segunda-feira, 3 de setembro de 2012

A proibição de comer sangue é válida para os cristãos hoje?

Esse assunto é 'controverso'. Atos 15.29 realmente proíbe comer sangue como alimento? O texto diz: "Que vos abstenhais das coisas sacrificadas aos ídolos, e do sangue, e da carne sufocada, e da prostituição, das quais coisas bem fazeis se vos guardardes. Bem vos vá."



Prefiro pensar que sim, mas algumas observações precisam ser ressaltadas. David Reed, ao objetar a proibição de transfusão de sangue por parte das Testemunhas de Jeová (o que não é o foco aqui) destaca o que nos interessa agora:

 
“... a igreja primitiva tratava esta carta apostólica como uma determinação permanente? Obviamente, a idolatria é permanentemente proibida, mas e a respeito dos outros preceitos mencionados na carta? E a respeito de se oferecer carne aos ídolos? Paulo discutiu este assunto demoradamente em sua Primeira Carta aos Corín¬tios, indicando que "um ídolo nada é" e que "não somos piores se não comermos, nem melhores se comermos". Ele argumenta con¬tra comer tal carne, quando isto se torne um obstáculo para os novos crentes que apenas recentemente abandonaram a adoração idólatra. (Veja 1 Cor. 8:1 13.) Mas, geralmente, os cristãos são li¬vres para comer "de tudo quanto se vende no mercado, nada per¬guntando por causa da consciência" e para comer "de tudo o que puser diante de vós" na casa de incrédulos (I Cor. 10:25 27). Desse modo, a parte da carta de Atos 15 que se refere a carnes oferecidas aos ídolos não deve ter sido vista como uma determinação permanente para a igreja. Não existem fundamentos, então, para se afirmar que a declaração acerca do sangue tem força hoje também.”


Observando a proposta dele, acredito que não teríamos problemas quando compramos um produto que tem seu nome dedicado a algum ídolo. Em época de festas juninas, os ‘Sãos’ recebem destaques em alimentos peculiares (milho, amendoim, doces, etc).

 
Porém, o fato é que o sangue não recebeu atenção posterior dos Apóstolos lançando mais luz sobre o tema, como fez Paulo sobre os alimentos.

 
O que você acha?

11 comentários:

  1. Graça e paz do SENHOR aos irmãos do blog...

    Creio que não. Isso porque o sangue, como mostrado em levítico 17, foi utilizado por Deus como símbolo da presença de vida no ser vivo. Um símbolo é uma demonstração com uma função pedagógica, o ensino de uma realidade mais profunda (Hb: 10.1). E, como no culto israelita, o que mais se usava era sangue, Deus requeria deste povo um respeito por este elemento.

    Entretanto, a utilização do sangue em rituais litúrgicos não era uma prática exclusivamente israelita. Diversas religiões pagãs também se utilizavam da prática. E, creio eu, que é nesse sentido que os apóstolos advertiram no concílio em Jerusalém. Tanto que as três práticas mencionadas: imoralidade sexual, sacrifício por sufocamento e utilização pérfida do sangue fazia parte das liturgias pagãs. Logo, penso que a ordenança em Atos está ligada à idolatria, e, não necessariamente, ao sangue como regra dietética.

    Que Deus abençoe a todos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paz de Deus a todos! O sangue em levítico 17 está ligado sómente e tão sómente ao ensinamento pedagógico de assassinato, inclusive na questão de matar para se comer. Se não for para servir de comida, o animal não pode ser morto. Andre Chouraqui, judeu, prefeito de Jerusalem na década 50, teólogo reconhecido no mundo inteiro, comentárista da Torá, dos 4 evangelhos e do Alcorão, nos trás essa informação da qual muitos outros grandes teólogos compartilham. Russel Shed também compartilha da mesma compreensão. Paz de Deus a todos.

      Excluir
    2. O seu comentário fará parte do desenvolvimento do assunto...

      abraços

      Excluir
    3. sr , gostaria de comentar algo que li no site sobre testemuna de Jeova , pois sou uma delas e fiquei imprecionado com o tanto de paginas destinadas a nós na tentativa de mostrar que somos uma seita , pois bem fala se muito do fato de sermos falsos profetas por causa dos equivocos com relaçoa a algumas data que vc ja sabe , o que vc me diz sobre o livro "Armadom agora publicado nos 40 ?um livro da assembleia de deus dos eua , e tambm os profetas atuais com morris cerulo entre outro porque nao escreve algo sobre isso ?

      Excluir
  2. Ok Irmão Felipe.

    Uma questão: A imoralidade é pecaminosa, em relação ao ato em si ou aos cultos imorais?

    ResponderExcluir
  3. Aos dois... não obstante, a sentença do concílio está se referindo, NAQUELE MOMENTO, a questões ligadas aos rituais pagãos. Tanto que a sentença do concílio começa proibindo as "coisas sacrificadas aos ídolos"... por que não considerar as outras especificações ligadas à idolatria?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nesse caso a imoralidade(deste caso!) seria nessa direção?!?!

      pensarei sobre isso...

      Excluir
  4. A proibição quanto ao sangue se dá por motivos de saúde. Fazendo mal antigamente, também fará nos dias de hoje.

    A proibição quanto à coisas sacrificadas, se dá por motivo de consciência cristâ. Hoje, quando os cristão estão esclarecidos quanto ao assunto:

    "Assim que, quanto ao comer das coisas sacrificadas aos ídolos, sabemos que o ídolo nada é no mundo, e que não há outro Deus, senão um só." (1 Coríntios 8:4)

    Portanto não acarretará em:

    "Mas vede que essa liberdade não seja de alguma maneira escândalo para os fracos." (1 Coríntios 8:9)

    Atenciosamente.

    ResponderExcluir
  5. Sr Adventista, de fato o tema é polêmico, agradeço a observação.

    O sangue faz mal?

    ResponderExcluir
  6. Se ingerir sangue tem conotações simbólicas, pedagógicas ou ritualísticas de forma negativa, então na Nova Aliança Jesus fez uma analogia em cima do erro por ocasião da santa ceia??? "Este é o meu corpo... comei dele... este é o meu sangue, bebei..."

    ResponderExcluir
  7. Pelo que parece o objetivo dessa Lei era ensinar aos israelitas o princípio de que a vida pertence somente a Deus e que ela deve ser respeitada. Na Nova Aliança, algumas ordenanças da Lei foram anuladas: "[Jesus desfez a inimizade] anulando em seu corpo a Lei dos mandamentos expressa em ordenanças. O objetivo dele era criar em si mesmo, dos dois, um novo homem, fazendo a paz,"(Ef2.15) Quando os fariseus indagaram Jesus, sobre seus discípulos comerem sem lavar a mão, Ele declarou: “Não é o que entra pela boca que contamina o homem; mas o que sai da boca, isso é o que o contamina.” (Mt15.11). “E ele disse-lhes: Assim também vós estais sem entendimento? Não compreendeis que tudo o que de fora entra no homem não o pode contaminar, Porque não entra no seu coração, mas no ventre, e é lançado fora, ficando puras todas as comidas?” (Mc7.18-19). Ao falar sobre as carnes sacrificadas aos ídolos, escreveu o apóstolo Paulo: “Não é, porém, a comida que nos há de recomendar a Deus; pois não somos piores se não comermos, nem melhores se comermos.” (1Co8.8) “Eu sei, e estou certo no Senhor Jesus, que nada é de si mesmo imundo a não ser para aquele que assim o considera; para esse é imundo.” (Rm14.14). “[homens mentirosos] Proibindo o casamento, e ordenando a abstinência de alimentos que Deus criou para serem recebidos com ações de graças pelos que são fiéis e que conhecem bem a verdade; pois todas as coisas criadas por Deus são boas, e nada deve ser rejeitado se é recebido com ações de graças; porque pela palavra de Deus e pela oração são santificadas.” (1Tm4.3-5). À Igreja em Colosso o apóstolo advertiu: “Ninguém, pois, vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa de dias de festa, ou de lua nova, ou de sábados, que são sombras das coisas vindouras; mas o corpo é de Cristo.”(CL2.16-17). Tais passagens indicam que os cristãos não estão mais sujeitos a restrições alimentares, embora manter uma alimentação saudável ainda seja importante para os crentes (1Co10.31). Ainda que nem todas as ordenanças da Lei continuem sendo obrigatórias, cada princípio moral, ético e subjacente por trás de cada uma dessas ordenanças ainda continua válido. Quanto ao comer carne com sangue o princípio que fica para nós é o do respeito à vida (Mt5.17-18). Provavelmente os apóstolos ordenaram os cristãos a se abster dessa prática por ser consideradas ofensivas aos judeus (v.29). Romanos 14 e 1 Coríntios 8 reforçam a interpretação de que as restrições alimentares de Atos 15 tinham esse propósito.

    ResponderExcluir