terça-feira, 1 de março de 2016

Avaliação Teológica do “Neo-Trinitarianismo” Adventista

Avaliação Teológica do “Neo-Trinitarianismo” Adventista

Autor: Ev. Luciano Sena

INTRODUÇÃO
Esse texto tem por objetivo fazer uma apresentação e comparação da doutrina trinitariana adventista, com a doutrina cristã clássica, conforme biblicamente exposta nos credos cristãos ortodoxos. Conto que os leitores já tenham a noção cristã da trindade – se não, que façam antes de ler esse artigo, ou logo depois. Em uma obra teológica, ou mesmo, o Credo Atanasiano.

Dado a importância do tema, bem como toda a sua complexidade, ele necessariamente precisa ser extenso e minucioso. Deve ser dito que, apesar de que a doutrina da Trindade seja um assunto de consenso entre as igrejas cristãs protestantes e evangélicas (sejam elas arminianas, calvinistas, pentecostais ou independentes), o autor desse texto é um Cristão Reformado Confessional, membro da Igreja Presbiteriana do Brasil, e escreverá com esse viés. Que Deus nos fortaleça na defesa da verdade (Dt 6.4,5; Mt 28.19; Jd 4).

Não apresentarei nesse artigo, nenhuma discussão de outras doutrinas da religião em mira, a não ser, os assuntos diretamente correlacionados, a divindade de Cristo e a personalidade do Espírito Santo. Outros temas, se necessário for, só serão mencionados. E mesmo a história que permeia o desenvolvimento da doutrina, não será explorada extensivamente. Esse artigo tem por objetivo central avaliar a doutrina trinitariana adventista, como hoje é explicada pelos seus teólogos.

Espero que esse texto mostre definitivamente, que não é possível compartilhar da comunhão cristã trinitariana, com essa religião. Ela deve continuar sendo considerada uma seita, soba perspectiva da principal doutrina cristã, isto é, a doutrina de Deus.

I. MUITOS ESTÃO ENGANADOS

Esse artigo se faz necessário, pois muitos acham que a doutrina da trindade é compartilhada pela Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD).O renomado autor Reformado, Antony Hoekema, tendo em mãos as informações das doutrinas oficiais dessa igreja, afirmou:

A denominação [IASD] compartilha com os demais grupos evangélicos doutrinas como as da trindade, da divindade de Cristo, da obra expiatória de Cristo e de sua segunda vinda.” (Novo Dicionário de Teologia, p. 36 [grifo acrescentado]).1

Porém, esse mesmo escritor escreveu uma obra em inglês intitulada As Quatro Principais Seitas (1963), onde defende que o grupo é uma seita. No mesmo verbete no livro citado acima, ele afirma categoricamente que

“[...] a doutrina da igreja remanescente, que permanece como um ensino oficial adventista, parece tornar difícil, senão impossível, sua identificação com as correntes evangélicas.” (Ibidem, p. 37 [grifo acrescentado]).

Esse conceito de A. Hoekema a respeito da doutrina adventista da trindade, pode ser considerado representativo de muitos outros. Por qual motivo? Primeiro porque o documento oficial de doutrinas trás consigo uma afirmação clara da crença na trindade e suas explicações ali, parecem ser, satisfatórias.

“2. A Trindade. Há um só Deus: Pai, Filho e Espírito Santo, uma unidade de três Pessoas coeternas. Deus é imortal, onipotente, onisciente, acima de tudo e sempre presente. Ele é infinito e está além da compreensão humana, mas é conhecido por meio de Sua auto-revelação. Para sempre é digno de culto, adoração e serviço por parte de toda a criação. (Deut. 6:4; 29:29; Mat. 28:19; II Cor. 13:13; Efés. 4:4-6; I Pedro 1:2; I Tim. 1:17; Apoc. 14:6 e 7).
3. Deus Pai - Deus, O Eterno Pai, é o Criador, o Originador, o Mantenedor e o Soberano de toda a criação. Ele é justo e santo, compassivo e clemente, tardio em irar-Se, e grande em constante amor e fidelidade. (Gên. 1:1; Apoc. 4:11; I Cor. 15:28; João 3:16; I João 4:8; I Tim. 1:17: Êxo. 34:6 e 7; João 14:9).
4. Deus Filho - Deus, o Filho Eterno, encarnou-Se em Jesus Cristo. Por meio dEle foram criadas todas as coisas, é revelado o caráter de Deus, efetuada a salvação da humanidade e julgado o mundo. Jesus sofreu e morreu na cruz por nossos pecados e em nosso lugar, foi ressuscitado dentre os mortos e ascendeu para ministrar no santuário celestial em nosso favor. Virá outra vez para o livramento final de Se um povo e a restauração de todas as coisas. (João 1:1-3 e 14; 5:22; Col. 1:15-19; João 10:30; 14:9; Rom. 5:18; 6:23; II Cor. 5:17-21; Lucas 1:35; Filip. 2:5-11; I Cor. 15:3 e 4; Heb. 2:9-18; 4:15; 7:25; 8:1 e 2; 9:28; João 14:1-3; I Ped. 2:21; Apoc. 22:20).
5. Deus Espírito Santo - Deus, o Espírito Santo, desempenhou uma parte ativa com o Pai e o Filho na Criação, Encarnação e Redenção. Inspirou os escritores das Escrituras. Encheu de poder a vida de Cristo. Atrai e convence os seres humanos; e os que se mostram sensíveis, são renovados e transformados por Ele, à imagem de Deus. Concede dons espirituais à Igreja. (Gên. 1:1 e 2; Lucas 1:35; II Pedro 1:21; Lucas 4:18; Atos 10:38; II Cor. 3:18; Efés. 4:11 e 12; Atos 1:8; João 14:16-18 e 26; 15:26 e 27; 16:7-13; Rom. 1:1-4).”

Tendo como base esse documento oficial, muitos, como Hoekema, não tiveram outra alternativa, a não ser olhar para eles nesse ponto, infelizmente, como ortodoxos. Por outro lado, como provaremos mais adiante, não havia na época um desenvolvimento do que deveria ser a doutrina da trindade no arraial adventista.

E mesmo assim, deve ser dito que palavras escondem conceitos, e muitas vezes, os termos são usados com concepções não originais, revestidos do pensamento de um novo locutor.Apesar de existir essa aparente confissão trinitariana, que muitos podem até pensar que seria definitivo para guiar o pensamento doutrinário, um historiador adventista indica que isso foi resultados de mudanças,do que havia sido publicado:

Mudanças para o Adventismo Parecer Mais Cristão: [...] devemos observar que durante o período que vai de 1919 a 1950 houve também tentativas de tornar o adventismo mais cristão, especialmente durante a década de 1940. Essa década, por exemplo, testemunhou esforços da parte de alguns de “purificar” e fortalecer as publica adventistas. Três áreas ilustram essa tendência. A primeira diz respeito à Trindade [...].” (Em Busca de Identidade, pp.157, 159,161)

Veja como exemplo, que a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, os Mórmons, usa o termo “trindade”, porém, sabemos que as concepções não são em nada trinitarianas!

“Na Trindadehá três pessoas distintas: Deus, o Pai Eterno; seu Filho, Jesus Cristo e o Espírito Santo. Cremos em cada um deles.” (Guia para Estudo das Escrituras, p. 211, Apêndice do “O Livro de Mórmon”[grifo acrescentado]).

Outra coisa que contribuiu para esse engano de achar que a IASD não seria uma seita, por causa desse assuntos, foram os fatos que envolveram a produção e publicação do polêmico livro adventista Questões Sobre Doutrinas (lançado em inglês em meados da década de 1950, e em português apenas 2008). Esse livro, resultado de conversas entre representantes adventistas e apologistas evangélicos, resultou em uma mudança de paradigma a respeito dos Adventistas do Sétimo Dia. Um apologista, o renomado Walter Martin, chegou à conclusão de que a Igreja Adventista do Sétimo Dia é uma igreja cristã, com algumas doutrinas excêntricas. O livro informa a opinião de Donald Banhouse, companheiro de Martim, nas entrevistas, exposta em um periódico chamado Eternity, de setembro de 1956:

“Gostaria de dizer que nos deleitamos em fazer justiça a um grupo muito caluniado de crentes sinceros, e em nossa mente e coração tirá-los do grupo dos que são completamente heréticos, como as testemunhas de Jeová, mórmons e os cientistas cristãos, reconhecendo-os como irmãos redimidos e membros do corpo de Cristo.” (Questões Sobre Doutrina, p. 14).

Muitos não aderiram a essa propaganda, enfatizando outros problemas, bem como as intenções proselitistas dissimuladas dos representantes adventistas, além de que em muitos momentos do livro, a versão foi bem ‘minimizada’, conforme o próprio autor das notas da edição comemorativa reconhece2. Baalen afirma categoricamente:

“Este livro [Questões Sobre Doutrina] de 720 páginas contém grande quantidade de conversa dobre, concedendo com uma mão e tomando de novo com a outra.” (Caos das Seitas, p. 174).

Porém, em Questões os adventistas defenderam com firmeza a doutrina da trindade, e ainda mais, reafirmou um compromisso com os credos protestantes e clássicos a respeito da divindade:

“I EM HARMONIA COM OS CRISTÃOS CONSERVADORES E OS CREDOS PROTESTANTES HISTÓRICOS, CREMOS: [...] 2 Que a Divindade, a Trindade, compreende Deus o Pai, Cristo o Filho e o Espírito Santo.” ( Questões Sobre Doutrina, p. 50[grifos acrescentados).

Essa afirmação viria a ser, com o tempo, não mais endossada, se é que ela foi mesmo algum dia. Os autores desse livro, disseram sobre os pioneiros adventistas, antitrinitarianos:

“Alguns continuam extrair citações extraídas de nossas publicações mais antigas, há muito obsoletas, e que não mais são impressas. Citam-na determinadas declarações, frequentemente torcidas e descoladas do contexto, de modo a darem uma descrição totalmente desvirtuada das crenças e ensinos que a Igreja Adventista do Sétimo Dia hoje sustenta.” (p.58).

Isso, porém, ou estava errado, ou veio a estar errado. Um exame nas orientações de Ellen White, considerada a profetisa inspirada da IASD, vai à contra mão dessa afirmativa dos autores do livro Questões:

“Quando o homem vier mover um alfinete do nosso fundamento o qual Deus estabeleceu pelo seu Santo Espírito, deixem os homens de idade que foram os pioneiros no nosso trabalho falar abertamente, e os que estiverem mortos falem também, reimprimindo os seus artigos das nossas revistas. Juntemos os raios da divina luz que Deus tem dado, e como Ele guiou seu povo, passo a passo no caminho da verdade. Esta verdade permanecerá pelo teste do tempo e da experiência.”
(www.adventistas.com/dezembro2005/diagnostico_iasd.htm (24 de Maio de 1905 - Manuscript Release Vol. 1 pág. 55.)

Essa questão não deve ser desconsiderada, sendo que mesmo os teólogos adventistas sabem que essa orientação poderia causar transtornos, como de fato tem causado:

O terceiro e último fator no presente avivamento do interesse pelo assunto da Divindade é a convergência do conselho de Ellen White no sentido de reimprimir e estudar as obras dos pioneiros [...] É adequado que o adventista do sétimo dia avance em direção contrária ao pensamento da ampla maioria dos pioneiros, que eram claramente antitrinitarianos?” (A Trindade, pp. 11,12) [grifo acrescentado])

É febril o fato que mesmo autoridades adventistas, reconhecem que o início de sua história, não escaparia com outra marca, a não ser uma seita!

“Se durante as quatro primeiras décadas de existência do movimento adventista do sétimo dia muitos de seus pregadores enfatizavam mais as doutrinas  adventistas distintivas do que as doutrinas evangélicas, a partir de 1888 essa tendência sectária e legalista passou a ser reequilibrada para uma maior ênfase na salvação pela graça mediante a fé...”
[Sobre o termo seita] Cremos, no entanto que o referido termo deveria ser usado especificamente em relação a grupos religiosos que restringem a salvação exclusivamente aos adeptos de seu próprio movimento religioso, e cuja ênfase nos componentes distintivos de sua fé acaba obliterando verdades básicas da fé cristã como a trindade e a salvação pela graça mediante a fé. À semelhança de outros movimentos religiosos, os adventistas do sétimo dia surgiram com características sectárias. Na tentativa de justificar sua existência, grande ênfase era colocada sobre os elementos distintivos  da fé adventista, relegando os componentes básicos da fé evangélica a um plano secundário. Além disso os primeiros adventistas sabatistas criam até o início da década de 1850, na teoria da “porta fechada”(Mat 25.10), que restringia a salvação quase que exclusivamente aos mileritas. Como já mencionado, foi apenas a partir de 1888 que os adventistas conseguiram superar sua ênfase sectária, reequilibrando os elementos distintivos da fé adventista com os componentes básicos da fé evangélica.” (Alberto R. Timm;  Revista Novo Membro pp. 7, 8 ; Publicação especial da Igreja Adventista do Sétimo Dia; União Brasileira da IASD, Editor: Leônidas Verneque Guedes.).

O judaísmo, o islamismo, as testemunhas de Jeová e o adventismo não trinitariano inicial sempre tenderam a ressentir-se da falta de uma clara doutrina de justificação pela graça baseada nos méritos da justiça divina. Foi apenas quando o adventismo começou a emergir de sua concepção não-trinitariana da divindade de cristo que passou a encontrar clareza na justificação somente pela graça mediante a fé.” (Trindade, p. 284).

Um reexame adventista posterior; das razões dos pioneiros serem antitrinitarianos, e mesmo assim, da profetisa conviver com eles, sendo considerado esses, pioneiros da ‘verdadeira igreja visível’, produziu uma teoria de justificativas e uma nova doutrina trinitariana, que satisfaz, a história dos pioneiros, mantendo Ellen White como a profetisa da igreja verdadeira, e ainda assim, puderam estender as mãos aos protestantes e dizerem: ‘cremos na doutrina da trindade’. É dessa versão trinitariana que trataremos.

II.                 A ‘VERDADEIRA IGREJA VISÍVEL’ COM UM FALSO DEUS

Um dos discursos mais palpitantes dos adventistas é dizer que eles são a ‘única igreja visível verdadeira’. Que eles possuem uma missão angélica em anunciara todas as pessoas a saírem de suas igrejas e se ajuntarem à verdade, e institucionalmente, essa verdade só pode ser encontrada, em sua inteireza, na Igreja Adventista do Sétimo Dia.

“Creem que seu movimento seja o único a apresentar as condições especificadas nesses versos de Apocalipse 12.17. Apesar disso, repudiam enfaticamente a ideia de que somente eles pertençam ao número dos filhos de Deus. Para os adventistas, todos quantos adoram a Deus segundo o que entendem ser Sua vontade pertencem a Ele e são membros potenciais do último remanescente. Não obstante, a ele foi confiada a tarefa de chamar homens e mulheres de toda a parte para adorarem ao Criador, em vista da proximidade da hora do juízo, e advertir contra ceder à grande apostasia escatológica predita em Apocalipse 13 [...] os adventistas continuam a manter esses pontos de vista.” (Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia, p. 639 [grifos acrescentados]).

Nos dias iniciais, seus lideres de maior influencia, negavam a doutrina da Trindade, como sendo um dos ensinos falsos de babilônia. Tanto, que um historiador adventista reconhece assim:

A maioria dos fundadores do adventismo do sétimo dia não poderia unir-se à igreja hoje se tivesse de concordar com as “27 Crenças Fundamentais” da denominação [...] Para ser mais específico, eles não poderiam aceitar a crença número 2, que trata da doutrina da trindade [...] Semelhantemente, a maioria dos fundadores do adventismo do sétimo dia teria dificuldade em aceitar e crença fundamental número 4, que afirma a eternidade e a divindade de Jesus [...] A maioria dos líderes adventistas também não endossaria a crença fundamental número 5, que trata da personalidade do Espírito Santo.” (Em Busca de Identidade, pp. 16,17).3

E se pensarmos que para eles Jesus era uma criatura, e que eles mesmo o adoravam como Deus, sendo uma criatura, podemos concluir que praticaram idolatria? Esse não é o Jesus da Escritura Sagrada. Para piorar, é dito que em seu arraial a situação era quase de politeísmo (pelo menos conceitual), como reconheceu um adventista pioneiro:

“Deve-se também ressaltar que a declaração de Daniel T. Bourdeau em 1890 mostra-nos que nem todos eram unânimes no antitrinitarianismo: "Embora afirmemos ser crentes e adoradores de um único Deus, tenho chegado a pensar que entre nós existem tantos deuses quantas são as concepções da Divindade". (A Trindade, p. 222).

Estariam então os pioneiros adventistas, condenados hoje, como hereges, e assim excluídos da IASD? Os autores de Questões Sobre Doutrina, por exemplo, dão razão para pensarmos que os pais da fé adventista, os pioneiros adventistas, não procurariam a Igreja Adventista do Sétimo Dia! Perceba:

“Parece-nos, portanto, que há muito menos probabilidade de alguém que mantenha posição ariana ou unitariana entrar na igreja Adventista do que em outra comunhão protestante.” (Questões Sobre Doutrina, p. 66).

Apesar da afirmação adventista acima ser virtualmente falsa, devido ao fato de existir, na época do livro citado, e hoje, vários adventistas não trinitarianos no seio adventista4, ela revela um impasse dramático entre a atual realidade adventista e seu passado – os pioneiros eram hereges?

Eles por um lado reconhecem isso, mas por outro deve preservá-los de receberem pessoalmente essa rotulação, pois isso seria um sério prejuízo de identidade, especialmente para Ellen White e para doutrina da ‘igreja remanescente’. Um recurso é legitimar esses erros como parte do plano de Deus. Os adventistas ensinam que Deus conduziu o movimento Milerita mesmo com a grande decepção de 1844, e da mesma forma, dizem que Deus conduziu o pioneiros arianos, mesmo pelos caminhos hereges que passaram. A questão aqui, como percebemos, não é de verdade ou coerência, mas de fidelidade cega a um movimento.

Qual foi então a postura dos teólogos adventistas diante desses fatos?

III.             JUSTIFICANDO OS PIONEIROS E ‘REAJUSTANDO’ A DOUTRINA DA TRINDADE

Nessa odisséia, ao encarar o fato que os pioneiros adventistas seriam mais Testemunhas de Jeová do que Adventistas trinitarianos, os teólogos da IASD assumiram uma postura de justificativa. Os caminhos foram:
Ø  (a) mostrar que os pioneiros erraram por desconhecerem a doutrina corretamente; (b) por culpa da própria doutrina, que confundia a distinção pessoal e corporal das pessoas da divindade, bem como por ensinar que heresias subordinacionistas; (c) pelas visões de Ellen White, a concepção da divindade foi originalmente própria e não vindo das religiões de “babilônia”.
Com o tempo a denominação entendeu a doutrina ‘corretamente’, a partir das visões de Ellen White e de seus escritos. Desta forma, os pioneiros estavam em pleno processo de desenvolvimento dessa questão, não podiam ser condenados por algo que eles não entendiam corretamente e que ainda seria revelado posteriormente. As seguintes citações de suas publicações e sites provam essa interpretação dos fatos de maneira clara:

“Os pioneiros apresentavam basicamente duas razões para rejeitar essa doutrina. A primeira é o fato de que muitos credos protestantes definem a Trindade como uma essência “sem corpo ou partes”. Em outras palavras, Deus não era entendido como um ser pessoal, mas abstrato e fantasmagórico. Essa compreensão sobre a Trindade “espiritualiza a existência do Pai e do Filho como duas pessoas distintas, literais e tangíveis”. Os pioneiros argumentavam que esse conceito contradiz a Bíblia, pois ela apresenta Deus como um ser pessoal “tangível”, que “possui corpo e partes”. A segunda razão é uma consequência lógica da primeira: os credos não distinguem claramente as pessoas da Divindade. Na linguagem teológica tradicional, a palavra pessoa não tem o sentido atual de individualidade, mas indica uma “face” ou “manifestação”. Portanto, de acordo com essa compreensão da Trindade, o Pai, o Filho e o Espírito Santo não são três pessoas distintas, mas três manifestações ou revelações da essência divina. “Trinitarianismo” era definido como a “doutrina de que o Pai, o Filho e o Espírito são unidos em uma e a mesma pessoa”. Os adventistas criam na “personalidade distinta do Pai e do Filho, rejeitando como absurdo o trinitarianismo, que insiste que Deus, Cristo e o Espírito Santo são três pessoas e, mesmo assim, uma só pessoa” (http://setimodia.wordpress.com/2011/11/03/os-pioneiros-adventistas-e-a-trindade/)
O desenvolvimento da doutrina da Divindade no adventismo do sétimo dia pode ser dividido em seis períodos: (1) Predominância antitrinitariana (1846-1888); (2) Insatisfação com o antitrinitarianismo (1888-1898);  (3) Mudança de paradigma (1898-1913);  (4) Declínio do antitrinitarianismo (1913-1946);  (5) Predominância trinitariana (1946-1980); e Tensões renovadas (1980 até o presente). Os três primeiros períodos foram discutidos por Gane, Holt e Froom, e o período de 1888-1957, por Merlin Burt. Entretanto, nenhum desses lidam extensamente com os problemas trinitarianos durante a crise de Kelloggou o período a partir de 1980”
“Este artigo divide a história da compreensão adventista sobre a Trindade durante a vida de Ellen G. White nos seguintes períodos: (1) Ênfase na rejeição da doutrina tradicional da Trindade (1846-1890); (2) Tensões sobre a personalidade do Espírito Santo (1890-1897); e (3) Ênfase na aceitação da doutrina bíblica da Trindade (1897- ).”
“De 1931 em diante, a concepção de um Deus trinitário, junto com a plena igualdade de Cristo com Pai e uma cristologia de natureza dual, passou a ser parte essencial das crenças fundamentais adventistas.” (Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia, p. 224.)
“De cerca de 1846 a 1888, a maioria dos adventistas rejeitava o conceito da Trindade – ao menos como eles o entendiam. Todos os principais escritores foram antitrinitarianos, embora a literatura contenha referências ocasionais a membros que mantinham opiniões trinitarianas. Aqueles que rejeitavam a doutrina tradicional da Trindade dos credos cristãos eram crentes sinceros no testemunho bíblico concernente à eternidade de Deus o Pai, à divindade de Jesus Cristo “como Criador, Redentor e Mediador” e à “importância do Espírito Santo.” (http://setimodia.wordpress.com/2011/11/03/os-pioneiros-adventistas-e-a-trindade/).
“A declaração de crenças de 1931 apareceu nos anuários denominacionais e manuais de igreja, o que lhe deu algum status oficial, apesar de nunca ter sido formulada um tanto casualmente e nunca ter sido adotada oficialmente por uma assembleia da Associação Geral. Em 1946 a Associação Geral reunida em assembleia votou “que não se faça em tempo algum revisão desta Declaração de Crenças Fundamentais, conforme aparece no Manual [...]” (Em Busca de Identidade, pp. 22,23.)
“Ente 1846 a 1888, a maioria dos adventistas rejeitou o conceito da Trindade – pelo menos da forma como o entendiam.” (A Trindade, p. 217).
“Embora o arianismo e o antitrinitarianismo fossem muito forte entre os líderes adventistas pioneiros, a visão trinitariana da Divindade veio a tornar-se o ponto de vista padrão pelo menos a partir da década de 1940, se não antes.” (Trindade, p. 10).

Acredito que as informações adventistas acima sejam suficientes. Mas como essa concepção veio a desenvolver uma nova doutrina trinitariana?

IV.              RAOUL DEDEREN E FERNANDO CANALE, OS PAIS DO NEO TRINITARIANISMO ADVENTISTA

No meu livro A Conspiração Adventista, desenvolvi com informações históricas  o que cercou o surgimento dessa nova doutrina – que veremos mais adiante o que de fato ela é. Porém, lá eu apenas mostrei como Ellen White se tornou a mãe do trinitarianismo adventista. Ao mesmo tempo, devo destacar que ela jamais pensou ser a progenitora dessa doutrina!

Primeiro que Ellen White nunca usou o termo trindade em cerca de 70 anos de trabalho como liderança ‘profética’ da denominação. Há um esforço descomunal em provar que ela teria lido o termo Trindade em um resumo de fé. Mas o fato é que ela jamais usou, a não ser “O trio celeste” que é incorretamente traduzido por Trindade, ou mesmo que esse termo trindade substitua o termo divindade. Tirando essa desonestidade com seus escritos, ela jamais usou o termo (Evangelismo, p.  613, 615, 616, 617; O Desejado de Todas as Nações, p. 671; Testem. Ministros e Obreiros Evangélicos, p. 392).

Bom lembrar, que há uma carta de seu filho, Guilherme White, atestando que sua mãe não cria na personalidade do Espírito Santo (Veja em: http://www.adventistas.com/julho2003/carta_willie.htm).

Ela também nunca denunciou seus ‘companheiros de fé’.

“Ellen White foi uma das poucas pessoas entre os líderes pioneiros adventistas que não era agressivamente antitrinitariana. Conquanto isso seja verdade, também é fato que suas antigas declarações não são claras quanto ao que cria.” (Questões Sobre Doutrina, p. 71, nota).

Mesmo assim, atribuem a ela a gênesis da doutrina da divindade de que possuem. Na verdade, quem diz que ela se tornou a principal mentora da trindade adventista são os teólogos da atualidade. Mas por certo, suas declarações após a morte de seu marido antitrinitariano, foram bem mais ‘trinitarianas’.

“Curiosamente, não foram os teólogos de nenhum lado da controvérsia de 1888 eu fizeram o adventismo recuperar o ponto de vista bíblico a respeito da Divindade, mas Ellen White. [...] Contudo, seria Ellen White quem apontaria mais claramente o caminho para a completa transformação no pensamento adventista sobre temas relacionados à Trindade entre 1888 e 1950.” (Em Busca de Identidade, p. 117, 118 [grifo acrescentado]).
“Qual foi o papel de Ellen White nesse processo? As evidências mostraram que as visões recebidas por Ellen conduziram a denominação através de estágios claramente discerníveis rumo a uma plena aceitação do conceito Bíblico da Trindade. O conceito se encontrava essencialmente completo em 1888, quando ela publicou O Desejado de Todas as Nações, e suas declarações de 1901-1906 suas declarações foram suficientemente explícitas para que em 1913 o editor da Reviewand Herald pudesse afirmar – sem medo de ser contraditado – que “a divina Trindade” é uma crença fundamental dos adventistas.” (A Trindade, p.248.).
“A declaração feita por Ellen White em 1898 de que “em Cristo há vida original, não emprestada, não derivada” (DTN, 530) constituiu o ponto de partida tanto para a ratificação da Trindade como um ensino bíblico autêntico (Dederen, 5,12) como para uma forma distinta de compreendê-la como doutrina. A declaração de Ellen White não só descartava o erro básico incluído na primitiva cristologia adventista e na doutrina de Deus, a saber, o subordinacionismo temporal do Cristo preexistente, mas também da doutrina clássica (Dederen, 13) que envolvia a eterna e ontológica subordinação do Filho.” (Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia, p. 169.).

Perceba, que uma coisa foi a denominação se tornar trinitariana, como vimos no tópico anterior, outra foi quando Ellen White, com sua autoridade de referencia doutrinária, virou o leme da denominação nessa direção. É certo que ela, se era trinitariana, ficou em silêncio em boa parte do tempo. E se tornou trinitariana mesmo, foi depois que seu esposo morreu.

“Será que ela mudou de uma visão semi-ariana para uma trinitariana, ou mantinha privadamente uma opinião trinitariana todo tempo? Não é possível apresentar uma resposta taxativa a este respeito.” (A Trindade, p. 239).

E já que ela foi a mãe, precisamos saber quem foi o pai, ou os pais. Como indicado no subtítulo, minha percepção é de que, unido ao fato de que os pioneiros adventistas atacavam a doutrina da trindade (pelo menos em partes, para os teólogos adventistas, eles tinham alguma razão), ao fato de que Ellen White nunca defendeu a trindade dos credos nem condenou diretamente seus irmãos arianos, considerando que ela mesma construiu uma doutrina aparentemente trinitariana em seus moldes, o que resultou ao unir tudo isso? Entra em cena um teólogo adventista chamado Raoul Dederen, logo em seguida outro de nome Fernando Canale.

Vejamos seu papel no que veio a ser a nova doutrina trinitariana adventista:

“Um desdobramento importante desde 1970 tem sido a tentativa de articular as pressuposições bíblica que dão base a uma doutrina bíblica da Trindade, claramente diferenciadas dos credos tradicionais. Num notável artigo de 1970, Raoul Dederen apresentou uma breve exposição sobre a Divindade em ambos os Testamentos. Ele rejeitou a “Trindade do pensamento especulativo”, que fez uso de termos filosóficos para descrever as “distinções dentro da divindade para as quais não existe base definida dentro do conhecimento revelado de Deus” (Dederen, pág. 13). Advogou, em lugar disso o exemplo dos apóstolos: “Rejeitando os termos da mitologia grega ou a metafísica, eles expressaram suas convicções numa despretensiosa confissão de fé trinitarinana, a doutrina de um Deus subsistindo e agindo em três pessoas” [...] Em 1983, Fernando Canale fez uma análise e uma crítica radical das pressuposições filosóficas gregas subjacentes ao que Dederen havia chamado de pensamento especulativo [...] mostrou que a teologia clássica católica e protestante tomava seus mais básicos pressupostos acerca da natureza de Deus, o tempo e a existência deuma “moldura” provida da filosofia aristotélica. [...] Na obra mais recente Handbook of Seventh-day Adventist Theology, editada por Dederen, Canale escreveu um artigo magistral sintetizando as conclusões alcançadas até aquele momento em seu continuo trabalho a respeito da doutrina de Deus.[...] “Num sentido muito real, a ênfase adventista nas Escrituras como única fonte de dados para se estabelecer a teologia ofereceu às reflexões sobre Deus um novo e revolucionário começo. Sistematicamente desconfiando das posições teológica tradicionais criticando-as [...] Canale estabelece um forte argumento para o ponto de vista de que os adventistas, pelo fato de “terem se apartado da concepção filosófica de Deus como atemporal” e “ “abraçando a concepção histórica de Deus apresentada na Bíblia”, conseguiram desenvolver uma visão bíblica da Trindade”. (A Trindade, pp. 228,229).

Como que em passe de mágica, em um laboratório acadêmico, tudo que o cristianismo defendeu em matéria de trindade na história da fé cristã, foi desafiado, e colocado sob o prisma profético de Ellen White. Os dois cavaleiros, Dederen e Canale, então, capacitaram a IASD publicar criticas contra os credos cristãos históricos, como não sendo bíblicos e exatos, e com isso entenderam por qual motivo os pioneiros adventistas rejeitaram a trindade!

“Canale faz uma sólida defesa do seu argumento de que pelo fato de os adventistas terem se “afastado da concepção filosófica de Deus como intemporal” e terem “aceito a concepção histórica de Deus conforme apresentada na Bíblia”, eles estavam habilitados a desenvolver uma genuinamente bíblica opinião da Trindade.”
(http://centrowhite.org.br/pesquisa/artigos/ellen-g-white-e-a-compreensao-da-trindade/#texto-rodape-91
Existem, porém, razões teológicas mais complexas para se rejeitar a doutrina clássica na Trindade. Foi assim que alguns pioneiros adventistas entenderam que a interpretação clássica da Trindade imanente era incompatível com a Trindade econômica conforme apresentada na Escritura.” (Tratado de teologia Adventista do Sétimo Dia, 168 [grifo acrescentado]).
A única maneira de os pioneiros, em seu contexto, efetivamente separarem as Escrituras da tradição foi pelo abandono de qualquer doutrina que não pudesse apoiar-se unicamente na Bíblia. Assim, eles inicialmente rejeitaram a doutrina tradicional da Trindade, a qual claramente contém elementos não pertencentes às Escrituras. À medida que prosseguiram trabalhando com base nas Escrituras, periodicamente desafiados e estimulados pelo Espírito Santo através das visões de Ellen White, gradualmente convenceram-se de que o conceito básico de um Deus em três pessoas de fato aparece nas Escrituras." (A Trindade, p. 230)

Por isso, em uma obra teológica da IASD, Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia, dizem a respeito de todos os credos e teólogos:

Os teólogos adventistas disparam suas críticas em quase todas as autoridades teológicas das tradições cristãs no assunto em tela: “1. Sobre as explicações de Agostinho a respeito da Trindade, dizem: “Há razões para se perguntar se essa visão faz justiça à revelação bíblica de três pessoas independentes. O Deo uno parece absorver o Deo trino. A trindade é substituída pela monarquia.”Tomás de Aquino: “Visto, porém, que sua abordagem não emana da Escritura, ele é incapaz de apresentar a coerência interna da concepção bíblica de Deus” De Martinho Lutero dizem: “Quanto à Trindade, o teólogo alemão ratifica o dogma tradicional [...] A doutrina luterana de Deus, porém, é insuficiente para abranger com fidelidade todas as informações bíblicas sobre Deus.” De João Calvino, um dos maiores exegetas do período da Reforma, afirmam: “A doutrina calvinista de Deus também é insuficiente para incluir e incorporar com fidelidade todas as informações bíblicas sobre a Divindade.” A respeito da teologia trinitariana de Jacó Armínio, dizem: “A teologia arminiana atua dentro de uma matriz mais filosófica do que bíblica.” E, a respeito da procedência eterna do Espírito Santo, dizem: [...] a processão do Espírito não designa um processo interno na constituição do ser trinitário, como a teologia clássica veio a crer.” (A Conspiração Adventista, p 120).
“[...] Atanásio parece estar falando de dois Deuses (ou, na verdade, três quando se adiciona o Espírito Santo) ao passo que a definição filosófica de Deus assevera que Ele é um e invisível” (A Trindade, p. 162).
“[O Credo Atanasiano] Conserva, infelizmente, uma forma sutil de monarquianismo e subordinacionismo ontológico, quando explica as diferenças das pessoas metafisicamente, recorrendo às ideias de geração e processão.” (Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia, p. 163.).

Um exame simples das acusações de Dederen e Canale, mostra que são por demais insuficientes. Primeiro que nem os credos nem as confissões, são carregadas assim de especulações filosóficas, se é que há. Qualquer leitor pode constatar isso. Segundo, que mesmo eles, os teólogos adventistas, usam termos como “trindade” e “subsistindo e agindo em três pessoas”, etc, que não são termos bíblicos, mas explicações teológicas e filosóficas de algo que nos escapa em outros termos.

Não é compartilhada a ideia de que a doutrina da Trindade em sua exposição confessional e nos credos, seja filosófica em suas ponderações:

“Como Atanásio ensinou há muito tempo, não afirmamos essa doutrina por um interesse meramente filosófico.” (Teologia Sistemática, Fraklin Ferreira; Alan Myatt, p. 196 [grifo acrescntado).

Longe de ser elaborada sob influências filosóficas e religiosas, tudo indica que a doutrina da Trindade tem sobrevivido justamente contra as tentações desse tipo que,de vez em quando, ameaçam empurrar a Igreja para o unitarismo teórico ou prático.” (Novo Dicionário de Teologia, p. 1166[grifo acrescentado]).

Lembrando ainda que o termo Trindade é usado nas Crenças Fundamentais adventistas, porém,esse termo aparece muito em Agostinho e consagrado no credo Atanasiano, assim, eles que criticam uma suposta carga filosófica nos credos, e na teologia, dependem dos credos, para se aproximarem daqueles creem nesses, com uma imagem enganosa, visto que rejeita os postulados dos mesmos.

Outro assunto que refletiu nesse contexto foi a rejeição da noção atemporal de Deus. Isso desbocou no Teísmo Aberto, defendido pelo teólogo adventista Richard Rice (Teísmo Aberto, p. 180, nota 5). Segundo o Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia, muitos nos burgos adventistas têm olhado com simpatia a essa teoria (p. 170). Por um lado, o Tratado elogia essa posição, mas até certo ponto, rejeita as implicações escatológicas, tão necessárias aos adventistas, que é um movimento apocalíptico (p. 167,168). A rejeição da doutrina da trindade, nos postulados clássicos, leva a outras perigos heréticos.

V.                 O QUE DE FATO É A NOVA TRINDADE ADVENTISTA?

Dizem os eruditos adventistas - a doutrina da trindade clássica ensina que o Filho derivou a sua existência ontológica do Pai. E que Ellen White, quando escreveu que em Cristo há vida original, não derivada, rejeitou essa teoria!

“Jesus declarou: "Eu sou a ressurreição e a vida." João 11:25. Em Cristo há vida original, não emprestada, não derivada. "Quem tem o Filho tem a vida." I João 5:12. A divindade de Cristo é a certeza de vida eterna para o crente.” (O Desejado de Todas as Nações, p. 530).

Os teólogos adventistas insistem que essa passagem marcou toda a mudança da teologia adventista a respeito da divindade. Embora percebemos que pouca coisa foi dita ali, é claro que o conceito da divindade de Cristo é ao contrário do que os pioneiros diziam; que Jesus teria sido criado. Porém, eles foram bem mais longe nas conclusões contra a doutrina cristã da trindade:

“A declaração de Ellen White não só descartava o erro básico incluído na primitiva cristologia adventista e na doutrina de Deus, a saber, o subordinacionismo temporal do Cristo preexistente, mas também da doutrina clássica (Dederen, 13) que envolvia a eterna e ontológica subordinação do Filho.” (Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia, p. 169).
“Alguns teólogos trinitarianos sustentam que apenas o Pai existe desde a eternidade e que tanto Cristo quanto o Espírito Santo foram “gerados”, ou seja, trazidos à existência pelo Pai.” (A Trindade, p. 185).
“[...] o dogma tradicional da Trindade sustentava que Cristo derivara do Pai, sendo, portanto, subordinado ao Pai em Sua própria essência.” (A Trindade, p. 224).
“Na natureza do Deus eterno não há nenhuma geração eterna, e, por conseguinte, nenhuma processão eterna do Espírito.” (Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia, p. 169.).

Essas são informações distorcidas, e da pior espécie. Uma das piores coisas ditas por eles, já que todos sabem que o conceito de geração eterna é relacional não ontológico. Responder a isso é ter que explicar coisas básicas a iniciantes em teologia sistemática. O que de fato, não é o caso dos teólogos adventistas. Isso é mais uma caricatura do que uma leitura honesta da doutrina trinitariana. Mas para efeitos de esclarecimentos, vejamos o que eles omitiram quando criticaram a doutrina da geração eterna:

“É geração da subsistência pessoal, e não da essência divina do Filho.” (Teologia Sistemática, Louis Berkhof, p. 88).
“A doutrina ortodoxa não define as expressões “geração” e “processão” de modo que o Pai seja a origem da deidade do Filho e do Espírito Santo, que afirmam e representam a natureza das relações entre as três pessoas da Trindade.” (Teologia Sistemática, p. 186).

Ainda no campo da negação, e agora indo para mostrar a diferença das crenças, os teólogos adventistas dizem que os pioneiros adventistas acertaram em um ponto ao rejeitarem a doutrina da trindade clássica, e esse aspecto nos interessa agora, para sabermos o que de fato seria a trindade adventista:

“Os primeiros adventistas rejeitavam corretamente a Trindade dos credos, que apresenta um Deus “sem corpo ou partes” e não distingue claramente as pessoas da Divindade.” (http://setimodia.wordpress.com/2011/11/03/os-pioneiros-adventistas-e-a-trindade/ )

Destacando os pontos, partindo da negação acima exposta, por parte dos pioneiros adventistas considerada como correta pela erudição adventista moderna, podemos dizer que a respeito da trindade adventista:

Ø  Tem corpo e partes.
Ø  Sua distinção pessoal das pessoas da divindade é mais profunda que os credos cristãos apresentam.

Perceba o que pensam da unidade da divindade, se ela é numérica ou apenas de unidade:
“O Deus revelado nas Escrituras consiste de três Pessoas divinas que existiram desde toda eternidade em profunda unidade ou unicidade de natureza, propósito e caráter.” (A Trindade, p. 313).

Portanto,podemos dizer que diferença da trindade Adventista de Raoul Dederen e Fernando Canale da doutrina cristã clássica, está em sua essência, em sua constituição ontológica e numérica. Perceba o que é dito pelos teólogos adventistas:

“[...] os três membros da Divindade comoindivíduos tangíveis e pessoais, vivendo desde a eternidade em união de natureza, caráter, propósito e amor, mais ainda assim tendo cada uma Sua identidade pessoal. Este é um ponto de vista simples e bíblico da Trindade, em contraste com os pontos de vista tradicionais, baseado nas pressuposições da filosofia grega.” (A Trindade, p. 248).

Agora, podemos voltar para o credo oficial adventista, e perceber algo latente. Que existe um elemento ambíguo, percebemos que não há no documento oficial de crenças adventistas, uma confissão de uma mesma essência numérica – “2. A Trindade. Há um só Deus: Pai, Filho e Espírito Santo, uma unidade de três Pessoas coeternas.Isso é trinitarianismo, mas não é só isso! Essa unidade deve ser tratada dentro na unidade numérica e essencial de Deus, para que ele seja um só. Não é possível, dentro da visão de Dederen e Canale, espaço para essa unidade da doutrina clássica que mantém o Ser de Deus, como um só Espírito, um Só Ser.

Mesmo que se encontre nos escritos adventistas, alguma referência à ‘mesma substancia’, ela estará sob suspeitas dessas interpretações não ortodoxas. Isto é, se algum teólogo adventista disser que as três pessoas da divindade são da mesma substância, ele não tem em mente a unidade numérica do Ser que a fé cristã possui. (Se essa minha leitura dos fatos estiver correta, eles estariam parcialmente defendendo o problema que preocupou alguns pais da igreja com o uso de "hommousious" ou consubstancial – usado por ortodoxos e hereges).

Quais as bases para as conclusões adventistas?  Como eles admitem, foram as visões de Ellen White. Vejamos algumas:

“Vi um trono, e assentados nele estavam o Pai e o Filho. Contemplei o semblante de Jesus e admirei Sua adorável pessoa. Não pude contemplar a pessoa do Pai, pois uma nuvem de gloriosa luz O cobria. Perguntei a Jesus se Seu Pai tinha a mesma aparência que Ele. Jesus disse que sim, mas eu não poderia contemplá-Lo, pois disse: "Se uma vez contemplares a glória de Sua pessoa, deixarás de existir." (Primeiros Escritos, p. 54)

“Tenho visto muitas vezes o amorável Jesus, que é uma pessoa. Perguntei-Lhe se Seu Pai era uma pessoa e tinha a mesma forma que Ele. Disse Jesus: "Eu sou a expressa imagem da pessoa de Meu Pai."(Primeiros escritos, p. 77).
“Significativamente, Ellen White condenava a visão trinitariana de Kellog em termos quase idênticos aos que o esposo Tiago utilizara em 1846, quando rejeitou “o velho credo trinitariano não-escriturístico” pelo fato de ele “espiritualizar a existência do Pai do Filho negando-O como duas pessoas distintas, literais e tangíveis”. Isso é coerente com a interpretação de que ela percebeu similaridades entre os credos que pretendem que Deus seja “invisível, sem corpo ou partes” e a representação espiritualista” de Deus por Kellog, sob metáforas da luz e da água.” (A Trindade, p. 247. -  Nota: Essa interpretação é questionável, mas estou apenas mostrando que a disposição dos teólogos adventistas é encontrar algum vestígio de que Ellen White tenha atacado a trindade dos credos.)

A diferença está de fato, se o Ser de Deus é três ou é um!! Por causa dessas supostas visões, que em si mesmo não garante nenhuma objeção à doutrina trinitariana, que levou os dois teólogos já mencionados, a dizerem que uma concepção nova da trindade foi descoberta por eles, mediante os escritos de Ellen White.

Estamos diante de um triteísmo? Uma citação do Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia, aparentemente nota o risco disso:

“Para os adventistas, portanto, a indivisibilidade das obras de Deus na história não é concebida como sendo determinada pela unicidade da essência – conforme ensinada pela tradição agostiniana clássica – senão pela unicidade da tarefa histórica da redenção (Dederen, 20). O perigo de triteísmo presente nessa postura se torna real quando a unicidade de Deus é reduzida a uma mera unidade concebida em analogia com uma sociedade humana ou uma parceria de ação. Para além dessa unidade de ação, porém, é necessário visualizar Deus como uma realidade única que nos próprios atos pelos quais Ele se revela na história, transcende os limites da nossa razão humana (Prescott, 17). Jamais mentes humanas poderão alcançar o que a doutrina clássica sobre a Trindade reivindica perceber, a descrição da estrutura interna da natureza de Deus. Junto com toda a criação, cumpre-nos aceitar a unicidade de Deus pela fé (Tg 2:19).” (p. 248).

No livro A Conspiração Advenista,  reconheço que há uma dificuldade nessa citação, em saber se eles estão falando da doutrina ortodoxa da trindade ou de sua doutrina trinitariana. Não há uma mudança de fluxo5, nem alteração de parágrafo, por isso escrevi:

“Reitero que não está claro nessa citação se a doutrina clássica da trindade é potencialmente triteísta ou se é a respeito da doutrina deles que estão afirmando isso. Se estiverem falando de si mesmos, então sabem o que estão dizendo! Agora, se é contra a doutrina clássica, falam mais uma vez calúnias contra a herança histórica que o Espírito Santo delegou aos santos de Deus, calúnia tal como seus os pioneiros adventistas fizeram.”

Antes de encerrar, vejamos como os cristãos entendem a essência divina. Com a palavra, novamente Louis Berkhof:

“Neste único Ser Divino Há três Pessoas ou subsistências individuais, o Pai e o Filho e o Espírito Santo. Provam-no as várias passagens já citadas como válidas para consubstanciar a doutrina da Trindade. Para indicar estas distinções da Divindade, os escritores gregos geralmente empregavam o termo hypostasis, enquanto que os autores latinos utilizavam o termo persona e, às vezes, substancia. Como aquele podia levar a mal-entendidos e este era ambíguo, os eruditos cunharam a palavra subsistência. A variedade dos termos empregados mostra que sempre se sentiu que são inadequados. Geralmente se admite que a palavra “pessoa” é apenas uma expressão imperfeita da idéia. Na linguagem comum ela designa um indivíduo racional e moral separado, dotado de consciência própria, e consciente da sua identidade em meio a todas as mudanças. A experiência ensina que onde temos uma pessoa, temos também uma essência individual distinta. Toda pessoa é um indivíduo distinto e separado, em quem a natureza é individualizada. Mas em Deus não há três indivíduos justapostos e separados uns dos outros, mas somente auto-distinções pessoais dentro da essência divina, que é não só genericamente, mas também numericamente, uma só.  Consequentemente, muitos preferiram falar de três hipóstases em Deus, três diferentes modos, não de manifestação, como ensinava Sabélio, mas de existência ou de subsistência.” (Teologia Sistemática, p 83).

Alguns adventistas podem não gostar da comparação. Mas, ainda que os desdobramentos tenham sido totalmente diferentes, as bases iniciais são as mesmas da dos mórmons. Compare o que os apóstolos mórmons ensinaram:

“O Pai tem um corpo de carne e ossos tão tangível como o do homem; o Filho também; mas o Espírito Santo não tem um corpo de carne e ossos, mas é um personagem de Espírito. Se assim não fora, o Espírito Santo não poderia habitar em nós.” (Doutrinas e Convênios, 130:22).

Não podemos crer, por um momento sequer, que Deus não possua um corpo, partes, paixões ou atributos.” (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja, p.29).

CONCLUSÃO

O que é Deus? A Confissão de Fé de Westminster explica de maneira bíblica, clara e simples, reconhecendo a infindável grandeza do tema e a nossa limitação:

“CAPÍTULO II: DE DEUS E DA SANTÍSSIMA TRINDADE - I. Há um só Deus vivo e verdadeiro, o qual é infinito em seu ser e perfeições. Ele é um espírito puríssimo, invisível, sem corpo, membros ou paixões; é imutável, imenso, eterno, incompreensível, - onipotente, onisciente, santíssimo, completamente livre e absoluto, fazendo tudo para a sua própria glória e segundo o conselho da sua própria vontade, que é reta e imutável. É cheio de amor, é gracioso, misericordioso, longânimo, muito bondoso e verdadeiro remunerador dos que o buscam e, contudo, justíssimo e terrível em seus juízos, pois odeia todo o pecado; de modo algum terá por inocente o culpado.Deut. 6:4; I Cor. 8:4, 6; I Tess. 1:9; Jer. 10:10; Jó 11:79; Jó 26:14; João 6:24; I Tim. 1:17; Deut. 4:15-16; Luc. 24:39; At. 14:11, 15; Tiago 1:17; I Reis 8:27; Sal. 92:2; Sal. 145:3; Gen. 17:1; Rom. 16:27; Isa. 6:3; Sal. 115:3; Exo3:14; Ef. 1:11; Prov. 16:4; Rom. 11:36; Apoc. 4:11; I João 4:8; Exo. 36:6-7; Heb. 11:6; Nee. 9:32-33; Sal. 5:5-6; Naum 1:2-3.[...] III. Na unidade da Divindade há três pessoas de uma mesma substância, poder e eternidade - Deus o Pai, Deus o Filho e Deus o Espírito Santo, O Pai não é de ninguém - não é nem gerado, nem procedente; o Filho é eternamente gerado do Pai; o Espírito Santo é eternamente procedente do Pai e do Filho.Mat. 3:16-17; 28-19; II Cor. 13:14; João 1:14, 18 e 15:26; Gal. 4:6.

Os Adventistas usam recorrentemente as confissões reformadas, especialmente sua parte da Lei, para que de alguma forma, distorcer a conclusão, e cair no sábado. Com isso, sempre dizem que seguem a tradição protestante. Infelizmente, porém, é só esse uso que sabem fazer dos documentos reformados. Se no assunto mais importante, da Pessoa de Deus e de Sua natureza, eles ficassem com os fieis cristãos ortodoxos, não teriam se afastado tão longe, aos pés de uma mística, que sofria de moléstias mentais e espirituais, e assim, veriam a verdade (Jo 8.32).

“Amados, procurando eu escrever-vos com toda a diligência acerca da salvação comum, tive por necessidade escrever-vos, e exortar-vos a batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos.” Judas 3.


***********************************
NOTAS
1. Esse mesmo escritor escreveu uma obra em inglês intitulada As Quatro Principais Seitas (1963), onde defende que o grupo é uma seita. No mesmo verbete no livro citado acima, ele afirma categoricamente que: “[...] a doutrina da igreja remanescente, que permanece como um ensino oficial adventista, parece tornar difícil, senão impossível, sua identificação com as correntes evangélicas.” (Ibidem, p. 37 [grifo acrescentado]).
2. O autor das notas diz que o assunto central para toda a polêmica nos burgos adventistas, com um teólogo adventista que defendia uma postura de perfeição total na santidade. Já que Jesus tinha natureza pecaminosa, e não pecou, os adventistas também poderiam viver próximo disso. Assim, o tema era necessário para manter tal conceito fundamentalista interno -“A Última Geração”. Veja o reconhecimento de manipulação do assunto: “[...] é muito mais difícil justificar a apresentação e a manipulação de dados dos delegados adventistas sobre a natureza humana de Cristo.” (p.14).  “alguém pode apenas especular sobre o diferente curso da história [...] se Froom e seus associados não tivessem sido divisivos na sua manipulação das questões relacionadas à natureza humana de Cristo [...]” (p. 21). George Knight após citar algumas afirmações confusas de Ellen White a respeito da natureza pecaminosa de Cristo, e compará-las ao que os autores de QSD disseram e apresentaram, ele afirma honestamente: “Essas citações, como se poderia esperarforam deixadas de fora da compilação de Questões Sobre Doutrina.” (p. 438).
3. Pesando essa informação de G. Knight, deve ser dito que muitos apologistas adventistas, se defendem da responsabilidade da falsa profecia de 1844 de Guilherme Miller, dizendo que eles só foram organizados em 1863. Se assim for, e se somente com a organização institucional de um grupo, ele pode ser ou não responsabilizado doutrinariamente, o que dizer então de que após a organização eles eram antitrinitarianos em sua maioria, e continuariam a ser oficialmente por várias décadas?
4. “A maior surpresa do meu ministério, entretanto, não ter de lidar com as zelosas testemunhas de Jeová na questão da Trindade; é o fato de ter de enfrentar essencialmente os mesmos argumentos antitrinitarianos provindo de companheiros adventistas do sétimo dia. E tais argumentos estão sendo apresentados com uma intensidade não muito inferior ao zelo dos representantes da Torre de Vigia.” (A Trindade, p.9). Mesmo na época do livro Questões Sobre Doutrina, isso não podia ser tão exato assim, pois um dos autores do livro adventista A Trindade, na página 10 declara: “Eu havia ouvido falar de importantes professores e líderes denominacionais que viveram na década de 1950 e 1960 e que sustentavam fortes posições antitrinitarianas.”
5. Basicamente, mesma citação é encontrada site Centro White: “Canale, 150, elabora: “Finalmente, tendo-se afastado da concepção filosófica de Deus como atemporal e tendo aceito a concepção histórica de Deus conforme apresentada na Bíblia, os adventistas vêem a relação entre a Trindade imanente e moderada como uma de identidade em vez de correspondência. As obras de salvação são produzidas no tempo e na História pela Trindade imanente [Fritz Guy, “What the Trinity Means to Me,” Adventist Review, 11 de setembro de 1986, 13] por meio de suas diferentes Pessoas, concebidas como centros de percepção e ação. Conseqüentemente, a indivisibilidade das obras de Deus na História não é concebida pelos adventistas como sendo determinada pela unicidade da essência – conforme ensinada na tradição clássica agostiniana – mas antes pela unicidade da tarefa histórica da redenção [Raoul Dederen, “Reflections on the Doctrine of the Trinity”, AUSS 8 (Primavera de 1970): 20]. O perigo de Triteísmo envolvido neste ponto de vista torna-se real quando a unicidade é reduzida a uma mera unidade concebida em analogia com uma sociedade humana ou uma comunhão de ação ou atividade. Além de tal unidade de ação, porém, é necessário imaginar a Deus como a única realidade que, nos próprios atos pelos quais Ele se revela diretamente na História, transcende os limites de nossa razão humana [W. W. Prescott, The Savior of the World (Takoma Park, MD: Review and Herald, 1929), 17]. De modo algum pode a mente humana atingir o que a doutrina clássica sobre a Trindade alega perceber, ou seja, a descrição da estrutura interna da natureza de Deus. Juntamente com toda a criação, devemos aceitar a unicidade de Deus pela fé (Tg  2:19).”
“http://centrowhite.org.br/pesquisa/artigos/ellen-g-white-e-a-compreensao-da-trindade/#texto-rodape-91



361 comentários:


  1. Ellen White cria na trindade de acordo com o que está na bíblia, a respeito da 2ª pessoa da trindade ela escreveu:
    “Em Cristo há vida original, não emprestada, não derivada”.
    O Desejado de Todas as Nações, 372.
    Segundo Ellen, Cristo é e sempre será eterno,

    contrário do arraial politeísta.

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. sim... eu te fiz uma pergunta, e pelo jeito, vc nem havia lido o artigo...

      Excluir
    2. O artigo já foi analisado,agora quanto ao comentário parece que o irmão somente leu, mas não posso dizer o mesmo quanto á "atenção".

      Excluir
  3. "Mística, que sofria de moléstias mentais e espirituais". Rsrsrsrs

    "E quem proferir um insulto a seu irmão estará sujeito a julgamento do tribunal; e quem lhe chamar: Tolo, estará sujeito ao inferno de fogo." Mateus 5:22

    "Digo-vos que toda palavra frívola que proferirem os homens, dela darão conta no Dia do Juízo; porque, pelas tuas palavras, serás justificado e, pelas tuas palavras, serás condenado." Mateus 12:36,37

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luciano Sena chamou Ellen White de "mística, que sofria de moléstias mentais e espirituais".

      Excluir
  4. "Mística, que sofria de moléstias mentais e espirituais". Rsrsrsrs

    "E quem proferir um insulto a seu irmão estará sujeito a julgamento do tribunal; e quem lhe chamar: Tolo, estará sujeito ao inferno de fogo." Mateus 5:22

    "Digo-vos que toda palavra frívola que proferirem os homens, dela darão conta no Dia do Juízo; porque, pelas tuas palavras, serás justificado e, pelas tuas palavras, serás condenado." Mateus 12:36,37

    ResponderExcluir
  5. Olá, Luciano.

    Sou Gustavo, administrador do site e-cristianismo. Há algum tempo acompanho seu blog, e alguns dos comentários postados aqui me levaram inclusive a escrever um texto sobre o Gish Gallop.
    Gostaria de te parabenizar pela pesquisa. Aprecio muito textos que busquem as doutrinas defendidas por outros grupos, as expliquem, para depois fazer uma análise sobre elas. Este tipo de texto estimula a discussão, levantando pontos que podem passar despercebidos. Certamente com este texto somos estimulados a pensar se a "unidade" proposta pelo adventismo é satisfatória, ou quais os problemas que ela nos traz... É até curioso a defesa deles de que Deus seja constituído de partes (ensino que afeta a perfeição divina) ou de um corpo físico. Eles não compartilham isto apenas com mórmons, mas também com as testemunhas de Jeová.
    Fique com Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado irmão Gustavo, uma honra seu comentário e presença aqui.

      Fiz o máximo, em minhas limitações e recursos, em mostrar a essência do assunto, e a realidade dos fatos.

      Deus nos fortaleça em Cristo

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. Gustavo! Não entendi de que os adventistas compartilham com as Testemunhas de Jeová sobre Deus ser constituído de partes.
      Luciano Senna, você que foi Testemunha de Jeová, concorda com essa asserção?

      Excluir
    4. Olá para todos!

      Primeiramente ao Luciano, gostaria de dizer que a honra é minha de dividir a tarefa de esclarecer com tantas pessoas hábeis. Não foi limitado, aliás o que chama a atenção é a quantidade de informação. Agradeço mesmo por todas as informações.

      Ao Moisés, queria dizer que já conversei várias vezes com TJs, e eles acreditam que todas aquelas passagens sobre Deus ter mãos são literais. Na época que conversava com eles, um me dizia que Deus não cabia em templos feitos por mãos humanas, por que Ele é muito grande...
      Nunca achei nenhuma referência a isto em seus escritos, mas também não cheguei a procurar... É provavelmente um bom tema para pesquisa.

      Abraços.

      Excluir
  6. Boa tarde Gustavo.

    O irmão comunga da corrente teológica que coloca a pessoa de Cristo como um deus menor, um deus inferior um deus que teve um determinado início um deus temporal?

    Portanto essa corrente teológica é que verdadeiramente coloca separação, fazendo assim existir três deuses distintos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gênes, vc está com dificuldades, leia o artigo, outros adventistas já reconheceram a diferença... se não tem nada a comentar, não ocupe espaço e tempo...

      Excluir
    2. Luciano, estive observando e pensei que a sua dificuldade era esclusivamente com relação ao meu comentário, mas me enganei percebo que a sua dificuldade maior está em analisar aquilo que o irmão mesmo escreve.

      Excluir
    3. Olá, Gênes.

      Não, minha crença está plenamente descrita no credo Niceno-constantinoplano.

      Abraços.

      Excluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rachel...sugiro que você também estude. Não fique lendo interpretações do Luciano Senna. Leia a própria Bíblia. Livros de Cultura geral e aprimore o teu português.
      Como você pode escrever que os adventistas leêm interpretações de Hellen White se ela não foi teóloga.
      Outra coisa, leia o que Luciano escreveu:
      "Alguns adventistas podem não gostar da comparação. Mas, ainda que os desdobramentos tenham sido totalmente diferentes, as bases são as mesmas da dos mórmons."
      Os mórmons também ficam lendo as interpretações de Hellen White?

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    4. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    5. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rachael bom dia.

      O irmão tem certeza que já analisou com carinho o artigo?

      Já que o irmão demostra ter conhecimento, poderia demostrar na bíblia algo que contradiga a citação da escritora cristã Ellen White.

      Excluir
    2. Percebo que o irmão precisa aprimorar o seu Português.

      Excluir
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    4. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    5. Realmente Rachel precisamos de tal aprimoração (>> Hellen<<).

      Excluir
  9. Gênes, por favor, se tem algo para comentar, comente o texto, o que até agora não fez, aliás, tinha comentado e nem havia lido ainda.

    Caso insista nesses comentários gratuitos, sem objetividade, vou excluir esse tipo de cometário, que só vão gerar assuntos triviais, paralelos.

    Da próxima vez, comente sobre a postagem.

    Agradeço, e sei que vc vai cooperar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A irmã Rachel comentou somente sobre o texto? Acho que não. Peça a cooperação da Rachel também.

      Excluir
    2. Irmão Luciano Sena, se o irmão Gênes deve "se ater ao texto do artigo", então o irmão deve mandar seu recadinho para "TODOS" e não apenas para o irmão Gênes!

      Não seria justo?

      E quanto "excluir" comentário de pessoas que não são "anônimas" seria uma "apelação". Mas claro, o BLOG é seu e as regras, também. Logo, você tem todo o direito, mas seja justo... "exclua" o de "todos" que fugirem ao "texto do artigo", assim, o irmão mais uma vez estará sendo, justo!

      Pois justiça seja feita, o irmão demonstra ser muito correto, pois é comprometido com o que você acredita estar certo. Então, continue sendo "justo"!

      Abraços irmão Luciano Sena, Feliz Sábado! O único e verdadeiro Dia do Senhor!

      Paz e Graça! Iod Rê Vav Rê!

      Excluir
  10. Comentário gratuito?

    Que culpa tenho se o irmão tem dificuldade em analisar aquilo que escreve.

    Vou fazer o seguinte, vou dar um tempo para ver se o irmão consiga assimilar as informações.

    Gentilmente.

    ResponderExcluir
  11. Desculpe Rachel, por isso que é importante ter a foto aqui no blog.

    ResponderExcluir
  12. Aviso dado... se me fizer o favor de não comentar daqui para frente, vai ser melhor. Já que não tem o que dizer.
    Por favor.

    ResponderExcluir
  13. Como disse um amigo, "não espere comentários significativos". Parece que esse irmãos vai acertar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seu amigo é um gênio, e não é que ele acertou! Dos dois lados!

      Excluir
  14. A maioria dos fundadores da denominação não entraria para a igreja hoje se precisassem concordar com as 28 crenças fundamentais. Para ser mais específico, eles rejeitariam a crença número 2, sobre a Trindade, porque eram antitrinitarianos; refutariam a crença 4, sobre o Filho, pois defendiam que Ele não era eterno; e negariam a número 5, sobre o Espírito Santo, porque para eles o Espírito era uma força, em vez de uma pessoa.
    Em grande medida, a Conexão Cristã havia moldado a compreensão deles acerca desses assuntos.
    Josué Himes, José Bates, Tiago White, John Andrews, Uriah Smith. Para eles o Pai era não originário, independente e eterno. Logo, Cristo seria originado, dependente e trazido à existência pelo Pai. Eles tinham a tendência de conceber o Espírito Santo como o poder e a energia de Deus, a santa influência divina.
    Já Ellen White era metodista antes de ser cofundadora do adventismo. Contudo, é impossível saber exatamente em que ela acreditava com base no que disse nas primeiras décadas do movimento.
    Então, já que os primeiros líderes adventistas do sétimo dia eram, de modo quase unânimes, antitrinitarianos, de onde veio o estímulo para a mudança?
    A experiência de 1888 literalmente transformou o ministério escrito de Ellen White. Foi durante os acontecimentos ligados à Assembléia da Associação Geral que ela reconheceu mais plenamente a ignorância dos ministros e leigos adventistas a respeito do plano da salvação e da centralidade de Cristo.
    Nos anos seguintes, seus livros mais importantes sobre esses assuntos foram publicados: Caminho a Cristo (1892), O Maior Discurso de Cristo (1896), O Desejado de Todas as Nações (1898), Parábolas de Jesus (1900), A Ciência do Bom Viver (1905).
    Nenhum desses livros traz um capítulo ou mesmo um parágrafo sobre a Trindade ou a divindade plena de Cristo, mas ela profere expressões e palavras que levaram os adventistas a estudar novamente o assunto. Tal estudo da Bíblia acabaria por transformar a posição do adventismo sobre a Trindade e tópicos relacionados.

    ResponderExcluir
  15. Moisés, começa melhorar o nível dos comentários...

    embora não é sobre isso a postagem, mas vele o esforço...

    mesmo que seja plagiando sem citar a fonte, coisa de Ellen White, mas vale... (risos)...

    Seria bom vc citar de onde pegou isso, para não parecer que foi vc que escreveu, não é mesmo?

    *https://meditacaomatinal2014.wordpress.com/2015/09/18/8-de-outubro-meditacao-matinal-2015-ligado-na-videira-meditacoes-diarias/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querido irmão Luciano Sena, a paz do Senhor!

      O irmão não estaria se contradizendo dizendo o seguinte:

      a) "Gênes, comente somente sobre o texto do artigo". Mas você não pede pra mais ninguém! No mínimo curioso.

      b) diz que irá excluí-lo se ele não seguir seu conselho! Mas o irmão não diz isso pra mais ninguém! Ameaça exclusiva, pois é pessoal.

      Ai o irmão faz os seguintes comentários para o irmão Moisés:

      "Moisés, começa melhorar o nível dos comentários..."

      E depois...

      "embora NÃO é sobre isso a POSTAGEM, mas vele o esforço..."

      Nos diga uma coisa irmão Luciano Sena...

      Não seria o caso de o irmão dizer " atenha-se ao texto do arquivo" ao invés de ELOGIAR o "esforço" do irmão Moisés e ainda dizendo que o "EXCLUIRÁ" por isso, pois como você mesmo disse: "não é sobre isso a postagem", mas vale o "ESFORÇO?

      Isto soa no mínimo estranho!

      Isso não poderia ser a comprovação de seu "preconceito" alheio a alguém ou a uma instituição? Será?

      Um comenta usando a tal da "citação", mas é orientado a comentar somente o "texto do artigo" com intimação de "exclusão". O outro comenta fora do "texto do artigo", não "cita" a fonte e é "elogiado" pelo "esforço".

      Irmão Luciano Sena, se isso não for "contradição" é "preconceito"!

      Ou seja, acepção de "pessoas"! (risos)...

      Abraços, feliz sábado - o único e verdadeiro Dia do Senhor!

      Iod Rê Vav Rê!



      Excluir
  16. Luciano Sena,

    Milhares de cristãos das mais diversas denominações já leram os livros de Ellen White bem como fontes primárias adventistas e nenhum deles tem dificuldades em relação ao adventismo no assunto da trindade.

    Pelo contrário, é valorizada a forma como o adventismo se arraigou a esta doutrina bíblica essencial. E também a forma como debateu e defendeu tal doutrina internamente.

    O motivo de o irmão atacar a Igreja Adventistas é por vê-la como uma ameaça às suas crenças pessoais.

    O adventismo mesmo sendo contra a imortalidade da alma, o tormento eterno e a guarda do domingo no lugar do sábado, nunca foi considerada seita por conta destas coisas.

    Vários estudiosos, inclusive calvinistas nunca declararam que a IASD deveria ser considerada uma seita por conta de suas doutrinas heterodoxas, incluindo a do juízo investigativo.

    Caiu-se também o mito de a IASD pregar a salvação pelas obras por meio de regras de saúde e do sábado.

    Levantar agora um mito ou teoria acerca da questão da trindade, será infrutífero. Não há como suas gesticulações irem contra as fontes primárias e o conhecimento que o corpo cristão ortodoxo tem de que a IASD é uma igreja trinitariana.

    E o fato de a IASD ser tratada como uma igreja cristã, sendo tratada apenas por uma minoria como seita, já demonstra de a questão de se atacar a IASD é por possuir crenças que atentam diretamente contra grupos minoritários ex:

    Calvinistas que crêem na dupla predestinação;
    Alguns evangélicos que crêem na abolição da lei;

    É por conta de crenças particulares como estas que a IASD é tratada como seita por grupos minoritários.

    Agora o irmão não vê calvinistas chamarem a IASD de seita por pregarem contra a dupla predestinação calvinista, nem evangélicos chamarem a IASD de seita.

    Porque a quase totalidade das igrejas cristãs apoiam o adventismo nesta perspectiva por considerarem estes ensinamentos como sendo diabólicos.

    A questão é que as demais igrejas ortodoxas não se propõem a falar muito destes assuntos, enquanto que o adventismo "entra de sola".

    E fala também de temas polêmicos que dividem a opinião cristã, como a questão de Miguel ser um título honorífico de Cristo, Azazel ser um dos nomes atribuídos pela Bíblia a Satanás. A Mortalidade da alma e o aniquilamento do ímpios.

    Perspectivas apoiadas por teólogos das mais diversas denominações ao longo da história.

    Walter Martin, dentre outros estudiosos que analisaram a doutrina distintiva do juízo pré-advento, concluíram que tal ensinamento da forma como é realmente ensinada pelo adventismo em nada desmerece a Igreja Adventista como uma genuína igreja cristã.

    Agora o que não pode é uma minoria querer mandar na maioria, com ares de ortodoxia, tentando combater o adventismo a fim de defender suas próprias doutrinas heréticas, dentre outras crenças particulares.

    (...)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Enfim, o adventismo tem demonstrado de que você pode crer na Mortalidade da alma, pode crer de que o inferno tradicionalmente crido não existe, de que o tormento não será eterno e crer na aniquilação dos ímpios e ainda ser considerado um cristão ortodoxo.

      Pode guardar o sábado ao invés do domingo, pode crer de que Miguel é um título honorífico de Cristo.

      Então a razão de grupos minoritários quererem impor ares de sectarismo por conta de tais crenças é tão somente para garantir que os cristãos continuem mantendo as mesmas crenças que estes.

      Então há uma igreja que reúne estas crenças compartilhadas por cristãos dispersos nas mais diversas denominações. Nestas denominações, as suas crenças representam a minoria, mas dentro do adventismo os que creem em tais doutrinas são a totalidade.

      Então a IASD acaba se tornando referência para esta minoria dentro da cristandade e que crêem em certos ensinamentos assim como os adventistas.

      Para resumir, hoje é muito mais aceitável crer em um juízo pré-advento do que se crer em uma dupla predestinação calvinista ou na abolição da lei.

      Porque o juízo pré-advento não tem nada de herético nem sectário, quando consultado nas fonte primárias adventista, como feito por Walter Martina.

      Quanto à dupla predestinação calvinista e a abolição da lei, porém, não há como se negar de que sejam realmente doutrinas heréticas.

      Então se a doutrina do juízo investigativo era o último motivo, já não é mais!

      E tentar mexer na doutrina da trindade, tentando deturpa-la como se fez com a do juízo investigativo, não trará fruto algum, porque a doutrina trinitariana, ao contrário do que o irmão imagina, já é bem conhecida da comunidade cristã, especialmente por conta dos livro de Ellen White, a escritora cristã mais traduzida da história, cujo público maior é o cristão ortodoxo nas mais diversas denominações em todo o mundo.

      Então estes que já leram tais livros bem como outras fontes adventistas, conhecem bem que o amigo está tentando forçar a barra, ou como dizem "colocar cifre em cabeça de égua".

      E isto só desmerece o seu ministério, irmão Luciano.

      Excluir
  17. Sr Adventista, ok. Se comentário interagiu com as provas...? Ou mais uma vez, uma promoção do super, mega, adventismo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que vejo em seu artigo é que o irmão discorda da opinião de eruditos sobre a IASD ser uma genuína igreja cristã.

      O irmão teria pelo menos UMA fonte de algum teólogo e estudioso renomado, que tenha estudado a doutrina da trindade adventista e concluído que não era genuína?

      Excluir
  18. Eu sou evangélico e nunca li nenhum livro dessa falsa profetiza. E não concordo com as doutrinas adventista, eu na verdade agradeço por esse site. Já tinha o adventismo como heréticos, agora ainda mais


    ResponderExcluir
  19. Eu sou evangélico e nunca li nenhum livro dessa falsa profetiza. E não concordo com as doutrinas adventista, eu na verdade agradeço por esse site. Já tinha o adventismo como heréticos, agora ainda mais


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns, o irmão acabou de demonstrar como a maioria de nossos críticos são completamente ignorantes quanto aos escritos de Ellen White.

      Obrigado por não deixar nenhuma sombra de dúvida, irmão Matias.

      Excluir
  20. Respondendo ao Luciano Sena sobre a sua postagem do dia 3 de março:

    "mesmo que seja plagiando sem citar a fonte, coisa de Ellen White, mas vale... (risos)..." Luciano Sena

    "Como eu costumo dizer, praticamente TODAS as acusações que são feitas contra os Adventistas e suas crenças já foram amplamente respondidas.
    Por falta de interesse, má fé ou preconceito cego, alguns preferem ignorar esta realidade e continuar "batendo nas mesmas teclas" de sempre. A Revista Adventista, a Lição da Escola Sabatina, as publicações doutrinárias oficiais, os sites mantidos pela Organização, etc., estão abarrotados de esclarecimentos sobre os diversos pontos controversos da fé Adventista. Só não vê quem não quer...
    Um dos já surrados questionamentos que vez ou outra retorna à baila é o que diz que Ellen White usou textos de outros autores para preparar suas obras, o que caracterizaria a prática de PLÁGIO por parte dela."
    http://prgilsonmedeiros.blogspot.com.br/2009/01/ellen-white-praticou-plgio.html

    "Os críticos acusaram Ellen White de plágio porque ela incluiu tais seleções de outros autores em seus escritos. Mas o mero uso da linguagem de outro não constitui roubo literário, como observou o advogado Vincent L. Ramik , especialista em casos envolvendo patente, marca registrada, e direitos autorais. Depois de pesquisar cerca de 1.000 casos sobre direitos autorais na história da justiça americana, Ramik escreveu um parecer legal de 27 páginas no qual ele concluiu que "Ellen White não foi uma plagiarista, e seus trabalhos não constituíram infração de direitos autorais/pirataria". Ramik salienta vários fatores que os críticos dos escritos de Ellen White deixaram de levar em consideração ao acusá-la de roubo ou fraude literária."
    http://prgilsonmedeiros.blogspot.com.br/2009/01/ellen-white-praticou-plgio.html

    Pode-se ler a matéria completa no endereço citado acima.

    ResponderExcluir
  21. Respondendo ao Luciano Sena sobre a sua postagem do dia 3 de março parte II:

    "Seria bom vc citar de onde pegou isso, para não parecer que foi vc que escreveu, não é mesmo?"Luciano Sena

    *https://meditacaomatinal2014.wordpress.com/2015/09/18/8-de-outubro-meditacao-matinal-2015-ligado-na-videira-meditacoes-diarias/

    Não peguei as informações postadas neste endereço aí acima citado, pois tenho em mãos o próprio livro (meditação) escrito por George Knight.
    O que eu fiz foi uma pequena compilação e resumo das meditações dos dias 7 e 8 de outubro de 2014.

    George R. Knight, Para não esquecer: meditações diárias (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2015), 286, 287.

    ResponderExcluir
  22. "Entre os anos de 1880 e o meio do século 20, o adventismo passou por uma revolução na crença sobre a Trindade e a natureza divina do Filho e do Espírito. [...] Ellen White apontou o adventismo para a nova direção, mas suas declarações não criaram a revolução. Em vez disso, incentivaram outros adventistas a explorarem as Escrituras por si mesmos, em busca de uma resposta bíblica sobre o assunto.
    Mesmo assim, porém, a mudança não foi rápida. Na verdade, demorou décadas. Um exemplo foi a Conferência Bíblica organizada pela Associação Geral em 1919. Nela, o debate inicial sobre a Trindade deixou alguns nervosos. Um dos pastores da liderança declarou: 'Não posso aceitar a suposta doutrina trinitária. [...] Não consigo acreditar que duas pessoas da Divindade são iguais, o Pai e o Filho. [...] Não posso crer na doutrina trinitária de três pessoas que sempre existiram.'
    O presidente da Associação Geral, Arthur G. Daniells, tentou acalmar as coisas ao dizer: 'Não vamos votar em favor do trinitarismo ou arianismo.' Ele também afirmou que as escamas haviam caído de seus olhos após a publicação de 'O Desejado de Todas as Nações' [escrito por Ellen White] e depois de pesquisar o assunto na Bíblia.
    Em 1931, a denominação fez a primeira declaração de crenças fundamentais com uma posição trinitária. Isso não quer dizer que todos concordaram com ela. Redutos antitrinitários permaneceram até os anos 1940; mas, na década de 1950, a igreja passou a ecoar a mesma voz em relação à Trindade."
    George R. Knight, Para não esquecer: meditações diárias (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2015), 291.

    ResponderExcluir
  23. A quem gosta de ler, o que duvido nosso irmão Matias bem como outros críticos tenham costume de fazer:

    http://centrowhite.org.br/pesquisa/artigos/o-debate-adventista-sobre-a-trindade/

    Destaque-se a conclusão:

    O longo processo de mudança desde a rejeição inicial do trinitarianismo dos credos pelos primeiros adventistas até à sua eventual aceitação de uma doutrina da Trindade poderia ser corretamente chamada de uma busca por uma Trindade bíblica. Eles não eram tão preconceituosos contra as fórmulas tradicionais, mas estavam decididos a seguir à risca sua doutrina o mais perto possível das Escrituras. A fim de basear suas crenças somente nas Escrituras e privar a tradição de exercer qualquer autoridade teológica, eles achavam metodologicamente essencial rejeitar toda doutrina não claramente fundamentada apenas nas Escrituras. Sendo que a doutrina tradicional da Trindade continha claramente elementos não escriturísticos, eles a rejeitaram.

    A pergunta que se faz é sobre: "Sendo que a doutrina tradicional da Trindade continha claramente elementos não escriturísticos, eles a rejeitaram"

    Este é o ponto que de forma fracassada (opinião pessoal) o irmão Luciano Sena tentou explorar.

    O exemplo clássico era a questão de Deus não ter corpo nem partes e que está presente da declaração de crenças metodista e que não se encontra em outras igrejas.

    Ou seja, Deus não ter corpo nem partes não faz parte da revelação escriturística.

    A crença de Deus não ter corpo nem partes faz parte da trindade ortodoxa?

    Somente um ignorante diria tal coisa, uma vez que tal declaração sequer está presente na declaração de fé de outras igrejas, nem em concílio, nem em catecismo.

    Assim a IASD não comunga desta declaração assim como outras igrejas também não comungam.

    ResponderExcluir
  24. Um pouco mais de fontes primárias:

    http://centrowhite.org.br/pesquisa/artigos/ellen-g-white-e-a-compreensao-da-trindade/

    ResponderExcluir
  25. Como previsto, não há interação com as provas, e os comentários adventistas são evasivos.

    Definitivamente, não podem negar, apenas nublar.

    As provas estão aí.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
    2. Começou a apelação! O que o medo e insegurança não fazem!

      Excluir
    3. São tão evasivos que são apagados! (rs)

      Excluir
  26. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Começou a apelação! O que o medo e insegurança não fazem!

      Excluir
  27. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Começou a apelação! O que o medo e insegurança não fazem!

      Excluir
  28. Da postagem➡ Portanto, podemos dizer que diferença da trindade Adventista de Raoul Dederen e Fernando Canale da doutrina cristã clássica, ESTÁ EM SUA ESSÊNCIA, EM SUA CONSTITUIÇÃO ONTOLOGICA E NUMÉRICA. Perceba o que é dito pelos teólogos adventistas:

    “[...] os três membros da Divindade como indivíduos tangíveis e pessoais, vivendo desde a eternidade em união de natureza, caráter, propósito e amor, mais ainda assim tendo cada uma Sua identidade pessoal. Este é um ponto de vista simples e bíblico da Trindade, em contraste com os pontos de vista tradicionais, baseado nas pressuposições da filosofia grega.” (A Trindade, p. 248).

    Agora, podemos voltar para o credo oficial adventista, e perceber algo latente. Que existe um elemento ambíguo, percebemos que não há no documento oficial de crenças adventistas, uma confissão de uma mesma essência numérica – “2. A Trindade. Há um só Deus: Pai, Filho e Espírito Santo, uma unidade de três Pessoas coeternas.” Isso é trinitarianismo, mas não é só isso! Essa unidade deve ser tratada dentro na unidade numérica e essencial de Deus, para que ele seja um só. Não é possível, dentro da visão de Dederen e Canale, espaço para essa unidade da doutrina clássica que mantém o Ser de Deus, como um só Espírito.

    Nota➡As ênfase aí acima são minhas.

    Luciano, você tocou num ponto essencial para desmascarar estas falsas "trindades" que andam por aí. Esta trindade Adventista, não passa de politeísmo, porque não conserva a absoluta e ontológica unicidade que há em Deus, coisa que desde os Pais pré-Nicenos, foi a preocupação principal.

    O problema com a trindade Adventista, é que ao mudar a doutrina deles, do unitarianismo para o trinitarianismo, eles trouxeram o unitarianismo deles para dentro de uma concepção de trindade, elaborada por eles mesmos, porque não poderiam negar o que está escrito nos livros de White, onde aparecem dois seres, mais um de natureza diferente, não física, no caso, o Espírito Santo, o que compromete a consubstancialidade das três pessoas EM Deus, não três pessoas separadas ou FORA do Ser de Deus, e portanto constituindo três seres, assim como na revelação de Joseph Smith...

    Na verdade, está "transição" que os teólogos Adventistas fizeram do unitarianismo para a doutrina da Trindade, foi desastrosa, porque eles ficaram com três seres em vez UM Ser como está nos credos confessionais... Seria melhor se eles tivessem permanecido unitarianos ou adotassem os credos já consagrados e aceitos...

    Com essa "nova" doutrina da trindade os Adventistas são tão politeístas quanto os Mormons......

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Não há no documento oficial de crenças adventistas, uma confissão de uma mesma essência numérica" (Paulo Cadi)

      E o que Paulo Cadi escreve logo em seguida:


      “2. A Trindade. HÁ UM SÓ DEUS: Pai, Filho e Espírito Santo, uma unidade de três Pessoas coeternas.”

      Como diria nosso irmão Alexandre: kkk, Paulo Cadi não lê aquilo que ele próprio escreve.

      Excluir
    2. Agora o irmão Luciano tem que nos dizer se na sua Trindade, Deus é etéreo ou intangível, sem corpo nem partes.

      Gostaria de ver isto em alguma declaração de crenças. Será que nem isto Luciano Sena poderá nos mostrar?

      Excluir
  29. O Sr. Adventista, é que tem de prestar mais atenção no que lê... Deve ter pegado o bonde andando....leia de novo, e de novo, e de novo, se não entendeu.

    Evidente que a doutrina Adventista da trindade, não passa de politeísmo, assim como a sua co-irmã doutrina Mórmon.... A unicidade de pessoas, ocorre Em Deus, não FORA de Deus, como acontece na trindade Adventista e Mórmon.

    Se a unicidade de Pessoas ocorrer FORA de Deus, ocorreu movimento e "sombra ou variação de mudança" na essência de Deus, como diz em Tiago 1:17, que não pode ocorrer... Além disso, a separação das três pessoas FORA do Ser de Deus, compromete o atributo da onipresença de Deus a qual é Absoluta e eterna.....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "A unicidade de pessoas, ocorre Em Deus" (Paulo Cadi)

      Como aqui?:

      “2. A Trindade. Há um só Deus: Pai, Filho e Espírito Santo, UMA UNIDADE de três Pessoas co-eternas.”

      Como lemos:

      Há um só Deus, uma unidade de três Pessoas co-eternas.

      Então sou obrigado a corrigir minha afirmação anterior:

      Paulo Cadi mesmo após conseguir ler, não consegue entender aquilo que ele próprio escreve.

      Excluir
  30. Olá
    Assim como a Santa Doutrina da Santíssima Trindade tem que ser entendida corretamente as demais doutrinas tem que ser também como por exemplo a alma é imortal e o inferno é eterno então a mortalidade da alma e um inferno não eterno são heresia pois Jesus só pregou uma e somente uma doutrina.

    Luiz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luiz estamos falando sobre a trindade, não estamos falando do mal eternizado.

      Excluir
  31. A doutrina cristã da Trindade (do latim trinitas "tríade", de trinus "tripla") define Deus como três pessoas CONSUBSTANCIAIS [NÃO PODEM SER DIVIDIDAS] expressões ou hipóstases:[ o Pai, o Filho (Jesus Cristo) e o Espírito Santo; "um Deus em três pessoas". As três pessoas são distintas, mas são "UMA SUBSTÂNCIA ESSÊNCIA OU NATUREZA."

    De acordo com este mistério central da maioria das religiões cristãs, existe apenas um Deus em três pessoas. Apesar de distintas uma da outra nas suas relações de origem (como o Quarto Concílio de Latrão declarou, "é o Pai quem gera, o Filho quem é gerado e o Espírito Santo quem realiza"), nas suas relações uns com os outros são considerados como um todo, co-iguais, co-eternos e CONSUBSTANCIAIS. E cada um é Deus, completo e inteiro. Assim, toda a obra da criação e da graça é vista como uma única operação comum de todas as três pessoas divinas, em que cada uma delas manifesta o que lhe é próprio na Trindade, de modo que todas as coisas são "a partir do Pai", "através do Filho" e "no Espírito Santo".

    Uma substância indivisível, e não três pessoas separadas umas das outras, como na trindade Adventista e Mórmon, que são iguais.

    Além do mais, os Adventistas tem de explicar, que se Deus é uma associação de pessoas, e as duas primeiras tem um corpo como de homem [não estou me referindo as Teofanias].... De onde surgiu o espaço Dentro do qual estas três pessoas separadas sempre existiram?......

    ResponderExcluir
  32. "Sr. Adventista, 06 de março de 2016 13:40

    "A unicidade de pessoas, ocorre Em Deus" (Paulo Cadi)

    Como aqui?:

    “2. A Trindade. Há um só Deus: Pai, Filho e Espírito Santo, UMA UNIDADE de três Pessoas co-eternas.”

    Como lemos:

    Há um só Deus, uma unidade de três Pessoas co-eternas.

    Então sou obrigado a corrigir minha afirmação anterior:

    Paulo Cadi mesmo após conseguir ler, não consegue entender aquilo que ele próprio escreve.a6 de março de 2016 13:40
    "A unicidade de pessoas, ocorre Em Deus" (Paulo Cadi)

    Como aqui?:

    “2. A Trindade. Há um só Deus: Pai, Filho e Espírito Santo, UMA UNIDADE de três Pessoas co-eternas.”

    Como lemos:

    Há um só Deus, uma unidade de três Pessoas co-eternas.

    Então sou obrigado a corrigir minha afirmação anterior:

    Paulo Cadi mesmo após conseguir ler, não consegue entender aquilo que ele próprio escreve."

    Resposta➡Por aí se vê que você não conhece a doutrina da Trindade... Existe UNIDADE de pessoas no sentido ONTOLOGICO, ABSOLUTO, INDIVISÍVEL, entendeu Sr. Adventista?....

    A natureza e essência de Deus não pode ser dividida, sem sofrer alguma alteração ➡Tiago1:17....A UNIDADE de pessoas existe EM DEUS, porque se existir como três pessoas separadas, como nós somos, não é mais um Deus, mas três deuses... A UNIDADE de pessoas ocorre no seio da Divindade, e não FORA da Divindade... OK?

    Se Deus, é três pessoas separadas como os humanos, de onde surgiu o espaço onde estas três pessoas eternas, vivem e se locomovem?

    De agora em diante os seus argumentos vão se lascar, que nem lá na postagem das testemunhas...

    ResponderExcluir
  33. Sr Adventista, o que tenho a respeito do assunto, eu já escrevi. E o que pediu, prova que vc nem leu a postagem ainda, e se leu, passou apenas os olhos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E o que o irmão quer saber exatamente sobre a trindade que cremos, Luciano Sena?

      Se eu souber o que o irmão deseja, talvez possa lhe ajudar.

      Excluir
    2. Eu disse que quero saber alguma coisa de vc? Nem sei quem vc é, nem os adventistas sabem quem é vc, esconde sua identidade, além disso, meu caro, o que sei sobre a trindade adventista é baseado em fontes adventistas identificadas na postagem.

      Excluir
    3. O irmão não tem um estudo completo, apenas buscou, nas fontes, trechos que possam corroborar com suas expectativas e os montou de forma a tentar provar o seu ponto de vista.

      Excluir
    4. Veja, seu argumento é dizer que a doutrina adventista é igual a mórmon, porém todos os teólogos e estudiosos que estudaram, de fato, nossa doutrina sabem que não é igual à mórmon.

      Pelo contrário, entendem que é a mesma compreensão essencial das demais igrejas.

      Então digo novamente, o irmão está procurando chifre em cabeça de égua.

      Se ao invés de usar o propósito de atacar esta doutrina procurasse entendê-la, ampliaria ainda mais sua compreensão Bíblica acerca da Trindade.

      O livro A Trindade, publicada pela CPB tem sido um material utilizado por estudiosos das mais variadas igrejas.

      Não encontramos nenhuma objeção quanto à este livro que, segundo estudiosos como Leandro Quadros, define muito bem nossa compreensão acerca da trindade.

      Então, se o irmão quiser saber sobre a visão da Trindade Adventista e suas bases, leia, de fato, todo o livro.

      Ou seja a visão que temos sobre a Trindade está no livro e as bases desta doutrina, também está no livro.

      Então se alguém quiser saber sobre a Trindade adventista, basta adquirir o livro.

      O que vejo é que o irmão está tentando INVENTAR uma outra trindade para os adventistas, usando suas subjeções. Em seu escrito o irmão se dispõe a SUPOR por várias vezes as opiniões de terceiros dizendo: Eu acho que o autor pensava isto e aquilo. Eu acho que a pessoa que escreveu não sabia disto e daquilo.

      O nome disto é especulação, irmão Luciano.

      Excluir
    5. O irmão Luciano Sena, não lê nem COMENTÁRIOS... não vai ler LIVROS!

      Excluir
  34. A Confissão de Fé de Wetminster:

    "Ele é um espírito puríssimo, invisível, sem corpo, membros ou paixões"

    Se o irmão interpreta espírito como sendo algo intangível, etéreo e que Deus não pode ser visto nem mesmo pelas criaturas que o cercam e coloca isto como ponto essencial ortodoxo, devo dizer ao irmão que a confissão de Fé de Wetminster é uma autoridade calvinista e não representa a opinião da maioria ortodoxa.

    A IASD não segue este catecismo, bem como a maior parte das igrejas. E não se trata de um resumo da fé de todos os reformados (luteranos, calvinistas, wesleyanos etc) mas tão somente da calvinista.

    O que posso dizer ao irmão?

    Que esta visão de que Deus é intangível, sem corpo nem partes, não é de procedência bíblica.

    O erro já começa chamando a fé calvinista de fé Reformada!

    Não! A fé reformada é aquela que representa a fé dos vários ramos de reformadores!

    E a reforma maior é a de Lutero.

    Agora se o irmão está tentando forçar a introdução desta visão na ortodoxia, é um direito seu.

    Só não pode ficar indignado pelo fato de a IASD no seu processo de de solidificação da Trindade em seu meio, rejeitar esta parte que é crença de alguns.

    Repito novamente ao irmão. O restante das igrejas, não estão muito interessadas em especular se Deus tem, como diz o irmão Alexandre, cabeça e pescoço.

    Se a substância de Deus é etérea ou paupável.

    O que as igrejas mais se preocupam é em dizer que Deus é UMA unidade de três pessoa coeternas de igual natureza, essência e propósito. Onicientes, onipresentes e onipotentes.

    Então a visão ortodoxa não é a sua visão, mas a nossa visão, daqueles que não se preocupam em medir a altura da canela de Deus, ou discutir se deus tem ou não canela e se esta canela é paupável ou não ou ainda, visível ou invisível.

    Então, com todo respeito ao irmão bem como o Reverendo Metodistas, os amigos estão apenas a tentar defender uma particularidade das crenças comuns do irmão.

    Em minhas pesquisas encontrei esta questão de Deus ter corpos ou partes apenas uma crença metodista, o que corrobora com a Confissão de Fé de Wetminster.

    Porém tal confissão de fé não representa a norma de crença das demais igrejas não calvinistas, e a visão particular do amigo Reverendo, a respeito deste assunto, continua sendo também particular.

    Portanto se os irmãos argumentam de que a Trindade adventista não é ortodoxa por conta da ausência destas definições (como tanto chorou o irmão Paulo Cadi), igualmente está argumentando que as demais religiões que não comungam desta particularidade não tenham também uma Trindade ortodoxa.

    A Bíblia diz que Deus é espírito, mas não diz como é a NATUREZA deste espírito.

    Existe uma linha com ideias gregas que acredita que Deus seja da mesma substância do espírito humano (segundo a compreensão grega de que o homem possui uma alma etérea).

    A Bíblia não diz que o homem tem uma alma etérea e muito menos se esta alma intangível e invisível tem corpo ou partes.

    Por isto gostaria de saber se o irmão interpreta esta declaração de Wetminster como Deus tendo esta natureza.

    (...)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E gostaria também se o amigo Reverendo, comunga igualmente desta visão.

      Então direi abertamente se esta visão da Trindade dos amigos é igual à Adventista!

      Quando a esta crença dos amigos representar a opinião ortodoxa, daí já é muita pretensão dos amigos.

      Deveriam estudar um pouco mais sobre ortodoxia em fontes extra calvinistas e metodistas. E verão que metodismo e calvinismos devem estar contidos dentro da ortodoxia e não a ortodoxia contida dentro de definições calvinistas ou metodistas.

      Ademais adventistas tem sua base reformada na de Lutero e o irmão conhece bem a opinião deste reformador acerca destas questões, um pequeno exemplo:

      “Contudo, permito ao Papa estabelecer artigos para ele mesmo e seus fiéis seguidores, tais como: Que o pão e o vinho são substanciados no sacramento, que a essência de Deus gera não é gerada, que a alma é a forma substancial do corpo humano, que ele (o papa) é o imperador do mundo e rei do céu e um deus terreno, que a alma é imortal, e todas essas monstruosidades sem fim...( Afirmação de todos os artigos de M. Lutero condenados pela última Bula de Leão X), artigo 27, Weimar edição das Obras de Lutero, vol. 7, pp 131, 132, com ênfases)

      Ou seja, irmão Luciano, o irmão está fazendo de conta que esta visão particular é crença ortodoxa.

      O irmão então está dizendo que a Trindade Adventista é diferente da Trindade Reformada (cavinista)!

      Então não é a Trindade Adventista sendo diferente da Trindade ortodoxa, porque a ortodoxia não provém da fé calvinista.

      E creio que o termo fé calvinista deveria continuar sendo chamada assim ao invés de "fé reformada". Porque a fé calvinista não representa a fé geral reformada (que inclui Martinho Lutero e os demais).

      É questão, portanto de calvinista baixar um pouco a crista, baixar um pouco a bola e procurar ser honesto e sincero com usa proposta. Deixando de usar falácia e dizer claramente o que incomoda:


      A concepção base Adventista bem como outros que não tem origem na fé calvinista (vulgo reformada), não contêm um detalhe sobre a substância de Deus em suas doutrinas trinitarianas!

      A Trindade ortodoxa (falando em termos daquilo que todos crêem) trata de Natureza, Essência e Propósito. Sem no entanto se aventurar em descrever como é esta Natureza, porque não faz parte da Bíblia e as igreja consideram que é algo que não possamos compreender com nossa mente falha, limitada e pecadora.

      E esta questão de definir inclusive a SUBSTÂNCIA de Deus e dizer que toda doutrina sobre a Trindade tem que definir se Deus tem corpos ou partes, se é tangível ou intangível, é coisa de orientados ao calvinismo e que não tem mais o que fazer. E que na arrogância pretende colocar uma crença particular como regra geral ortodoxa, que é a proposta de muitos calvinistas, percebível até pela troca da definição de "fé calvinista" para "fé reformada".

      Agora, será que a história da IASD em seu desenvolvimento afeta esta compreensão calvinista e de alguns metodistas acerca da trindade?

      Sim! Sendo este justamente o motivo do incômodo do amigo!

      Diriam alguns:

      - Veja, no desenvolvimento da Trindade, os adventistas atacaram de maneira forte muitas bases que se parecem com aquilo que nossa confissão de fé define sobre a Natureza de Deus.

      E agora o irmão tenta impor que tal crença particular é a ortodoxa.

      Isto é o que incomoda o amigo na questão do desenvolvimento da Trindade pelos adventistas.

      Agora o irmão falha em todo o seu propósito por um simples fato naturalmente perceptível.

      Dizer que estas particularidades incluídas na fé do irmão, acerca da trindade, é a ortodoxa é uma falácia. Todo teólogo e estudioso que estuda a trindade em cada uma de suas religiões, percebem que estas particularidades não estão incluídas em suas crenças e seus estudos.

      A definição que mais "pega" em questão da trindade adventista é discordar que Deus seja intangível. Acreditando em um Deus tangível.

      Trazendo a verdade à tona e a razão de toda discussão:

      (...)

      Excluir
    2. azões para a rejeição. Os pioneiros apresentavam basicamente duas razões para rejeitar essa doutrina. A primeira é o fato de que muitos credos protestantes definem a Trindade como uma essência “sem corpo ou partes”. Em outras palavras, Deus não era entendido como um ser pessoal, mas abstrato e fantasmagórico. Essa compreensão sobre a Trindade “espiritualiza a existência do Pai e do Filho como duas pessoas distintas, literais e tangíveis”.2 Os pioneiros argumentavam que esse conceito contradiz a Bíblia, pois ela apresenta Deus como um ser pessoal “tangível”, que “possui corpo e partes”.3

      Estes "muitos credos protestantes" é justamente este que o irmão crê e tem tentado impor como ortodoxo, um Deus sem corpo nem partes.

      Podemos então dizer que os adventistista iniciais eram anti-trinitarianos principalmente por rejeitarem esta particularidade (presente na fé de muitos calvinistas que segue a confissão de Wetminster e alguns metodistas). Mas tendo derrubado esta definição, a igreja então depois de algum tempo a doutrina da trindade de forma unânime.

      Assim sendo a investida do amigo trata-se apenas de uma tentativa, ao meu ver desesperada, de tentar combater uma opinião contrária.

      Agora, como muitas igrejas consideram perigoso entrar no campo da especulação de coisas que não estão reveladas na Bíblia no que tange a tratar ou até definir a natureza de Deus, esta atitude dos adventistas em nada compromete a sua fé na Trindade. Pelo contrário, demonstra que os adventistas, sendo fiéis e inteiramente subordinados à Bíblia rejeitaram, assim como muitas igrejas, definições acerca da natureza de Deus e que jamais fizeram parte da Revelação.

      Agora, Ellen White, juntamente com eruditos adventistas, irão, através da história "combater" (entre aspas) internamente esta pretensão de se tentar definir a natureza de Deus.

      E se demais igrejas seguissem este exemplo?

      Aconteceria o que aconteceu no adventismo e como acontece em muitas igrejas e qualquer tentativa de se tentar definir a natureza de Deus, fora das escrituras, seria prontamente rejeitada.

      Então vemos a razão a rejeição da trindade por parte dos pioneiros adventistas, porque havia na comunidade ortodoxa, aqueles que pregavam um Deus sem corpo nem partes e aqueles adventistas que tiveram contato com a trindade nestes moldes, prontamente a rejeitaram, por tal particularidade não ser Bíblica.

      Quando, porém, a trindade foi plenamente esclarecida entre os adventistas, não tiveram dificuldades de aceitá-la de forma unânime.

      Então este detalhe particular na fé dos irmãos (Luciano e Reverendo) apenas atrapalharam o reconhecimento peno da trindade entre os adventistas.

      E os irmãos agora querem impor isto novamente aos adventistas sob ar de ser "ortodoxo".

      Poupe-nos, porque até para as maiores das pretensões, existe um limite.

      Os irmãos é que precisam cuidar deste detalhes particular de suas crenças e parar de tentar definir a natureza de Deus e as suas medidas, porque isto não é algo que foi revelado nas escrituras.

      E se os irmãos querem realmente levar os adventistas bem como toda a comunidade ortodoxa a aceitar isto, deveriam, construir um livro explicando suas razões para tal e não um livro atacando a fé adventista.

      Os irmãos não colocam aqui os versos bíblicos que Dão base para supor que Deus seja sem corpo nem partes. Isto porque, como muitos outros ensinamentos, são coisas derivadas da compreensão grega acerca da imortalidade da alma, sendo uma forma de ajustar a natureza do próprio Deus à esta crença, algo que a Igreja Adventista jamais haverá de apoiar.

      Excluir
    3. Muito bom os textos Sr Adventista, e por batalhardes, diligentemente pela fé.

      "Amados, quando empregava toda a diligência em escrever-vos acerca da nossa comum salvação, foi que me senti obrigado a corresponder-me convosco, exortando-vos a batalhardes, diligentemente, pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos." Judas 3

      Excluir
    4. Olá para todos.

      A citação da confissão de Westminster aqui me chamou a atenção, então parei para ler todo o comentário. Aparentemente o Sr. Adventista, tomando um trecho isolado dos escritos de Lutero (fora de contexto, embora ele critique tirar textos de seus contextos) quer inculcar em todos que não é consenso entre cristãos que Deus é intangível e indiviso. O problema para ele é que esta doutrina é básica para o teísmo clássico, e por isto ela é ensinada não só por calvinistas (como ele quer inculcar), mas por Atanásio, Agostinho, Anselmo, Tomás de Aquino, Maimonides, Avicena e Averróis. Só para demonstrar como este trecho isolado não retrata em nada a crença dos luteranos, vamos citar a confissão de Augsburgo:

      Em primeiro lugar, ensina-se e mantém-se, unanimemente, de acordo com o decreto do Concílio de Nicéia, [1] que há uma só essência [2] divina, que é chamada Deus e verdadeiramente é Deus. E todavia há três pessoas nesta única essência divina, igualmente poderosas, igualmente eternas, Deus Pai, Deus Filho, Deus Espírito Santo, todas três uma única essência divina, eterna, indivisa, infinita, de incomensurável poder, sabedoria e bondade, um só criador e conservador de todas as coisas visíveis e invisíveis. E com a palavra persona se entende não uma parte, não uma propriedade em outro, mas aquilo que subsiste por si mesmo, conforme os Pais usaram esse termo nessa questão. [3]

      Como podemos ver, os luteranos endossam todo o vocabulário usado nesta discussão, além de confessar que Deus é INDIVISO. E por isto a citação de Lutero aqui é tão desencaminhadora, ainda mais quando se usa tudo isto como base principal para a crítica ao texto.

      Excluir
    5. Agora, por que a doutrina da simplicidade divina é fundamental para o teísmo clássico?
      Por que a pessoa que defende que Deus é feito de partes terá que explicar como estas partes foram unidas, quem as uniu, se estas partes possuem os mesmos atributos de Deus como eternidade, onipotência, onisciência e, se tiver, por que estas partes então não poderiam ser consideradas "deuses".

      Nada disto retrata o ensino bíblico que Deus é perfeito e único. Então não se trata de não especular sobre a essência divina, mas sim de preservar a doutrina bíblica da perfeição divina.

      Excluir
  35. A mesma ladainha de sempre - sem nenhuma interação com as provas. Seu discurso, Sr Adventista, é vazio de conteúdo, cheio de crendices em torno do adventismo, e seu oposicionismo é reducionista com o que apresentamos de forma irrefutável.

    Além, de tentar dizer o que não sabe, como foi sua afirmação em comentários acima, a respeito de Deus não ter corpo nem partes, e depois, notou que falou asneiras (eu li e nem me importei em te responder, saiba disso), e agora diz que a CFW não representa as igrejas calvinistas... de fato, sua mentalidade é uma comédia, deve ser por isso que vc se esconde atrás de um 'pseudônimo'.

    Eu que lhe solicito, "poupe-nos" dessa prolixidade fútil. Se te falta desconfiometro, ao menos, tenha um pouco de limites. Se já apresentou suas objeções à postagem, seu comentário está aí, liberado. Mas não encha de do forma interminável, se contra prova alguma.

    ResponderExcluir
  36. Como participante deste site, estou avisando que, por enquanto que o Sr. Adventista não se identificar pelo menos com seu primeiro nome, [seja de seu interesse ou não] deixarei de responder aos seus comentários.... Todos os que aqui comentam tem se identificado, até quem usa pseudônimo... Existem milhares de Joãos, Pedros, Rodrigos, etc...

    Se o Sr. Adventista, tem algum problema para informar a sua identidade, que pelo menos nos dê a conhecer seu primeiro nome... Eu acho uma falta de respeito com os demais participantes e leitores, estarmos interagindo com alguém sem rosto e sem nome.

    Sr. Adventista, você não é diferente dos outros... É uma atitude de cristão nos identificarmos, ainda mais quando conversamos com crentes de outras denominações, sobre assuntos relacionados à Palavra de Deus.

    Até na Bíblia todo o mundo é identificável.

    Você pode muito bem continuar usando o pseudônimo, mas se identificar com seu primeiro nome...

    Então, estou avisando... Continuarei refutando as heresias Adventistas, mas não vou mais me dirigir a você, enquanto não se identificar...

    Mais tarde vou trazer mais alguns comentários, mas vou ignorar se você mencionar meu nome em seus comentários, ou mesmo se dirigir à minha pessoa...

    Fica aí, então, a solicitação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo Cadi, obrigado por não mais responder aos comentários do Sr Adventista. Estás fazendo um grande serviço (a despeito de Matias Ferro e Fogo que não gostará de sua atitude) a favor daqueles que são comprometidos em pregar as verdades bíblicas que em determinado tempo foram jogadas por terra e pisadas.
      Verdades de:
      "Que o homem é livre para escolher ou rejeitar o oferecimento da salvação por meio de Cristo; não cremos que Deus tenha predeterminado que alguns homens sejam salvos e outros se percam.
      Que o homem, na criação, foi dotado de imortalidade condicional; não cremos que o homem tenha imortalidade inata ou uma alma imortal.
      Que os ímpios serão punidos com sofrimento e completa destruição no lago de fogo; não cremos num inferno ardendo eternamente, no qual as almas são atormentadas para sempre.
      Que o sétimo dia da semana é o dia de repouso; não cremos que este dia de repouso tenha sido abolido, mudado para o primeiro dia, ou seja apenas uma sétima parte de tempo."
      Questões sobre Doutrina,51.

      Então Paulo Cadi,estas "heresias" - verdades bíblicas aí acima, assim como outras serão defendidas das suas heréticas refutações. Amém!?

      Excluir
    2. Não falei com você, não se meta onde não é chamado.

      Excluir
  37. Meu nome é Matias Fernandes, sou Batista, congrego na igreja batista de brotas em salvador, Rua Frederico costa.numero 64.bairro Brotas.se quiser saber mais, basta consultar no google o nome da igreja que está aí acima.mais alguma coisa Moisés?

    ResponderExcluir
  38. Concordo com o sr Paulo Cadi...
    E enquanto o sr Adventista não se identificar, TODOS os seus comentários serão excluídos.

    ResponderExcluir
  39. Queridos,percebo certa imaturidade da parte de vocês,se não conseguem discutir idéias é melhor da um tempo.

    Com essa atitude os participantes que sabem analisar,verão que os irmãos por falta de argumentação sólida estão partindo para o lado pessoal.

    O nome de um pessoa é mais importante do que aquilo que ela escreve.
    Sei que o meu comentário possivelmente vai ser apagado, mas se assim for, também o deveria ser dos demais pertencentes do arraial politeísta.
    O Paulo Cadi,Matias Fernandes, e também você irmão Luciano Sena.
    Portanto, vou dar um tempo para ver se os irmãos progridem um pouco.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que vitimismo é esse? Só queremos que ele se identifique, e que se concentre no assunto...

      Excluir
    2. Luciano,com todo respeito quem deveria se concentrar no assunto é o irmão, não basta pegar trechos de uma fonte e com isso fazer um juízo equivocado sobre o tema.

      Portanto vou repetir para o irmão, analise com carinho o que o irmão posta, mas antes analise primeiro por completo a fonte onde o irmão busca tais informações

      Para não acarretar nisso aí acima,em transferir para as outras pessoas a vossa deficiência de interpretação.

      Portanto concentre-se no assunto e não nas pessoas.

      Excluir
  40. Pela tarde, vou continuar, segundo a postagem, analisando o triteísmo Adventista, o qual erroneamente os Adventistas chamam de trindade... Engraçado é que os Antitrinitarianos, entendem a doutrina da Trindade, exatamente da maneira como os Adventistas crêem... Como três seres separados, um prá cá, outro prá lá....E, é essa trindade Adventista, que os Antitrinitarianos pensam estar refutando, quando debatem o tema, com os protestantes, simplesmente porque eles entendem que nós cremos em três entidades separadas, uma espécie de Associação, assim como crêem os Mormons e Adventistas. Mas é EXATAMENTE este mal entendido, que desde antes do Concílio de Niceia, que os Pais da Igreja queriam evitar, e, é nesse mal entendido que os Pais queriam evitar, ou seja, a crença em três deuses, que Adventistas e Mormons caíram quando se desviaram da Fé. Veremos que não tem NADA a ver a trindade Adventista [que nada mais é que do um "mix" da doutrina da Trindade, com a doutrina unitariana defendida pelos fundadores do Adventismo] com a doutrina biblica da Trindade, conforme entendida pelos crentes que viveram antes e depois do Concílio de Niceia.

    De tarde continua....

    ResponderExcluir
  41. Paulo Cadi, pupilo de Luciano Sena, e demais crentes da Trindade Hidra. Boa tarde!

    Vcs adoram misturar as coisas. Não é pra tanto que vcs creiam em alma penada, inferno eterno, etc., uma crença baseada no misticismo grego. Misericórdia!

    ResponderExcluir
  42. Gilson Tenório, em vez de você ficar falando bobagens, porque não faz um comentário sobre o assunto? Se você pertence a Igreja verdadeira, então prove que a trindade Adventista é UM Ser e não três seres.... Você sabe a diferença entre monoteísmo e politeísmo?

    Eu ainda não tive tempo de continuar, mas logo continuaremos analisando a trindade Adventista....

    ResponderExcluir
  43. Olá Gilson Tenório
    Bom dia
    Quem acredita em "almas penadas" são os aniquilacionistas, pois quando Deus na crença de vocês faz o fogo alcançar o ímpio ele virá cinzas. Ora as cinzas não somem em absoluto mas se espalham e como essas cinzas foi a antiga alma vivente ela ficaria espalhada pelo espaço como alma penada.

    Luiz

    ResponderExcluir
  44. Luiz bom dia.

    A bíblia é contra a doutrina que eterniza o mal, essa crença é herética,não nasceu na mente de Deus mas sim do adversário de Deus.

    Portanto se concentre no assunto em voga.

    Gentilmente.

    ResponderExcluir
  45. Paulo Cadi, pupilo de Luciano Sena, ao invés de vc ficar falando (analisando) sobre o que vc não entende (Trindade Adventista) pq vc não sai a pregar o Evangelho e falar do amor de Deus? Vc se preocupa tanto com a crença alheia que se esquece de Jesus.

    Vc chama os Adventistas de politeístas por crerem num Deus, que em essência, são três pessoas distintas e co-eternas em uma unidade. Mas se esquece que sua crença é mais “bizzara” e sem fundamento, num deus com três cabeças (Hidra, mitologia grega). Monoteísmo grego? Misericórdia!

    Fique com Deus.

    ResponderExcluir
  46. Gilson, por que vc se preocupa com esse blog e não vai fazer o que vc mandou nós fazermos?

    ResponderExcluir
  47. Genes a mentalidade adventista é engraçada. Por um lado, dizem que não usamos fontes adventistas e construímos argumentos em "mentiras". Porém, quando o fazemos de forma abundantes, o sistema de defesa é outro, mas confuso. Afinal, não está tudo provado?! Sim...

    ResponderExcluir
  48. Sim Luciano o que está provado é a forma tendenciosa na qual o irmão aborda um determinado tema,não basta pegar trechos isolados para se formar uma sentença, esse método não passa pelo crível de uma boa análise, ou seja, de um bom estudo.

    Portanto temos que lidar diariamente com os críticos,tanto os desinformados quanto os tendênciosos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gênes, então pode nos ajudar de maneira bem especifica.

      Aponte onde exatamente eu fui 'tendencioso' ao citar os 'trechos isolados' para formar uma sentença?

      Excluir
    2. Luciano o irmão novamente se faz de desentendido.

      Vou dar lhes novamente o conselho, analise por COMPLETO a fonte onde o irmão busca tais informações,não pegue somente aquilo que te apraz, pois isso é bem costumeiro dos dissidentes que continua a utilizar tal metodologia retrógrada.

      Excluir
  49. Olá mais uma vez.

    Tirando as respostas que dei acima para o Sr. Adventista, gostaria de esclarecer mais uma coisa: afinal, quando os escritores bíblicos usam a palavra "espírito", eles se referem a algo intangível ou tangível? O espírito "intangível" é alguma concepção filosófica grega baseada na imortalidade da alma?
    Acho que temos a resposta para isto aqui:

    (Lc 24:36-40) Enquanto ainda falavam nisso, o próprio Jesus se apresentou no meio deles, e disse-lhes: Paz seja convosco. Mas eles, espantados e atemorizados, pensavam que viam algum espírito. Ele, porém, lhes disse: Por que estais perturbados? e por que surgem dúvidas em vossos corações? Olhai as minhas mãos e os meus pés, que sou eu mesmo; apalpai-me e vede; porque um espírito não tem carne nem ossos, como percebeis que eu tenho. E, dizendo isso, mostrou-lhes as mãos e os pés.

    Como podemos ver, se o espírito intangível é uma concepção grega, ela era compartilhada por Jesus e os apóstolos. Aliás a distinção entre tangível e intangível é usada neste relato para demonstrar que Jesus de fato ressuscitou dos mortos.
    Sendo assim, o conceito bíblico de espírito é de algo intangível. Cabe a quem discorda demonstrar o contrário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aparentemente sua interpretação destrói todo o contexto da passagem, e por isto ela é inaceitável. Vamos aos sérios problemas que ela traz:
      1) Ignora que Lucas está escrevendo para um gentio que aparentemente não conhece detalhes do judaísmo (como por exemplo, explicando a lei em 2:23). Então, mesmo que o ensino bíblico era que o espírito é tangível, teríamos que esperar uma explicação de Lucas para alguém que possivelmente não saberia disto. Teríamos que esperar que Lucas explicasse que era um problema de concepção errada, e não um problema de tangibilidade.
      2) O relato nos é registrado para demonstrar que Jesus ressuscitou, e a evidência para isto é que ele era tangível. Mas se todo espírito é tangível, como você defende, então o argumento de Jesus não traria nada de novo, e precisaria ser mudado.
      3) A palavra usada aqui e para Deus é pneuma, uma palavra grega que não possui em seu campo léxico o significado que você quer apresentar. Para o judeu usá-la, tendo outro significado, é necessário que haja alguém que a redefina, e esta redefinição é totalmente necessária, caso você queira defender que o significado da palavra é diferente no Novo Testamento.
      4) Se o conceito de espírito é dado em Gênesis 2:7 (que em momento algum usa o termo pneuma), e que este conceito é o de "fôlego de vida", então a conclusão é que o espírito é algo etéreo, já que o fôlego de vida é etéreo.
      5) Não há nada no texto que indique que os apóstolos ou Jesus pensassem que espírito fosse tangível. Fique à vontade para encontrar algo que aponte para isto.

      Sendo assim, sua interpretação não é aceitável, já que adiciona elementos estranhos ao texto.

      Excluir
    2. Explicando melhor o ponto 4: A palavra pneuma não é usada na tradução grega de Gênesis 2:7. Muitos termos teológicos do Novo Testamento surgiram a partir da LXX, pois a LXX foi o momento onde os antigos judeus definiram qual o equivalente grego para suas palavras hebraicas. Assim, nenhum judeu vê que o pneuma usado para seres intangíveis estava envolvido em Gênesis 2:7.

      Excluir
    3. Olá Irmão Gustavo e Irmão Sr. Adventista!
      Se me permitem...

      Existem 3 situações: Uma ao acreditar que existe alma penada, outra ao não acreditar e outra ao acreditar que alma penada é artimanha de Satanás (Espiritismo).

      1º Indiferente de Lucas estar escrevendo para um gentio ou se os Apóstolos acreditavam em intangibilidade, o fato relevante é que Cristo corrigiu o conceito errôneo dos Apóstolos, mostrando que a ressurreição é corpórea ou tangível ou corpo Glorificado(Sugiro ler 1 Coríntios 15 completo mas os versículos 39, 40, 52 e 53 definem a distinção do corpo terrestre e do glorificado e a transformação do corpo corruptível dos vivos, para corpo incorruptível ou glorificado).

      2º O Argumento de Jesus não precisa ser mudado, Jesus simplesmente mostrou a Verdade sobre a ressurreição, não entra no mérito de acusar a mentira de Satanás (Espiritismo) na crença dos Apóstolos.

      3º A palavra pneuma ou espirito realmente não tem a ver com alma vivente pois este espírito é mais que uma crendice grega, é uma artimanha de Satanás, Bruxaria ou atualizando os termos Satânicos, Magia Negra, Magia de Salomão, Umbanda, Candomblé, Espiritismo, Maçonaria (adoração a Baal e Astarote).
      Satanás e seus demônios são os deuses do antigo testamento que se encontram atualmente em muitas religiões como a budista por exemplo, Satanás é o príncipe deste mundo, o deus deste mundo.
      Deus proibiu falar com mortos.
      Porque será que os Espiritas ou Umbandistas conseguem ver entes queridos ou Espíritos desencarnados sendo que é abominação para Deus? Satanás e seus demônios são estes espíritos.
      Deuteronômio 18:9-12
      Quando entrares na terra que o Senhor teu Deus te der, não aprenderás a fazer conforme as abominações daquelas nações.
      Entre ti não se achará quem faça passar pelo fogo a seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro;
      Nem encantador, nem quem consulte a um espírito adivinhador, nem mágico, nem quem CONSULTE OS MORTOS;
      Pois todo aquele que faz tal coisa é abominação ao Senhor; e por estas abominações o Senhor teu Deus os lança fora de diante de ti.
      Porque será que Saul conseguiu consultar uma bruxa e falar com Samuel sendo que Deus proíbe esta prática, a bíblia diz que na morte ficamos como em um sono profundo? O Apostolo Paulo disse que os vivos não precedem os que dormem, Satanás consegue se fazer até de anjo de luz, quanto mais aparecer como Samuel, 2 Cor 11:14-15 e 1 Tessalonicenses 4:13-15.

      4º Em Gênesis 2:7 não é dado o conceito de espírito mas sim de Alma Vivente que é a soma de pó da terra mais fôlego de vida tornando-se tangível e na ressurreição teremos um corpo glorificado mais o fôlego de vida, já que Paulo diz que será transformado o corpo carnal em corpo incorruptível, o conceito de espírito bíblico é mais complexo.

      5º Realmente o texto demonstra que os Apóstolos acreditavam em espírito intangível, mas Jesus demonstrou que a ressurreição é tangível. O Profeta de Deus era um vidente, da mesma forma Satanás se apoderava de profetas de Baal, que eram videntes que Deus abominava, os Hebreus tinham que colocar a prova os Profetas para saberem se eram de Deus mesmo, Deus e os Anjos não se apresentavam como espíritos desencarnados, tanto que os 3 Anjos comeram com Abraão, Pedro disse a Jesus no monte da transfiguração, que faria 3 tendas, somente Satanás utiliza desta artimanha de espirito desencarnado para iludir as pessoas.

      O texto de Jó 4:13-16 demonstra que Elifaz era um tipo de Espirita daquela época, está explicado porque Jó precisou orar para Deus não mata-lo, Deus abomina espiritismo mas foi misericordioso com Elifaz por causa da oração intercessora de Jó.

      Abç

      Excluir
  50. Boa Noite! Eu creio que neste assunto referente a Trindade, no qual o Luciano fez uma ampla abordagem, não havendo resposta à altura da parte dos Adventistas, seria proveitoso tocar em um ponto fundamental para a compreensão da unicidade de Deus (não confundir com a doutrina Unicista) que é a Ontologia ou a transcendência de Deus, ou seja, Deus em seu aspecto individualíssimo, ou Deus existindo em si mesmo sem a concorrência de sua criação.

    O Apostolo Paulo, em sua primeira carta aos Coríntios, no cap.8:6, diz que Deus Pai é a origem de todas as coisas, através do logos, ou natureza divina do Senhor Jesus, ou o Senhor Jesus em sua Divindade, antes de sua encarnação.

    Na segunda carta de Pedro, no cap.2:4, o Apostolo fala em sermos participantes da "natureza divina." A natureza divina é a essência, a substância divina incriada , eterna, e na qual habitam todos os atributos de Deus em sua natureza trinitária.

    Então, em 1Co.8:6, o Apostolo Paulo nos ensina que Deus em sua paternidade é a origem de todas as coisas, e, portanto, o Pai, a fonte, não podendo haver algo coeterno com Deus, porque se houvesse algo coeterno com Deus, então este "algo" possuiria todos os atributos de Deus, sendo, portanto, Deus.... Como não pode haver dois seres infinitos ao mesmo tempo, logo, antes da criação, somente Deus existia em todo o seu esplendor... O próprio espaço onde se locomovem as galáxias, veio de Deus...

    Portanto, antes da criação, Deus não poderia habitar dentro de um espaço, porque isto faria o espaço tão eterno quanto Deus.. Este é um dos principais problemas para a teologia Adventista, assim como para os Mormons e Testemunhas de Jeová, já que para estes grupos, Deus NÃO É ONIPRESENTE, sendo limitado a um corpo espiritual, e habitando eternamente DENTRO de um espaço tão eterno quanto ele.

    Podemos ilustra o Deus Adventista, assim...

    👤⬅Deus Pai 👤⬅Deus Filho 💨⬅Deus Espírito Santo... Vejam que Deus Pai e Deus Filho, possuem um corpo como nós, e o Espírito Santo não tem corpo... Isto aí é o que os Adventistas e Mormons, chamam de Deus... Não se trata de UM ser, mas de TRÊS seres individuais, sendo por isso caracterizado o politeísmo ou triteísmo.

    É uma espécie de agremiação, e não pode de maneira nenhuma ser a unidade ontológica, transcendental que há entre o Pai, o Filho e o Espírito Santo.

    Agora, a doutrina original da Trindade, pode ser apenas ilustrada assim...

    🎆⬅No ser de Deus, subsistem o 🎆⬅Pai, o Filho e o Espírito Santo... Trata-se de Um ser no qual se manifestam três modos de existência ou pessoas. Por isso, a doutrina cristã da Trindade, preserva o monoteísmo, o que não acontece com a trindade Adventista, no qual Deus é Dois indivíduos corpóreos e separados, no caso, o Pai e o Filho, mais um personagem incorpóreo como o Espírito Santo...

    A natureza divina, Tiago 1:17, é UNA E INDIVISÍVEL, não podendo ser dividida em partes, porque nela não pode haver variação ou sombra de mudança, como ocorre com os corpos celestes...

    Quando o logos se fez carne➡🚶sua natureza humana à qual ele tomou quando se tornou homem, não se misturou com sua natureza divina original que ele possuía antes de sua encarnação, a qual representamos com este simbolo➡🎆

    Então, a encarnação➡🚶 da segunda pessoa da Trindade➡🎆⬅Pai, Filho e Espírito Santo, em nada alterou a essência divina, que continua sendo UM Ser....

    No caso da trindade Adventista, o logos já possuía forma humana➡👤 antes de sua encarnação, contrariando Filipenses 2:6-8, assim como➡👤 Deus Pai, mostrando claramente que não se trata de UM Deus, conforme a Bíblia, mas de TRÊS deuses...

    Quando os Pais da Igreja, fizeram a exegese da doutrina da Trindade, não a inventaram, mas, sim, a explicaram, era exatamente isto➡👤👤💨
    este mal entendido, esta heresia que eles condenaram, e que os Adventistas e Mormons adotaram como seus deuses...

    Continua amanhã....

    ResponderExcluir
  51. Ah! Só mais uma palavrinha... O Apostolo João, assim como o Apostolo Paulo, afirmaram categoricamente que NUNCA NINGUÉM VIU A DEUS... O que eles quiseram dizer com isso, é que apesar das aparições teofânicas, em forma humana, de Deus, no Antigo Testamento, Deus COMO ELE É, em sua transcendência, NUNCA FOI VISTO... Mas depois esse assunto continua...

    ResponderExcluir
  52. Olá Wesley

    bom dia

    A crença naõ bíblica aniquilacionista ensina que depois do Juízo definitivo os ímpios serão castigados com fogo e aí serão "aniquilados" e virarão cinzas e na verdade essas cinzas são exatamente as almas que era viventes então isso sim são almas penadas pois as cinzas ficariam para sempre vagando no espação sem um rumo certo simplesmente ficariam flutuando. No "aniquilamento final" o fôlego de vida se "destruido" ou voltará para Deus?

    Lembrando que Jesus só pregou uma e somente uma doutrina e como a alma é imortaL e o inferno é eterno logo a crença mortaliSta e aniquilacionista são totalmente erradas.

    Crendo em crença não bíblica pode ser salvo? Se TODA a Escritura é inspirada?

    Um abraço

    Luiz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Querido Luiz!

      Cinzas são Cinzas, Almas são Almas.
      Cinzas são matérias inanimadas.
      Almas são a junção de pó da terra com fôlego de vida.

      Fôlego de vida sem um corpo é apenas o sopro de Deus que se extingue, igual a vento que ninguém sabe onde começa nem onde termina.
      Portanto no dia do Juízo os ímpios serão extinguidos, como existência.


      Tire essas crendices Filosóficas de sua mente, não existe alma imortal, suas idéias não são espirituais.

      Sinto muito se eu não responder mais suas mensagens, mas é porque vc não entende irmão...

      Abraços.

      Excluir
  53. Ô "seu" Luiz, você sabe qual é o assunto da postagem... Qual é a tua cara? Tá fazendo isto de propósito?

    ResponderExcluir
  54. Olá Paulo Cadi

    Bom dia

    Apenas respondi ao Wesley no comentário do no dia 13 de março. A visão tricotomista é única correta pois Jesus só pregou uma Evangelho. Jesus 100 % Deus e 100% Divino era tricotomista.

    Luiz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá irmão Luiz, este ensinamento espírita não condiz com a revelação das escrituras, que não apresentam almas penadas vagando no espaço sem um rum certo, flutuando, como um Gasparzinho, fantasminha camarada.

      Para os que lêem a bíblia com olhos hebraicos e não grego, é algo muito estranho.

      Por conta de ensinamentos como estes é que hoje existem muitos ateus com dificuldades em aceitar as escrituras.

      Quando o irmão analisar a Bíblia desde o princípio, perceberá que Deus foi totalmente contra esta ideia acerca da existência de um estado de consciência durante a morte.

      Os mortos só podem assumir "vida" quando os vivos assim delega a estes tal função. Mas como assim?

      Simples, através de histórias, parábolas, figuras de linguagens e superstições.

      A existência de fantasmas é uma superstição irmão Luiz.

      Um abraço.

      Excluir
  55. Olá Luciano Sena

    Bom dia

    Peço desculpas se sai do assunto apenas respondi um comentário apenas isso.

    Luiz

    ResponderExcluir
  56. Eu disse que não vou mais me dirigir ao Sr. Adventista, no caso, responder aos comentários dele (seja de seu interesse ou não) enquanto ele não se identificar pelo seu primeiro nome....

    E vou cumprir o que eu disse....

    Mas já que ele citou meu nome, vou lhe dar uma resposta, não sobre o assunto da postagem, porque enquanto ele não se identificar, que seja, pelo seu primeiro nome, nestes termos, não responderei.

    O Sr. Adventista disse... "O recinto se esvaziou, não percebeu irmão Paulo Cadi? Porque onde impera a ignorância, não há lugar para a discussão de ideias.

    Repense a forma como está tratando os demais participantes irmão Paulo Cadi e como está fazendo o contrário daquilo que antes o irmão propusera, dando ideias de censura aos demais participantes, quando antes se dispunha a chamar todos para um debate."

    Vejam só o que ele disse... "Repense a forma como está tratando os demais participantes irmão Paulo Cada..."

    Minha resposta➡Sr. Adventista, não inclua os outros participantes neste assunto... Eles não tem nada a ver com isto... O problema É COM VOCÊ, ENTENDEU?

    Este site, trata de assuntos bíblicos, não é um site de denúncia, onde as pessoas teriam pleno direito de terem suas
    identidades preservadas...

    Todos aqueles que comentaram nesta postagem, se identificaram, inclusive eu...

    O Sr. Adventista disse... ""O recinto se esvaziou, não percebeu irmão Paulo Cadi?.."

    Minha resposta➡Sr. Adventista, todos os demais participantes se identificam, e tem sua autonomia, então, menos Sr. Adventista, menos...

    Ninguém está sendo censurado, mas é desagradável não saber com quem se está conversando...

    Então seria uma atitude de cristão que, você se identificasse, que seja, pelo seu primeiro nome...Ninguém disse que você tem de postar sua foto. É só dar o seu primeiro nome é continuar usando o pseudônimo... Você é que quer ser diferente dos outros. Qual é a dificuldade em se identificar com seu primeiro nome?

    Fica aí, novamente a minha solicitação como participante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você tem a imaginação muito fértil... Nada do que disse aí a meu respeito é verdade...Você sabe o nome de todos os participantes, mas ninguém sabe quem você é... Existem milhares e milhares de pessoas com o primeiro nome igual, a não ser que seja muito diferente, daí a pessoa pode usar somente um sobrenome... A não ser, como eu disse, fosse um site de denúncia ou tratasse de assuntos onde a privacidade deveria ser mantida.

      Você disse... "O amigo fez uma exigência usando um poder que não é seu."

      Minha resposta➡Tem razão, porque se fosse no meu site, você, sem se identificar, enquanto todos os outros o fazem, eu também, você não comentaria.

      Estes sites Adventistas, com frequência, apagam sem mais nem menos comentários que refutam as heresias lá propagadas...

      De que você está se queixando?

      À propósito, qual é mesmo o seu nome?




      Excluir
    2. Vou acrescentar mais uma coisa... Faz um ano, eu postei um comentário em um conhecido site Adventista, questionando a doutrina que eles estavam promovendo.

      Para minha surpresa, no dia seguinte, o meu comentário, sem motivo algum, havia evaporado, sido deletado, desaparecido, em meio aos outros comentários de Adventistas, que haviam postado antes e depois de mim. Entendeu Sr. Adventista?

      O meu nome não é Paulo... Qual é o seu nome?

      Excluir
    3. Errata➡ler... "O meu nome é Paulo, qual é o seu nome?

      Excluir
    4. Errata➡ler... "O meu nome é Paulo, qual é o seu nome?

      Excluir
    5. Sr. Adventista, você estava se dirigindo à quem, quando disse..."Irmão "João", o jeito certo de resolver isto é perguntar no mesmo conhecido site o motivo de tal comentário haver sido apagado."?

      Bem, o que eu tinha que falar, já falei, se você não quer se identificar, isto é com você. Se lhe for permitido continuar postando, saiba que se não se identificar, não lhe responderei quando se tratar de assuntos referentes a postagem. Porque eu vou continuar refutando, e sei que você vai querer intervir, mas se eu não saber com quem estou falando, não vou me dirigir a você.

      Bem, sobre este assunto não tenho mais nada a dizer... Como participante lhe faço a derradeira solicitação para que se identifique... Não quer dar o seu primeiro nome? Paciência, mas não se diriga a mim. Papo encerrado.

      Excluir
  57. Bom Dia Irmãos e Paulo Cadi!

    1 Coríntios 8:6 "Todavia para nós há um só Deus, o Pai, de quem é tudo e para quem nós vivemos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós por ele."

    Este texto não demonstra que Deus Pai é a origem de todas as coisas ATRAVÉS de Jesus.
    Demonstra sim que existe um Deus Pai E (Conjunção Coordenativa Aditiva) um Senhor Jesus.
    A conjunção E significa uma adição, demonstrando assim, a distinção de que existe um Deus Pai, mais um Senhor Jesus.

    2 Pedro 2:4 "Porque, se Deus não perdoou aos anjos que pecaram, mas, havendo-os lançado no inferno, os entregou às cadeias da escuridão, ficando reservados para o juízo;"

    Não tem nada a ver com Natureza Divina este texto.

    Em 1Co.8:6 não explica que "não existe nada coeterno com Deus", quero ver vc explicar a teofania da unicidade de Deus se dividindo em 3 em Mateus 3:16-17.

    Mateus 3:16-17 "E, sendo Jesus batizado, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba e vindo sobre ele.
    E eis que uma voz dos céus dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo."

    Aí está a Trindade distinta, Deus Pai no céu saindo-lhe sua VOZ, Deus Espirito Santo descendo como uma Pomba e Deus Filho nas águas sendo batizado.

    Não tem nada de errado na teoria Adventista, sobre Deus não fazer parte do espaço e sim ser maior que o espaço isso é verídico, entraríamos em um assunto muito extenso onde vc não teria compreensão, pois teríamos que discorrer assuntos de Ciência, Física, Química, Teoria Quântica e Teoria da Relatividade. Fiquemos com o assunto Espiritual.

    A Trindade Adventista não é politeísta, pois Deus Pai, Deus Filho e Deus Espirito Santo são Eternos, como eu já disse antes, os deuses do antigo testamento e de hoje em dia são Satanás e seus demônios, eles são anjos criados que querem ser deuses, no final das contas, ser politeísta é acreditar em Satanás e seus demônios, se vcs acreditam em espíritos desencarnados estão sendo politeístas e Satanistas sem ter noção.
    Leia novamente 1 Cor. 15 completo com mais atenção.

    Tiago 1:17 "Toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vem do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação."

    O SUJEITO da frase é "toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vem do alto" identificando que Deus não tem variação quanto ao SUJEITO, Deus dá "boa dádiva e dom perfeito as pessoas", não mudando suas atitudes e não tem a ver quanto a natureza divina de Deus.

    A Adventista não contraria Filipenses 2:6-8 pois dizemos que Jesus é Deus e se esvaziou (Deixou sua Gloria) para mostrar ao ser humano seu amor, só que na ressurreição voltou com seu corpo glorificado, com um detalhe de que Jesus para sempre terá as marcas da Cruz.

    Filipenses 2:6-8 "Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus,
    Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens;
    E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz."

    João 1:18 "Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito, que está no seio do Pai, esse o revelou."

    Realmente ninguém viu a Deus Pai mas viram a Deus Filho. Quem ver a Deus Pai morreria na hora por causa de sua enorme Glória e Poder.

    ResponderExcluir
  58. Wesley, tem algumas interpretações no seu comentário, que você precisa rever... Mais tarde eu lhe respondo.

    ResponderExcluir
  59. Wesley, disse... "1 Coríntios 8:6 "Todavia para nós há um só Deus, o Pai, de quem é tudo e para quem nós vivemos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós por ele."

    Este texto não demonstra que Deus Pai é a origem de todas as coisas ATRAVÉS de Jesus.
    Demonstra sim que existe um Deus Pai E (Conjunção Coordenativa Aditiva) um Senhor Jesus.
    A conjunção E significa uma adição, demonstrando assim, a distinção de que existe um Deus Pai, mais um Senhor Jesus."

    Minha resposta➡ A passagem, afirma, que Deus Pai, criou todas as coisas por meio de seu Filho quando este existia em forma de Deus, e também após sua encarnação, quando também através do Filho, Deus realizou a nossa salvação... Todas as coisas vieram à existência através do logos, da Palavra, estando ainda em sua natureza divina, antes de se tornar homem... "No princípio era a Palavra (Verbo) e a Palavra estava com Deus e era Deus... Antes da encarnação da Palavra, o logos não era Jesus, ele se tornou Jesus quando se fez carne.

    A Palavra era Deus, e Deus 1 ser, e não 3 seres separados... A distinção de modos de existência ou pessoas, existe EM Deus e não FORA de Deus, como 3 entidades individuais como na trindade Adventista.

    Wesley, disse... "Não tem nada de errado na teoria Adventista, sobre Deus não fazer parte do espaço e sim ser maior que o espaço isso é verídico, entraríamos em um assunto muito extenso onde vc não teria compreensão, pois teríamos que discorrer assuntos de Ciência, Física, Química, Teoria Quântica e Teoria da Relatividade. Fiquemos com o assunto Espiritual."

    Minha resposta➡Você está partindo de pressupostos errados, como se as escrituras tivessem de prestar satisfação a ciência... A Bíblia não tem nada a ver com a ciência, mas com a revelação da Palavra, com o sobrenatural.. As Escrituras começam onde a ciência termina... A ciência é conhecimento humano, especulativo e nem tem capacidade para provar a existência de Deus, porque se pudesse provar, Deus deixaria de ser quem ele é, e se tornaria em mero objeto de estudo científico...

    Não é a ciência que ensina sobre a natureza de Deus, mas Deus mesmo. A ciência não tem nenhuma autoridade nesse campo.

    Tiago 1:17, afirma que a natureza ou essência de Deus, não sofre qualquer alteração, pois é a origem de todas as coisas... Ali fala do dom perfeito que é o Amor Divino, que emana de Deus e é invariável como a essência de Deus... O logos de Deus quando saiu de Deus e assumiu a natureza humana, não produziu nenhuma oscilação na natureza divina, pois se assim fosse, haveria variação e sombra de mudança, o qual Tiago nos ensina, que não pode ocorrer na essência divina.

    O Adventismo afirma a existência de 3 indivíduos separados... Trata-se de Deus Pai➡👤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Irmãos!!

      1 Cor. 8:6 Não explica que Deus Pai criou tudo por MEIO de Cristo.
      Mais uma vez lhe digo e serei mais claro: É um erro seu de Interpretação Textual e erro de Exegese, pois existe a conjunção "e" distinguindo Deus Pai (de quem e para quem vivemos) de Deus Filho (Pelo qual somos por ele).
      Exemplo: Toda oração do Cristão é feita para Deus Pai em nome de Cristo, ou seja, nós oramos a Deus Pai e no final da oração dizemos "Em nome de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo amém".
      Pois bem, aí está a distinção de Deus Pai e Deus Filho.
      Porque oramos a Deus Pai em nome de Deus Filho e não oramos apenas a Deus??

      João 1:1-3 "No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.
      Ele estava no princípio com Deus.
      Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez."

      Mais um texto que demonstra a distinção de Deus (Deus Pai e Deus Espirito, pois em gênesis 1:26 é dito "FAÇAMOS (Deus Pai, Filho e Espirito) o homem a nossa imagem") e de Deus Filho.
      Muitos podem pensar que o "verbo" é a "dicção" de Deus Pai.
      Vamos a Interpretação textual e Exegese mais uma vez...
      Mas antes quero esclarecer que os Hebreus tinham uma literatura curta, ou seja, a língua hebraica tinha mais ou menos 7.000 palavras em seu dicionário e o português tem mais ou menos 70.000 palavras em seu dicionário, por mais que João tenha escrito em Grego, que também tem poucas palavras em seu dicionário, os Hebreus identificavam certas palavras por conjugação ou Idiomatismo como por exemplo: "Filho do Homem" é "Humano" ou "Leão da tribo de Judá" é uma expressão idiomática para Jesus.

      Interpretação e Exegese: A palavra "Verbo" significa uma expressão idiomática para Deus Filho e João quis dizer que Deus Filho quem criou com sua palavra todas as coisas (dentre Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo, foi o Filho quem era o Verbo da Criação, ou seja, Cristo é o Deus quem criou tudo e todos nós através de sua Palavra), pois o próprio texto deixa bem claro que o "Verbo" ou Deus Filho era e estava com Deus.

      Sua teoria ou dos Ortodoxos é pura filosofia sem nexo, sem racionalidade, não é bíblica.

      ...

      Excluir
    2. ... Continuação

      Deus nos criou a sua imagem, portanto se somos Racionais, Deus é Racional, vc pode muito bem entender seus erros através da racionalidade.

      Pois bem, vou lhe dar exemplos do que a Racionalidade Cientifica pode nos proporcionar como Cristãos.

      A Fé é Racional, o Fideísmo é irracional.
      Dicionário Michaelis Fé:
      1 Crença, crédito; convicção da existência de algum FATO ou da veracidade de alguma asserção.
      Hebreus 11:1 "Ora, a fé é o FIRME FUNDAMENTO das coisas que se esperam, e a PROVA das coisas que se não vêem."

      O primeiro item do dicionário Michaelis nos diz que a Fé se baseia através de FATOS e a Bíblia nos diz que a Fé se baseia em FIRMES FUNDAMENTOS que são Sinônimos e coerentemente racionais.
      Exemplo: Um Juiz tem que julgar um homicídio e através de Fatos, Evidências, Provas e Testemunhas, analisa o crime e julga o Réu, culpado ou inocente, mas nunca terá certeza do veredicto, pois não estava presente no crime ou não viu o crime.
      O Réu pode ser um "Laranja" onde o verdadeiro assassino montou uma cena de crime para condenar o "Laranja" e se livrar, portanto o Juiz estará usando da Fé para acreditar que o Réu realmente é o assassino, pois tem que se basear através de Fatos, Evidências, Provas e Testemunhas o que o leva a um acerto muito maior, mas não a uma perfeição de julgamento.
      É a mesma coisa que a carta a Hebreus está dizendo, temos que ter uma Fé baseada em Firmes Fundamentos nas coisas que esperamos e conhecemos de Deus e a Prova da existência de Deus que não vemos.

      Sou Criacionista, Sou a favor da TDI (Teoria do Design Inteligente), Sou contra a TE (Teoria Evolucionista).
      A Ciência ou Racionalidade caminha junto com o Espiritual ou sobrenatural.
      Se vc não acredita nisso, nunca entenderá a Bíblia, pois é preciso Racionalidade para fazer uma Exegese ou Interpretação Textual ou estudar a História Bíblica ou Arqueologia Bíblica (que de Fato é uma Ciência).
      Filosofia, não mais, é considerada conceito Científico, sendo considerada apenas como livre pensamento, podendo ser Racional ou Irracional.
      Seus Argumentos Paulo Cadi, são Irracionais, não se baseando em FIRMES FUNDAMENTOS.

      Tiago 1:17 Não fala da "origem de todas as coisas". Onde, no texto, está escrito isso??
      Apesar do texto descrever "não há mudança nem sombra de variação", não existe referência exegética, nem textual, nem descritiva com "origem de todas as coisas".
      Isso é criação da sua cabeça, filosofia Irracional.

      Estou esperando progredir no conhecimento Irmão Paulo e não regredir através de inconsistência, irracionalidade, teimosia e conteúdo Leigo. Eu e acredito que muitos outros esperamos mais de Vc.

      Abç

      Excluir
  60. O Adventismo afirma a existência de 3 indivíduos separados... Trata-se de Deus Pai➡👤 Deus Filho➡👤 e Deus Espírito Santo➡💨...

    Dois deles, o Pai e o Filho, possuem a mesma natureza mas como entidades separadas, assim como dois homens, o terceiro, o Espírito Santo, possui uma natureza etérea, incorpórea, sendo, portanto, de outra natureza... Aí, já não é mais o Deus da Bíblia, mas os 3 deuses Adventistas... É porque antes eles eram unitários, daí, depois inventaram uma trindade que se acomodasse as visões de Ellen White, em que Deus Pai e seu Filho Jesus Cristo (que antes de nascer não era Jesus Cristo) tem corpos humanoides, e o Espírito Santo, não tem corpo.

    O único corpo de Deus, é o do Senhor Jesus, o resto eram as teofanias que tiveram seu fim quando o logo se encarnou... Há uma teofania de Deus no Apocalipse, a imagem do que se encontra no livro de Ezequiel... Ali, está mostrando a passagem da velha para a nova aliança, porque logo vem o Cordeiro que foi morto e toma o livro....

    Portanto, o Adventismo é politeísta, porque acredita e adora 3 entidades separadas... Se quiser deixar de ser politeísta, e continuar aceitando as visões de Ellen White, terá de voltar lááááá no princípio, de volta ao unitarianismo, porque a sua crença agora é politeísta.

    Onde fala da natureza divina, é 2 Pedro 1:4...Eu me enganei e disse que era o cap. 2.

    Depois continua...

    ResponderExcluir
  61. Senhor adventista tenha ética, respeite o espaço do outro é; assim que você diz ser um seguidor de Cristo é. Se Luciano disse para você se identifica cadê o respeito ao espaço do outro, tome vergonha na sua cara e respeite assim como a bíblia diz.

    ResponderExcluir
  62. Senhor adventista tenha ética, respeite o espaço do outro é; assim que você diz ser um seguidor de Cristo é. Se Luciano disse para você se identifica cadê o respeito ao espaço do outro, tome vergonha na sua cara e respeite assim como a bíblia diz.

    ResponderExcluir
  63. Eu vou fazer, por ora, três citações de Ellen White, em que ela, em alguns discursos, menciona os Personagens do Pai, do Filho e do Espírito Santo,
    nos dando a entender sua compreensão da Divindade.

    “E na verdade, nosso relacionamento é com o Pai e com seu Filho Jesus Cristo.
    Por toda a escritura, é falado do Pai e do Filho como dois diferentes personagens. Você irá ouvir homens se esforçando, para tornar o Pai e o Filho
    em uma não-entidade. Ele e o Pai são um, mas eles são dois personagens.
    Sentimentos errados com relação à este ponto, estão chegando, e todos nós
    teremos de encará-los. “Advent Review and Sabbath Herald, 07-13-1905.”
    “Lessons from the First Epistle of John ; A Talk at the General Conference, by
    Mrs. Ellen White, May, 25, 1905, paragraph 3.”

    “Cristo, é um com o Pai, mas Cristo e Deus são dois personagens distintos.
    Leiam a oração de Cristo, no capítulo dezessete de João, e vocês encontrarão
    este ponto claramente apresentado. Como o Salvador orou fervorosamente para
    que seus discípulos fossem um com ele, como ele é um com o Pai.
    Mas a unidade entre Cristo e seus seguidores, não destrói a personalidade
    deles…. “Advent Review and Sabbath Herald, 06-01-1905, The Work in
    Washington, paragraph 14.”

    Estude todo este capítulo de Colossenses, cuidadosamente e com oração.
    Tenham em mente que eles são dirigidos, àqueles que foram sepultados
    pelo batismo, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Se vocês
    sempre lembrarem, que vocês estão mortos para os interesses e atrações
    do mundo, e que tem sido despertados para buscar aquelas coisas que são
    do Alto, estes poderes celestiais estarão comprometidos, para vos dar
    poder, a fim de que andem com ele em novidade de vida. “

    “Australasian Union Conference Record, 10-07-1907, Words to Church
    Members, paragraph 9, 12.”

    Depois prosseguiremos, informalmente, citando, comentando e comparando
    o que dizem Ellen White e os Adventistas, e os Credos Cristãos.
    O caso, é que o Adventismo não conhece a verdadeira unidade ou unicidade
    de Deus, como expressada na Bíblia….. Continua……

    ResponderExcluir
  64. Paulo!

    Se insiste em sua Teofania da Unicidade, me explique Mateus 3:16-17. Porque a Trindade apareceu distinta em 3 Pessoas, o Pai, o Filho e o Espirito?
    Me explique também Gênesis 1:26. Porque o texto diz "Façamos e Nossa Semelhança"?

    Abç

    ResponderExcluir
  65. Wesley,

    Lendo suas respostas aos pontos que apresentei, não vi nada significativo contra a ideia de "espírito" ser empregado para algo incorpóreo, intangível. Aparentemente você adquiriu algum vício de discutir a imortalidade da alma sempre que a palavra "espírito" surge em uma discussão, de forma que todas as suas respostas acima foram dadas como se eu estivesse discutindo a imortalidade da alma.

    Já que ninguém contra-argumentou, imagino que os pontos que citei são fortes argumentos contra a ideia de que espírito pode ser aplicado a algo tangível. E sendo assim, seria impossível imaginar que Deus fosse tangível, uma vez que Jesus declara enfaticamente que "Deus é espírito".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uhuuuuuu Gustavo.

      Pensei que poderia ter uma conversa proveitosa com vc, mas vejo que estava enganado...

      1º Eu apenas Respondi e Refutei suas Argumentações, não entrei em "imortalidade da alma", seus textos e suas dúvidas foram em cima deste assunto e outros.

      2º Vc disse "Já que ninguém contra-argumentou...", eu refutei cada ponto e texto seu, portanto "Se discorda, demonstre o contrário" já que não estou vendo Tréplica contra minha Réplica, só posso qualificar esta resposta como Insensata.

      3º Eu não discuto eu DEBATO, se meu oponente acha correto usar de subterfúgios como ad-hominem, me limito a minha conduta Cristã e respeito a falta de discernimento.

      Levo em consideração, também, a possibilidade de vc não ter entendido e compreendido a Réplica, se for este o caso, eu respeito, pois quem sou eu para julgar qualquer pessoa, Deus sabe do coração e da mente de cada um.

      Ficarei muito Feliz se seu próximo comentário for uma Tréplica contra minha Réplica, caso contrário, respeitarei sua falta de discernimento e não debaterei mais com vc por respeito.

      Excluir
  66. Alexandre Luciano sabe quem sou. Para voce me investigar, O SITE DE MINHA IGREJA É ESSE: IGREJA BATISTA DE BROTAS; SALVADOR-BAHIA. CLICA LÁ!!

    ResponderExcluir
  67. Alexandre Luciano sabe quem sou. Para voce me investigar, O SITE DE MINHA IGREJA É ESSE: IGREJA BATISTA DE BROTAS; SALVADOR-BAHIA. CLICA LÁ!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo cadi, com todo o respeito, fica evidente a forma evasiva utilizada pelo irmão para tentar encobrir a vossa incompreensão a respeito da trindade apresentada na bíblia sagrada.

      A bíblia não corrobora com o vosso pensamento, que por sinal é bem similar ao Monarquianismo Modalístico que tenta apresentar 3 modos de manifestações sucessivas da divindade.

      Portanto, esse Sabelianismo é fruto de uma ausência de criticidade no que se refere ao texto bíblico, ou seja, não passa pelo crível da boa e correta critica textual.

      A bíblia apresenta a pluralidade na Divindade e essa pluralidade são personalidades coeternas e não meras etapas de surgimento de cada uma ao longo do tempo. (Gn 1:2,26; 3:22; 11:7; 20:13; 48:15; Is 6: 8).

      Seria interessante o irmão responder as indagações levantadas pelo nosso irmão Wesley Diniz, ao invés de continuar com o vosso subterfúgio.

      Excluir
    2. Cara, eu não estou ensinando e nem defendendo a heresia chamada da Moda listo e nem o seu co-irmão, o Monarquianismo... Eu estou todo o tempo mostrando a unicidade de Deus... A absoluta identidade e harmonia entre o Pai, o Filho e o Espírito Santo...

      É uma pena que vocês não estão entendendo, o que lhes seria de enorme proveito...

      Excluir
    3. Errata... Na segunda linha, aí acima, ler, "Modalismo"...

      Excluir
  68. Respondendo ao Wesley, que disse...

    "Wesley Diniz 18 de março de 2016 01:28

    Olá Irmãos!!

    1 Cor. 8:6 Não explica que Deus Pai criou tudo por MEIO de Cristo.
    Mais uma vez lhe digo e serei mais claro: É um erro seu de Interpretação Textual e erro de Exegese, pois existe a conjunção "e" distinguindo Deus Pai (de quem e para quem vivemos) de Deus Filho (Pelo qual somos por ele).
    Exemplo: Toda oração do Cristão é feita para Deus Pai em nome de Cristo, ou seja, nós oramos a Deus Pai e no final da oração dizemos "Em nome de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo amém".
    Pois bem, aí está a distinção de Deus Pai e Deus Filho.
    Porque oramos a Deus Pai em nome de Deus Filho e não oramos apenas a Deus??"

    Resposta➡ Eu não sei qual é a Bíblia que você está lendo, mas a minha Bíblia, em 1Coríntios 8:6 diz que sim, que Deus criou todas as coisas por meio do logos , da Palavra, que era Cristo antes de sua encarnação.

    Vamos ler... "6 Todavia para nós há um só Deus, o Pai, de quem é tudo e para quem nós vivemos; e um só Senhor, Jesus Cristo, PELO QUAL são todas as coisas, e nós por ele."

    Eu creio que este verso é auto-explicativo, não acha?

    É claro que a conjunção "e" faz a distinção de pessoas, mas a distinção de pessoas acontece EM Deus, em sua natureza divina, e não FORA, externamente, à essência de Deus... Um braço de uma pessoa, é parte da natureza humana daquela pessoa, surgiu dela, de seu corpo, e não é algo que foi acrescentado de fora.... A não ser que seja um braço artificial, o que não está em questão aqui.

    Jesus, disse aos discípulos que ele havia "saído" de Deus, ele não disse que havia "saído" da "presença" de Deus, como se fosse um anjo, mas que ele havia "saído" de Deus.

    Ele, não havia "saído" de Deus, por causa de sua encarnação, mas havia "saído" do Pai, antes da fundação do mundo, para criar todas as coisas... O logos, que mais tarde se tornou Jesus, era da mesma essência de Deus, "in
    natura", e não de outra natureza, externa à Deus, "ex natura."

    Então, se a conjunção "e", faz a distinção entre Deus, o Pai, e Jesus, o Cristo, "ex" natura", ou seja, "fora" da natureza divina de Deus, o logos não seria Deus, pois seria um ser diferente de Deus, de outra natureza.

    Bem, depois, você começou a escrever "uns negócio aí".... Sabe-se lá porque, e por fim disse...

    "Tiago 1:17 Não fala da "origem de todas as coisas". Onde, no texto, está escrito isso??
    Apesar do texto descrever "não há mudança nem sombra de variação", não existe referência exegética, nem textual, nem descritiva com "origem de todas as coisas".
    Isso é criação da sua cabeça, filosofia Irracional.

    Resposta➡ Em Tiago 1:17,diz..."Toda boa dádiva e todo dom perfeito vem lá de cima, descendo do Pai das luzes, " no qual não pode haver mudança nem sombra de variação."

    Aqui, o irmão do Senhor, está nos ensinando a imutabilidade da natureza divina, fazendo uma comparação com os elementos fulgurantes, flutuando no cosmos, as estrelas, que" até em glória diferem em esplendor"... A luminosidade delas é variável, assim como seu percurso.

    Agora... Deus, é chamado de "Pai das luzes", porque é o criador das estrelas, mas ao contrário delas, não existe em Deus, nenhuma oscilação ou variação para mais ou para menos, seja em sua glória, natureza, atributos etc..



    ResponderExcluir
  69. Prossegue.....

    O doutor das Escrituras, Tiago, está afirmando que em Deus, "como ele é", não pode haver nenhuma espécie de movimento, porque se em Deus houvesse algum tipo de movimento, isto seria um sinal de que algo precede a existência de Deus, e que ocasionou a oscilação, a variação na glória ou natureza divina... "Capetou?".... Já nos corpos celestes, existe variação e mudança, seja em glória, movimento, duração etc, porque existe um antecedente, uma causa à estes inumeráveis corpos celestes que é o responsável pelo (deles)" comportamento" relativo... Continua..



    ResponderExcluir
  70. "Wesley Diniz 18 de março de 2016 01:41

    Paulo!


    Se insiste em sua Teofania da Unicidade, me explique Mateus 3:16-17. Porque a Trindade apareceu distinta em 3 Pessoas, o Pai, o Filho e o Espirito?

    Me explique também Gênesis 1:26. Porque o texto diz "Façamos e Nossa Semelhança"?"

    Resposta➡ Quem é que lhe disse que eu estou ensinando e defendendo a heresia chamada de Unicismo ou Monarquianismo? ... O problema é com vocês, que estão com a faísca atrasada e não estou conseguindo entender o que eu estou explicando!

    Eu estou todo o tempo afirmando que, a unicidade de Deus (em um comentário lá em cima eu salientei , "não confundir com a doutrina unicista") é a completa identidade e harmonia entre o Pai, o Filho, e o Espírito Santo...

    Quem ensina heresia é a profetisa de vocês, que prega o Triteísmo.

    No batismo do Senhor Jesus, estão no local, as três pessoas da Trindade.. A manifestação das três pessoas "ao mesmo tempo"....

    No batismo do Senhor, Deus Pai fala do Céu, de sua essência, o Deus que nunca ninguém viu, Jo.1:18.. Em um lugar ele diz... "O Céu é o meu trono"...e em 1Reis 8:27, Salomão clamou ..."Eis que os céus dos céus não te podem conter..."

    Logo após vem o Espírito Santo em uma manifestação teofânica (como pomba, no pentecostes será como línguas de fogo)... Está manifestação teofânica (que era a manifestação divina em uma forma limitada ao contexto e relacionada as atividades de Deus) sinaliza onde está a encarnação de Deus, na pessoa de seu Filho.

    Assim como as teofanias no Antigo Testamento, apontavam para a encarnação, o Espírito Santo, em seu descenso segue está sequência seguindo a ordem das alianças, da velha para a nova, da teofania para a nova criação que começa na encarnação da Palavra.

    Então, o Pai, de onde tudo vem, fala da eternidade, o Espírito Santo, desce celeremente percorrendo representativamente o caminho da velha aliança, em uma manifestação teofânica em direção a nova aliança, a encarnação do verbo.... Em Malaquias 3, Jesus é profeticamente chamado de "o anjo da aliança.."

    Prossegue.....

    ResponderExcluir
  71. VOCÊ NÃO TÊM JEITO, SR ADVENTISTA, LUCIANO JÁ TE AVISOU,ASSIM COMO, PAULO TAMBÉM; QUE NÃO IRÃO TE RESPONDER. RESPEITE! MISTER M.

    ResponderExcluir
  72. Feliz Sábado e Boa tarde aos Irmãos!

    Paulo

    Vc disse: "A natureza divina, é UNA E INDIVISÍVEL" no primeiro texto, agora diz "No batismo do Senhor Jesus, estão no local, as três pessoas da Trindade.. A manifestação das três pessoas "ao mesmo tempo"".
    Estes Argumentos não são coerentes e vc não explicou Gên 1:26.

    Que negócio é esse de in natura ou ex natura?
    A Bíblia nos informa que existem corpos terrestres e corpos celestes, conforme diz em 1Cor 15, esse Argumento continua sendo Filosofia Irracional sem base bíblica.

    Vc está misturando 1Cor 8:6 com o logos que está em Jo 1:1, primeiro que existe uma distinção de Deus Pai com Deus Filho em 1Cor 8:6 e já expliquei que o logos era o próprio Deus Filho que vc nem comentou meu texto sobre Jo1:1. Repare que João está citando o "Inicio" que está em Gên 1 sendo que o verso 26 descreve o plural "Façamos e Nossa" portanto posso concluir que no inicio eram Deus Pai, Filho e Espirito distintos em 3 pessoas e não apenas 1 pessoa, seu exemplo do braço não é racional, pois eu não digo que eu e meu braço "faremos" alguma coisa.

    "uns negócio aí" foi ótimo, rsss, eu disse para nos ater apenas no espiritual ou doutrinário.

    Tia 1:17 se refere ao "sujeito da frase", lógico que podemos dizer que Deus é perfeito, mas neste texto a referencia é sobre o "sujeito da frase" e sobre sua natureza não podemos especular, apenas digo que Deus é coeterno em 3 pessoas.

    Concluo que se sua teoria da unicidade acredita em Deus único e se manifestou em 3 formas diferentes no mesmo instante, vc não foge do fato de que acredita em 3 pessoas e não apenas 1, ou se vc acredita que Deus se dividiu em 3 e voltou a ser 1 está apenas dizendo filosofia irracional que não consta na bíblia.

    abç

    ResponderExcluir
  73. Irmão Wesley, boa noite.
    O Paulo Cadi não compreende a doutrina bíblica da trindade apresentada pela Bíblia Sagrada.

    ResponderExcluir
  74. Bom Dia Irmão Gênes!

    Vdd

    Deus abençoe todos nós para compreendermos cada vez mais sua palavra.

    Abç

    ResponderExcluir
  75. Wesley,

    Respondendo o que você disse acima...

    "1º Eu apenas Respondi e Refutei suas Argumentações, não entrei em "imortalidade da alma", seus textos e suas dúvidas foram em cima deste assunto e outros."
    R: Como você não entrou, Wesley? A primeira coisa que você escreveu na sua resposta anterior foi:

    "Existem 3 situações: Uma ao acreditar que existe alma penada, outra ao não acreditar e outra ao acreditar que alma penada é artimanha de Satanás (Espiritismo)."

    Ora, eu não estava discutindo sobre almas penadas, estava discutindo sobre a possibilidade de "espírito" significar algo tangível. Quem entrou na discussão de "almas penadas" foi você, e isto é sim, discutir imortalidade da alma.
    Posso seguir apontando os seus outros desvios de assunto para o tema imortalidade da alma:

    -"o fato relevante é que Cristo corrigiu o conceito errôneo dos Apóstolos, mostrando que a ressurreição é corpórea ou tangível ou corpo Glorificado"
    Ora, quem estava discutindo "ressurreição"? Eu estava discutindo os possíveis significados da palavra espírito, e não sobre como será a ressurreição. O tema "como se dará a ressurreição" é uma discussão típica do tema imortalidade da alma, uma vez que alguns que a negam tem a falsa concepção que imortalistas defendem que o corpo ressurreto seria intangível.

    -"Jesus simplesmente mostrou a Verdade sobre a ressurreição, não entra no mérito de acusar a mentira de Satanás (Espiritismo) na crença dos Apóstolos."
    Aqui temos o mesmo ponto discutido no primeiro, mas com um detalhe que reforça a mudança de tema. Você não está discutindo o significado de "espírito", mas está tentando negar uma concepção de ressurreição que acredita ser defendida por imortalistas (tanto que a compara com Espiritismo aqui). Claramente desviou o foco para a discussão da imortalidade da alma.

    -"A palavra pneuma ou espirito realmente não tem a ver com alma vivente pois este espírito é mais que uma crendice grega,"
    Crendice grega? Estamos discutindo o significado de uma palavra, e não as crenças dos gregos. A tal crendice grega que você se refere será clarificada no próximo ponto...

    -"Porque será que os Espiritas ou Umbandistas conseguem ver entes queridos ou Espíritos desencarnados sendo que é abominação para Deus? Satanás e seus demônios são estes espíritos."
    A crendice grega é sobre espíritos humanos desencarnados, o que você compara às crenças espíritas e umbandistas.

    Pensei que você não tinha entrado no tema "imortalidade da alma"... Mas aqui você se refuta completamente.

    Não discuti imortalidade da alma. Eu estava discutindo os possíveis significados de "espírito".

    -"Realmente o texto demonstra que os Apóstolos acreditavam em espírito intangível, mas Jesus demonstrou que a ressurreição é tangível."
    Mais uma vez você focou na questão da ressurreição, que eu não estava discutindo. E como já mencionei antes, a questão da ressurreição só é relevante para o debate sobre a imortalidade da alma.

    Destaquei todos os pontos onde você CLARAMENTE se volta para discutir temas dentro do debate "imortalidade da alma". Você não pode agora dizer que não entrou nos méritos desta questão aqui.

    Continua...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gustavo

      Obrigado pela sua Tréplica...

      Antes de qualquer coisa, devo dizer que vc estabeleceu uma TESE ao dizer:
      "Acho que temos a resposta para isto (Espirito é Intangível) aqui:
      (Lc 24:36-40)"

      Neste ponto vc citou Lucas como prova de sua TESE para dizer que o "espirito é intangível", defendendo a mesma com 5 Pontos Argumentativos.

      Quero deixar claro que não desviei do tema proposto por vc, repito mais uma vez que eu apenas refutei e respondi seus argumentos...

      Lc 24:36-40 especifica um espírito intangível como vc defendeu em sua tese, mas me referi a "espirito intangível" de Lucas 24:36-40 como "alma penada" ou "artimanha de satanás".
      Na bíblia inteira, existem vários significados para espírito e eu deixei claro em minha 4ª Réplica dizendo que o significado de espírito é mais complexo.

      Não tenho culpa se vc tenta afirmar uma tese em cima de um texto bíblico onde não corrobora com sua asserção.

      Prosseguimos:

      1º Ao acreditar em "Espírito Intangível" está acreditando em "Alma Penada" e eu expliquei com o exemplo de Saul vendo Samuel e citei as Religiões de hoje em dia que acreditam em almas penadas, que na verdade é astucia de Satanás para engana-los. Espírito Tangível sim, é Bíblico e é Corpo Celeste, como exemplifiquei com 1Cor 15 e a Ressurreição de Cristo que inclusive está no mesmo texto de Lucas de sua Tese, portanto não fugi do seu assunto, vc é quem não prestou atenção em todo o texto, apenas deu Foco para seu interesse em "Espírito" onde não consegue identificar a exata definição, mas é incoerente ao fazer uma afirmação com uma tese de "Espírito Intangível".

      2º Meu caro, mais uma vez digo e repito, não entrei no assunto "imortalidade da alma" como vc diz que eu me refuto, sendo que vc citou o texto de Lucas onde existe o assunto da "Ressurreição" e "Espírito Intangível ou desencarnado", portanto não entrei no assunto, mas vc deu início ao assunto ao citar Lucas.
      A Ressurreição é um exemplo de "Espírito Tangível" portanto é uma prova contra sua tese de "Espírito Intangível".

      Vc CLARAMENTE não entendeu mesmo, nada de minha Réplica, mas respeito.
      Se vc quer saber mais sobre "Espírito" seria mais humilde perguntar e não estabelecer uma TESE.

      ...

      Excluir
  76. Continuando...

    "2º Vc disse "Já que ninguém contra-argumentou...", eu refutei cada ponto e texto seu, portanto "Se discorda, demonstre o contrário" já que não estou vendo Tréplica contra minha Réplica, só posso qualificar esta resposta como Insensata."
    R: Não, Wesley. Você refutou o que pensou ser uma defesa da imortalidade da alma.
    Não entrei nos méritos de discutir como será a ressurreição, ou se existem almas penadas. Sequer discuti se o espírito humano é preservado ou não após a morte.
    Você entendeu errado, e "refutou" o que entendeu. Por isto não fui respondido.

    "3º Eu não discuto eu DEBATO, se meu oponente acha correto usar de subterfúgios como ad-hominem, me limito a minha conduta Cristã e respeito a falta de discernimento."
    R: Eu não fiz distinção entre discutir e debater aqui. Poderia usar qualquer um dos dois intercambiavelmente.

    Fazer uma boa interpretação de textos é também saber discernir as conotações que certas palavras possuem. Você erroneamente tomou a conotação negativa da palavra "discutir", embora minha resposta não demonstre qualquer crítica à sua forma de debate.

    "Levo em consideração, também, a possibilidade de vc não ter entendido e compreendido a Réplica, se for este o caso, eu respeito, pois quem sou eu para julgar qualquer pessoa, Deus sabe do coração e da mente de cada um."
    R: Sua réplica não possui complexidade alguma para ser incompreensível.
    Mas dado o que postei na primeira parte da minha resposta, aparentemente foi você que não está se lembrando bem do que me respondeu. Se lembrasse, certamente se lembraria de que mencionou sobre almas penadas e espiritismo em resposta a um comentário sobre os possíveis significados de "espírito", sendo que eu discutia a afirmação "Deus é espírito".

    "Ficarei muito Feliz se seu próximo comentário for uma Tréplica contra minha Réplica, caso contrário, respeitarei sua falta de discernimento e não debaterei mais com vc por respeito."
    Agradeço todo o seu respeito, mas gostaria de reforçar que eu não estava debatendo a questão da imortalidade da alma (que envolveria a existência ou não de almas penadas, como será a ressurreição, etc.).
    Eu estava discutindo os possíveis significados da palavra "espírito", por que o Sr. Adventista teria dito:

    "A Bíblia diz que Deus é espírito, mas não diz como é a NATUREZA deste espírito.

    Existe uma linha com ideias gregas que acredita que Deus seja da mesma substância do espírito humano (segundo a compreensão grega de que o homem possui uma alma etérea).

    A Bíblia não diz que o homem tem uma alma etérea e muito menos se esta alma intangível e invisível tem corpo ou partes."

    Ora, então a Bíblia não diz qual é a NATUREZA deste espírito? E no trecho que citei, não podemos perceber que o significado natural da palavra "espírito" é algo intangível? (e aí apontei todos os motivos para que espírito seja entendido a priori como algo intangível)
    Meu comentário foi sobre isto, e você me respondeu algo totalmente diferente. Sua resposta foi que a ressurreição é física, que não existem almas penadas, etc.
    Mas eu não estava discutindo isto.

    Espero que você entenda isto agora.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ... Continuação

      Não, Gustavo. Eu não entendi errado, vc quem não entendeu minha refutação a sua tese de "Espírito Intangível" com o Argumento da Ressurreição de seu próprio texto de Lucas e com 1Cor 15.

      Acredito que vc não fez distinção entre "discussão" e "debate", portanto entra em minha segunda alternativa, levo em consideração a sua falta de discernimento com minha Réplica e Respeito.

      Se minha Réplica não existe complexidade, porque será que vc ainda não entendeu...
      Vamos considerar sua afirmação de que "Deus é Espírito", eu refutei dizendo que sua tese de "Espírito Intangível" não se refere a Deus mas sim, "Espirito Tangível".

      A Bíblia diz sim, que existem corpos terrestres e corpos celestes em 1Cor 15, não conheço a NATUREZA dos espíritos celestes.
      O Espírito do texto que citou, realmente exemplifica um espírito intangível, mas significa ilusão de Satanás ou "alma penada".
      Vc não estava discutindo sobre ressurreição e almas penadas, mas estes, são provas contra sua tese e explicação para "espirito intangível".

      Espero que vc entenda isto agora.

      Abraços.

      Excluir
    2. Correção:
      sua tese de "Espírito Intangível" não se refere a Deus mas sim, "Espirito Tangível"

      Para:

      sua tese de "Espírito Intangível" não se refere a Deus mas sim, "Alma Penada"

      Excluir
  77. Boa noite! Bem, repito que é uma pena concluir que a presente estrutura mental dos Adventistas participantes, os impeça de entender o conteúdo dos meus comentários.... Não estou me vangloriando, é verdade! Estou apenas constatando um fato, que é a quase, senão a completa ausência de entendimento e conteúdo dos comentários (?) que vocês tem apresentado.. Vocês não sabem lidar nem com os conceitos primários de 'Absoluto' e 'Relativo', quanto mais entender uma explanação mais elaborada da doutrina trinitária, seria esperar demais...

    Bem, pode ser que venham respostas indignadas, mas elas não vão mudar o fato de que os Adventistas participantes, demonstram um total desconhecimento da doutrina da Trindade, como ela tem sido crida e ensinada através dos tempos...

    Mas eu vou responder as indagações do Wesley, que acha que sabe das coisas...

    Wesley Diniz 19 de março de 2016 15:59
    Feliz Sábado e Boa tarde aos Irmãos!

    Paulo

    Vc disse: "A natureza divina, é UNA E INDIVISÍVEL" no primeiro texto, agora diz "No batismo do Senhor Jesus, estão no local, as três pessoas da Trindade.. A manifestação das três pessoas "ao mesmo tempo"".
    Estes Argumentos não são coerentes e vc não explicou Gên 1:26."

    Minha resposta ➡Pois é Wesley, os meus argumentos "não são coerentes"... Coerentes foram Ellen White, James White, Joseph Bates, Uriah Smith, Samuel Snow, Hiram Edson etc... que antes de sair de casa correndo atrás de William Miller e seu 22 de Outubro de 1844,
    não deram uma "olhadinha" em suas Bíblias, em passagens como... Mateus 24:36,44, Atos 1:7, etc... Eles, sim, foram tão coerentes que se lascaram.

    A natureza divina é una e indivisível, e não poderia ser de outra maneira... Agora, quanto a manifestação das pessoas da Trindade, no batismo de Jesus (ele sendo uma das pessoas), isto em nada contradiz a indivisibilidade da essência de Deus...

    Deus é omnipresence... Quando as escrituras afirmam que algum profeta como Abraão, Moisés, Jacó, se encontrou com Deus, em algum lugar, isto quer dizer que Deus "se revelou" à estes personagens em determinado lugar, de uma determinada maneira... Não que Deus saiu de seu trono e empreendeu uma viagem pela Via-Láctea, mas que "de sua onipresença" ele se "revelou" em um determinado local a tal profeta.

    Quando o Espírito Santo desceu do céu em direção ao Senhor, ele não entrou em nossa atmosfera terrestre... Ninguém viu aquela luz sobrenatural em forma corpórea, como pomba, descer sobre o Senhor Jesus, a não ser o profeta João... "os céus espirituais se abriram", assim como para Estêvão... Está descidas do Espírito ocorreu dentro do domínio espiritual e portanto dentro da esfera divina.

    Em Genesis 1:26, quem fala... "façamos o homem à nossa imagem e semelhança", é o logos, a Palavra, não que estivessem mais duas pessoas da Trindade juntas, uma ao lado da outra, porque Deus não é três seres corpóreos...

    O logos se pronunciou como procedendo da plenitude da Divindade, porque tudo o que Deus é estava presente no logos, porque "No princípio era o Verbo e o Verbo era Deus."

    Ou seja, toda a plenitude de Deus estava em sua Palavra, o logos como razão, pessoa. O logos saiu de Deus e a primeira criação, foi o espaço onde habitaram suas criaturas, pois antes não havia o cosmos e o logos, a Palavra estava "em Deus"... Por isso que o Senhor Jesus, quanto a sua Divindade, afirmou aos seus discípulos que "havia saído de Deus."

    prossegue na sequência....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo

      É uma pena nós Adventistas não termos uma mente tão "CRIATIVA" quanto vc, mas tudo bem eu respeito.

      Vc está dizendo que não sei lidar com conceito primário de "Absoluto" e "Relativo" sendo eu uma pessoa Racional e Lógica??? sem comentários.

      Sua resposta a "incoerência" é um Argumentum ad hominem.

      Sua Teoria não tem provas Bíblicas, portanto não é válida, é apenas uma Filosofia sem razão.

      Mas Respeito.

      Excluir
    2. Você não sabe lidar com conceitos primários de Absoluto e Relativo, nem interpretar passagens mais simples da Bíblia ... Responda como Deus, segundo o Adventismo, pode ter sempre existido, como dois homens gêmeos, o Pai e o Filho, mais um ser incorpóreo, chamado de Espírito Santo?


      Duas visões de Ellen White, estão na postagem...

      "Quais as bases para as conclusões adventistas? Como eles admitem, foram as visões de Ellen White. Vejamos algumas:

      “Vi um trono, e assentados nele estavam o Pai e o Filho. Contemplei o semblante de Jesus e admirei Sua adorável pessoa. Não pude contemplar a pessoa do Pai, pois uma nuvem de gloriosa luz O cobria. Perguntei a Jesus se Seu Pai tinha a mesma aparência que Ele. Jesus disse que sim, mas eu não poderia contemplá-Lo, pois disse: "Se uma vez contemplares a glória de Sua pessoa, deixarás de existir." (Primeiros Escritos, p. 54)

      “Tenho visto muitas vezes o amorável Jesus, que é uma pessoa. Perguntei-Lhe se Seu Pai era uma pessoa e tinha a mesma forma que Ele. Disse Jesus: "Eu sou a expressa imagem da pessoa de Meu
      Pai."(Primeiros escritos, p. 77).


      Nesta última declaração de Ellen White, ela põe nos lábios de Jesus , o texto de Hb. 1:1-3, onde diz que" Jesus é a expressa imagem" do Pai, como se Jesus estivesse dizendo para ela que era gêmeo de Deus pai (Joseph Smith teve uma visão igual em que lhe aparecem Deus Pai e Jesus como dois seres gêmeos), quando a passagem de Hebreus ensina que, o homem Jesus é a expressão absoluta do Deus invisível, que em sua essência é Espírito, porque como o verbo encarnado manifestou em si mesmo todos os atributos divinos.

      Nos diga, então, como é que ANTES de haver o universo incluindo o reino espiritual, Deus teria eternamente existido como DOIS, isto mesmo, como DOIS homens glorificados, mais um ser distinto incorpóreo chamado de Espírito Santo?

      Esta é a Trindade Adventista, quer vocês queiram ou não... É só vocês lerem os livros de sua profetisa e conferir...

      Use a sua "racionalidade"....

      Excluir
    3. Uhhhhh Paulo, está nervoso? rss

      Já está especulando demais.

      Deus Pai e Deus Filho em Daniel 7:13.
      "Eu estava olhando nas minhas visões da noite, e eis que vinha nas nuvens do céu um como o filho do homem (Jesus); e dirigiu-se ao ancião de dias(Deus Pai), e o fizeram chegar até ele."

      E em Apocalipse 5:1-7, mas coloco apenas o verso 7:
      "E veio, e tomou o livro da destra do que estava assentado no trono."
      Cristo tomou o livro da destra do Pai.

      Esteja a vontade para continuar a acreditar em sua "CRIATIVIDADE".

      Não acredito em Joseph Smith pois o livro dele não tem provas Arqueológicas de sua veracidade.

      Excluir
  78. Eu creio que deu trabalho para o Luciano, preparar está postagem....Os participantes deveriam focar mais no assunto sobre a "Trindade Adventista"... Eu ía responder ao Wesley e depois apresentar algumas considerações importantes sobre a postagem...

    Agora vem o Gustavo Adolpho, falando de um assunto que lá atrás já vinha desviando do tema...Não estou afirmando que foi o Gustavo, não é isto. Mas algumas pessoas, nos comentários mais acima, sem mais nem menos, começaram a desviar o assunto, falando em alma, inferno, epaminondas, etc. Como participante no debate, convido o Gustavo, juntamente conosco, a tratar do tema em questão, que é importante, porque o Adventismo é muito enganoso quanto a doutrina da Trindade... Não é como os Mormons, que abertamente declaram sua crença em três entidades separadas... Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por não nos comparar com os Mórmons.

      Estamos progredindo.

      abç

      Excluir
    2. Você não entendeu o que eu disse.. Eu disse que a trindade Adventista e a trindade dos Mormons, é IGUAL. Espero que você progrida na compreensão daquilo que lê.

      Excluir
  79. Muito boa a sua explicação, irmão Paulo. Irmãos os adventistas creem diferente disso? Irmão, hoje a doutrina estar muito difundidas, como podemos mostra com mais exatidão esses falsos ensino para que, as pessoas abram os olhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem irmão Matias? Estamos lidando com um caso de idolatria... Os Adventistas que tanto pregam os 10 mandamentos, são os primeiros que os transgridem... No primeiro mandamento diz.. "Não terás outros deuses diante de mim..." Eles tem Três!!!! e acham que tem um kkkk... Vá entender... Deus abençoe!

      Excluir
  80. Sr.adventista. preste atenção! ninguém estar lendo seus comentário. faça o que já foi mandado, se identifique ou não iremos ler seus comentário.

    ResponderExcluir
  81. Bom dia Irmão Matias, o irmão deveria assim como os demais focar no tema proposto e não ficar focando em coisas fúteis.
    Foca no que a pessoa diz sobre o tema é não em tentar descobrir quem é a pessoa.

    Nesse ponto que eu disse que os irmãos precisam amadurecer,pois os demais participantes podem chegar a conclusão que os irmãos não tem argumentação bíblica para refutar o que o irmão Sr.Adventista comenta aqui neste espaço.

    Eu por exemplo poderia pedir ao irmão que se identificasse com sua foto, mas como isso é algo irrelevante não vejo necessidade de assim o fazer, pois o mais importante creio para esse blog,é o que a pessoa comenta.

    Portanto foque no tema proposto, o tema é sobre a trindade e não sobre qual seja o nome de uma pessoa.

    Gentilmente.

    ResponderExcluir
  82. Não é importante pra você,porém o dono do blog quer que ele se identifique, portanto fica claro a falta de respeito por parte dele. Em relação ao artigo proposto, acredito que; quem precisa se explicar são vocês. Para mim toda a questão sobre a trindade esta bem clara. O problema é que os adventistas chagaram para colocar minhoca na cabeça do povo menos desavisado.

    ResponderExcluir
  83. Com essas palavras o irmão só vem a confirmar tal imaturidade dos participantes na qual o nome é mais importante que o que a pessoa diz.

    Fica também confirmado a incapacidade de resposta dos mesmos principalmente a sua irmão Matias, seria interessante o irmão começar a progredir e não ficar estagnado nesse quesito "qual é o nome" a persistência nele só mostrará a vossa ignorância e incapacidade de resposta.

    Portanto progrida.

    ResponderExcluir
  84. Que bom poder contar com vossa compreensão.

    ResponderExcluir
  85. Gênes, e que progresso houve em seus comentários? Eu tenho acompanhado em silêncio, na maioria dos casos, e nenhuma interação com as provas... está claro - a teologia adventista teve que rejeitar a doutrina da trindade do cristianismo para justificar os pioneiros e manter Ellen White.

    Apresentei as provas...

    E devo reconhecer aqui, que o irmão Paulo Cadi, demonstra habilmente outras ponderações para o tema.

    ResponderExcluir
  86. Paulo, nesse caso os adventistas é classificados como heterodoxo devivido nao só na questão da Trindade,mas também nas outras que pelo que me parece teve algum tipo de aduteraçao?

    ResponderExcluir
  87. Interessante...

    Vi em outras postagens do blog comentários de um "anônimo" na qual participa ativamente no blog e o Sr. Luciano Sena, Paulo Cadi (pupilo de Luciano), Matias (pupilo de Paulo Cadi) não se incomodam com as postagem do sr. "anônimo".

    Acabei de crer que as pessoas que exigem o nome do Sr. Adventista nas postagens têm algo de pessoal referente ao mesmo.

    Não são capazes de refutá-lo e ficam com "birra" fazendo exigências desnecessárias para impedi-lo de postar suas ideias.

    Fracos de ideias... e ainda se acham os "ortodoxo irrefutáveis" (risos). Irônico, não conseguem refutar um "anônimo" (Sr. Adventista) vão refutar quem?

    Paciência!!

    Onde está o conhecimento de vcs?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gilson, a não ser as formas indelicadas de caracterizar outros aqui, vc tem algo mais substancial para postar?

      Volto a dizer, em primeiro lugar, que achei por bem requerer a identidade dele... assim como o Leandro Quadros não libera muitos comentários lá - mesmo identificados, é direito dele - esse blog é meu, por enquanto.

      O problema não é conteúdo dos argumentos (aliás, ele nunca trata das provas, mas gira e gira em torno do toco... esse blog tem muitos comentários dele não excluídos).

      Se ele tem algo para esconder, e o cristão deve andar na luz (mas adventista não é cristão para mim, portanto, tanto faz isso, poré,ele afirma ser), creio que algum problema ele deve ter... em qual esfera, na igreja, com justiça, com sua identidade mesmo, é algo que começa e me vir à mente... porém, eu não tenho nada com isso. A única coisa é que ele pare de usar um codinome (="substantivo masculino
      B designação que serve para ocultar a identidade de alguém ou para nomear de maneira secreta um plano de ação, uma organização etc."google"").

      Excluir
  88. LUCIANO,EM QUE DE FATO CREEM OS ADVENTISTAS. HOJE ELES SE DEFENDEM E DIZENDO CRER NA TRINDADE, TODAVIA, OS SEUS PIONEIRO NÃO TINHAM MUITA APRECIAÇÃO PELA TRINDADE. LENDO UM ARTIGO ME DEPAREI COM UMA DECLARAÇÃO DE MUITAS DE TIAGO WHITE QUE DIZIA: "AQUI DEVEMOS MENCIONAR A TRINDADE, QUE DESTRÓI A PERSONALIDADE DE DEUS E SEU FILHO, JESUS CRISTO". OS ADVENTISTAS ACEITAM ESSES HOMEM COM PESSOAS QUE FALARAM PELO ESPIRITO SANTO?

    ResponderExcluir
  89. A minha pergunta não foi direciona a você.

    ResponderExcluir
  90. A minha pergunta não foi direciona a você.

    ResponderExcluir
  91. Em primeiro lugar eu quero fazer uma pergunta ao "pupilo" Gilson Tenório: Pupilo Gilson, você acredita em um ÚNICO SER ou EM TRÊS SERES?

    Eu vou deixar está pergunta em separado, e postar o comentário, mais abaixo...

    ResponderExcluir
  92. O irmão Matias, está certo... É isto aí mesmo.

    Os pioneiros Adventistas eram unitarianos, sim, e esta crença continuou entre eles, mesmo depois de Ellen White começar a ter visões... Ela nunca recebeu alguma visão corrigindo a crença errada deles.....Ainda mais, no caso de uma doutrina fundamental para a fé cristã. O próprio marido dela, James White, continuou unitariano até a morte...Ellen White, recebeu sua primeira visão no ano de 1844; Pois bem, James White, faleceu em 1881, ou seja, 37 anos após. Durante estes restantes 37 anos, após 1844, que James White passou junto com a sua esposa profetisa, que continuamente recebia visões celestiais, ele não recebeu NENHUMA, isto mesmo, Nenhuma correção do espírito de profecia... Quer dizer, a doutrina da Trindade era verdadeira, o marido de Ellen White chamava está doutrina de diabólica, sua esposa estava ali, tendo uma vida em comum, e nunca disse nada contra... Nem advertiu os outros pioneiros.

    Declaração de Joseph Bates, o principal líder na formação da igreja Adventista... "Com relação a Trindade, eu concluo que não foi possível para mim, crer que o Senhor Jesus Cristo, o Filho do Pai, foi também o mesmo ser que o todo poderoso Deus Pai. Eu disse a meu pai..."Se você puder me convencer, de que nós somos um, no sentido de que você é meu pai, e eu, seu filho, e também que eu sou seu pai, e você é meu filho, então eu poderei crer na Trindade." - Joseph Bates, 1868 - The autobiography of elder Joseph Bates, p. 204.

    James White, escreveu... "Como êrros fundamentais, nós podemos classificar juntamente com este falso sábado, outros êrros que os protestantes trouxeram da igreja Católica, tais como, batismo por aspersão, A TRINDADE, a consciência após a morte, e vida eterna em miséria." A massa que tem sustentado estes êrros fundamentais, tem, sem dúvida, feito isto ignorantemente. Mas pode-se supor que, a igreja de Cristo levará com eles estes êrros, até as cenas de julgamento irromperem sobre o mundo? Nós pensamos que não." - Review and Herald, September, 12, 1884.

    James White, novamente... "Martino Lutero, e outros reformadores, levantaram-se com a palavra é o Espírito. Fizeram grandes avanços na Reforma. A maior falta que nós encontramos na Reforma, foi que os reformadores não prosseguiram na obra de reforma. Tivessem eles prosseguido, até deixar todo vestígio do papado para trás, tais como imortalidade natural, a aspersão, A TRINDADE, a observância do Domingo, a igreja agora estaria livre de seus êrros escriturísticos. -James White, Review and Herald, February, 7,1856.

    James White, ainda... "A inexplicável TRINDADE, que faz da Divindade três em um, e um em três, é ruim o suficiente. Mas o unitarianos o que torna Cristo inferior ao Pai, é pior. Disse Deus à um ser inferior, " Façamos o homem à nossa imagem?" -James White, Review and Herald, November, 29,1877.

    R.J.Cotrell..."Sustentar a doutrina da Trindade, não é tanto uma evidência de más intenções, como da intoxicação daquele vinho, do qual todas as nações beberam. O fato de que esta foi uma das principais doutrinas, senão a principal, sobre à qual o bispo de Roma foi elevado, não depõe muito à seu favor. -Review and Herald, July, 6, 1869.

    Depois destas afirmações, estamos vendo um caso de binitarianismo oscilando com o unitarianianismo... Cristo é sujeito ao Pai, mas não inferior em natureza, já que James White, também condenou o unitarianismo, doutrina em que Cristo além de sujeito ao Pai, é inferior em natureza... Os Adventistas, definitivamente não eram trinitarianos...

    Quando Ellen White fala do Espírito Santo, ela aceita sua personalidade, mas de maneira diferente daquela expressa nos credos trinitarian... Ela nunca abandonou a crença dos outros pioneiros, crença que é uma mistura de unitarianismo como binitarianismo... Continua....


    ResponderExcluir
  93. Irmão Paulo, eles consideram ainda hoje esses homem como pilar da igreja adventista?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro, irmão Matias... Estes homens pertencem ao grupo original que começou o movimento Adventista... Ellen White, tinha a mesma crença deles, nunca os repreendeu...Eles não acreditavam na Trindade, mas sim em uma doutrina conhecida pelo nome de Binitarianismo, onde Cristo possui a mesma natureza divina que Deus Pai, mas é sujeito a ele... Na verdade, são dois seres distintos. É isso que Ellen White ensina em seus livros.

      Eu vou postar mais alguns trechos com declarações dela, e aos poucos vamos esclarecendo... Estes Adventistas modernos não sabem de nada... Tão que nem farinha no meio da água, boiando mas não se encontram ...

      Excluir
  94. Na verdade, o Adventismo original, é uma fusão da doutrina chamada de Binitarianismo (Deus Pai e Cristo possuem a mesma natureza divina) e unitarianismo (Cristo é sujeito ao Pai).

    Para Ellen White o Espírito Santo é o "Alter Ego" de Cristo [Alter ego ou alterego [do latim alter = outro ego = eu) é um termo criado por Freud para conceituar coisas que estão no Ego de uma determinada pessoa, as quais podem ser transferidas para uma outra, que passa a funcionar como se fosse uma duplicata da primeira pessoa]... de Cristo a presença espiritual de Cristo em sua igreja... Não se trata de uma terceira pessoa como na doutrina da Trindade. O Espírito Santo, para Ellen White é a natureza do Pai e do Filho personificada, que vem habitar nos crentes.

    Está é a verdadeira doutrina crida por Ellen White é os que a cercavam.

    Pausa... Daqui a pouco prossegue...

    ResponderExcluir
  95. Boa Noite! Eu creio que neste assunto referente a Trindade, no qual o Luciano fez uma ampla abordagem (Uhhhhh :)), não havendo resposta à altura da parte do Luciano e seu Pupilo (Gostei Gilson :) rsss), em relação aos Argumentos Adventistas, devo decretar Xeque Mate.

    Qualquer relação de Histerismo por parte dos 2 poderá e será usado como prova de Alter ego... rsss

    Pausa... Daqui a pouco prossegue...

    A não... vou continuar agora mesmo :)

    Os Réus declaram dizer a verdade, somente a verdade e nada além da verdade??? :)

    Sem Argumento Plausível para Refutar Argumentos Adventistas, não existe Crédito nem Confiança nas palavras dos 2...

    Declaro culpados, com pena para começarem a lerem a Bíblia.

    Acredito que seja a hora dos 2 começarem a ler a Bíblia já que não a conhecem, nem ouviu dizer... :)

    ResponderExcluir
  96. Paulo Cadi, pupilo de Luciano Sena, vc acredita em um ÚNICO SER ou em um SER COM TRÊS CABEÇAS(Hidra, mitologia grega)?

    Ortodoxia grega?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pupilo Gilson, como você explica que eternamente existiram Deus Pai e se filho Jesus, como dois homens glorificados, e quem criou o espaço dentro do qual desde a eternidade estes seres habitaram?

      Isto é Ellen White quem ensina... Deus Pai, tem forma corpórea como homem, assim como Jesus Cristo... Os dois sempre existiram assim... Quem criou o espaço onde estes dois seres, desde toda a eternidade habitaram? Eu fiz primeiro a pergunta, lá em cima...

      Câmbio, desligando pupilo Gilson...

      Excluir
  97. Paulo, como é que eles explicam essa visão absurda e fantasiosa de Elem WHITE ao dizer que Deus tem corpo igual ao de Cristo, como é isso irmão Paulo? Eu pensei que já tinha ouvido de tudo, mas já vi que os absurdos não param e o pior é que tem gente defendendo esse tipo de ensino, um verdeiro despropósito. Como é que uma instituição religiosa diz crer unicamente na bíblia e aceita tais revelações extra bíblicas? Só posso concluir que, a bíblia não tem nem um valor de autoridade máxima para essa instituição."(1Co 4:6 [NVI(Br)])
    Irmãos, apliquei essas coisas a mim e a Apolo por amor a vocês, para que aprendam de nós o que significa: "Não ultrapassem o que está escrito".

    ResponderExcluir
  98. Ordem da palavra de Deus:Eu te encorajo solenemente, na presença de Deus e de Cristo Jesus, que há de julgar os vivos e os mortos, por ocasião da sua manifestação pessoal e mediante seu Reino:Prega a Palavra, insiste a tempo e fora de tempo, aconselha, repreende e encoraja com toda paciência e sã doutrina.Porquanto, chegará o tempo em que não suportarão o santo ensino; ao contrário, sentindo coceira nos ouvidos, reunirão mestres para si mesmos, de acordo com suas próprias vontades...

    ResponderExcluir