quarta-feira, 7 de maio de 2014

Como ser um Calvinista equilibrado?

“Calvinismo é do diabo”, “o deus calvinista é um monstro”- expressões assim, ácidas, são vistas em todos os lugares. Isso parece mais ser uma reação por parte daqueles que também se sentem incomodados com a frieza com que o calvinismo é apresentado por vários calvinistas, especialmente quando esses também classificam assim – “Arminianismo é humanista”, “o deus arminiano não é soberano”.

Geralmente os que assim dizem, de ambos os lados, desconsideram (propositalmente?) o que Deus tem feito na Igreja e pelo Cristianismo através dos séculos por meio de ambos os grupos. Quem duvidaria da santidade dos Puritanos e dos Wesleyanos? Somente alienados... 

Quem duvidaria do esforço missionário histórico dos calvinistas e arminianos? No Brasil temos a tradução de um grande missionário Reformado, João Ferreira de Almeida. Alguém se aventura em duvidar da paixão dele pela Palavra? Quem hoje está em todos os rincões desse Brasil, não são os Pentecostais – pregando o Deus Trino e a salvação pela graça, bem como uma vida de santidade e oração? Um povo assim não teria um Deus Soberano? Somente alienados...

Por isso, tenho pena, algumas vezes nojo, de tanta agressividade – vinda de meus irmãos calvinistas, e dos irmãos arminianos. 

Apresentei uma lista de vários textos bíblicos AQUI, para mostrar que o calvinismo não erra na avaliação da totalidade da Providência. É a Bíblia que nos apresenta em muitos lugares informações que não nos agradam muito a respeito de decisões Soberanas de Deus. Os textos são claros em sua maioria, pode não concordar com o calvinismo, mas acho que não discordará, sendo crente, dessas passagens bíblicas, ou pelo menos de algumas!

Mas como pertenço ao arraial Calvinista, vai aqui meu recado a esses. A única maneira de sermos calvinistas equilibrados é mantermos de verdade o peso bíblico da Soberania e da Responsabilidade Humana:

“Muitas vezes se tem dito que, enquanto o calvinismo se ditingue pela enfase que dá à soberania divina, o arminianismo se distingue éla enfase que dá à responsabilidade humana. Não é fácil inventar pior caricatura do calvinismo do que esta! Decerto tem havido calvinistas à moda deles mesmos, que dão pouco valor à responsabilidade humana, mas o motivo disto jaz na incoerência deles.” R. B. Kuipe (Evagelização Teocêntrica, p. 45).

“Precisamos crer, contudo, que os dois lados desse conjunto de pensamentos aparentemente contraditórios, são verdadeiros, pois a Bíblia ensina ambos.” Antony Hoekema (Salvos Pela Graça, p. 15).

“[...] crer em ambas as doutrinas com todas as nossas forças, e mantendo ambas constantemente diante de nós, para orientação e governo de nossas vidas.” J. I Packer (A Evangelização e a Soberania de Deus, p. 31).

J. C. Ryle talvez seja um bom exemplo de pregador e pastor, com profundidade bíblica que manteve com vigor essas duas verdades. Seu clamor para que seus ouvintes aceitassem a Cristo era de quebrantar. Mas seu Deus era Soberano! Ele tratava disso com prudência e cuidado. Abaixaria a cabeça para qualquer arminiano que vivesse uma vida como a de Ryle, e se esse me provasse que a crença na eleição produz necessariamente um vida sem santidade!

“Que nunca nos esqueçamos de que sem luta não haverá santidade, enquanto estivermos vivos e nem haverá coroa de glória, depois que falecermos!” J. C. Ryle (Santidade, p. 105).

Os postulados de Westminster deixaram claros essas coisas que destaquei aqui. Perceba:

 “I. Desde toda a eternidade, Deus, pelo muito sábio e santo conselho da sua própria vontade, ordenou livre e inalteravelmente tudo quanto acontece, porém de modo que nem Deus é o autor do pecado, nem violentada é a vontade da criatura, nem é tirada a liberdade ou contingência das causas secundárias, antes estabelecidas.Isa. 45:6-7; Rom. 11:33; Heb. 6:17; Sal.5:4; Tiago 1:13-17; I João 1:5; Mat. 17:2; João 19:11; At.2:23; At. 4:27-28 e 27:23, 24, 34. [...]
A doutrina deste alto mistério de predestinação deve ser tratada com especial prudência e cuidado, a fim de que os homens, atendendo à vontade revelada em sua palavra e prestando obediência a ela, possam, pela evidência da sua vocação eficaz, certificar-se da sua eterna eleição. Assim, a todos os que sinceramente obedecem ao Evangelho esta doutrina fornece motivo de louvor, reverência e admiração de Deus, bem como de humildade diligência e abundante consolação. Rom. 9:20 e 11:23; Deut. 29:29; II Pedro 1:10; Ef. 1:6; Luc. 10:20; Rom. 5:33, e 11:5-6, 10.”(CFW 3).

“159. Como a Palavra de Deus deve ser pregada por aqueles que para isto são chamados? Aqueles que são chamados a trabalhar no ministério da Palavra devem pregar a sã doutrina, diligentemente, em tempo e fora de tempo, claramente, não em palavras persuasivas de humana sabedoria, mas em demonstração do Espírito e de poder; fielmente, tornando conhecido todo o conselho de Deus; sabiamente, adaptando-se às necessidades e às capacidades dos ouvintes; zelosamente, com amor fervoroso para com Deus e para com as almas de seu povo; sinceramente, tendo por alvo a glória de Deus e procurando converter, edificar e salvar as almas. 
Jr 23:28; Lc 12:42; Jo 7:18; At 18:25;20:27;26:16-18; I Tm 4:16; II Tm 2:10,15;4:2,5; I Co 2:4,17;3:2;4:1,2;9:19-22;14:9;II Co 4:2;5:13,14;12:15,19; Cl 1:28; Ef 4:12; I Ts 2:4-7;3:12; Fp 1:15-17; Tt 2:1,7,8; Hb 5:12-14.
160. Que se exige dos que ouvem a Palavra pregada? 
Exige-se dos que ouvem a Palavra pregada que atendam a ela com diligência, preparação e oração; que comparem com as Escrituras aquilo que ouvem; que recebam a verdade com fé, amor, mansidão e prontidão de espírito, como a Palavra de Deus; que meditem nela e conversem a seu respeito uns com os outros; que a escondam nos seus corações e produzam os devidos frutos em suas vidas. 
Dt 6:6,7;Sl 84:1,2,4;119:11,18; Lc 8:18; I Pe 2:1,2; Ef 6:17,18; At 17:11; Hb 2:1;4:12; Tg 1:21.”

Quando leio essas instruções nos documentos Reformados, percebo que nós ainda não vivemos a piedade da Fé Reformada, mas nos colocamos como “mestres da predestinação”.

Infelizmente muitos tem confundido fama academicista, que alguns granjearam, com a verdadeira seiva Reformada.


Que Deus nos ajude o calvinismo brasileiro a viver uma vida santa, para que quem sabe um dia, alguns queriam saber por qual motivo somos piedosos, um pouco semelhantes aos Puritanos Calvinistas, e extremamente preocupados com a Evangelização do mundial. Então possamos responder: “Por que Deus é Soberano sobre nossas ações e planos!”

95 comentários:

  1. Epa! Calvinismo equilibrado sem renunciar a heresia da predestinação? Não vem que não tem. This is impossible. Mais ainda: você precisa converter-se e passar a ser Biblista, Palavrista em vez de calvinista. É que quem tem que ser interpretado à luz da Bíblia é Calvino, o herege, e não o contrário. Ter respeito a homem – seja ele quem for – em detrimento da Bíblia meu amigo, tem nome: idolatria mesmo. Não faria nenhuma diferença se o título de sua postagem fosse: “Como ser um espirita equilibrado” ou “Como ser um católico equilibrado”. Ora, como pode ser isso? E a heresia da reencarnação, e a heresia da idolatria e a heresia da predestinação? Não há equilíbrio algum entre a aceitação do bem e do mal ao mesmo tempo. Um haverá de repelir o outro, pois que consenso há entre Cristo e Belial?

    Agora, você que se propõe a ser apolegeta, em vez de apagar os meus comentários e correr de mim, encare um debate comigo a respeito, vamos ver como é que você irá ficar ao final! Vamos lá, para todos verem.

    Lançado está o desafio, só que tem quer ser homem com valores masculinos e ponto final. Davi aconselhou a seu filho Salomão apenas isso: “SEJA HOMEM”.

    E não vem com esse historinha boboca que existem duas correntes doutrinárias, arminianismo e calvinismo. Duas correntes o escanbal. A questão é Bíblia, se se enquadra uma doutrina ou não. Simples assim mesmo.

    E daí? Vais encarar ou correr de medo, apagar os meus comentários?

    Comigo não tem bom mocismo, porque nada podeis contra a verdade senão pela verdade mesma.

    Libertas vera est, Christo servire.

    Agostinho e o desafio de Elias. Vejamos se Calvino para de pé...

    ResponderExcluir
  2. Agostinho "Alienado"... vou deixar seu comentário, como exemplo de que não convertidos existem em todo lugar - até mesmo em sua religião, que o sr tem vergonha de dizer qual é.

    Não tenho interesse em debates sobre esse assunto com o sr, não por que sabe mais que outros arminianos crentes, mas é que seu exemplo arrogante não representa os crentes arminianos - e me dá ânsia de vômito.

    Procure outros que terão mais paciência com sua maneira de escrever, o sr quer se aparecer de alguma maneira.

    Fica a dica - mude a maneira de falar, se identifique-se e diga de qual igreja é, aí sim, poderia gastar tempo com vossa senhoria.

    Enquanto não, seus comentários serão excluídos naturalmente.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. Prezador irmão Wilson. Solicito >>por favor<< que o irmão faça outro comentário, sem mencionar o sr acima, pois se isso acontecer, terei que dar a ele o direito de resposta, o que é justo.

    Já que no primeiro ele me mencionou, eu respondi, e pretendo não ter mais a presença dele aqui blog, que ele faça um site, e lá procure a atenção que deseja.

    ResponderExcluir
  5. O calvinista, ou seja aquele que crê como ensina a bíblia, que DEUS Soberanamente e em detrimento da nossa vontade, visto que a nossa vontade estava totalmente corrompida (mortos em delitos e pecado), jamais escolheriamos DEUS, ELE nos elegeu antes da fundação do mundo e nos deu vida, e agora somos guardados no seu AMOR, e selados pelo Espirito Santo, temos segurança na nossa salvação, e tributamos a ELE toda a honra. E que se pecarmos, não haverá paz em nosso coração até que confessemos os nossos pecados, e aquele que pecando viva em harmonia com sua consciência, deve rever o seu conceito de salvação.
    E mais, Deus nos elegeu e estabeleceu o meio pelo qual ele nos chama, e este meio é a proclamação do evangelho. Então o calvinista sabe que este meio e uma ordem a ser cumprida. e não negociada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luciano, acato a sua dica e assim modero, ou pego leve, em meus comentários:

      É regra e norma geral entre os fatalistas-calvinistas tomar partido de uma hipótese e somar os fatos que a confirmam, sem tentar jamais confronta-la com outros que a contradizem, como qualquer estudioso sincero, sobretudo honesto consigo próprio, e bem intencionado faria imediatamente e sem pestanejar; uma coisa até muito óbvia para quem quer encontrar uma realidade tal como ela se apresenta, uma verdade em sua inteireza em sua própria acepção, sem mascaramentos e artifícios, apenas a verdade... Só que a simples tentação de comparar já é repelida in limine pelos calvinistas como um pecado mortal! A regra e norma geral entre eles é: quando aparece um fato adverso na Palavra à sua hipótese predestinatória, inventam logo uma hipótese qualquer que pareça neutralizá-lo, e então apegam-se à hipótese em lugar do fato!

      Libertas vera est, Christo servire.

      Agostinho, o antialienação.

      Excluir
    2. Ufa Agostinho, é só isso que estou tentando meu irmão. Precisamos te ouvir, pesar seus argumentos, confrontar as hipóteses, mas a maneira com que você se coloca nos leva a crer que você não é um crente em Jesus. É uma pessoa que quer apenas fazer um farra entre os calvinistas, sem nenhum princípio de amor e fidelidade para com quem nesse lado tem divulgado Cristo a pessoas que você não tem divulgado.

      Tudo bem, deixemos de lado esses entraves, peço-lhe perdão por dizer que não é crente - mas reafirmo que aquelas palavras não condizem com um bom espírito cristão... embora acho que você não me encare como um cristão salvo... "ponto".
      ********************************************************

      Vamos para as reflexões em suas partes. Peço que não escreva longos textos com várias proposições por causa do meu tempo e capacidade de assimilar as coisas (cada um tem uma velocidade cognitiva que deve ser respeitada).
      Para sermos didáticos, e possa nos ajudar e arrumar, ou negar, ou refletir, sobre o nosso calvinismo, peço ao irmão que me responda:

      1. O que e como definiria a depravação total? Sua posição e como ela é contrária ao que o Calvinismo tem defendido.

      Obrigado, e espero sua compreensão.
      Deus te fortaleça em Cristo.

      Excluir
    3. Antes de tudo, também eu devo desculpas a você, confesso que fui grosseiro e você tem mesmo razão. Ontem mesmo, pela manhã, fui duramente advertido pelo Espírito Santo a respeito desse meu ‘espírito faccioso’, ao deparar-me com Tiago 3.3.17, do qual pinço isso:
      “Se, pelo contrário, tendes em vosso coração inveja amargurada e SENTIMENTO FACCIOSO (g.n.), nem vos glorieis disso, nem mintais contra a verdade. Esta não é a sabedoria que desce do alto; antes, É TERRENA, ANIMAL E DEMONÍACA (g.n.). (...). A sabedoria, porém, lá do alto é, primeiramente, pura; depois, PACÍFICA, INDULGENTE, TRATÁVEL (g.n.), plena de misericórdia e de bons frutos, imparcial, sem fingimento”.

      Sigo aquela regra: manda quem pode e obedece quem tem juízo e, então, também por isso, eu te peço perdão pelas rudes palavras e tratamento indigno não condizente jamais com a sua pessoa. Vou policiar/vigiar melhor o meu temperamento e verve.

      1. Resposta: a) a assim denominada ‘depravação total’ do gênero humano pode ser resumida, quer como conceito, quer como causa-efeito no seguinte texto bíblico: “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus”. (Romanos 3:23). Não discuto aqui, nesse momento, a questão da figurada de linguagem havida em tal enunciado; ou se próprio ou impróprio, e qual o seu alcance (Scire leges no est verba earum tenerem, sed vim ac potestatem). Aliás, o próprio Calvino não cunhou referida expressão. Parto, assim, da premissa havida em Romanos 3:23 porque julgo que resume bem o assunto.

      b) Calvinistas: quando tratam, daquilo que convencionaram denominar de primeiro acróstico ‘T’, dos Cinco Pontos do Calvinismo, a saber: ‘Total Depravity’ ou ‘Depravação Total’, o curioso é que se esquecem que o próprio João Calvino, In ‘As Institutas’, p.55, Vol. I, aduziu peremptoriamente:

      “Porque, visto que o homem está repleto de qualidade indignas, mal nos contemplamos e tomamos conhecimento das nossas péssimas condições, e de imediato ELEVAMOS OS OLHOS A DEUS (g.n.) para que dele venha um pouco de conhecimento a seu respeito. Assim, GRAÇAS AO SENTIMENTO QUE TEMOS (g.n.) da nossa pequenez, da nossa insensatez e vaidade, E MESMO DA NOSSA PERVERSIDADE E CORRUPÇÃO (g.n.), RECONHECEMOS (g.n.)) que a verdadeira grandeza, sabedoria, verdade, justiça e pureza estão em Deus”.

      c) Minha posição:

      Epa! Então a ‘depravação total’, do homem caído, separado de Deus, morto em seus pecados, não o impede, MESMO em sua PERVERSIDADE e CORRUPÇÃO, de RECONHECER a VERDADE e a JUSTIÇA de Deus. E foi Calvino mesmo que disse isso, não eu!

      A posição de Calvino, portanto, se coaduna com a Bíblia:

      “Porquanto o que de Deus se pode conhecer neles se manifesta, porque Deus lho manifestou. Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, PARA QUE ELES FIQUEM INESCUSÁVEIS (grifei); Porquanto, TENDO CONHECIDO (g.n.) a Deus, NÃO O GLORIFICARAM (g.n.) como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, E O SEU CORAÇÃO INSENSATO SE OBSCURECEU (g.n.). Romanos 1:19-21
      Continua...

      Excluir
    4. Mais ainda (Vol. 2, pg. 129-132), Calvino vai além:

      “[1539] Depois das considerações sobre a fé, é necessário falar subsequentemente sobre o arrependimento, visto que este não somente é parte integrante da fé, mas também é gerado por esta. Porque, assim como a graça e a remissão dos pecados são apresentadas ao pecador pela pregação do evangelho para que, sendo libertado da miserável servidão do pecado e da morte, seja transferido para o reino de Deus, segue-se que ninguém pode receber a graça do evangelho pela fé, SEM QUE VOLTE ATRÁS EM SUA VIDA EXTRAVIADA (g.n.), TOME O CAMINHO RETO (g.n.) E SE DEDIQUE COM TODO O EMPENHO (g.n.) A REFLETIR (g.n.) no verdadeiro arrependimento”.

      Epa! Isso se chama livre escolha do homem: ‘SEM QUE VOLTE ATRÁS EM SUA VIDA EXTRAVIADA’; ‘TOME O CAMINHO RETO ‘‘E SE DEDIQUE COM TODO O EMPENHO’‘; ‘A REFLETIR NO VERDADEIRO ARREPENDIMENTO’.

      E mais: o seu estado de depravação total, separado, caído não o impede de voltar ATRÁS EM SUA VIDA EXTRAVIADA’; de tomar O CAMINHO RETO ...

      E quem disse isso? Agostinho? Não. João Calvino. Calvino tem razão, portanto.

      “[1536] O arrependimento é uma verdadeira CONVERSÃO DA NOSSA VIDA PARA SERVIR A DEUS E PARA SEGUIR O CAMINHO POR ELE INDICADO (g.n.). Procede de um legítimo temor de Deus, não fingido e consiste na mortificação da nossa carne e do nosso velho homem, e na vivificação do Espírito”.

      Isso tem nome: Livre arbítrio mesmo. Pior: trocando em miúdos, o Homem mesmo em sua condição de depravação total não tem desculpa. Mesmo em sua condição caída ele não se trata de espécie de ZUMBI, autômato, sem qualquer vontade, ou responsabilidade, o que, por isso mesmo o torna inescusável.

      Cristo, nosso Senhor e Salvador, resumiu a inescusabilidade do Homem em sua condenação como ser caído e depravado e perverso assim:
      “E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e OS HOMENS AMARAM MAIS (g.n.) as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más. Porque todo aquele que faz o mal odeia a luz, e NÃO VEM PARA A LUZ, PARA QUE (g.n.) as suas obras não sejam reprovadas”. João 3:19-20

      continua...

      Excluir
    5. Certo. Agora, onde está a confusão e em quê exatamente me oponho a Calvino se o que ele acabou de afirmar eu concordo plenamente?

      Sem perceber, Calvino empreende em seus estudos uma visão compartimentada da Bíblia, por tópicos isolados, exemplo disso é quando ele adentra à doutrina da predestinação, ele simplesmente cria um abismo doutrinário contraditório entre o que ele outrora afirmou em um assunto e o que ele irá afirmar em outro!

      Pior: quando se adentra à doutrina da predestinação de per se, verificamos todo o tipo de contradição intrincada nos seus próprios argumentos. Quando eu vi isso, imediatamente soube o motivo pelo qual – justa ou injustamente – ficou conhecido por seus pares, à época, como quem defendeu que “DEUS CRIOU O PECADO”.
      O próprio Calvino, pouco antes de sua morte, lamentou esse fato.

      É por isso que eu insisto. O TODO DA BÍBLIA IMPORTA para uma correta exegese.

      Compartimenta-la pode levar a heresia a qual, por menor que seja, pode sim levedar toda a massa.


      Então, para finalizar: o Homem ‘totalmente pervertido’ em seus delitos e pecados não o torna inescusável e tampouco uma espécie de Zumbi, um morto-vivo que não sabe de nada e nada sabe. Aceitar o convite do Espirito Santo pela pregação do evangelho é uma opção do homem caído e pervertido. Rejeita-lo também é. Permanecer em Cristo, ao depois, também. Abandoná-lo também.

      A confusão está aqui: o fato de não podermos salvar a nós mesmos jamais, nem por obras de justiça, verdadeiros trapos de imundícia não implica em isentar-nos e eximir-nos de nossa responsabilidade diante da obra salvífica posta à nossa inteira disposição. Temos (Homem caído e totalmente pervertido em nossos pecados) de tomar em conta as exortações dos profetas e dos apóstolos (Bíblia Sagrada) os quais concitando, instando, o tempo todo, a fim de que possamos nos envergonhar dos nossos pecados e deles nos arrepender pelo temor do juízo de Deus e assim adentramos ao caminho.

      E quem disse isso? Agostinho. Não. João Calvino mesmo, ora essa, In as Institutas, Vol 2, pg 129:

      “Nesse sentido, devem ser tomadas todas as exortações dos profetas e dos apóstolos, pelas quais eles admoestavam os homens do seu tempo concitando-os ao arrependimento. Porque desejavam levá-los ao ponto em que, estando confusos e envergonhados de seus pecados, e aflitos pelo temor do juízo de Deus, se humilhassem e se prostrassem diante da majestade divina por eles ofendida, e adentrassem o reto caminho. Portanto, quando eles falam em que o pecador deve converter-se e voltar ao Senhor, arrepender-se e comprovar na prática o seu arrependimento, eles sempre tendem para em mesmo fim. O apóstolo Paulo e João batista dizem que é preciso produzir frutos dignos de arrependimento, entendendo que o pecador arrependido deve levar uma vida que mostre e testifique, em todas as suas ações, a pretendida mudança”. João Calvino.

      Em Cristo,
      Libertas vera est, Christo Servire.

      Agostinho, o antialienação.

      Excluir
  6. Estimado irmãos em Cristo Jesus
    Realmente percebemos algo inexplicável o que acontece conosco, quando ouvimos a pregação da Santa Palavra de Deus pela primeira vez, quando a semente é lançada em nosso coração, ela é regada e isto as vezes por período de tempo. Sabemos hoje que o maior milagre vai acontecendo, que é o de a semente preciosa que vai surgindo gradativamente e quando nos damos em conta, ela cresceu transformando-se em uma àrvore, que no futuro, controlado pelo Pai, Autor da Vida, vem a produzir frutos para Sua honra e glória, que chamo de conversão verdadeira, Novo Nascimento. Como explicar ? Confesso que para mim é um mistério, o maior milagre o da conversão a Cristo Jesus. Como diz um antigo hino: " Não sei o modo como agiu o Espírito Eternal... " O Espirito Santo vem através da Santa Palavra e nos convence, transformando radicalmente nossos corações e nos transformando em novas criaturas, realmente as coisas velhas passam e tudo se faz novo mesmo. E a vida de Deus passa a fruir de dentro de nós de tal maneira que não só as pessoas percebem nossa mudança de vida, mas nós mesmos olhamos para dentro de nós e vemos a transformação que Ele operou em nós. É algo maravilhoso aos nossos olhos e reconhecemos que foi Deus que fêz esta Obra em nós. À Ele à glória !!!

    Tiro do texto acima colocações que achei, bem interessante para nós refletirmos, como seres humanos limitados que somos na compreensão dos mistérios de Deus. Creio que este equilíbrio enfatizado pelo irmão Luciano e importantíssimo considerarmos.

    “Muitas vezes se tem dito que, enquanto o calvinismo se ditingue pela enfase que dá à soberania divina, o arminianismo se distingue éla enfase que dá à responsabilidade humana. Não é fácil inventar pior caricatura do calvinismo do que esta! Decerto tem havido calvinistas à moda deles mesmos, que dão pouco valor à responsabilidade humana, mas o motivo disto jaz na incoerência deles.” R. B. Kuipe (Evagelização Teocêntrica, p. 45).




    “Precisamos crer, contudo, que os dois lados desse conjunto de pensamentos aparentemente contraditórios, são verdadeiros, pois a Bíblia ensina ambos.” Antony Hoekema (Salvos Pela Graça, p. 15).




    “[...] crer em ambas as doutrinas com todas as nossas forças, e mantendo ambas constantemente diante de nós, para orientação e governo de nossas vidas.” J. I Packer (A Evangelização e a Soberania de Deus, p. 31).


    Deus guarde a todos e que cada leitor e seguidor deste blog possa experimentar de fato e de verdade a maior de todas as experiências com Deus que é a da nossa Salvação Pessoal, adquirida em Cristo Jesus.
    Em Cristo
    Wilton

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como é que pode? Duas lógicas que se opõem não podem coadunar-se por questões lógicas, ora essa! Uma há de ser verdadeira e a outra falsa. E a Bíblia não trata da predestinação calvinista. Não há uma passagem bíblica sequer a respeito.

      Em Cristo,

      Agostinho.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  7. Estimado Agostinho
    Meu questionamento pratico é: Como explicar o dia em que O Espirito Santo nos convenceu do pecado, da justiça e do juízo ? Não é um mistério ? Questiono a todos que já experimentaram o toque miraculoso do Santo Espirito operando o milagre da nossa salvação.
    Me questiono na prática, para mim foi algo inexplicável, até hoje e sempre me emociono quando lembro. "Eu aceitei?" ou " Ele me atraiu com seu Poder irresistível? "
    Me ajudem a decifrar este enigma, que é para mim até hoje. Já se passaram 39 anos.
    Deus abençoe a todos
    No Amor do Salvador
    Wilton

    ResponderExcluir
  8. Agostinho te respondi lá em cima...

    ResponderExcluir
  9. Eh...
    lembro da minha conversão e das minhas lagrimas. Eu me convenci ou fui convencido do meu pecado. E as minha lagrimas rolaram pelo perdão e a paz que invadiu a minha alma.


    ResponderExcluir
  10. Amado do Senhor Fernando
    Confesso que me emocionei em ler tua declaração. Parece que pude sentir o testemunho do Espirito Santo testificando em minha alma. Desejaria que todos os que tem passado por este Blog. santificado pelo Senhor Deus, pudesse ter esta experiência maravilhosa com o Senhor Jesus, passando de uma vida apenas religiosa, para um verdadeiro encontro com o Pai Celestial. Estamos orando para que este fato ocorra com todos.
    Que a Graça do Senhor seja com todos
    Em Cristo
    Wilton

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Wilton:

      A Graça pode ser tudo isso: multiforme, maravilhosa, inefável, insubstituível, bendita, perfeita, imerecida, MENOS IRRESISTÍVEL.

      Isso é assim por uma razão muito simples: ela pode ser rejeitada pelo Homem, bem como o Homem pode decair dela, Graça!

      A expressão “Graça Irresistível”, por mais que tenha aparência de piedade, alguma estética, embelezamento ao fala-la ou ouvi-la; contudo, não passa de um flatus vocis; de uma figura de linguagem, ou seja, uma ficção meramente retórica, meramente fraseológica.

      Soa muito bonito – é verdade, mas na hora que você sobrepõe-se a sua definição e estrutura morfológica e busca a realidade por de trás da mera nomenclatura você constatará que Graça e Irresistibilidade NÃO PODEM COEXISTIR JAMAIS. Uma é antítese da outra.

      A própria noção de irresistibilidade já depõe contra a própria noção de Graça. Ora, se é Graça é aquilo que se dá graciosamente, não pode haver, obviamente, coerção naquilo que é gracioso; um dom gratuito, um oferecimento de Deus ao Homem não pode ser, por definição, irresistível! A Graça é a liberalidade de Deus, por amor, ofertada a um Homem também livre em sua capacidade de escolher, de crer ou descrer. Isso é assim,

      “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más. Porque todo aquele que faz o mal odeia a luz, e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas”. João 3:16-20

      Mais ainda: toda tentativa de perscrutar o COMO age o Espírito Santo na questão do convencimento do Homem é mera especulação. Nada demais nisso. Nada de errado com as especulações. O que não pode é alçar a mera especulação à doutrina bíblica. Eis a questão.
      Assim é que, consciente ou não, a transmutação da mera especulação ou da mera elucubração em verdade absoluta bíblica, em doutrina bíblica, é o nascedouro inequívoco das heresias cristãs.
      Dito doutro modo, toda tentativa de tentar definir ou enfeixar em uma fórmula doutrinária o COMO Deus pensa, acabará fatalmente em erro e engano.

      Ora, é que sabemos, pela Palavra revelada, QUEM é Deus e O QUE Ele pensa. Mas não sabemos jamais COMO Ele pensa. COMO se dá tal processamento do ato de pensar de Deus.

      É isso.

      Em Cristo,

      Libertas vera est, Christo servire.

      Agostinho antialienação.

      Excluir
    2. Agostinho, estou lhe desafiando para um debate, sobre o assunto da predestinação. Só nós dois. Aceita?

      Excluir
    3. Bem, ao que parece o debate está posto. De minha parte acredito que dele podes participar também.

      Excluir
    4. É claro, afinal somos todos participantes.

      Como eu creio na doutrina da Eleição, e pelo visto você não crê, em primeiro lugar eu preciso saber o que você entende a respeito das palavras, eleição, eleitos, predestinados, de acordo com as Escrituras, desde a Antiga Aliança.

      Porque estes termos, (eleitos, eleição, predestinados), fazem parte das Escrituras.

      Não são termos teológicos, para auxiliar o estudo das escrituras, mas fazem parte delas.

      Estamos esperando a sua explicação sobre como entende o uso das palavras: Eleitos, eleição e predestinados.

      Excluir
    5. Em primeiro lugar você observou bem: não é por que determinados “termos” constam das Escrituras que, sói por esse fato, pode-se reduzi-los ou alça-los à condição de doutrina eminentemente bíblica ou teológica. Seria uma absurdidade, uma aberração, um nonsense se, por exemplo: Isaías andou três anos nu e descalço (Isaías 20); ora, se tá escrito na Bíblia vamos elaborar uma doutrina de nudismo bíblico, o que é que tem? Está escrito na Bíblia mesmo...

      Mais ainda: ressalvo que muitos termos iguais ou correspondentes entre si havidos na Bíblia são muitas vezes tomados com significados diferentes. Por exemplo: o termo “alma” algumas vezes refere-se a Bíblia como sendo a pessoa em si: “E contou-se tantas almas...”; “A alma que pecar esta morrerá”; porém, noutros lugares as Escrituras referem-se ao temo alma como ente específico separado do corpo físico: “e a alma do menino tornou a entrar nele, e reviveu” Sem falar que muitas vezes termos diferentes são tomados como sinônimos.

      Em segundo lugar é falsa a impressão de que eu não creio na doutrina da Eleição (bíblica). O que eu não posso aceitar e comungar é com a eleição apregoada distorcidamente pelos Calvinistas, mormente pela visão muito míope, bem aquém do Todo bíblico porque compartimentada e por isso mesmo contraditória, espécie de verdadeiro olho de pirata. Eis a questão.

      Feito esta necessária observação e ressalva, tenho que:

      a) Eleição: é o chamamento-convocação, para o ingresso e pertencimento, mediante teste, a uma obra, ofício, carreira, ou ministério determinado segundo a presciência divina, devidamente instrumentalizada.

      b) Predestinação: via de regra é sinônimo daquela.

      No Velho Testamento: Israel como nação. Do campo individual: Noé, Abraão, José, Moises, Josué, Sansão, Gideão, Débora, Samuel, Saul, Davi, Salomão, Isaías, Jeremias e etc.

      No Novo Testamento: A Igreja de Cristo. No campo individual: o apóstolo Paulo; os 70 discípulos, etc., etc., etc.

      Alguns versículos bíblicos que corroboraram tal conceptuação: Êxodo 33:1-3; Deuteronômio 30:15-20; Josué 1.7-9; Mateus 22:8-14; Efésios 1.4-11; Efésios 1:13; 4:30; Romanos 8.28,29; I Ts. 1.4; I Ts. 5.9; II Ts. 2.13; I Pe 1.2; 2 Timóteo 4:7-8; Hebreus 12.1-2, 1 Coríntios 11:23-32; Apocalipse 3:5-6; Ap. 3:10-11; Apocalipse 3:19-20; Romanos 5.8, João 5:40; Gl. 6.7; Mateus 7:13-14; Apocalipse 2.10; Ezequiel 33:11; Mateus 12.31; Hebreus 12: 12-15.

      observo, ainda, que nem forçando e bastante, há como extrair de tais textos bíblicos o “uma vez salvo sempre salvo”; “escolhido para o céu e escolhido para o inferno” e muito menos que Deus criou o pecado o que equivale dizer que tenha inserido no DNA de Adão/Eva, o pecado”. Não dá.

      É isso.

      Trata-se, por obvio, de mera introdução a fim de procurar responder objetivamente a sua indagação.

      Libertas vera est, Christo servire.

      Agostinho antialienação.

      Excluir
    6. Já que você afirmou que acredita na doutrina da Eleição, (inclusive citou, Israel, os profetas, a Igreja e Paulo),gostaria de lhe perguntar mais uma coisa, com o objetivo de clarear mais qual é a sua crença sobre este tema: Você acredita que Deus quer a salvação de "cada" indivíduo que já passou por este planeta, desde Adão?

      Pelo que entendi de sua explicação, você cre que o homem pode "resistir" a atuação do Espírito Santo, e vir a perder a salvação, tanto no caso dos que não aceitaram o Evangelho, como no daqueles que abandonaram a Fé. É isso?

      Estou lhe fazendo estas perguntas, para esclarecermos como você entende a manifestação da eleição divina, através das eras, já que eu creio que a queda ocorreu há muito mais de seis mil anos, e sou criacionista.

      Excluir
  11. Caro Agostinho
    Deus nos ilumine
    Creio que o equilíbrio em todas as áreas da vida é a base para nosso caminhar. A Bíblia sagrada contém a mente de Deus, porém cremos que ela é Sua Palavra. Não podemos ir além do que foi Escrito. Creio que para cada servo de Deus fiel , o Senhor vai revelando a cada um suas verdades de acordo com sua capacidade de compreensão. Deus é fiel e sabe fazer tudo muito bem. Teologicamente não compreendemos tudo, tenho 39 anos que conheci ao Cristo Vivo, que mudou minha vida e Salvou-me por Sua graça e sinceramente estou aprendendo dEle e com Ele até hoje e percebo que continuo entendendo que sabemos muito pouco. Continuo sem nenhuma demagogia sem compreender minha Salvação. Realmente não tenho capacidade de discernir sobre o modo como agiu o Espirito Santo. Não esqueçamos que é o maior milagre e milagre não se explica. A seguir colocaremos algo que li em um site, que pode deixo para sua meditação.

    Portanto, neste debate entre Calvinismo e Arminianismo, quem está correto? É interessante notar que na diversidade do Corpo de Cristo, há toda a sorte de mistura de Calvinismo e Arminianismo. Há quem apóie cinco pontos do Calvinismo e cinco pontos do Arminianismo, e ao mesmo tempo, há quem apóie apenas três pontos do Calvinismo e dois pontos do Arminianismo. Muitos crentes chegam a um tipo de mistura das duas visões. No final, é nossa visão que os dois sistemas falham por tentar explicar o inexplicável. Os seres humanos são incapazes de compreender totalmente um conceito como este. Sim, Deus é absolutamente soberano e de tudo sabe. Sim, os seres humanos são chamados a fazer uma decisão genuína a colocar sua fé em Cristo para a salvação. Estes dois fatos parecem contraditórios para nós, mas na mente de Deus, fazem completo sentido.

    Deus te fortaleça
    Em Cristo
    Wilton

    ResponderExcluir
  12. nenhum calvinista "equilibrado", rsrs... nega a soberania total de Deus e a responsabilidade humana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irmão Fernando, negar a soberania de Deus, não é o que está escrito lá em 2 Tessalonicenses, onde Paulo diz que o anticristo "irá sentar-se no templo de Deus (a igreja), querendo assemelhar-se a Deus?

      Não é este "humanismo" desenfreado que vemos nas igrejas modernas, um penuncio da vinda do filho da perdição?

      Vamos orar para Deus fortalecer os seus eleitos!

      Excluir
    2. Correção: Onde diz, "penuncio", ler "prenuncio."

      Excluir
    3. A SOBERANIA DE DEUS

      1. Bem, antes de se adentrar ao esclarecimento solicitado a respeito do conceito de Eleição proposto em minha reposta anterior; não é ocioso pautar, já que há abordagem a respeito e não poderia ficar sem resposta também, mesmo porque ligado ao tema: o fato é que, afirmo eu, a SOBERANIA de Deus não pode ser jamais mitigada, diminuída, enfraquecida, posta de lado, excluída, extinta, pelo fato da VONTADE PERMISSIVA de Deus. Até porque a vontade permissiva faz parte da SOBERANIA mesma de Deus, ora essa!

      E o que é VONTADE PERMISSIVA? Para não ficarmos em conceituações, partiremos para um tom mais pragmático, prático: o fato de Deus permitir mesmo NÃO CONCORDANDO com um ato qualquer praticado pelo Ser humano, não implica, de modo algum, ausência de SOBERANIA de Sua parte, pelo contrário: é a prova mesma de que é Soberano! Isso é Vontade Permissiva atrelada que está a Sua onipotência.

      Nada há mais de SOBERANO no fato de eu poder criar algo que pode até não vir a concordar comigo. Que pode até desobedecer-me, que pode até tornar-se meu inimigo! Isso é SOBERANIA!

      Isso é para quem PODE de modo ABSOLUTO e só! Esse fato já deixa antever que quem pode fazer isso é porque detém CONTROLE sobre o fato: Deus não deixará de ser Soberano pelo fato de O rejeitarmos. Por isso também Deus é Deus.

      Ademais, isto é assim por ter DEUS SOBERANAMENTE criado o Homem a sua IMAGEM e SEMELHANÇA: com capacidade de aceitar ou rejeitar. Vale dizer que Deus, em sua própria SOBERANIA, não quis RELACIONAR-SE com autômatos. Ora, isso é SOBERANIA! Ele pôde fazer isso porque é SOBERANO meu Deus do céu!

      Um Deus que só pode agir apenas de um modo no tocante à sua onipotência não é, por definição, onipotente jamais, ora essa! E muito menos será Deus! Haverá, então, um Deus de Deus e não Deus.

      Se Deus é refém de sua onipotência, ou seja, não tendo controle algum sobre ela – um verdadeiro caos - não podendo dosá-la como queira, não podendo fazer ou deixar de fazer simplesmente então, logo, a onipotência de Deus é Deus e não o Deus onipotente é Deus. Aqui mesmo já vai definhando o mal-entendido fatalista.

      A confusão dos calvinistas/fatalistas a esse respeito está no fato de baralhar Sujeito com objeto. Simples assim. Na hora que percebem o erro, desvencilham-se imediatamente de sua heresia predestinatória-calvinista e etc. Sou testemunha disso.

      continua...

      Excluir
    4. Deus = Sujeito. Onipotência = Objeto.

      Para fazer-me entender, ressalvo que o objeto pode estar intrinsecamente inserido no sujeito, contudo, é possível identificar apenas o objeto de modo separado do sujeito. E é exatamente aí que fazem confusão os calvinistas/fatalistas, não conseguem jamais identificar uma e outra coisa em si mesmo. Calvino enredou-se, sem perceber, em tal lapso ou alienação cognitiva e deu no que deu.

      Por exemplo: Mal comparando, Arnold Schwarzenegger, como fisiculturista, detinha uma força total Y e que, obviamente, tal força compunha e era inerente ao sujeito Schwarzenegger, dúvida não há. Contudo, é possível identificar e analisar apenas a sua força isoladamente, somente como objeto, a saber: ao levantar um garfo de 0,32 gramas e ao levantar halteres (no supino) de 181Kg, como ele fazia.

      Se bem entendido, voltando ao tema específico da SOBERANIA E ONIPOTÊNCIA DIVINAS.

      Dentro do objeto existem:

      a) VONTADE PLENA DE DEUS;

      b) VONTADE PERMISSIVA DE DEUS.

      CONCLUSÃO: TANTO UMA COMO A OUTRA COMPÕEM A SOBERANIA DE DEUS.

      Isso se evidencia tanto pela natureza das coisas, inclusive de modo empírico, pela lógica e, sobretudo, teologicamente como não poderia deixar de ser:

      a) Teologicamente: só para citar um evento entre milhares, tal fato aparece desde os primórdios da civilização do modo de relacionar-se Deus com o Homem, no Gênesis mesmo:

      “E o Senhor disse a Caim: Por que te iraste? E por que descaiu o teu semblante? Se bem fizeres, não é certo que serás aceito? E se não fizeres bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo, mas sobre ele deves dominar”. Gênesis 4:6-7

      In claris cessat interpretatio (para as coisas claras, desnecessária a interpretação...).

      Mas não custa perorar mesmo assim:
      Deus sabia a má intenção de Caim desde o início. E o adverte. “Não faças tal absurdo, domine o seu mau desígnio, domine o seu mau desejo, haverá aceitação para você também – sic: VONTADE PLENA DE DEUS. Mas, Caim matou Abel mesmo advertido por Deus – sic VONTADE PERMISSIVA DE DEUS, dentro de sua onipotência. De se indagar: deixou Deus de ser Soberano por que Caim não lhe deu ouvidos? Isso mitigou a Soberania de Deus, ficou Deus menos Soberano? Não. No campo da onipotência (objeto) de Deus Soberano (Sujeito), Ele, Deus, aprouve, Soberano que é ora essa, não interferir no mau desígnio de Caim quando o pôs em prática: matar Abel (VONTADE PERMISSIVA) a despeito de Sua própria VONTADE PLENA (que Caim não matasse Abel, que dominasse o seu mau desejo).

      De novo: deixou Deus de ser SOBERANO por isso? E por que é que eu preciso ser fatalista para crer na Soberania de Deus afinal? Deus relacionar-se com um Ser que pode escolher entre Ele Deus e outrem afronta em que a Soberania a Sua Soberania? Seu eu for ateu, bruxo, Deus continua sendo SOBERANO mesmo assim. Uma coisa não impede a outra.

      De novo e de novo: nada há mais de SOBERANO no fato de eu poder criar algo que pode até não vir a concordar comigo. Que pode até desobedecer-me, que pode até tornar-se meu inimigo!

      Isso é assim porque Deus, Soberano que é, traçou um relacionamento livre com um Homem também livre responsável pelos seus atos: Deus que é Soberano, permitiu (onipotência) que o Homem assumisse uma postura ante uma escolha a ser feita. Simples assim.

      Despiciendo citar outros textos bíblicos, mesmo porque de Gênesis a Apocalipse há o corroborar de tal assertiva de uma maneira bastante abundante, clara, e como se vê não há, jamais, espaço para predestinação calvinista. Impossível.

      Excluir
    5. b) Logicamente: premissa A: Deus é Soberano (Sujeito). Premissa B: pode agir assim, doutro modo ou simplesmente não agir (todas as hipóteses dizem com a Sua onipotência e, portanto dizem com a Sua VONTADE PLENA OU VONTADE PERMISSIVA). Conclusão: se Ele age é Soberano. Se Ele não age Soberano Ele é.

      c) Empiricamente: Deus sabe que lá reside uma criança de três anos de idade. Deus sabe que ela será estuprada pelo padrasto. O padastro a estupra. Deus é Soberano. Deus sabe que o padrasto quer estupra-la, mas que irá mudar de ideia e o padastro resolve não estuprá-la ao depois: Deus é Soberano. Tanto em um caso como noutro DEUS É SOBERANO ora essa!

      Indago: por que é que eu preciso crer no fatalismo, na predestinação Calvinista para atestar que Deus é Soberano?

      Agora, estou a discorrer apenas na questão da SOBERANIA DE DEUS porque na hora que discorrermos sobre a JUSTIÇA DE DEUS, ficará pior ainda para os fatalistas. Por exemplo, basta indagar: Se Deus sabia previamente, isso quer dizer que ele aprovou a conduta do padastro? Para os calvinistas sim porque Deus é Soberano!!!!!

      Epa! Mas espera um pouco: e o que uma coisa tem que ver com a outra?

      Adentrei a essa questão primeiro porque, respeitosamente, citaram aqui a questão da Soberania de Deus atrelando-a ao fatalismo achando que descobriram o Ovo de Colombo, imaginando tratar-se assim da quintessência da doutrina bíblica, sem contudo, compreender até o mínimo, o básico do básico, como se viu, de coisas mínimas e elementares que se percebem até pelos sentidos, até empiricamente... Pior: estão com a Bíblia Sagrada aberta...

      ESCLARECIMENTO SOBRE O CONCEITO DE ELEIÇÃO HAVIDO NO E-MAIL ANTERIOR

      2. Respondendo as suas indagações. Sim. Deus não deseja a separação consigo do Homem-criado-eterno. Ele sempre desejou que todos não se perdessem desde a queda de Adão até hoje.

      Sim. O Homem pode sim resistir ao Espirito Santo na questão da salvação de sua alma.

      Sim. Depois de conhecer a Cristo, pode sim abandona-lo e perder-se para sempre. Vemos isso acontecer com frequência. Sim, pode perder-se se a ele foi oportunizado o conhecimento de Cristo pelo evangelho e ainda assim não crer em Cristo, sim.

      Quanto ao esclarecimento sobre a definição de Eleição:

      Não gosto de recorrer com frequência ao grego ou hebraico porque a tradução que temos é mais do que suficiente para que conheçamos a doutrina eminentemente bíblica, em seu todo, sem precisarmos ser ‘haireomai’ (‘herege’, no grego, que quer dizer ‘separar para si próprio’).

      Contudo, esclareço que extraí tal definição de 1 Pedro 1.2 e daí sim eu vou ao grego e ao hebraico para fazer-me entender:

      “Eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo: Graça e paz vos sejam multiplicadas”.

      Acontece que a Palavra Eleito tanto no aramaico como no hebraico quer dizer, no fim das contas, testado, provado como a um metal sob o fogo: daí o‘ eleitos (...) em santificação para obediência...’ de que fala Pedro.

      Em aramaico, língua semítica muito semelhante ao hebraico, aliás, faladas pelos escritores do Novo Testamento, eleito quer dizer ‘bach’ que significa nada mais nada menos: ‘testar para escolher o melhor’. Imagine um metal sob fogo a fim de ser escolhido. Essa é a ideia. Nada mais nada menos.

      Sim eu sei. O Novo Testamento foi escrito em grego e nessa língua a palavra eleito que é eklektos’ quer dizer ‘selecionado’.

      Certo. Mas os judeus do primeiro século, tanto quem escreveu Cartas e Livros do Cânon, como os destinatários dos Livros e das Cartas, havidos na Igreja, tinham o aramaico como língua falada, incluindo o hebraico. Vide: Atos 21.40, Atos 22.2 e Atos 26.14.

      Pois bem.

      continua...

      Excluir
    6. A palavra ‘eleito’ dita e ouvida por um judeu no Século I carrega a compreensão exata de, ‘sob prova de fogo, testar para escolher o melhor’. Isso vale para todo o Novo Testamento. O que dirá para Velho Testamento.

      Isso corresponde ao TODO BÍBLICO, inclusive sobre o que o Senhor definiu, ao final, como ESCOLHIDO em Mateus 22:8-14.

      Inexiste, portanto, uma vez salvo sempre salvo. O Deus escolheu uns para a salvação e outros para a perdição. Deus inseriu no DNA de Adão o pecado.

      Paro por aqui pelo seguinte motivo:

      QUESTÃO DA MANIFESTAÇÃO DA ELEIÇÃO DIVINA ATRAVÉS DAS ERAS - O CRIACIONISMO, DA QUEDA HÁ MAIS DE SEIS MIL ANOS

      3. Confesso que não compreendi a relação havida entre o que estamos a tratar. Imaginei que tivesse respondido. Então para eu responder adequadamente gostaria, por gentileza, que você se posicionasse a respeito. Qual, afinal a sua posição? O que você quer dizer com isso: “como você entende a manifestação da eleição divina, através das eras, já que eu creio que a queda ocorreu há muito mais de seis mil anos, e sou criacionista”. Não compreendi muito bem o que você colocou. Qual a sua posição em relação a sua indagação para, quiçá, eu possa responder a você adequadamente?

      Em Cristo,

      Agostinho antialienação.

      Excluir
    7. Agostinho, no seu primeiro comentário das 20:44, você falou acerca da soberania de Deus.

      Realmente, após o pecado, o homem vive debaixo da vontade permissiva de Deus; já o cristão, pela obra de regeneração efetuada em sua alma, com a intercessão do Santo Espírito, busca a vontade perfeita de Deus.

      Então, tudo o que acontece no mundo, (não no Reino de Deus), está sob a vontade permissiva de Deus, como um "meio" para cumprir todo o plano de Redenção, e não como um fim em si mesmo, o que nos levaria ao ateísmo.

      Você disse: "Se Deus é refém de sua onipotência, ou seja, não tendo controle algum sobre ela – um verdadeiro caos - não podendo dosá-la como queira, não podendo fazer ou deixar de fazer simplesmente então, logo, a onipotência de Deus é Deus e não o Deus onipotente é Deus. Aqui mesmo já vai definhando o mal-entendido fatalista."

      Bem, se usarmos este argumento de que Deus "seria refém de sua onipotência", se não soubesse dosá-la, então chegaríamos à conclusão de que Deus "de fato", é refém de sua existência, não tendo controle sobre sua eternidade, ou seja, porque ele existe? Ele, (Deus), é obrigado a existir, queira ou não queira!

      É óbvio que o homem tem livre arbítrio. A doutrina da eleição, em nenhum momento nega isto.

      O homem se perde, porque rejeita o Evangelho. Ele usa de seu livre arbítrio, para não crer na salvação quando esta lhe é oferecida.

      agora, se o homem "morreu, no dia em que pecou", e não 930 depois, então Deus tem de vivificá-lo, despertá-lo, para ouvir o Evangelho, assim como aconteceu com Lídia, no livro de Atos. Com ela, estavam outras mulheres, mas o Espírito Santo 'abriu" somente o coração de Lídia, e não das outras.

      Depois da Queda, o homem, apesar de morto espiritualmente, continua com o mesmo livro arbítrio que Adão tinha antes de pecar, só que ele está "morto", e um morto precisa ser ressucitado para ouvir a Palavra de Deus.

      Agora, se ele ouve a Palavra, e a rejeita, usando de seu livre arbítrio, isto mostra que ele não foi vivificado pelo Espírito para ouvir, (entender), a Mensagem de Salvação.

      Então, o homem caído, com seu ego inflado, pensa que rejeitou a Palavra porque quis, ( e é verdade), só que a obra de regeneração não foi efetuada naquele coração, e por isso ele o tal indivíduo, foi "rejeitado" por predestinação.

      Em seu comentário da 20:50, você afirmou: "2. Respondendo as suas indagações. Sim. Deus não deseja a separação consigo do Homem-criado-eterno. Ele sempre desejou que todos não se perdessem desde a queda de Adão até hoje."

      Respondo que isto não é verdade. O Apóstolo Paulo, em Atos 17:26, disse que Deus "passou por alto" todos os povos, quando tratava somente com Israel!

      Mesmo aqueles grandes impérios da antiguidade, (da China, Japão e Indía, por exemplo), que
      exalavam o saber em todas as suas formas, não souberam NADA de Abraão, Moisés, os profetas etc.

      Deus nunca enviou missionários para evangelizar estes povos, e nem mesmo àqueles que habitavam próximo as fronteiras de Israel.

      Depois você disse: "Sim. O Homem pode sim resistir ao Espirito Santo na questão da salvação de sua alma."

      "Sim. Depois de conhecer a Cristo, pode sim abandona-lo e perder-se para sempre. Vemos isso acontecer com frequência. Sim, pode perder-se se a ele foi oportunizado o conhecimento de Cristo pelo evangelho e ainda assim não crer em Cristo, sim."

      Claro que o homem pode resistir ao Espírito Santo. Porque? Porque ele não foi despertado para as "coisas" de Deus, e portanto usa de seu livre arbítrio para rejeitar o Evangelho.

      Você também disse que, "depois de alguém conhecer a Cristo", pode abandoná-lo e perder-se."

      Eu lhe pergunto: Como é que alguém que conheceu o amor de Deus que "excede a todo o entendimento", e recebeu o Novo nascimento, sendo portanto considerado "um" com Deus, (como em Jo.17), pode querer abandonar o Salvador? Prossegue...

      Excluir
    8. O Apóstolo João, falando sobre aqueles que "aparentemente" eram cristãos, e abandonaram a Fé, disse: "Eles saíram do nosso meio, mas na realidade não eram dos nossos, pois, se fossem dos nossos, teriam permanecido conosco; o fato de terem saído mostra que nenhum deles era dos nossos." 1Jo.2:19.

      O Senhor Jesus, em João 17:9, orando, disse: "Eu rogo por eles, NÃO ESTOU ROGANDO PELO MUNDO, MAS POR AQUELES QUE ME DESTE, POIS SÃO TEUS."

      Ou seja, Jesus não ora pelo mundo, quanto mais morrer por cada cidadão que pisou neste planeta!

      Depois, no verso 12, o Salvador afirma: "..... NENHUM DELES SE PERDEU, a não ser aquele que estava destinado à perdição, (por isso, Filho da Perdição), para que se cumprisse a Escritura."

      Será que o Filho da Perdição, poderia ser algum dos outros Apóstolos? Quem sabe João, o discípulo amado, ou Pedro, ou tiago?

      Verso 12 de João 17: "Para se cumprir a escritura."

      Aí está a predestinação. Deus, por acaso, não sabia que Judas de Isacriot iria trair Jesus?

      agora...Judas ERA aquela escritura! Ele foi predestinado a ser aquilo mesmo! Ninguém poderia cumprir aquela escritura, a não ser ele.

      Depois você disse: "Acontece que a Palavra Eleito tanto no aramaico como no hebraico quer dizer, no fim das contas, testado, provado como a um metal sob o fogo: daí o‘ eleitos (...) em santificação para obediência...’ de que fala Pedro. "

      A palavra, "eleito", nas Escrituras, significa, exatamente, e no grego, o que ela quer dizer, ou seja, "selecionado."

      assim como nas "eleições.' Você "elege", escolhe alguém, e rejeita outros. O processo de eleição, é inerentemente EXCLUSIVISTA, e não inclusivista!

      É evidente que os eleitos são testados e provados, e somente eles. Um verdadeiro crente na predestinação, sabe que "sua" eleição se dá a conhecer, pela sua santificação, porque a primeira evidência de uma conversão REAL é nojo ao pecado.

      A pessoa começa a sentir-se atraída pela santificação! É o gozo do Espírito Santo, falando das coisas futuras, do Reino da Luz. Isto, somente os eleitos tem.....Tesouro inestimável!

      O incrédulo não é testado e provado; ele é do mundo, é Filho do Mundo, e como disse o Apóstolo Paulo, está alienado da Vida de Deus, sua Vida Eterna.

      Alguém que segue o Evangelho, até um ponto, como Judas, NUNCA conheceu a Deus, porque o conhecimento de Deus, é Vida Eterna, pela qual o crente é selado para sempre! Efésios 1:13; 4:30

      Você disse: "Isso corresponde ao TODO BÍBLICO, inclusive sobre o que o Senhor definiu, ao final, como ESCOLHIDO em Mateus 22:8-14."

      Aí, no versículo 14 de Mt.22, Jesus afirmou que MUITOS são chamados, ele não disse que TODOS são chamados, e termina dizendo que POUCOS são os escolhidos.

      Judas, foi chamado, mas não foi escolhido. Porque muitas pessoas sentem-se atraídas ao ouvirem o Evangelho e não se convertem?

      Porque o sentido natural delas, de preservação da espécie, como que "pressente" que vem um Juízo. Então, elas ouvem o chamado, mas não para conversão, mas por causa do Juízo que virá e desejam escapar.

      Os animais, quando vem uma tempestade, logo se agrupam em algum lugar para se proteger. É o instinto de preservação funcionando.

      Agora, é só o eleito que é escolhido, (por redundância), para um ideal mais elevado, não deste mundo. São aqueles que Deus "preconheceu desde antes da fundação do mundo."

      Então, Deus não elegeu todas as pessoas, cada indivíduo para a salvação. As Escrituras dão outro testemunho.

      Excluir
    9. O homem, pode resistir ao Espírito Santo, através da pegação da Palavra, assim como os intelectuais gregos a pregação de Paulo. E porque rejeitaram? Porque usando o sentido da audição, (natural), não tiveram seu sentido "espiritual" da fé despertado pelo Espírito Santo, e portanto, não entenderam NADA, até pensaram que a Ressurreição (anástasis), era uma deusa que fazia par com Jesus!

      Aquela palavra de Paulo, lhes serviu como um testemunho para perdição e não para salvação.

      Quando o Senhor Jesus afirmou que o Espírito Santo convenceria o mundo, do pecado, da justiça, e do juízo, por acaso estava ensinando o universalismo, ou seja, a salvação de cada indivíduo que já passou por aqui?

      Nooo! Esta obra do Espírito, de convencer o mundo, é de JUÍZO e não de conversão. A pregação do Evangelho cumpre também esse papel.

      A obra do Espírito para CONVERSÃO, ocorre somente nos eleitos e preconhecidos desde a eternidade, na mente de Deus. Isto é ensinamento apostólico puro.

      Quanto a minha afirmação de que a Queda ocorreu há mais de seis mil anos, é que ela, (a Queda), começou no Céu com a rebelião angélica.

      Excluir
    10. “Eu lhe pergunto: Como é que alguém que conheceu o amor de Deus que "excede a todo o entendimento", e recebeu o Novo nascimento, sendo portanto considerado "um" com Deus, (como em Jo.17), pode querer abandonar o Salvador?” (Paulo Cadi)

      Engraçado, Satanás, “o Anjo de Luz”, e seus anjos (agora, demônios), assim como Adão e Eva (criados a semelhança de Deus) estavam sempre com Deus e participando continuamente de SUA Glória e amor (de Deus) e todos eram “um” com o criador. Todos foram feitos para viverem a eternidade com Cristo. No entanto, essas criaturas num determinado tempo escolheram desobedecer a Deus (Deus não plantou nenhuma semente do mal no DNA de ninguém, simplesmente, escolheram desobedecer e seguir seus próprios desejos). Tenho certeza que Deus deu a oportunidade de arrependimento para todos. Satanás, orgulhos que é não quis reconhecer seu erro, por outro lado, Adão, reconheceu seu erro e aceitou o sacrifício de Cristo. Satanás só não tem salvação por que escolheu ficar onde está não porque o Espírito Santo não quis lhe abrir o coração.

      Fique com Deus e tenha um ótimo fim de semana.

      Excluir
    11. Você disse: "Tenho certeza que Deus deu a oportunidade de arrependimento para todos. Satanás, orgulhos que é não quis reconhecer seu erro, ......"

      Se Deus tivesse dado uma segunda chance para Satanás, Jesus teria derramado o seu sangue pelos anjos caídos, o que não se verificou.

      Não existe uma segunda oportunidade, sem o Cavário.

      Os Filhos de Deus, selados pelo Espírito Santo, ATÉ o dia da redenção, (Efésios 1:13; 4:30), vivenciam a unidade com Deus, de uma forma diferente da que os anjos eleitos tem.

      Os anjos eleitos, que não caíram em pecado, não receberam a habitação de Deus, pelo Espírito Santo. Eles não vivenciaram o pecado e suas consequências.

      Satanás caiu usando de seu livre arbítrio, mas a Queda dos anjos já estava prevista, muito antes da rebelião de Satanás, porque ANTES de haver sequer um anjo, uma molécula etc, o cordeiro de Deus já havia sido sacrificado na mente de Deus.

      Alguém que recebeu o Novo Nascimento, não pode "desnascer", pois é gerado nas entranhas do Santo Espírito, e nenhum daqueles que o Pai deu ao Filho, faltará.

      Satanás pecou, e não recebeu uma segunda oportunidade, e nem aquela classe de anjos que estão encarcerados no Tartáro.

      Na Queda vemos anjos vindo do Reino Celeste para o Reino da Trevas, e os homens e mulheres eleitos fazendo o caminho inverso, saindo do Reino das Trevas e adentrando o Reino da Luz.

      Em João 17 Jesus orou ao Pai, pela unidade de todos os eleitos, de todas as eras, até o fim; e isto, acontecerá.

      Você disse: "Todos foram feitos para viverem a eternidade com Cristo."

      Ora, se o cordeiro foi morto ANTES da fundação do mundo, lá na eternidade, como é que todos foram feitos para viverem a eternidade com Cristo, quando ele mesmo disse que "ninguém vem a mim se o Pai não o trouxer, e que ele daria sua vida "pelas suas ovelhas", e não pelo mundo.

      Você está sendo desonesto, senão inepto para entender o que expliquei, passando por cima de assuntos importantes e se detendo em uma pequena parte, que na sua imaginação poderia refutar.

      Excluir
    12. Desonesto?!, Eu?

      Vc NÃO entendeu nada do que expus, simplesmente por orgulho em não aceitar a verdade explícita. Vc está com sua mente cauterizada por uma filosofia anti-bíblica e não consegue ver o óbvio.

      Quando disse que satanás teve sua chance, não me referir ao arrependimento no calvário e sim quando ele ainda desfrutava da presença de Deus no Céu, tanto ele quanto aos seus anjos seguidores tiveram chance de arrependimento quando ainda estavam no céu, a partir do momento que foram expulsos seus destinos foram selados. Enquanto aos homens... Nossa chance de arrependimento é o calvário.

      Quanto ao Cordeiro que foi morte desde a fundação do mundo...
      Jesus foi escolhido por Deus antes mesmo da fundação do mundo, para ser Cordeiro perfeito e fazer propiciação por nossos pecados. Pois como Deus é soberano, sabia que o homem com seu livre arbítrio, se desviaria do caminho de Deus, pois poderia optar por seus desejos.
      Se existe alguma predestinação bíblica, sem dúvida é esta:
      Em Adão todos são predestinados para a perdição - "Pois como em Adão todos morrem, do mesmo modo em Cristo todos serão vivificados. " I Cor. 15:22
      Em Cristo todos são predestinados para a salvação - "Mas, a TODOS quantos o receberam, aos que CRÊEM no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus;" João 1:12

      Se vc se acha um autômato, um robô, vc, simplesmente, está chamando Deus de tirano. Vc está vendo Deus como uma criança que pega sua lupa em dia ensolarado e vai brincar de “deus” num formigueiro, onde, ele escolhe quem vai morrer e quem vai se salvar, sem se importar com nada.

      Quem está sendo desonesto ou inepto?

      Fique com Deus!

      Excluir
    13. Você disse: "Quando disse que satanás teve sua chance, não me referir ao arrependimento no calvário e sim quando ele ainda desfrutava da presença de Deus no Céu, tanto ele quanto aos seus anjos seguidores tiveram chance de arrependimento quando ainda estavam no céu, a partir do momento que foram expulsos seus destinos foram selados."

      Demonstre pela Bíblia o que afirmou.

      Você disse: "Se vc se acha um autômato, um robô, vc, simplesmente, está chamando Deus de tirano. Vc está vendo Deus como uma criança que pega sua lupa em dia ensolarado e vai brincar de “deus” num formigueiro, onde, ele escolhe quem vai morrer e quem vai se salvar, sem se importar com nada."

      Onde eu afirmei isto?

      Deus queria a queda do homem, ou não?

      Um Pai que manda ao filho não chegar perto do fogo, e não arranca-o lá de perto, e SABE de antemão que o Filho vai se queimar...

      Ele queria isto, ou não?

      Mesmo que fosse para a ensiná-lo!

      É óbvio que sim, pois depois da queda Deus diz:

      "Eis que o homem é como um de nós, conhecedor do bem e do mal!

      Então, era necessária a Queda. O diabo, ao tentar o santo par, estava cumprindo os desígnios do Altíssimo.

      Se Deus quer que todos os homens, (CADA INDIVÍDUO) se salvem, porque é que deixou os chinêses, Indianos, japoneses, povos que habitavam as Américas, TODOS nas trevas, sem a revelação que ele deu a Israel?

      Excluir
    14. “Deus queria a queda do homem, ou não?” (Paulo Cadi)

      “Um Pai que manda ao filho não chegar perto do fogo, e não arranca-o lá de perto, e SABE de antemão que o Filho vai se queimar...” (Paulo Cadi)

      “Ele queria isto, ou não?” (Paulo Cadi)

      Resposta: É claro que Deus não queria a queda do homem!!

      Deus fez o homem para uma comunhão eterna com Ele. O motivo que levou Deus a colocar a árvore do conhecimento do bem e do mal diante de Adão e Eva foi justamente por causa do pecado que estava ao redor (Lúcifer já havia caído e estava na Terra expulso do paraíso) para ver se o homem, através do seu livre arbítrio, escolhesse obedecê-lo por amor, mesmo sabendo que eles iriam desobedecê-lo, mas, Deus já tinha o calvário para essa tragédia humana.

      Lembrando que Lúcifer, assim como Adão, foram feitos perfeitos a diferença é, que, para Lúcifer Deus não fez para ele uma árvore do conhecimento do bem e do mal, simplesmente, Lúcifer escolheu ser maior que Deus. Enquanto, que, para Adão era necessário o “teste de obediência”, pois, o pecado se originou no coração de Lúcifer e se tornou conhecido no universo todo.

      Quanto a Lúcifer ter sua chance no céu...
      Evidentemente, que isso é apenas conjecturações, baseadas no pensamento do livre arbítrio e o amor de Deus para com todas as suas criaturas demonstrado nas escrituras sagradas. Já, que todos nós temos uma chance por que Lúcifer não teria a dele?

      Quanto aos povos chineses, Indianos, japoneses, povos que habitavam as Américas...
      Deus não leva em conta o tempo de ignorância... Todos nós, povos, nações, etc., temos intrinsecamente a lei moral: não matar, não roubar, não adulterar... mesmo dentro de povos indígenas essas ações não são permitidas entre eles...

      Fique com Deus!

      Excluir
  13. Amados comentaristas
    Paz a Todos
    Creio que seria interessante deixar fluir o debate sobre a Predestinação Bíblica entre os amados Paulo Cadi e Agostinho. Não vejo nenhum problema. Muitas pessoas participando, infelizmente há um desvio ou vários desvios do assunto em pauta. Fica minha sugestão, para análise de todos.
    Deus nos ilumine
    Em Cristo
    Wilton

    ResponderExcluir
  14. Os extremismos de ambos os lados são ruins, eu por exemplo sou Batista Tradicional e Calvinista, nem por isso discrimino os Presbiterianos que também são calvinistas só que batizam por asperção ! Não discrimino os Metodistas, o fato é que antes de Arminiano ou Calvinista, somos servos do Senhor e ambos somos Salvos, vale salientar que a Bíblia dá base para ambas as exegêses, então nenhuma das duas são heresias, só correntes teológicas distintas, assim como os crentes são divididos em Pós tribulacionas, midi- tribulacionistas, pré tribulacionistas, Amilenistas, pré milenistas, pós milenistas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Epa! Acho que você confundiu as coisas. O que você acha, por exemplo, do homossexualismo? É bíblico? Se a sua resposta for negativa (de que não é bíblico) e eu sinceramente espero que seja essa a sua resposta; tal fato não implica em "discriminação" aos homossexuais jamais. Eu posso muito bem discordar desse comportamento e prática antibíblicos sem discirminar quem quer que seja homossexual, ora essa.

      Pior: por falar em extremismos: não há nada mais extremo e pervertido do que a afirmação de que Deus escolheu x para salvação e y para a perdição, incluíndo aí, é logico, por pura coerência doutrinária, crianças de tenra idade e os paralíticos cerebrais!

      E daí você vem dizer, 'Ah não, são tudo correntes teológicas.., não podemos discriminar...

      Não. Não dá para comungar com a verdade e o engano ao mesmo tempo: um há de repelir o outro. Ou, então: somos todos esquizofrênicos.

      Ainda mais, quando se diz defender a fé!

      Acho que você precisa ao menos ler a sua profissão de fé calvinista e compará-la com a Bíblia por si mesmo.

      Sugiro até que comece por aqui:

      CONFISSÃO DE FÉ DE WESTMINSTER:

      ‘CAPÍTULO X – DA VOCAÇÃO EFICAZ’

      III. As crianças que morrem na infância, SENDO (condição, desde-de-que - sic) ELEITAS, são regeneradas e por Cristo salvas, por meio do Espírito, que opera quando, onde e como quer, Do mesmo modo são salvas todas as OUTRAS PESSOAS INCAPAZES (sic) de serem exteriormente chamadas pelo ministério da palavra.

      CALVINO:

      “Os pequeninos QUE (condição- sic) recebem o sinal da regeneração e da renovação, se passam deste mundo antes de chegarem à idade da razão, CASO TENHAM SIDO ESCOLHIDOS (BARBARIDADE - sic!) pelo Senhor, são regenerados e renovados pelo seu Espírito, como lhe apraz, segundo o seu poder, para nós oculto e incompreensível” (As Institutas, Vol. III. p.11).

      ?????????

      Então agora denunciar, expor, criticar e refutar uma heresia virou extremismos...


      Libertas vera est, Christo servire.

      Agostinho Antialienação

      Excluir
  15. Deus é Fiel, este ponto de vista que você tem, a respeito das diferenças, é correto. Existem cristãos que amam ao Senhor, tanto do lado calvinista, quanto do lado arminiano.

    Um bom exemplo, é o de John Wesley (arminiano), e George Whitefield (calvinista). Ambos eram amigos e irmãos em Cristo, ainda que George Whitefield era veemente em condenar a crença arminiana de John Wesley!

    Mesmo assim, Whitefield tinha Wesley como um dos maiores cristãos de todos os tempos!

    O que acontece, é que quando se adota a interpretação arminiana, outras doutrinas bíblicas podem sair um pouco deformadas, ainda que não seja constatada alguma heresia.

    ResponderExcluir
  16. VONTADE PERMISSIVA: A SOBERANIA DE DEUS É IMUTÁVEL E SE A VONTADE PERMISSIVA É INERENTE AO ATRIBUTO DA SOBERANIA, INEXISTE CONDIÇÃO OU TERMO.

    Você assim comentou:

    1. “Realmente, após o pecado, o homem vive debaixo da vontade permissiva de Deus; já o cristão, pela obra de regeneração efetuada em sua alma, com a intercessão do Santo Espírito, busca a vontade perfeita de Deus”.

    Replico: se é que o atributo da Soberania de Deus é imutável, não há condição ou termo para a sua manifestação. ‘Buscar a perfeição de Deus’ não impede a vontade permissiva de Deus. Dito doutro modo, se a vontade permissiva é inerente à Soberania de Deus não é a condição de ser salvo ou perdido que a faz incidir ou não. Isso porque, repita-se, tal atributo, o da Soberania, é imutável; não se sujeita a condição de espécie alguma. Ela, vontade permissiva, se manifesta tanto em salvos quanto em perdidos.

    Bíblia Sagrada: “Porque eu, o SENHOR, não mudo; por isso vós, ó filhos de Jacó, não sois consumidos”. Malaquias 3.6.

    “Para que vocês VENHAM A SER (g.n.) filhos de seu Pai que está nos céus. Porque ELE FAZ RAIAR O SEU SOL SOBRE MAUS E BONS E DERRAMA CHUVA SOBRE JUSTOS E INJUSTOS (grifei). Mateus 5:45.

    Jó é um exemplo clássico da VONTADE PERMISSIVA DE DEUS VERSUS VONTADE PERFEITA DE DEUS. ‘Olha Satanás, você por tocar nas coisas dele, até matar a família dele e até nele você pode tocar, mas não lhe tire a vida’. Agora, não foi Deus quem incitou a Satanás, pelo contrário, a provocação e o desafio partiram do próprio Satanás.

    Crentes fiéis, hodiernamente, também sofrem no mundo. Isso mediante a vontade permissiva de Deus. Só para citar um exemplo: Ora, quando cristãos são queimados vivos e esfolados a pauladas com pregos nas pontas, inclusive crianças (muitas de colo), idosos e mulheres; quando igrejas inteiras são queimadas com crentes lá dentro e são deformados por ácido jogado em seus rostos, isso se dá MEDIANTE VONTADE PERMISSIVA DE DEUS, MESMO ELE DISCORDANDO DE TAIS ATROCIDADES!

    Essa verdade pode ser classificada, do ponto de vista teológico, de verdade inata. Ou verdade que não carece de prova. Ou, ainda, verdade da razão pura e verdade da sensação (a qual se infere pelo próprio sentido). Como diria Charles Finney, há muito.

    Tanto a vontade permissiva é inerente à Soberania de Deus independente de condição ou termo que Lúcifer, o Sinete da Perfeição, e os seus séquitos rebelaram-se; e desde a cogitação interior, o processo de abordagem a outros anjos até o ápice da execução da rebelião, tudo, tudo, tudo se deu sob a VONTADE PERMISSIVA DE DEUS; não fosse assim a rebelião não teria ocorrido jamais, ou seja, se dependesse apenas da Vontade Perfeita de Deus ela sequer teria acontecido!

    Vale dizer: MESMO NÃO SENDO A VONTADE PERFEITA DE DEUS QUE O SINETE DA PERFEIÇÃO SE REBELASSE; CONTUDO, DEUS NÃO DESEJOU QUE ELE E OS DEMAIS O SERVISSEM OBRIGADO... LOGO, NÃO HÁ QUE SE FALAR QUE A VONTADE PERMISSIVA ATUA APENAS, APÓS O PECADO, NO HOMEM CAÍDO. ESTA ASSERTIVA DEPÕE FRONTALMENTE CONTRA RELEVANTE FATO BÍBLICO! ELA, VONTADE PERMISSIVA, PORQUE INTRÍNSECA À SOBERANIA DE DEUS, ATUA SEM VER ESTE O AQUELE E A QUALQUER TEMPO SEM TERMO OU CONDIÇÃO – isto porque, redundância à parte, DEUS ERA SOBERANO ANTES, CONTINUA SENDO E SEMPRE O SERÁ ora essa.

    continua...

    ResponderExcluir
  17. Assim é que se você admite a vontade permissiva ao homem caído, deverá, como corolário lógico, admitir que se aplica ao nascido de novo pela simples razão de a vontade permissiva fazer parte da própria Soberania de Deus a qual subsiste em si mesma; diante de um e de outro ela permanece incólume obviamente! Se caído estou Soberano é Deus; se de pé em Cristo, Deus permanece Soberano.

    Mais ainda: o próprio termo que você usou, a saber: “busca a vontade perfeita de Deus”, diz com o DESEJO (VONTADE, VOLIÇÃO) de o cristão submeter-se ou buscar à perfeição em sua caminhada com Cristo, ou seja, depois dele ter aceitado a Cristo como seu Salvador e Senhor; fato que por si mesmo já denota escolha e que não existe fatalismo: “uma vez salvo sempre salvo”. Ele deve buscar a vontade perfeita de Deus... Ora e se ele busca, ele pode não buscar também... Tudo sob a vontade permissiva de Deus.


    CREDO REFORMADO CONTRADITÓRIO: ‘CONFUSÃO’ DE WESTMINSTER, CALVINO E O LIVRE ARBÍTRIO:

    2. Lá pelas tantas você afirmou: “É óbvio que o homem tem livre arbítrio. A doutrina da eleição, em nenhum momento nega isto. O homem se perde, porque rejeita o Evangelho. Ele usa de seu livre arbítrio, para não crer na salvação quando esta lhe é oferecida”.

    Replico: Epa! Eu concordo em gênero, grau e número com você. Isso é inteiramente bíblico - não porque eu estou a dizer, obviamente - mas porque a Bíblia o diz, ora essa! Toda ela conclama que você tem razão!

    Agora, será que com a Bíblia, com você e comigo, concordam Calvino e a Confissão de Fé de Westminster a qual, para os fatalistas/calvinistas, trata-se da exposição fiel das Sagradas Escrituras? Lembram-me até de “O Grande Conflito” de Ellen Gould White... Ou ‘O Livro de Mórmon - OUTRO TESTAMENTO DE JESUS CRISTO’...

    Vejamos, então:

    CALVINO:
    (In “ As Institutas” Vol 3, p. 37-46, especificamente nos tópicos ‘6. Definição de termos’ e ‘8. Sumário Certo e Seguro’...):
    “Denominamos predestinação o conselho eterno de Deus pelo qual ele determinou o que deveria fazer COM CADA (sic) ser humano. Porque ele não criou todos em igual condição, mas ordenou UNS PARA VIDA ETERNA e OS DEMAIS PARA A CONDENAÇÃO ETERNA (sic). Assim, CONFORME A FINALIDADE (sic) para a qual o homem foi criado, dizemos que FOI (sic) predestinado para a vida ou para a morte”.

    Epa! E o “O homem se perde, porque rejeita o Evangelho. Ele usa de seu livre arbítrio, para não crer na salvação quando esta lhe é oferecida”. (?).

    Quem tem razão afinal? Você ou Calvino? As duas premissas não se harmonizam jamais!

    E por dizer em não se harmonizar, dia desses Augusto Nicodemos, apertado e sem saída, tentou justificar o injustificável aduzindo que a Bíblia está cheia de antinomias teológicas (livre arbítrio x predestinação e que não as compreendemos mesmo...). Em primeiro lugar ele precisa aprender sobre o conceito de antinomia, ele não sabe o que é. Em segundo, admitir antinomia nas doutrinas bíblicas é admitir um vazio, uma lacuna na própria Bíblia, é dizer que ela não fecha, não bate! Um rematado absurdo! Talvez isso explique o motivo pelo qual os calvinistas/fatalistas, com a finalidade de preencherem tais “lacunas”, alçam especulações e fábulas a doutrinas bíblicas na vã tentativa de taparem buracos que nunca existiram... Heresia pesada mesmo, uma contradição insanável.

    E oportuno indagar: Augusto Nicodemos e tutti quanti entendem o que leem? Definitivamente não. Nunca entenderam.

    Vejamos agora, sobre o mesmo assunto o que diz a carta maior da fé ‘reformada’...:

    continua...

    ResponderExcluir
  18. CONFISSÃO DE FÉ DE WESTMINSTER:

    ‘CAPÍTULO X – DA VOCAÇÃO EFICAZ’

    “I. Todos aqueles que DEUS PREDESTINOU PARA A VIDA (sic), E SÓ ESSES (sic), é ele servido, no tempo por ele determinado e aceito, CHAMAR EFICAZMENTE PELA SUA PALAVRA E PELO SEU ESPÍRITO, TIRANDO-OS POR JESUS CRISTO DAQUELE ESTADO DE PECADO E MORTE EM QUE ESTÃO POR NATUREZA (sic), e transpondo-os para a graça e salvação. Isto ele o faz, iluminando os seus entendimentos espiritualmente a fim de compreenderem as coisas de Deus para a salvação, tirando-lhes os seus corações de pedra e dando lhes corações de carne, renovando as suas vontades e determinando-as pela sua onipotência para aquilo que é bom e atraindo-os eficazmente a Jesus Cristo, mas de maneira que eles vêm mui livremente, sendo para isso dispostos pela sua graça”.

    "II. Esta vocação eficaz é só da livre e especial graça de Deus e não provem de qualquer coisa prevista no homem; NA VOCAÇÃO O HOMEM É INTEIRAMENTE PASSIVO (sic), até que, vivificado e renovado pelo Espírito Santo, fica habilitado a corresponder a ela e a receber a graça nela oferecida e comunicada”.

    Epa! E como é que fica o que você disse: ““É óbvio que o homem tem livre arbítrio. A doutrina da eleição, em nenhum momento nega isto. O homem se perde, porque rejeita o Evangelho. Ele usa de seu livre arbítrio, para não crer na salvação quando esta lhe é oferecida”.?????

    Mas como? Se, sobretudo, esclarece a “Confissão”, no inciso II, que ‘NA VOCAÇÃO O HOMEM É INTEIRAMENTE PASSIVO..’?????

    Afinal quem tem razão? Você ou o credo ‘reformado’ de Westminster?

    Agora, cá para nós: ‘Confissão’ ou ‘Confusão’ de Westminster?

    Ah Sim! Os gênios de Westminster criam sim no livre arbítrio, mas não como você acabou de externa-lo. Creem eles que esse livre arbítrio existe para escolhermos entre um sorvete de limão e um de chocolate; entre uma gravata vermelha e uma preta e assim vai. Ou seja, o Homem criado a imagem e semelhança de Deus não pode escolher questão crucial como a salvação de sua alma, mas o sabor do sorvete sim!

    Vai piorar:

    Veja agora o ápice da distorção bíblica, da fábula, da superstição e da crendice, verdadeira aberração, um Frankenstein teológico (entre aspas o teológico), E ISSO PORQUE ARROGAM-SE A IGREJA BÍBLICA, HISTÓRICA, REFORMADA, ORTODOXA. BARBARIDADE:

    ResponderExcluir
  19. CONFISSÃO DE FÉ DE WESTMINSTER:

    ‘CAPÍTULO X – DA VOCAÇÃO EFICAZ’

    "III. As crianças que morrem na infância, SENDO (condição, desde-de-que - sic) ELEITAS, são regeneradas e por Cristo salvas, por meio do Espírito, que opera quando, onde e como quer, Do mesmo modo são salvas todas as OUTRAS PESSOAS INCAPAZES (sic) de serem exteriormente chamadas pelo ministério da palavra.

    CALVINO:

    “Os pequeninos QUE (condição- sic) recebem o sinal da regeneração e da renovação, se passam deste mundo antes de chegarem à idade da razão, CASO TENHAM SIDO ESCOLHIDOS (BARBARIDADE - sic!) pelo Senhor, são regenerados e renovados pelo seu Espírito, como lhe apraz, segundo o seu poder, para nós oculto e incompreensível” (As Institutas, Vol. III. p.11).

    Compare com a noção de eleição/predestinação:

    CONFISSÃO DE FÉ DE WESTMINSTER:
    ‘CAPÍTULO X – DA VOCAÇÃO EFICAZ’

    “I. Todos aqueles que DEUS PREDESTINOU PARA A VIDA (sic), E SÓ ESSES (sic), é ele servido, no tempo por ele determinado e aceito, CHAMAR EFICAZMENTE PELA SUA PALAVRA E PELO SEU ESPÍRITO, TIRANDO-OS POR JESUS CRISTO DAQUELE ESTADO DE PECADO E MORTE EM QUE ESTÃO POR NATUREZA (sic), e transpondo-os para a graça e salvação. Isto ele o faz, iluminando os seus entendimentos espiritualmente a fim de compreenderem as coisas de Deus para a salvação, tirando-lhes os seus corações de pedra e dando lhes corações de carne, renovando as suas vontades e determinando-as pela sua onipotência para aquilo que é bom e atraindo-os eficazmente a Jesus Cristo, mas de maneira que eles vêm mui livremente, sendo para isso dispostos pela sua graça”.

    Epa! Como chamar um recém-nascido eficazmente, renovando a sua vontade????? Uma criança de cinco anos? Um retardado mental que não compreende uma palavra sequer do que você diga? Um paralítico cerebral, por exemplo?

    Mais ainda, e como fica o que você disse: ““É óbvio que o homem tem livre arbítrio. A doutrina da eleição, em nenhum momento nega isto. O homem se perde, porque rejeita o Evangelho. Ele usa de seu livre arbítrio, para não crer na salvação quando esta lhe é oferecida”.?????

    Se eleição é isso, como crê um paralítico cerebral, uma criança de um ano de idade, por exemplo?

    CALVINO responde:

    (In “ As Institutas” Vol 3, p. 37-46, especificamente nos tópicos ‘6. Definição de termos’ e ‘8. Sumário Certo e Seguro’...):

    “Denominamos predestinação o conselho eterno de Deus pelo qual ele determinou o que deveria fazer COM CADA (sic) ser humano. Porque ele não criou todos em igual condição, mas ordenou UNS PARA VIDA ETERNA e OS DEMAIS PARA A CONDENAÇÃO ETERNA (sic). Assim, CONFORME A FINALIDADE (sic) para a qual o homem foi criado, dizemos que FOI (sic) predestinado para a vida ou para a morte”.

    continua...

    ResponderExcluir
  20. Epa! Em primeiro lugar, esqueça isso: “Jesus, porém, disse: Deixai as crianças, e não os estorveis de vir a mim; porque dos tais é o reino dos céus”. Mt 19,14. “E disseram-lhe: Ouves o que estes dizem? E Jesus lhes disse: Sim; nunca lestes: Pela boca dos meninos e das criancinhas de peito tiraste o perfeito louvor?” Mt 21,16.

    É que o Senhor Jesus não sabe o que está dizendo, não é nenhum pouco ortodoxo, Ele não compreende a Palavra porque Ele não pertence à igreja reformada, histórica, mesmo porque Ele até curava os enfermos e expulsava demônios, como acreditar em uma pessoa assim? Então quem tem razão são Calvino e a tal Carta de Westminster meu Deus do Céu!

    Em segundo lugar, inescapável é que para Calvino e os gênios de Westminster haverão criancinhas de seis meses de idade e paralíticos cerebrais, por exemplo, no inferno!

    Mesmo porque uma doutrina, ainda mais bíblica, deve prezar pela sua coerência, não é mesmo?

    Só para citar algo dos nossos dias, entre os anos 1990 e 2012, a mortalidade infantil (leia-se crianças de até 5 anos de idade), conforme último senso realizado pela ONU, estava na casa dos 6,6 milhões de crianças no mundo. Cito a fonte: http://saudeweb.com.br/39990/estudo-revela-indices-de-mortalidade-infantil-no-mundo/

    Bem, se coerentes com a doutrina calvinista/fatalista, os tais devem admitir que se Deus “...ordenou UNS PARA VIDA ETERNA e OS DEMAIS PARA A CONDENAÇÃO ETERNA...”, forçoso admitir que pelo menos metade dessas 6,6 milhões de crianças de até 5 anos de idade, por uma questão de lógica, estão agora, neste exato momento no inferno”.

    De novo eu pergunto: vocês entendem o que leem? Calvino entendeu? Os gênios de Westminster entendiam?

    E daí eu fico vendo descerem a lenha nos sabatistas por causa do sábado; nos pentecostais, gente ignorante, que não conhecem a Bíblia, ainda mais quando dizem “O sangue de Jesus tem poder”; pura meninice, crendice...

    Agora, comungar com a crença de que crianças, da mais tenra idade, irão para o inferno porque Deus elegeu uns para o inferno e outros para o céu seria assim, para os calvinistas/fatalistas o ápice da ortodoxia e exegese pura da Bíblia!!!

    Não. Não é possível um calvinismo equilibrado. Está muito longe disso! Eu sinto muito. Isso é que dá: “Um abismo Chama Outro Abismo”. Salmos 42,7aa.

    Irei responder a todas as suas demais colocações em breve; por hora, para não ficar extenso demais e no proveito do escasso tempo que estou tendo, posto desde logo esta réplica sobre referidos dois pontos abordados em sua resposta anterior.

    Libertas vera est, Christo Servire. Agostinho antialienação.

    ResponderExcluir
  21. PARA OS FATALISTAS/CALVINISTAS, QUANDO OS JUSTIFICADOS COMETEM PECADOS, ESTÃO AGINDO EXATAMENTE DE ACORDO COM A VONTADE PERFEITA DE DEUS, OU SEJA, DEUS QUIS, DESEJOU, QUE O JUSTIFICADO COMETESSE TODA SORTE DE PECADOS!!!

    E quem disse isso?

    3. Você mesmo, veja só:

    “Então, tudo o que acontece no mundo, (NÃO NO REINO DE DEUS - sic), está sob a vontade permissiva de Deus, como um "meio" para cumprir todo o plano de Redenção, e não como um fim em si mesmo, o que nos levaria ao ateísmo”.

    Respondo eu:

    Epa! Então quando um crente peca – já que no “Reino de Deus” o crente não está sob a vontade permissiva de Deus - ela agiria apenas em relação ao “mundo” - forçoso admitir que os justificados, no “Reino de Deus” estão apenas diante da Vontade Absoluta ou Perfeita de Deus e, portanto, inescapável à conclusão de que Deus, segundo o seu raciocínio fatalista, só pode ter desejado que o crente, que o justificado cometesse tais e tais pecados! Então o justificado não peca mesmo Deus não concordando com o seu pecado (vontade permissiva); mas sim com a aquiescência mesma de Deus com o seu pecado ou pecados porque nele (justificado) só age a vontade perfeita de Deus!!!

    Barbaridade!

    Percebeu a contradição? Calvinismo/Fatalismo é isso. Um balaio de gatos.

    De novo, de novo: os calvinistas/fatalistas tentam dividir a Soberania de Deus, impondo uma espécie ‘esquizofrenia divina’’ em relação a crente e descrente porque tudo o que enxergam é justamente fatalismo mesmo: Deus escolheu uns para a salvação e outros para a perdição e, então, dividem a própria Soberania de Deus em dois para dar azo a tal aberração doutrinária, e caem em contradição facilmente, como se vê aqui, porque insustentável! Mais ainda, confundem sujeito e objeto e geral com específico. A soberania de Deus não é um meio e sim um fim em si mesmo ora essa, trata-se nada mais, nada menos do que um atributo inerente à própria deidade! A razão de Deus ser Deus! Deus não pode ser Soberano em um momento e não o ser em outro!

    continua...

    ResponderExcluir
  22. Vai piorar: consultemos novamente o manual de fé reformado dos fatalistas, o qual acreditam ser a exposição fiel das Escrituras...:

    “CAPÍTULO XI

    DA JUSTIFICAÇÃO

    V. Deus continua a PERDOAR OS PECADOS (sic) dos que são justificados. Embora ELES NUNCA PODERÃO DECAIR (sic) do estado de justificação, poderão, contudo, INCORRER NO PATERNAL DESAGRADO DE DEUS (sic). e ficar privados da luz do seu rosto (? O que é isso? Sic), até que se humilhem, CONFESSEM os seus pecados, PEÇAM PERDÃO e renovem a sua fé e o seu ARREPENDIMENTO”.

    Epa! O tal “INCORRER NO PATERNAL DESAGRADO DE DEUS” do justificado não se trata de vontade permissiva de Deus? Já que se no “DESAGRADO DE DEUS” isso quer dizer que Deus mesmo não concordando (desagrado) com o ato pecaminoso praticado pelo justificado, o permite (vontade permissiva)? E daí livre-arbítrio do justificado até para abandonar os caminhos de Deus: não tem pra onde correr.

    Daí não tem jeito, eu tenho que perguntar: quem tem razão afinal? Você ou o credo de Westminster? Você aduz que a vontade permissiva atua só perante o mundo, perante os incrédulos; já os gênios de Westminster, como se viu acima, afirmam exatamente o contrário!

    Uma será falsa e a outra verdadeira. Ou será que as duas premissas são falsas?

    Mais ainda: a afirmação de que “...tudo o que acontece no mundo, (não no Reino de Deus), está sob a vontade permissiva de Deus, como um "meio" para cumprir todo o plano de Redenção...“ está completamente fora de foco e equivocado também PORQUE NEM TUDO O QUE ACONTECE NO MUNDO, SOB A VONTADE PERMISSIVA DE DEUS, APONTA PARA O PLANO DE REDENÇÃO...

    Isso é de uma obviedade tamanha que eu acredito que dispensa exemplos e citações bíblicas a respeito.

    Ora, se tudo é redenção, logo, nada também o é! Se o ato de cavar um buraco, beber coca-cola, ficar pelado, ler um gibi apontam para o plano de redenção; logo plano de redenção é outra coisa e não plano de redenção! É isso que o calvinismo/fatalismo faz: TORNA LEVIANA A GRAÇA DE DEUS.

    E de novo a confusão calvinista/fatalista: confundem sujeito com objeto e geral com específico. Sustentam uma das mais graves heresias do meio cristão de todos os tempos: a doutrina da predestinação calvinista. E toda heresia é grave porque ela sempre vem mesclada de um pouco de verdade e um tantão de mentira, por isso é que seduz, mormente os incautos. É o tal anjo de luz disfarçado...

    E sobre o que eu escrevi: "Se Deus é refém de sua onipotência, ou seja, não tendo controle algum sobre ela – um verdadeiro caos - não podendo dosá-la como queira, não podendo fazer ou deixar de fazer simplesmente então, logo, a onipotência de Deus é Deus e não o Deus onipotente é Deus. Aqui mesmo já vai definhando o mal-entendido fatalista.";

    Você assim ponderou:

    “Bem, se usarmos este argumento de que Deus "seria refém de sua onipotência", se não soubesse dosá-la, então chegaríamos à conclusão de que Deus "de fato", é refém de sua existência, não tendo controle sobre sua eternidade, ou seja, porque ele existe? Ele, (Deus), é obrigado a existir, queira ou não queira!”.

    Respondo eu: Ora, e não é exatamente isso que os fatalistas/ calvinistas fazem ao dividir a Soberania de Deus? Assim como a eternidade é atributo da divindade, a soberania, em pé de igualdade, também o é! Não há amparo bíblico, ao menos sem causar embaraço, a seguinte afirmação: “Então, tudo o que acontece no mundo, (NÃO NO REINO DE DEUS - sic), está sob a vontade permissiva de Deus...”. Nem o credo de Westminster, nesse ponto, admitiu tal coisa!

    continua...

    ResponderExcluir
  23. 3.1. UMA JUSTIFICAÇÃO ÀS AVESSAS, CONFUSA E ANTIBÍBLICA:

    Continuando, não podemos deixar passar despercebido o balaio de gatos no conceito de justificação conforme Westminster, ou seja, o tópico V todo agora:

    “V. Deus continua a PERDOAR OS PECADOS (sic) dos que são justificados. Embora ELES NUNCA PODERÃO DECAIR (sic) do estado de justificação, poderão, contudo, INCORRER NO PATERNAL DESAGRADO DE DEUS (sic). e ficar privados da luz do seu rosto (? O que é isso? Sic), até que se humilhem, CONFESSEM os seus pecados, PEÇAM PERDÃO e renovem a sua fé e o seu ARREPENDIMENTO”.

    Epa! Então o justificado não pode decair do seu estado de justificação ao tempo em que deverá confessar e pedir perdão quando pecar? Mas que loucura! Ora, pra quê confessar e pedir perdão se o justificado nunca poderá decair do estado de justificação? Quem confessa e pede perdão deseja ser perdoado, não é mesmo? E o perdão deve trazer alguma consequência ao perdoado, ou não?

    Ah! Deus continua a perdoar os pecados dos que são justificados? Não diga. Sério? É mesmo?

    Agora, se o pecado faz divisão entre Deus e o homem (Isaías 59:3), certo é que a permanência do justificado no pecado e a ausência de confissão e pedido perdão deve geral alguma consequência? Ou não?

    Agora, sabe qual a consequência para os justificados que permanecem no pecado, segundo os gênios de Westminster? “...ficar privados da luz do seu rosto”. Ah? O quê? E o que é isso afinal? Parece coisa de criança! Alguém me ajude! Então a consequência para os justificados que não confessam e pedem perdão do seu pecado não é a separação de Deus e sim uma privação temporária da luz do seu rosto! Coisa de criancinha meu Deus do céu! E a base bíblica para sustentar isso? NÃO TEM.

    Depois estufam o peito e dizem ser a igreja reformada, histórica, bíblica e que prezam pela ortodoxia, sentando o pau nos pentecostais! Ah! Tenham dó, como ficar impassível diante de tal aberração doutrinária? E tem gente ainda dizendo “Ah não, não sejamos extremistas, são meras interpretações teológicas divergentes”. OK. Os espíritas também tem uma interpretação teológica diferente quando tratam da reencarnação. Os TJs também quanto tratam atestam que apenas 144.000 irão para o céu. Então vamos comungar, na fé, com os espíritas e testemunhas de Jeová, o que é que tem?

    Agora, veja quão diferente é o ensino do Apostolo Paulo (considerado o apóstolo da predestinação pelos fatalistas/calvinistas) que disse à Igreja a respeito dele mesmo:

    “Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, EU MESMO NÃO VENHA DE ALGUMA MANEIRA A FICAR REPROVADO”. 1 Coríntios 9:27

    Epa! Ficar reprovado? Mas ele não era justificado? Pode então o justificado vir a ser reprovado?

    “Para ver SE de alguma maneira posso chegar à ressurreição dentre os mortos. NÃO QUE JÁ A TENHA ALCANÇADO, OU QUE SEJA PERFEITO; mas PROSSIGO PARA ALCANÇAR aquilo para o que fui também preso por Cristo Jesus. Irmãos, quanto a mim, NÃO JULGO QUE O HAJA ALCANÇADO; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, PROSSIGO PARA O ALVO, PELO PRÊMIO DA SOBERANA VOCAÇÃO de Deus em Cristo Jesus. Filipenses 3:11-14

    Paulo admite que ele mesmo poderia vir a perder-se. Já para os gênios de Westminster há apenas uma privação da luz do rosto de Deus. E tem a coragem de chamar isso de confissão de fé fiel às Escrituras???????????????

    ResponderExcluir
  24. Mais ainda:

    Tiago, capítulo 5.19 e 20) “Irmãos, se algum DENTRE VÓS SE TEM DESVIADO da verdade, E alguém o converter, saiba que aquele que fizer converter do erro do seu caminho um pecador, SALVARÁ DA MORTE UMA ALMA, e cobrirá uma multidão de pecados”.

    (1Jo 2.1-2) “Se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai; e ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo.” (1Jo 2.1-2).

    Note bem, pelos nossos e também pelos de todo o mundo. E o versículo acima de Tiago fala expressa e claramente que o crente, salvo no Senhor, pode vir a se desviar e se perder.

    “Atentando, diligentemente, porque ninguém seja faltoso, SEPARANDO-SE DA GRAÇA DE DEUS; nem haja alguma raiz de amargura que, brotando, vos perturbe, e, por meio dela, muitos sejam contaminados”. Hebreus 12:15.

    “(...) para com os que caíram, severidade; mas para contigo, benignidade, SE PERMANECERES na sua benignidade; de outra maneira TAMBÉM TU serás cortado. e também eles, SE NÃO permanecerem na incredulidade, SERÃO ENXERTADOS” (...). Romanos 11:19-24

    ROMANOS 8:1 “PORTANTO, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, QUE NÃO (condição) andam segundo a carne, mas segundo o Espírito.

    Não há antinomia e muito menos concordância entre as Sagradas Escrituras e referia confissão (ou confusão, tanto faz) calvinista de Westminster.

    Libertas vera est, Christo Servire.

    Agostinho Antialienação.

    ResponderExcluir
  25. MORTO EM PECADO NÃO É SINÔNIMO DE AUSÊNCIA DE RESPONSABILIDADE MORAL: O HOMEM NÃO PERDEU A SUA CONSCIÊNCIA E AUTOCONSCIENCIA NA QUEDA. TANTO É VERDADE QUE NEM NO INFERNO – CHANCELA MÁXIMA DA SEPARAÇÃO ENTRE O HOMEM E DEUS – ELE PERDEU O SEU CÍRCULO DE LATÊNCIA, A SUA CONSCIÊNCIA E AUTOCONSCIÊNCIA: ELE PERCEBE E SABE O PORQUÊ ESTÁ NO INFERNO. OU VOCÊ ANULA A RESPONSABILDIADE MORAL DO HOMEM ANTE A QUEDA E O TEM COMO UMA ESPÉCIE DE ZUMBI, UM MORTO-VIVO INCAPACITADO DE TER RESPONSABILIDADE MORAL PELOS SEUS ATOS (TENDO DEUS DE ESCOLHER EM SEU LUGAR...(??????)) OU ADMITE QUE ELE POSSUI, MESMO COM A QUEDA, LIVRE-ARBÍTRIO, OU SEJA, RESPONSABILDADE MORAL PARA DECIDIR POR CRISTO OU REJEITÁ-LO. AS DUAS COISAS, E AO MESMO TEMPO, NÃO TEM COMO PORQUE UMA É DIAMETRALMENTE OPOSTA A OUTRA...

    4. Você assim comentou: “agora, se o homem "morreu, no dia em que pecou", e não 930 depois, então Deus tem de vivificá-lo, despertá-lo, para ouvir o Evangelho, assim como aconteceu com Lídia, no livro de Atos. Com ela, estavam outras mulheres, mas o Espírito Santo 'abriu" somente o coração de Lídia, e não das outras. Depois da Queda, o homem, apesar de morto espiritualmente, continua com o mesmo livro arbítrio que Adão tinha antes de pecar, só que ele está "morto", e um morto precisa ser ressucitado para ouvir a Palavra de Deus. Agora, se ele ouve a Palavra, e a rejeita, usando de seu livre arbítrio, isto mostra que ele não foi vivificado pelo Espírito para ouvir, (entender), a Mensagem de Salvação. Então, o homem caído, com seu ego inflado, pensa que rejeitou a Palavra porque quis, ( e é verdade), só que a obra de regeneração não foi efetuada naquele coração, e por isso ele o tal indivíduo, foi "rejeitado" por predestinação”.

    Replico: Certo. Adão morreu espiritualmente no dia em que pecou e morreu fisicamente 930 anos depois. Ok. Mas esse fato não excluiu e nem anulou a sua obrigação moral, o seu dever de responsabilidade moral: a sua consciência e autoconsciência, a sua sensibilidade (percepção, círculo de latência), o seu livre-arbítrio. Embora separado de Deus sua reponsabilidade moral permanece incólume.

    Saltando para o tempo presente, prova disso (se é que necessário uma...) está no fato de que mesmo Deus tendo amado o mundo de tal maneira e ter providenciado tamanha salvação em Cristo a ponto de o Consolador nos convencer do pecado e do Juízo, as palavrinhas QUEM CRER SERÁ SALVO E QUEM NÃO CRER SERÁ CONDENADO (S. João 3.16) permanecem firmes e fortes na esfera da responsabilidade moral do homem, de sua escolha, de o seu livre arbítrio.

    Voltando para o tempo passado, outra prova é que lá mesmo no nascedouro da humanidade há o seguinte episódio, aliás, já abordado aqui:

    “E o Senhor disse a Caim: Por que te iraste? E por que descaiu o teu semblante? Se bem fizeres, não é certo que serás aceito? E se não fizeres bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo, mas sobre ele deves dominar”. Gênesis 4:6-7

    Bem, Caim, depois de queda do Homem não teve mitigada a sua responsabilidade moral, a sua consciência e autoconsciência: cabia a ele ter dominado o seu desejo homicida e ponto final.

    Mais ainda: como ressaltado no título desta réplica, o inferno – ápice da separação entre o homem caído e Deus – a consciência e autoconsciência continuam a agir. Jesus disse que o inferno é um lugar de tormentos, choro e ranger de dentes: só pode sofrer tormento quem tem consciência e está consciente. Também o rico, da Parábola a qual você sabe perfeitamente a que me refiro, no inferno estava perfeitamente consciente e também cônscio do motivo pelo qual lá estava!

    ResponderExcluir
  26. Agora veja que curioso:

    Você arrematou a sua assertiva assim: “Então, o homem caído, com seu ego inflado, pensa que rejeitou a Palavra porque quis, ( e é verdade), só que a obra de regeneração não foi efetuada naquele coração, e por isso ele o tal indivíduo, foi "rejeitado" por predestinação”.

    Epa! Mas que confusão: ele rejeitou ou foi rejeitado afinal? Ele, homem caído, quis rejeitar ou ele, homem caído, já estava rejeitado quando rejeitou?

    Ora, se você admitir que ele já estava rejeitado quando rejeitou INEXISTE LIVRE ARBÍTRIO, ora essa. Uma coisa exclui a outra imediatamente porque opostas em si mesmas.

    Agora, eu pergunto como você lida com estas contradições?

    Pergunto: você tem razão quando afirma isso: “É óbvio que o homem tem livre arbítrio. A doutrina da eleição, em nenhum momento nega isto. O homem se perde, porque rejeita o Evangelho. Ele usa de seu livre arbítrio, para não crer na salvação quando esta lhe é oferecida”.???????

    Ou você tem razão quando afirma isso: ... “só que a obra de regeneração não foi efetuada naquele coração, e por isso ele o tal indivíduo, foi "rejeitado" por predestinação”.??????????????

    Ou Calvino tem razão quando afirma isso:

    (In “ As Institutas” Vol 3, p. 37-46, especificamente nos tópicos ‘6. Definição de termos’ e ‘8. Sumário Certo e Seguro’...):

    “Denominamos predestinação o conselho eterno de Deus pelo qual ele determinou o que deveria fazer COM CADA (sic) ser humano. Porque ele não criou todos em igual condição, mas ordenou UNS PARA VIDA ETERNA e OS DEMAIS PARA A CONDENAÇÃO ETERNA (sic). Assim, CONFORME A FINALIDADE (sic) para a qual o homem foi criado, dizemos que FOI (sic) predestinado para a vida ou para a morte”.????????????????????????????

    Ora, mas você afirmou o livre arbítrio do homem, como é que é isso???????????????????????????

    Ora, mas isso CONTRADIZ O QUE VOCÊ DISSE EM SUAS DUAS ASSERTIVAS!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Pergunto, ainda: ou os gênios de Westminster tem razão quando afirmam isso:

    “I. Todos aqueles que DEUS PREDESTINOU PARA A VIDA (sic), E SÓ ESSES (sic), é ele servido, no tempo por ele determinado e aceito, CHAMAR EFICAZMENTE PELA SUA PALAVRA E PELO SEU ESPÍRITO, TIRANDO-OS POR JESUS CRISTO DAQUELE ESTADO DE PECADO E MORTE EM QUE ESTÃO POR NATUREZA (sic), e transpondo-os para a graça e salvação. Isto ele o faz, iluminando os seus entendimentos espiritualmente a fim de compreenderem as coisas de Deus para a salvação, tirando-lhes os seus corações de pedra e dando lhes corações de carne, renovando as suas vontades e determinando-as pela sua onipotência para aquilo que é bom e atraindo-os eficazmente a Jesus Cristo, mas de maneira que eles vêm mui livremente, sendo para isso dispostos pela sua graça”. ???????????????

    "II. Esta vocação eficaz é só da livre e especial graça de Deus e não provem de qualquer coisa prevista no homem; NA VOCAÇÃO O HOMEM É INTEIRAMENTE PASSIVO (sic), até que, vivificado e renovado pelo Espírito Santo, fica habilitado a corresponder a ela e a receber a graça nela oferecida e comunicada”. ???????????

    Ora se você concordar com o inciso I, entrará em contradição com o inciso II da fé reformada !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Mais ainda, afirmo eu, a fé reformada e você contradizem Calvino nisso:

    “[1536] O arrependimento é uma verdadeira CONVERSÃO DA NOSSA VIDA PARA SERVIR A DEUS E PARA SEGUIR O CAMINHO POR ELE INDICADO (g.n.). PROCEDE DE UM LEGÍTIMO TEMOR DE DEUS, NÃO FINGIDO E CONSISTE NA MORTIFICAÇÃO DA NOSSA CARNE E DO NOSSO VELHO HOMEM, E NA VIVIFICAÇÃO DO ESPÍRITO”. (In as Institutas Vol. 2, pg. 129-132)

    Ora, mas na vocação o homem não é inteiramente passiva?
    E que uma vez salvo sempre salvo?

    Libertas vera est Christo Servire,

    Agostinho Antialienação

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Continuando:

      TÍTULO: LÍDIA. PERGUNTO A VOCÊ: ‘AS MULHERES QUE SE HAVIAM REUNIDO ALÍ’, JUNTAMENTE COM LÍDIA, PERDERAM-SE, NÃO FORAM SALVAS, FORAM TODAS PARA O INFERNO? OU: FORAM SALVAS ALI MESMO OU EM ALGUM MOMENTO DEPOIS E FORAM PARA O CÉU? TODAS FORAM PARA O CÉU/INFERNO OU SÓ ALGUMAS? RESPOSTA: VOCÊ NÃO SABE! SIMPLES ASSIM.NÃO SABE! E SE VOCÊ NÃO SABE, ENTÃO COMO, INCRIVELMENTE, VOCÊ UTILIZA UM EVENTO FÁTICO ESPECÍFICO MENCIONADO EM UM TEXTO BÍBLICO DO QUAL VOCÊ NÃO SABE SE “A” OU “B” PERDERAM-SE OU SALVARAM-SE PARA SUSTENTAR UMA TESE PREDESTINATÓRIA TRESLOUCADA DE QUE “DEUS ESCOLHEU UNS PARA O INFERNO E OUTROS PARA O INFERNO”, A QUAL ALIÁS, NÃO SE ENCONTRA NO TEXTO ??????????? COMO EXTRAIR A PREDESTINAÇÃO CALVINISTA DO TEXTO? SE A EXTRAIU, OU SEJA, SE SUPÔS QUE APENAS LÍDIA FOI SALVA, FORÇOSO TAMBÉM ADMITIR QUE AS MULHERES QUE ALI ESTAVAM FORAM TODAS PARA O INFERNO JÁ QUE “O ESPÍRITO SANTO ABRIU SOMENTE O CORAÇÃO DE LÍDIA”????????????? OU ENTÃO NÃO HAVERÁ COERÊNCIA NA ASSERTIVA. EPA! SÓ LÍDIA FOI SALVA, MAS COMO É QUE VOCÊ SABE...? NÃO SABE, PONTO FINAL. PIOR: O TEXTO FALA, DOIS VERSÍCULOS DE ANTECEDÊNCIA, QUE LÍDIA SERVIA A DEUS, QUE ERA TEMENTE A DEUS... EPA! VOCÊ ENTENDE O QUE LÊ?

      5. Você ao tratar do homem caído/sem qualquer responsabilidade moral, totalmente incapaz de consciência e autoconsciência, uma espécie de Zumbi, assim aduziu, “.... então Deus tem de vivificá-lo, despertá-lo, para ouvir o Evangelho, ASSIM COMO ACONTECEU COM LÍDIA, no livro de Atos. Com ela, estavam outras mulheres, mas o Espírito Santo 'abriu" somente o coração de Lídia, e não das outras”.

      Respondo eu: primeiramente, o texto bíblico a que você se refere é este de Atos dos Apóstolos 16:13-15:

      “No sábado saímos da cidade e fomos para a beira do rio, onde esperávamos encontrar um lugar de oração. Sentamo-nos e começamos a conversar com as mulheres que se haviam reunido ali. Uma das que ouviam ERA UMA MULHER TEMENTE A DEUS CHAMADA LÍDIA (grifei), vendedora de tecido de púrpura, da cidade de Tiatira. O Senhor abriu seu coração para atender à mensagem de Paulo. Tendo sido batizada, bem como os de sua casa, ela nos convidou, dizendo: "Se os senhores me consideram uma crente no Senhor, venham ficar em minha casa". E nos convenceu”. Tradução NVI.

      Em outra tradução, a ACF: “(...) E uma certa mulher, chamada Lídia, vendedora de púrpura, da cidade de Tiatira, E QUE SERVIA A DEUS (...)” (destaquei).

      Pois bem.

      Confesso que fiquei estupefato com a citação de tal versículo e fui até pesquisar se o próprio Calvino o havia citado, mas ao que parece, segundo a minha pesquisa que fiz, o próprio Calvino não ousou utilizar, para o meu descontentamento, tal texto bíblico para sustentar a sua tese predestinatória.

      Agora, o fiz muito depressa, de modo que se você encontrar tal referência feita por Calvino, por favor, peço encaminhar-me para os meus arquivos e para o trabalho que estou a fazer a respeito do tema.

      É que este texto não avaliza a tese predestinatória calvinista de modo algum! Fiquei muito surpreso com a citação! Não há base exegética para tanto. O texto citado por você deveria atestar que Deus escolheu um para salvar e outro para o inferno e que uma vez salvo sempre salvo. É da boa hermenêutica que o texto bíblico agregue a tese do teólogo, o que não se dá no texto em comento:


      Excluir
    2. A uma, porque se “Deus escolheu x para o inferno e y para a salvação” você terá que admitir que as pessoas ou as mulheres ali reunidas com Lídia foram todas para o inferno porque apenas Lídia teve o seu coração aberto pelo Espirito Santo... (!!!). Que as demais ali estavam fadadas à perdição à exceção de Lídia.... (pois só ela teve o coração aberto pelo Espírito Santo...). Ou isso é assim ou esse texto de Atos não poderia jamais ter sido utilizado para a defesa de predestinação calvinista. Apenas Lídia foi salva, as demais perderam-se. Só que isso você não sabe! E nem ninguém. Veja que balbúrdia. E afirmar isso é, para dizer o menos, uma leviana pretensiosidade, soberba e arrogância... Está dizendo mais do que a própria Bíblia diz... Transborda para além dos termos da própria Escritura Sagrada... Grave, gravíssimo! Mas isso é o que uma heresia traz... Confusão e embaraço...

      A duas, porque dois versículos antes o mesmo Espirito Santo que abriu o coração de Lídia, também inspirou e fez questão que o escritor de Atos mencionasse que Lídia JÁ SERVIA A DEUS! ERA LHE TEMENTE!

      Havia uma predisposição de Lídia em aceitar a mensagem que Paulo estava a trazer. Vale dizer que ela dispôs-se, de bom grado, a algo ou alguma coisa, ele Temia ao Senhor, ela já O servia... Mais ainda: você não sabe o que Lídia estava a comungar dentro de si em relação a Deus...

      Vai piorar: o curioso é que neste mesmo capítulo do texto envolvendo Lídia, acontece um episódio em relação a pergunta do carcereiro na prisão em que estavam encarcerados Paulo e Silas, nos versículos 30 e 31:

      E, tirando-os para fora, disse: Senhores, que é necessário que eu faça para me salvar? E eles disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa.

      Epa! Duas questões apenas expõem e jogam por terra de vez a má interpretação ‘calvinista’ (ressalvo que não sei se o próprio Calvino cometera erro tão pueril e crasso) a respeito da questão de Lídia:

      Primeira. Para manter a coerência de sua tese, todos os demais presos e quadrilheiros (funcionários da prisão) que ali estavam foram para inferno e só o carcereiro foi salvo porque apenas e somente ele dirigiu-se a Paulo e a Silas... Veja que coisa: a predestinação calvinista FALA onde a própria Bíblia SILENCIA-SE. Veja que pretensão! Veja que absurdo! E daí não tem jeito, eu tenho que perguntar: você sabe se os demais presos, ‘funcionários’, enfim, que presenciarem tal episódio envolvendo Paulo e Silas em referida prisão foram todos para o inferno? Agora é ora da coerência calvinista parecer, onde está ela? Você só pode afirmar que sim, foram todos para o inferno já que para você, mediante a esplêndida revelação calvinista, apenas o carcereiro teve aberto o seu coração pelo Espírito Santo já que só e somente ele dirigiu-se a Paulo e Silas indagando como salvar-se! Ou: se você afirmar que não sabe, logo, portanto, o texto bíblico trazido por você NÃO SERVE. NÃO RESPALDA A PREDESTINAÇÃO justamente porque você, nem Calvino e muito menos os gênios de Westminster sabem!

      continua...

      Excluir
    3. Segunda. Veja a resposta de Paulo e Silas: “Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa”.

      Ora, Deus não salva quem não quer ser salvo! Eis o carcereiro. E tampouco implica que os demais não foram salvos em nenhum momento, ora essa! E daí não tem jeito eu tenho que concluir que os calvinistas desprezam a LONGANIMIDADE E A PACIÊNCIA DE DEUS em relação à salvação do Homem. Ora, para os tais essas duas características do amor de Deus NÃO EXISTEM, mesmo porque, por uma questão de coerência doutrinal para que LONGANIMIDADE E PACIÊNCIA SE O ESPIRITO SANTO SÓ ABRE O CORAÇÃO DAQUELES JÁ ESCOLHIDOS E PREDESTINADOS PARA A SALVAÇÃO?

      E o que fazer com a Bíblia Sagrada?

      “O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é LONGÂNIMO (grifei) para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que TODOS (g.n.: todos, todos, todos, todos, todos, todos...) venham a arrepender-se. 2 Pedro 3:9”.

      De novo e de novo, indago: você sabe se aquelas que estavam com Lídia foram para o inferno pelo fato de o Espírito Santo ter-lhe aberto o coração? Você sabe se os demais que estavam na prisão foram para o inferno pelo fato de apenas o carcereiro, naquele momento, ter indagado a respeito da salvação? Se você afirmar que sim, tenho que admitir que o calvinismo não é doutrina bíblica e sim bruxaria mesmo porque dá poder aos seus adeptos da adivinhação! Se, ao contrário, você disser que não sabe, portanto, o texto invocado por você do episódio de Lídia não serve para embasar a doutrina da predestinação de Calvino por uma questão de coerência!

      Agora, veja que coisa interessante, copiei de alguém e mantive em meus arquivos o que alguém escrevera sobre o calvinismo:

      “A BÍBLIA DIZ E JOÃO CALVINO DESDIZ (Atos 17:30-31)”;

      “...Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam; porquanto tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do homem que destinou; e disso deu certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos.” (Atos 17:30-31).

      (...)

      Já Calvino:

      “...Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens que HAJAM SIDO PARA ESTE FIM PREDESTINADOS DESDE ANTES DA FUNDAÇÃO DO MUNDO, e em todo o lugar, que se arrependam E DESPERTEM PARA A VOCAÇÃO DA ELEIÇÃO ETERNA; porquanto tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, ISTO É, AQUELES QUE NÃO FORAM ALCANÇADOS ATRAVÉS DE SEU SECRETO E PREDESTINATÓRIO CONSELHO, por meio do homem que destinou; e disso deu certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos.” (Atos 17:30-31)”.

      Isso não é ortodoxia e muito menos hermenêutica. É forçassão das mais pueris e pior: HERESIA nua e crua.

      Não te parece a interpretação forçada predestinatória de Calvino em relação a que você faz com Lídia?

      Concluindo esse tópico:

      O Espirito Santo abriu o coração de Lídia porque ela servia ao Senhor, ela O temia, porque ela creu na mensagem de Paulo, porque ela não resistiu ao Espírito Santo (ou isso não pode acontecer?), porque ela deu o passo ao cumprimento de toda justiça, tanto que foi batizada, ela e sua família. No caso do carcereiro ele se dispôs, mediante o milagre que fora operado bem diante de si, a crer na mensagem pregada por Paulo e Silas.

      É que os fatalistas/calvinistas não compreendem as duas potências que até se opõe, mas que, ao final, não tem para onde eu e você correremos delas, a saber: LIBERDADE X NECESSIDADE. Calvino fez uma confusão espantosa por não compreender tais potências, acho que nem passou pela cabeça dele, quanto aos gênios de Westminster nem pensar... Mas isso é assunto para ser esmiuçado em outra ocasião.

      Libertas vera est Christo Servire,

      Agostinho.

      Excluir
    4. Irmão Agostinho, por indicação de um amigo tenho acompanhado esse debate e realmente é muito esclarecedora a sua abordagem do assunto, mas sem ofenças ao outro irmão, no mínimo destaco que 3 vezes você colocou em xeque argumento do seu contraparte, caindo ele em contradição diversas vezes, uma hora ele afirmava que cria no livre arbítrio para a salvação, depois que você mostrou que Calvino e Westminster o contradizia ele correu e mudou de ideia, desdizendo o que havia dito; depois ele cria na vontade permissiva de Deus, depois não cria mais dizendo que esse é um termo inventado, 'psicológico' (he, he, he... )isso depois que você fechou ele em um argumento bem colocado e lógico sobre a soberania de Deus; na questão da justificação ele também ficou sem resposta, como por exemplo a questão da separação do homem de Deus pelo pecado e a preservação de sua autoconsciência, o exemplo que você deu da separação máxima de Deus no inferno realmente pois um fim na questão. O mais perturbador foi a questão que você trouxe sobre crianças e paralíticos no inferno. Eu honestamente não sabia dessa crença dos calvinistas, será que eles ousam ensinar as crianças deles na igreja ou jogam isso para debaixo do tapete? Muito perturbadora essa doutrina que de Deus não tem nada. Foi bom saber disso, acho que muitos irmãos não sabem. Parabens aos dois pelo debate e pela seu modo claro e coerente de expor a revelação da Palavra.

      Abraço a todos!!!

      Excluir
    5. Continuando:

      TÍTULO: ISRAEL E AS DEMAIS NAÇÕES. OPORTUNO INDAGAR: SE DENTRO DA COMUNIDADE DE ISRAEL, ISRAELITAS PERDIAM-SE, COMO DEDUZIR QUE PERTENCER A ISRAEL, POR SI SÓ, ERA SINÔNIMO DE SALVAÇÃO DO INDIVÍDUO? MAIS AINDA: COMO É QUE DIANTE DESSE FATO IRREMEDIÁVEL E INEGÁVEL, OU SEJA, A PERDA DE INDIVÍDUOS ISRAELITAS NA NAÇÃO ELEITA, ESCOLHIDA, OS CALVINISTAS, MESMO ASSIM, UTILIZAM A ELEIÇÃO DE ISRAEL COMO SINÔNIMO DE SALVAÇÃO DA ALMA EM DETRIMENTO DA PERDIÇÃO PURA E SIMPLES DOS GENTIOS? ORA, MAS SE OS ‘ELEITOS’ TAMBÉM SE PERDIAM A QUESTÃO SÓ PODE SER OUTRA QUE NÃO SALVAÇÃO DA ALMA! FORÇOSO CONCLUIR: OS FATALISTAS CHAMAM DE IGUAL COISA DIVERSA. NÃO DÁ PARA INFERIR SALVAÇÃO OU PERDIÇÃO DE QUEM QUER QUE SEJA COM SUPEDÂNEO NA ELEIÇÃO DE ISRAEL.

      6. Você assim escreveu: “Em seu comentário da 20:50, você afirmou: "2. Respondendo as suas indagações. Sim. Deus não deseja a separação consigo do Homem-criado-eterno. Ele sempre desejou que todos não se perdessem desde a queda de Adão até hoje." “Respondo que isto não é verdade. O Apóstolo Paulo, em Atos 17:26, disse que Deus "passou por alto" todos os povos, quando tratava somente com Israel! Mesmo aqueles grandes impérios da antiguidade, (da China, Japão e Indía, por exemplo), que exalavam o saber em todas as suas formas, não souberam NADA de Abraão, Moisés, os profetas etc. Deus nunca enviou missionários para evangelizar estes povos, e nem mesmo àqueles que habitavam próximo as fronteiras de Israel.

      Replico:

      Nada mais equivocado.

      Do latim aequivocu(m) a palavra ‘aequo’ diz com ‘igual’ e ‘vocare’ diz com ‘chamar’, conforme Ernesto Faria – Dicionário Escolar Latino-Português, 3ª Ed.,MEC, 1962, p. 44 e p. 1.073. Equívoco, portanto, é construída etimologicamente pelas palavras ‘igual’ e ‘chamar’. Equívoco então significa: “atribuir (nominar) uma igualdade a coisa diversa” ou “chamar de igual algo diferente”!

      E é exatamente isso que os fatalistas-calvinistas fazem toda hora: chamam Soberania de Deus de fatalismo ou destinismo, confundindo a SOBERANIA de Deus com INEVITABILIDADE...; confundem presciência de Deus com a vontade de Deus, ou seja, para eles se Deus sabe antecipadamente, logo, portanto, só pode ter desejado o resultado...; então, para eles SABER é igual a DESEJAR!!! Confundem o ato da eleição com o resultado da eleição e daí concluem que “uma vez salvo sempre salvo...”; confundem NECESSIDADE com LIBERDADE, ou seja, o homem necessita de salvação, logo, portanto, como não pode salvar a si mesmo, Deus, de antemão, escolheu ‘k’ para a salvação e ‘J’ para a perdição, escolhendo em seu lugar, desprezando a liberdade de escolha inerente ao Homem, desdizendo a Bíblia e o Deus da Bíblia. Entre Calvino, os gênios de Westminster e a Bíblia, ficam com Calvino e os gênios de Westminster... Para os tais, MORTO EM PECADO é sinônimo de ESCUSABILIDADE do homem... Chamam Israel de salvação e assim fazendo colocam-se em xeque: então não é Deus quem Salva e sim o pertencer, em si, a algo ou a alguma coisa! Os instrumentos da salvação utilizados por Deus e que interagem sempre com homem caído, mas responsável e livre, capaz de escolher não interessam, e sim o pertencimento do Homem a isso ou aquilo... Um nonsense. Uma contradição é sua base doutrinária. Em tempo de Copa do Mundo, oportuno concluir que para os calvinistas/fatalistas a escolha de um time é o mesmo que o resultado do jogo...


      Excluir
    6. Uma ressalva importante antes de seguirmos adiante: não bastasse a confusão que salta aos olhos para qualquer leitor, não é ocioso pautar que passou e passa despercebido aos teólogos calvinistas/Westminster e atuais que determinados termos bíblicos só podem ser cunhados e compreendidos como termos estritamente teológicos, ou seja, científicos em oposição ao seu significado meramente coloquial.

      Explico: existem termos técnicos que simplesmente diferem do seu homónimo empírico. Por exemplo:
      Ratificar, empiricamente, no uso meramente coloquial, quer dizer apenas confirmar. Contudo, esse mesmo termo, ratificar, nas ciências jurídicas quer dizer validar um ato que era passível de anulação. O termo prescrição, no sentido empírico quer dizer apenas ditar algo ou receitar algo. Contrariamente, nas ciências jurídicas, quer dizer a perda do exercício de um direito no tempo. O termo recalque, na linguagem comum quer dizer o ato de fazer recuar ou rechaçar alguém ou alguma coisa. Já nas ciências psicológicas recalque quer dizer o processo que visa a manter no inconsciente todas as ideias e representações ligadas às pulsões e cuja realização, produtora do prazer, afetaria o equilíbrio do funcionamento psicológico do indivíduo transformando-se em fonte de desprazer.

      Salvação na linguagem comum quer dizer o ato de livrar algo ou alguém de determinado perigo real ou ameaça iminente. Biblicamente falando, salvação é mais abrangente, diz, basicamente, com o resgate da alma humana. Deus empiricamente diz com a existência de uma Ser criador todo poderoso e transcendente. Biblicamente Deus não existe apenas e tampouco se limita a um criador onipotente, onipresente e onisciente; mas que se relaciona com o homem, muito próximo e pessoal, aliás, dentro mesmo do Homem.

      Eleição, escolha, empiricamente quer dizer o ato de selecionar, designar, adotar, optar, preferir. Em sentido político diz com o processo pelo qual um grupo designa um de seus integrantes para ocupar um determinado cargo com apelo a uma votação. No sentido estritamente Bíblico, teológico, quer dizer, contudo: Eleição é o chamamento-convocação, para o ingresso e pertencimento, mediante teste, a uma obra, ofício, carreira, ou ministério determinado segundo a presciência divina, devidamente instrumentalizada.

      Eric Voegilin, ao tratar em seu ‘Israel e a Revelação’, compreendeu – e nem teólogo era – a exata e correta noção de “povo escolhido”:

      “No deserto, Deus falou ao líder e as suas tribos; no deserto, escutando a sua voz, aceitando sua oferta e submetendo-se ao seu comando, eles por fim alcançaram a vida e tornaram-se o Povo Escolhido de Deus”. (Voegelin Eric, Ordem e História, Vol. I, Israel e a Revelação, Edições Loyola, p.163).

      Tornaram-se escolhidos...

      Excluir
    7. Isso corresponde ao TODO BÍBLICO, inclusive sobre o que o Senhor definiu, ao final, como ESCOLHIDO em Mateus 22:8-14:

      "Então disse a seus servos: ‘O banquete de casamento está pronto, mas os meus convidados não eram dignos (ISRAEL, comento eu). Vão às esquinas e convidem para o banquete TODOS (TODOS, TODOS, TODOS, E NÃO ESPECIFICAMENTE ESTE OU AQUELE...) os que vocês encontrarem’. Então os servos saíram para as ruas e reuniram todas as pessoas que puderam encontrar, GENTE BOA E GENTE MÁ (g.n.), e a sala do banquete de casamento ficou cheia de convidados. "Mas quando o rei entrou para ver os convidados, notou ali um homem que não estava usando veste nupcial. E lhe perguntou: ‘Amigo, como você entrou aqui sem veste nupcial? ’ O homem emudeceu. "Então o rei disse aos que serviam: ‘Amarrem-lhe as mãos e os pés, e lancem-no para fora, nas trevas; ali haverá choro e ranger de dentes’. "POIS MUITOS SÃO CHAMADOS, MAS POUCOS SÃO ESCOLHIDOS".

      Os chamados, os convidados, tornaram-se escolhidos... A definição bíblica de escolhido, portanto, é bem diferente da definição em sentido coloquial, comum, empírico.

      Então Jesus Não morreu para os escolhidos, mas os escolhidos são escolhidos porque creram Nele e permanecem nele! Os eleitos são eleitos porque creram Nele e permanecem nele! Os crentes da Igreja o são porque creram nele e permanecem Nele. São ovelhas do seu pasto porque querem fazer parte do seu rebanho e desejam permanecer no seu rebanho.

      O caminho está pré-odenando por Deus desde a eternidade. Não o indivíduo! É ai que o Calvino e os gênios de Westminster fazem confusão.

      Veja a noção de escolhido do ponto de vista bíblico:

      “O QUE VENCER” (condição) será vestido de vestes brancas, e DE MANEIRA NENHUMA RISCAREI o seu nome do livro da vida; e confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Apocalipse 3:5-6

      “COMO GUARDASTE (condição) a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra. Eis que venho sem demora; GUARDA O QUE TENS,

      PARA QUE NINGUÉM TOME A TUA COROA ( posso perder mesmo salvo mesmo pertencente a Igreja a minha coroa, a minha salvação) .Apocalipse 3:10-11

      “Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê pois zeloso, e ARREPENDE-TE (ora, só o amor do Senhor aos seus escolhidos não é suficiente? Podemos nos perder, por isso devemos sempre estar prontos ao arrependimento e confessar e pedir perdão. Não tem essa de uma vez salvo sempre salvo).

      Isso para ficarmos apenas na definição de escolhido e sem adentrarmos à questão de fundo nesse momento.

      Excluir
    8. Esse imbróglio que fazem os calvinistas/fatalistas sobre definições e conceitos é importante apontar porque dizem-se a quintessência da ortodoxia, ufanam-se de possuírem uma exegese apurada conforme a teologia; contudo, na verdade perdem-se até na no campo das meras definições teológicas. Será que não ensinam o básico do básico em seus seminários?

      6.1. ATOS 17:26 E A ELEIÇÃO DE ISRAEL? NEM SONHANDO! “ (...) E DEUS "PASSOU POR ALTO" TODOS OS POVOS, QUANDO TRATAVA SOMENTE COM ISRAEL!”, COMO AFIRMADO POR VOCÊ SIMPLESMENTE NÃO EXISTE NO TEXTO BÍBLICO CITADO! O PROBLEMA É QUE EU LEIO TODAS AS CITAÇÕES, SOU UM CRISTÃO BEREANO... NÃO TENHO PREGUIÇA, LEIO TUDO E LEVO A SÉRIO.

      Paulo falando no Areópago aos atenienses NADA DIZ SOBRE A ELEIÇÃO DE ISRAEL! Absolutamente nada! NADINHA DE NADA! Aduziu sobre o Deus verdadeiro em oposição aos deuses idolatrados pelos gregos. Mais ainda, esse versículo específico fala da criação do homem, de Adão: veja o versículo bíblico que você mesmo citou:

      “De um só fez ele todos os povos, para que povoassem toda a terra, tendo determinado os tempos anteriormente estabelecidos e os lugares exatos em que deveriam habitar”. (Atos 17:26).

      Onde está a citação de Israel aí?

      Vejo que a citação de textos bíblicos que nada dizem com a tese defendida pelos fatalistas já se tornou uma constante em debates tais como o presente

      Mais ainda:

      Como exposto no título desta réplica, a Eleição de Israel não atesta a salvação da alma de quem quer que seja pelo simples fato de israelitas também terem-se perdido. Ora, como é que pode? Há de haver coerência em sua assertiva: se você utiliza a eleição de Israel para dizer que Deus o escolheu para a salvação em detrimento dos gentios que se perderam você, Calvino e os gênios de Westminster ficam em maus lençóis pelo fato de que os eleitos e escolhidos israelitas também se perdiam! Epa! Mas Israel não foi eleito, escolhido? E os gentios não estavam todos perdidos? Pertencer ao Israel escolhido não era então suficiente? Você não acabou de ilustrar a salvação mediante predestinação citando a Eleição de Israel como exemplo de salvação em relação à perdição dos gentios? Não há uma confusão entre a ordem geral e específica que os fatalistas fazem? Ah! Mas os israelitas que se perderam não eram verdadeiros israelitas! Epa! Os israelitas que se perderam por acaso também não eram israelitas? Como não? Eram o quê? Os israelitas que se perdiam não pertenciam ao Israel eleito? Se pertenciam não estavam salvo porque uma vez salvo sempre salvo já que Deus escolheu Israel para a salvação da alma? Então por que se perdiam?

      Excluir
    9. E o que dizer da Bíblia Sagrada sobre o tema:
      “Em Moisés, todos eles foram batizados na nuvem e no mar. Todos comeram do mesmo alimento espiritual e beberam da mesma bebida espiritual; pois bebiam da rocha espiritual que os acompanhava, e essa rocha era Cristo. CONTUDO, DEUS NÃO SE AGRADOU DA MAIORIA DELES (EPA!); por isso os seus corpos ficaram espalhados no deserto. Essas coisas ocorreram como exemplos para nós, para que NÃO COBICEMOS COISAS MÁS, COMO ELES FIZERAM (EPA!). Não sejam idólatras, como alguns deles foram, conforme está escrito: "O povo se assentou para comer e beber, e levantou-se para se entregar à farra". Não pratiquemos imoralidade, como alguns deles fizeram — e num só dia morreram vinte e três mil. NÃO DEVEMOS PÔR O SENHOR À PROVA (EPA!), como alguns deles fizeram — e FORAM MORTOS POR SERPENTES (EPA!). E não se queixem, como alguns deles se queixaram — e foram mortos pelo anjo destruidor. Essas coisas aconteceram a eles como exemplos e FORAM ESCRITAS COMO ADVERTÊNCIA PARA NÓS (EPA!), sobre quem tem chegado o fim dos tempos. Assim, aquele que julga estar firme, CUIDE-SE PARA QUE NÃO CAIA! (EPA!)” 1 Coríntios 10:2-12.

      De novo, friso um argumento boboca e pífio dos fatalistas/Calvinistas: Ah! Mas quem se perdeu não eram escolhidos de verdade? Ah é? Então não eram israelitas? Prove. Mostre-me onde está isso no texto? Onde Paulo disse que não eram israelitas de “verdade”? PIOR: ORA, SE OS CALVINISTAS TOMAM A ELEIÇÃO DE ISRAEL COMO SINÔNIMO DE SALVAÇÃO DA ALMA, DEVERÃO EXPLICAR O PORQUÊ ISRAELITAS PERDIAM-SE POR UMA QUESTÃO DE COERÊNCIA DOUTRINÁRIA. OU: DEVERÃO ADMITIR DE UMA VEZ POR TODAS QUE A ELEIÇÃO DE ISRAEL NÃO PODE SERVIR COMO HIPÓTESE PARA A SALVAÇÃO DA ALMA DE NINGUEM E ISSO POR UMA QUESTÃO DE COERÊNCIA BÍBLICA, COERÊNCIA TEOLÓGICA E ATÉ MESMO DE LÓGICA.

      6.2. Para finalizar você apontou: “Mesmo aqueles grandes impérios da antiguidade, (da China, Japão e Indía, por exemplo), que exalavam o saber em todas as suas formas, não souberam NADA de Abraão, Moisés, os profetas etc. Deus nunca enviou missionários para evangelizar estes povos, e nem mesmo àqueles que habitavam próximo as fronteiras de Israel.

      Replico eu:

      Excluir
    10. De novo e de novo, a especulação de se tentar compreender o COMO de Deus e o alçar de uma especulação em doutrina bíblica. Sabemos QUEM é Deus. O QUE Ele deseja. Contudo, não sabemos o COMO de Deus.

      Para os calvinistas/fatalistas não basta a confiança na JUSTIÇA e MISERICÓRDIA de Deus, para eles necessário é alçar aquilo que não compreendem a uma doutrina fatalista bíblica para explicar tudo, só que TUDO não pode ser abrangido por nossa cognição, nem tudo nos é dado pela revelação. Eis a questão. Como eu não sei, como eu não compreendo, então Deus só pode ter escolhido uns para a salvação e outros para o inferno; incluindo bebês e paralíticos cerebrais, atestam os calvinistas. Heresia grossa! Arrogância. Pretensiosidade.

      Outra coisa: não compreendem que a Graça é multiforme e que a fé é um instrumento de Deus, mas que não resume em si mesma todos os preceitos da Justiça de Deus. Tanto é que bebês de seis meses de idade não poderiam ser salvas em hipótese alguma porque simplesmente não tem condições de exercerem a fé! Se a fé fosse condição sine qua non para a salvação de bebês todos se perderiam. É por isso que Paulo diz que PELA GRAÇA SOIS SALVOS, a fé é um importantíssimo, mas um instrumento, um meio.
      Pretensiosamente FALAM quando a Bíblia SILENCIA-SE.

      Assim é que na verdade não sabem os fatalistas se gregos, sábios ou não, foram para o inferno pelo fato de nunca terem ouvido falar de Israel (ou leia-se, lei). Não sabem se os fronteiriços a Israel perderam-se. Pior: seguindo o raciocínio calvinista, antes da lei todos se perderem; só que isso os calvinistas não sabem! Quando a Bíblia silencia-se devemos também nos silenciar e não inventar fábulas. Esta verdade também é pressuposto para uma exegese bíblica correta.

      Agora, a Bíblia nos dá uma pista importante sobre o assunto. E o pouco que revela, o pouco que fala não tem nada de predestinação calvinista. Absolutamente nada, pelo contrário:

      Rom 2:12-16:

      "Porque todos os que sem lei pecaram sem lei também perecerão; e todos os que sob a lei pecaram pela lei serão julgados. Porque os que ouvem a lei não são justos diante de Deus, mas OS QUE PRATICAM A LEI HÃO DE SER JUSTIFICADOS (Epa! E se um gentio que a praticou, mesmo sem nunca tê-la ouvido poderia ser justificado?). (Resposta de Paulo em complemento ao “os que praticam a lei hão de ser justificados”:) Porque, quando os gentios, QUE NÃO TÊM LEI (g.n.), fazem naturalmente as coisas que são da lei, NÃO TENDO ELES LEI (g.n.), para SI MESMOS SÃO LEI (g.n.), os quais mostram a obra da lei escrita no seu coração, TESTIFICANDO JUNTAMENTE A SUA CONSCIÊNCIA (Epa! Mortos em pecados não tem consciência?) e os seus pensamentos, quer acusando-os, quer defendendo-os, no dia em que Deus há de julgar os segredos dos homens, por Jesus Cristo, segundo o meu evangelho".

      Em suma, a eleição de Israel não diz com a salvação da alma de ninguém e Deus é justo e não vai tratar ninguém injustamente – disso podemos ter certeza, ainda que eu desconheça o COMO de Deus, sobretudo, a inteireza de sua GRAÇA MULTIFORME. Basta-nos o seguinte: que devemos, aceitando a Cristo como nosso único e suficiente salvador, arrependidos e arrependendo-nos, perdoados e sendo perdoados pela confissão dos nossos pecados e confessando, servi-lo e perseverarmos em servi-lo até o fim. Mais ainda: devemos, por uma questão de ética cristã e honestidade intelectual silenciar-nos quando a Bíblia silenciar-se e jamais falarmos quando ela não fala e tampouco alçarmos uma especulação à doutrina bíblica!

      Libertas ver est, Christo servire

      Agostinho Antialienação

      Excluir
    11. Continuando...

      TÍTULO: DESEJAR DEUS QUE TODOS SE SALVEM NÃO É O MESMO DIZER QUE DEUS SALVA A TODOS QUE DESEJA. EIS A INVERSÃO CALVINISTA. A ESSA ALTURA JÁ DEU PARA PERCEBER QUE SIR CALVINO NÃO ERA MUITO INTELIGENTE E QUE, VIA TRANSVERSA, OS SEUS ADEPTOS NÃO CONSEGUEM PENSAR POR SI MESMOS. ISSO É A PROVA CABAL DA SÍNDROME DE UMA HERESIA: O INDIVÍDUO NÃO CONSEGUE ESCAPAR DO LABIRINTO DO QUADRO-REDONDO A QUE SE HIPNOTIZARA MESMO ANTE A CLAREZA DE UMA VERDADE EXPRESSAMENTE REVELADA.

      7. Você assim aduziu em relação a meu comentário:

      “Em seu comentário da 20:50, você afirmou: "2. Respondendo as suas indagações. Sim. Deus não deseja a separação consigo do Homem-criado-eterno. Ele sempre desejou que todos não se perdessem desde a queda de Adão até hoje."

      Você então me replicou assim:

      “Respondo que isto não é verdade (...)”.

      Digo eu agora: entre a minha verdade, a sua, a de Calvino, a dos gênios de Westminster e a das Escrituras Sagradas, a verdade destas sempre prevalecerá:

      1 Timóteo 2:3-6: “Pois isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador, O QUAL DESEJA que TODOS OS HOMENS sejam SALVOS e cheguem ao pleno conhecimento da verdade. Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem, o qual se deu a si mesmo em resgate POR TODOS, para servir de testemunho a seu tempo”.

      1 João 2:2: “Ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos pecados de TODO O MUNDO”.

      2 Pe 3.9: “Não retarda o Senhor a Sua promessa, como alguns a julgam demorada; pelo contrário, Ele é longânimo para convosco, não querendo que NENHUM pereça, senão que TODOS cheguem ao arrependimento”.

      Eis a resposta das Sagradas Escrituras muito clara, desnecessária até qualquer exegese.
      Há um brocardo latino para o qual ‘in claris cessat interpretatio’, ou seja, nas coisas claras cessa a interpretação.

      Calvino não tem para onde correr... Mais claro, mais evidente não há:

      Desejar Deus que todos se salvem não é o mesmo dizer que Deus salva a todos que deseja e tampouco indica que desejando salvar a todos, todos se salvarão... A longanimidade e a paciência de Deus em relação ao Homem dão prova desse fato.

      Forçoso reconhecer, ademais, que Calvino e os gênios de Westminster legaram aos fatalistas modernos uma triste condição: em nome de uma suposta piedade, de uma ortodoxia artificiosa, mais cerebrina do que real, em nome de uma suposta “sã doutrina”, suposta legitimidade, assim alienam-se e metem o pau em outras igrejas evangélicas, sobretudo pentecostais e neopentecostais, ao argumento arrogante e pretensioso de que: - “somos igrejas históricas, temos uma tal carta de Westminster e com ela somos legalistas o suficiente a ponto de sobrepujarmos e desprezarmos a própria Palavra de Deus”.

      Só que tem uma coisa: a predestinação calvinista não se sustenta, não para de pé, e a todo momento cai em contradição.

      Assim sejam Calvino e os gênios de Westminster mentirosos e Deus verdadeiro.

      Libertas vera est, Christo servire.

      Agostinho antialienação.

      Excluir
    12. Bom dia Sr. "Agostinho Antialienação", sou médica pediatra e calvinista muito equilibrada; quanto "as crianças no inferno"; indico um artigo muito racional e nada de emocionalimo, de Cheung para sua meditação.

      http://www.monergismo.com/vincent-cheung/salvacao-infantil/

      Bom dia!!!

      Aparecida Scaff

      Excluir
    13. TÍTULO: VINCENT CHEUNG: RACIONAL? NO WAY!

      Antes de continuarmos e adentramos a respeito de Judas Iscariotes e etc., conforme abordado pelo meu ex-adverso, uma pausa aqui porque necessário tirarmos do misticismo e colocarmos em xeque determinados ídolos calvinistas modernos – porque seus adeptos incapazes de pensarem por si mesmos – logo lançam mão de os seus ícones ‘pensantes’ para pensarem em seus lugares! Vejam que coisa curiosa!

      Percebo que sem a mínima condição de um embate direto, e receosos de serem encostados na parede de um modo bastante vexatório; trazem Vincent Cheung para ‘dialogar’ comigo a respeito das criancinhas no inferno.

      Pior para eles.

      Pois bem.

      Querida doutora Aparecida Scaff, médica pediatra e ‘calvinista equilibrada’:

      Em primeiríssimo lugar, respeitosamente, o “muito racional e nada de emocionalismo” por si mesmo já conota ausência de equilíbrio porque se há apenas uma coisa (só racional) não há que haver equilíbrio algum, não é mesmo? ‘Muito racional e nada de emocionalismo’ há de pender só e apenas para um lado, por uma única via. Polarizar-se...

      Só que o ponto de equilíbrio está justamente no meio ‘iter’ entre uma coisa e outra coisa, não é assim?

      Mais ainda:

      Só o fato de se sustentar uma tese racional de modo enfático já diz com emoção mesma e isto é assim porque havemos de ser racionais e emocionais, não é? É muito tedioso ter de chover-no-molhado, mas o que é que eu posso fazer? Sobressai-se, então, que esse propalado ‘calvinista equilibrado’ não é bem assim. Aliás, não é nada assim!

      Pior: a atribuição de rótulos tais como “você é emocionalista” em oposição ao arrogante e pretensioso “eu sou calvinista racional”, tal como você deixar escapar, é a prova mesma de um encastelamento psicológico grave porque o rótulo demonstra que a pessoa rotuladora tem medo do debate, de pensar por si mesma, e assim não correr riscos de ver desmoronado todo o seu arcabouço doutrinário falso do qual vem se alimentando anos a fio e assim pensa morrer de inanição ante a falta que irá fazer... É por isso que o calvinista só pensa via rótulos, via fórmulas e chavões. É um autômato. Um hipnotizado.

      Quando não, aliena-se de tal forma imaginando deter assim uma erudição teológica tamanha que não existem palavras e nem ambiente adequados para a exposição de todo o seu apoplético saber, ou seja, para Narciso o que não é espelho é feio... Ou: disfarço o meu medinho empinando o meu narizinho...

      Ta faltando Bíblia. Alimento sólido. Alimento saudável e sem fermento. E pode ter certeza prezada doutora Aparecida Scaff, não tenha medo, na hora que substituir Cheung, Calvino e ‘tutti quanti’ pelas Sagradas Escrituras, não irá morrer de inanição, pelo contrário, irá alimentar-se de fato!

      Mais ainda: você não percebeu, mas rotular alguém ou alguma coisa disso ou daquilo em nenhum momento refuta a coisa ou aquilo que alguém afirmara! E desse fato não tem para onde correr.

      continua...

      Excluir
    14. Em segundo lugar, li direto do inglês (http://www.vincentcheung.com/2011/04/16/infant-salvation/) o texto postado que você indicou-me o qual está muito mal traduzido para o português, diga-se de passagem, mas vá lá, façamos de conta que não vimos:

      De início, não é ocioso fazer menção que a ‘Confessio Augustana’ ou a ‘Confissão de Augsburgo’, como queira, traz em seu bojo o monergismo em oposição ao sinergismo e, curiosamente, só para não fugirmos do tema “calvinismo equilibrado”, eu não resisto ao trocadilho entre a palavra mono (única maneira) de ‘monergismo’ e ‘equilibrado’ de ‘calvinismo equilibrado’ em relação a palavra multi (várias maneiras) de ‘multiforme Graça de Deus’ (Bíblia Sagrada). É que daí já se percebe que nem monergismo e nem sinergismo. É multiforme! Mas isso é outro assunto, o que nos interessa nesse momento é outra coisa.

      Veja, portanto, que nem na expressão ‘monergismo’ existe o suposto “calvinismo equilibrado” posto que se é mono, só há de pender para um lado apenas, ou polarizar-se; ou seja, não chega sequer ao meio do caminho...

      Melhor ficarmos com a multiforme Graça de Deus conforme a Bíblia Sagrada não é mesmo?

      Em terceiro lugar, veja, por si mesma, a ‘racionalidade’ havido na postagem que de um argumento calvinista em detrimento de o meu ‘emocionalismo’:

      O Mr. ‘Racional’ Cheung começa dizendo que a Bíblia corrobora a salvação de crianças, certo?

      Ele assim afirma:

      A) “Há evidência bíblica de que alguns infantes são salvos. Por exemplo, Davi disse que iria ao encontro de seu filho morto, mas que este não retornaria a ele. João Batista ficou cheio do Espírito no ventre de sua mãe”.

      Mas, para sustentar que nem todas as crianças irão para o céu o Mr. Coerência/Racional, concluiu em seguida que:

      “Contudo, não há nenhuma base bíblica de que todos que morrem como infantes irão para o céu. É, de fato, algo possível, visto que a Bíblia não traz nenhum exemplo de algum infante indo para o inferno. Mas afirmar que todos serão salvos não passa de possibilidade”.

      EPA! Então para o gênio a prova de que crianças vão para o inferno está exatamente na prova de que a Bíblia não afirma que vão para o inferno!
      Help! Somebody help-me!!!

      Então se não há na Bíblia a hipótese de crianças indo para o inferno, logo, portanto, crianças irão para o inferno, ora essa!

      Prezado Sr. Luciano Sena. Socorro!!! Desejo conter-me, mas você há de convir que é hercúlea a minha contenção...

      Pior: o sujeito tenta convencer que crianças irão para o inferno citando exemplos bíblicos de crianças justamente indo para o céu!!! Isso sim é exemplo de coerência e exegese bíblica...

      Barbaridade!

      Ou seja: além de fazer a aberrante prova negativa de algo que ele mesmo admite não conter na Bíblia, ele tenta provar a sua tese com base em algo que a refuta meu Deus do céu! Ora, os exemplos citados por ele (crianças indo para o céu) refuta a tese de que crianças de três, quatro, cinco anos de idade e bebês irão para o inferno!
      Então, de acordo com esse argumento “racional”, “lógico”, sobretudo “ortodoxo” do Mr. Cheung, quando eu quero provar que conchichina faz bem à saúde eu cito exemplos de como a conchichina faz mal à saúde! Ok? Coerente, não?

      Confesso que me veio, inescapavelmente, à memória a Capa daquele Livro “Maquiavel Pedagogo” (Pascal Bernardin) de onde se vê um asno lendo um livro... Qualquer semelhança com Mr. Cheung não pode ser e nem será mera coincidência... Por favor, dão-me licença... Não dá.

      Querida doutora Aparecida Scaff, a ‘racionalidade’ na ‘exegese’ de tal indivíduo é tão lógica, tão coerente quanto se afirmar que a boneca Barbie penteou os cabelos porque Neil Armstrong foi à Lua; que eu apontei o lápis porque o vulcão entrou em erupção ou que vou à igreja todos os dias porque murchou o pneu da bicicleta...

      Senhor Luciano Sena, estou falando sério: ‘me ajuda aí’! Por favor!

      Excluir
    15. B) Agora veja o nível de desonestidade intelectual do teólogo da igreja reformada-bíblico-histórica, Mr. Cheung: espertamente ele começa a sua assertiva dizendo que ‘algumas’ crianças irão para o céu. Ele não diz simplesmente “crianças irão para o céu”. Isso é assim porque ele precisa desesperadamente confirmar a tese calvinista, ou seja, ele já vem com a sua mente embotada previamente calcada na heresia calvinista da predestinação e então ele tem que, forçosamente, raciocinar que se de acordo com Calvino: Deus escolheu uns para o céu e outros para o inferno, logo, portanto, bebês vão para o inferno e bebês vão para o céu...”. Ele, Mr. Cheung não tem liberdade. É um escravo de Calvino.

      Mas se onde há o Espírito de Deus aí há liberdade, forçoso admitir que não passa nem longe dessa tese maligna o Espirito de Deus. Eu sinto muito.

      Definitivamente para Cheung não é Calvino quem deve coadunar-se à Bíblia e sim a Bíblia a Calvino! Um rematado absurdo. Se a doutrina de Mr. Cheung não revela por si só a síndrome mesma de uma seita, de uma heresia, não se sabe o que é heresia e nem seita...

      Pior: a desonestidade intelectual é tão flagrante que o teólogo da igreja ortodoxa, bíblica, histórica e reformada OMITIU, não ousou citar o que o PRÓPRIO SENHOR JESUS “PENSA” a respeito do assunto. Nenhuma palavra sobre o “... deixai, pois, virem a mim as crianças porque das tais é o Reinos dos Céus...”. Ficou bem quieto... Aliás, veja que coisa: ele citou que Deus salvou pelo menos dois... a questão é validar Calvino, o que Cristo disse a respeito é irrelevante...

      Excluir
    16. C) Veja agora a confusão sobre fé, eleição, Graça e salvação:

      O gênio ainda aduziu:

      “Qualquer infante que seja salvo deve sê-lo com base na eleição de Deus e expiação de Cristo. A Bíblia nega que haja alguma outra base para a salvação. Isso significa que Deus pode criar algumas pessoas que morrem como infantes, mas são salvas, e Cristo morreu por elas ao ser crucificado. O fato de que são pequenos demais para ter consciência do pecado pode significar que nenhuma fé se exige dos infantes. Sua mente não alcançou o estado no qual a crença deliberada na doutrina e o arrependimento da impiedade são significativos. Contudo, isto não significa que todos os que não podem exercer fé consciente são salvos”.

      “Alguns cristãos ficam incomodados quando lhes dizemos que alguns não precisariam exercer fé consciente; mas todos assumimos que o filho de Davi e João Batista não exerceram fé consciente ao serem salvos. Há uma forma coerente de explicar isso sem comprometer o Evangelho. Lembre-se de que, mesmo quando falamos de salvação pela fé, não estamos de fato nos referindo à fé como tal, mas a Jesus Cristo. A fé em si não salva ― só Cristo salva. Se alguém é salvo, isto se dá por Jesus Cristo”.

      “Dessa forma, ao afirmar que os infantes poderiam ser salvos à parte da fé, mas não à parte de Cristo, o Evangelho não é comprometido. Cristo salva adultos em conjunção com uma fé consciente; mas Cristo salva alguns infantes ― pelo menos dois! ― à parte de uma fé consciente. Não sou salvo por causa da fé, mas por causa de Cristo. Minha fé é uma manifestação da salvação, eleição e regeneração. Ela não é a causa da salvação, mas o efeito da salvação. Esperaríamos de uma pessoa que recebeu a salvação como infante, e não morreu, que manifestasse essa fé ao crescer e estivesse ciente do que é certo e errado, do pecado e do arrependimento, e assim por diante. É o que aconteceu com João Batista”.

      EPA! Disse o gênio, “Cristo salva adultos em conjunção com uma fé consciente...” .

      EPA! Mas não é Deus quem escolhe uns para salvar e outros para condenar; por que, então, Cristo tem de salvar o adulto com a conjunção de algo mais, em conjunção com uma fé consciente? Essa fé consciente não denota livre arbítrio do Homem?; mormente se o gênio aduziu logo em seguida que “Não sou salvo por causa da fé, mas por causa de Cristo. Minha fé é uma manifestação da salvação, eleição e regeneração. Ela não é a causa da salvação, mas o efeito da salvação”.

      Epa! Daí eu tenho que indagar ainda: mas e o “Cristo salva adultos em conjunção com uma fé consciente”? Como é que fica as suas duas assertivas que se opõem? Afinal, pergunto eu: a fé integra o ato da salvação ou só se manifesta depois da salvação. Se ela só é efeito, e não causa como fica a assertiva: “Cristo salva adultos em conjunção com uma fé consciente”? Cheung terá de escolher uma coisa ou outra. Ele não foi capaz de perceber a contradição intrínseca a até infantil havida em seu argumento. Pior: ele se contradiz até com Calvino e os gênios de Westminster!

      Excluir
    17. Ele não sabe o que é Graça, o que é Justiça de Deus, o que é fé e o que é salvação. Confundiu tudo.

      Quanto a Eleição para não ser repetitivo basta ler e acompanhar este debate que você, doutora Aparecida Scaff, compreenderá perfeitamente o verdadeiro sentido bíblico sem farofa e sem confusão, isso eu garanto.

      É que Deus não é Deus de confusão!
      E por falar em sentido bíblico sem confusão:
      Ei de concluir, quanto ao assunto, que Deus, em Cristo, por sua multiforme Graça, salva as crianças ante a incapacidade delas de decidir, escolher, ora essa! São escusáveis ou inimputáveis, portanto. Isso tem nome: JUSTIÇA DE DEUS! Isso é Bíblia e não farofa.

      E daí eu pergunto a você Dra. Aparecida Scaff: por que é que eu tenho que acreditar no fatalismo para crer no que exatamente afirma a Bíblia: “... deixai, pois, virem a mim as crianças porque das tais é o Reinos dos Céus...”. Você terá de decidir: ou Calvino, os gênios de Westminster e Cheung tem razão ou Cristo!

      D) Cheung continua sem medo de ser feliz em seu besteirol:

      ESPERARÍAMOS (g.n.) de uma pessoa que recebeu a salvação como infante, e não morreu, que manifestasse essa fé ao crescer e ESTIVESSE (g.n.) ciente do que é certo e errado, do pecado e do arrependimento, e assim por diante. É o que aconteceu com João Batista. TALVEZ (g.n.) o mesmo se aplique aos mentalmente retardados, ainda que, APARENTEMENTE (g.n.), NÃO HAJA QUALQUER EVIDÊNCIA BÍBLICA (g.n.) para dizer que alguns mentalmente retardados são salvos, pois não há exemplos equivalentes na Escritura. Sua salvação é APENAS UMA POSSIBILIDADE. Também É POSSÍVEL que todos os mentalmente retardados sejam condenados. Neste caso seria um equívoco alegar que eles são punidos por serem mentalmente retardados; antes, com base na doutrina da reprovação, eles teriam sido criados como indivíduos CONDENADOS, EM PRIMEIRO LUGAR (g.n.).

      Epa! Veja por si mesma que primeiramente o teólogo-apologista da igreja reformada não tem certeza de absolutamente nada e envereda-se pelo futuro incerto e não sabido utilizando-se das palavrinhas mágicas “Esperaríamos”, “talvez”, “estivesse”, “é possível”, “apenas uma possibilidade”... Ou seja, o sujeito não sabe de nada com nada e como não sabe de nada, em vez de ficar bem quieto, alça uma especulação a uma doutrina bíblica! Pergunto: pode? Não, não pode.

      E isso porque é teólogo... Lembra da capa do livro do “Maquiavel Pedagogo”? É o retrato mesmo do sujeito. Não tem jeito de não se fazer a associação ante a puerilidade de sua argumentação, parece coisa de criança. Aliás, ele dá até coice, veja: “Há aqueles que tentam dizer que alguns adultos podem ser salvos à parte da fé. Isso é heresia. Quem afirma isso deveria ser excomungado. Devemos lidar com essas pessoas da maneira mais dura possível, pois todo o Evangelho e toda a obra da pregação ficam comprometidos”.

      Epa! Só que ao dar o coice ele não percebeu que se contradisse com o que havia escrito acima: “Não sou salvo por causa da fé, mas por causa de Cristo. Minha fé é uma manifestação da salvação, eleição e regeneração. Ela não é a causa da salvação, mas o efeito da salvação”. (????).

      Excluir
    18. Veja como sua mente está tomada pela heresia calvinista de modo a não ter liberdade para raciocinar: ele começa dizendo que não há evidência bíblica para sustentar que os retardados são salvos. Ok. Mas honestamente se não tem evidência bíblica de que são salvos, por certo também não há de ter se são perdidos, ora essa!

      O critério tem de ser coerente. O mesmo. Mas como honestidade não há, ele não se conteve e assim aduziu: “Sua salvação é APENAS UMA POSSIBILIDADE. Também É POSSÍVEL que todos os mentalmente retardados sejam condenados. Neste caso seria um equívoco alegar que eles são punidos por serem mentalmente retardados; antes, com base na doutrina da reprovação, eles teriam sido criados como indivíduos CONDENADOS, EM PRIMEIRO LUGAR (g.n.)”.

      A minha Bíblia diz que nem os loucos errarão o caminho. A minha Bíblia revela de gêneses a apocalipse a respeito da Justiça de Deus. Isso é que dá não ler e meditar na Bíblia, a ponto de afirmar categoricamente que os retardados mentais, incluindo, é claro, os paralíticos cerebrais de nascença, “teriam sido criados como indivíduos CONDENADOS, EM PRIMEIRO LUGAR (g.n.)”.

      Agora, veja que aberração: doutrina da reprovação? A minha Bíblia fala de um Plano de Salvação e não de reprovação. Mas para o Mr. Maquiavel Pedagogo, quem não crer no “escolhido para ir ao céu e outro para ir a inferno, que uma vez salvo sempre salvo e que bebes e paralíticos cerebrais irão para inferno” – digo eu, então ele dá um coice e arremata: “Esta verdade pode ser dura em razão da dor e fraqueza naquele momento, MAS SE, NO FIM DAS CONTAS, OS PAIS NÃO CONSEGUEM ACEITAR ISSO, ELES ESTÃO INDO PARA O INFERNO E PRECISAM SE TORNAR CRISTÃOS” (g.n.)

      Ahã! Então eu preciso crer nesse circo de horrores antibíblico senão eu vou para o inferno?
      Pior: ele se contradisse de novo: mas se escolhido sou, mesmo não acreditando na predestinação calvinista não posso ir para o inferno ora essa! Mas que loucura!

      E) Veja, o sujeito é louco de pedra, um alienado com certeza absoluta, tanto que assim concluiu e confessou a sua exposição sobre a salvação de infantes e retardados mentais:

      “O destino daqueles que não podem entender o evangelho ― fetos, infantes muito novos, pessoas mentalmente retardadas e assim por diante ― está nas mãos de Deus, e aprouve a Deus não dizer-nos o que fará com essas pessoas. Antes, devemos nos concentrar em nossas próprias vidas, examinarmo-nos para ver se estamos na fé, e confiar o resto a Deus”.

      Ora, por que é que o teólogo , apologeta da igreja histórica, bíblica e reformada, Mr. Vincent Cheung, não disse logo de cara, logo no começo, que não sabia absolutamente de nada? Assim ele teria se privado da vergonha de expor as tripas e barrigadas de um Frankstain teológico e de ter feito ingressar a sua postagem no mundo das aberrações doutrinárias mais acachapantes!

      VINCENT CHEUNG: RACIONAL? NO WAY,
      QUERIDA DRA. APARECIDA SCAFF.

      Por isso é que Libertas vera est, Christo servire para não passar vergonha!

      Agostinho Antialienação.

      Excluir
    19. Ilustrissíssemo irmão Agostinho, nessa você se superou, deixou "nu" sem pai sem mãe, he he he....Não sobrou nada, agora veja o tanto que esse Vincent Cheung é "racional", o teólogo presbiteriano prega QUE OS GAYS DEVEM SER PUNIDOS COM A PENA MORTE...... ISSO MESMO PREGA QUE OS EUA DEVERIA ELETROCUTAR, ENFIM, OS GAYS...

      http://www.pavablog.com/2012/03/26/teologo-norte-americano-defende-pena-de-morte-para-gays/

      Igualzinho a Jesus quando lidou com a mulher adúltera que era passível de morte, não é? Jesus se assentava com pecadores para comer mas Cheung não faria isso nunca... Um teólogo que não compreende o amor de Deus com toda certeza. Parabéns e Abraço a todos os irmãos desse blog.

      Excluir
    20. TÍTULO: DESMONTANDO UM JUDAS. UMA PERGUNTA BOBA: JUDAS DE QUERIOTE (EZRON) ARREPENDEU-SE POR TER TRAÍDO JESUS? EPA! SE SIM, ARREPENDEU-SE, NÃO PODERIA TER SIDO PREDESTINADO JAMAIS PORQUE ARREPENDIMENTO DIZ COM O RECONHECIMENTO DE UMA FALHA, DE UMA FALTA COMETIDA PERANTE UMA ESCOLHA A SE FAZER: ENTRE TRAIR E NÃO TRAIR EU PODERIA NÃO TER TRAÍDO, MAS SE TRAÍ POR ISSO POSSO ARREPENDER-ME! EPA! ONDE ENTRA A PREDESTINAÇÃO AÍ? NÃO ENTRA! POR PURA COERÊNCIA NÃO PODE HAVER ESCOLHA NO FATALISMO – SENÃO NÃO É FATALISMO, ORA ESSA, É O VELHO E BOM LIVRE ARBÍTRIO - LOGO, PORTANTO, SE PREDESTINADO JUDAS ESTAVA TRAIR A JESUS, NÃO PODERIA TER SE ARREPENDIDO AO DEPOIS! ORA, COMO SENTIR REMORSO SE FOI PREDESTINADO? EPA! MAS SE PREDESTINADO ERA NÃO TEM POR QUE TER PESO NA CONSCIÊNCIA: É QUE PREDESTINADO JÁ ESTAVA, NÃO TINHA ESCOLHA! EIS AÍ A CIRCULARIDADE DA QUADRATURA DA ESDRÚXULA E EXCÊNTRICA DOUTRINA CALVINISTA! DAÍ QUANDO EU AFIRMO QUE CALVINO NÃO ERA MUITO PERSPICAZ, NÃO ERA NADA INTELIGENTE, FICAM OFENDIDOS. MAS VAI PIORAR: O TEXTO BÍBLICO FALA QUE SATANÁS INDUZIU JUDAS TRAIR A JESUS. EPA! INDUZIR É PERSUADIR, É INSTIGAR, É CONVENCER ALGUÉM A PRATICAR ALGO. ESPERA UM POUCO: INDAGO COMO QUEM NÃO QUER NADA: JUDAS NÃO FOI PREDESTINADO PELO PRÓPRIO DEUS SOBERANO, PELO DEUS TODO PODEROSO TRAIR A JESUS? SE SIM A RESPOSTA, ENTÃO POR QUE DEUS TEVE QUE CONTAR COM UMA MÃOZINHA DE SATANÁS PARA INDUZIR, INSTIGAR, PERSUADIR JUDAS TRAIR A JESUS? RESPOSTA: PORQUE JUDAS PODERIA ESCOLHER E DECIDIR NÃO TRAIR ORA ESSA... SÓ QUE TEM UMA COISA: JUSTIÇA SEJA FEITA A UM DEUS SANTO E IRREPREENSÍVEL: DEUS NÃO PREDESTINOU JUDAS TRAIR A JESUS, EIS A QUESTÃO! VAI PIORAR: OUTRA PERGUNTA BOBA: E SE JUDAS DE QUERIOTE NÃO TIVESSE TRAÍDO A JESUS, JESUS NÃO TERIA SIDO CRUCIFICADO, NÃO TERIA CUMPRIDO A SUA MISSÃO SALVÍVICA, NÃO FOSSE A TRAIÇÃO DE JUDAS O PLANO DE SALVAÇÃO TERIA SIDO FRUSTRADO? RESPOSTA: OS CALVINISTAS SÓ PODEM RESPONDER AFIRMATIVAMENTE A ESTA INDAGAÇÃO. É QUE JUDAS ESTAVA PREDESTINADO TRAIR A JESUS...

      Por enquanto, basta o título para não deixarmos o debate esfriar. No título mesmo já existem argumentos suficientes que colocam em xeque o argumento calvinista fatalista quando usam a traição de Judas como ilustração dessa aberração teológica.

      Em breve, darei prosseguimento à questão, impugnando item por item das objeções feitas pelo meu ex-adverso, inclusive abordando uma flagrante distorção do texto sobre “o filho da perdição” por ele citado, evento (distorções de textos bíblicos) bastante comum entre os calvinistas, já acostumei-me”:

      continua...

      Excluir
    21. Sobre o assunto o meu ex-adverso havia postado:

      “PAULO CADI16 de maio de 2014 11:03
      O Apóstolo João, falando sobre aqueles que "aparentemente" eram cristãos, e abandonaram a Fé, disse: "Eles saíram do nosso meio, mas na realidade não eram dos nossos, pois, se fossem dos nossos, teriam permanecido conosco; o fato de terem saído mostra que nenhum deles era dos nossos." 1Jo.2:19. O Senhor Jesus, em João 17:9, orando, disse: "Eu rogo por eles, NÃO ESTOU ROGANDO PELO MUNDO, MAS POR AQUELES QUE ME DESTE, POIS SÃO TEUS." Ou seja, Jesus não ora pelo mundo, quanto mais morrer por cada cidadão que pisou neste planeta! Depois, no verso 12, o Salvador afirma: "..... NENHUM DELES SE PERDEU, a não ser aquele que estava destinado à perdição, (por isso, Filho da Perdição), para que se cumprisse a Escritura." Será que o Filho da Perdição, poderia ser algum dos outros Apóstolos? Quem sabe João, o discípulo amado, ou Pedro, ou tiago?”.

      8. Posto, então, por enquanto, dois textos bíblicos sobre o tema:

      “Estava sendo servido o jantar, e O DIABO JÁ HAVIA INDUZIDO JUDAS ISCARIOTES, filho de Simão, a trair Jesus “João 13:2.

      Mateus 27,3-10: "Judas, o traidor, vendo-o então condenado, TOMADO DE REMORSOS, foi devolver aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos as trinta moedas de prata, dizendo-lhes: PEQUEI, ENTREGANDO O SANGUE DE UM JUSTO. Responderam-lhe: Que nos importa? Isto é lá contigo! Ele jogou então no templo as moedas de prata, SAIU E FOI ENFORCAR-SE”...

      Epa! Um predestinado induzido por Satanás e que sente remorso e que se arrepende e tenta desfazer a traição, não conseguindo foi enforcar-se, esse Ser pode ser tudo o que não presta, menos objeto de um fatalismo, de uma manipulação maquiavélica feita por Deus! Sem chance.

      Libertas vera est, Christo Servire.

      Agostinho antialienação

      Excluir
    22. MALHANDO UM JUDAS II, A INTERPRETAÇÃO FORÇADA DOS “APARENTEMENTE CRISTÃOS” A FIM DE JUSTIFICAR CALVINO EM PREJUÍZO DA PRÓPRIA ESCRITURA SAGRADA. O MEU EX-ADVERSO TORCE EXPLICITAMENTE TEXTO BÍBLICO. ERRO CRASSO DAS DEFINIÇÕES E A QUESTÃO DA DIFERENÇA ENTRE HERESIA E “MERO ENGANO”. QUANTO AOS EFEITOS, SERÁ QUE HERESIA E ENGANO (ERRO) LEVAM A LUGARES DIVERSOS? UM NÃO PODE SER TOLERADO E O OUTRO PODE? O CALVINISTA QUANDO UTILIZA JUDAS COMO EXEMPLO, CONSCIENTE OU NÃO – POUCO IMPORTA – TEM DEUS E SATANÁS COMO A MESMA PESSOA! GRAVE, GRAVÍSSIMO. O CALVINISMO LEVA SIM O DEU ADEPTO À PERDIÇÃO. DA BLASFÊMEA CONTRA O ESPÍRITO SANTO. “APARENTEMENTE CRISTÃO” DIZ COM AQUELES QUE ESTAVAM CONOSCO MAS NÃO ERAM DE NÓS PORQUE NÃO DESEJARAM PERMANECER NA SÃ DOUTRINA DOS APÓSTOLOS PORQUE SE FOSSEM DE NÓS, TERIAM PERMANECIDO NA DOUTRINA APOSTÓLICA, ORA ESSA. A PREDESTINAÇÃO NÃO PASSA NEM LONGE DAQUI! ALIÁS, ALIÁS, CALVINO ESTAVA CONOSCO MAS NÃO ERA DE NÓS PORQUE SE FOSSE TERIA PERMANECIDO NA DOUTRINA APOSTÓLICA E NÃO SE TRANSFORMADO EM UM APÓSTATA.

      Continuando:

      1. O todo bíblico importa e tudo o que o calvinismo faz é compartimentá-lo em espécie de uma doutrina caolha, muito aquém da realidade mais evidente.

      Mas antes, necessário escoimar a confusão que os calvinistas a todo momento incorrem ao distinguirem heresia de “mero engano, erro”. A confusão que fazem entre terminologia coloquial e teológica a toda hora é indesculpável: é que quem milita no ramo da teologia ou quem atribui a si mesmo a tarefa de defensor da fé não poderia jamais incorrer em tamanha imperícia.

      Imperdoável!

      Do ponto de vista teológico – e é este que importa ao apologista – a terminologia “erro”, “engano ou “heresia” são a mesmíssima coisa! Não existe o tal “erro (seja por ignorância ou imperícia) pode ser tolerado e a heresia não”. Simplesmente não há diferença entre uma e outra coisa, ao menos do ponto de vista teológico não.

      Coteje-se:

      “E tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor; como também o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada, falando disto, entre os quais há pontos difíceis de entender, que os IGNORANTES e instáveis TORCEM, e igualmente as outras Escrituras, PARA A SUA PRÓPRIA PERDIÇÃO”. 2. Pe 3.15 e 16.

      continua...

      Excluir
    23. A ignorância não exime ninguém de vir a perder-se. Ora, ignorância trata-se de desconhecimento voluntário, ou seja, erro ou engano (negligência culposa) sobre determinada coisa ou fato. Torcer as Escrituras por erro, engano (ou, seja, ignorância) também conduz à perdição e, portanto, não há que se falar em distinção entre erro/engano e heresia no quesito da tolerância a um e repúdio a outro: ambos “torcem” as Escrituras e ambos conduzem à perdição.
      Simples assim.

      ‘Verba gratia’, o erro ou engano de alguém sobre a existência do inferno além de não impedi-lo de ir ao inferno, também pode conduzi-lo a ele. Eis a questão. Erro e Heresia do ponto de vista teológico são iguais e conduzem igualmente à perdição, à ruína eterna.

      E não fui eu que disse.

      E se forem os calvinistas ao grego, pior para eles. Estou aguardando, veremos...

      Assim é que dizer que Deus criou o pecado e inseriu no DNA do homem, que Deus determinou uns para a salvação e outros para a perdição, dúvida não há, leva sim o seu adepto ao inferno. Isso é assim porque é heresia, é erro, é engano. Isso é assim porque atribui a Deus uma nódoa em seu caráter, em sua justiça, em sua retidão e santidade. Se o ateu diz “Deus não existe” o calvinista diz “Deus não é reto, não é justo”.

      continua...

      Excluir
    24. 2. I JOÃO 2.19 E O ‘APARENTEMENTE’ CRISTÃOS.

      Pautado isso e por falar em confusão terminológica das definições, a atribuição de uma alcunha, apelido, nominação pejorativa ou elogiosa a alguém geralmente se dá por conta do caráter ou temperamento dela espelhado em seus próprios atos, em suas práticas. A adjetivação de uma conduta o é via retrato mesmo de tal conduta. Por exemplo:

      - ‘Boanerges’, ou ‘Filhos do Trovão’, é o apelido que o Senhor deu a dois de seus discípulos por causa do ímpeto deles! Boanerges não eram os discípulos e tampouco eles estavam PREDESTINADOS a ser Boanerges evidentemente; a eles simplesmente atribuiu-se um apelido em razão e só em razão de uma conduta, de um ato ou de uma postura ou comportamento, provavelmente reiterado.

      - Do mesmo modo: as “Virgens Loucas” e as “Virgens Prudentes” na Parábola o eram ou tornaram-se em razão de uma conduta, de uma postura praticada: negligência de umas e diligência de outras. Não existe VIRGENS LOUCAS PREDESTINADAS A VIRGENS LOUCAS, não existe VIRGENS PRUDENTES PREDESTINAS A VIRGENS PRUDENTES.

      - Do mesmo modo: o “Bom Samaritano” era ou se tornou Bom samaritano em razão de uma conduta, de uma postura, de um ato ou práticas de caráter. ELE NÃO ESTAVA PREDESTINADO A BOM SAMARITANO...

      - Do mesmo modo: “Filhos de Belial” o são por causa de o seu comportamento, de sua conduta e práticas, mormente reiteradas. Inexistem FILHOS DE BELIAL PREDESTINADOS A FILHOS DE BELIAL. FILHOS DA IRA (Ef 2.3) PREDESTIANDOS A FILHOS DA IRA; “FILHOS DESTE MUNDO” - (Lc 16.8) PREDESTINADOS A FILHOS DESTE MUNDO; “FILHOS DA DESOBEDIÊNCIA” - (Ef 2.2) PREDESTINADOS A FILHOS DA DESOBEDIÊNCIA; ”FILHO DO DIABO” - (At 13.10) PREDESTIANDO A FILHO DO DIABO. É a conduta, a postura, o comportamento, as práticas que importam na adjetivação de uma alcunha, apelido ou nominação depreciativa ou elogiosa.

      - Do mesmo modo, Judas foi tratado como “Filho da Perdição” não por que estava predestinado a ‘Filho da Perdição’ e sim em razão de sua postura, de sua conduta e prática.

      continua...

      Excluir
    25. Em João 17.12, o Senhor diz:

      “Enquanto eu estava com eles, eu os guardava no teu nome que me deste; e os conservei, e nenhum deles se perdeu, senão o filho da perdição, para que se cumprisse a Escritura.”

      Aqui mais uma vez o meu ex-adverso TORCE as Escrituras, ele assim escrevera:

      "..... NENHUM DELES SE PERDEU, a não ser aquele que ESTAVA DESTINADO À PERDIÇÃO (SIC), (por isso, Filho da Perdição), para que se cumprisse a Escritura."

      SÓ QUE NÃO ESTÁ ESCRITO: “a não ser aquele que ESTAVA DESTINADO À PERDIÇÃO...”. Está escrito DIFERENTE: ““Enquanto eu estava com eles, eu os guardava no teu nome que me deste; e os conservei, E NENHUM DELES SE PERDEU, SENÃO O FILHO DA PERDIÇÃO, para que se cumprisse a Escritura.” (g.n.).

      É muito comum adeptos das seitas utilizarem do artifício de inserirem no texto bíblico algo que nem de longe existe no texto; com os calvinistas isso não poderia vir diferente, ora essa. Só que tem uma coisa, lembremos que:

      “...os IGNORANTES e instáveis TORCEM, e igualmente as outras Escrituras, PARA A SUA PRÓPRIA PERDIÇÃO”. 2. Pe 3.15 e 16.

      A Judas foi dado o apelido de ‘Filho da Perdição’ ante a sua conduta, ante a sua prática terrível. E a expressão “para que se cumprisse a Escritura” não diz com predestinação e sim com presciência. Quem confunde predestinação com presciência baralha e confunde SABER ALGUMA COISA DE ANTEMÃO COM FAZER DE ANTEMÃO ALGUMA COISA... Um rematado absurdo.

      E essa absurdez se constitui mais evidente quando a própria Bíblia diz que Satanás instigou Judas a trair Jesus e não Deus.

      EPA! ENTÃO FORÇOSO CONCLUIR QUE QUANDO OS CALVINISTAS DIZEM QUE DEUS PREDESTINOU JUDAS A TRAIR JESUS ESTÃO DIZENDO, CONSCIENTE OU NÃO, QUE DEUS E SATANÁS SÃO A MESMA PESSOA.

      E daí não tem jeito: erro, ignorância, engano e heresia, tanto faz, implicam na perdição daquele que chama Deus de Satanás ou que atribui um ato praticado por Satanás como tendo sido praticado por Deus! Sim. Blasfêmia contra o próprio Espírito Santo.

      Vai piorar para os calvinistas, se é que tem algo pior do que blasfemar contra o Espírito Santo.
      Sobre Judas, o escritor de Atos dos Apóstolos não deixa dúvida alguma e arremata na oração da eleição de Matias para ocupar o lugar do apóstolo traidor:

      “E, orando, disseram: Tu, Senhor, CONHECEDOR DOS CORAÇÕES de todos, mostra qual destes dois TENS ESCOLHIDO, para que tome parte neste ministério e apostolado, DE QUE JUDAS SE DESVIOU (SE DESVIOU, SE DESVIOU, SE DESVIOU, SE DESVIOU, SE DESVIOU, SE DESVIOU, SE DESVIOU, SE DESVIOU, SE DESVIOU... g.n.) para ir para o seu próprio lugar”. ATOS 1.24 e 25.

      continua...

      Excluir
    26. É por isso que o todo bíblico importa e hei de concluir como de fato concluo que Calvino era analfabeto de pai e mão e uma herege por excelência. Conhecer os corações não implica em Deus determinar se a pessoa irá manter-se fiel ou desviar-se para a perdição. Deus não determina uns para salvar e outros para perder-se. Prova disso é que foi JUDAS QUEM SE DESVIOU... E NÃO DEUS O DESVIOU...

      Calvinismo é isso aí, emporcalha o caráter justo e santo de Deus.

      Ademais, nesse texto vê-se claramente a correta definição de eleição tal como exposto por mim linhas acima.

      Mais ainda:

      Judas se desviou porque ERA OVELHA, ora essa. Não fosse ovelha não teria se desviado. Só pode desviar-se do redil quem já foi ovelha. E onde entra o fatalismo aí? Não entra! Tanto Judas era ovelha que o Senhor disse a ele e aos demais discípulos:

      “Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; portanto, sede prudentes como as serpentes e símplices como as pombas.” - (Mt 10.16).

      JUDAS PARTICIPOU DA SANTA CEIA.

      “Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia.” - (Jo 6.54).

      RECEBEU PODER.

      “E, chamando a si os seus doze discípulos, deu-lhes autoridade sobre os espíritos imundos, para expulsarem, e para curarem toda sorte de doenças e enfermidades.” - (Mt 10.1).

      E daí já se deflui que Judas NÃO PODE TER SIDO UM DEMÔNIO ENCARNADO como muitos calvinistas – dado a fábulas que são – acreditam.

      Ora, um demônio não pode ser contra si mesmo.

      “Ora, se Satanás expulsa a Satanás, está dividido contra si mesmo; como subsistirá, pois, o seu reino?” - (Mt 12.26).

      Vai piorar:

      Excluir
    27. É preciso atentar que no idioma hebraico SER FILHO DE ALGUMA COISA é ser POSSUIDOR DO CARÁTER ESSENCIAL DA COISA MENCIONADA. Por exemplo: ser alguém filho da justiça é ser alguém cujo caráter essencial se destaca pela sua justiça ou bondade, tal como um filho participa da natureza de seu pai. Por exemplo: a distinção entre Filhos das Luz e Filhos das Trevas.

      Agora, veja os passos rumo a perdição por Judas:

      - Porque era “ladrão” - (Jo 12.6);
      - Era “hipócrita” - (Lc 22.48);
      - Era “um diabo” - (Jo 6.70)

      Satanás necessita de um parceiro, de um sócio, não pode fazer nada sozinho. Judas deu lugar e foi usado, foi seu parceiro:

      “Estava sendo servido o jantar, e O DIABO JÁ HAVIA INDUZIDO JUDAS ISCARIOTES, filho de Simão, a trair Jesus “João 13:2.

      “E, orando, disseram: tu, Senhor, conhecedor dos corações de todos, mostra qual destes dois tens escolhido, para que tome parte neste ministério e apostolado, DE QUE JUDAS SE DESVIOU para ir para o seu próprio lugar”. Atos 1.24 e 25.

      Não existe essa de uma vez salvo sempre salvo, Deus escolheu uns para salvar e outros para condenar, Deus criou o pecado e inseriu no DNA de Adão e Eva. Heresia, erro ou engano, tanto faz, levam ao inferno igualmente.

      Para finalizar o meu ex-adverso cita I João 2:19: “Saíram de nós, mas não eram de nós; porque, se fossem de nós, ficariam conosco; mas isto é para que se manifestasse que não são todos de nós”.

      A exegese é muito simples, isso fala daqueles que se desviaram da fé verdadeira, abandonaram a Igreja de Cristo e viraram enganadores dos crentes.

      Eram aparentemente cristãos porque não quiserem permanecer na doutrina dos apóstolos, veja os versos 24-26 desse mesmo capítulo 2:
      “Portanto, o que desde o princípio ouvistes PERMANEÇA em vós. SE em vós permanecer o que desde o princípio ouvistes, também permanecereis no Filho e no Pai. E esta é a promessa que ele nos fez: a vida eterna. Estas coisas vos escrevi acerca dos que vos enganam”. (grifei).

      Ora, João fala daqueles que no meio da Igreja apostataram da fé e daí não tem jeito, só pode apostatar quem pertencia a Igreja ora essa. Mais ainda, se João instou aos crentes a permanecerem na doutrina apostólica é porque poderiam deixar de permanecer e até apostatarem a exemplos daqueles que os estava a enganar; pior, João condicionou a permanência na doutrina dos apóstolos à aquisição da vida eterna. E daí não tem jeito: e a predestinação?

      Se permanecer na doutrina diz com livre arbítrio! Onde entra a predestinação aí? Resposta: não entra.

      Aparentemente Cristão, em termos gerais, diz com falta de firmeza na fé, diz com uma fé nominal e sem conteúdo, um cristão de nome e não de fato, diz com uma semente que não germinou, e do ponto de vista especifico do texto bíblico em comento diz com uma recusa à sã doutrina, diz com carnalidade, aliás, um dos frutos da carne é a heresia, diz com aqueles estavam conosco mas não eram de nós porque não desejaram permanecer na sã doutrina dos apóstolos porque se fossem de nós, teriam permanecido na doutrina apostólica, ora essa. A predestinação não passa nem longe daqui! Não há fatalismo algum aqui meu Deus do céu.

      Aliás, aliás, Calvino estava conosco mas não era de nós porque se fosse teria permanecido na doutrina apostólica e não se transformado em um apóstata, em um enganador dos cristãos.

      Por fim, para encerrar Judas, não é ocioso memorar o escritor de Atos a respeito do traidor:

      “E, orando, disseram: tu, Senhor, conhecedor dos corações de todos, mostra qual destes dois tens escolhido, para que tome parte neste ministério e apostolado, DE QUE JUDAS SE DESVIOU para ir para o seu próprio lugar”. Atos 1.24 e 25.

      Libertas vera est, Christo Servire.

      Agostinho Antialienação.

      Excluir
    28. Bom, caro Agostinho, já reparei que além de citar Calvino fora de contexto você também confunde algumas passagens bíblicas e as cita fora de contexto. Obviamente, João escreveu àqueles crentes para que eles soubessem que tinham a vida eterna (1João 5:13). Pode algo eterno ser passageiro? É claro que há sempre o encorajamento para a permanência. Mas isso não é sinônimo de insegurança. Jesus não poderia ser morto pelo decreto que ordenava a matança de crianças. Mas ainda assim foi feita a advertência para que José e Maria saíssem da cidade (Mateus 2:13). Outros exemplos de advertências compatíveis com a soberania poderiam ser citados.

      Excluir
  27. Agostinho,

    "Nihil est effectu quod non sit in causa. Não há efeito que não esteja na causa."

    A vontade permissiva de Deus, não é inerente aos atributos de Deus.

    Porque? Antes de haver a criação, Deus existia sem precisar de nada.

    Se Deus, necessitasse de alguma coisa, ele seria dependente de sua criação! Mas ele, não tinha necessidade de criar. Se assim, o fosse, Deus seria dependente de sua criação!

    Quando você começa a investigar as escrituras, vai chegar à conclusão, de que não existe vontade permissiva de Deus.

    Isto, é um artifício para entendermos como Deus age, dentro dos padrões de comportamento dos seres humanos.

    Se Deus, permanecesse dentro de sua transcendência, não haveria como ele se comunicar conosco.

    Você, em sua análise, tem sido, talvez, sem saber, vitíma da psicologia!

    Você, não está enxergando o Deus da Bíblia!

    Você, mencionou Charles Finney, que foi um Calvinista - Reavivalista, mas não deixou de crer na predestinação.

    Eu li, todos os sermões de Finney, e ele nunca deixou de crer na predestinação.

    A vontade permissiva de Deus, não pertence aos seus atributos, ou suas qualidades inerentes.

    Você imagine, Deus, tendo como um de seus atributos, a vontade permissiva! Seria um "deus" imperfeito.

    Você disse: "Tanto a vontade permissiva é inerente à Soberania de Deus......"

    Como um ser perfeitíssimo, terá em sua natureza, uma vontade que não seja, a perfeita?

    Isto, seria uma violação à transcendência de Deus, e desconstruiria a ontologia de Deus, levando-nos ao ateísmo

    Por isso, que na constituição de Westminster, as perfeições de Deus, são preservadas.

    O homem, é que foi criado à imago Dei, não o inverso.

    Além do mais, nós estamos tratando, não de Adão, mas do "Adão após a Queda.

    Você disse:...."tudo, tudo, tudo se deu sob a VONTADE PERMISSIVA DE DEUS; não fosse assim a rebelião não teria ocorrido jamais, ou seja, se dependesse apenas da Vontade Perfeita de Deus ela sequer teria acontecido!"

    Resposta: A Queda, se deu pela vontade perfeita de Deus, não pela permissiva!

    Pense! Se a Queda tivesse ocorrido pela "vontade permissiva de Deus", o Altíssimo seria o promotor do pecado, porque teria PERMITIDO, (vontade permissiva), a Queda do ser humano!

    Tem sentido isso?


    Depois você disse: "CALVINO:
    (In “ As Institutas” Vol 3, p. 37-46, especificamente nos tópicos ‘6. Definição de termos’ e ‘8. Sumário Certo e Seguro’...):
    “Denominamos predestinação o conselho eterno de Deus pelo qual ele determinou o que deveria fazer COM CADA (sic) ser humano. Porque ele não criou todos em igual condição, mas ordenou UNS PARA VIDA ETERNA e OS DEMAIS PARA A CONDENAÇÃO ETERNA (sic). Assim, CONFORME A FINALIDADE (sic) para a qual o homem foi criado, dizemos que FOI (sic) predestinado para a vida ou para a morte”.

    Epa! E o “O homem se perde, porque rejeita o Evangelho. Ele usa de seu livre arbítrio, para não crer na salvação quando esta lhe é oferecida”. (?).

    Quem tem razão afinal? Você ou Calvino? As duas premissas não se harmonizam jamais!

    Resposta: O homem, em seu estado pecaminoso, após a Queda, continua com seu livre arbítrio, porque foi criado "à imagem de Deus, e rejeita o evangelho usando de seu livre arbítrio.

    Ele, o homem, está em sua "condição natural", ( que se tornou ontológica, por causa do pecado), e não tem como retornar ao paraíso, de onde foi expulso.

    O pecado, tornou-se ontológico, e não acidental! O pecado, não é uma pedra no meio do caminho, mas incorpora-se à própria natureza humana em seu colapso!

    Prossegue......

    ResponderExcluir
  28. Depois você disse, citando Westminster: "II. Esta vocação eficaz é só da livre e especial graça de Deus e não provem de qualquer coisa prevista no homem; NA VOCAÇÃO O HOMEM É INTEIRAMENTE PASSIVO (sic), até que, vivificado e renovado pelo Espírito Santo, fica habilitado a corresponder a ela e a receber a graça nela oferecida e comunicada”.

    Epa! E como é que fica o que você disse: ““É óbvio que o homem tem livre arbítrio. A doutrina da eleição, em nenhum momento nega isto. O homem se perde, porque rejeita o Evangelho. Ele usa de seu livre arbítrio, para não crer na salvação quando esta lhe é oferecida”.?????

    Mas como? Se, sobretudo, esclarece a “Confissão”, no inciso II, que ‘NA VOCAÇÃO O HOMEM É INTEIRAMENTE PASSIVO..’?????

    Resposta: É claro que na vocação, o homem é "inteiramente passivo." Porque? É que na eleição, o predestinado NÃO EXISTE como acidente, ou seja, como criatura!

    Ele, (o ser humano), NÃO TEM COMO DECIDIR O SEU DESTINO!

    Você disse, ( citando o que eu falei), : Epa! E como é que fica o que você disse: ““É óbvio que o homem tem livre arbítrio. A doutrina da eleição, em nenhum momento nega isto. O homem se perde, porque rejeita o Evangelho. Ele usa de seu livre arbítrio, para não crer na salvação quando esta lhe é oferecida”.?????

    Resposta: Eu falei do homem em seu estado pecaminoso, depois da Queda. Ele continua com seu livre arbítrio para rejeitar o evangelho.

    Eu não falei do eleito. O homem que rejeita o evangelho, continua NO MESMO ESTADO NATURAL APÓS A QUEDA.

    Daí, você disse:
    "Mas como? Se, sobretudo, esclarece a “Confissão”, no inciso II, que ‘NA VOCAÇÃO O HOMEM É INTEIRAMENTE PASSIVO..’?????

    Afinal quem tem razão? Você ou o credo ‘reformado’ de Westminster?

    Agora, cá para nós: ‘Confissão’ ou ‘Confusão’ de Westminster?"

    Resposta: Na "vocação", o homem é inteiramente passivo!

    Leia Romanos 11:29!

    Na "vocação", o homem ainda NÃO EXISTE, mas apenas na mente de Deus.

    Depois você cita Westminster:

    "CONFISSÃO DE FÉ DE WESTMINSTER:

    ‘CAPÍTULO X – DA VOCAÇÃO EFICAZ’

    "III. As crianças que morrem na infância, SENDO (condição, desde-de-que - sic) ELEITAS, são regeneradas e por Cristo salvas, por meio do Espírito, que opera quando, onde e como quer, Do mesmo modo são salvas todas as OUTRAS PESSOAS INCAPAZES (sic) de serem exteriormente chamadas pelo ministério da palavra.

    CALVINO:

    “Os pequeninos QUE (condição- sic) recebem o sinal da regeneração e da renovação, se passam deste mundo antes de chegarem à idade da razão, CASO TENHAM SIDO ESCOLHIDOS (BARBARIDADE - sic!) pelo Senhor, são regenerados e renovados pelo seu Espírito, como lhe apraz, segundo o seu poder, para nós oculto e incompreensível” (As Institutas, Vol. III. p.11)."

    Lhe pergunto: ONDE está a contradição?

    "todas as OUTRAS PESSOAS INCAPAZES (sic) de serem exteriormente chamadas pelo ministério da palavra.

    Eu li, TODA a obra de Jean Calvin, quando tinha 15 anos!

    "Todas as pessoas incapazes, são os eleitos, até ´porque, retardados mentais, ou gênios, estão mortos, assim como seu pai, Adão, e precisam ser vivificados pelo Espírito, para ouvir, (entender), o evangelho.

    Quanto aos deficientes mentais, o julgamento pertence a Deus. Atos 17:31.

    Como um homem pecador, vai entrar nesta seara?

    Ele tem alguma autoridade?

    Ou vai correr para o espiritismo?

    Você disse: “I. Todos aqueles que DEUS PREDESTINOU PARA A VIDA (sic), E SÓ ESSES (sic), é ele servido, no tempo por ele determinado e aceito, CHAMAR EFICAZMENTE PELA SUA PALAVRA E PELO SEU ESPÍRITO, TIRANDO-OS POR JESUS CRISTO DAQUELE ESTADO DE PECADO E MORTE EM QUE ESTÃO POR NATUREZA (sic), e transpondo-os para a graça e salvação. Isto ele o faz, iluminando os seus entendimentos....

    Amanhã continua...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu vou fazer só um adendo.

      Nós, que cremos na doutrina da eleição, cremos que quando o ÚLTIMO eleito for chamado, o fim vem.

      Os que não creem na eleição, com seu composto, a predestinação, tem que lidar com uma coisa;

      O que é?

      Deus, sendo onisciente, sabe quem iria acreditar no evangelho, e também quem não iria.

      Agora, pense: Se Deus sabe quem vai crer, e quem não vai crer, ele tem de dar oportunidade a todas as pessoas que ele sabe que vão crer.

      Estas pessoas que vão crer, podem nascer em 2100, 2500 etc, e assim o fim do mundo NUNCA VAI CHEGAR, porque Deus, dentro da ótica arminiana, tem de oportunizar a salvação PARA TODOS OS QUE IRÃO CRER NO EVANGELHO!

      O calvinismo, não tem este problema.

      Então, vocês que não creem na predestinação, não podem crer no julgamento final, porque TODAS as pessoas que irão nascer, MERECEM OUVIR O EVANGELHO!

      Compreendevu?

      Excluir
  29. Como eu estava dizendo....se Deus sabe que pessoas irão crer, (a expressão "aceitar Jesus", não existe no N.T.), no evangelho, lá pelo ano 2100, e traz o julgamento final ANTES destas pessoas nascerem, ele não estará sendo justo com elas, já que de acordo com o arminianismo, a eleição de Deus é baseada em sua presciência, (não em si mesmo, como no calvinismo), ou visão dirigida ao futuro, no caso, fora de si mesmo.

    O pré-conhecimento de Deus com relação aos seus eleitos, é baseado na crença destes no evangelho, ou seja, o sujeito "torna-se" filho de Deus, porque creu, diferente do calvinismo, o qual ensina que é porque o sujeito "é" filho de Deus, por eleição, que ele cre no evangelho.

    Então, se Deus sabe que pessoas irão nascer no ano 2100, e crerão no evangelho, e abrevia o tempo, não permitindo que elas desfrutem da vida eterna, a qual lhes seria outorgada, ele, como todo-poderoso, seria injusto com elas.

    No calvinismo, não! Deus já tem os seus eleitos, que ele pré-conheceu em si mesmo, e não por causas da crença destes no evangelho, (mas é claro que eles crerão).

    Quando o último eleito entrar no redil, pelo novo nascimento, o fim virá. Neste caso, não há injustiça da parte de Deus, já que somente os que ele pré-conheceu, ele justificou e glorificou!

    Você citou: Epa! Em primeiro lugar, esqueça isso: “Jesus, porém, disse: Deixai as crianças, e não os estorveis de vir a mim; porque dos tais é o reino dos céus”. Mt 19,14. “E disseram-lhe: Ouves o que estes dizem? E Jesus lhes disse: Sim; nunca lestes: Pela boca dos meninos e das criancinhas de peito tiraste o perfeito louvor?” Mt 21,16.

    Jesus estava utilizando as criancinhas "pequenas", como uma analogia à pureza e inteireza de coração, na crença do evangelho. Isto foi dito dentro do ministério de Jesus, entre seu povo, eram crianças israelenses. Jo.1:11; Rm.15:8.

    Se lembra como o Senhor Jesus reagiu ao pedido da mulher siro-fenícia? Ele respondeu: "Não se deve dar o pão DOS FILHOS, para os cachorrinhos, (de estimação)." A mulher, pela sua fé responde, e "ganha" de Jesus: "...até mesmo os cachorrinhos comem das migalhas, (bençãos espirituais), que caem da mesa, (Céu), de seu Senhor, (Deus, YHWH).

    Agora, o povo de Israel, estava no pacto, desde o tempo do patriarca Abraão, o genitor do povo de Israel. Os pagãos, idólatras, estavam fora do pacto.

    Posso lhe mostrar um exemplo. Está em 1 Samuel 15; você pode ler todo o capítulo. Nos versículos 2-3, deste capítulo está:

    2. Assim diz o Senhor dos Exércitos: "Castigarei os amalequitas pelo que fizeram a Israel, atacando-o quando saía do Egito. 3. Agora vão, ataquem os amalequitas e consagrem ao Senhor para destruição tudo o que lhes pertence. Não os poupem; matem homens, mulheres, CRIANÇAS, RECÉM-NASCIDOS, bois....."

    O que você acha? Estas crianças se salvaram?

    Na Bíblia tem aquilo que a gente gosta, mas também o que não gosta. `Deus esperou 400 anos para que os amalequitas se arrependessem, mesmo sabendo que não iriam, (ver o caso de Caim).

    Este assunto de crianças, é nebuloso, mas o supremo Juíz é quem sabe o que fará com as suas criaturas, não nós.

    Procurar qualquer resposta sobre este assunto, é chover no molhado; o melhor, se cremos na Bíblia, é acatar as decisões divinas, que são justas e perfeitas, ainda que a curto e médio prazos pareça que não.

    Você disse: "Agora, comungar com a crença de que crianças, da mais tenra idade, irão para o inferno porque Deus elegeu uns para o inferno e outros para o céu seria assim, para os calvinistas/fatalistas o ápice da ortodoxia e exegese pura da Bíblia!!!"

    Leia 1 Samuel 15, de novo. Ah!, existem outras passagens semelhantes a esta de 1 Samuel 15, quando o povo de Israel estava tomando posse da terra prometida. É verdade que estes povos todos, estavam afundados na mais baixa idolatria e prostituição cultual; suas crianças eram oferecidas aos ídolos ou consagradas a eles, o que as tornava impuras.

    Prossegue.....

    ResponderExcluir
  30. Uma das nuanças mais, digamos, "emocionante"(sic) nos escritos do francês Jean Cauvin (o popular João Calvino) é quando ele descreve o homem "na essência", declarando ser ele (O HOMEM) como um CAVALO QUE PODE SER MONTADO POR DEUS OU PELO DIABO... Essa "poesia" está lançada no livro conhecido (pouquíssimo lido) como 'Institutas da Religião Cristã' ou 'Institutas'.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado José Rubens, tal expressão equina de Sir Calvino faz lembrar-me de algumas seitas de origem africana, onde o CAVALO geralmente é o médium, quando em transe recebe ou incorpora o tal "cabloclo", ou o "espírito guia" e assim vai. A diferença entre o calvinismo e tais seitas é que aquele vem disfarçado de anjo de luz no meio da cristandade.

      Excluir
  31. João Calvino, no desenrolar de seu livro 'Institutas', oscila repetidamente entre livre-arbítrio ABSOLUTAMENTE INEXISTENTE e livre-arbítrio PARCIALMENTE EXISTENTE ou PARCIALMENTE INEXISTENTE; merecendo destaque o fato inegável de que sua doutrinação predestinacionista representa paráfrase confessada dos apontamentos produzidos por um padre romanista de nome Agostinho (de Hipona).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim sim, é verdade; mas o que você chama de paráfrase, para mim trata-se de um plágio bastante grosseiro, rudimentar mesmo, das obras do bispo de Hipona feito por Sir Calvino.

      Excluir
  32. Se me permitem mais um "arranhão", João Calvino não hesita em proclamar que todas, TODAS, esse e aquele, qualquer ser humano, de qualquer idade ou condição, nascido ou não nascido, já tem sua eternidade PRÉ-tracejada, isto é, imutavelmente desaguará ou no indizível CÉU ou no recôndito do horrendo INFERNO. E Calvino, obviamente, explícita e expressamente, nisso inclui crianças de qualquer idade, ou mesmo crianças não nascidas, ou ainda crianças no ventre materno. Todavia, por outro lado, o mesmo João Calvino escreve em seu livro 'Institutas' que: "Entretanto, seja como for, tenhamos por certo que o Senhor não leva desta vida a nenhum de seus eleitos sem que primeiro seja santificado e regenerado por seu Espírito." (vol. IV, pág. 327). Daí, surgem inevitáveis considerações, como, por exemplo: Quer dizer, então, que se uma criança com 20 MINUTOS de vida ou de existência pós-parto morrer "ter-se-á por certo" que essa criança passou por prévia santificação e regeneração pelo Espírito do Filho de Deus?! E de que modo se poderia saber que uma criança recém-nascida ou mesmo natimorta fora santificada e regenerada pelo Espírito de Deus antes de morrer? Quais seriam os "sinais" evidenciadores dessa, digamos, salvação da alma? Em que se diferenciariam crianças SANTIFICADAS/REGENERADAS (irresistivelmente salvas) daquelas crianças RÉPROBAS/CONDENADAS/REJEITADAS (inteiramente inescusáveis por sua perdição eterna)?

    ResponderExcluir
  33. Observar-se-á, pois, que o gaulês João Calvino parece admitir ou pactuar com uma espécie de ELEIÇÃO FRACIONADA ou POR ETAPAS, na medida em que ele próprio apregoa serem necessárias a santificação e a regeneração dos escolhidos NESTA VIDA... Ora, se isso se dá NESTA VIDA, significa que NÃO SE DEU DESDE A ETERNIDADE, ANTES DA FUNDAÇÃO DO MUNDO!!??

    ResponderExcluir
  34. Sim é verdade, muito bem observado, trata-se de uma lógica em que dois mais dois são cinco, vinte e nove, duzentos e doze, quarenta e sete;menos quatro.

    ResponderExcluir