:33; Daniel 5:21; Daniel 7:11); nidhneh = "uma bainha", portanto, o receptáculo da alma, "corpo" (Daniel 7:15).

    A palavra grega que é usada quase exclusivamente para "corpo" no Novo Testamento é soma, latim corpus (Mateus 5:29, 30; Mateus 6:22, 23, 25; 26:26 João 2:21; Atos 9:40 1 Coríntios 15:35, 37, 38, 44 Efésios 1:23, Efésios 2:16, Efésios 4: 4, 12, 16, 5:23, 30). "Chros" significando principalmente a "superfície" ou "pele", ocorre em Atos 19:12. Uma palavra composta com soma, como sua base, sussomos = "um membro do mesmo corpo", ocorre em Efésios 3: 6. Pelo exposto, parece que o Novo Testamento coloca o corpo como um todo em oposição ao espírito ou à natureza invisível. Paulo, é claro, emprega o termo também para designar a substância sublimada com a qual devemos nos vestir após a ressurreição, quando ele fala do "corpo espiritual" (1 Coríntios 15:44).


    Nesses breves exemplos vemos que a língua hebraica não possui um termo específico para designar o "corpo."

    Quando os Hebreus queriam se referir ao corpo eles usavam palavras - como nos exemplos acima - que por inferência eram entendidas como se referindo ao corpo.

    A língua grega por sua vez tem uma palavra específica para designar o "corpo" que é "soma" com milhares de ocorrências no Novo Testamento.

    Também tem uma palavra específica para designar a área dos desejos, afeições, emoções, etc, que é ". psuché."

    E temos a palavra para designar espírito "pneuma", no hebraico "ruach" que significa ar, sopro, vento, etc, mas quando usada com referência ao espírito do homem, aos anjos e ao Espírito de Deus significa um princípio ativo inteligente.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde Paulo!

      Você disse:
      DE UM MODO GERAL, A LINGUAGEM DO ANTIGO TESTAMENTO NÃO EMPREGA TERMO FIXO PARA O CORPO HUMANO COMO UM ORGANISMO INTEIRO EM OPOSIÇÃO EXATA À "ALMA" OU "ESPÍRITO".

      GEWI·YÁH
      Na verdade, existe sim. A palavra hebraica gewi·yáh refere-se a um corpo, quer vivo (Conforme Gênesis 47:18), quer morto. (Conforme 1 Samuel 31:10; Salmos 110:6)

      NEVE·LÁH (NA·VÉL )
      A palavra hebraica neve·láh deriva do verbo radical na·vél (“murchar”; veja Salmo 1:3) e é traduzida variadamente por “corpo morto” e “cadáver”. (Levítico 5:2; Deuterônomio 14:8; Isaías 26:19)

      BA·SÁR
      É a palavra hebraica para carne, pode representar o corpo inteiro. (Veja Salmo 16:9)

      No grego, além de SÓ·MA que você mencionou (conforme usada em Mateus 5:29), usa-se também KHROS ( literalmente “pele”),que é traduzido por “corpo” em Atos 19:12. A palavra grega PTÓ·MA, que deriva do verbo radical PÍ·PTO (cair), refere-se a um corpo caído, ou “cadáver”. (Mateus 14:12) As diferentes espécies de corpos físicos são compostas de diferentes espécies de carne, junto com a força da vida. — (1 Coríntios 15:39; Tiago 2:26; Gênesis 7:22);


      Mas o que tudo isso tem a ver com o assunto em questão, a saber se a alma é mortal ou imortal segundo a Bíblia? Por favor, analise os demais comentários que postei, incluindo as implicações relacionadas entre ALMA IMORTAL x RESSURREIÇÃO.

      Abraço.

      Excluir
  19. O hebraico pertence ao grupo cananeu de línguas. Por sua vez, as línguas cananitas são um ramo da família de línguas semíticas. De acordo com Avraham Ben-Yosef, o hebraico floresceu como língua falada nos reinos de Israel e Judá durante cerca de 1200 a 586 aC.

    Grego (grego moderno: ελληνικά [eliniˈka], elliniká, "grego", ελληνική γλώσσα [eliniˈci ˈɣlosa] (ouvir), ellinikí glóssa, "língua grega") é um ramo independente da família indo-europeia de línguas, nativa da Grécia e outras partes do Mediterrâneo Oriental.

    Então o hebraico e o grego são dois idiomas diferentes e também com regras de linguagem diferentes e portanto devemos ser cautelosos no uso conjunto desses dois idiomas.

    Nephesh é uma palavra hebraica bíblica que ocorre na Bíblia hebraica. A palavra refere-se aos aspectos da senciência, e os seres humanos e outros animais são descritos como tendo nephesh. As plantas, como exemplo de organismos vivos, não são mencionadas na Bíblia como tendo nephesh. O termo נפש é literalmente "alma", embora seja comumente traduzido como "vida" em muitas traduções. Uma visão é que nephesh se relaciona com o ser Sen ciente e que, ao invés de ter um nephesh (alma) uma criação consciente de Deus é uma nephesh (alma). Em Gênesis 2:7 o texto diz que Adão não recebeu uma nephesh, mas "tornou-se uma nephesh (alma ou ser)vivo". Nephesh então é melhor entendido como pessoa, sendo que Levítico 21:11 e Números 6:6 falam de um “corpo morto”, que em hebraico é um nephesh mêt um nephesh morto. Nephesh quando colocado com outra palavra pode detalhar aspectos relacionados ao conceito de nephesh; com rûach ("espírito") descreve uma parte do homem que é imaterial, como a mente, as emoções, a vontade, o intelecto, a personalidade e a consciência, como em Jó 7:11.

    Então na língua hebraica não existe uma palavra específica para designar o corpo mas são usados vários termos que de maneira indireta dão a entender que é sobre o corpo à que se está fazendo referência.

    No caso da palavra "nephesh" traduzida comumente como "alma" dando à entender que se trata de uma alma imortal eu concordo de que a tradução deveria ser, pessoa, ser vivente, etc, porque muitos por falta de conhecimento usam a palavra alma no Antigo Testamento - conforme consta nas traduções em geral - com significado de uma alma separada do corpo e certamente não é este o significado da palavra "nephesh."

    Mas isto não tem nada a a ver com a existência ou não da sobrevivência da consciência no além-túmulo.

    Através do Antigo Testamento a sobrevivência após a morte é apresentada como um fato em várias ocorrências sendo a mais impactante a Aparição do profeta Samuel para o rei Saul em 1Samuel 28.

    Nós não podemos somente olhar para o significado das palavras de um idioma mas também para a dinâmica das palavras e expressões dentro do idioma, suas flutuações, seus movimentos através do texto, no caso aqui o hebraico.

    Sempre que a palavra "espírito" do grego "pneuma" se refere a Deus, espírito do homem e anjos, que também são espíritos refere-se à um princípio inteligente e não à uma força impessoal.

    Uma passagem exemplo pode ser esta,

    - 11 Porque qual dos homens sabe grego eido (percepção) as coisas do homem, senão o espírito➡grego pneuma-hebraico➡ ruach do homem, que nele está? Assim
    também ninguém sabe as coisas de Deus, senão o ➡grego pneuma - hebraico ruach ➡ Espírito de Deus. 1Coríntios 2:11.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo, apenas uma correção sobre o seu comentário:

      O HEBRAICO PERTENCE AO GRUPO CANANEU DE LÍNGUAS. POR SUA VEZ, AS LÍNGUAS CANANITAS SÃO UM RAMO DA FAMÍLIA DE LÍNGUAS SEMÍTICAS. DE ACORDO COM AVRAHAM BEN-YOSEF, O HEBRAICO FLORESCEU COMO LÍNGUA FALADA NOS REINOS DE ISRAEL E JUDÁ DURANTE CERCA DE 1200 A 586 AC.

      Na verdade, a história secular não revela a origem do idioma hebraico — nem a da maioria dos antigos idiomas conhecidos, tais como o sumeriano, o acadiano, o aramaico e o egípcio. Isto porque esses idiomas aparecem já plenamente desenvolvidos nos mais antigos registros escritos encontrados pelos homens. A afirmação de que o hebraico derivou do aramaico ou de algum dialeto cananeu — portanto, são deduções. O mesmo se pode dizer a respeito das tentativas de explicar a derivação de muitas das palavras encontradas nas Escrituras Hebraicas. Os peritos freqüentemente atribuem uma origem acadiana ou aramaica a muitas destas palavras, mas em geral a muita discordância entre eles nessa questão.

      A Bíblia é a única fonte histórica que apresenta evidência fidedigna da origem do idioma que conhecemos como hebraico. Naturalmente, este era falado pelos descendentes israelitas de “Abraão, o hebreu” (Gênesis 14:13), o qual, por sua vez, descendeu de Sem, filho de Noé. (Gênesis 11:10-26) Em vista da bênção profética de Deus sobre Sem (Gênesis 9:26), é razoável crer que o idioma de Sem não foi afetado quando Deus confundiu em Babel o idioma do povo desaprovado. (Gênesis 11:5-9) O idioma de Sem permaneceria o mesmo, aquele “um só idioma” que existiu desde Adão. (Gênesis 11:1) Isto significaria que a língua que por fim veio a ser chamada de hebraica era o único idioma original da humanidade. A história secular não conhece outro.

      Mas vamos tentar não desvirtuar do tema, a saber se a ALMA É OU NÃO IMORTAL SEGUNDO A BÍBLIA.

      Abraço

      Excluir
    2. Os idiomas referidos tem sua origem no antigo oriente medio.

      É claro que não foi no extremo oriente, nas Américas, África, etc.

      Abraão veio de Ur dos Caldeus. Então a coisa começou toda por ali mesmo.

      Excluir
  20. No início não é "grupos moralistas" mas mortalistas.

    ResponderExcluir
  21. Olá Diego

    Boa tarde

    Só existe ressurreição pois existe alma imortal, pois de acordo com a visão mortalista quando o ser humano morre o fôlego de vida volta para Deus e o corpo volta para a terra, então tanto o corpo quanto o fôlego de vida CONTINUAM EXISTINDO, e a ressurreição ainda na visão mortalista é o fôlego de vida entrando novamente no corpo então veja a base para a ressurreição é a EXISTÊNCIA e não a inexistência por isso que deve haver obrigatoriamente um elemento espiritual que no caso é a alma imortal ou espírito imortal que em si tem EXISTÊNCIA e serve de base para a ressurreição então não tem sentido entender que a ressurreição anula a crença da imortalidade da alma bíblica, muito pelo contrário só existe ressurreição pois existe a alma imortal.

    Seu argumento que a Bíblia não cita a doutrina imortalidade na alma imortal reflete uma falta de compreensão mais profunda pois Bíblia antes de ser um livro material pois tem páginas, tintas das letras e capa mas antes disso é espiritual pois vem da Mente de Deus e a compreensão bíblica é espiritual a base para o que está escrito em todas as Bíblias em vários idiomas é a Ação Espiritual de Deus portanto a doutrina da imortalidade da alma está implícita na Bíblia porém os mortalistas não conseguem entender isso. As passagens que você citou apresentam a interpretação mortalista da leitura bíblica e não a visão espiritual correta.

    Se fôlego de vida + corpo = alma vivente então teremos que admitir que existe uma alma imortal pois o fôlego de vida adquire consciência e aí a própria crença mortalista cai por terra.

    Meu caro, somente citar passagens bíblicas não é suficiente é presciso se entender o que se le.

    Em I Timóteo 6:16-17 é presciso se entender o que se le, Deus é o Único que sempre existe pois Ele É, e também Ele nunca morre em nenhum momento e nem por nenhum motivo e isso não anula a crença da alma imortal, e tem também que na Sacratíssima e Santíssima Trindade as 3 Pessoas são Eternas pois é Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo então a interpretação dessa passagem deve ser entendida corretamente.

    Luiz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luiz, você disse:

      A BASE PARA A RESSURREIÇÃO É A EXISTÊNCIA E NÃO A INEXISTÊNCIA POR ISSO QUE DEVE HAVER OBRIGATORIAMENTE UM ELEMENTO ESPIRITUAL QUE NO CASO É A ALMA IMORTAL OU ESPÍRITO IMORTAL QUE EM SI TEM EXISTÊNCIA E SERVE DE BASE PARA A RESSURREIÇÃO ENTÃO NÃO TEM SENTIDO ENTENDER QUE A RESSURREIÇÃO ANULA A CRENÇA DA IMORTALIDADE DA ALMA BÍBLICA, MUITO PELO CONTRÁRIO SÓ EXISTE RESSURREIÇÃO POIS EXISTE A ALMA IMORTAL.


      _______

      Segundo seu raciocínio, Deus só pode criar algo (no caso uma vida que morreu) a partir de algo que já existe, por isso a necessidade da existência de uma ALMA IMORTAL para que a partir dela, Deus pudesse recriar a vida da pessoa, é isso mesmo?

      Bem Luiz, para Aquele que tem a capacidade e o poder de criar o UNIVERSO DO NADA, criar o HOMEM À SUA PRÓPRIA IMAGEM E COM UM CORPO PERFEITO, ressuscitar uma pessoa não representaria nenhum problema intransponível. Afinal, se não fosse assim, porque Deus é o único chamado na Bíblia de CRIADOR? (Gênesis 1:1; Isaías 45:18)

      Se os princípios científicos estabelecidos por Deus podem ser utilizados por cientistas para preservar e mais tarde reconstituir uma cena visível e audível por meio de fitas de vídeo, será que é difícil para o grande Soberano Universal e Criador ressuscitar uma pessoa por reconstituir o padrão da mesma personalidade num novo corpo?

      A respeito da revitalização de Sara para ter um filho em sua velhice, o anjo disse: “Há alguma coisa que seja extraordinária demais para Jeová?” — (Gênesis 18:14; veja também Jeremias 32:17, 27).

      Luiz pare para pensar (de modo imparcial, sem conceitos platonistas e espiritas na mente): não faz o menor sentido uma RESSURREIÇÃO de algo que NÃO MORRE.

      Excluir
  22. A passagem de Rom 5:12 nos ensina que o pecado trouxe a morte, presumivelmente tanto a morte física como a espiritual. Podemos supor, que antes dessa queda o homem fosse imortal, ainda que preso a um corpo físico. porém, tanto atos contínuos de pecado como a própria morte física resultam da desobediencia de Adão, o que é experimentado por todos os seus descendentes. Tanto o pecado como a morte assim sendo, entraram no mundo em Adão até onde esta esfera física diz respeito, e até onde está envolvida a combinação alma/corpo existente no homem. Na esfera terrena houve um começo, uma queda em que penetrou o pecado e todas as suas terríveis consequencias. uma dessas consequencias foi a mortalidade que passou a caracterizar o homem, o complexo formado pela alma/corpo. essa foi a contribuição negativa de Adão. Dessa forma, Adão é o cabeça da raça humana decaída. Porém eis que surge Jesus Cristo. Ele se tornou mortal, tendo sofrido os maus efeitos do pecado, embora sem ter ele mesmo cometido jamais algum pecado. Não obstante, ele tomou sobre si a natureza de homens pecaminosos (Rm. 8:3), e não a mesma natureza que Adão tivera, quando ainda não havia caído no pecado. Jesus foi sujeito a dores e sofrimentos, e finalmente a morte física. Mas fez o que fez a despeito de sua natureza mortal, mostrando que outro tanto pode ser feito atraves do Espírito Santo por todos os que nele confiam. Devido a sua mortalidade, Jesus morreu mas a sua morte nos trouxe a vida visto que ele conquistou a morte, e saiu do túmulo como um ser imortal. posteriormente, quando de sua ascensão aos lugares celestiais, foi ainda mais profundamente glorificado. Concedeu essa sua vitória aos seus remidos, visto que Jesus Cristo é o cabeça federal de todos eles. A ressurreição dessa forma é presente de Jesus, sendo a reversão completa de nossa existência mortal. em seus níveis mais elevados, essa é a própria vida de Deus Pai, a vida necessária e independente, conforme aprendemos nos trechos de João 5:25,26 e 6:57. Cristo é o grande líder que nos conduz a vida, a verdadeira imortalidade, ao fim de toda morte, ao fim do domínio do pecado sobre os homens e o universo. Adão se tornou instrumento de uma grande transição. Cristo reverteu a transição negativa de Adão, devolvendo os homens a vida, e uma vida tal que ocupa a posição mais elevada que a vida de Adão, antes de sua queda no pecado. Portanto Jesus não foi meramente vitorioso, foi triunfal. a morte como penalidade imposta contra o pecado, e em relação ao homem, só apareceu após a existência real da decomposição e da morte. Essa é a pena imposta ao homem decaído. Alguns intérpretes acreditam que nem o próprio livro de Genesis afirma que o homem foi criado como um ser imortal, mas tão-somente que foi criado com a oportunidade de se tornar imortal. Mas a morte pos fim a essa possibilidade, embora tal oportunidade possa ser recuperada mediante o plano da redenção, em Jesus Cristo.

    ResponderExcluir
  23. Boa tarde Luiz,

    Você disse: SÓ EXISTE RESSURREIÇÃO POIS EXISTE ALMA IMORTAL, POIS DE ACORDO COM A VISÃO MORTALISTA QUANDO O SER HUMANO MORRE O FÔLEGO DE VIDA VOLTA PARA DEUS E O CORPO VOLTA PARA A TERRA, ENTÃO TANTO O CORPO QUANTO O FÔLEGO DE VIDA CONTINUAM EXISTINDO

    -------------

    Na verdade esse entendimento não está em harmonia com a Bíblia.

    o Salmo 146:3, 4, diz que, quando do homem ‘sai o espírito [forma de rú·ahh], ele volta ao seu solo; neste dia PERECEM DEVERAS OS SEUS PENSAMENTOS’. O espírito, ou força de vida, que estava ativo nas células do corpo do homem, não retém quaisquer características daquelas células, tais como as células cerebrais, e o papel que desempenham no processo do raciocínio. Portanto o espírito, ou força de vida (rú·ahh), mencionado aqui é uma FORÇA IMPESSOAL, SEM CONSCIÊNCIA. Portanto, a personalidade do morto não é perpetuada na força de vida, ou espírito, que para de funcionar nas células do falecido.

    Eclesiastes 12:7 declara que, ao morrer, o corpo da pessoa retorna ao pó, “E O PRÓPRIO ESPÍRITO RETORNA AO VERDADEIRO DEUS QUE O DEU”. Bem, a própria pessoa nunca esteve com Deus no céu; o que “retorna” a Deus, portanto, É A FORÇA VITAL QUE HABILITOU A PESSOA A VIVER.

    Em vista da natureza impessoal da força de vida, ou espírito, encontrada na pessoa (como também na criação animal), é evidente que a declaração de Davi, no Salmo 31:5, citada por Jesus por ocasião da sua morte (Lucas 23:46): “À tua mão confio o meu espírito”, SIGNIFICAVA QUE PEDIA A DEUS QUE GUARDASSE A FORÇA DE VIDA, OU CUIDASSE DELA. (Veja Atos 7:59.)

    Não é necessário que haja uma transmissão real ou literal, de alguma força, desde este planeta para a presença celeste de Deus. Assim como se disse que o cheiro fragrante de sacrifícios de animais era ‘cheirado’ por Deus (Gênesis 8:20, 21), embora esse cheiro sem dúvida permanecesse dentro da atmosfera da terra, assim também, Deus podia “ajuntar a si”, ou aceitar como confiado a ele, o espírito ou a força de vida em sentido figurado, quer dizer, sem uma transmissão literal de força vital desde a terra. (Jó 34:14; Lucas 23:46) CONFIAR ALGUÉM ASSIM SEU ESPÍRITO A DEUS EVIDENTEMENTE SIGNIFICA, PORTANTO, QUE DEPOSITA NELE A SUA CONFIANÇA, DE RECEBER NO FUTURO O RESTABELECIMENTO DESTA FORÇA DE VIDA POR MEIO DA RESSURREIÇÃO.

    Veja como base:
    Números 16:22; 27:16; Jó 12:10; Salmo 104:29, 30.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luiz, como prova adicional do que lhe disse sobre a mortalidade da alma, a Bíblia mostra que os cristão ungidos por espirito (com esperança celestial) não estavam naquele momento (ou seja, quando tais passagens foram escritas) no domínio espiritual; antes eles aguardavam a RESSURREIÇÃO.

      Atos 7:59, 60 (Almeida Atualizada)
      59 Apedrejavam, pois, a Estêvão que orando, dizia: Senhor Jesus, recebe o meu espírito.
      60 E pondo-se de joelhos, clamou com grande voz: Senhor, não lhes imputes este pecado. Tendo dito isto, ADORMECEU. E Saulo consentia NA SUA MORTE.


      1 Coríntios 15:6 (Almeida Atualizada)
      6 depois apareceu a mais de quinhentos irmãos duma vez, dos quais vive ainda a maior parte, MAS ALGUNS JÁ DORMIRAM;


      1 Tessalonicenses 4:13-15 (Almeida Atualizada)
      13 Não queremos, porém, irmãos, que sejais ignorantes ACERCA DOS QUE JÁ DORMEM, para que não vos entristeçais como os outros que não têm esperança.
      14 Porque, se cremos que Jesus morreu e ressurgiu, ASSIM TAMBÉM AOS QUE DORMEM, DEUS, MEDIANTE JESUS, OS TORNARÁ A TRAZER JUNTAMENTE COM ELE.
      15 Dizemo-vos, pois, isto pela palavra do Senhor: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, DE MODO ALGUM PRECEDEREMOS OS QUE JÁ DORMEM.

      -------------


      Veja que a Bíblia COMPARA A MORTE AO SONO (similar a descrição de Eclesiastes 9:5-10) Tais ungidos haviam adormecido la no primeiro século, aguardando a futura ressurreição para vida celestial. É interessante que 1 Tessalonicenses 4:15 que os cristãos ungidos que morressem antes da vinda (ou presença) de Cristo seriam ressuscitados para a vida celestial ANTES DOS UNGIDOS QUE AINDA ESTIVESSEM VIVOS DURANTE A PRESENÇA DELE.

      Aonde eles estariam durante esse tempo? No domínio espiritual? Já estariam com Deus? Não! Eles aguardariam no “sono” da morte.

      Excluir
    2. Senhor Jesus, recebe o meu espirito(Atos 7:59, 60)... aqui está a verdade que se pode entregar o próprio espírito a Cristo. É uma bençao alguem morrer orando, principalmente próximo a morte como foi o caso de Estevão. é nessa hora que precisamos da ajuda do Senhor Jesus. É preciso que todos tenham os olhos fixos em Jesus, quando estamos a perto da morte, porque não a como alguém entrar no outro mundo, senão por meio dele. tambem não existe melhor conforto em nossos momentos finais, senão aqueles que vêm daparte dele. Devemos sempre ter cuidado de fazer assim enquanto etamos vivos, para que Jesus possa receber os nossos espíritos na hora de nossa morte. uma observação é que Estêvão orou diretamente ao Senhor Jesus mostrando que tal vez esse era o costume da igreja cristã primitiva. essa oração de Estevão a Jesus sem a menor dúvida reconhece também o direito que ele tem de ser adorado. Nenhum judeu religioso teria orado para outro se não fosse Deus, pois isso seria considerado no judaísmo como um imperdoável desrespeito contra Deus, se não mesmo uma blasfêmia. o apóstolo Paulo mesmo nos fala de que Jesus Cristo é o Pastor e Supervisor de nossas almas e a quem Paulo entregara confiantemente o seu ser. a oração de Estêvão simplesmente expressa também a sua fé na imortalidade da alma, porquanto ele entregou mesmo algo a Jesus, não tendo meramente usado de linguagem poética.

      Excluir
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    4. Boa tarde Iran!

      Apenas uma observação sobre o seu comentário:

      Será que Estêvão estava ORANDO a Jesus?

      Não. A adoração da pessoa, o que inclui suas orações, deve ser dirigida apenas a Jeová Deus. Jesus deixou claro isso, e ele mesmo deu o exemplo por orar a Jeová. (Leia Mateus 14:23; Marcos 1:35; Lucas. 4:8; 6:12.) Em circunstâncias normais, Estêvão suplicaria a Jeová EM NOME DE JESUS. (Leia João 15:16) Nesse caso, porém, Estêvão teve uma visão do “Filho do homem em pé à direita de Deus”. (Atos 7:56) Com pleno conhecimento de que Jesus tinha recebido poder para ressuscitar pessoas, Estêvão falou, MAS NÃO OROU, diretamente a Jesus, PEDINDO-LHE QUE PROTEGESSE SEU ESPÍRITO. (Atos 7:59)

      O Dicionário Vine explica sobre o termo grego original usado para APELAR (epikaléo ):

      “chamar sobre, invocar; . . . apelar a uma autoridade”. Paulo usou essa mesma palavra ao declarar: “Apelo para César!” (Atos 25:11)

      Apropriadamente, então, a Versão Almeida, Revista e Atualizada diz que Estêvão “INVOCAVA” a Jesus.

      O que induziu Estêvão a fazer tal apelo? Ele queria que Jesus protegesse seu espírito, (ou a força de vida), até o dia em que Jesus o RESSUSCITARIA PARA A VIDA IMORTAL NOS CÉUS.

      O inteiro registro bíblico atesta que Jeová é Aquele a quem se deve dirigir a oração (Salmo 5:1, 2; Mateus 6:9), que ele é o “Ouvinte de oração” (Salmo 65:2;66:19), e que tem poder de agir a favor dos peticionários. (Marcos 11:24; Efésios 3:20).

      O próprio Jesus, ao ensinar seus seguidores a orar, mostrou que as orações devem ser dirigidas ao “PAI” (Veja Mateus 6:9-13).

      Como cristãos, e seguindo o exemplo de Jesus Cristo, devemos orar SOMENTE AO PAI (JEOVÁ), mas sempre no nome (ou através de, por intermédio de) Jesus Cristo (Veja Efésios 3:11, 12).

      Excluir
  24. Diego,

    Como você também está dialogando com dois outros participantes limitar-me-ei a responder somente as objeções que à mim forem dirigidas.

    Recapitulando, a língua hebraica não possui uma palavra específica para designar o corpo. São usados vários termos que funcionam dentro de um contexto inclusive 'basar' que significa 'carne', mas de forma objetiva não existe nenhum termo para a palavra 'corpo'.

    A palavra "basar" que ocorre 270 vezes no AT não significa literalmente "corpo" mas tem o sentido de "natureza humana."

    No comentário anterior fiz menção disto.

    A língua grega possui um termo específico para designar o corpo que é "soma." Este é o termo comum e principal encontrado em milhares de ocorrências por todo o Novo Testamento.

    O termo hebraico "ruach" significa "vento", "respiração" ou "espírito". A palavra grega correspondente é "pneuma." Ambas as palavras são comumente usadas em passagens referentes ao Espírito Santo. O primeiro uso da palavra na Bíblia aparece no segundo verso: “O Espírito de Deus [Ruach Elohim] pairava sobre as águas” (Gênesis 1: 2). Em Gênesis 6:17, ruach é traduzido por “sopro de vida”. Gênesis 8:1 usa ruach para descrever o “vento” que Deus enviou sobre a terra para recuar as águas do Dilúvio. No total, a palavra ruach é encontrada quase 400 vezes no Antigo Testamento.

    A palavra "neshamah" semelhante à "ruach" com a primeira ocorrência em Gênesis 2:7 aparece 23 vezes no Antigo Testamento.

    Agora, a palavra grega correspondente ao termo hebraico ruach é "pneuma."

    A palavra hebraica "ruach" além de seus significados primários como, "vento, ar, respiração, sopro de ar, alento, etc, possui outros significados entre os quais, " Temperamento, disposição de ânimo, vivacidade, vigor, ira, impaciência, paciência, perturbação, amargura, discontentamento, coragem, etc. Algumas passagens onde se encontram algumas dessas aplicações ➡1Reis 10:5, 2Crônicas 9:4, 1Reis 21:5, Gênesis 45:27, Josué 5:1, Salmo 76:13, Isaías 19:3, Juízes 9:23, Provérbios 16:32, etc.

    Então vemos que ruach é um princípio inteligente de natureza imaterial atuando no ser humano e não se restringe apenas à um princípio vital ou animador.

    ResponderExcluir
  25. A palavra grega que corresponde à palavra hebraica ruach é pneuma.

    Além dos significados primários como, ar, vento, respiração, etc à exemplo de sua correspondente hebraica ruach, a palavra grega pneuma carrega consigo não somente o significado de princípio vital mas também o de princípio inteligente, o que é demonstrado por essas passagens, convido para que abram suas Bíblias,

    A palavra pneuma - espírito é usada para demônios e anjos, Hebreus 1:14, Mateus 8:16, Marcos 9:20, Lucas 9:39, Atos 16:18,

    Para o Espírito ⬅pneuma Santo⬅hágion, Mateus 1:18, 3:29, Lucas 3:16, João 1:33, 7:39, 14:16, 20:22, Atos 1:2, 5,8,16, Romanos 9:1, 1Coríntios 13:13 e muito mais...

    A palavra "pneuma" ocorre 383 vezes no NT,

    "Pois um espírito ⬅pneuma não tem carne e nem ossos como vedes que eu tenho. Lc. 24:39

    "E Jesus comoveu-se muito em espírito ⬅pneuma. Jo.11:13

    Exemplos-referência de versículos onde a palavra "pneuma" tem o significado de inteligência,

    Atos 8:7, 16:16, 23:8, Romanos 1:9, Romanos 8:16, 1Coríntios 2:11, 1Coríntios 4:21, 1Coríntios 14:14,15, 1Coríntios 5:5, Hebreus 12:9, etc.

    Então a suposição do Corpo Governante - falo assim porque as Testemunhas de Jeová seguidores dos ungidos da Watchtower não têm opinião - então a suposição do Corpo Governante de que as palavras ruach e pneuma significam somente um princípio vital destituído de inteligência não encontra apoio nas páginas da Bíblia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Paulo, tudo bem?

      Obrigado pela resposta.

      Mas para resumir e ver se eu entendi de modo correto:

      Sobre a questão de ALMA, ficou claro para você que ela é MORTAL no contexto bíblico?

      O que você alega agora é que o Deus soprou nas narinas de Adão (Gênesis 2:7 - o que eu afirmei ser a FORÇA DE VIDA), essa sim é IMORTAL, é isso?

      Só me responda de modo objetivo, pois fica mais fácil tanto de eu lhe responder como os que lêem os comentários entenderem.

      Abraço.

      Excluir
    2. Boa noite!

      Diego, o que eu estou afirmando é que somente Deus possui a imortalidade, e que as criaturas continuam a existir simplesmente por causa da VONTADE de Deus.

      Em Hebreus 1:3 diz que todas as coisas continuam a existir por causa da Palavra de Deus.

      Afirmar que a alma é imortal -alma aqui como sinônimo da essência imaterial do homem criada à imagem e semelhança de Deus- é a mesma coisa que afirmar que Deus não criou a alma, porque para ser imortal no sentido pleno da palavra a alma não poderia ter princípio e para isso não poderia ter sido criada.

      Alma imortal dentro de um corpo mortal complicou mais ainda.

      Muitos intérpretes das Escrituras afirmam que a alma possui a imortalidade derivada da imortalidade de Deus, com isto preservando Deus como o único que possui a imortalidade de si mesmo e não de outro, diferente das almas que possuem sua imortalidade proveniente da imortalidade de Deus.

      Mas isto não tem sentido porque nada pode ser derivado da natureza de Deus que não seja a própria natureza de Deus mesmo!


      A não ser que as almas fossem fagulhas ou centelhas da essência divina como ensinam muitas filosofias orientais que dizem "você é Deus. o que as Escrituras nem de longe ensinam.

      Então, não é o caso da alma ser imortal ou mortal, mas da VONTADE de Deus que QUER a existência da alma - essência imaterial do homem criada à imagem e semelhança de Deus.

      Há exegetas que que defendem a total soberania de Deus no domínio da existência de suas criaturas.

      O que Deus soprou no homem foi o SOPRO DE DEUS.

      Deus não inspirou ar do meio ambiente e depois descarregou nas narinas do homem.

      Deus, soprou no homem a essência de vida que não é o ar e que aos poucos vai se individualizando ao longo da jornada do homem na vida.

      É como uma página em branco sobre a qual uma história vai sendo escrita.

      Não foi uma alma imortal e inteligente que Deus colocou no homem.

      Se assim fosse teríamos que acreditar como os Mormons, Espíritas e outros inúmeros grupos e filosofias, na pré-existência dos espíritos, o que não faz parte da antropologia a bíblica.

      Eu não sou imortalista e nem mortalista.

      Eu sou cristão existencialista para o qual a divina soberana VONTADE de Deus é a única e suficiente razão para que todas as coisas existam.

      Então, não adianta me falar em imortalidade da alma porque eu não creio dessa maneira.

      Eu creio em uma alma ou essência que existe e continua a existir somente porque Deus QUER e não em uma alma que possua imortalidade como um atributo de sua natureza.

      Excluir
    3. Entendi Paulo, obrigado pelo esclarecimento.

      Excluir
  26. Olá Diego

    Boa noite

    No caso da ressurreição deve haver um elemento que EXISTA ( base ressucitativa) efetivamente que no caso é a alma imortal pois mesmo na crença mortalista é presciso para que haja a ressurreição o fôlego de vida que EXISTE e o pó da terra que também EXISTE pois sem a EXISTÊNCIA desses dois elementos não há ressurreição então mesmo na crença mortalista há o fator de EXISTÊNCIA. E na visão mortalista não pode haver ressurreição pois falta o principal elemento que é justamente a alma imortal que proporciona a atividade do corpo pois no entendimento mortalista no caso dos seres humanos dois elementos INSONSCIENTES ao se juntarem formariam um ser CONSCIENTE só que isto não é possível. Não é criar algo mas sim ressuscitar um corpo que está morto e não confundir a Criação com a ressurreição. Da mesma forma que Deus criou o Universo com ordem e organização e todas as condições para que o Universo se mantese em harmonia também existe uma planejamento exato e presciso e existem condições para que ocorra a ressurreição.

    De fato meu caro, para Deus a ressurreição é perfeitamente possível haja visto os exemplos bíblicos porém para que isso realmente aconteça é presicso que sejam obedecidas condições estabelecidas por Deus pois Deus não pode ir em contradição com o que Ele mesmo estabeleceu e uma das condições é a alma imortal. A ressurreição é do corpo e não da alma o corpo precisa sim da alma para que haja efetivamente a ressurreição e Deus criou o homem como uma alma vivente e não como um soma ou adição vivente. Observe que na visão mortalista, ainda que vocês não percebam isso, o ser humano não existe mesmo vivo pois não é possível um fôlego inconsciente ao se juntar com um corpo inconsciente ( no ser humano) formar um ser humano consciente logo na crença mortalista sequer existe um ser mesmo vivo. Não confundir a Criação com ressurreição. Da mesma forma que Deus criou o Universo com ordem e organização e todas as condições para que o universo fosse criado e se mantesse sustentado também existe uma planejamento exato e presciso e existem condições para que ocorra a ressurreição occndições essas estabelecidas por Deus.

    continua....

    ResponderExcluir
  27. Bom continuando

    O grande problema para a doutrina mortalista é que não há como Deus fazer isso ou seja ressuscitar uma pessoa sem uma alma imortal, a alma imortal é a base que possibilita o corpo ressuscitar e ter consciência de si. Pois a base da ressurreição é a EXISTÊNCIA e a alma tem essa características dada por Deus. A crença mortalista ensina que o fôlego de vida que EXISTE, ao se juntar ao corpo(pó da terra) que também EXISTE ressuscita o ser veja aí então os elementos que seriam a base como existentes. Então a base é a existência e como a alma imortal vive é EXISTE e não só apenas existe mas é CONSCIENTE só assim temos a ressurreição de forma real.

    As condições necessárias para a ressurreição são definida por Deus e Deus não pode ir contra o que Ele planejou, estabeleceu e definiu em Gênesis 18:14 e Jeremias 32:17:27 não foram ações impossíveis para Deus mas a ressurreição sem a alma imortal vai contra o propósito que Deus estabeleceu, Ele como Projetista Inteligente planejou e calculou tudo de forma exata e precisa e a alma tem essa característica, só o fôlego de vida + corpo não tem força suficiente para gerar uma alma vivente e é bom lembrar que estamos falando de seres humanos. Deus pode fazer muitas coisas que para os seres humanos é considerado impossível mas ressurreição sem alma imortal vai totalmente contra o propósito de Deus pois em uma ressurreição sem a alma imortal o corpo com suas características não consegue responder a ação do fôlego de vida para gerar vida no ser humano.
    .
    O que morre é o corpo, a alma jamais, e a ressurreição é justamente do corpo a parte material que morre. Na verdade não se trata nem de um pensamento platonista e nem espírita mas cristão evangélico e se você argumenta que não pode haver ressurreição de algo que não morre se formos olhar para a concepção mortalista pode–se afirmar que não é possível um ser, que não existe nem mesmo vivo, um dia ao morrer deixar de existir ou em um futuro talvez como alguns mortalistas aniquilacionistas proporcionailstas ou instantanealistas pensam ser totalmente destruído pois o mesmo já não existe.

    Um abraço

    Luiz

    ResponderExcluir
  28. Olá Diego


    Aqui está o grande problema na crença mortalista o fôlego de vida na visão mortalista enquanto o ser humano está vivo participa da vida do mesmo e age no corpo portanto TEM CONSCIÊNCIA e se ele gera uma mente ou consciência então tal mente ou consciência seria um elemtno CONSCIENTE ou seja o fôlego de vida mortalista por ocasião da morte de um ser humano tem que prestar contas para Deus pois participou de forma efetiva de todos os processos mentais e das ações do ser humano logo estava CONSCIENTE. Como o fôlego mortalista pode estar ativo e incnosciente interagindo com o corpo? Ou seja o fôlego mortalista age no cérebro e produz consciência ou mente e aí gera consciência então a mente seria o elemento consciente imaterial? Entõa teríamos 3 elementos um o fôlego de vida, outro o corpo e a mente geradoa paea a soma que ficaria dadno vida consciente seria uma tricotomia.

    Eclesiaste 12:7 refuta a crença mortalista pois como pode o fôlego de vida dos justos e não justos irem para Deus se o fôlego de vida mortalista interagiu com o corpo de ambos, portanto participou das ações conscientes que agradaram ou não a Deus? Eclesiastes 12:7 só tem sentido na crença bíblica imortalista pois o fôlego de vida volta para Deus tanto de justos como não justos e só lembrando que o fôlego de vida bíblico e imortalista é diferente do fôlego de vida mortalista.


    Essa força de vida interage com o corpo de forma real e além da dar a vida adquiri consciência e participa sim da vida do ser humano. No Salmo 31:5, Lucas 23:46 e Atos 7:59 é o fôlego de vida porém repare que nas 3 passagens coloca como algo individual, no Salmo 31:5 (ARA) usa-se a expressão “ entrego o meu espírito” em Lucas 23:46 ( ARA) “entrego o meu espírito” e em Atos 7:59 (ARA) tem a expressão “ recebe o meu espírito” observe que indica algo individual, eu creio que como a doutrina bíblica é a tricotomista nas 3 passagens está se referindo ao fôlego de vida e ao mesmo tempo indicando uma individualidade lembrando assim que além do fôlego de vida tem a alma imortal que a base.

    Na crença mortalista quando ser humano morre o corpo volta ao pó, e isso é real ou seja verdadeiramente o corpo volta ao pó então mesmo na visão mortalista o fôlego de vida tem que voltar literalmente para Deus, se não tal fôlego sumiria no espaço ? Ainda na doutrina mortalista tal fôlego é algo que vem de Deus de forma real, e não se trata de um fôlego comum pois dá a vida, e tendo por base Lucas 23:46 a individualização do fôlego pede que ele realmente volte para Deus senão 50% do ser humano sumiria no espaço. Pois na crença mortalista 50% do ser humano é corpo e 50% é fôlego de vida e se o fôlego não volta para Deus então eu concluo que sumiria no espaço 50%o do ser humano se tornaria nada antes mesmo da ressurreição. Em Gênesis 8:20-21 trata-se de algo material já o fôlego de vida é espiritual.


    Um abraço

    Luiz

    ResponderExcluir
  29. OBS: Estou reenviando este comentário pois no anterior a primeira parte está com alguns erros de digitação.

    Olá Diego

    Aqui está o grande problema na crença mortalista o fôlego de vida na visão mortalista enquanto o ser humano está vivo participa da vida do mesmo e age no corpo portanto TEM CONSCIÊNCIA e se ele gera uma mente ou consciência então tal mente ou consciência seria um elementno CONSCIENTE ou seja o fôlego de vida mortalista por ocasião da morte de um ser humano tem que prestar contas para Deus pois participou de forma efetiva de todos os processos mentais e das ações do ser humano logo estava CONSCIENTE. Como o fôlego mortalista pode estar ativo e inconsciente interagindo com o corpo? Ou seja o fôlego mortalista age no cérebro e produz consciência ou mente e aí gera consciência então a mente seria o elemento consciente imaterial? Então teríamos 3 elementos um o fôlego de vida, outro o corpo e a mente gerada pela soma que ficaria dando vida consciente seria uma tricotomia.

    Eclesiaste 12:7 refuta a crença mortalista pois como pode o fôlego de vida dos justos e não justos irem para Deus se o fôlego de vida mortalista interagiu com o corpo de ambos, portanto participou das ações conscientes que agradaram ou não a Deus? Eclesiastes 12:7 só tem sentido na crença bíblica imortalista pois o fôlego de vida volta para Deus tanto de justos como não justos e só lembrando que o fôlego de vida bíblico e imortalista é diferente do fôlego de vida mortalista.


    Essa força de vida interage com o corpo de forma real e além da dar a vida adquiri consciência e participa sim da vida do ser humano. No Salmo 31:5, Lucas 23:46 e Atos 7:59 é o fole de vida porém repare que énas 3 passagens coloca como algo individual, no Salmo 31:5 (ARA) usa-se a expressão “ entrego o meu espírito” em Lucas 23:46 ( ARA) “entrego o meu espírito” e em Atos 7:59 (ARA) tem a expressão “ recebe o meu espírito” observe que indica algo individual, eu creio que como a doutrina bíblica é a tricotomista nas 3 passagens está se referindo ao fôlego de vida e ao mesmo tempo indicando uma individualidade lembrando assim que além do fôlego de vida tem a alma imortal que a base.


    Na crença mortalista quando ser humano morre o corpo volta ao pó, e isso é real ou seja verdadeiramente o corpo volta ao pó então mesmo na visão mortalista o fôlego de vida tem que voltar literalmente para Deus, se não tal fôlego sumiria no espaço ? Ainda na doutrina mortalista tal fôlego é algo que vem de Deus de forma real, e não se trata de um fôlego comum pois dá a vida, e tendo por base Lucas 23:46 a individualização do fôlego pede que ele realmente volte para Deus senão 50% do ser humano sumiria no espaço. Pois na crença mortalista 50% do ser humano é corpo e 50% é fôlego de vida e se o fôlego não volta para Deus então eu concluo que sumiria no espaço 50%o do ser humano se tornaria nada antes mesmo da ressurreição. Em Gênesis 8:20-21 trata-se de algo material já o fôlego de vida é espiritual.


    Um abraço

    Luiz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luiz, boa tarde!

      O grande problema da sua argumentação é que não tem base bíblica. Você se apoia em opiniões pessoais e com base nelas estabelece premissas como se essas fossem verdadeiras.


      Por exemplo, você disse:
      AS CONDIÇÕES NECESSÁRIAS PARA A RESSURREIÇÃO SÃO DEFINIDA POR DEUS E DEUS NÃO PODE IR CONTRA O QUE ELE PLANEJOU, ESTABELECEU E DEFINIU EM GÊNESIS 18:14 E JEREMIAS 32:17:27 NÃO FORAM AÇÕES IMPOSSÍVEIS PARA DEUS MAS A RESSURREIÇÃO SEM A ALMA IMORTAL VAI CONTRA O PROPÓSITO QUE DEUS ESTABELECEU.

      Qual a base bíblica para essa afirmação?


      Ou seja, segundo a sua conclusão, Deus não tem poder para recriar um corpo humano com todas as características físicas e intelectuais da pessoa que morreu?

      Então Jesus estava mentindo quando disse:
      “Para os homens isso é impossível, mas PARA DEUS TODAS AS COISAS SÃO POSSÍVEIS.”
      (Mateus 19:25)


      Falando sobre o que aconteceria com Adão por causa do pecado, Jeová mentiu (ou disse uma meia-verdade) ao dizer:
      “No suor do seu rosto comerá pão, até que você volte ao solo, pois dele foi tirado. PORQUE VOCÊ É PÓ E AO PÓ VOLTARÁ.”
      (Gênesis 3:19)

      E quando disse depois:
      “A ALMA QUE PECAR É A QUE MORRERÁ.”
      (EZEQUIEL 18:4)

      O salmista sob INSPIRAÇÃO DIVINA mentiu quando disse:
      “Seu espírito sai, e eles voltam ao solo;
      Nesse mesmo dia OS SEUS PENSAMENTOS SE ACABAM”.
      (Gênesis 3:19)

      Luiz, gostaria que me explicasse do ponto de vista IMORTALISTA os texto que acabei de citar.

      Gostaria que me respondesse também as seguintes perguntas (mas me de a base bíblica, por favor)

      Sobre Tessalonicenses 4:13-15.
      Se a alma é inerentemente imortal e se desprende do corpo por ocasião da morte, porque Paulo fala dos que morreram como que DORMINDO NA MORTE?

      Sobre João 5:28, 29:
      Se a alma é inerentemente imortal e se desprende do corpo por ocasião da morte, porque Jesus fala de um tempo futuro (VEM A HORA) em que ele CHAMARIA AS PESSOAS DOS TUMULOS MEMORIAIS?


      Sobre Eclesiastes 3:18-22:
      Os animais também possuem alma imortal? Quando um animal morre, para onde vai o seu espirito (ou alma, como queira)?


      E por ultimo, a palavras usava na Bíblia para ALMA (né·fesh /psy·khé) aparece 856 vezes no texto bíblico. Você consegue citar alguma passagem na Bíblia em que essa palavra, ao fazer referencia a CRIATURAS TERRESTRES, se refira a algo IMATERIAL, INTANGÍVEL, INVISÍVEL E IMORTAL?

      Aguardo suas resposta.

      Abraço.

      Excluir
  30. Paulo Cadi ainda acreditando em "fantasminha legal".

    ResponderExcluir
  31. Gilson Tenório,


    Em 1Samuel 28: quem a Bíblia diz que era?

    O profeta Samuel ou Satanás?

    Se você acredita que seja Satanás, está de acordo que se faça uma correção do texto retirando o nome de Samuel no seu lugar inserir o nome de Satanás?

    O que você acha?

    Seria uma boa mudança que ajudaria na compreensão do leitor?

    Poderia dar a sua opinião sobre isto?


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo, para uma conclusão ser verdadeira a premissa deve ser também. Se você partir do pressuposto que a alma é IMORTAL, você chegará a conclusão que de fato era SAMUEL. Se a premissa verdadeira for que a ALMA MORRE, então logicamente não pode ser Samuel.

      Bem, sugiro que voce releia os argumentos e bases bíblicas que mencionei anteriormente sobre a explicação bíblica para alma ser mortal (e também como uma alma imortal é incompatível com a ressurreição dos mortos) Talvez ajude a voce analisar o assunto de um ponto de vista diferente.

      Abraço.

      Excluir
  32. Eu não afirmei que a alma morre. Você já leu o meu comentário ali acima.

    Já que você respondeu eu lhe faço a mesma pergunta,


    O que você acha de substituir em 1Samuel 28 no episódio de Saul e a Necromante, o nome de Samuel por Satanás, ou espírito maligno, o que seja?

    Já que não era Samuel não ficaria melhor para a compreensão do leitor ler Satanás em vez de Samuel se na realidade quem foi que apareceu para Saul foi Satanás ou um dos dele?

    Qual a sua opinião?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Paulo.

      No relato da conversa entre Eva e a serpente no jardim do Éden,quem falou com Eva? Foi Satanas ou uma cobra? Bem, a Bíblia não diz no relato que foi Satanás; por causa disso então, acha razoável então concluir que cobra fala?

      Gostaria quee explicasse então, os textos que citei no meu comentário anterior, para o Luiz.

      Abraço

      Excluir
  33. Diego, antes de responder eu estou esperando sua resposta para a pergunta que eu fiz logo aqui acima.

    O que você acha de substituir em 1Samuel 28 no episódio de Saul e a Necromante, o nome de Samuel por Satanás, ou espírito maligno, o que seja?

    Já que não era Samuel não ficaria melhor para a compreensão do leitor ler Satanás em vez de Samuel se na realidade quem foi que apareceu para Saul foi Satanás ou um dos dele?

    Qual a sua opinião?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Paulo. É melhor conhecer a opinião do Diego sobre sua pergunta. Não ficará claro responder uma pergunta com outra.

      Excluir
  34. Bom dia. Sobre a serpente em Génesis, os intérpretes judeus posteriores diziam que a serpente era o diabo disfarçado (então a afirmação disso em Ap 12:9 e 20:2). porem essa doutrina surgiu um tanto tarde nas crenças dos judeus. Temos diante de nós uma serpente relacionada entre os animais selváticos e não entre os seres sobrenaturais. Contudo, Gn 3:15 certamente demonstra que algum grande princípio maligno revolvia por trás da serpente. este versículo dificilmente fala sobre uma mera serpente literal. Para não dizer que serpentes falam, muitos intérpretes antigos e modernos preferem pensar em uma história alegórica. Mas alguns estudiosos conservadores pensam que Satanás é capaz de agir por intermédio de serpentes vivas. parece que o texto da a entender que essa serpente não era como as que conhecemos hoje em dia. a serpente pode ter sido tornada em sua forma atual como um juízo divino contra a sua espécie por ter envolvimento com a queda do homem. é inútil falar sobre serpentes com mais inteligecia que outros animais. é melhor deixar sem resposta perguntas dessa ordem, sem importar se aceitamos o ponto de vista alegórico ou literal sobre o texto.

    ResponderExcluir
  35. Olá Diego

    Boa tarde

    Meu caro, quando você escreve que a minha opinião “não tem base bíblica” isso acontece porque em relação à esse tema você, assim como muitos, aceitam a compreensão mortalista sobre o tema e quando você le a Bíblia você enxerga a doutrina da mortalidade da alma e assim você examina e interpreta o que a Bíblia diz baseado na ótica mortalista.
    Quando você escreveu “ base bíblica” eu entendo que você esqueceu da ação de Deus no que está escrito e também na ação dEle nos crentes no Senhor para que interpretem corretamente e de forma precisa o que a Bíblia quer ensinar estando de forma explícita ou implícita e a base bíblica depende de outra base mais poderosa que é a ação de Deus pois ação de Deus > Escrituras não é somente o que está escrito mas sim entender corretamente o que a ação de Deus quer que os membros da Santa Igreja entendam.
    Ressurreição não é recriação ressurreição é dar vida ao corpo morto. E Deus tem poder para ressuscitar sim sem dúvida mas a questão é como isso realmente acontece, pois o fôlego de vida mortalista ao se juntar com o corpo não gera um ser vivente no caso do ser humano consciente pois se tratam de dois elementos inconscientes ao passo que na santa doutrina bíblica da imortalidade da alma, a alma é a base para tal processo e observe a questão da base pois para a correta interpretação e entendimento tem que ter a BASE que é a ação de Deus. Então a base é aceitar a ação de Deus na Santa Igreja como um todo pois tanto os crentes no Senhor como as Escrituras estão subordinados a Deus.

    Em Mateus 19:25 realmente tem essa mensagem que para Deus tudo é possível menos o que contrária frontalmente a Ele mesmo ou seja os projetos dEle. Por exemplo Deus não pode autodestruir-se, Deus não pode fazer Jesus vir de novo e morrer de novo pela humanidade, Deus não pode salvar o Diabo e os demônios pois se Deus fizer algumas dessas três coisas Ele vai entrar em uma contradição insuperável. Observe uma questão interessante não é possível um fôlego inconsciente ao se juntar ao corpo humano e agir no cérebro gerar um ser humano consciente pois tal característica de tal fôlego mortalista é a inconsciência e como o corpo responde à ação do fôlego e também é inconsciente logo não haveria resposta satisfatória.

    Em Gênesis 3:19 o que volta ao pó é o corpo e não a alma, e veja quando corpo volta ao pó o mesmo não some ou desaparece no nada ele continua EXISTINDO como pó da terra e como o fôlego volta para Deus também continua EXISTINDO então a base é a EXISTÊNCIA e essa passagem é interessante pois leva a compreensão da importância de identificar que tanto o corpo quanto o fôlego existem. E ainda temos que ver que o fôlego de vida mortalista insconsciente não tem força suficiente para ressuscitar o pó da terra se faz necessário um elemento espiritual dotado de imortalidade e que traga em si a força necessária para ressuscitar o corpo. Provavelmente você vai argumentar que essa passagem esta falando do homem como um todo sem a separação entre corpo e alma (visão dicotomista) ou corpo, alma e fôlego (visão tricotomista), porém mesmo na visão mortalista temos dois elementos que se separam que são o fôlego de vida e o corpo ou seja o todo ou ser humano total se separa 50% volta vai para o pó da terra e 50% volta para Deus. Na visão bíblica tricotomista o ser humano na terra é um ser total e por ocasião da morte há a separação e justamente a alma preserva o ser ao contrário da crença mortalista em que o fôlego de vida volta inconsciente para Deus e o corpo fica inconsciente na terra mas mesmo estando vivo na crença mortalista tal ser tem esses dois elementos que são inconscientes e isso é a contradição mortalista pois se eles geram algum tipo de mente ou consciência tal consciência seria um terceiro elemento espiritual.

    continua....

    ResponderExcluir
  36. continuando

    Ezequiel 18:14 reflete o erro da interpretação mortalista dos textos bíblicos pois de acordo com a crença mortalista a alma morta aí é identificada como o corpo, então observemos que tem que ter um elemento que identifique a alma morta que é o corpo por isso que tem que existir uma alma imortal para justamente identificar o ser humano, essa questão da identificação é necessária. Na crença bíblica o que morre é justamente o corpo, então a visão mortalista admite que corpo morto=alma morta logo presica de um elemento que identifique a alma morta e na visão bíblica o que identifica a alma vivente é a alma imortal. Então seria mais correto os mortalistas admitirem que parte do ser humano morreu ou seja o corpo morto seria = 50% da alma morta os outros 50% foram para o céu e isso é mais uma motivo para entendermos que a visão correta é a imortalista. E em Ezequiel 18:14 também fala da morte espiritual também pois se um ser humano não está em Deus ele está morto espiritualmente está separado de Deus mas não está separado para Deus(santo).


    A expressão “ os pensamentos acabam” significa a cessação da atividade do corpo neste mundo, o problema é que os mortalistas entendem firmemente que é o ser humano como um todo que morre e acaba, só que não é isso, o que morre é o corpo, e se os mortalistas creem que é a totalidade do ser humano que morre então se esqueceram que o fôlego de vida volta para Deus e tal fôlego participou ativamente daquela vida e portanto teve consciência e fez parte também daquele ser humano então o corpo morto não seria então a alma morta mas mas parte dela. O corpo responde à ação da alma imortal pois existe uma complexa interação e aí temos os pensamentos pois alma tem esse característica que o fôlego de vida mortalista não possui.

    Você pede “ base bíblica” , só que a base bíblica é sustentada pela ação espiritual de Deus nos crentes no Senhor e tal ação Divina está acima da “base bíblica” que pelo que eu entendi é seria o que está escrito de forma explícita, mas de que adianta citar o “o que esta escrito” se não está corretamente compreendido?

    continua...

    ResponderExcluir
  37. continuando

    Em Tessalonicenses 4:13-15. Os que “dormem” estão com os corpos mortos. Observe uma coisa muito interessante o ideal de Deus é a ressurreição que em momento nenhum exclui a santa doutrina bíblica da imortalidade da alma e na ressurreição o corpo, alma e espírito se juntarão e o ser humano terá o corpo glorificado e viverá em sua totalidade que é o ideal de Deus então São Paulo já está falando da ressurreição ou seja do ideal de Deus. Porém os mortalistas podem argumentar que se a alma já está no Santo Céu por que ressuscitar? Só é possível a ressurreição com a alma imortal e Deus e os anjos tem formas espirituais e não precisam de corpos materiais mas os seres humanos embora tendo uma forma espiritual precisa de um corpo glorificado para que seja realizado o ideal de Deus e o ideal de Deus é o ser humano no Santo Céu em totalidade ( corpo, alma e espírito) a alma é a parte principal mas ainda falta o corpo e o fôlego. A morte é a separação e a alma imortal mantém o ser vivente ao contrário da crença mortalista e quem o ser morre é também tem uma separação mas como nem o fôlego mortalista e nem corpo tem consciência não é possível o ser humano ressuscitar pois até mesmo os mortalistas creem que o ser humano quando morre deixa de existir, ora se deixa de existir então não há com ressuscitar uma vez que já foram criados.
    Deus cria as coisas do nada significa que Ele criou a partir dEle mesmo ou seja só existia Ele então até mesmo na criação a base é o Criador a EXSITÊNCIA e criação não é ressurreição.


    Em relação a João 5:28:29 está se falando da ressurreição e em nenhum momento se nega a santa doutrina bíblica da imortalidade da alma, pelo que eu entendi você usa esse argumento para tentar invalidar a vida logo após a morte se valendo da questão da ressurreição mas a ressurreição nunca nega a santa doutrina bíblica da imortalidade da alma, da mesma forma que nem todas as passagens falam das 3 Três Santíssimas Pessoas da Trindade juntas mas sabe-se que a Santíssima Trindade é bíblica, então tanto a ressurreição dos justos quanto dos não justos será do corpo pois o que morre é o corpo e não é ressurreição da alma. E observe que no versículo 26 diz que o Pai tem vida em si mesmo e que deu ao Filho observe a expressão “si mesmo” isso lembra que o ser humano tem uma alma imortal que define de forma objetiva o ser humano em si mesmo e que Deus ao soprar nas narinas do homem lá em Gênesis também colocou no ser humano uma alma imortal.

    Muito boa sua observação sobre aparecer a palavra alma em hebraico 856 vezes, mas o que importa mesmo é a correta compreensão espiritual que está além das palavras sem contudo negar o valor delas. Parabenizo sua pesquisa sobre o número de vezes que apareceu a palavra alma em hebraico mas isso um ateu, budista ou hinduísta poderiam fazer também, não desmerecendo sua pesquisa, mas a ação do Espírito Santo em Perfeita Harmonia com Deus Pai e Deus Filho agem nos crentes para dar a correta interpretação então isso é importante sim ,mas não é suficiente.

    Um abraço

    Luiz

    ResponderExcluir
  38. Boa tarde Luiz, tudo bem?

    Você disse:

    Quando você escreveu “base bíblica” eu entendo que você esqueceu da ação de Deus no que está escrito e também na ação dEle nos crentes no Senhor para que interpretem corretamente e de forma precisa o que a Bíblia quer ensinar estando de forma explícita ou implícita e a base bíblica depende de outra base mais poderosa que é a ação de Deus pois ação de Deus > Escrituras não é somente o que está escrito mas sim entender corretamente o que a ação de Deus quer que os membros da Santa Igreja entendam.


    E disse também:

    Você pede “ base bíblica” , só que a base bíblica é sustentada pela ação espiritual de Deus nos crentes no Senhor e tal ação Divina está acima da “base bíblica” que pelo que eu entendi é seria o que está escrito de forma explícita, mas de que adianta citar o “o que esta escrito” se não está corretamente compreendido?


    ____________


    RESPOSTA ►

    1 João 4:1 diz:
    “Meus queridos amigos, não acreditem em todos os que dizem que têm o Espírito de Deus. Ponham à prova essas pessoas para saber se o espírito que elas têm vem mesmo de Deus; pois muitos falsos profetas já se espalharam por toda parte.”

    Eu posso afirmar que o meu entendimento tem a orientação do Espírito de Deus”, Luiz, assim como você. Mas como podemos saber quem está dizendo a verdade? Será que o espírito de Deus revela a verdade de formas diferentes sobre o mesmo assunto? Será que ele revelou para mim que a ALMA MORRE e para você que a ALMA É IMORTAL? Será que as duas conclusões podem ser verdade se o ESPIRITO É O MESMO?

    O apóstolo João disse para pormos a PROVA ESSAS PESSOAS PARA SABER SE O ESPÍRITO QUE ELAS TÊM VEM MESMO DE DEUS. Como fazemos isso? Por recorrer examinar cuidadosamente as Escrituras, assim como fizeram os bereanos. (Atos 17:10-12).

    Jesus Cristo quando respondia as pessoas muitas vezes recorria as Escrituras. Dizia ele “está escrito”.

    Portanto, gostaria sim, que você provasse com base bíblica as afirmações que fiz.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  39. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  40. Paulo Cadi disse em 21 de abril de 2018 as 11:52:
    Diego, antes de responder eu estou esperando sua resposta para a pergunta que eu fiz logo aqui acima.

    O que você acha de substituir em 1Samuel 28 no episódio de Saul e a Necromante, o nome de Samuel por Satanás, ou espírito maligno, o que seja?

    Já que não era Samuel não ficaria melhor para a compreensão do leitor ler Satanás em vez de Samuel se na realidade quem foi que apareceu para Saul foi Satanás ou um dos dele?

    Qual a sua opinião?

    _____________


    RESPOSTA ►

    Segundo a própria palavra de Deus, não deve-se alterar. (Conforme Gálatas 1:8 e Apocalipse 22:18, 19) Nada deve ser acrescentado tirado ou modificado no texto bíblico para apoiar nossas crenças.

    Não concordo, por exemplo, com o acréscimo de TEXTOS ESPÚRIOS ou que tirem o NOME DO AUTOR DA BÍBLIA e o substituam por títulos como DEUS ou SENHOR. Concorda comigo nesses pontos também?

    A compreensão da Bíblia deve ser feita por deixar que a própria Bíblia se interprete.

    Portanto, no que diz respeito a passagem de 1 Samuel cap 28, a correta compreensão deve vir da análise cabal do que a Bíblia diz a respeito de ALMA, VIDA APÓS A MORTE, IMORTALIDADE, RESSURREIÇÃO, etc. E não isolarmos passagens bíblicas que apoiam nossas ideias, desconsiderando o que o restante da Bíblia diz sobre o assunto.

    Espero ter respondido sua pergunta.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  41. Então os escritores do Novo Testamento estavam apoiando os "textos espúrios" porque quase todas as citações do Antigo Testamento encontradas no Novo Testamento vieram da Tradução conhecida como Septuaginta em que em nenhuma vez é escrito o nome Jeová mas Kuryos↪Senhor quando eles citam do Antigo Testamento.

    Os próprios judeus não tinham esses escrúpulos que os seguidores da Torre de Vigia gostam de dramatizar.

    O fato é que ao substituir o nome de Deus pelo termo grego reverencial Adonay A IDENTIDADE DO PERSONAGEM CONTINUA A MESMA, NÃO SOFRE ALTERAÇÃO.

    Muito pior do que isto é inserir 237 vezes NO TEXTO GREGO o nome "Jeová" sem para isto não ter nenhuma autoridade manuscriturística.

    Você disse, "Segundo a própria palavra de Deus, não deve-se alterar. (Conforme Gálatas 1:8 e Apocalipse 22:18, 19) Nada deve ser acrescentado tirado ou modificado no texto bíblico para apoiar nossas crenças."

    RESPOSTA: Então se contradisse porque apoia a inserção NO TEXTO GREGO do nome Jeová 237 vezes no Novo Testamento.

    Olha a coerência!


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sr Paulo, visando não fugir do tema em questão (a saber, se ALMA é IMORTAL ou MORTAL), não vou replicar aqui a resposta seu questionamento acima. Mas deixarei o link para o Sr pesquisar, sobre o motivo de a TNM utilizar o nome Divino nas Escrituras Gregas Cristãs.

      https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/apendice-a/nome-divino-escrituras-gregas-cristas/

      Excluir
  42. E a liderança das testemunhas de Jeová dizem que foram eles que restauraram o nome de Deus, o tetragrama YWHW, cuja pronuncia ninguem conhece. Como dizem que restauraram um nome se ninguem sabe a pronuncia? falácia das falácias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Sr Anonimo!

      Na verdade não são as Testemunhas de Jeová que afirmam isso.

      Visando não fugir do tema em questão (a saber, se ALMA é IMORTAL ou MORTAL), não vou replicar aqui a resposta seu questionamento acima. Mas deixarei o link para o Sr pesquisar, sobre o motivo de a TNM utilizar o nome JEOVÁ.

      https://traducaodonovomundodefendida.wordpress.com/tag/yehowah/

      Excluir
    2. Está certo Diego. Peço desculpas se fui rude com meu comentário em uma postagem onde o assunto é outro.

      Excluir
  43. Olá Diego

    Bom dia

    Seu comentário sobre Deus não poder ser contraditório está certíssimo, Ele não pode dizer que a alma morre e ao mesmo tempo que a mesma é imortal senão seria uma contradição insuperável pois o Espírito é um só e só existe uma Doutrina que é a Sã Doutrina e a Santa Igreja deve ter uma única doutrina parabéns seu comentário tem lógica.

    A Bíblia diz que os bereanos examinavam as Escrituras mas não diz que eles entendiam o que examinavam tanto é que os que lideravam a Santa Igreja enviaram São Paulo e São Barnabé para explicar e no versículo 13 o crente no Senhor santo e justo Paulo anunciava, explicava a Palavra ou seja dava a correta interpretação bíblica. Não se pode garantir que pelo que está escrito que os crentes de Beréia entendiam corretamente o que eles examinavam tinha que estar de acordo com a explicação de São Paulo ou de outro apóstolo.

    De fato, você escreveu corretamente Jesus muitas vezes se utilizava da expressão " está escrito" e isso está escrito pois o que está escrito é muitíssimo importante sim mas não é a autoridade, a autoridade é a ação de Deus na Santa Igreja.

    Quando você pede que eu demonstre com o que está escrito isso já é um entendimento que você aceita e que foi repassado para você.

    Um bom exemplo é Ezequiel 18:14 onde diz que a alma morre, está escrito assim mas não está corretamente compreendido pelo mortalistas.

    Um grande abraço

    Luiz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Luiz!

      Me desculpe, mas você continua enrolando, enrolando, mas no final das contas, não apresenta o argumento com base na Bíblia que comprove que de fato a alma é imortal. E pior, para tentar apoiar a sua crença, deturpa o que a Bíblia diz.

      Exemplo: Em Ezequiel 18:4, 20 o texto é muito claro em dizer QUE A ALMA MORRE, porém, você diz que o texto se refere a MORTE ESPIRITUAL.... por favor né Luiz?

      Excluir
    2. Sobre expressão "está escrito", já dizia em um dos seus livros o Pastor A. W. Tozer: "Está escrito; mas também está escrito." Um pássaro não voa só com uma asa.

      Excluir
  44. Olá Diego

    Eu não fiquei enrolando não, eu expliquei com entendimento espiritual os mortalistas é que não conseguem entender. Viu como não adianta nada ler sem entender.

    Um abraço

    Luiz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luiz, o que a pessoa diz não tem valor se não tiver baseado na Palavra de Deus.

      Olha o absurdo que você disse: "o que está escrito é muitíssimo importante sim mas não é a autoridade, a autoridade é a ação de Deus na Santa Igreja."

      Então você acredita que o que está escrito (A Bíblia, a Palavra de Deus) não é a autoridade?? O que voce diz ser a "ação de Deus na Santa Igreja" anula a Palavra escrita, é isso?

      Excluir
  45. Olá Diego

    Eu nos meus comentários em nenhum momento neguei a importância importantissíma das Letras Santas mas elas estão inseridas dentro da Santa Religião Cristã Evangélica. Existem estudos bíblicos justamente para ajudar os crentes no Senhor a entenderem a Palavra Santa. A própria Bíblia depende da ação de Deus sim, a Bíblia veio da Mente de Deus meu caro, logo a base para toda a compreensão bíblica é espiritual. Deus inspirou e capacitou os crentes santos e justos já no Antigo Testamento para escrever o Antigo Testamento e isso é sem dúvida ação de Deus, a Graça de Deus e fé que agem nos crentes também é ação de Deus e para entender o que está escrito também é ação de Deus. Quem preservou a Bíblia completa foi a Santa Igreja e isso também ação de Deus.

    É impossível que a ação de Deus anule a Palavra escrita muito pelo contrário sem tal ação nem Bíblia teríamos.

    Um abraço

    Luiz

    ResponderExcluir
  46. Tá certo Luiz...

    É por pensamentos assim que existem tantas denominaçoes religiosas que se dizem "cristãs". Cada uma alegando ter o espirito santo guiando as suas ações e ensinos...

    Bom, se pessoas sinceras lerem os comentarios poderao analisar a base bíblica relacionada ao tema, e chegar às próprias conclusões sobre o que de fato a Bíblia ensina.

    Abraço

    ResponderExcluir
  47. Hebrues 1:8. Essa citação foi extraída de Salmo 45:6,7. É trecho citado exclusivamente aqui, em todo ο Novo Testamento mas que o autor sagrado corretamente toma como um salmo messiânico. “O teu trono, ó Deus”, esta tradução interpreta “o theos” como vocativo, isto é, o Pai se dirige ao Filho chamando-o de Deus. A maioria dos intérpretes concorda com isso, embora alguns discordem, principalmente porque o Filho é chamado “Deus”. Mas na realidade esse apelativo não é único em sua espécie, conforme alguns querem fazer-nos crer. O Filho é o “Logos”, e ele também é chamado Deus em João 1:1. O trecho de Romanos 9:5 parece ser outra instancia do uso direto do termo “Deus” aplicado ao Filho, o que se reitera em Tito 2:13, embora essas passagens também estejam sujeitas a controvérsias. O trecho de Colossenses 2:9 porém não dá margem a controvérsia alguma, e apesar do fato de que ali o Filho não é chamado Deus, é enfaticamente chamado “divino”. Outro tanto fazem os versículos iniciais deste presente capitulo, sobretudo o terceiro versículo, onde fica claro que o autor sagrado reputa o Cristo como “divino”. Nada haveria de estranho, pois porque Cristo foi chamado Deus. Essa interpretação desfruta do apoio de quase todos os intérpretes antigos, judeus e cristãos, aqueles que explicavam o Salmo citado, e aqueles que explicavam sua citação nesta epístola aos Hebreus. O rei de Israel no uso original, é chamado “deus”, porque representa Deus na teocracia dotado de sua autoridade. Cristo nesta epístola aos Hebreus, é chamado “Deus” porque é o Filho divino, que governa juntamente com o Pai.

    ResponderExcluir
  48. Entretanto, alguns estudiosos preferem traduzir: “Teu trono é Deus...” fazendo com que as palavras “o theos” seja o nominativo, sujeito de um verbo subentendido. Naturalmente essa é uma tradução possível, mas que cria um conceito sem igual de que o trono do Filho é Deus. Ainda outros interpretam isso como “Deus estabelece o teu trono”, ou alguma outra idéia, como “Teu trono é ‘de’ Deus”, ou então “Teu trono, que é o trono de Deus”, como se Deus Pai e Deus Filho compartilhassem do mesmo trono. O original hebraico por detrás disso também pode ser incerto, porquanto emprega o nominativo tanto para o sujeito como para o vocativo. (é só ver Salmo 121:3, Isaías 26:4, Salmo 10:1, 91:2 e Deuteronômio 30:37, quanto a idéias existentes no Antigo Testamento que parecem chamar Deus de trono do Filho, como “o Senhor Yahweh é força eterna” (referência em Isaías). Porém, apesar de ser possível tal referência, o simples vocativo concorda com a cristologia do presente capítulo. O Cristo elevado e exaltado é agora visto como Deus em seu trono, tão grande é ele. Ainda outros, que aceitam a idéia que o vocativo é correto, alteram o significado deste versículo, supondo que o termo “Deus” é usado de forma secundária, não indicando o Deus Altíssimo (Deus Pai), mas antes, algum poder divino de estatura inferior (Deus Filho). Outros reduzem isso mais ainda, traduzindo “Ô Poderoso”, o termo grego “theos”. Naturalmente a muito precedente para esse uso do título “deus”, já que os antigos hebreus usavam o vocábulo em alusão aos anjos e a outros elevados seres espirituais, e não meramente a Deus, a deidade autêntica. Os gregos também se utilizavam desse termo para falarem sobre poderes inferiores, e não necessariamente sobre o Poder supremo. (Veja Gênesis 3:5, I Samuel 28:13 e Salmo 82:1,6 quanto a esse uso inferior do termo “Deus”). Porém, procurando saber como o próprio autor teria usado esse termo, precisamos apenas examinar o que ele já disse a respeito do Filho.

    ResponderExcluir
  49. O terceiro versículo nos mostra claramente que o autor cria na divindade de Cristo. Ali ele também dá a entender a subordinação do Filho a Deus Pai, mas isso é uma questão de ordem e de operação, e não de natureza. A subordinação do Filho ao Pai é uma doutrina neotestamentária comum, pelo que também não é nenhuma criação do autor sagrado. (Veja I Coríntios 15:28 acerca desse tema). Portanto concluímos que apesar do autor reconhecer o fato da subordinação do Filho ao Pai, esse pensamento mui provavelmente não faz parte do presente versículo. A verdadeira divindade do Filho é aqui reconhecida pelo Pai: pais e filhos compartilham da mesma natureza, e assim sucede igualmente no caso do Pai e do Filho divinos. Nenhuma outra interpretação faz sentido.

    ResponderExcluir