terça-feira, 10 de janeiro de 2012

João Calvino e o caso Serveto

"O caso Serveto é constrangedor para os calvinistas. Foi uma mancha
que poderia ter sido evitada na biografia do grande reformador. O que eu
posso dizer é o seguinte:

1. Por negar a doutrina da Trindade e outras idéias, Serveto havia sido
condenado à morte pela Inquisição em Lyons, no sul da França, mas conseguiu
fugir.

2. Ele foi para Genebra sabendo que Calvin, a igreja reformada e as
autoridades civis discordavam totalmente das suas idéias não-ortodoxas.

3. Ele foi julgado e condenado à morte pelas autoridades civis de Genebra,
onde a heresia, como em quase toda a Europa, era considerada um crime grave
(não apenas um pecado), sendo passível de execução.

4. Calvino teve uma participação óbvia no caso, como a principal testemunha
de acusação. Todavia, nessa época o reformador tinha um relacionamento tenso
com as autoridades. Por isso, quando ele pediu que a execução fosse por
decapitação, e não pela fogueira, seu pedido não foi atendido.

5. Temos de reconhecer que Calvino errou nesse episódio; ele não era
obrigado a seguir essa prática injusta do seu tempo. Os reformados
reconheceram isso em 1903, erguendo um monumento em que lamentaram esse erro
do seu líder.

6. Devemos reafirmar o nosso compromisso com a tolerância e a liberdade de
pensamento, expressão e religião; ninguém deve ser perseguido, torturado ou
morto por causa das suas idéias, por mais que não concordemos com elas.

7. Todavia, é injusto, em razão do caso Serveto, esquecer todas as
contribuições positivas de Calvino como reformador, líder eclesiástico,
teólogo e escritor fecundo e influente.

8. Também erram as pessoas que ficam lembrando esse caso, mas
convenientemente se esquecem de que na mesma época a Inquisição e as guerras
religiosas contra os protestantes estavam fazendo centenas ou mesmo milhares
de vítimas (de 10 a 20 mil protestantes foram massacrados no infame Dia de
São Bartolomeu, 24 de agosto de 1572)."

 Alderi Souza de Matos: Recebido por e-mail.

9 comentários:

  1. Não sou calvinista mas concordo plenamente com os pontos apresentados! Uma coisa não prejudica a outra se não há uma relação direta!

    Igual injustiça histórica é cometida contra Lutero que, apesar do mesmo desconfiar do texto de Tiago, isso não queria dizer que Lutero não acreditava na Bíblia!

    Creio que sectários desonestos levantam esses argumentos isolados para descredibilizar todo um trabalho, mas uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa - e é sempre assim!

    Abraços
    Orlando
    souteologico.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. concordo contigo irmao Orlando.

      Excluir
    2. Você disse que Lutero "desconfiava do Livro de Tiago"(sic). Meu amigo, Lutero NEGOU, SIM, A BÍBLIA, explicitamente. Sugiro que você leia o livro escrito por esse cidadão antissemita, intitulado "ON THE JEWS AND THEIR LIES", disponível para download no formato PDF na rede mundial. Mas previna-se com remédios estomacais para evitar vômitos incontidos. Ninguém divulga isso! Todos os que defendem a tal "Reforma" ocultam isso! Parem com isso! MANEJEM A VERDADE, APENAS A VERDADE! Parem de idolatrar pessoas!

      Excluir
  2. "Também erram as pessoas que ficam lembrando esse caso"

    "Creio que sectários desonestos levantam esses argumentos isolados para descredibilizar todo um trabalho, mas uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa - e é sempre assim!"

    kkkkkkkkkkkkkk Vocês querem abafar o caso, para assim futuramente deixar essa história adormecida e poderem se proclamar a religião verdadeira, o caso deve ser lembrado sim! Que história é essa de esquecer isso? Eu em... Parecem a Igreja Romana abafando a o Tribunal do Santo Ofício.

    Pelo amor de Deus, é claro que Calvino foi muito importante para a reforma, mas esquecer que ele foi assassino indireto de Miguel Servet é um grandessíssimo absurdo!

    http://verdadesnareligiao.blogspot.com/2011/06/joao-calvino-um-herege-hipocrita.html

    ResponderExcluir
  3. Ué Charles, é vc mesmo?

    Sumiu e voltou... e com a fúria de sempre... tinha desanimado de defender o adventismo, depois se reanimou de novo? Tinha se desviado de lá tb? ou não é vc...

    ResponderExcluir
  4. Pessoal, estou postando em todo artigo que houve comentários, então...
    http://mcapologetico.blogspot.com/2012/03/como-fazer-um-bom-debate.html

    São as novas regras de debate do MCA para melhorar as discussões.

    ResponderExcluir
  5. O maçom João Calvino ordenou a prisão e o assassinato bárbaro de Miguel Serveto. Isso é um fato histórico incontestável, exceto quando se consultam fontes maquiadoras. O próprio livro escrito por esse huguenote ("Institutas") contém farto material que explicita a ira esquisita por ele cultivada gratuitamente contra o cristão Miguel Serveto. Maldade não tem época, malignidade não é modismo, impiedade não sofre mutações "evolucionistas" ao longo do tempo ou em função de eras. Amar significa sempre AMAR e odiar significa sempre ODIAR, independentemente do tempo em que se vive. A propósito, transcrevo a seguir uma pequeníssima amostra extraída da versão em inglês do citado livro do maçom Calvino: "It is truly unfortunate that these sound sentiments were not heeded by Calvin himself, when, exactly six years before this definitive edition of 1559 was published, he asked the councils of Geneva to arrest the heretic Michael Servetus, brought charges against him, carried on the debate to prove that his heresy was threatening the Church of Christ, and approved of the verdict to put him to death (although he urged beheading instead of burning at the stake). Calvin even wrote a small book defending the death sentence upon Servetus. Today there is a monument on Champel, the hill upon which Servetus perished in the flames. It was erected on the 350th anniversary of the execution, by followers of Calvin. The inscription reads: As reverent and grateful sons of Calvin, our great Reformer, repudiating his mistake, which was the mistake of his age, and according to the true principles of the Reformation and the Gospel, holding fast to freedom of conscience, we erect this monument of reconciliation on this 27th of October 1903." (Nota de Rodapé, pág. 967)

    ResponderExcluir
  6. E mais: Observem o caráter ABSOLUTAMENTE ridículo da inscrição no monumento a Miguel Serveto, quando seus patrocinadores se identificam como "...reverent and grateful sons of Calvin, our great Reformer" ("reverentes(sic) e gratos(sic) filhos(sic) de Calvino, nosso grande reformador"). Isso é DEPRIMENTE!!

    ResponderExcluir