sexta-feira, 27 de julho de 2012

Exposição bíblica do Credo Atanasiano –Parte 1

‘Não consigo entender o dogma da Trindade!’ Essa é a principal afirmação cristã (e também anticristã) que se ouve a respeito da doutrina cristã classificada como A Santíssima Trindade.


No geral, a doutrina é possível de ser entendida. O que é negado pelos expositores cristãos é a compreensão da essência da Trindade propriamente dita. Isso não é de se alarmar. A eternidade também não é compreendida por nós, seres finitos.

O que pretendo fazer com essa série de estudos é explorar as afirmações do antigo credo conhecido como “Atanasiano”. Não me deterei aos dados históricos e polêmicas em torno do mesmo*. Me concentrarei em uma exposição bíblica, simplificada e positiva.


Os estudos serão divididos em parágrafos, em frases, ou em algumas partes do Credo, para melhor exposição didática.


O Credo Atanasiano:


“Todo aquele que quer ser salvo, antes de tudo deve professar a fé católica.


O credo introduz uma advertência evangelística ao dizer “quer ser salvo”. Ecoa as palavras da Bíblia em Jo 3.16,36; At 13.48; Ap 22.17.


A primeira afirmação é que a Fé deve ser professada para salvação. Em Romanos 10.9,10 notamos que a profissão de fé é necessária. Crer de modo ‘particular e oculto’ não é a maneira cristã de crer. Todos precisam saber que cremos!


Em segundo lugar, a fé é especificada: Fé católica. Isso é dito, pois não se trata da firme certeza nas promessas de Deus (Hb 11.6). Aqui é a Fé religiosa, o sistema de crenças, o conteúdo doutrinário, as afirmações teológicas que se faz. Observe bem que Judas diz da “fé que uma vez por todas foi entregue aos santos”(3). Ela é católica por causa da ‘multinacionalidade’ da Igreja de Cristo (Ap 7.9) e da crença nela disseminada, aceita e defendida.


O Credo continua:


“Quem quer que não a conservar íntegra e inviolada, sem dúvida perecerá eternamente.”


Pelo jeito essa crença, fé, é muito séria! A ponto de colocar em risco a salvação do indivíduo. Alguns acham que crer de maneira diferente em assuntos centrais é a mesma coisa de discordar de assuntos periféricos. Engano! Pedro diz que os que torcem as Escrituras o fazem para a própria perdição (2 Pe 3.16). Negar que Cristo veio em carne nos lança no bojo do anticristo (1 Jo 4.2,3; 2 Jo 7). O apóstolo Paulo escreveu que outro evangelho era maldito (Gl 1.8,9) e muitos estavam crendo em outro Jesus (2 Co 11.4). Adorar Deus e ídolos é condenação certa (Ex 20.3,4).

 
Os assuntos deixam de serem periféricos quando tais mudam o caráter e a natureza do Salvador, da salvação e da revelação. Nesses casos, teremos um Deus diferente revelado nas Escrituras, uma salvação diferente e a autoridade da revelação diluída. Deus, Salvação e Infabilidade das Escrituras, não são assuntos periféricos, mas centrais.


“E a fé católica consiste em venerar um só Deus na Trindade e a Trindade na unidade...”


Essa colocação do Credo é de proeminência. Minha opinião é que aqui temos uma janela para entendermos a doutrina. Nessa breve citação existe uma eternidade de respostas. Perceba que adoramos ‘um só Deus’(Dt 6.4; Gl 3.20), na Trindade (Mt 28.19)’. Não é que a soma das três pessoas resultam em Deus. Mas que esse Deus só é visto nas três Pessoas. Adorar a ‘Trindade na unidade’ é vê-la  em sua essência divina. O Deus Todo-Poderoso é o Pai, o Filho e o Espírito Santo. E cada uma é completamente Deus que é permissível eu dizer que o Deus Todo-Poderoso é o Filho (Jd 4), pois essa é a sua essência.


*Um estudo sistemático sobre a doutrina trinitariana pode ser visto em Teologia Sistemática Trinitariana, de autoria do irmão Cláudio do Blog Aprendei. Caso queira o material de três volumes, em pdf, deixe seu e-mail que enviaremos.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. brunopcont@gmail.com

    para o material citado no fim do post, por favor.

    Bruno

    ResponderExcluir