segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

A assunção de Maria

"Celebra a Igreja Católica, no dia 15 de agosto, a ocasião em que Maria, terminado o curso da vida terrestre, foi assunta em corpo e alma à glória celestial. O dogma da assunção de Maria corporalmente ao céu foi proclamado pelo Papa Pio XII, no dia 1 de novembro de 1950, na Constituição Munificentíssimus Deus.

Dogma, explicam as autoridades católicas, é a palavra que encerra uma verdade de Fé, revelada por Deus (na Sagrada Escritura ou contida na Tradição), e que também é proposta pela Igreja como realmente revelada por Deus. Nesse caso se diz que o Papa “ex-cathedra”, quer dizer, que fala e determina algo em virtude da autoridade suprema que tem como Vigário de Cristo e Cabeça Visível da Igreja, Mestre Supremo da Fé, com intenção de propor um assunto como crença obrigatória dos fiéis católicos. A justificação desse dogma foi feita da seguinte maneira:

“Depois de elevar a Deus muitas e reiteradas preces e de invocar a luz do Espírito da Verdade para glória de Deus onipotente, que outorgou à Virgem Maria sua peculiar benevolência; para honra do seu Filho, Rei Imortal dos séculos e vencedor do pecado e da morte; para aumentar a glória da mesma augusta Mãe e para gozo e alegria de toda a Igreja, com a autoridade de nosso Senhor Jesus Cristo, dos bem-aventurados apóstolos Pedro e Paulo e com a nossa, pronunciamos, declaramos e definimos ser dogma divinamente revelado que a Imaculada Mãe de Deus e sempre Virgem Maria, terminado o curso da sua vida terrena, foi assunta em corpo e alma à glória do céu.”

O Novo Catecismo da Igreja Católica estabelece: “A Assunção da Santíssima Virgem constitui uma participação singular na Ressurreição do Seu Filho e uma antecipação da Ressurreição dos demais cristãos.” (966)

O Papa João Paulo II falando sobre a Assunção de Maria, explica esse dogma nos seguintes termos:

“O dogma da Assunção, afirma que o corpo de Maria foi glorificado depois de sua morte. Com efeito, enquanto para os demais homens a ressurreição dos corpos ocorrerá no fim do mundo, para Maria a glorificação do seu corpo se antecipou por singular privilégio”. (JP2-julho 97)

RAZÕES CATÓLICAS
Os católicos procuram justificar o dogma da Assunção Corporal de Maria com os seguintes argumentos:

1) Ensinam os líderes católicos que Maria é dita pelo Anjo Gabriel “cheia de graça” . Entendem então que Maria nunca esteve sujeita ao império do pecado. Sendo assim ela não conheceu a corrupção na sepultura, sendo glorificada não só na alma, mas também em seu corpo.

Resposta Apologética: A tradução “cheia de graça”, na saudação do anjo Gabriel, não é tradução correta. Na verdade, Maria foi saudada pelo anjo com a expressão, "Salve, agraciada..." (LC 1:28) Maria não foi cheia de graça mas foi altamente favorecida por Deus por ter sido escolhida para ser mãe de Jesus. A graça e a verdade vieram por Jesus Cristo. "Porque a lei foi dada por Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo." (João 1:17)

Nós, como pecadores, precisamos de um Salvador que é Jesus. Ora, o cântico de Maria dá margem a admitir-se que ela reconheceu sua condição de igualdade com todos os demais seres humanos pecadores (Romanos 5:12). Ela chamou a Deus seu Salvador: "Disse então Maria: A minha alma engrandece ao Senhor, E o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador; Porque atentou na baixeza de sua serva; Pois eis que desde agora todas as gerações me chamarão bem-aventurada," (Lucas 1:46-48)

Maria declara ser Deus seu Salvador. Ora, quem precisa de Salvador é um pecador. Era o caso de Maria, incluindo-se na condição de todos os seres humanos (Romanos 3.23) Não disse que ela era senhora. Disse ser uma serva de Deus.

2) Dizem mais os católicos que a carne da mãe e a carne do filho são uma só carne. Ora, continuam, Maria é mãe de Jesus, que foi glorificado em corpo e alma após ter morrido. Conseqüentemente, deve ter tocado a Maria a mesma sorte gloriosa a Assunção de Maria.

Resposta Apologética: Embora a natureza humana de Jesus em tudo fosse idêntica a de Maria, pois Jesus sentia fome, sede, sono, etc., a forma da geração do corpo de Maria e Jesus são diferentes. O dogma da imaculada conceição de Maria não é bíblico. Se ela fosse realmente imaculada na sua conceição, o mesmo teria que ocorrer com seus pais e daí para toda sua descendência. Não é o caso de Jesus que foi concebido no ventre de Maria pelo Espírito Santo. O próprio anjo Gabriel ao anunciar o nascimento de Jesus face à admiração de Maria de como isso aconteceria, o anjo Gabriel explicou:

" Maria, não temas, porque achaste graça diante de Deus. E eis que em teu ventre conceberás e darás à luz um filho, e pôr-lhe-ás o nome de Jesus. E disse Maria ao anjo: Como se fará isto, visto que não conheço homem algum? E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus." (Lucas 1:30,31,34,35); "Por isso, entrando no mundo, diz: Sacrifício e oferta não quiseste, Mas corpo me preparaste;" (Hebreus 10:5). Jesus foi concebido pelo Espírito Santo e não tinha natureza pecaminosa. Diz a Bíblia: "Porque nos convinha tal sumo sacerdote, santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores, e feito mais sublime do que os céus." (Hebreus 7:26).Maria, concebida por seus pais humanos, herdou natureza pecaminosa como todos os seres humanos (Salmos 51.5)

CONTROVÉRSIA SOBRE A MORTE DE MARIA

Há uma controvérsia sobre dentro do catolicismo sobre se Maria foi assunta ao céu sem morrer ou se morreu e foi ressuscitada. Alguns líderes afirmam, “Encerrado o curso de sua vida terrestre, foi assumida...” Já a tradição afirma que Maria morreu e aponta o seu sepulcro em Jerusalém, assim como o lugar em que teria morrido. Do seu sepulcro foi assunta ao céu em corpo e alma.

O QUE DIZ A BÍBLIA

A Bíblia omite qualquer informação sobre a morte de Maria e de sua ascensão ao céu em corpo glorificado. O último registro sobre Maria é encontrado em Atos 1:13-14: "E, entrando, subiram ao cenáculo, onde habitavam Pedro e Tiago, João e André, Filipe e Tomé, Bartolomeu e Mateus, Tiago, filho de Alfeu, Simão, o Zelote, e Judas, irmão de Tiago."
Todos estes perseveravam unanimemente em oração e súplicas, com as mulheres, e Maria mãe de Jesus, e com seus irmãos."

Registra a Bíblia o arrebatamento de dois personagens: Enoque e Elias.

Sobre Enoque diz a Bíblia: "E andou Enoque com Deus; e não apareceu mais, porquanto Deus para si o tomou." (Gênesis 5:24); "Pela fé Enoque foi trasladado para não ver a morte, e não foi achado, porque Deus o trasladara; visto como antes da sua trasladação alcançou testemunho de que agradara a Deus." (Hebreus 11:5)

Sobre Elias, a Bíblia registra: "E sucedeu que, indo eles andando e falando, eis que um carro de fogo, com cavalos de fogo, os separou um do outro; e Elias subiu ao céu num redemoinho." (II Reis 2:11)

A ASCENSÃO DE JESUS

Durante o seu ministério na terra Jesus por várias vezes se referiu à sua morte e sua ressurreição:

"Desde então começou Jesus a mostrar aos seus discípulos que convinha ir a Jerusalém, e padecer muitas coisas dos anciãos, e dos principais dos sacerdotes, e dos escribas, e ser morto, e ressuscitar ao terceiro dia." (Mateus 16:21)

"Jesus respondeu, e disse-lhes: Derribai este templo, e em três dias o levantarei. Disseram, pois, os judeus: Em quarenta e seis anos foi edificado este templo, e tu o levantarás em três dias? Mas ele falava do templo do seu corpo. Quando, pois, ressuscitou dentre os mortos, os seus discípulos lembraram-se de que lhes dissera isto; e creram na Escritura, e na palavra que Jesus tinha dito." (João 2:19-22).

O relato sobre a ascensão de Jesus é registrado em Atos 1.9-11, que diz: "E, quando dizia isto, vendo-o eles, foi elevado às alturas, e uma nuvem o recebeu, ocultando-o a seus olhos. E, estando com os olhos fitos no céu, enquanto ele subia, eis que junto deles se puseram dois homens vestidos de branco. Os quais lhes disseram: Homens galileus, por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir."

Estevão o viu como o Filho do Homem. A expressão “Filho do Homem” se refere à natureza humana. "E disse: Eis que vejo os céus abertos, e o Filho do homem, que está em pé à mão direita de Deus." (Atos 7:56); "Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até ao ocidente, assim será também a vinda do Filho do homem." (Mateus 24:27); "Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem; e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão o Filho do homem, vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória." (MT 24:30).

Alguns anos mais tarde, João relata no Apocalipse 1.13-18 a aparição de Jesus glorificado lá no céu: "E no meio dos sete castiçais um semelhante ao Filho do homem, vestido até aos pés de uma roupa comprida, e cingido pelos peitos com um cinto de ouro. E a sua cabeça e cabelos eram brancos como lã branca, como a neve, e os seus olhos como chama de fogo; E os seus pés, semelhantes a latão reluzente, como se tivessem sido refinados numa fornalha, e a sua voz como a voz de muitas águas. E ele tinha na sua destra sete estrelas; e da sua boca saía uma aguda espada de dois fios; e o seu rosto era como o sol, quando na sua força resplandece. E eu, quando vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não temas; Eu sou o primeiro e o último; E o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno."

O ARREBATAMENTO DA IGREJA

O apóstolo Paulo relata a esperança do arrebatamento da Igreja baseado na ressurreição do próprio Jesus e de sua ascensão ao céu. Diz ele, "Mas de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos, e foi feito as primícias dos que dormem." (I Coríntios 15:20). Com base nesta declaração ele fala como se dará a nossa glorificação. "Mas a nossa cidade está nos céus, de onde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, Que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas." (Filipenses 3:20,21)

*Qual a diferença entre assunção e ascensão?

A palavra “assunção” tem o sentido de ser elevado a um cargo ou dignidade. Na liturgia da Igreja católica, a festa da assunção de Maria celebra o recebimento da Virgem Maria no Céu, em corpo e alma, ou seja, Maria é elevada a uma dignidade única em toda a história da humanidade, uma dignidade que nenhum outro ser humano ainda a teve.

Ascensão é o ato de subir, elevação. Na liturgia da Igreja Católica, a Ascensão de Jesus é a celebração de sua volta aos céus, ao Pai, do qual veio, em corpo e alma, diante dos apóstolos.


Porém, popularmente, se diz que a “ascensão” é subir pelas próprias forças — referindo-se a Jesus, que é Deus; e “assunção” é ser elevado por outro — no caso de Maria, um ser humano, levada ao Céu por anjos."

11 comentários:

  1. Eu gostaria de saber o por que que a igreja católica prega tanto sobre Maria, sendo que ela foi um instrumento usado por Deus para trazer seu filho Jesus até nós em carne e osso e ponto. Pra que ficar endeusando-a? Como se a igreja católica sem Maria não fosse nada, que a Trindade não é nada, aff...

    Luciano Sena, você é um dos palestrantes que fala sobre o adventismo no seminário Jmc? Vi hoje o vídeo e gostei muito, glórias a Deus, precisamos de mais reverendos reformados que nos ajudem em apologética, fique com Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda é difícil entender por que o catolicismo se desviou tanto... continuemos divulgar a verdade por amor aos que ali estão.

      (* Foi eu, continue orando...)

      Excluir
    2. Será mesmo difícil entender?

      Posso lhe indicar um livro que lhe ajudará a entender direitinho. Seu título é:

      O Grande Conflito

      http://www.cpb.com.br/produto-1299-o+grande+conflito+brochura.html

      Excluir
  2. Porque atentou na baixeza de sua serva; Pois eis que desde agora todas as gerações me chamarão bem-aventurada," (Lucas 1:46-48), é se cumpriu o que mãe de Jesus falou em que todas as gerações lhe chamaria de Bem-Aventurada inclusive ocorreu em sua própria geração, aonde uma mulher lhe chamou de Bem-Aventurada(LC11.27-28), mais bom deixar claro que Jesus afirmou que haveria pessoas mais Bem-Aventuradas do que sua mãe, algo que os romanistas não percebem.

    ResponderExcluir
  3. Estimados comentarístas
    O Santo Espirito nos ilumine
    Todos os verdadeiro servos de Deus glorificam à Deus pela vida de Maria mãe de Jesus. Sabemos o lugar dela no cumprimento das Escrituras, porém reconhecemos também que ela nos ensinou como serva de Deus muitas lições preciosas registradas na Bíblia Sagrada.
    Infelizmente a igreja romana deixou entrar em seu coração o mesmo que os Israelitas do passado, o espirito de idolatría; que ao invés de adorar o criador por todos os seus feitos através de seus servos, adoraram a criatura, fazendo destes seus ídolos, como que os milagres e maravilhas realizados pela instrumentalidade de seus servos, fossem pelos méritos ou santidade dos mesmos e não se apercebem que tudo aconteceu para a Glória do Altíssimo Deus em Nome do Senhor Jesus. Até o próprio Pedro reclamou esta adoração ou veneração, quando da cura do coxo na porta formosa do templo.
    Conforme sabemos por revelação do Senhor Jesus, quando em vida terrena, que não há consciência por parte dos que aguardam no Paraíso a ressurreição, do que esta acontecendo aqui na terra NO QUE SE REFERE A ESTE ESTADO DE IDOLATRIA QUE O MUNDO ESTA VIVENDO, senão com certeza eles sofreriam, pois tinham consciência que Deus não divide Sua Glória com NINGUÉM.
    Estão consciente de tudo que é bom e traz gozo as suas almas. Suas almas estão em gozo, ainda que limitado, aguardando o objetivo fim , que é a ressurreição dos seus corpos glorificados.
    Infelizmente a igreja romana idolatram os santos mortos , que aguardam a ressurreição e uma parte da igreja evangélica idolatram os "santos vivos ". Aqueles que não são assiduos a Casa do Pai, mas quando sabem que um determinado cantor ou cantora " Gospel " estará presente , ou " um mensageiro " " famoso " também, não medem esforços para estar presentes no local do " culto ". Espero ser compreendido, mais é assim que tenho contemplado a realidade de muitos.
    Que Deus nos guarde de todo tropeço.
    Em Cristo
    Wilton

    ResponderExcluir
  4. II TIMÓTEO 2
    25 Instruindo com mansidão os que resistem, a ver se porventura Deus lhes dará arrependimento para conhecerem a verdade,
    26 E tornarem a despertar, desprendendo-se dos laços do diabo, em que à vontade dele estão presos.

    Essa é sua luta irmão Luciano Sena, e de alguma forma a nossa também.

    ResponderExcluir
  5. Vou ler de novo esse gibi...


    Essa foi boa, kkkkkk....

    ResponderExcluir