quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Bíblia Fácil – programa difícil - O que o apresentador disse do Azazel?

Bíblia Fácil é um programa da TV Novo Tempo. A “TV Medusa” que está enganando um monte de crentes brasileiros, achando que a Igreja Adventista é uma Igreja Cristã genuína.

Bem, em um vídeo, que faz parte de uma série sobre as profecias de Daniel, entre vários assuntos que vi o apresentador do programa explanar, algo me chamou a atenção. Mais uma vez, o problema do bode para Azazel. As explicações deles já foram tratadas AQUI, e é conhecido o fato que muitos acusam o Adventismo de fazer de Satanás um co-redentor. O Adventismo não diz isso e ponto final! Porém, a construção doutrinária, quando tendo por base a doutrina bíblica da expiação, força a conclusão desagradável.

Ao considerar essa acusação, o apresentador disse algumas coisas bem interessantes. Quero fazer uma breve avaliação do que ele disse aos 41:45 do vídeo:

“Então aprenda uma coisa. A Igreja Adventista não ensina que Satanás tem parte no processo expiatório. Por que o bode vivo só era levado à presença do Sumo Sacerdote havendo terminado a expiação. Nós todos temos o direito a salvação, pelo sangue de Cristo. Agora Satanás vai levar sobre si, os pecados que ele mesmo ocasionou, e os pecados dos ímpios também, que não aceitaram a Cristo como Salvador, e por isso eles recebem a punição pelos próprios pecados. Por que quando você aceita Cristo como Salvador, os seus pecados são lançados sobre Ele, e estes, ele já pagou na cruz, mas se você não aceita a Cristo como Salvador, quem é que carregar os seus pecados? Você mesmo! E o próprio Satanás que levou você ao pecado.” 

Obviamente, é uma tentativa louvável, que o tal apresentador teve, ao tirar o diabo da expiação. Duas coisas, no entanto, deixam os argumentos dele incongruentes. O que a Bíblia diz exatamente em Levítico 16, e o que a Nossa Senhora Adventista de Todos os Sonhos, Ellen White, disse sobre isso. 

Vejamos alguns pontos:

1. “o bode vivo só era levado quando o processo de expiação havia terminado” - É isso mesmo? O apresentador adventista precisou inventar que o processo de expiação terminava quando o primeiro bode era morto. A Bíblia Fácil, porém, diz outra coisa. O processo todo era a Expiação, e não algumas facetas do processo. Só depois de Arão tirava as vestes sacerdotais é que a Expiação terminava qual evento:

Assim aquele bode levará sobre si todas as iniqüidades deles à terra solitária; e deixará o bode no deserto. Depois Arão virá à tenda da congregação, e despirá as vestes de linho, que havia vestido quando entrara no santuário, e ali as deixará. E banhará a sua carne em água no lugar santo, e vestirá as suas vestes; então sairá e preparará o seu holocausto, e o holocausto do povo, e fará expiação por si e pelo povo.”  Levítico 16:22-24

2.Satanás vai levar sobre si, os pecados que ele mesmo ocasionou, e os pecados dos ímpios também, que não aceitaram a Cristo como Salvador, e por isso eles recebem a punição pelos próprios pecados.”  

Mais uma vez, a qualificação é tendenciosa e dissimulada. Obvio, ele precisa dizer isso para defender a IASD a qualquer custo, nem mesmo se for renunciar a verdade. O texto está bem claro, mas muito bem claro, que o bode vivo servia no processo de expiação dos que foram perdoados pelo sacrifício do primeiro bode:

“Mas o bode, sobre que cair a sorte para ser bode emissário, apresentar-se-á vivo perante o Senhor, para fazer expiação com ele, a fim de enviá-lo ao deserto como bode emissário.Levítico 16:10

"Havendo, pois, acabado de fazer expiação pelo santuário, e pela tenda da congregação, e pelo altar, então fará chegar o bode vivo. E Arão porá ambas as suas mãos sobre a cabeça do bode vivo, e sobre ele confessará todas as iniqüidades dos filhos de Israel, e todas as suas transgressões, e todos os seus pecados; e os porá sobre a cabeça do bode, e enviá-lo-á ao deserto, pela mão de um homem designado para isso.” Levítico 16:20-21

A tentativa do apresentador “Novo Tempo”, também é contra o que Ellen White disse, e até mesmo o que o livro Nisto Cremos afirma. Segundo estes, até mesmo os pecados dos justos serão lançados sobre Satanás, o que é coerente com a interpretação dada (embora errada em si):

“Ao completar-se a obra de expiação no santuário celestial, na presença de Deus e dos anjos do Céu e dos exércitos reunidos, serão postos sobre Satanás os pecados do povo de Deus”(O Grande Conflito, p. 655).

Tendo sido os pecados dos justos transferidos para Satanástem ele de sofrer não somente pela própria rebelião, mas por todos os pecados que fez o povo de Deus cometer”(O Grande Conflito, p. 669,70).

Se Azazel representa Satanás, como podem as Escrituras (Lev. 16:10) conectá-lo com a expiação? Assim como o sumo sacerdote, depois de haver purificado o santuário, colocava os pecados sobre Azazel – o qual era para sempre removido dentre o povo de Deus  assim Cristo, depois de haver purificado o santuário celestial, colocará os pecados confessados e perdoados de Seu povo sobre Satanás, que será então removido para sempre dos santos. “Quão apropriado é que o último ato de Deus no trato com o pecado, seja fazer retornar sobre a cabeça de Satanás todos os pecados e culpas que, partindo originalmente dele, causaram uma vez tal tragédia na vida daqueles que agora foram libertados pelo sangue expiatório de Cristo. Completa-se desta forma o ciclo, encerra-se o drama. Somente quando Satanás, o instigador do pecado, for finalmente removido, poder-se-á afirmar apropriadamente que o pecado foi erradicado do Universo de Deus. Neste sentido harmonizado podemos entender de que modo o bode emissário tomava parte na ‘expiação’ (Lev. 16:10). Com os justos estando salvos, os pecadores ‘desarraigados’ e Satanás não mais existindo, então – e somente então – estará o Universo no mesmo estado de harmonia em que se encontrava antes do surgimento do pecado” (SDA Bible Commentary, edição revista, vol. 1, pág. 778).” (Nisto Cremos, p. 428).

Conclusão

Ele tentou construir uma ideia punitiva sobre o diabo e sobre os ímpios. O problema é que a BÍBLIA é FÁCIL, e a punição no processo da expiação é substitutiva, perfeita em Cristo, onde os dois bodes tipificaram o que o Cordeiro de Deus faria pelos eleitos na cruz:

“... tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si... o castigo que nos traz a paz estava sobre ele... e pelas suas pisaduras fomos sarados... mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós” (Is 53. 4,5,6).


67 comentários:

  1. Boa tarde!

    Uma análise detida de Levítico 16, à luz da tradição judaica, revela que o “bode emissário” (hebraico Azazel) é um símbolo de Satanás (e não de Cristo). Essa identificação é sugerida por Levítico 16:8, onde o bode “para Azazel” é mencionado em oposição ao bode “para o Senhor” (Bíblia de Jerusalém), e confirmada pela literatura pseudoepígrafa, onde Azazel é consistentemente descrito como um ser demoníaco e líder das forças do mal (I Enoque 8:1; 9:6; 10:4-8; 13:1; 54:5 e 6; 55:4; 69:2; Apocalipse de Abraão 13:6-14; 14:4-6; 20:5-7; 22:5; 23:11; 29:6 e 7; 31:5).

    Mesmo não aceitando essa literatura como inspirada, é interessante notarmos que I Enoque 54:4-6 fala sobre o futuro aprisionamento dos “exércitos de Azazel”, para serem lançados na fornalha de fogo do “grande dia do juízo”, em termos muito semelhantes ao relato do aprisionamento e castigo final de “Satanás” mencionado em Apocalipse 20.

    Não é sem motivo que, de acordo com A. E. Cundall, “a maioria dos eruditos aceita que Azazel é o líder dos espíritos maus do deserto” (The Zondevon Pictorial Encyclopedia of the Bible, vol. 1, p. 426).

    Embora, em sentido amplo, o próprio dia em que era realizada a purificação anual do santuário fosse chamado de “Dia da Expiação” (Lv 23:27 e 28) e o “bode emissário” ser considerado como parte do abarcante processo expiatório (Lv 16:10), não podemos atribuir a esse bode prerrogativas salvíficas e nem considerá-lo uma espécie de co-redentor com o outro bode. Levítico 16 é claro em afirmar (1) que uma expiação prévia por Arão “e pela sua casa” era efetuada pelo sacrifício de um “novilho” e pela aspersão do seu sangue (versos 11-14); (2) que a “expiação pelo santuário” era realizada pelo sacrifício do “bode da oferta pelo pecado” e pela aspersão do seu sangue (versos 15-19); (3) que o cerimonial envolvendo o bode emissário só iniciava após o término da “expiação pelo santuário, pela tenda da congregação e pelo altar” (versos 20-22); e (4) que outra “expiação” específica pelo sumo sacerdote “e pelo povo” ocorria através do oferecimento de holocaustos, após o bode emissário ser libertado vivo no deserto (versos 23-25). Uma vez que a expiação pelo pecado só ocorria através do “derramamento de sangue” (Hb 9:22; Lv 17:11), e que o bode emissário não era sacrificado (Lv 16:21 e 22), cremos que a função desse bode era simbolicamente punitiva e não "redentiva".

    Por outro lado, pretender que o “bode emissário” é um símbolo de Cristo significa desconhecer as funções distintas dos dois bodes mencionados em Levítico 16, bem como atribuir características nitidamente demoníacas a Cristo. Não podemos jamais esquecer de que Cristo é descrito nas Escrituras como havendo sido feito “pecado” apenas pelos seres humanos (I Co 5:21), mas nunca por Satanás ou por qualquer dos demais anjos caídos (Jo 14:30; Jd 6).


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabriel, o próprio versículo 5 de Levíticos é claro em dizer que os 2 bodes eram para oferta pelo pecado. O bode emissário tão somente representa os pecados sendo levados embora como diz em Miquéias 7:19
      Os 2 bodes podem ser simbolizados como se fossem corredores do 4x100 metros, em que 1 passa o bastão para o outro, mas o objetivo é o mesmo.
      E o próprio versículo 10 fala que era apresentado vivo perante o Senhor para fazer expiação por meio dele.
      Lendo os versículos isolados pode até ter-se essa sua impressão, mas ao lê-los em contexto, o sentido era que os 2 eram parte de um mesmo propósito de simbolismo.
      Abraço!

      Excluir
    2. Leandro,

      Compreendo o que você quer dizer. Entretanto, não devemos nos esquecer que a cerimônia ou o simbolismo do santuário, são "sombras" de toda a história da redenção. Isto é, conta-nos a história do sacrifício de Jesus Cristo, o perdão pelos nossos pecados e a extinção do mal e o fim dos pecados para sempre.

      Portanto eu afirmo novamente que o cerimonial envolvendo o bode emissário só iniciava após o término da “expiação pelo santuário, pela tenda da congregação e pelo altar” (versos 20-22); e (4) que outra “expiação” específica pelo sumo sacerdote “e pelo povo” ocorria através do oferecimento de holocaustos, após o bode emissário ser libertado vivo no deserto (versos 23-25). Uma vez que a expiação pelo pecado só ocorria através do “derramamento de sangue” (Hb 9:22; Lv 17:11), e que o bode emissário não era sacrificado (Lv 16:21 e 22), cremos que a função desse bode era simbolicamente punitiva e não "redentiva".

      É de conhecimento histórico que Azazel é considerado um demônio advindo de uma seita judáica. Inclusive, no meio ocultista, Azazel é o rei dos Shekmitas, ou seja a raça de demônios meio homens e meio cabras, com aspecto parecido com o de Baphomet que tambem é um demônio Shekmita famoso.

      Sendo assim, dentro da teologia da história da redenção e do cerimonial completo, Satanás será responsabilizado pelos pecados por ele ter sido a causa primária e original dessa condição. Não existe lógica em existir um bode para YHWH e outro para AZAZEL, se ambos simbolizassem a mesma pessoa, a saber o Cristo.

      Portanto, não é correto dizer que os Adventistas fazem de satanás um co-participando no plano de redenção, tomando-se como base para tão absurda declaração o nosso ensinamento sobre a figura de AZAZEL ser um símbolo de satanás, pois a Bíblia é bastante clara em afirmar que ele levará sobre seus ombros o peso de ter sido o mentor da destruição da raça humana, através do pecado (cf. Ap 20:1-10; 12:9-12; Lc 13:16; At 5:3; etc.). - Dos dois bodes, apenas um tinha parte no plano da redenção esboçado no serviço do santuário – e este era aquele que derramava seu sangue, prefigurando ao sacrifício de Jesus na Cruz do Calvário.


      Excluir
  2. Luciano Sena excelente vídeo sobre o adventismo lá no JMC fiquei mais convencido de que a IADS é uma seita, na verdade já tinha assistido mais quis aprender mais, mim manda o livro de Walter Rea A mentira Branca,meu email é bene0303@hotmail.com, quero de recomendar um artigo no blog Olhar Reformado sobre Ellen White muito bom, um grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. Amigo Paulo Cadi, pastor algum jamais teve de tirar satanás da expiação, porque nunca o colocou.

    A afirmação refutada pelo pastor, trata-se de um mentira, da grossa que hà algum tempo tem sido pregado por pessoas inescrupulosas.

    Jamais corremos o risco de crer de que Satanás levasse os pecados da humanidade, pois jamais atribuímos qualquer trabalho de expiação ao bode Azazel!

    Entretanto o mesmo não podemos dizer de alguns de nossos irmãos que realmente acreditam que Azazel faça parte de um trabalho expiatório de levar consigo os pecados da humanidade para "o esquecimento no deserto".

    Então quem de fato está colocando um trabalho expiatório sobre Satanás? Ora aquele que acredita que aquele Azazel tido como um demônio do deserto (segundo cultura judaica), estaria levando consigo os pecados da humanidade para serem esquecido.

    E o pastor Arilton apenas confirmou algo que já estava explícito. Algo que, não por uma, nem duas, mas por diversas vezes adverti. De que Luciano Sena, não estava de fato relatando a nossa real crença de forma fiel, mas sim espalhando uma inverdade de que os adventistas creriam de que satanás tivesse parte na expiação.

    Este programa do Bíblia fácil, apenas confirma de que tal afirmação não passa de uma mentira e de que os adventistas não crêem, bem como nunca creram de que satanás tivesse alguma função salvífica.

    Azazel não é algo além de uma prefiguração da prisão de satanás por mil anos no deserto. É basicamente nisto que cremos .

    Espero então que com esta resposta, clara e direta o amigo enfim comece a fazer uso das fontes primárias que diz ter em mãos, parando de atribuir, a nós, opiniões que não temos.

    ResponderExcluir
  4. Estimados servos da Verdade
    Paz vos seja multiplicada
    Peço atenção e leitura diligente a postagem a seguir.
    Fontes bem Atualizadas mostram que o termo que deu origem ao nome próprio "Azazel", que ocorre no Texto massorético (texto utilizado pelos judeus modernos, que data da idade Média) é um erro de fusão de duas palavras, provada por antigas traduções que datam antes de Cristo como a Septuaginta (LXX), dando origem a uma interpretação exotérica judaica.É impressionante como a maioria dos comentaristas b´bíblicos desconhecem este fato:
    "O Texto Massorético indica um nome próprio, que, a parte dessa menção, é inteiramente desconhecido [nas Escrituras], Azazel, que os rabinos da Idade Média explicavam ser designação de um demônio peludo do deserto. Então Arão lançaria sortes por um demônio. Ora, não se faz inclusão do culto ou adoração de demônios em parte alguma da Tora, e não pode existir a mínima possibilidade de que tal culto surja aqui (e nos versículos seguintes deste capítulo [Lv16].A óbvia solução desse enigma encontra-se na separação das duas partes da palavra 'Azazel', de modo que fique ez azel, isto é, 'o bode da partida ou da demissão'. Noutras palavras, como o versículo 10 deixa bem claro, esse segundo bode deve ser conduzido para fora, ao deserto, para onde deverá encaminhar-se, e de modo simbólico, levar embora os pecados do povo de Israel, retirando-os do campamento do povo. É inquestionável que a LXX entendeu o versículo e o nome Azazel dessa forma,, ao apresentar a grafia to apopompaio (para o que for enviado para longe). De forma semelhante, a Vulgata traz capro emissário (para o bode que deve ser despedido). Assim, ao separarmos as duas palavras que foram indevidamente fundidas numa só no hebraico, passamos a ter um texto que faz sentido perfeito no contexto, sem fazer concessão a demônios, cujo exemplo não existe nas Escrituras. Noutras palavras, 'bode emissário' (KJV, NASB, NIV) é a verdadeira tradução a ser empregada, em vez de "para Azazel"(ASV, RSV) (Enciclopédia de Dificuldades Bíblicas, 1998, 2ª impressão, p.39 )
    "azazel, palavra que talvez devesse ser vocalizada como ez azel (um bode de partida)É preciso que se entenda que o registro dos documentos do AT era escrito só com as consoantes; os pontos representativos das vogais só passaram a ser colocados no texto a partir de 800 d.C [Texto Massorético] ...A tradição segundo a a qual o bode emissário era o nome de um demônio do deserto originar-se-ia muito tempo depois, e estaria totalmente em desacordo como os princípios da redenção ensinados na Tora. Portanto, é inteiramente errado imaginar que esse cabrito representava o próprio Satanás, visto que nem o diabo nem seus demônios jamais são mencionados desempenhando funções expiatórias em prol da humanidade - que é a implicação dessa interpretação"(Idem p. 137)
    "A palavra tem sido entendida e traduzida de diversas maneiras. As versões antigas (LXX, Símaco, Teodócio e Vulgata) entenderam que a palavra indica o 'bode que se vai', considerando como derivada de duas palavras hebraicas: ez= bode, e azal= virar-se"
    "Uma possibilidade final é considerar o vocábulo [Azazel} como a designação de um ser pessoal de modo a contrapor-se à palavra SENHOR . Neste sentido Azazel poderia ser um espírito maligno (Enoque 8:1; 10:4; 2 CR 11:15; Is 34:14; Ap 18:2 ou até mesmo o próprio demônio (KD. loc. cit.), numa oposição de antítese ao Senhor. NO entanto, as referências de Enoque a Azazel como um demônio dependem, sem dúvida alguma, da interpretação que o próprio autor desse livro faz de Lv. 16 e Gn 6:4"
    "Mas nessa passagem joanina também se percebe uma alusão ao bode emissário Esse fato é claramente visto nas palavras 'leva embora' (ARA, ´tira'; cf. 1 Jo 3:5 ) (Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento, p. 1099"

    Nosso Mestre já declarou: "... e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. " Jo.8.32

    Em Cristo
    Wilton

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não há menção de culto a Azazel em lugar algum nas escrituras. Ser abandonado é o total oposto disto.

      Cultuar é lembrar, homenagear. Ser deixado no deserto, porém, para morrer no esquecimento, é equivalente a ser desprezado.

      Exemplo do Bode para o Senhor, temos Cristo sendo crucificado.

      Exemplo de bode para Azazel sendo abandonado, temos satanás, durante o milênio.

      Excluir
    2. Irmão WILTON VILLOTE RODRIGUES,

      Confesso que em tudo o que eu já estudei sobre Azazel, nunca ele foi associado a Cristo ou ao Senhor YHWH.

      Azazel, historicamente, sempre foi um nome próprio (não apenas um termo), e sempre foi associado as forças opostas as de YHWH.

      Existe uma citação na Bíblia Satânica, em que é dito:

      “Durante os dois seguintes milênios o Príncipe das Trevas solitário foi identificado como Azazel, Mastema, Beelzebub, Beliel, Duma, Sier, Salmael, Gradeel, O Anjo de Roma, Samael, Asmodeus, Mephistopholes, Lúcifer e na tradição Islâmica como Iblis”.

      Em uma vertente histórica muito antiga, Azazel é o rei dos Shekmitas, ou seja a raça de demônios meio homens e meio cabras, com aspecto parecido com o de Baphomet que tambem é um demônio Shekmita famoso e símbolo ocultista.

      No terceiro livro do Tanach, consta que entre os rituais do Dia do Perdão, quando ocorre anualmente a finalização do julgamento da humanidade, havia, na época em que ainda estava edificado o Templo de Jerusalém, a obrigação de separar dois bodes idênticos (mesma cor, mesmo peso, mesma altura etc.). O primeiro era sacrificado para o Eterno, em, e o segundo, deixado no deserto e era chamado Azazel. Ele caminhava carregando os pecados até encontrar um lugar para se precipitar. Ele não parava de andar até cumprir seu destino, representando o que hoje é e sempre foi o destino de Satanas.

      Para a pseudo-ciência da Demonologia, ou a catalogação dos demônios da tradição católica, Azazel é um dos 7 arque-demonios de Satã.

      Vou descrever aqui, algumas citações de vários representantes de várias denominações a respeito disso:

      J. Russel Howden (Igreja da Inglaterra) – “O bode para Azazel, como é algumas vezes incorretamente traduzido, tipifica o desafio de Deus para com Satanás. Dos dois bodes, um era para Jeová, significando a aceitação de Deus da oferta pelo pecado; o outro era para Azazel. Isto é provavelmente para ser entendido como uma pessoa, sendo paralelo com Jeová na cláusula precedente. Assim Azazel é provavelmente um sinônimo para Satanás”. (Sunday School Times, 15 de janeiro de 1927);

      Samuel M. Zwemer (Igreja Presbiteriana) –“O demônio tem um nome próprio – Azazel. Ele foi expulso do Éden”. (Islam, a Challenge to Faith, p. 89);

      E. W. Hengstenberg (Igreja Luterana) – A maneira pela qual a frase ‘para Azazel’ é contrastada com ‘para Jeová’ necessariamente requere que Azazel deveria designar uma existência pessoal e se assim o é, somente Satanás pode ser intencionado. Se por Azazel não quer dizer Satanás não há razão para o lançar sortes. Nós não podemos ver nenhuma razão pela qual a decisão foi referida Deus, por que o sumo-sacerdote não simplesmente assignou um bode por uma oferta pelo pecado e o outro para enviar para o deserto”. (Egypt and the Books of Moses, pp. 170 e 171);

      J. B. Rotherham (Discípulos de Cristo-?) – “… Assumindo que Satanás é representado pelo Azazel – e não há nada mais em que biblicamente nós possamos assumir – é mais importante observar que não há aqui nenhum sacrifício oferecido para o espírito mau”. (The Emphasized Bible, vol. 3, p. 918);

      William Jenks (Igreja Congregacionalista) – “Spencer, depois das mais antigas opiniões dos Hebreus e Cristãos, pensa que Azazel é o nome do demônio, … O Siríaco tem Azzail, o ‘anjo que revoltou’”. (The Comprehensive Commentary of the Holy Bible, p. 410);

      -- (Metodista) – “… O que a palavra queria dizer é desconhecido, mas deveria ser retida como o nome próprio de um demônio do deserto”. (Abingdon Bible Commentary, p. 289).

      Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos – “Azazel: talvez um nome para Satanás, usado somente neste capítulo”.

      Uma observação final: O ato de transferir os pecados para a cabeça de AZAZEL, não tem o mesmo significado da tranferência que foi feita para a cabeça do Bode do SENHOR. O Bode do Senhor é INOCENTE e morre para remissão dos pecados alheios. O Bode AZAZEL é culpado e morre pagando pelos seus crimes e pelos crimes que fez outros cometerem.

      Excluir
  5. Quanto ao restante, serei sucinto:

    Justificar a expiação de satanás, usando como desculpa o fato de o sacerdote não ter trocado de roupa, é algo no mínimo desconcertante!

    No final das contas, depois dos argumentos do amigo Luciano Sena terem sido refutados, o que sobrou foi isto? A desculpa das vestes do sacerdote?

    ResponderExcluir
  6. Luciano Sena vc como sempre fora de contexto.

    Se vc lesse com cuidado todo o capítulo 16 de Levítico não cairia em erro.

    Tudo que o apresentador do programa Bíblia Fácil disse se encaixa perfeitamente com que está escrito em relação o dia da expiação.

    "Quando Arão houver ACABADO DE FAZER EXPIAÇÃO pelo lugar santo, pela tenda da revelação, e pelo altar, apresentará o bode vivo" (Levítico 16:20).

    Só depois disso o bode vivo será apresentado...

    Irmãos basta ler todo o contexto para não ficar fora de contexto...


    Fique na paz!

    ResponderExcluir
  7. "Não há menção de culto a Azazel em lugar algum nas escrituras"

    que distorção do que se disse, ele faz parte do ritual, portanto ele não pode ser em hipótese alguma satanás.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é distorção amigo Fernando, está na Bíblia, confere aí: Levítico 16:20

      Faz parte do cerimonial, mas não faz parte da expiação.

      Excluir
  8. O segundo bode fazia parte da expiação e isto é claro nas Escrituras. Lv.16.10
    Os dois bodes representavam duas ações DO SALVADOR. Ele morreu e levou. Assim como símbolo e os bodes representavam O Senhor Jesus. Eles dois tiveram que tipificar as DUAS MISSÕES do SALVADOR. 1. MORRER 2. LEVAR PARA O DESERTO NOSSOS PECADOS.
    Acatar o segundo bode como Satanás, que fez parte da expiação, pois inclusive tinha que ser sem defeito, É CONSIDERÁ-LO, ainda que não declarado conscientemente, como participante da expiação.
    Satanás será punido, sim, pelos SEUS pecados e os ímpios pelos SEUS pecados, cada um dará conta de seus próprios pecados. O Único que sofreu pelo pecado da humanidade e sofreu por eles, sendo totalmente inocente, foi o Senhor Jesus.Lv.16.22 . Este oferta mencionada neste texto Sagrado esta em harmonia com Nm.29.11 retratava o sacrifício substitutivo de Cristo (V.21-22), resultado na eliminação dos pecados do pecador (v.22). Veja Is.52.1; 53.12. Cristo encarnou essa representação quando clamou da cruz: " Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?" ( Mt.27.46 ).
    Qual o texto que menciona que no milênio a terra estará deserta?
    No milênio a Palavra de Deus diz que Satanás será, SIM, preso. Lançado no abismo e o mesmo foi fechado e o anjo selou a entrada, com o propósito de não enganar as nações, ATÉ QUE se completasse os 1000 anos . Após este período será solto por um pouco de tempo, para seduzir as nações [...],quando será lançado para dentro do lago de fogo e enxofre , onde se encontra não só a besta como o falso profeta; e serão atormentados de dia e de noite, pelos séculos dos séculos.Ap.20.1-10 ( para melhor compreensão dos leitores e interessados ).
    No milênio a terra estará habitada pelas por nações e Satanás estará preso, conforme a Palavra de Deus.
    Em Cristo
    Wilton

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. a responsabilidade do pecado é individual...quando alguém é tentado, e peca, o único responsável é a própria pessoa que pecou.

      Tiago 1:
      14 Mas cada um é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência.

      Excluir
    2. Desculpem mas os amigos continuam tropeçando. O bode para Azazel não fazia parte dos trabalhos de expiação. A escritura é clara em definir o término do trabalho expiatório, também é claro em mostrar de que o bode que era levado vivo, não era imolado.

      Sem derramamento de sangue, não há remissão de pecados.

      Gostaria que os amigos apresentassem, em que parte das escrituras, Jesus cumpriu esta parte do cerimonial, onde sairia para o deserto, levando embora os pecados da humanidade e então morreria, não de sacrifício, mas de abandono.

      A Bíblia não diz algo como: Sem levar os pecados embora não há remissão de pecados! Portanto este "levar os pecados" não parece ser uma extensão da obra expiatória, do sacrifício de Cristo. Porque depois do sacrifício de Cristo, o Cordeiro Morreu e ressuscitou ao terceiro dia. Ou seja, o cordeiro não desceu da cruz indo a caminho do deserto, levando nosso pecado.

      Então esta explicação de que o outro bode fosse também a Cristo, não faz sentido. Nem se acha cumprimento, em Cristo, nas escrituras.

      Excluir
  9. Caro Gabriel
    A Paz de Cristo guarde teu coração
    De acordo com o contexto os bodes deveriam ser sem defeito, logo não poderia ser tio po de satanás, mais unicamente do Filho de Deus, O Senhor Jesus Cristo. E como fica bem claro pela iluminação do Espirito Santo o que contexto nos ensina é a representação, é a missão do Senhor Jesus, conforme expomos acima um representaria a morte de Cristo e o outro a missão de levar para longe os meus e os teus pecados.
    AZAZEL é a missão de levar, de acordo com o estudo acima e não um nome próprio como esclarecido na postagem acima, que peço que leia com toda atenção e diligência para que seja sanada toda dúvida.
    Em Cristo
    Wilton

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querido irmão,

      vamos seguir a lógica! Na postagem acima, foi mostrado que, historicamente, Azazel sempre foi relacionado ao inimigo de YHWH. Ok!

      Agora vamos ser coerentes e lógicos nessa questão - Ele (Arão) tomava os dois bodes e também os colocava na porta do tabernáculo, para que fossem também apresentados ao Senhor, e ali ficavam até que a sorte fosse lançada sobre eles decidindo o seu destino. Este ato de lançar sortes se dava através do uso de dois objetos, geralmente pedaços de madeira, com inscrições em cada um deles - quando um destes era "sorteado" então era conhecido qual seria para o Senhor ou qual seria para Azazel. O Talmud estabelece que estes bodes deveriam ser o mais parecido possível (Talmud - Yoma 62a) e que, para evitar o erro de trocarem os bodes e entregarem para o Senhor o que tinha sido estabelecido como sendo para Azazel ou dar a Azazel o que no lançar de sortes pertencia ao Senhor, atavam um cordão escarlate no chifre do bode para Azazel e um no pescoço do bode para o Senhor. Qual a necessidade desta atitude se os bodes tinham a mesma finalidade? Por que lançar sortes se os dois tinham o mesmo simbolismo e representavam a mesma pessoa?

      Excluir
    2. Os dois bodes, v. 5-10. Estes dois bodes eram oferecidos ao Senhor como sacrifício para fazer expiação pelo pecado. O pecado do povo foi confessado com as mãos sobre as cabeças dos dois bodes.
      Porque dois bodes? para mostrar a salvação que Jesus Cristo fez por nós. O primeiro bode simboliza o pecado sendo expiado. O segundo bode simboliza o pecado expiado sendo levado eternamente para não mais ser lembrado.

      O primeiro bode. Este fala do meio de fazer a expiação pelo pecado. Este bode foi sacrificado e o sangue dele foi levado logo e espargido sobre o propiciatório. O corpo deste bode foi levado fora do arraial e lá queimado com fogo. Isto ensina que o pecador só pode ser salvo pelo derramamento do sangue do Senhor Jesus Cristo. Há uma necessidade de satisfazer a justiça de Deus para que o pecador possa ser salvo. A justiça divina exige a morte do pecador por causa do seu pecado. Deus não pode deixar a sua justiça para salvar o pecador. Jesus Cristo sofreu e pagou a pena da justiça de Deus quando morreu e derramou seu sangue no lugar do pecador fora da cidade de Jerusalém.Hb.13:12-13.

      O Segundo bode. Fala do efeito de fazer a expiação pelo pecado. Este bode foi enviado ao deserto (a terra solitária) e lá deixado. Este bode representa o fato de que o nosso pecado foi levado e jogado no mar do esquecimento de Deus eternamente por causa da expiação pelo pecado que Jesus fez. Sl. 103:12. Hb. 10:17.

      Excluir
    3. Meus queridos,

      A questão não é porque dois bodes! As questões são:

      Por que um para YHWH e outro para AZAZEL? Qual a necessidade de identificar os animais, se os bodes tinham a mesma finalidade? Por que lançar sortes se os dois tinham o mesmo simbolismo e representavam a mesma pessoa? Como o texto hebraico suporta esta terminologia? Que parte tinha ele no Dia da Expiação (Yom Kippur)?

      Vocês conhecem a cultura judaica? Eu tenho grandes amigos judeus NÃO ADVENTISTAS, que esclareceram esse assunto pra mim de acordo com as mais confiáveis e autênticas obras primárias da cultura hebraica.

      Analisem bem isso:

      1) O bode para Jeová era degolado (v. 15); o de Azazel não era (v. 10).
      2) O sangue do primeiro era levado para dentro do santuário e fazia parte do ritual de expiação (vv. 15 e 16); o de Azazel não era, visto que continuava vivo.
      3) Após o serviço no santuário a gordura do animal sacrificado era queimada sobre o altar (v. 25); evidentemente o mesmo não se dava com o segundo.
      4) O sangue do que pertencia ao Senhor era capaz de limpar (vv. 15 e 16); o que pertencia para Azazel contaminava (v. 26).
      5) A expiação se dava somente com o primeiro; somente depois o segundo entrava em cena (v. 20).
      6) Foi somente o primeiro “cujo sangue foi trazido para fazer expiação no santuário”(v. 27); o segundo, para Azazel, lá nem sequer entrava.

      O bode cuja sorte lançada era atribuído a Azazel era deixado a morrer no deserto. Não há paralelos na História da Redenção em que Jesus, aquele que expiou nossos pecados, tenha sido ou há de ser deixado em um lugar desolado até morrer em algum momento da história deste mundo após o seu sacrifício na cruz. Isto já estava tipificado no primeiro bode que morreu imolado pelo sumo-sacerdote. Obviamente seria inadmissível atribuir uma segunda morte a Cristo Jesus!

      Vocês estão contra a teologia da História da Redenção de YESHUA em favor da humanidade, contra o Dia do Perdão, contra tudo o que a cultura judaica/hebraica acredita! Não compreendo em que teologia vocês se baseiam pra dizer que Azazel é um símbolo de Cristo! Sinceramente...

      Excluir
    4. Estimado Gabriel
      Desculpe-me pelo equívoco de colocar : AZAZEL, corrigindo: EZ AZEL, seguinifica : O Bode da partida, que leva embora. Esta foi uma das missões do Teu e meu Salvador

      Excluir
    5. Estimado Gabriel
      Desculpe-me pelo equívoco de colocar : AZAZEL, corrigindo: EZ AZEL, seguinifica : O Bode da partida, que leva embora. Esta foi uma das missões do Teu e meu Salvador

      Excluir
    6. Amigos, os bodes não poderiam ter defeitos, porque um era realmente para o Senhor, e a sorte era jogada sobre ambos.

      Então ambos tinham que ser sem defeito.

      E amigo Wilton, de onde o amigo tirou este negócio de mudar o nome de Azazel para EZ AZEL e onde foi que o amigo leu que este "EZ AZEL" significaria 'O Bode da partida'?

      Este tal EZ AZEL se encontra aqui:

      http://pt.wikipedia.org/wiki/Azazel

      Mas veja o que diz no início:

      "Azazel (em hebraico: עזאזל)[a] é o nome atribuído a um anjo, que seria encarregado da tarefa de levantar as faltas humanas e as enumerar perante o Tribunal Divino, durante o julgamento anual da humanidade."

      Puxa! Puxa! Que Puxa! Hein amigo Wilton!

      O amigo leu isto? Não é que era Satanás mesmo!?

      Basta dissolver este equívoco da cristandade que pensa que Azazel tinha uma função salvífica, quando o que a Bíblia nos diz é justamente o contrário.

      Pela história percebemos de que tinham plena consciência de quem se tratava aquele bode.

      Tirando-se então este engodo de que o bode não poderia representar satanás, usando a falha afirmação de que faria parte da expiação, não resta então dúvidas.

      Aquele bode era a figura do próprio demônio,

      "Havendo, pois, acabado de fazer expiação pelo santuário, e pela tenda da congregação, e pelo altar, então fará chegar o bode vivo.
      E Arão porá ambas as suas mãos sobre a cabeça do bode vivo, e sobre ele confessará todas as iniqüidades dos filhos de Israel, e todas as suas transgressões, e todos os seus pecados; e os porá sobre a cabeça do bode, e enviá-lo-á ao deserto, pela mão de um homem designado para isso.
      Assim aquele bode levará sobre si todas as iniqüidades deles à terra solitária; e deixará o bode no deserto."

      E veja que alguns traduzem "ez azel" por, o bode que escapa:

      http://www.johnpratt.com/items/docs/lds/meridian/2009/scapegoat.html

      "as "ez azel" the "goat" (ez) which "escapes" (azel)."

      E veja o que diz a Bíblia:

      "E, acabando-se os mil anos, Satanás será solto da sua prisão," (Apocalipse 20:7)

      Ué! Não é que o bode escapou mesmo!

      Excluir
  10. Estimado Gabriel
    Como cristãos sinceros, não podemos abrir mão no que a biblia nos ensina em todo seu contexto independente do que qualquer outra fonte queira nos dizer . A Palavra de Deus tem que ser a fonte, o alicerce de toda doutrina onde deve estar alicerçada nossa fé. Os judeus até hoje não reconheceram que o Senhor Jesus que nasceu da virgem há 2000 anos atrás é o Messias prometido. Eles tem lá suas explicações. E suas explicações só me servem de conhecimento, para compreender sua " ignorância " religiosa. Sei como Paulo , o Apóstolo , em quem tenho crido.
    Gabriel para teu esclarecimento leia, as postagens, para que não necessite ficarmos repetindo sempre as mesmas coisas. Temos que voltar aos princípios da Palavra e desconsiderar essas " novidades " diabólicas que querem roubar a glória do Salvador.

    Fontes bem Atualizadas mostram que o termo que deu origem ao nome próprio "Azazel", que ocorre no Texto massorético (texto utilizado pelos judeus modernos, que data da idade Média) é um erro de fusão de duas palavras, provada por antigas traduções que datam antes de Cristo como a Septuaginta (LXX), dando origem a uma interpretação exotérica judaica.É impressionante como a maioria dos comentaristas b´bíblicos desconhecem este fato:
    "O Texto Massorético indica um nome próprio, que, a parte dessa menção, é inteiramente desconhecido [nas Escrituras], Azazel, que os rabinos da Idade Média explicavam ser designação de um demônio peludo do deserto. Então Arão lançaria sortes por um demônio. Ora, não se faz inclusão do culto ou adoração de demônios em parte alguma da Tora, e não pode existir a mínima possibilidade de que tal culto surja aqui (e nos versículos seguintes deste capítulo [Lv16].A óbvia solução desse enigma encontra-se na separação das duas partes da palavra 'Azazel', de modo que fique ez azel, isto é, 'o bode da partida ou da demissão'. Noutras palavras, como o versículo 10 deixa bem claro, esse segundo bode deve ser conduzido para fora, ao deserto, para onde deverá encaminhar-se, e de modo simbólico, levar embora os pecados do povo de Israel, retirando-os do campamento do povo. É inquestionável que a LXX entendeu o versículo e o nome Azazel dessa forma,, ao apresentar a grafia to apopompaio (para o que for enviado para longe). De forma semelhante, a Vulgata traz capro emissário (para o bode que deve ser despedido). Assim, ao separarmos as duas palavras que foram indevidamente fundidas numa só no hebraico, passamos a ter um texto que faz sentido perfeito no contexto, sem fazer concessão a demônios, cujo exemplo não existe nas Escrituras. Noutras palavras, 'bode emissário' (KJV, NASB, NIV) é a verdadeira tradução a ser empregada, em vez de "para Azazel"(ASV, RSV) (Enciclopédia de Dificuldades Bíblicas, 1998, 2ª impressão, p.39 )

    Deus nos guarde de todo tropeço e herezia.
    Em Cristo
    Wilton

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro WILTON VILLOTE RODRIGUES,

      Respeitarei a sua opinião, porém, infelizmente, é impossível eu concordar com tamanha aberração teológica.

      Independente do povo judeu ter ou não reconhecido Yeshua como o Cristo, o tabernáculo e seu cerimonial sempre foi algo bem definido na cultura hebraica, logo, é totalmente incoerente aplicar esses "estudos" e "Fontes bem Atualizadas" para supostamente dar uma nova origem ao nome Azazel, sendo que isso não tem amparo histórico nenhum!

      Deus nos abençoe amigo!

      Em Cristo

      abs

      Excluir
  11. Não adianta dizer que Levítico mostra que ambos eram para expiação. Não adianta nada, pois todos os adventistas são fantoche de Ellen White... repetirão e trabalharão para que ela esteja certa em tudo...


    Fazer o que?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luciano,

      Gostaria que você apontasse alguma citação que eu, porventura, tenha mencionado EGW.

      abs

      Excluir
  12. Para encerrar, deixo aqui a opinião do senhor Samuel M. Zwemer (Igreja Presbiteriana) –“O demônio tem um nome próprio – Azazel. Ele foi expulso do Éden”. (Islam, a Challenge to Faith, p. 89)

    ResponderExcluir
  13. Gabriel, o que vcs procuram é apoiar Ellen White... citar ela vc sabe, seria dar a prova.

    Esse cabe cabeça de bagre presbiteriano não faz diferença alguma. Se vc citar um documento Reformado aí a situação mudaria de figura.

    Lamento, mas a insistência nesse tema me começa a dar suspeitas... qual o interesse de Ellen White colocar sobre satanás os pecados dos justificados...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem Luciano,

      baseado nas suas afirmações, devo dizer que EGW não é a inventora desse fato. Não tem relação alguma com EGW. Só se ela "inventou" ou foi fundadora do povo judeu, o que é ridículo.

      A base para essa teologia está na Bíblia à luz de seu contexto histórico e cultural.

      Em posts anteriores, eu citei várias fontes históricas à respeito desse assunto, assim como afirmei ter recebido tal conhecimento diretamente dos judeus. Em nenhum momento, foi necessário citar ou consultar algum escrito de EGW, pois é algo totalmente desnecessário.

      Em todo o caso, em toda a argumentação que eu fiz, não houve nenhuma resposta coerente ou baseada na hermenêutica bíblica. A única resposta foi que o nome "Azazel" seria um termo mal traduzido, argumento este baseado em uma única fonte totalmente suspeita.

      Sendo assim, visando um maior e melhor conhecimento para todos, refaço minhas questões com a esperança que alguém possa as responder de forma individual, lógica e coerente.

      1 - Por que um para YHWH e outro para AZAZEL?

      2 - Qual a necessidade de identificar os animais, se os bodes tinham a mesma finalidade?

      3 - Por que lançar sortes se os dois tinham o mesmo simbolismo e representavam a mesma pessoa?

      4 - Como o texto hebraico suporta esta terminologia?

      5 - Que parte tinha ele (Azazel) no Dia da Expiação (Yom Kippur)? (com fontes históricas primárias judaicas)

      6 - De acordo com os mais antigos e importantes registros históricos, qual é o significado do nome Azazel? (com fontes)

      7 - Biblicamente, qual é o requisito básico para que a expiação e remissão pelos/dos pecados sejam válidos verdadeiramente? (dica: Mat. 26: 28 - Lev 16:27)

      Com essas 7 questões respondidas à luz da Palavra de Deus, acredito que essa questão se torna clara.

      abs

      Excluir
    2. Você é que não mostrou NADA ao Bíblia que vincule o bode expiatório ao diabo...

      em TODA bíblia é Jesus o foco dessas demonstrações pedagógicas antigas, essa é a interpretação que o NT dá dos serviços expiatórios.

      Quem inventou essa aberração, sei lá quem foi, não faz diferença alguma... mas quem a introduziu no seio adventista foi aquela falsa profetisa, de sempre.

      Excluir
    3. Pelo contrário, o amigo é quem não mostrou algo na Bíblia que vincule o bode emissário à Cristo.

      Depois do sacrifício de Cristo na cruz, onde há o cumprimento desta parte onde ELE iria para o deserto, carregando todos os nossos pecados?

      Recapitulemos na história:

      Boa parte da cristandade, depois de ter passado pelo período da idade das trevas, adotou que o bode emissário seria Jesus.

      Porém, mais tarde, divulgou-se então entre a cristandade, de que segundo a tradição antiga:

      "Azazel (em hebraico: עזאזל)[a] é o nome atribuído a um anjo, que seria encarregado da tarefa de levantar as faltas humanas e as enumerar perante o Tribunal Divino, durante o julgamento anual da humanidade."

      http://pt.wikipedia.org/wiki/Azazel

      Daí apareceram afirmações do tipo:

      “O demônio tem um nome próprio – Azazel. Ele foi expulso do Éden”. (Islam, a Challenge to Faith, p. 89) (palavras de um presbiteriano)

      Para defender as suas crenças, estes cristãos, decidiram mudar o que está claramente escrito, a fim de dar um outro sentido para o nome do bode emissário a fim de supostamente desconfundi-lo da imagem de um demônio.

      Prque Azazel seria um nome dado a um demônio.

      Até aí tudo bem, eram apenas alguns israelitas afirmando com todas as letras bem como alguns cristãos cogitando esta possibilidade, de que o bode emissário era de fato Satanás.

      Então veio a Igreja Adventista e também a profetiza Ellen White, afirmando de que realmente se tratava de um bode demoníaco.

      Aí a coisa pesou! Porque já não era mais só judeus ou israelitas crendo nisto, ou alguns cristãos aqui e outros acolá, mas sim uma religião cristã inteira.

      Então ficou a dúvida: Será mesmo que Azazel seria um demônio, e se fosse, isto então significaria de que a cristandade da época estaria atribuindo à um demônio um papel expiatório.

      Resultado:

      Alguns espertinhos decidiram acusar aos adventistas de estarem atribuindo a um demônio um papel expiatório.

      Ou seja, em defesa, criaram uma mentira, e atribuíram a outrem, uma acusação que estava caindo sobre eles mesmo.

      A verdade: O bode emissário, realmente representava um demônio, satanás.

      A mentira: De que este bode emissário, teria alguma função expiatória.

      Desconstruindo então a falácia, chegamos à conclusão de que, são estes cristãos que atribuem um papel de expiação ao bode emissário, que representa satanás, é que precisam rever seus conceitos.

      Excluir
  14. Estimado Gabriel
    Jesus é Aquele que executou toda nossa expiação.
    Fique em Paz

    O Texto Sagrado é bem claro em Levítico 16.10 " Mas o bode sobre que cair a sorte para BODE EMISSÁRIO será apresentado vivo PERANTE O SENHOR, para fazer EXPIAÇÃO POR MEIO DELE e enviá-lo ao deserto como bode emissário.
    Esta claro que este bode fazia parte da expiação e foi apresentado perante ao Senhor. Ele fez parte de todo o ritual e tinha uma das funções de Cristo Nosso Salvador, o de levar embora, para longe nossos pecados, foi exatamente o que o Senhor Jesus fez, além de morrer por nossos pecados Ele tomou sobre si todas as nossas iniquidades, veja que este bode foi apresentado perante o Senhor foi entregue a o Pai, depois foi levado embora com nossos pecados.
    Colocaram este tal de AZAZEL em levítico 16 só para " azedar o molho" coisa mesmo de Satanás. Isto é coisa da idade Média , conforme a enciclopédia que só registra este fato para ajudar na compreensão antiga. Isto não é coisa nova. A novidade suspeita é os judeus exotéricos da idade Média., que inventaram que este bode seria para este demônio, misericórdia!
    Veja Gabriel que a tradução do hebraico para nossa língua fica corretamente desta forma:

    ez azel, isto é, 'o bode da partida ou da demissão'. Noutras palavras, como o versículo 10 deixa bem claro, esse segundo bode deve ser conduzido para fora, ao deserto, para onde deverá encaminhar-se, e de modo simbólico, levar embora os pecados do povo de Israel, retirando-os do campamento do povo.
    Exatamente o que Jesus fez por nós, seja Ele Glofificado e exaltado hoje e sempre, Amem!!!
    Em Cristo
    Wilton

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A palavra expiação neste verso de Levítico 16:10 apresenta o que chamamos de:

      Expiação (visão substitucionária)

      Ou seja, os bodes substituíam alguém!

      O bode para o Senhor, substituía o próprio Senhor e o bode para Azazel, substituía o próprio Azazel:

      Ou seja, o bode sacrificado representava a Cristo e o outro que permanecia vivo representava um demônio.

      A expiação era acompanhada da remissão de pecados, pelo derramamento de sangue do cordeiro.

      Então não confundamos expiação, com remissão de pecados. Embora a remissão de pecados faça parte das cerimônias de expiação, não são uma coisa só.

      Primeiro se faz a expiação (substituição) depois se faz a remissão de pecados (derramamento de sangue).

      Quando se faz apenas o trabalho expiatório (substituição), sem haver, por conseguinte, o derramamento de sangue, então não há remissão de pecados.

      Como exemplo:

      Se cristo não houvesse morrido na cruz, significaria que mesmo que ele fosse o substituto da humanidade, nosso pecados não poderiam ser redimidos, porque SEU sangue não haveria sido derramado.

      Indo para a ênfase que Cristo dava no derramamento de SEU sangue, percebemos de que sua obra da redenção só foi completa quando se cumpriu a prefigurativa cerimonial do derramamento do seu sangue.

      Se ao invés disto, cristo houvesse carregado sua cruz, passado o calvário e continuasse andando até chegar ao deserto, para morrer ali abandonado, isto não significaria que ele houvesse obtido sucesso, mas sim que haveria fracassado em sua missão.

      Porque sem derramamento de sangue não há remissão de pecados.

      Ou seja, não basta carregar os pecados, mas é preciso pagar por eles, com o próprio sangue.

      Dois bodes, dois substitutos, dois destinos. Um que levaria sobre si os pecados da humanidade, sendo imolado e pagando por eles.

      A morte do bode para o Senhor paga pelos pecados da humanidade, mas não redime Satanás da sua responsabilidade. O pecado de Satanás NOS SANTOS, não será perdoado.

      Seria que Deus perdoaria os santos pelos pecados que cometeram e de quebra perdoaria, também a satanás que levou os santos a cometerem estes pecados? É certo que não! Estes pecados serão lembrados, não para punir os santos, mas sim a satanás.

      Então os pecados são jogados sobre Satanás para ele ser punido, e não para que nossos pecados sejam perdoados, porque isto já foi feito, pelo bode que foi imolado para o Senhor.

      Satanás carregará esta carga de culpa, até o deserto dos mil anos, onde ficará isolado sem ter a quem tentar. O que ocorre após, isto, lemos no livro de apocalipse, porque o destino de Azazel no aspecto cerimonial, termina ali, quando o bode é abandonado no deserto, mas as revelações sobre o destino de Satanás não terminam ali, pois o livro de apocalipse dá continuidade.

      Para ver o que ocorre à partir dali, basta estudar a profecia dos mil anos.

      Excluir
  15. Amado do Senhor Gabriel
    Ve se fica claro : Este Bode chamado AZAZEL não tem nada a ver com o texto de Levítico 16 . O texto não fala nele e ele não tem nada a ver com este sacrifício de Lv. 16. Os dois bodes eram para a expiação, que é mencionado em todo o Capítulo 16.
    Este bode é outra estória ( ESSE TAL DE AZAZEL- BODE PELUDO). O de Lv. 16 não era AZAZEL e nem seria entregue para o demônio AZAZEL.
    O Significado de EZ AZEL é bode de partida , que tipificava o Senhor Jesus, tanto era que era sem defeito, os dois que foram apresentados ao Senhor. Deu para ver a diferença?
    Depois comentamos mais com ajuda de Luciano , Fernando, Luiz, Well, Oliveira, Paulo, e demais.
    Não percamos o foco, ou o assunto de vista,pois o inimigo, tentará desfocalizar, para que os amados adventistas e demais se percam nos embaraços da heresia deste tal de AZAZEL. Esta repreendido em Nome do Senhor Jesus, Amem!!!
    O Espirito nos ilumine
    Em Cristo
    Wilton

    ResponderExcluir
  16. Luciano Sena excelente vídeo sobre o adventismo lá no JMC fiquei mais convencido de que a IADS é uma seita, na verdade já tinha assistido mais quis aprender mais, mim manda o livro de Walter Rea A mentira Branca,meu email é bene0303@hotmail.com, um abraço, só uma coisa aonde eu acho a referência de que o pentecoste ocorreu no Domingo, pois li sua postagem sobre este assunto da guarda do domingo e achei interessante um grande abraço.

    ResponderExcluir
  17. Os adventistas erram muito na doutrina do santuário, relacionando o um dos bodes para o SENHOR e outro para SATANÁS.

    Porque TUDO ERA UM RITUAL DE ADORAÇÃO, não podendo ter a participação de NENHUM PERSONAGEM que não estivesse relacionado com Deus.

    Pelo sorteio QUALQUER dos dois bodes poderia ser para AZAZEl, o que torna inviável que um poderia ser a oposição do outro, já que AZAZEL no serviço de expiação EM SUA TOTALIDADE COMPLEMENTA A PARTE DO PRIMEIRO BODE.

    Também os pecados eram CONFESSADOS SOMENTE SOBRE O BODE PARA AZAZEL porque daí ele era levado para MORRER NO DESERTO sendo empurrado de um penhasco, para não correr o risco de ele VOLTAR COM OS PECADOS DO POVO.

    Trata-se portanto da REMISSÃO ou remoção dos pecados, que ocorreu na cruz, segundo hebreus 10:18, e que White falsamente afirma que começou em 22 de outubro de 1844.

    Além do mais os dois bodes eram INOCENTES, o que, de cara já tira a possibilidade de um deles ser Satanás.

    O sumo sacerdote não poderia ser Cristo, já que o sacerdócio de Cristo é o de MELQUISEDEQUE, e também o sacerdócio levitíco só poderia ser exercido pela SEMENTE, descendência de Arão.

    Cristo é da descendência da tribo de Judá, mesma do rei Davi, do qual a escritura não fala de sacerdócio.

    O sumo sacerdote não poderia representar Cristo pois tinha pecado e primeiro deveria fazer expiação por si e pela sua casa.

    Cristo não poderia usar as roupas do sumo sacerdote araônico reservadas apenas para os levitas descendentes de Arão; mas êrroneamente na literatura adventista, Cristo é representado usando as vestes do sumo sacertote araônico.

    Continua...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Porque TUDO ERA UM RITUAL DE ADORAÇÃO, não podendo ter a participação de NENHUM PERSONAGEM que não estivesse relacionado com Deus."

      Mais uma regra criada pelo amigo Paulo Cadi.

      Excluir
    2. Eu "crio" regras e vocês distorções.

      Excluir
  18. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  19. Segundo a errada aplicação da tipologia na escatologia adventista, o anttípico dia da expiação começou em 22 de outubro de 1844.

    Só que Cristo morreu na sexta-feira da Páscoa, em abril, há quase 2.000 anos atrás!

    No dia da expiação o bode morto por degolamento era sacrificado em outubro.

    Então se Cristo foi o CORDEIRO que tira o pecado do mundo, o CORDEIRO que foi morto desde a fundação do mundo, a nossa Páscoa, como afirma Paulo em 1Co.5:8, Cristo, em tipo, no ano litúrgico hebreu, não poderia ser sacrificado DUAS VEZES, ora como um cordeiro, e depois como um bode.

    Cristo em TODO o novo testamento é chamado de CORDEIRO e não de bode.

    Alías, nem poderia porque o bode pela sua natureza rebelde de maneira nenhuma poderia tipificar Cristo que quanto a sumissão ao Pai era o cordeiro de Deus.

    Estamos falando do messias sofredor e não do triunfante que vem como o "Leão da Tribo de Judá."

    Falando mais um pouco sobre AZAZEL afirmamos que Satanás não poderia ser um dos dois bodes (que à propósito deveriam ser o mais semelhante possível), como leremos em Números 18:9:

    "...Todas as sua ofertas com todas as suas ofertas de alimentos, e com TODAS AS SUAS EXPIACÕES PELO PECADO, E COM TODAS AS SUAS EXPIAÇÕES PELA CULPA, que me apresentarão; serão COISAS SANTÍSSIMAS para ti e para teus filhos."

    Segundo White, no livro "O Grande Conflito", os pecados confessados dos crentes "são pela fé COLOCADOS SOBRE CRISTO E TRANSFERIDOS PARA O SANTUÁRIO."

    Do santuário, os pecados dos crentes serão colocados sobre Satanás.

    Segundo essa heresia NÃO HOUVE REMISSÃO OU REMOÇÃO DOS PECADOS NA CRUZ, ou seja, Cristo morreu COMO CORDEIRO DA PÁSCOA e não como um dos dois bodes do dia da expiação e ainda por cima os pecados dos crentes que ele LEVOU SOBRE SI (como bode para AZAZEL, ou remoção), foram parar no santíssimo do santuário celeste SEGUNDO A ORDEM DE MELQUISEDEQUE que NADA TEM A VER com o ritual operado debaixo do sacerdócio araônico que é o fundamento da heresia do "juízo investigativo, para sempre remitidos ou removidos do santuário só quando forem colocados sobre Satanás, coisa completamente desconhecida do livro de apocalipse.

    No ritual do santuário a REMISSÃO OU REMOÇÃO dos pecados que de passagem NÃO ESTAVAM DENTRO DO SANTÍSSIMO, mas SOBRE o sumo sacerdote que se "livrava" deles quando os confessava sobre a cabeça do bode "PARA" AZAZEL, não podendo por isso Satanás ser AZAZEL, porque Cristo se livrou de nossos pecados, por seu purgamento na cruz do Gólgota, segundo hebreus 1:1-3 e inúmeros textos.


    A expiação começava com o sacrifício do primeiro bode e era COMPLETADA com a remissão ou remoção dos pecados pelo bode vivo.

    Levítico 16:10:

    "Mas o bode, sobre que cair a sorte para ser bode emissário, apresentar-se-á vivo perante o SENHOR, PARA FAZER EXPIAÇÃO COM ELE, afim de enviar ao deserto como bode emissãrio."

    A expiação só era terminada com o envio do bode emisssário ao deserto.

    Se a remissão tivesse ocorrido quando do sacrifício do bode para o SENHOR, não haveria necessidade de o sumo sacerdote CONFESSAR OS PECADOS de Israel sobre a cabeça do bode "PARA" AZAZEL, afim de efetuar a remissão de pecados.

    "PARA AZAZEL" significa, para remoção que era a função executada pelo bode vivo que também seria morto para não haver o risco de voltar trazendo os pecados do povo.

    Por isso que ele não era sacrificado, porque o bode morto sobre o altar não poderia simbolizar a remoção dos pecados.

    Por isso o bode vivo entrava em ação logo após a morte do primeiro bode, demonstrando que "sem derramamento de sangue, não há remissão de pecados", como afirma o livro de hebreus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esta questão sobre o dia da expiação bater com o páscoa, está devidamente explicada no episódio que saiu esta semana:

      http://novamenteadventistas.blogspot.com.br/2013/11/biblia-facil-daniel.html

      Excluir
  20. O sumo sacerdote entrava no santíssimo com o sangue de animais, Cristo entrou no SANTÍSSIMO CELESTE SEGUNDO A ORDEM DE MELQISEDEQUE, onde estão os vinte e quatro anciãos com o seu próprio sangue derramado na cruz.

    Ou seja, Cristo é o cordeiro da Páscoa, nas primicías ele ressucita, no pentecoste é o envio do Espírito Santo, no dia da expiação é Cristo entrando no SANTÍSSIMO CELESTE SEGUNDO A ORDEM DE MELQUISEDEQUE, assim como o sumo sacerdote araônico entrava no santíssimo no dia da expiação.

    Assim, querer deixar Cristo com seu próprio sangue no lugar santo, que de passagem NÃO ERA O LUGAR ONDE OFICIAVA O SUMO SACERDOTE é rebaixar e demais o seu sacrifício.

    Quer dizer que o sumo sacerdote araônico entrava como o sangue de um bode no MESMO DIA no SANTÍSSIMO lugar e Cristo com seu PRÓPRIO SANGUE TEVE QUE ESPERAR O ÊRRO de William Miller para adentrar o SANTÌSSIMO CELESTE?

    Parem com isso! Vocês sabatistas estão pisotendo em cima das escrituras para apoiar aquela falsa profetisa que recebeu suas revelações de seu "anjo guia", que minou e injetou toda a espécie de heresias que agora são espalhadas pelos ingênuos.

    Agora, segundo "essa" heresia, Cristo vai sair do santíssimo celeste e vai vir a terra impor as mãos sobre Satanás e confessar todos os pecados dos crentes.

    Quer dizer que os pecados dos crentes serem colocados "pela fé e de fato sobre Cristo" (assim afirma White), e de Cristo para santuário e do santuário para Satanás que terá a incumbência de removê-los não é heresia?

    Me mostrem onde está que o santíssimo arônico ficava cheio de pecados?

    Se ele ficava cheio de pecados é porque passava para lá através do oficio diário dos sacerdotes; além disto estar ERRADO o sumo sacerdote NÃO SE ENCONTRAVA LÁ mas só no dia da expiação é que ele "levava" os pecados do povo, por isso que primeiro ele tinha que fazer expiação por si e pela sua casa.

    Agora se Cristo LEVOU DE UMA VEZ POR TODAS OS NOSSOS PECADOS, que é o que a biblía ensina, o que ele ficou fazendo até 22 de outubro no santíssimo celeste?

    A escritura é claríssima ao afirmar que Cristo ATRAVESSOU O VÉU, AO SANTÍSSIMO CELESTE e sentou-se à destra de Deus esperando daí que seus inimigos sejam subjugados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Assim, querer deixar Cristo com seu próprio sangue no lugar santo, que de passagem NÃO ERA O LUGAR ONDE OFICIAVA O SUMO SACERDOTE é rebaixar e demais o seu sacrifício."

      Raciocínio errado, porque Jesus foi o cordeiro imolado, a ovelha muda levada ao matadouro, que foi humilhado e desprezado.

      Como sacerdote que humilhação há? A visão de Cristo sobre hierarquia é o inverso da nossa. Está escrito que o servo de todos é o maior no reino dos Céus.

      Também está escrito de que aqueles que se humilharem serão exaltados e aqueles que se exaltarem serão humilhados.

      Excluir
    2. Jesus é o cordeiro imolado ou o bode degolado no dia da expiação? Decidam-se.

      Excluir
  21. No penúltimo parágrafo onde diz:" ...fazendo até 22 de outubro no santíssimo celeste, ler..."fazendo até 22 de outubro no lugar santo."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estamos esperando que nossos irmãos dêem interpretações, passo a passo, assim como fazem os adventistas.

      Do que adianta dizer que algo esteja errado sem ter uma interpretação completa para apresentar em contraposição?

      Vamos apenas passar os dias a dizer de que os adventistas estejam errados?

      Qual é o certo? Milhares de anos que temos a Bíblia em mãos e será que o chamado Povo da Bíblia é o único que se aventura em dar uma interpretação a toda ela, do gênesis ao apocalipse, levando também em conta todas as profecias?

      Excluir
    2. A heresia de vocês já foi REFUTADA aí em cima.

      Não adianta dar interpretações ERRADAS do Gênesis ao Apocalipse.

      Demonstre pelas escrituras que vocês afirmam crer, que eu estou errado.

      Inclusive REFUTEI esta heresia que é o tema da postagem do PONTO DE VISTA DO ADVENTISMO, porque Cristo NADA TEM A VER COM O LIVRO DE LEVÍTICO que foi apenas uma pálida sombra dando testemunho da vinda do ETERNO SACERDÓCIO DE MELQUISEDEQUE.

      Eu não estou afirmando que os adventistas estão errados; quem afirma isto É A BIBLÍA, livro que em sua denominação é apenas um coadjuvante para sustentar as revelações trazidas a White, não pelo Espírito Santo, mas por seu "anjo guia" vindo das profundezas do inferno e se transfigurando em anjo de luz.

      Refute, se puder, o que escrevi. Mas com certeza não será com a biblía.

      Excluir
    3. Voltando ao assunto, a interpretação adventista acerca do bode emissário é bem mais ampla e consistente, se firmando em várias partes das escrituras, especialmente no apocalipse.

      Também tem apoio histórico, pois a história do próprio povo de Deus que testemunhou por si mesmos as cerimônias do dia da expiação, nos dão uma visão de quem seria Azazel.

      Pouco crédito podemos dar então à interpretações, que vieram de um período de trevas onde quase todo todo o conhecimento bíblico havia sido revogado durante a idade média.

      Não há embasamento Bíblico nem histórico para se afirmar de que Azazel se tratasse de cristo.

      Tudo que possuem são meia-explicações do tipo:

      A palavra está errada pois não poderia ser Azazel, mas sim Ez Azel. "tratava-se de cristo levando os pecados do povo para longe" (sem apresentar nenhuma sustentação bíblica para tal afirmação), ou que a expiação não teria acabado porque o sacerdote não trocou de roupa. E tem também aquela de que Azazel se trataria de um bode fujão.

      A interpretação adventista porém está firmada em uma ampla interpretação das escrituras e faz parte de um contexto de explicação sobre o dia da expiação.

      Azazel é ligado aos eventos de apocalipse sobre o abandono de Satanás por mil anos e todo o estudo do dia da expiação está embasado em profecias e também nos significados cerimoniais.

      Hoje é comum ver cristãos aceitando cada vez mais a doutrina de que há um santuário celestial, mas devemos nos lembrar de que foi o adventismo quem primeiramente adotou este ensinamento como uma das doutrinas fundamentais, sendo a igreja que foi construída com base nesta doutrina.

      E isto se tornou de maior conhecimento e aceitação após o período do reavivamento.

      O problema é que devido a haverem mais de 40 mil religiões professas cristãs, cada um encontra em sua própria religião, ensinamentos que não batem com o conhecimento recente acerca do santuário, dos significados cerimoniais e das profecias, por tantos anos desvinculada do conhecimento cristão.

      O que irmãos como o amigo Paulo Cadi faz então é tentar defender suas crenças pessoais, negando a verdade clara que lhes é apresentada.

      E fazem isto usando todo tipo de argumento e criando regras inválidas quanto ao conteúdo das escrituras.

      Muitos querem refutar o adventismo, mas nenhum destes se propõem a dar a verdadeira interpretação, porque não têm.

      (...)

      Excluir
    4. Ao estudarem as profecias e os aspectos cerimoniais, não encontram uma interpretação que se harmonize com suas crenças de então!

      Isto porque muitas das crenças da cristandade atual, não foram criadas levando-se em conta as leis cerimoniais, nem as profecias, e muitas, nem mesmo a lei.

      O adventismo porém não rejeita coisa alguma, nem a lei, nem as profecias, nem as representações cerimoniais, nem as questões históricas. Nem profetas, nem novas revelações da parte de Deus.

      Não há religião no mundo que pregue mais doutrinas do que a Igreja Adventista do Sétimo Dia e também não há outra religião que tenha sistematizada todas as doutrinas apresentadas pela Bíblia, juntamente com a interpretação de todas as profecias e a explicação de todos os significados presentes no cerimonialismo dado à Israel.

      E o desafio ainda está de pé, até hoje não se conseguiu fazer uma pergunta acerca da Bíblia à qual não se pudesse dar resposta.

      O conjunto de nossas doutrinas e estudo é capaz de dar explicação à qualquer coisa acerca da Bíblia. E já temos tudo sistematizado, não precisamos inventar coisa alguma.

      De modo que cada adventista é capaz de responder a mesma coisa sobre um assunto.

      O que é muito diferente de quando se junta estes outros 40 mil pertencentes às outras religiões e se pede para explicar certas doutrinas. Onde cada um dá uma explicação diferente.

      Então por que iríamos abandonar nossas crenças e nossas doutrinas para seguir este mar de religião?

      Bem faria se este mar de religião, pelo menos chegasse a um denominador comum em questão de crenças, interpretações e doutrinas.

      Sendo então que irmãos como Paulo Cadi e Luciano Sena se divergem entre si mesmos, por que nos preocuparíamos com o fato de se divergirem também em ralação a nós.

      Pois que então, primeiro cheguem em um consenso e à uma suposta verdade, daí então tentem refutar o doutrinariamento adventista.

      Se não conseguem concordar em si mesmos, como pretendem refutar aos adventista? Cada um trazendo uma interpretação mais errada do que o outro?

      Amigo Paulo Cadi por exemplo, pelo que lemos nos artigos do amigo Luciano Sena, que acredita de que a lei foi abolida...

      Perguntemos então ao amigo Luciano Sena, se esta doutrina de que os mandamentos foram abolidos se tratam ou não se tratam de uma heresia.

      Perguntemos se esta doutrina de que os ensinamentos da Bíblia devam passar pelo filtro das cartas de Paulo se tratam de uma verdade ou uma mentira.

      (...)

      Excluir
    5. Percebemos porém que não se atrevem a contradizer uns aos outros, mesmo cada um considerando a crença do outro uma heresia, então nestes casos respeitam a crença alheia preferindo o silêncio.

      Mas por que será que em se tratando de adventismo, não há como ficarem indiferente?

      A resposta é: Porque a verdade incomoda!

      As religiões, pregam cada um a sua própria verdade nas suas igrejas sem incomodar a outra. Tratam as disparidades como aceitáveis e cada um prega aquilo que bem entende em seu próprio endereço.

      O movimento de reavivamento veio para acabar com esta mornidão e esta complacência e tolerância desmedida para com o erro!

      Chega um ponto em que não dá para fingir que está tudo bem, tendo 40 mil denominações ditas cristãs cada uma pregando a sua própria interpretação pessoal acerca das Escrituras, onde cada um se sente confortável em crer no que bem entende.

      Mas ir contra esta situação confortável das 40 mil igrejas cristãs, parece, aos olhos de alguns como um crime.

      Felizmente aos olhos da maioria é visto como uma louvável e admirável atitude.

      Por isto a Rede Novo tempo tem muito mais admiradores e pouquíssimo opositores.

      O que vemos então aqui, em blogs como o do amigo Luciano Sena é uma reunião destes poucos, 1, 2,3 no máximo quatro, de insatisfeitos e que pretendem por si mesmos refutar as verdades que lhes são apresentadas e que lhes contradizem em suas crenças.

      Afirmam ainda que temos que refuta-los.

      Então vem a pergunta: -Por que teríamos que refuta-los?

      Não é esta a nossa intenção. A verdadeira intenção é mostrar a estes também a verdade, para que também voltem aos ensinamentos Bíblicos.

      Mas se não aceitam, pouco importa refuta-los. Basta então mostrar um ou dois erros em seus raciocínios e interpretações a espera de que percebam seus erros.

      O próprio Bíblia Fácil, por exemplo, já é uma refutação à inúmeras crenças da cristandade moderna.

      Justamente por causa disto, aparecem artigos como este aqui, onde alguns irmãos se sentem refutados e acham necessário defenderem suas crenças.

      Porém não fazem isto mostrando o vigor de suas próprias doutrinas, mas sim tentando derrubar a interpretação que lhes contradizem.

      (...)

      Excluir
    6. O adventismo não trabalha derrubando a fé alheia mas sim demonstrando a sua própria fé e o que conhece das escrituras.

      Por que o amigo Luciano Sena, não "contra-ataca" o adventismo mostrando a interpretação correta e completa, acerca da questão que estamos tratando, da forma como tem sido feita no Bíblia Fácil?

      Resposta: Não faz porque não tem como. Porque não tem tal coisa para apresentar.

      E quando tentam acaba acontecendo, o mesmo que ocorre com muitos estudiosos presbiterianos, que começam a descobrir de que as pregações adventistas estavam certas.

      Daí passam a aceitar doutrinas como o aniquilacionismo, rejeitar a imortalidade da alma, aceitar de que Azazel se tratava mesmo de satanás, de que existiam os sábados cerimoniais, citado em Colossenses2.

      Por isto lemos muitos livros de autores, estudiosos e teólogos presbiterianos, pois há excelentes estudos que nos ajudam a apoiar tais doutrinas verdadeiramente bíblicas.

      Quem dera o amigo Paulo Cadi e Luciano Sena fizessem o mesmo, estudando a fundo as doutrinas bíblicas, para enfim perceberem, como aqueles teólogos presbiterianos, de que estavam sinceramente enganados.

      Excluir
  22. Paulo Cardi, muito legal sua explanação. Ela fecha o cerco completamente sobre esse assunto e não dá margem para outra teoria. Abraço.

    ResponderExcluir
  23. Sr. Adventista
    Jesus é a nossa Paz
    O amado declarou: "Estamos esperando que os irmãos dêem interpretações, passo a passo, assim como fazem os adventistas."
    Sinceramente a interpretação passo a passo já foi dada e de forma bem clara para todos nós, que é o pensamento evangélico.
    Creio, sim, que os amados do Senhor devam analisar o que foi explanado com toda diligência analisando à LUZ DAS ESCRITURAS e se houver algum questionamento coloque passo a passo para que seja respondido dentro da explanação para uma conclusão consensual.
    Em Cristo
    Wilton

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O estimado amigo não entendeu. Não estava falando de opiniões, mas de estudos sistematizados, ou ao estilo daquele apresentado pelo Bíblia Fácil.

      Poderiam começar por exemplo mostrando um estudo que explique todo o livro de Daniel, com uma explicação diferente da adventista, para que pudéssemos contrapor. Já pedi tal coisa ao amigo Luciano Sena, mas até hoje, nada recebi. Dá até a impressão de que apenas a IASD é quem possui uma explicação completa acerca deste livro.

      Excluir
    2. A cristandade moderna, no geral, não se preocupa mais em dar interpretação à toda a Bíblia, mas tão somente à certas partes que contradizem suas crenças.Ou certas partes que sirvam para contradizer as crenças alheias.

      E pregam que isto é ensinar a Bíblia!

      Mas isto NÃO é ensinar a Bíblia, mas sim defender as próprias crenças.


      Excluir
  24. Sr. Adventista, eu venho de uma tradição teologica conhecida pelo nome de dispensacionalismo.

    O dispensacionalismo poussui uma escatologia completamente sistematizada, e com profundo embasamento nas profecias relacionadas ao tempo do fim.

    Concordo com você que está divisão da cristandade em milhares de seitas com certeza não foi a intenção de ne nosso Senhor Jesus Cristo quando orou pela UNIDADE de todos os crentes ao redor da palavra, como está em João 17.

    Só que você, como os testemunhas de jeová e mórmons par não mencionar outros grupos de menor expressão, partem da seguinte premissa;

    "Nós somos a igreja verdadeira, e o resto é Bablilônia."

    À partir daí vocês começam a desenvolver uma escatologia que IDENTIFIQUE vários textos biblícos com o SURGIMENTO de sua denominação a espalhar "luz" pelos quatro cantos da terra.

    Só que quando "tais" textos são análisados levando em conta a intenção do autor inspirado, chegamos a conclusão que as supostas evidências a favor da exclusividade de sua denominação em detrimento das outras, desaparece como poeira ao vento.

    Por exemplo:

    Os adventistas afirmam categóricamente que o povo do fim, o mesmo povo do profeta Daniel, que passará pela Grande Tribulação, também chamada de "Tempo de Angústia de
    Jacó" são os Adventistas do Sétimo Dia.

    Perguntamos:

    Se vocês são tão "biblícos" quanto pretendem, demonstrem pelas escrituras que o livro de Daniel é endereçado aos adventistas.

    Agora, a minha formação dispensacionalista diz OUTRA COISA.

    Daniel 9:20, vamos ler:

    "Estando eu ainda falando e orando, e confessando o meu pecado, e o pecado de MEU POVO ISRAEL, e lançando a minha súlplica perante a face do SENHOR, me Deus, pelo MONTE SANTO do meu Deus."

    Daniel 10:14, vamos ler:

    "Agora vim, para fazer-te entender o que há de acontecer ao TEU POVO nos DERRADEIROS DIAS; porque a visão é para ainda muitos dias."

    Daniel 12:1, vamos ler:

    "E naquele tempo se levantará Miguel, o grande princípe que se levanta A FAVOR DOS FILHOS DO TEU POVO, e haverá um tempo de angústiam qual nunca houve..."

    Qual é o povo de Daniel:

    Resposta: Daniel 9:20.

    Não a denominação conhecida como "Igreja Adventista do Sétimo Dia", que surgiu à partir de 22 de outubro de 1844 (êrro de William Miller ao espalhar o boato da vinda de Cristo para a data mencionada de 22 de outubro de 1844;antes tinha marcado para 1843), ainda que tenha se oficializado mais tarde.

    Alías, é só ler todo o capítulo 9 do livro do profeta Daniel para saber quem é o povo dele.

    Então os adventistas vieram aumenter o número de seitas já existentes para confundir mais ainda a mente dos incautos.

    Todas as seitas exclusivistas usam os mesmos clichês, chavões, argumentações, enfim NADA acrescentam a fé reformada a não ser sua literatura "inspirada" como se Deus não fosse capaz de na biblía condensar a revelação necessária para os crentes do novo testamento.

    O que o cristianismo tem produzido de mais qualidade em sua teologia, hinologia, artes, filosofia cristã mística, é o que o representa e não estas 40 mil seitas que surgiram bem depois e são uma vergonha para o evangelho.

    Os apóstolos falariam acêrca dos dias de grande apostasia que precederiam a vinda do Senhor, mas nunca falaram sobre movimentos "restauracionistas" que é o que mais pululam atualmente

    ResponderExcluir
  25. Na última linha: "...que são os que mais pululam atualmente."

    O ensinamento adventista tem sido refutado por textos positivos vindos das escrituras, ou seja, textos que NÃO DÃO MARGEM A OUTRA INTERPRETAÇÃO.

    As seitas se orgulham de afirmar que "este ano foram acrescentados milhares de membros", esquecendo-se de que no tempo de Noé também havia milhões e aquele HOMEM cheio do Espírito Santo, não uma DENOMINAÇÃO,
    não conseguiu sequer uma alma, salvo sua mulher, seus filhos e noras.

    O que mais as igrejas apóstatas modernas incluíndo os adventistas gostam, é de contar o aumento da membresía e tomam este sinal como benção de Deus, quando segundo Jesus é sinal de maldição, de falso evangelho que agrada o coração não regenerado.

    Deus não está nem aí para essas convenções, programações, grandes eventos e os cambau, promovidos por gerentes de empresas religiosas que é isto o que as denominações modernas se tornaram, inclusive os adventistas, denominação à qual pertence o tema da postagem.

    Já ouvi eles falarem que é inveja. Se eu tiver que ter inveja eu vou ter inveja de Lutero, Calvino, Agostinho, Joathan edwards etc, e não de um bando de canastrões que negam a palavra e ainda chamam os que condenam suas heresias de falso profeta, quando é sua profetisa que comete o sacrilégio de fazer Cristo continuar levando pecados sobre si, DEPOIS de ter ressucitado dos mortos em um corpo glorioso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O amigo desconsiderou o fato de a IASD representar uma Igreja surgida de um movimento de convergência de várias religiões. O oposto do que ocorreu com o protestantismo ao sair da Igreja Romana.

      Convergência de Batistas, metodistas, presbiterianos, católicos e várias outras denominações religiosas.

      Excluir
  26. Queria TANTO que minhas perguntas fossem respondidas de formas individuais e diretas. Mas ok, eu compreendo essa confusão.

    Deixo um conselho: estudem a história do santuário à luz da cultura judaica, pois afinal, é a cultura hebraica que está na Bíblia. Não se preocupem com EGW nem alguma outra literatura, apenas estudem a história! Pois isso já é suficiente para compreendermos o contexto. Tenham humildade para renunciar um pouco as próprias ideias e ir em busca de uma autêntica evidência na história.

    Deus nos abençoe e nos ajude a compreendermos melhor as verdades bíblicas!

    abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Suas perguntas já tem sido respondidas você é que não está compreendendo as respostas!

      Excluir
  27. Estimado Jovem Gabriel
    Tua vida é mui preciosa aos olhos do Senhor.
    Percebo que és zeloso nos estudos e interessado em estar na verdade. Procure vigiar com relação aos livros , que estás pesquisando e em outros que precisas pesquisar. Claro que todos poderão, te enriquecer no conhecimento, até para que num futuro, abençoar outras pessoas. fica ligado ao Trono da Graça. Os olhos do Senhor te acompanham , com chamas de fogo.
    Observe que o nome AZAZEL tem significado incerto, que no misticismo Judaico é nome de um demônio.
    O Talmude identifica como nome de um LUGAR;
    " A Interpretação RABINICA EM GERAL tem considerado que essa palavra designa O LOCAL onde o bode era enviado. Um deserto, um local abandonado ou um ponto elevado de onde o animal era atirado. " ( Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento Pag. 1099 )
    "O Conceito RABINICO era que a palavra designava a ÀREA onde o bode era solto, com um local ruím e desolado... "
    ( Enciclopédia da Bíblia Cultura Cristã Pag. 641 Vol.1 )
    Tanto o bode emissário mencionado em Levítico 16 não era Satanás, que ele tinha que ser sem defeito o mais semelhante possível ao outro, pois ambos seriam apresentados ao Senhor Deus de Israel, simbolizando perfeitamente o Senhor Jesus e Satanás não poderia fazer parte de nenhum ritual na TORA. veja querido Gabriel Lv. 17.7.
    Como já vimos em postagens anteriores o texto no Hebraico é EZ AZEL e NÃO AZAZEL, visto que o texto que tinha o termo AZAZEL é o MASSORÉTICO no qual foi inseridoas vogais na IDADE MÉDIA. Todas as versões ANTIGAS como a Septuaginta ( datada antes de Cristo ) entendem o texto como traduzido de EZ EZEL e não um nome próprio AZAZEL.
    Esta verdade que estou te postando é real analise mais a fundo sobre isto e Deus te esclarecerá ainda mais.
    Deus é contigo!
    Em Cristo
    Wilton

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O texto no Hebraico é Azazel.

      "palavra que talvez devesse ser vocalizada como ez azel"

      http://pt.wikipedia.org/wiki/Azazel

      Talvez devesse ser vocalizada? Não é nem traduzida, mas vocalizada?

      E... TALVEZ devesse?


      Outro ponto:

      Ez (que) Azel (escapa)

      Como ficaria na frase bíblica:

      Um bode para o Senhor e o outro para (que escapa).

      Sem sentido!

      A Bíblia já faz referência ao bode em "bode para Azazel"

      Se formos adotar Azazel como "bode fujão" teríamos então: "bode para bode fujão"

      Bode para o bode?

      Também não faz sentido.

      E veja o que este mesmo autor diz logo em seguinda acerca das possibilidades:

      ""Uma possibilidade final é considerar o vocábulo [Azazel} como a designação de um ser pessoal de modo a contrapor-se à palavra SENHOR . Neste sentido Azazel poderia ser um espírito maligno (Enoque 8:1; 10:4; 2 CR 11:15; Is 34:14; Ap 18:2 ou até mesmo o próprio demônio (KD. loc. cit.), numa oposição de antítese ao Senhor. NO entanto, as referências de Enoque a Azazel como um demônio dependem, sem dúvida alguma, da interpretação que o próprio autor desse livro faz de Lv. 16 e Gn 6:4" "Mas nessa passagem joanina também se percebe uma alusão ao bode emissário Esse fato é claramente visto nas palavras 'leva embora' (ARA, ´tira'; cf. 1 Jo 3:5 ) "

      No final das contas até mesmo os estudos desta perspectiva sobre a tal vocalização duvidosa assume a possibilidade de Azazel ser mesmo satanás.

      Então não há para onde correr querido amigo!

      Excluir
    2. Sr. Adventista
      O texto de 1 Jo. 3.5 Se refere ao Senhor Jesus. "... e nele não há pecado. "
      O livro de Enoque , que não é base para nossa fé, pois não faz parte do Canon. Para nós evengélicos é um livro histórico e o Azezel mencionado naquele livro não é o bode emissário mencionado em Levítico 16, como é provado pelo próprio contexto Escriturístico, o que já demonstramos. Procure ver com tua própria ótica, tirando os óculos do Adventismo e dos Judeus exotéricos da idade Média, que não tem como alicerçar suas interpretações nos textos originais e cópias fiéis das Santas Escrituras.
      As Igrejas Evangélicas ficam com estes: Septuaginta ( LXX), O Talmude e com a interpretação RABINICA EM GERAL, que considera que a palavra designa O LOCAL onde o bode era enviado. ( Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento P. 1099 ).
      O Espirito Santo te ilumine
      Wilton

      Excluir
  28. Sr. Adventista
    A Paz do Salvador

    Aproveitando o comentário do texto citado pelo amado do Senhor de 1 Jo.3.5. Solicito o mesmo que na página que estamos tratando deste assunto.
    "Obrigado por comentar
    Permita-me uma pergunta, qual tua contestação sobre a tradução de Strong, com relação ao versículo 5 de 1 Jo. 3 ?
    Em Cristo
    Wilton"

    Desde já agradeço
    Na graça de Cristo Jesus
    Wilton

    ResponderExcluir
  29. Boa tarde. Sr. Adventista vamos analisar melhor essa situação.
    Porque o povo de Deus enviaria um bode para Azazel, o povo de deus não sacrifica ao demônios, nosso sacrifício é inteiramente para o Senhor, hoje em forma de jejum, orações e dedicação em cumprir os seus mandamentos.
    Lev: 16. Aquele que soltar o bode para Azazel lavará as suas roupas e se banhará com água, e depois poderá entrar no acampamento.
    De certa forma esse versiculo não estaria indicando que o povo de deus estaia enviando uma oferenda a Azazel "anjo caido'"?
    Na biblia revisada encontramos a seguinte descrição:
    Lev 16: 26 E aquele que tiver levado o bode emissário lavará as suas vestes, e banhará a sua carne em água; e depois entrará no arraial.
    Em Levitico cap 13. Tudo aquilo que era impura era lançado fora do acampamento do povo de Israel, independente de qual impureza. Sobre o bode foram lançado os pecados, sendo assim esse bode estava impuro.
    Levitico 16: 5 a
    5 E da congregação dos filhos de Israel tomará dois bodes para expiação do pecado e um carneiro para holocausto.

    6 Depois Arão oferecerá o novilho da expiação, que será para ele; e fará expiação por si e pela sua casa.

    7 Também tomará ambos os bodes, e os porá perante o Senhor, à porta da tenda da congregação.

    8 E Arão lançará sortes sobre os dois bodes; uma pelo Senhor, e a outra pelo bode emissário.

    9 Então Arão fará chegar o bode, sobre o qual cair a sorte pelo Senhor, e o oferecerá para expiação do pecado.

    10 Mas o bode, sobre que cair a sorte para ser bode emissário, apresentar-se-á vivo perante o Senhor, para fazer expiação com ele, a fim de enviá-lo ao deserto como bode emissário.

    ResponderExcluir