terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

O caso Rev. Marcos Amaral: um prognóstico do futuro da IPB

Quando a polêmica participação do Reverendo Marcos Amaral, em um certo program de TV (na verdade o Rev. Amaral anda colecionando polêmicas em outros campos em suas manifestações públicas), inflamou os presbiterianos, algumas coisas se revelaram. Fazendo uma análise bem limitada do ocorrido, eu gostaria de predizer o futuro da IPB.



Antes de você ler, gostaria de dizer que; a situação revelou possíveis questionamentos. Não que o Reverendo Marcos Amaral tivesse, de alguma maneira, fomentado propositalmente, mas sua patética manifestação em favor do evangelho possibilitou a fertilidade de tais questionamentos.


Primeiro positivamente posso avaliar:


1. A IPB ainda tem forças suficientes para manter a pureza Reformada para as próximas décadas. Quando vários pastores, presbíteros e presbiterianos, manifestaram-se contra a fraqueza do Rev. Marcos Amaral ao nem sequer manifestar a VERDADE INEGOCIÁVEL DO EVANGELHO, ficou claro que temos ainda um tutano significativo. O que aconteceu e está acontecendo em igrejas presbiterianas em vários países, por enquanto, não passa de uma inócua nuvem distante. Vários desses que se manifestaram são bem novos, e outros antigos, ainda terão pelo que parece, um bom tempo de influência na IPB. Graças a Deus!!!


2. A manifestação do reverendo Roberto Brasileiro sobre o caso. Todos os que o conhecem, sabem que o Reverendo Roberto não é de aparecer muito, nem pouco. Não se importa com os holofotes. Ao se manifestar, embora não revelou nada de diferente do que sabíamos, ele mostrou que o incomodo chegou a um patamar preocupante. O Reverendo Roberto, além de demonstrar firmeza do lado do evangelho, demonstrou respeito para com os Concílios. Além disso, não acusou o referido irmão de nada, nem criou qualquer contenda especifica.


Apesar de antes das manifestações de ambos, eles se encontraram, conforme vemos na foto tirada no dia 10 de outubro (AQUI). 

Será que falaram sobre o assunto?



Negativamente, pude perceber que:


1. Muita gente IPB não tem compromisso com a mensagem do Evangelho sobre o Arrependimento. No site da IPB e no blog do Reverendo Marcos, vários destacaram um estranho uso da Graça. O autor inspirado Judas nos avisou sobre essa deturpação da Graça de Deus (Jd 3,4). Um discurso evasivo e ‘condicionalista’ revestiram os argumentos dos que defenderam aquela participação fútil do Reverendo Marcos naquele programa imoral.


2. A atitude do Reverendo Marcos Amaral. O Rev. Marcos, postou uma justificativa no seu blog. Disse que sabia que geraria desconforto entre seus irmãos. Depois quando cerca de 35 comentários subiam o número de visitas do blog, ele simplesmente ‘excluiu’ tais comentários. Até agora ele não pediu desculpas para os que da Comunidade Presbiteriana se incomodou com isso.


Ele se preocupou em não incomodar a Globo e a mídia, mas não se preocupou de incomodar os seus irmãos na fé...


CONCLUSÃO


No site do Sínodo de Guanabara (Link:AQUI), o reverendo Marcos Amaral fala de sua missão como baluarte de Tolerância Religiosa, como membro de uma Igreja Reformada:


“Nesse momento a ONU conclui que 2/3 dos conflitos no mundo, têm em sua base a intolerância religiosa. O que ganharia a IPB? Seria reconhecida como única igreja brasileira, e verdadeiramente protestante, capaz de transparecer alinhamento ético com tema de tal relevância, e isso não é pouca coisa.”


Espero que tome cuidado com isso. Ser cristão é amar até mesmo os inimigos, segundo Cristo:
Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus...” (Mt 5.44).


Não precisamos de postulados políticos para defender isso. Jesus sempre amou o pecador e fez de tudo para restaurá-lo na comunhão com Deus, contudo, sem baixar seu nível de Filho de Deus.


Acredito que Deus espera o mesmo de nós, sem precisarmos estender as mãos para os ditames mundanos de ‘tolerância’. Deus é o maior exemplo para nós nesse assunto. Afinal, ele está tolerando o mundo até agora! E até mesmo em Sua Igreja, ele tolera ministros dúbios em sua fidelidade doutrinária. E esse mesmo Deus espera o arrependimento dos tais.

Como presbiteriano manifesto o acima. 

Um comentário:

  1. Concordo. Esse tal "pastor" deveria ir se coliga a igreja apostata dos EUA e não a IPB.

    ResponderExcluir