quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Para onde vão as almas das pessoas que morreram?

"Para onde vão as almas das pessoas que morreram? Ao longo da História várias possibilidades têm sido levantadas.

Classicamente, o cristianismo  tem defendido que, após a morte, enquanto o corpo vai para a sepultura, o espírito vai para o chamado "Estado Intermediário". Esse local diz respeito a onde estão, por um lado, os que foram salvos em Cristo, no caso do céu, e por outro, os que foram condenados por seus pecados, no caso o inferno. Surgiram outras interpretações. Testemunhas de Jeová e Adventistas defendem o chamado "sono da alma", ou seja, que todas as almas, quer de ímpios quer de crentes ficam dormindo até o dia da ressurreição.

Os Católicos sustentam que as almas ficam num local de "purgação", podendo entrar no céu, depois que tiverem feito satisfação por seus pecados. E os Espíritas dizem que é possível até mesmo se comunicar com as almas dos mortos.

O "sono" da alma é defendido por muitos por causa de expressões usadas no Novo Testamento, como por exemplo, o fato de Jesus ter dito que Lázaro dormia, significando que estava morto (Jo 11.11,14; Ver Mt 9.24; At 7.60; 1Co 15.51; 1Ts 4.13-14). Apela-se também para aqueles textos do Antigo Testamento que descrevem a morte como um estado de inatividade (Ver Sl 6.5; 115.17; 146.4; Dn 12.2). Porém, esses textos descrevem o morto apenas do ponto de vista humano. Além do mais, o que está sendo enfatizado nestes textos é o destino do corpo das pessoas e não da alma.

Há suficiente ensino na Escritura, especialmente por causa do Novo Testamento, para que entendamos para onde a alma vai depois da morte. Jesus contou uma parábola (as parábolas são compostas de elementos reais) em que há explicações suficientes sobre o lugar das almas depois da morte (Lc 16.19-31). Lázaro foi para o seio de Abraão e o rico para o inferno. Eles permaneceram num estado consciente, um está no lugar de punição e o outro no lugar de recompensa, e não há possibilidade de saírem de onde estão. Essa parábola elimina tanto a questão do sono da alma quanto do purgatório. Depois da morte as almas dos salvos vão para o paraíso, enquanto que as almas dos perdidos vão para o inferno. Só existem esses dois lugares e quem foi para um deles não pode mais sair. O Espiritismo também leva um golpe decisivo, pois os mortos não são autorizados a voltarem. E finalmente, Jesus deixa bem claro que o anúncio da salvação somente é possível através da Bíblia (Lc 16.31).

Há muitos outros textos que demonstram o estado consciente dos crentes após a morte. Jesus disse ao ladrão que se converteu na cruz: "Hoje estarás comigo no paraíso" (Lc 23.43). Embora os Testemunhas de Jeová tenham até mesmo mudado a tradução desta frase (para: em verdade te digo hoje, estarás comigo no Paraíso), todo o sentido da frase de Jesus depende do "hoje", pois o ladrão pediu que Jesus lembrasse dele no futuro, e Jesus disse que não seria preciso esperar. Outro texto claro, nesse sentido, é o da cena da transfiguração, em que Moisés e Elias foram vistos conversando com Jesus (Mt 17.1-8). Eles não estavam dormindo. Paulo também dizia que o cristão, após a morte estaria imediatamente na presença do Senhor (Fp 1.21-23). Ele disse que ao deixar o corpo, o crente passa a habitar com o Senhor (2Co 5.6-8). E ele sabia do que estava falando, pois esteve pessoalmente no paraíso (2Co 12.4). Há mais dois textos da Escritura que demonstram claramente que as almas dos salvos estão no céu e num estado de consciência diante de Deus. Em Apocalipse 6.9-11, e Apocalipse 7.14-15, João viu as almas dos crentes mortos no céu. Elas estão lá conscientes, descansando e esperando o último dia. Não faz sentido pensar que estivessem dormindo na sepultura.

As almas dos que já morreram estão no céu ou no inferno, e estão lá conscientes. Um dado interessante quanto a isso, é que elas estão nesses dois lugares temporariamente. O estado em que estão as almas depois da morte, seja o céu ou o inferno, é chamado de intermediário porque não corresponde ao local definitivo onde, tanto os salvos quanto os condenados, habitarão eternamente. As almas dos salvos no céu e as almas dos condenados no inferno aguardam pelo último dia, o dia da ressurreição. Naquele dia, de acordo com a Bíblia, todos ressuscitarão (Dn 12.2; Ver 1Co 15.52; 1Ts 4.16). Após a ressurreição os perdidos que estavam no inferno irão para o lago de fogo (Ap 20.15), e os salvos que estavam no céu para o novo céu e a nova terra (Ap 21.1). O motivo é simples: Deus não criou o ser humano para viver sem corpo. Atualmente, tanto no céu como no inferno, as almas estão despidas de seus corpos, o futuro lhes assegura que um dia se reunirão a seus corpos.

Para o crente, a doutrina bíblica do Estado Intermediário é uma grande benção. Ela nos assegura que o crente não precisará ficar dormindo, esperando pelo consolo. Ele não precisará esperar o dia em que o Senhor voltar no seu reino para desfrutar das recompensas, pois já estará naquele mesmo dia no paraíso com o Senhor. Para o perdido, por outro lado, a doutrina do Estado Intermediário é a certeza de que seus pecados não passarão impunes. É a certeza de que a justiça pode parecer demorada, mas não falhará. As pessoas que não querem compromisso com Deus imaginam que o túmulo seja o fim de tudo, mas terão uma surpresa terrível quando perceberem que estavam enganadas. A doutrina do Estado Intermediário demonstra que a salvação é possível apenas nessa vida. Isso demonstra a importância central do evangelho, a necessidade de conhecê-lo plenamente e proclamá-lo urgentemente."

Por Rev. Leandro Lima
- Sobre o autor: Rev. Leandro Antônio de Lima é pastor da Igreja Presbiteriana de Santo Amaro/SP, e membro do conselho editorial do Jornal Brasil Presbiteriano.

231 comentários:

  1. Discordo completamente dessa sua tese.
    A morte é um sono sim. Vc deturpou as escrituras...
    Entenda o seguinta:
    O salário do pecado é a morte. Mas Deus, o único que é imortal, concederá vida eterna a Seus remidos. Até aquele dia, a morte é um estado inconsciente para todas as pessoas. Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, os justos ressuscitados e os justos vivos serão glorificados e arrebatados para o encontro de seu Senhor. A segunda ressurreição, a ressurreição dos ímpios ocorrerá 1000 anos mais tarde.
    Veja: I Timoteo 6:15 e 16; Romanos 6;23; I Cor. 15:51-54; Eclesiastes 9:5 e 6; Salmos 146:4; I Tessalonicenses 4:13-17; Romanos 8:35-39; João 5:28 e 29; Apocalipse 20:1-10; João 5:24 |

    Sobre o ladrão, Jesus não foi ao paraíso na sua morte por isso o ladrão não foi naquele dia. Jesus ficou na sepultura durante o sábado e no domingo ressuscitou. O ladrão irá ao paraíso por ocasião da volta de Cristo com todos os salvos ressuscitados.
    Moisés e Elias apareceram para o Mestre porque Elias tinha sido levado vivo para o céu e Moisés havia ressuscitado. Quanto a parábola do Rico e Lázaro, pergunto: pode haver diálogo entre perdidos e salvos? Essa história é ilustrativa para mostrar que após a morte não há mais oportunidade para salvação. Se continuar me abrindo espaço nesse seu site te mando mais argumentos bíblicos dessa doutrina!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alessandro, o NT ensina o estado intermediário. E o tormento eterno.

      Excluir
    2. dormir e utilizado como sinonimo para a morte, e não perda da consciência da alma.
      e o salmo 146:4, fala da memoria aqui na terra.
      JOÃO 11:
      11 Assim falou; e depois disse-lhes: Lázaro, o nosso amigo, dorme, mas vou despertá-lo do sono.
      12 Disseram, pois, os seus discípulos: Senhor, se dorme, estará salvo.
      13 Mas Jesus dizia isto da sua morte; eles, porém, cuidavam que falava do repouso do sono.
      14 Então Jesus disse-lhes claramente: Lázaro está morto;

      Excluir
    3. Ap 6
      11 E foram dadas a cada um compridas vestes brancas e foi-lhes dito que repousassem ainda um pouco de tempo, até que também se completasse o número de seus conservos e seus irmãos, que haviam de ser mortos como eles foram

      Excluir
    4. muito bem caro amigo alessandro. essa é a verdade que eles não querem ver. não adianta irmão , mesmo o proprio cristo em carne e osso falasse essas verdades eles não aceitariam estão cegos de discenimento é isso.

      Excluir
    5. Olá irmão Luciano Sena, a paz do Senhor!

      Aonde encontramos no NT o grego do "estado intermediário"?

      Um forte abraço e fique com Deus!

      Excluir
  2. Alessandro César Monteiro Santos. Eu quero o texto que Moisés ressucitou para a vida eterna antes de Cristo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deuteronômio 34:6 e 7 diz que Moisés morreu e o próprio Deus o sepultou num vale que ninguém até hoje encontrou.
      Se não encontrou é porque foi ressuscitado.
      Em Mateus 17:3 diz que Moisés aparece pra Cristo e conversa com ele. Para que Moisés viesse conversar com o Senhor, tinha que está vivo no céu. Elias foi levado vivo para o céu(2 Reis 1:11). Não tem lugar para vida após a morte no NT, isso é doutrina espírita. Jesus afirmou que só receberemos a recompensa na Sua volta(veja João 5:28 e 29). No caso de Moisés e Elias foi um caso especial!
      Em Judas verso 9 é dito que o diabo disputava o corpo de Moisés. Naquele momento em que Jesus foi ressuscitar Moisés o diabo se atreveu a ter direito sobre o servo de Deus.
      Quando Paulo diz que Cristo é primícia dos que dormem(1 coríntios 15:23), fala com respeito da importância da ressurreição; lembrando que muitos ressuscitaram antes de Cristo. Veja os versos que comprovam a doutrina do sono na morte: Atos 2:34; 1 Coríntios 15:51 a 56; 1 Tessalonicenses 4:13 a 18; Apocalipse 20:6 e outros.

      Excluir
    2. Alessandro, eu quero a escritura onde afirma que Moisés ressucitou para a vida eterna antes de Cristo. O caminho ao céu, foi aberto por Jesus. O povo do antigo testamento estava debaixo do sacrificio de animais. Sem nós, eles não seriam aperfeiçoados, ou seja, teriam acesso as promessas celestiais. Se alguém subisse ao céu, debaixo do sangue de animais iria ser imediatamente FUZILADO!!!! Isto é doutrina espírita só poque VOCÊ quer. O espiritismo Nega o sacrificío e ressurreição de Cristo. Você NÃO tem escritura. Judas 9, diz que o arcanjo Miguel contendia com Satanás, porque este reclamava o corpo de Moisés, já que ele detinha as chaves da morte e do sheol (inferno). Sem escritura, você NÃO provou NADA! É chute, velho! O primeiro a ressucitar para a vida eterna foi o Senhor Jesus! Me prove o contrário! Onde é que diz em Judas 9 que Jesus foi "resssucitar" Moisés? Ou você acredita que Jesus é o arcanjo Miguel? Vai ter que provar também!

      Excluir
    3. Ou vc é muito fraco na bíblia ou usa de maldade para enganar as pessoas.
      Já te provei que Moisés ressuscitou e subiu ao céu. Diga-me por exemplo onde foi parar o corpo do profeta?
      Moisés, sobre o monte da transfiguração, era um testemunho
      da vitória de Cristo sobre o pecado e a morte. Representava os que
      sairão do sepulcro na ressurreição dos justos. Elias, que fora trasladado ao Céu sem ver a morte, representava os que se hão de achar vivos na Terra por ocasião da segunda vinda de Cristo, e que serão “transformados, num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta”; quando “isto que é mortal se revestir da imortalidade” e “isto que é corruptível se revestir da incorruptibilidade”. 1 Coríntios 15:51-53.
      Moisés não subiu por méritos próprios. Todos, tanto no VT quanto no NT se salvaram unicamente pela graça de Jesus. Os sacrifícios de animais apontavam para Jesus. A ressurreição garantiu a salvação de todos em todas as épocas; veja 1 Coríntios 15:16 a 18. Moisés e Elias terem ido para o céu antes de Cristo foi um caso especial. A prova é que na transfiguração Pedro queria fazer tendas para eles. Espíritos precisam de tendas? Não me venha com sua falácia de que Pedro na expressão “pois não sabia o que dizer,...” significava que Pedro estava maluco. Apenas Pedro não entendeu o significa daquela aparição. Já te expliquei acima porque Moisés e Elias apareceram...
      O nome Miguel significa: “Quem é semelhante a Deus?”. É um desafio a satanás que, desde o princípio, quis ser igual ao Criador (Isaías 14:12-14). Sempre que Miguel é mencionado na Bíblia, se refere à pessoa de Jesus como Comandante dos exércitos celestiais em direta disputa com Satanás. Para nossa felicidade eterna, Miguel sempre sai vitorioso. Leia: Judas 9; Daniel 10:13, 21;12:1; Apocalipse 12:7.
      Miguel, portanto, é um dos nomes de honra de Jesus e em nada interfere na Divindade dEle. Sendo Jesus chamado de o “arcanjo” nas Escrituras, isto não O torna “anjo” no sentido de criatura, assim como o fato de Ele ser chamado de cordeiro (João 1:29) e leão (Apocalipse 5:5) não o torna animal. Da mesma forma que estes nomes simbólicos se referem a determinadas funções de Jesus, os termos “arcanjo” e “anjo”, também. Anjo significa “mensageiro” e Jesus é o “mensageiro de Deus Pai” à humanidade, o Mensageiro que comunica as boas notícias de Salvação!E Daniel 10:13? A expressão “um dos primeiros príncipes” não estaria sugerindo que há outros no mesmo pé de igualdade que Miguel, ou seja, que este ser é um anjo mesmo?
      1ª Tessalonicenses 4:16 relaciona a “voz do arcanjo” com a ressurreição dos santos por ocasião da volta do Senhor Jesus. Cristo mesmo declarou que os mortos sairiam do túmulo ao ouvirem SUA VOZ (João 5:28, 29). Esta é outra evidência de que Miguel tem de ser um dos nomes de honra do Salvador.
      Portanto meu amigo, Jesus ressuscitou Moisés como troféu e deixou bem claro pra satanás que ele não tem poder sobre os eleitos do Senhor!
      Qual seu argumento furado agora?

      Excluir
    4. Alessandro, o meu argumento é furado para deixar escorrer a sua ignorância sobre as escrituras. Você continua fazendo a MESMA lambança com os textos biblícos e NÃO demonstrou NADA. Eu vou lhe demonstrar o que você quer inútilmente refutar. Hb 11: 4 "Pela fé Abel..."; V.5 "Pela fé Enoque foi transladado ( não ao céu) para não ver a morte..."; V.6 "Pela fé Noé..."; e assim por diante. No v.13 diz: "TODOS ESTES MORRERAM NA FÉ, sem terem recebido as promessas; mas vendo-as de LONGE, e crendo-as e abraçando-as, confessaram que eram peregrinos e estrangeiros na terra". No v. 23 "Pela fé Moisés..."; v.32 "E que mais direi? Faltar-me-ia o tempo contando de Gideão, e de Baraque, e de Sansão, e de Jefté, e de Davi, e de Samuel e dos PROFETAS". No v. 39-40 "Todos estes, tendo tido testemunho pela fé, NÃO ALCANÇARAM A PROMESSA, provendo Deus alguma coisa MELHOR a NOSSO respeito, para que eles sem nós não fossem APERFEIÇOADOS". No verso 13 de Hebreus 11: "Mas AGORA (depois do Calvário) desejam uma MELHOR, isto é, A CELESTIAL. Por isso Deus, não se envergonha deles, de se chamar seu Deus, porque já lhes preparou uma cidade". Em Gênesis 5:24 diz: "E andou Enoc com Deus; e não APARECEU mais (King James: "and he was not, ou seja, lit. não mais era, for god took him). Deus o tomou para si, ou seja o RECOLHEU para outro lugar, na terra, longe de seus inimigos daquela geração impía que precedeu o dilúvio, e o pôs a descansar como fez com Moisés. Os texto citado de Gn. e o de Hb. 11:5 de maneira nenhuma afirmam que enic foi a presença de Deus. Em João 3;13 o próprio Senhor Jesus AFIRMA: "Ora, NINGUÉM subiu ao céu, senão o que desceu do céu, o filho do homem, que está no céu". Querer enfraquecer a afirmação categórica do Senhor Jesus com sub-argumentos é pura pretensão. A afirmação está dada. Fique com ela ou risque o texto de sua biblía. Deus não permitiu a Moisés entrar na terra de canaã, porque ele desobedeceu-o quando feriu a rocha duas vezes. A rocha, era Cristo, que foi ferido uma vez no Calvário. A Moisés, não foi permitido ver a face de deus em uma Teofania, quanto mais ir a sua presença no céu. Você quando diz que Enoc, Moisés e Elias foram ao seu pelos méritos de Cristo ANTES do Calvário, eatá usando o mesmo argumento católico para a doutrina da "imaculada conceição", onde se afirma que Maria estava livre de pecado quando ficou grávida, tendo em vista o futuro sacrifício de Cristo. Isto é HERESIA PURA. Rm. 5:12 "Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim a MORTE PASSOU A TODOS OS HOMENS por isso que todos pecaram". Rm 3:23: "Porque TODOS PECARAM e DESTITUÍDOS estão da GLÓRIA de Deus, sendo justificados..." Hb. 6:20: "Onde Jesus, NOSSO PRECURSOR, entrou por nós, feito eternamente sumo sacerdote, segundo a ordem de Melquisedec". O acesso ao céu e consequentemente a presença de Deus, foi possibilitado depois da CRUZ. "NINGUÉM vem ao Pai senão por mim", João 14:6, e por mim quer dizer DEPOIS do calvário. Ao admitir que alguém entre no céu com os pecados não remitidos, "e sem DERRAMAMENTO DE SANGUE NÃO HÁ REMISSÃO" (Hb. 9:22) você acabou de ANULAR o sacrifício de Cristo. Sm derramamento de sangue NÃO há remissão de pecados. Então este argumento que você usou de que eles foram ao céu tendo em vista os méritos de Cristo, está ERRADO, é antiescriturístico. continua

      Excluir
    5. Alessandro, você erroneamente afirmou que Jesus é o arcanjo Miguel sem saber as implicações teológicas do que acaba de dizer. Disse que Miguel significa " Quem é semelhante a Deus?". Ora, o nome Miquéias que dizer a MESMA coisa. Eliphal, significa "Deus do julgamento"; Eliseu, "Deus é salvação"; Eliud, "Deus de Majestade" etc. Então este seu argumento É NULO. Você disse que Jesus é chamado pelos nomes simbólicos de cordeiro e leão e que isto não o torna um animal. Ora, leão e cordeiro NÃO se referem a FUNÇÕES de Jesus mas a NATUREZA de Jesus, piedoso mas ao mesmo tempo poderoso. O nome Arcanjo se refere as hierarquias angélicas, como tronos, potestades, querubins, serafins... Em Judas 9, o arcanjo diz a Satanás: "O Senhor te repreenda. Quem é o Senhor? Jesus como o Senhor diria isto? As escrituras Nunca se referem a Cristo como um arcanjo ou coisa que o valha. João 8:24; "Por isso disse que morrereis em vossos pecados, porque se não crerdes que EU SOU, morrereis em vossos pecados". Ex. 3:14 "E disse deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós". João 1;1 "No princípio era o verbo, e o verbo estava com Deus, e o verbo era DEUS". João 1:14 " E o verbo (DEUS) se fez carne e habitou entre nós. Mateus 1:23: "E chamarão o seu nome EMANUEL, que traduzido é DEUS conosco". 1 Timóteo 3:16: "É, sem dúvida alguma, grande o mistério da piedade: Deus se manifestou em carne, foi justificado no Espírito..." Isaías 9:6; " E se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Princípe da Paz". Colossenses 1:16 "Pois nele foram criadas TODAS as coisas que há nos céus e na terra , visíveis e invisíveis, sejam TRONOS, sejam DOMINAÇÕES, sejam POTESTADES. TUDO foi criado por ele e para ele". Em ap. 19:13, o Senhor é chamado de " A Palavra de Deus", como em João 1: 1-3, identificando sua divindade. NADA de arcanjo Miguel, ou vai ver que o arcanjo Miguel foi gerado no ventre de Maria e também morreu na cruz e ressucitou ao terceiro dia assentando-se à destra de Deus? Em Dn. 12:1, Miguel é identificado como o guardião do povo de Israel. Em Dn. 9:26, aí sim fala sobre o Messias. Então este argumento é NULO, sem fundamento qualquer que seja na biblía. Você afirmou que Moisés foi ressucitado como troféu de Cristo. Antes da cruz? isto nem merece resposta. Você está botanto a carreta na frente dos bois, se é que entende o que estou dizendo. Os troféus de cristo, seguem sua RESSURREIÇÃO. 1 Co. 15:23 " Mas cada um por sua ORDEM: Cristo, as primicías, DEPOIS os que são de Cristo na sua vinda. Depois você, relaciona João 5:28-29, com 1 Ts. 4:16 afim de demonstrar que Jesus é o arcanjo Miguel. Ora, em 1 Te. 4:16, "Alarido, voz de arcanjo e trombeta de Deus, se referem a parousia de Cristo, precursada pela corte celeste. O alarido como nas batalhas de Israel, a voz de arcanjo, para atacar e a trombeta ou shofar de Deus anunciando a presença divina. a voz de arcanjo se refere a corte celeste e não a voz do filho de Deus que segue-se a isto. O Senhor desce do céu precedido pela sua comitiva com o alarido, a voz de arcanjo e a trombeta de Deus.

      Excluir
    6. Quantas asneiras....
      Como vc deturpa as coisas... Vc é fraco mesmo, hen!
      Tudo que vc relatou acima sobre Miguel, o fez com sua própria interpretação. Vc mistura verdades com erros....Vc tem mais argumentos falsos que o Luciano Sena.
      Miguel sempre aparece quando está defendendo seu povo em momentos proféticos e de grande batalha. Como vc interpreta a expulsão do diabo do céu(apocalipse 12:7); se Lúcifer era o anjo mais poderoso?. Só Cristo poderia derrotar satanás. Como vc é mestre em deturpar as Escrituras, mas uma vez o fez com relação a 1 Tess. 4:16. Paulo diz que ouviremos a voz do arcanjo(Cristo)e depois de tocada a trombeta os mortos em Cristo ressuscitarão(só Cristo pode ressuscitar os mortos). Entendeu?
      Em Daniel 12:1 só Cristo poderá livrar seu povo da destruição final; está se falando da Volta de Cristo.
      Sobre Miguel(Cristo) dizer a satanás "O Senhor te repreenda"; pergunto: como vc interpreta Zacarias 3:1?
      Quem era o Anjo do Senhor?
      Cristo é Deus e sempre será, disso não tenho dúvidas. Nenhum anjo do céu é arcanjo. Cristo é o chefe dos anjos; ele é quem lidera as batalhas da salvação e livra seus filhos. Pesquise na bíblia e vc vai ver Jesus assumindo papel de anjo(veja esse exemplo: Jacó lutou com Deus, Gên. 32:22 a 32). Jesus não é anjo e nunca foi mas em momentos se fez tal para poder ter contato com o homem pecador e finito; já que ninguém pode ver a Deus e ficar vivo. Por isso que Jesus teve que se fazer homem para poder se relacionar com o homem.
      Sobre hebreus não usei antes porque tinha argumentos suficientes para te provar que Enoque, Moisés e Elias estão no céu. Mas já que vc citou, vamos lá.
      Em hebreus 11:5 paulo diz que enoque foi traslado para não ver a morte:óbvio, não morreu, foi ao céu. Se não foi para o céu, diz pra onde ele foi? Usa a bíblia.
      No ver 13 quando diz que morreram na fé sem ter obtido a promessa, fala ali dos patriarcas(versos 8 a 22). Enoque não fazia parte desses patriarcas.
      Sobre Moisés ele também continua fora, desses versos de 8 a 22.
      Repito: Enoque, Moisés e Elias foram um caso a parte.
      E outra: o verso 13 fala da promessa de entrar na terra de Canaã; nada com o céu!

      Excluir
    7. Você CONTINUA RATEANDO. Se o v. 13 de Hebreus aplica-se ao verso 8 (Abraão) até o 22, então Abel e Noé NÃO MORRERAM, e a expressão TODOS ESTES não tem sentido. Se Enoc não está incluído aí, o escritor teria que se expressar de outra maneira, assim com está em 1 Co. 15:27-28: "Porque TODAS as coisas sujeitou debaixo de seus pés. Mas quando diz TODAS as coisas lhe estão sujeitas, CLARO que se EXCETUA aquele que lhe sujeitou todas as coisas". Isto não acontece em Hebreus cap. 11. Esta separação que fez à partir do v. 8 afim de EXCLUIR Enoc, NÃO EXISTE NO TEXTO sendo invenção sua resultado por não aceitar o que a escritura afirma afim de faze-la amoldar-se a sua crença. Em NENHUM um momento, as escrituras afirmam que Enoc foi transladado AO CÉU. Isto é pura inferência e não pode ser provado. Elias subiu ao céu em um redemoinho,só que ao céu atmosférico aqui NA TERRA, não a presença de Deus com seus pecados. 1 Co. 15 "E se Cristo NÃO RESSUCITOU, é vã a vossa fé , e ainda PERMANECEIS NOS VOSSOS PECADOS. E também os que dormiram em Cristo estão PERDIDOS. Se qualquer um destes personagens em foco, foi a presença de Deus no céu, sem a morte e ressurreição de Cristo, você deu um passo, um passo não, um salto para fora do cristianismo. Você virtualmente acaba de ANULAR a eficácia da cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, admitindo que Deus está indo contra seus próprios planos ao permitir que pecadores sob a velha aliança já recebam de antemão as benções que só puderam ser outorgadas por causa da cruz e da ressurreição. Isto é anticristo, é NEGAR a Cristo, é sentar-se no templo de Deus ostentando-se como tal por ANULAR a expiação do cordeiro de Deus. Você realmente está com a mente recheada de sabatismo. Você dsse: "Sobre Moisés ele também continua fora, destes versos de 8 a 22. Quem lhe deu autorização para isto? Deuteronômio afirma que morreu, confirmando o que diz em Hb. 11:13 e Hb. 11:39-40. No 32 "E que mais direi? Falta-me-ia o tempo contando de Gideão e de Baraque e de Sansão e de Jefté e de Davi, e de Samuel e DOS PROFETAS (Elias estava entre eles). Daí o escritor menciona algumas façanhas destes heróis, como um todo. Interessante é que no v. 35 está escrito: "As mulheres receberam pela ressurreição os seus mortos..."1Rs 17:8. Quem lhe lembra este personagem? Depoi do Calvário, só há UM NOME. Atos 4:12. O único nome é o nome acima de TODO o nome, o SENHOR JESUS CRISTO, que NUNCA vai ser chamado por nenhum outro nome, como o novo testamento dá testemunho. LHe pergunto: Você crê na Santissíma Trindade? Você só pode crêr que o arcanjo Miguel é Jesus, se não crêr na Trindade. As duas crenças são IRRECONCÍLIAVEIS .

      Excluir
    8. Outra coisa. Você afirmou que só Cristo pode derrotar Satanás. Concordo plenamente. E a derrota ocorreu onde? Na batalha do arcanjo MIguel? Ap. 12:11 "E eles (os cristãos) o vencerão Pelo SANGUE do CORDEIRO e pela palavra do seu testemunho: e não amaram s suas vidas até a morte". TODA a vitória,de Miguel e seus anjos e dos cristãos, ocorreu por causa do sangue derramado na CRUZ. MIguel e seus anjos expulsaram a Satanás e seus anjos, do céu. A mesma coisa você vê em Ap. 20: 1-3 "E vi descer do céu um ANJO,que tinha a chave do abismo, e uma grande cadeia na mão. Ele (o anjo) PRENDEU o dragão, a antiga serpente, que é o diabo e Satanás, e o AMARROU por mil anos. E LANÇOU-O no abismo, (2 Pe. 2:4), e ali o ENCERROU, e pôs selo sobre ele..." Tudo isto obra consumada na cruz, do Verbo de Deus e não do arcanjo MIguel ou qualquer anjo.

      Excluir
    9. Mais uma vez seu argumento não convence.
      Minhas perguntas continuam sem respostas...
      Para onde foram Elias e Enoque? E Moisés?
      Ainda( e mais uma vez) sobre Enoque, Hebreus 11:5: “Pela fé, Enoque foi trasladado [Grego: metatithemi, “mudar de endereço”, “ser arrebatado”] para não ver a morte; não foi achado, porque Deus o trasladara [metatithe-mi]”. A frase “e já não era”, usada em Gênesis 5:24, é interpretada como significando que Enoque “não pôde ser encontrado”. A frase “Deus o tomou para Si” compreende-se como ele tendo sido transferido para um lugar celestial. A mudança de endereço é interpretada como não tendo experimentado a morte. Finalmente, Deus é identificado como Aquele que o trasladou. A história de Enoque coloca esperança no coração humano; esperança no fato de que por Cristo venceremos o poder da morte. Os benefícios da morte de Cristo foram concedidos a Enoque pela fé. Sua íntima comunhão com o Senhor deve nos inspirar a fazer de Cristo nossa mais próxima e constante companhia em nossa peregrinação cristã.
      E sobre Moisés, embora a Bíblia diga que Jesus tenha sido o primogênito dentre os ressurrectos (Apoc 1:5), ele é o primeiro apenas em importância para nossa salvação. Na verdade ele é o único importante. Os demais são apenas humanos. Ele é o Filho de Deus que se fez homem e fez o sacrifício pelos nossos pecados.
      Sobre Miguel(Cristo); não existe um anjo chamado Miguel; Miguel é um título dado a Cristo quando está em batalha defendendo seu povo.
      A batalha contra o mal começou no céu(apoc. 12:7) e findará na volta de Jesus(Dan. 12:1). Aí sempre aparece Miguel(título dado a Cristo) para defender seus queridos!
      Vc não me respondeu sobre Zacarias 3:1?
      Leia minha postagem anterior de novo.. bem devagar....para entender tudo direitinho... sem pressa...eu espero...

      Excluir
    10. Crer que Jesus assume uma figura de anjo não fere em nada a doutrina da Trindade. Sou trinitariano convicto. Jesus não é anjo e nunca foi e nunca será. Às vezes assume a postura de anjo para chegar mais perto do ser humano(isso aconteceu muito no VT). Já te relatei um exemplo numa postagem anterior.

      Excluir
    11. Veja essa descrição sobre Enoque...
      Enoque foi um homem santo. Ele serviu a Deus com singeleza de coração. O Senhor abriu mais amplamente para Enoque o plano da salvação, e pelo espírito de profecia transportou-o através de gerações que viveriam depois do dilúvio, e mostrou-lhe os grandes eventos relacionados com a segunda vinda de Cristo e o fim do mundo.
      Em profética visão que ele foi instruído com relação ao Filho de Deus, que devia morrer como sacrifício do homem, e foi mostrado a vinda de Cristo sobre as nuvens do Céu, com a presença do angelical hospedeiro, para dar vida aos mortos justos, e resgatá-los de seus túmulos. Viu também o estado corrupto do mundo no momento em que Cristo deve aparecer a segunda
      vez - que haveria um prepotente, presumida, auto-quis geração vestida de rebelião contra a lei de Deus e negam o nosso único Senhor Deus e nosso Senhor Jesus Cristo, pisando o seu sangue, e desprezando sua expiação. Viu os justos coroados de glória e honra, enquanto o ímpio foram separados da presença de o Senhor, e consumiu com fogo. Enoque continuou a crescer mais celestial enquanto se comunicava com Deus. O Senhor amava Enoque porque ele firmemente o seguiu, e abominava a injustiça, e fervorosamente buscava conhecimento celestial que ele poderia fazer sua vontade perfeitamente. Ele desejava unir-se ainda mais intimamente a Deus, a quem temia, reverenciava e adorava. Deus não permitiria que Enoque morresse como os outros homens, mas enviou o seu anjos para levá-lo ao Céu sem ver a morte. Na presença dos justos e dos ímpios, Enoque foi removido a partir deles. O Senhor ensina aqui uma lição da maior importância pela trasladação de Enoque, descendente de Adão caído, que todos seriam recompensados, que pela fé, teria de recorrer o sacrifício prometido e fielmente cumprir seu
      mandamentos. Duas classes são aqui novamente representadas que existirão até a segunda vinda de Cristo – o justo e o ímpio, o rebelde e leal. Deus vai se lembrar do justo, que o temem. Por causa de seu Filho amado que ele vai respeitar e honrá-los e dar-lhes
      a vida eterna. Mas os ímpios, que espezinham a sua autoridade, ele vai cortar e destruir da face da terra, e eles serão como se nunca tivessem sido.
      Enoch, separando-se do mundo, e passar grande parte de seu tempo em oração e em comunhão com Deus, representa o leal povo de Deus nos últimos dias, que será separado do mundo.
      Enoch de trasladação para o céu antes da destruição da mundo por um dilúvio, representa a trasladação de todo o justos vivos da Terra anterior à sua destruição pelo fogo. Os santos serão glorificados na presença daqueles que se odiava por sua obediência fiel ao Justos mandamentos de Deus.

      Excluir
    12. Quero te avisar que nosso debate ainda não acabou...
      Tenho mais algumas coisas pra te relatar e pra todos que querem ler...
      Tudo sobre a falsa doutrina diabólica de vida após a morte. O diabo criou essa heresia... Jesus não mente: a morte é um sono! Quando o NT fala de inferno se refere ao fogo do Milênio que consumirá os ímpios e satanás no final do milênio(apoca. 20:7 a 15).
      Mas por enquanto continuemos a falar de Enoque, Moisés e Elias!

      Excluir
    13. Você já está se convertendo ao cristianismo. Que bom. Os seus argumentos já ficaram prá trás.


      Excluir
    14. Você é metido como todo o sabatista. Não respondeu as minhas objeções DENTRO das escrituras. Quanto as "revelações" de Ellen White sobre habitantes de outros mundos "não caídos", contráriando Rm. 3:23 que afirma que "TODOS pecaram e destituídos estão da glória de Deus"; Com está doutrina, aí sim Esotérica, o que impede Deus de continuar criando seres à sua imagem e semelhança DEPOIS de Adão e Eva? Os pecados dos crentes NÃO foram cancelados na cruz, segundo a FALSA doutrina do juízo investigativo. Enoc em um planeta, anjos apresentando cartão de ouro para entrar no céu etc., e sou eu o mentiroso?! NÃO tem argumentos DENTRO das escrituras para provar as suas afirmações, e agora está aí falando à toa, e ofendendo os outros o que era de se esperar quanto não se tem argumentos para rebater a VERDADE. Paulo afirmou em 1 Co. 15: "Se Cristo NÃO ressucitou PERMANECEIS nos vossos pecados". Você, quando admite que Enoc, Elias e Moisés foram a presença de Deus com seus pecados, está PASSANDO POR CIMA da CRUZ de Nosso Senhor Jesus Cristo. Vem com a mesma doutrina infâme do catolicismo que ensina que Maria nasceu sem pecado em vista do sacrifício de Cristo. Assim os três personagens em foco, foram admitidos à presença de um Deus santo, que odeia o pecado, com TODOS os seus pecados (deles) sobre si. Já lhe PROVEI pelas escrituras que Enoc MORREU (hb. 11:13) sendo transladado, sim , mas não ao céu. Vocâ não crê na biblía, mas na INTERPRETAÇÂO que sua seita faz das escrituras. Por mais santo que fôsse, Enoc TINHA PECADO e de forma NENHUMA poderia encarar um Deus santo que ODEIA o pecado e por isso MATOU a seu próprio filho no altar da cruz. Ainda mais quando Paulo afirma em 1 Tm. 6:16 que Deus habita em uma LUZ INASCESSÍVEL. salvo nas teofanias. E também como afirma o apóstolo João, que se "dissermos que não temos pecado fazemo-lo mentiroso". Para mim não está havendo debate, mas só um passeio. Você definitivamente NÃO tem condições de debater comigo. Entendeu? Você, Não conhece as escrituras mas sim a interpretação, aí sim, que sua seita faz dela. Me mostre um texto que diga que Enoc foi transladado AO CÉU, ou que a carta vinda de Elias, anos após seu arrebatamento, foi ACHADA por alguém e não veio da parte dele como afirmam as escrituras. As escrituras definitivamente NÃO ensinam o sono da alma. SEMPRE, no antigo testamento e novo testamentos os mortos são retratados como estando conscientes e não o contrário. Os textos que vocês citam e de passagem, só do antigo testamento afim de demonstrar a doutrina sono da alma, quando lidos e bem compreendidos, referen-se a extinção do homem da face da terra, com todos os seus projetos. A palavra para sepultura individual é QEBER, e a palavra SHEOL, NUNCA é usada para sepultura individual, mas as escritas sempre afirmam que o homem "VAI" ao sheol. As escrituras ensinam que o sheol, mundo dos mortos, NUNCA se farta. Você fez uma afirmação HERÉTICA, quando disse : "Os beneficíos da morte de Cristo foram concedidos a Enoc pela fé", quando os beneficíos da morte de Cristo vieram pela sua RESSURREIÇÃO e SÓ DEPOIS dela. Isto que afirmou é pura HERESIA. Você NÃO sabe o que diz. Agora Deus iria CONTORNAR o plano da salvação e iria privilegiar um grupo de homens, antes da cruz, levando-os a sua presença, e ainda sem passar pela morte. Porque ele não fez isto DEPOIS da CRUZ, levando seus apóstolos ao céu, sem passar pela morte? Eles tiveram que morrer e ir para debaixo do altar de intercessão e esperar a obra terminar para serem admitidos a presença de Deus. Se um católico lhe afirmar que Maria foi assunta ao céu em corpo e alma você terá que aceitar, porque os católicos irão dizer que Maria nasceu sem pecado tendo em vista o sacrifício de SEU FILHO, e vão lhe mostrar que ela, Maria, é aquela mulher com doze estrêlas sobre sua cabeça em apocalipse 12, e você vai ficar de dandão Não tendo NENHUM texto mostrando Enoc, Moisés e Elias estando no céu, antes do calvário.

      Excluir
    15. Eu aceitaria que Maria estivesse no céu... bastava que estive escrito na Bíblia! Como não está, não aceito!
      Agora sobre Enoque, Moisés e Elias, é fato já provado na Bíblia.
      A mulher do capítulo 12 não é literal, simboliza a igreja de Deus; é um capítulo profético.
      Vc continua sem argumentos...
      A descrição sobre Enoque acima é fantástica... Leia em "Dons espirituais 3", pág. 53

      Excluir
  3. "Vieram os soldados e quebraram as pernas do primeiro e do outro, que com ele foram crucificados." (João 19:32)

    "Chegando, porém, a Jesus, como o vissem já morto, não lhe quebraram as pernas," (João 19:33)

    Somente Jesus estava morto! Então o bandido não poderia estar no paraíso.

    E mesmo Cristo, não subiu ao céu:

    Disse-lhe Jesus: Não me detenhas, porque ainda NÃO subi para meu Pai, mas vai para meus irmãos, e dize-lhes que eu subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus. (João 20:17)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sr, Adventista, Cristo desceu ao sheol. Naquele tempo o paraíso não estava no céu! É óbvio que Jesus não havia subido ao céu! 1 Pedro 3:18. É só ler a respeito da aparição de Samuel. O ESCRITOR da narrativa fecha o relato afirmando que era Samuel!

      Excluir
    2. Que absurdo sr. Paulo. Onde tal aberração que Cristo desceu ao sheol??????
      Outro absurdo.... o paraíso não estava no céu.... onde tu encontras base para essa loucura?
      Mais outro absurdo... Saul depois de ter sido rejeitado por Deus foi procurar Samuel e ele contrariou a Deus e conversou o rei ímpio? 1 Samuel 28. Leia o capítulo todo. Entenda o capitulo: no verso 7 é dito que Saul consultou uma médium(Deut. 18:10 a 12) o que era proibido por Deus. Depois é dito, no verso 15, que Samuel subiu(ora Samuel não estava no céu? como assim: subiu? então estava embaixo? onde? esquisito isso"). Esse capítulo relata exatamente como acontece hoje nos centros espíritas(muitos vão consultar parentes que já morreram e; quem aparece, não tenho dúvida, é o diabo disfarçado de entes queridos). você é espírita, meu amigo? Não foi Samuel quem apareceu, foi o diabo!

      Excluir
    3. Isto é o que dá não conhecer a biblía. Você só está repetindo argumentos pífios que já refutei em outras postagens. È claro que o paraíso não estava no céu, mas no Sheol. Saul desobedeceu a Deus e foi punido. Não houve "sessão" espírita nenhuma. A necromante foi SURPREENDIDA pelo aparecimento do profeta ANTES de começar as invocações. O ESCRITOR da narrativa, fecha o relato chamando o profeta pelo NOME. Leia 1 Samuel 28:20. Se fôsse Satanás ou um demônio, ele seria pela inspiração divina identificado para não haver duvidas. Leia o cap. 1 de Jó e veja como Satanás é chamado pelo nome, como também em 1 Crônicas. 21:1. Lhe dou uma sugestão: porque você não escreve Satanás ou demônio, em cima de onde está escrito Samuel? Ou vai em uma gráfica e peça para retirarem o nome do profeta e colocarem o nome, Satanás ou demônio. Já que a inspiração divina ERROU e TROCOU o nome dos personagens, faça isto. Corriga as escrituras!!! Não te estribes em teu próprio entendimento, querendo decifrar as coisas que estão além da nossa pobre compreensão! Creia nas escrituras como elas estão ESCRITAS. Leia o que Samuel disse a Saul e veja se ele trouxe alguma mentira. Aquilo aconteceu por PERMISSÂO divina, trazendo JUÍZO sobre Saul.

      Excluir
    4. Cara, onde foi que tu aprendesse bíblia, hen?
      Outro absurdo do tamanho do diabo...
      Vê esse site do CACP http://www.cacp.org.br/a-feiticeira-de-en-dor/
      Esse site crer em vida após a morte e combate os adventistas mas nessa análise eles são bem felizes.
      Aquilo foi sessão espírita puro... Vcs Pentecostais são tudo espíritas disfarçados!
      Com certeza que a bíblia não errou; essa história mostra que não devemos consultar mortos, senão ela estaria de contradizendo.
      Meu amigo, faça um estudo bíblico conosco e pratique a verdade!

      Excluir
    5. Se não merece resposta é porque vc não tem!

      Excluir
    6. Olá irmão Paulo Cadi, a paz do Senhor!

      Irmão Paulo Cadi, você até tem muitos argumentos até interessantes e também até convincentes em certos casos e um EXCELENTE PROSELITISTA, mas quantos ABSURDOS TEOLÓGICOS sobre a morte!

      Fico até triste de ver um VALOROSO CRISTÃO como você, tão perdido em FALÁCIAS DOUTRINÁRIAS.

      Deixe de ser SAULO e passe a ser PAULO!

      Um forte abraço e fique com Deus!

      Excluir
  4. Na aparição de Moisés e Elias, acaso fossem almas, não se veria necessidade de construir tendas.

    Pedro, também já teve um experiência onde acreditava ter visto um fantasma, mas sua reação foi deveras diferente de ser hospitaleiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sr. Adventista, se ler a narrativa da transfiguração de Jesus em Marcos, 9:6, vai ver que Pedro NÃO sabia o que estava dizendo: "Pois não sabia o que dizia, porque estavam assombrados". Mc. 9:6.

      Excluir
    2. A fala de Pedro, João e Tiago "Pois não sabia o que dizia, porque estavam assombrados" não significa que eles estavam ignorantes quantos a verem Elias e Moisés de corpo. Lembre-se: Elias foi levado vivo para o céu(2 Reis 1:11), de corpo e espírito(fôlego de vida).
      O amigo deveria estudar melhor a bíblia!

      Excluir
    3. "Ora,NINGUÉM subiu ao céu, senão o que desceu do céu, o filho do homem que está no céu". João 3:13. 2 Crônicas 21:12: "Então lhe veio um escrito DA PARTE de Elias, o profeta,que dizia: Assim diz o Senhor Deus de Davi teu pai: Porquanto não andaste nos caminhos de Jeosafá, teu pai..." Esta carta veio de Elias, o profeta, a Jeorão Filho de Jeosafá, ANOS após ele ter sido arrebatado. Ele subiu ao céu em um redemoinho, sendo levado NÃO aos céus onde Deus habita, mas a outro local NA TERRA, para DESCANSAR de seu exaustivo ministério! Ninguém teve acesso ao céu, ANTES do CALVÁRIO! Entendeu? Você NÃO sabe o que diz! Só esta repetindo o que lhe ensinaram! Elias NÃO poderia subir em seu corpo natural a presença de Deus. "Carne e sangue não podem herdar o reino de Deus".1 Co 15:50. O corpo celestial, só foi liberado após a RESSURREIÇÃO de Jesus Cristo!

      Excluir
    4. O que???!!!!!
      Misericórdia.... é muita ignorância.....
      Elias não subiu ao céu? 2 Reis 2 está errado??? Meu amigo, quanta maluquice... acho que são as "línguas estranhas" que estão te fazendo mau.....
      A bíblia é muito clara em afirmar que Elias subiu ao céu(2 reis 2:1 e 11). Que terra é essa que você diz que Elias foi?
      Já te expliquei que Moisés e Elias foram um caso especial. São trofés de Cristo como símbolos dos salvos na volta de Cristo: Moisés para ressurreição dos mortos salvos na Volta de Cristo e Elias para a trasladação dos vivos salvos por ocasião da volta de Jesus.
      Essa carta do profeta Elias(2 crônicas 21:12) poderia muito bem já está escrita como profecia; a final de contas Elias era profeta e Deus poderia já ter adiantado para ele que o rei Jeorão não iria andar nos caminhos de seu pai. Veja a expressão "Então, lhe chegou às mãos uma carta do profeta Elias..." essa carta já poderia está guardada para ser apresentada como ato profético do servo de Deus.
      Alguém encontrou a carta do profeta e entregou para o rei!
      Veja essa outra explicação tirada do mesmo site sobre a consulta de saul
      http://www.cacp.org.br/o-profeta-elias-foi-transladado-ao-ceu-ou-lancado-em-outro-pais/
      Elias foi transladado ao céu, como nos diz o texto bíblico em 2 Rs 2.11.
      As Testemunhas de Jeová dizem que Elias não foi para o céu, mas foi lançado em alguma cidade ou outro país. Citam 2 Cr 21.12 afirmando que Jeorão recebeu uma carta de Elias cerca de cinco anos depois (Despertai 22.9.76; p. 28-29).
      Essa afirmação não tem fundamento pois verificamos em 2 Rs 1.17 que Jeorão, o destinatário da carta de Elias, já estava em seu segundo ano de reinado. Isso seria suficiente para demonstrar o caráter de governo de Jeorão. Outro fator a ser considerado é que sua enfermidade durou mais de dois anos. Se a carta tivesse sido escrita cinco anos depois do arrebatamento de Elias, isso indicaria o sétimo ou oitavo ano do seu reinado. A carta, então, estaria chegando no meio do cumprimento da profecia.
      Por outro lado, Elias poderia ter redigido a carta, deixando-a com Eliseu, que a enviaria ao seu destinatário assim que tivesse tempo. Isso seria natural e não precisaria estar registrado nas Escrituras. Do mesmo modo que não temos os nomes de muitos carteiros que entregam as cartas do apóstolo Paulo.

      Fonte: Revista DF

      Esse site não é Adventista mas compactua com nosso pensamento.
      Você pensa igual as Testemunhas de Jeová!
      Quando Jesus disse “ninguém subiu ao Céu, senão Aquele que de lá desceu, ... o Filho do homem” (Jo 3:13)? Jesus estaria dizendo que ninguém vivo em Seus dias havia subido ao Céu. Portanto, a única pessoa daquela época que estivera no Céu era o próprio Cristo, o que Lhe colocava em uma posição única como revelador pleno dos propósitos divinos. Outra possibilidade, talvez mais consistente que a anterior, seria reconhecermos a existência de uma distinção de status entre os três seres humanos levados ao Céu (Enoque, Moisés e Elias) e Cristo que, além de ter vindo do Céu, fizera parte dos conselhos da Divindade.

      É melhor estudar a bíblia com quem sabe pra não ficar falando besteiras....

      Excluir
    5. Você ao fazer estas afirmações está CONTRADIZENDO o PRÓPRIO RITUAL DO TABERNÁCULO; Sua TIPOLOGIA o acesso ao céu, onde está o trono de Deus, só APÓS o Calvário. As escrituras NÃO afirmam que alguém "achou" o escrito de Elias, mas que a carta veio DA PARTE DELE. Você diz que é maluquice Elias não ter subido ao céu COM seus pecados a presença de Deus. Os incrédulos dizem o mesmo da ressurreição de Cristo, do dilúvio, da muralhas de Jericó etc., tudo maluquice. Quanto ao que disse que "É melhor estudar a biblía com quem sabe prá não ficar falando besteira...", é muito bom que você saiba disto. Você afirmou que "as linguas estranhas estão te fazendo mal". Eu creio que a linguagem de sua denominação que é estranha as escrituras, pois você está negando TODAS as declarações positivas da Palavra de Deus. Os seus argumentos são simplesmente o resultado do doutrinamento que recebeu. Nem mais, nem menos.

      Excluir
    6. Você diz que Jesus foi a única pessoa da época dele a subir ao céu, CONTRADIZENDO o que o próprio Senhor afirmou: " NINGUÉM subiu ao céu, senão o filho do homem...".João 3:13. O mesmo João afirmou que "NINGUÉM nunca viu a Deus".Jo. 1:18. Moisés, Abraão etc, viram teofanias, não como Ele realmente, de fato, é. Deus foi REALMENTE visto, na face de Jesus Cristo. Sem Calvário, sem Céu. Enoc foi arrebatado como Felipe em Atos 8:39 e não ao Céu, morada do altissímo, com seus pecados. Na parábola das bodas em Mt.22:13: " E o rei, entrando para ver os convidados,viu ali um homem que não estava trajado com vestes de núpcias. E disse-lhe: Amigo, como entraste aqui, não tendo veste nupcial? E ele emudeceu. Disse, então, o rei aos seus servos: Amarrai-o de pés e mãos, leva-o, e lançai-o nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes". Sem justificação, sem acesso ao céu. TODOS tiveram que esperar o filho prometido.

      Excluir
    7. Eu não sei porque perco meu tempo contigo...
      Felipe foi achado depois em Azoto(veja atos 8:40).
      Mostre-me Enoque e Elias aparecendo depois aqui na terra em algum lugar?
      Vamos amigo...me mostre!

      Excluir
    8. Você já deve ter lido os meus comentários do 21/09/2013. Se você tem dificuldade em entender as escrituras, eu não posso fazer nada. Você, com este pensamento, já caiu na HERESIA de DESQUALIFICAR o sacrifício de Cristo, poi é a isso que esta crença de que alguém pode subir ao céu ONDE DEUS ESTÁ, com seus pecados. Isto sim é que se chama de ANOMIA, ou seja desprezar a justiça divina que foi derramada sobre Seu Filho, da forma punitiva mais grave que já houve ou haverá. Agora vem com este texto de At. 8:40 que eu tomei como exemplo, dando a ele importância indevida, pois pelo fato de Felipe ter sido encontrado em Azoto em NADA desqualifica o que eu afirmei sobre Enoc, o qual lhe demonstrei em Hebreus 11:13 que MORREU, fora outros textos corroboradores. Você está num mato sem cachorro, com um anzol sem linha. É pretensioso, como costumam ser seus cumanhas sabatistas, não tendo humildade de admitir que não tem argumentos. Fica dando voltas com os textos biblícos fazendo um emaranhado que nem VOCÊ entende. Voc~e está perdendo seu tempo NÃO comigo, mas com as suas crenças ERRADAS que você teima, como todo bom e fiel sabatista demonstrar. È está a sua perda de tempo.

      Excluir
    9. Errata: Na sexta linha onde diz: "DEUS ESTÁ, com seus pecados", leia-se, "DEUS ESTÁ, com seus pecados LEVA".

      Excluir
    10. Para onde foi Enoque e Elias?
      Até agora não obtive respostas...
      Felipe foi para Azoto; e os outros?
      A seita Pentecostal não entende bíblia...por isso vc é de lá!

      Excluir
    11. Você não é surdo, não é? Vou REPETIR, Hebreus 11:13 AFIRMA que ENOC MORREU, assim como TODOS os SANTOS que viveram sob a antiga aliança. As escrituras NÃO revelam o lugar que Deus os ocultou da vista dos seus perseguidores, mas eu lhe pergunto: Onde é que está na biblía que Enoc está em um planeta, ou que existam outros Adãos e Eva vivendo em mundos não caídos, ou que anjos tem que apresentar um cartão de ouro para entrar no céu etc etc etc, segundo a "lucidez de sua profetisa? Ou que satanás se revoltou contra os 10 mandamentos lá no céu, conforme estão redigidos em Êx. 20, etc etc etc. Onde está isto na biblía? Se em Rm. 8:22 afirma que " TODA a criação geme e está juntamente com dores de parto até agora", esperando sua redenção, e Toda a criação não se restringe ao planeta terra? Me responda aonde estão estes seres não caídos? Depois disto, eu só posso ser um ignorante pentecostal e não "sábio" adventista.

      Excluir
    12. Hebreus 1:10 diz: "E: tu, Senhor, no princípio fundaste a terra, e os céus são obras das tuas mãos. Eles PERECERÃO, mas tu permanecerás; E TODOS ELES COMO ROUPA, ENVELHECERÃO, e como um manto os enrolarás (Ap. 6:14), e serão MUDADOS". O que farão os Adãos e Evas dos "mundos não caídos"? Será que Enoc já foi avisado?

      Excluir
    13. Vc é mentiroso pra caramba... e conta essa mentira pra todos lerem...
      O verso 5 diz que Enoque foi trasladado para não ver a morte...
      Sem chance amigo...

      Excluir
    14. Você não conhece as escrituras. Enoc morreu. Hb. 11:13.

      Excluir
    15. Romanos 5:14 ‘No entanto, a morte reinou desde Adão até MOISÉS’. Notemos o verbo reinar, que quer dizer, dominar, prevalecer. Ora, depois de Moisés os homens continuaram morrendo, mas o texto acima nos diz que a morte teve domínio indiscutível sobre os mortais até MOISÉS. Em outras palavras, até Moisés ninguém se levantou do túmulo para provar que é possível reviver. Nisso o diabo viu seu império abalado. “Vemos nisso evidência clara da ressurreição de Moisés.

      Excluir
    16. Nossa, desse jeito qualquer heresia tem base bíblica... colocou na boca do texto o que ele não disse...

      Excluir
  5. "Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda." (2 Timoteo 4:7-8)

    Deixar a carne era o meio mais rápido de se estar com Cristo, porque a morte é inconciente (conforme lemos nas Antigas Escrituras), e nela não há noção de tempo . Para quem morre, a vinda de Cristo é imediata.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O texto de Filipenses, 1:23. não diz isso. Paulo diz que era LUCRO partir e estar com Cristo, mas por causa dos filipenses, iria continuar com eles. Se Para o apóstolo, viver é Cristo, não seria nenhuma vantagem ficar apodrecendo numa tumba quando poderia viver ao máximo para pregar o evangelho e fortalecer as igrejas. Querer dividir a declaração de Paulo em duas partes como se fosse uma profecia, é distorcer completamente o que o apóstolo quis transmitir. Com certeza, os destinatários não iriam entender a mensagem como sugere a interpretação adventista! É completamente ilógico! O amigo confunde salvação, com GALARDÃO, que é do que trata o texto de 2 Tm. É só ver as almas debaixo do altar em apocalipse. Estavam com Cristo, ainda que não em sua presença imediata. Esperavam o galardão.

      Excluir
    2. Vc é confuso... Entenda Filipenses 1:23
      “Porquanto, para mim o viver é cristo, e o morrer é lucro. Entretanto, se o viver na carne traz fruto para o meu trabalho, já não sei o que hei de escolher. Ora, de um e outro lado estou constrangido, tendo o desejo de partir e estar com cristo, o que é incomparavelmente melhor.”

      Satanás, com seu acendrado espírito de rebelião, tentou muitas vezes exterminar as Escrituras Sagradas; porém, vendo que seus esforços foram infrutíferos, passou a usar de outros processos ardilosos, como este: torcer o sentido das palavras ou das idéias da Bíblia para que se ajustem aos seus enganos. Um exemplo bem frisante deste método se encontra no processo interpretativo de Fil. 1: 23.

      O argumento mais ponderável dos que crêem na imortalidade da alma, é dizerem que a Bíblia esposa esta idéia, citando entre outras passagens esta de Paulo, onde afirmam eles, o apóstolo declara que para ele o morrer é lucro, porque assim estaria imediatamente com Cristo, gozando das delícias eternas.

      O pensamento paulino neste sentido é bastante claro e as passagens de I Cor. 15; I Tess. 4:16-18; II Tim. 4:8; Rom. 8:23 não deixam dúvidas de que ele não cria numa recompensa incorpórea e imediatamente após a morte.

      É princípio fundamental da exegese, que a Bíblia não se contradiz, e que um texto deve ser explicado através do conjunto das Escrituras e não isoladamente. Logo, sendo Filipenses 1:23 uma passagem controvertida, ela tem de harmonizar-se com outras passagens paulinas e com a doutrina geral da Bíblia concernente ao estado do homem na morte.

      Há muitas outras passagens bíblicas, que comprovam a crença de Paulo quanto ao estado do homem na morte, e de que a recompensa só será uma realidade quando Jesus voltar. S. João 14:1-3; Atos 2:34; Heb. 11:39; Apoc. 14:13; Ecl. 3:18-21; 9:5-6.
      Paulo está se referindo aí à trasladação, isto é, ser levado corporeamente para o céu sem provar a morte, como Enoque (Heb. 11:5), Elias (II Reis 2:11) e como sucederá com os santos que estiverem vivos por ocasião do segundo Advento (I Tess. 4:17). Isto seria de fato ‘incomparavelmente melhor’ do que a presente vida ou a morte. Transportaria Paulo da atual condição mortal para a condição final, sem que passasse pela morte.”

      Vincent, após mencionar a expressão “estar com cristo” de Fil. 1:23, leva-nos a comparar este texto com I Tes. 4:14-17, onde Paulo coloca o estar com Cristo para o tempo da ressurreição, por ocasião da Segunda Vinda de Cristo.

      Outra explicação:

      “partir e estar com Cristo” não pressupõem dois acontecimentos imediatos ou em seqüência.
      Haverá base bíblica para esta crença?
      Sim, e os dois seguintes exemplos confirmam nossa assertiva:

      1º) Em Isaías 61:1-2 há uma profecia da obra que Cristo efetuaria em seu primeiro advento. Em S. Lucas 4:17-19 se encontra o relato de que cristo leu esta passagem, acrescentando, no verso 21: “Hoje se cumpriu esta escritura em vossos ouvidos”. Atentando para o relato de Isaías, veremos que Cristo não leu toda a profecia, embora seja uma declaração aparentemente ligada; Ele concluiu com a frase: “e anunciar o ano aceitável do senhor”. A frase seguinte diz: “e o dia da vingança de nosso Deus”. Ele não leu esta parte, porque não devia cumprir-se naquela época, embora estivesse unida na mesma frase. Toda a era cristã devia passar antes de vir o dia da vingança do nosso Deus.

      2ª) Pedro em sua segunda carta, cap. 3: 3-13 relata a segunda vinda de Cristo e a destruição da Terra pelo fogo. Se lermos Apoc. 20 sabemos que haverá entre os dois acontecimentos um intervalo de mil anos.

      Depois te explico Apocalipse 6:9

      Excluir
    3. Você NÃO entende de exegese, senão escreveria um texto inteligível e objetivo afim de mostrar o seu ponto de vista! Isto nem é entender de exegese, mas é o minímo que se espera. Eu tenho que IMAGINAR o que você quis dizer, porque você está fazendo uma LAMBANÇA com os versículos que citou. Está fazendo conexões imaginárias do que você pensa que é o certo. Seja mais objetivo e claro na sua argumentação. Já vi que você NÃO tem argumentos! O que disse é PURA invenção de sua cabeça+endossamento do doutrinação que recebeu! Filipenses 1:23, diz exatamente o que você ENTENDEU pela primeira vez que o leu sem a doutrinação de sua seita! 2 Co. 12: "Conheço um homem em Cristo que há quatorze anos (se no corpo, não sei, se FORA do corpo, não sei; Deus o sabe) foi arrebatado ao terceiro céu. E sei que o tal homem (se no corpo, não sei, se FORA do corpo, não sei; Deus o sabe) foi arrebatado ao paraíso; e ouviu palavras inefáveis, que ao homem não é lícito falar. Se houvesse sido apenas uma visão que INJETADA dentro da massa encefálica do apóstolo, que é como os materialistas religiosos querem supor, esta maneira de se expressar do apóstolo, não teria o menor sentido! A passagem de Fp. 1:23 reza: Para mim o morrer é LUCRO, o que não teria o minímo sentido se ele poderia continuar vivo trabalhando pelo reino de Deus, que era tudo para Paulo. Para retirar o sentido NORMAL do texto, tem que abrir um espaço de MILÊNIOS entre morrer... e estar com Cristo. Isto n~em é mais interpretação biblíca, mas ESTRUPAMENTO biblíco! Pela mãe do badanha!!!!!!

      Excluir
    4. Outra coisa: Fp. 1:23 NÃO é uma profecia mas o apóstolo falando de sentimentos que abrigava em seu coração aos seus irmãos. Querer dividir em duas partes a declaração pessoal de Paulo com a profecia messiânica de Isaías é REALMENTE não saber o que está dizendo!!! Isto não passa nem perto do que seja interpretação das escrituras. São dois textos de NATUREZA completamente diferentes. Se você pode fazer isto com Fp. 1:23, abre a precedente para fazer a mesma coisa com qualquer outra declaração pessoal contida nas escrituras. Já pensou aonde isto pode levar? Isto é antigramatical, não tem sentido nenhum; é uma vaca com asas comendo capim em cima da árvore!!

      Excluir
    5. Você é problema, meu amigo... Não sabe nada de bíblia e diz que sou eu... Vou explicar de novo, dando novos acréscimos!, Vê se aprende...
      O Comentario del Nuevo Testamento de Louis Bonnet e Alfredo Schroeder, vol. 3 diz a este respeito: "Para estar com Cristo, prova evidente de que Paulo esperava esta felicidade imediatamente depois de sua morte." O pensamento paulino neste sentido é bastante claro e as passagens de I Cor. 15; I Tess. 4:16-18; II Tim. 4:8; Rom. 8:23 não deixam dúvidas de que ele não cria numa recompensa incorpórea e imediatamente após a morte.
      Paulo 'desejava partir de seu corpo e desfrutar espiritualmente a presença de seu Senhor'pode pensar que Paulo almejava sair de seu corpo e ir a presença de Cristo como uma entidade espiritual, mas como ele compreende bem 'a Bíblia não diz assim'
      "Estar com Cristo. Paulo não está aqui apresentando uma exposição doutrinaria do que acontece na morte. Está explicando o seu 'desejo', que é deixar a presente existência; com seus problemas, e estar com Cristo sem referir-se a um lapso de tempo que possa ocorrer entre os dois eventos, com toda a força de sua ardente natureza ansiava viver com Aquele a quem ele fielmente servira, sua esperança se centraliza num companheirismo pessoal com Jesus por toda a vida futura. Os cristãos primitivos de todas as épocas tiveram este mesmo desejo, sem necessariamente esperarem ser imediatamente introduzidos à presença do Salvador, quando seus olhos se fechassem na morte. "As palavras de Paulo aqui devem ser consideradas em conexão com suas outras afirmações, onde ele claramente se refere à morte como um sono (I Cor, 15:51; I Tes. 4:13-15). Desde que não há consciência na morte, nem consciência do período de tempo, a manhã da ressurreição parecerá como acontecendo logo após a morte". Paulo jamais esperava, com a morte, receber imediatamente o galardão, pois ele mesmo disse: "O tempo da minha partida é chegado. . . a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele dia". II Tim. 4:6 e 8. A pergunta natural que nos vem a mente é esta. Quando será aquele dia? O próprio Paulo nos responde – será no dia da vinda de Cristo – "a todos os que amarem a sua vinda". (verso 8).

      Bem disse Pedro em 2 pedro 3:16.

      Excluir
    6. Conforme prometi
      Quem são as almas debaixo do altar” de Apoc. 6:9?
      “Quando abriu o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos que tinham sido mortos por causa da palavra de Deus e por causa do testemunho que deram. E clamaram com grande voz, dizendo: Até quando, ó Soberano, santo e verdadeiro, não julgas e vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra?” Apoc.6:9-10

      O problema deste texto é que: se quando a pessoa morre ela volta para o pó (Ecles.12:7) e não sabe coisa nenhuma, se a morte é como um sono (João 11:11), então por que estas almas, aqui em apocalipse, estão debaixo do altar clamando (gritando)?
      "O altar apresentado no quadro profético (de Apocalipse) era provavelmente reminiscências do altar de bronze do santuário dos hebreus, e os mártires podem ser lembrados como sacrifícios apresentados a Deus. Como o sangue das vitimas era derramado na base do altar, e a vida da carne está no sangue, assim as almas daqueles que foram martirizados são comparadas como estando debaixo do altar." (Seventh-Day Adventist Bible Commentary, vol. VII, págs. 777-778)

      As "almas debaixo do altar", apresentadas por João nesta passagem, são uma representação simbólica dos filhos de Deus, que foram martirizados na Idade Média por causa do Evangelho. O sangue ou a vida que seus perseguidores derramaram simbolicamente clama a Deus pedindo vingança da mesma forma que o sangue de Abel, em Gên. 4:10: “...E disse Deus: Que fizeste? A voz do sangue de teu irmão está clamando a mim desde a terra...” ou seja, sangue grita? Não! Sangue clama? Não também! Então por que a Bíblia diz assim? É simples! Isso é uma figura de linguagem, uma forma que João e Moisés encontraram de dar ênfase no que tinha acontecido com Abel e com os mártires.

      O que deixa a muitos leitores perplexos nesta passagem é o conceito popular, mas antiescriturístico da palavra alma – uma essência imaterial, invisível e imortal que existe no homem. O conhecimento da palavra no original hebraico e grego jamais admite tal definição. Isso não existe! Dentre seus múltiplos significados se destacam também os de vida e pessoa. Este é o caso de Apoc. 6:9, onde as "almas debaixo do altar" SIMBOLIZAM pessoas, isto é, os mártires, sendo altar simbólico de sacrifício ou martírio. Seria um disparate indescritível a aceitação literal de que essas almas estivessem presas, debaixo de um altar no céu.

      No capítulo seis de Apocalipse, João apresenta uma profecia dos acontecimentos que se realizariam durante a era cristã.
      A referência às "almas debaixo do altar" do verso 9 relaciona-se com a época da Reforma. Tanto a história secular quanto a sagrada nos informam que milhares e milhares dos chamados hereges foram barbaramente massacrados e mortos por todos os meios imagináveis. Felizmente, este estado de coisas teve o seu fim, com o protesto dos príncipes na Dieta de Spira em 1529 e o incremento da Reforma através de toda a Europa. O contexto geral das Escrituras nos impede de tomar esta passagem em seu sentido literal, pois se assim fosse teríamos de aceitar a Morte e o Inferno (Apoc.6:8 – imediatamente ao verso em questão) cavalgando um cavalo literal através da terra.

      Amigo, aceite meu conselho: largue o braço de Luciano Sena e vá ler a bíblia e a história cristã!

      Excluir
    7. Alessandro, Você disse: "Os cristãos primitivos de todas as épocas tiveram este mesmo desejo, sem nescessáriamente esperarem ser imediatamente introduzidos a presença do salvador, quando seus olhos se fechassem na morte". Não sei o que você quis dizer com "cristãos primitivos de todas as épocas", mas de uma coisa tenho certeza: Os cristãos de TODAS as épocas, nem de longe tiveram algum ensinamento adventista em seus arraiais, e nem mesmo este, do sono da alma. Você citou 2 Tm. 4:8, onde Paulo fala do recebimento da coroa da justiça, não de "coroas da justiça", fazendo uma analogia com a coroa de flores recebida pelo vencedor nas competições gregas. A aplicação espiritual é que a igreja como UM TODO, será colocada em posição de honra perante toda a criação. Como Paulo afirmou será "naquele dia", na sua vinda para julgar os vivos e os mortos, com está no versículo 1 deste mesmo capítulo. No v. 6, Paul fala sobre sua "partida", usando a palavra, do grego, "análusis, com o significado de "desatar" como que fios entrelaçados, e também uma metáfora extraída do "desatar as amarras do navio, preparatórias para zarpar. Em filipenses 1:23, a mesma palavra é usada, sempre no sentido de "desatar, soltar, desligar etc. No texto de Fp. 1;23 a "partida de Paulo para estar com Cristo, está relacionada a sua MORTE como visto nos versos 19-20 do mesmo cap., e não à vinda do Senhor. Quando "naquele dia, a igreja composta de vivos e mortos for reunida, receberá a coroa da justiça, ou seja será posta no pódium, em lugar de honra diante de toda a criação. Isto não tem nada a ver com a partida do crente para após a morte estar com Cristo. Evidentemente os cristãos que morrem não vão a presença imediata de Cristo, mas estão abaixo do altar de incenso sob a intercessão de Cristo. Ap.6:9-11. Em 1 Ts. 4:14 o apóstolo revela: "assim também os que em Jesus dormem (os santos dormem em Jesus) Deus os tornará a TRAZER COM ELE". Em 1 Ts 3:13: "na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo COM TODOS OS SEUS SANTOS". Aqui não se trata de anjos, mas de cristãos. 1 Co 6:1-3 "Ousa algum de vós, tendo algum negócio contra outro, ir a JUÍZO perante os injustos, e não perante os SANTOS? Não sabeis que os SANTOS hão de julgar o mundo? Ora,se o mundo deve ser JULGADO por vós... V.3 Não sabeis vós que havemos de JULGAR os anjos? O apóstolo Paulo sempre emprega a palavra SANTOS, referindo-se aos cristãos, em sua epístolas.Ali em 1 Ts. 4:13-18, é o dia do Juízo, como sólidamente sustentado por 2 Tm. 4:1 onde diz: "Conjuro-te, pois, diante de Deus, e do Senhor Jesus Cristo que há de Julgar os vivos e os mortos NA SUA VINDA e no seu REINO". Em Fp. 1:23, Paulo se refere a SUA partida e não a da Igreja como Corpo de Cristo. O v.24, deixa bem claro: "Mas Julgo mais nescessário por amor de vós permanecer NA CARNE". No v.25 "E tendo está consciência, sei que FICAREI, e PERMANECEREI com todos vós..." Quanto a Rm. 8:23: "E não só ela (a criação) mas nós mesmos, que temos as primícias do Espírito, também gememos em nós mesmos, esperando a adoção, a saber a redenção do nosso corpo". Galatas 4: 5-6: "Para REMIR (remissão de pecados) Os que estavam debaixo da lei, afim de recebermos a ADOÇÃO de filhos, e porque SOIS filhos, deus enviou aos vossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai. Vemos que o Espírito de ADOÇÃO de filhos, já veio ao coração dos crentes, apoiado por Rm 8: 15 que diz: "mas recebestes o Espírito de ADOÇÃO de filhos, pelo qual clamamos: Aba Pai. No v.16: "O próprio Espírito testifica com o nosso "espírito" que somos filhos de Deus". Ora, se o nosso espírito JÁ FOI REDIMIDO, então esperamos JUNTO com a CRIAÇÃO que está em "trabalho de parto"(Para dar à luz ao novo céu e nova terra) não o Espírito de adoção, mas a adoção de nosso corpo ou a confirmação perante a criação de nossa filiação divina.

      Excluir
    8. Quem recebe o novo nascimento, é o espírito do crente e não o cérebro com suas funções elétro-fisío químicas, que será DESTRUÍDO, pois o corpo celestial não carregará nem um pingo do DNA que recebemos de nossos pais. Que espírito é este que recebe testemunho filial do Espírito Santo, segundo Rm. 8:16? Na questão das almas debaixo do altar, você citou o "Seventh Day Adventist Commentary, vol. 7, págs 777-778: "O altar representado no quadro profético (de apocalipse) era provavelmente reminiscências do ALTAR DE BRONZE (ênfase minha) do santuário dos hebreus, e os mártires podem ser lembrados como sacrifícios apresentados a Deus. Como o sangue das vitímas era derramado na base do altar, e a vida da carne está no sangue, assim as almas daqueles que foram martirizados são comparadas como estando na base do altar". Em primeiro lugar o texto NÃO afirma que o sangue das almas clamava, mas que ELAS CLAMAVAM por causa de seu sangue que foi derramado SOBRE a terra segundo a infeliz comparação que fazem com a passagem que fala sobre o sangue de Abel clamando DESDE a terra.Gn. 4:10 João NÃO viu as almas na terra ou debaixo do altar de bronze, que alías nem existe mais, há muito tempo. Mas viu as almas debaixo do local onde se situa o altar de incenso ou intercessão. Em segundo lugar, o ÚNICO sangue que escorria até a base do altar de bronze, na ANTIGA ALIANÇA, era o sangue de animais. Está interpretação está ERRADA. Ap. 6:10: "E CLAMAVAM COM GRANDE VOZ"; Ap. 7:9-10: "Depois destas coisas olhei. e eis aqui uma grande multidão... v. 10 "E CLAMAVAM COM GRANDE VOZ"; Ap. 5:11-12 "E olhei e ouvi a voz de muitos anjos, ao redor do trono... v.12 "COM GRANDE VOZ DIZIAM..."; Ap. 12:10 "E ouvi uma GRANDE VOZ no céu, que dizia: Agora é chegada a salvação, a força, e o reino de nosso Deus e o poder do seu Cristo; Porque já o acusador de nossos irmãos (que estavam na terra) é derrubado, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite". Estes que clamavam no céu eram cristãos já mortos alegrando-se por. causa de seus irmãos perseguidos ainda sobre a terra. Lc. 17:7-8; Ap. 14:2 "E ouvi uma VOZ DO CÉU, COMO A VOZ DE MUITAS ÁGUAS..."; Ap. 19:6 "E ouvi como que a VOZ DE UMA GRANDE MULTIDÃO, E COMO A VOZ DE MUITAS ÁGUAS, E COMO A VOZ DE GRANDES TROVÕES..." Este é o padrão apresentado em apocalipse, tendo que esmigalhar o texto de Ap. 6:9-11, para fazê-lo dizer o que não está lá. O texto de Ap. 6: 9-11, dever ser comparado com os textos acima citados, que é sua conclusão normal, e não abandoná-los e ir lá em Gênesis 4:10 e tentar enfiar a porca no parafuso errado. Em Ap. 15: "Visto que derramaram o sangue dos SANTOS E DOS PROFETAS, também tu lhes deste sangue a beber; porque disto são merecedores. Este texto está relacionado a Ap. 6:9-11; Ap. 18:20 "Alegra-te sobre ela, ó ceu, (seus habitantes), e vós, SANTOS APÓSTOLOS E PROFETAS (como irão se alegrar se estão inconscientes?!) porque Deus já julgou a vossa causa quanto a ela. Causa requerida em Ap. 6:9-11. Ap. 18:24 "E nela se achou o sangue dos profetas, e dos santos que foram mortas SOBRE a terra". Ap. 6:10 "Até quando, ó verdadeiro e santo Dominador, não julgas e vingas o nosso sangue dos que habitam SOBRE a terra". Porque não está escrito assim: "OUVI, (não vi), o sangue das almas clamando desde a terra? Porque este texto não está escrito como está lá em Gn. 4:10? Porque João NÃO viu a MESMA coisa. Antes da CRUZ, o homem não tinha acesso ao céu. Segundo os adventistas, estas almas estavam na terra, quando a visão claramente afirma que ela estavam debaixo do altar de incenso, no céu. Não estavam esmigalhadas ali embaixo, mas nos lugares celestes, abaixo de onde fica o altar de incenso, que é o único altar que existe no livro de Revelacão. O sangue delas (das almas), já tinha sido derramado NA TERRA e não está relacionado ao altar de bronze da antiga aliança, mas ao altar de incenso, que dá testemunho d que sua intercessão está efetuando-se.

      Excluir
    9. Vc faz uma lambança com os assuntos bíblicos...vc é mestre nisso...
      "Mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir, e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor". Fil. 1:23
      Vc desmente a Cristo quando Ele diz que a morte é um sono(João 11:11 a 14); Quando Jesus ressuscitou a Lázaro; Ele não disse: Lázaro vem em espírito, desce do céu, vem do sheoll ou coisa parecida. Simplesmente disse: vem para fora(11:43).
      Jesus disse a Marta: "Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá;
      E todo aquele que vive, e crê em mim, nunca morrerá. Crês tu isto?" João 11:25 e 26
      Jesus não disse: ainda que esteja morto vive(DISSE: AINDA QUE ESTEJA MORTO VIVERÁ(fala de ressurreição, ato futuro, e não presente). Vc contesta o Mestre? A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO É UMA PROVA DE QUE NÃO EXISTE VIDA APÓS A MORTE. ISSO É HERESIA HERDADA DOS GREGOS E ROMANOS).
      Eclesiastes(12:7) diz que a morte é o inverso da vida(Gên. 2:7). Deus sopra nas narinas quando cria o homem e suga de volta quando ele morre. A ressurreição do corpo é uma prova de que a morte é um sono. Eclesiastes 9:5, 6 e 10(“Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, mas a sua memória fica entregue ao esquecimento.

      6 Também o seu amor, o seu ódio, e a sua inveja já pereceram, e já não têm parte alguma para sempre, em coisa alguma do que se faz debaixo do sol.... Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque na sepultura, para onde tu vais, não há obra nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma)
      provam isso. Não há consciência na morte...Sei que vc vai tentar refutar isso mas não terá sucesso(OS MORTOS NÃO SABEM NADA!). Salmos 104:29 diz: “Escondes o teu rosto, e ficam perturbados; se lhes tiras o fôlego, morrem, e voltam para o seu pó”.
      Salmos 115:17 e 18 “Os mortos não louvam ao Senhor, nem os que descem ao silêncio. Mas nós bendiremos ao Senhor, desde agora e para sempre. Louvai ao Senhor”.
      Fico incrívelmente abismado como é que a pessoa consegue deturpar claramente as Escrituras Sagradas. Paulo foi enfático "Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé.
      Desde agora, a coroa da justiça(SALVAÇÃO PELOS MÉRITOS DE CRISTO) me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia(VOLTA DE JESUS); e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda." 2 Timóteo 4:7 e 8. A esperança do apóstolo era a vinda de Jesus para poder ir para o céu. Paulo nem pensava na sua morte, pelo menos nesses momentos(Paulo acreditava que Jesus pudesse vim ainda em seu tempo): " Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor". 1 Tess. 4:17. Ele diz "nós os que ficarmos vivos". Só na Volta de Cristo o apóstolo crer que vai para o céu!
      No verso 16 ele fala da ressurreição do salvos(por que ressuscitar se os salvos já estão na glória? Anula-se essa doutrina).
      Paulo não cria na vida após a morte. Mais uma vez é repetido: “Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos (MORREREMOS), mas todos seremos transformados; Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará(ESSA TROMBETA SOARÁ NA VOLTA DE JESUS), e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados(OLHA PAULO AQUI MAIS UMA VEZ DANDO ÊNFASE NA VOLTA DE CRISTO). “ 1 Cor. 15:51 e 52.
      De fato, na Volta de Cristo milhares estarão vivos e não passarão pela morte!
      Todos esses versos já foram deturpados por vc e por muitos!
      Ainda tenho mais a dizer... a bíblia é maravilhosa, só não enxerga quem não quer!




      Excluir
    10. Sobre Apoc. 6:9 é justamente como te ensinei...
      Releia de novo tudo que expus!

      Excluir
    11. Me responda: Que espírito é esse que recebe testemunho do Espírito Santo, em Rm. 8:16? Eu lhe demonstrei pelas escrituras que sua interpretação de ap. 6:9, está ERRADA, a não ser que você tenha dificuldade de entender as escrituras. Aquelas almas debaixo do altar é que clamavam NÃO o sangue delas que tinha sido derramado sobre a terra. Você sabe ler? Lhe mostrei TODO o padrão de ap. com relação as "grandes vozes" no céu é você foi correr lá para Gn. 4:10 que não tem nada a ver com as almas debaixo do altar. Lhe demonstrei, pelas escrituras que as únicas vitmas que eram colocadas sobre o altar de bronze, que NÃO existe mais e nem no céu eram os animais para fazer a expiação (em tipo) e não poderiam ser seres humanos. Além do mais a terra NUNCA é simbolo do altar de sacrifìcio, mas sim a CRUZ de Cristo. O que você me ensinou, é que você é um bom e fiel sabatista tentando defender as heresias de sua seita. Nem mais, nem menos.

      Excluir
    12. Alessandro, a morte é comparada a um sono porque quando você olha para um defunto ele se assemelha a uma pessoa DORMINDO. Só que este sono NÃO é INCONSCIENTE. "Morreu o mendigo (e não foi sepultado. Se sheol significa sepultura, o mendigo é que não foi ao sheol, pois ficou deixado apodrecendo na rua para ser comido pelos abutres). Neste caso, sómente o rico foi para o sheol (segundo a doutrina adventista, sepultura). E o mendigo foi levado pelos anjos ao seio (comunhão,com) Abraão. Devido a tamanha impiedade do rico, a justiça divina lhe permite ter um vislumbre, do lugar dos justos, e ele erronêamente pede a intercessão de Abraão porque estava sentindo moralmente tudo aquilo que o mendigo sofreu na carne. O mendigo foi para o seio de Abraão, pela graça Deus, porque cria no Deus de Abraão, ao contrário do rico que tinha como seu Deus, Mamon. O Senhor Jesus NUNCA se utilizou de doutrina FALSA para trazer ensinamento. Quem zomba desta história ou se quiserem parábola, está zombando da palavra do Senhor Jesus. Quem afirma que O Senhor se utilizou de um ensinamento FALSO para trazer a verdade, está ERRADO, alem de não poder demonstrar que o Senhor se utilizou de ensinamento alheio. A palavra era DELE, saiu da boca daquele que nunca proferiu mentira ou engano. Ap. 20:14: "E a morte e inferno (hades) foram LANÇADOS NO LAGO DE FOGO. Está É a segunda morte, O LAGO DE FOGO (que não é na terra). NO verso 15: "E AQUELE que não foi achado no livro da vida foi lançado no lado de fogo. O verso 14, de ap. 20, faz referência a 1 Co 15:26: "Ora, o último inimigo que há de ser ANIQULADO é a morte". Se você notar, vai ver que a morte é aniquilada ANTES dos condenados serem lançados ao lago de fogo, o que os torna eternamente condenados, como diz em 2 Pe: "Estes são fontes sem água, nuvens levadas pela força do vento, para os quais a ESCURIDÃO das trevas ETERNAMENTE se reserva".

      Excluir
    13. Romanos 8:16 diz: "O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus".
      Existe alguma dúvida de que se refere ao ser humano em si?
      O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito (nosso ser, nossa vida) que somos filhos de Deus"
      “O testemunho interior do Espírito confirma que fomos aceitos. Embora não seja seguro andar unicamente pelo sentimento, aqueles que, no melhor de sua compreensão, seguiram a luz da Palavra ouvirão uma voz interior assegurando-lhes que foram aceitos como filhos de Deus”.
      O que é espírito?
      O Theological Dictionary of the New Testament, conhecido, entre nós como de Kittel, por ser este o nome do editor, sempre com sua prolixidade cansativa dedica ao estudo desta palavra 119 páginas. (Vol. VI, 333 a 451). Ele a define como sendo:
      Vento
      Respiração
      Vida
      O Princípio que dá vida física
      O poder Criativo de Deus.
      W. E. Vine conforme seu Expository Dictionary of the New Testament Words: "Espírito é o princípio de vida dado ao homem por Deus."
      Esta definição é bem bíblica de acordo com Gên. 2:7 e a declaração de São João 6:63, onde pneuma aparece como o principio de vida.
      O SDABC Dictionary assim define espírito: "respiração, vento, elemento vital, mente". pág. 1040.
      Lutero disse: "O pneuma é a parte mais elevada e nobre do homem, pois o capacita para captar as coisas incompreensíveis, invisíveis e eternas, em suma, é a morada em que a fé na Palavra de Deus se sente em casa."
      O espírito foi também definido como o ponto de contato entre Deus e o homem.
      Espírito é o princípio de vida – é geral. Alma é individual, pessoal.
      A International Standard Bible Encyclopedia faz a seguinte distinção: "O espírito – pneuma é o sopro do fôlego de Deus na criatura, o princípio de vida proveniente de Deus. A alma – psiquê é a possessão individual do homem, o que distingue um homem de outro e da natureza inanimada".
      "A alma (psiquê) é o homem, a ser vivo e consciente; é a força sensitiva, é a vida mesma".
      "O espírito (pneuma) é a vida em ação, é seu elemento agente, é sua força pensativa, é seu caráter".
      Pneuma é traduzida da seguinte maneira:
      Sopro – – Ezeq. 37:5
      Vento – (respiração) – Gên. 8:1
      Espírito – Juízes 15:19
      Vida – – Sal. 146:4
      Fôlego – – Ezeq. 11:5
      Espírito de Deus – – Isa. 63:10
      Sede das emoções – – I Sam. 1:15.

      Espírito (pneuma) é mais usada no Novo Testamento do que a palavra alma (psiquê), pois ali se encontra 220 vezes; sendo na língua inglesa traduzida por 16 palavras diferentes.

      Pneuma e os Escritos Paulinos

      A palavra pneuma (espírito) apresenta uma grande gama de significados como pode ser comprovado pelos escritos paulinos.
      Merecem destaque estes:
      Hálito ou sopro de Deus – II Tes. 2:8.
      A alma humana tomada pela pessoa em geral – I Cor. 16:18.
      A alma como intelectiva ou a consciência – I Cor. 2:11.
      Anjos e demônios – Heb. 1:14; Efés. 2:2; I Tim. 4:1.
      Aplica-se como apelativo a Cristo – II Cor. 3:17.
      A divina natureza de Cristo – Rom. 1:4.
      A terceira pessoa da Trindade – Rom. 8:9-11 ; I Cor. 2:8-12.
      Interessante é notar que o apóstolo Paulo emprega apenas 12 vezes a palavra psiquê, que deveriam ter os seguintes significados de acordo com o original:
      Seis vezes como o significado de vida – Rom.11:3; 16:4; I Cor. 15:45; II Cor. 1:23; Fil. 2:30; I Tes. 2:8.
      Três indicam desejo – Efés. 6:6; Fil. 1:27; Col. 3:23.
      Uma vez indica emoção – I Tes. 5:23.
      Dois exemplos são pessoais – Rom. 2:9; 13:1.
      A palavra pneuma, que aparece 220 vezes em o Novo Testamento, como já foi afirmado, é usado 91 vezes para denominar o Espírito Santo.

      Excluir
    14. SOBRE A PARÁBOLA DO RICO E LÁZARO
      Como aqui não tenho espaço...leia a matéria toda no meu blog http://www.jasdreflexao.blogspot.com/
      Resumindo
      Perceba o quadro atual:

      O RICO EM TORMENTO
      (judeus)

      Perderam a hegemonia nacional, conforme a Parábola. Perderam o privilégio de ser o povo escolhido de Deus (Deut. 7:6). Perderam o majestoso templo, a nação, e dispersos foram por todo o mundo. Muito embora Deus os ame a todos, e, individualmente tenham direito à salvação, desde que aceitem a Jesus Cristo como Salvador pessoal.

      LÁZARO CONSOLADO
      no seio de Abraão
      (gentios)

      Possuem a verdade, exercem fé, crêem, vivem e pregam o evangelho, esperam a volta de Jesus e transformaram-se na geração eleita de Deus, ouça:
      “Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquEle que vos chamou das trevas para a Sua maravilhosa luz; vós que em outro tempo não éreis povo, mas agora sois povo de Deus; que não tínheis alcançado misericórdia, mas agora alcançastes misericórdia.” I Pedro 2:9-10.

      ABRAÃO
      Entrou nessa parábola, porque é considerado o pai da fé, segundo a Bíblia. E todos os que se salvarem, o serão pela fé em Cristo, e nunca por obras ou méritos próprios; e serão chamados filhos de Abraão pela fé. Gálatas 3: 9.

      O SEIO DE ABRAÃO
      Quer dizer, simplesmente: Privilégios e favores. Ó gentios! Como Deus nos ama!
      Para finalizar, tenhamos em mente este pensamento:
      “Na parábola do Rico e Lázaro, Cristo mostra que nesta vida os homens decidem seu destino eterno. Durante o tempo da Graça de Deus, esta é oferecida a toda alma. Mas, se os homens desperdiçam as oportunidades na satisfação própria, segregam-se da vida eterna. Não lhes será concedida nova oportunidade. Por sua própria escolha cavaram entre eles e Deus um abismo intransponível.” – Parábolas de Jesus, pág. 260. E.G. White. Grifos meus.

      Meus queridos irmãos, está claro que, nesta parábola, Jesus continua apresentando a lição iniciada com a parábola do mordomo infiel de Lucas 16:1-12, e a tônica de Seu ensino é que o “destino eterno” de uma pessoa é determinado pelo uso que ela faz das oportunidades que se apresentam HOJE.

      Assim, pois, sem sombras de dúvidas, a parábola do Rico e Lázaro foi apresentada por Jesus para esclarecer definitivamente que o destino do homem – rico ou pobre é decidido aqui nesta vida, “pelo uso feito dos privilégios e oportunidades” conferidos por Deus.
      Finalmente, quem quiser aceitar esta parábola como a doutrina de que o homem recebe a recompensa imediatamente após a morte, ou na morte, contradiz frontalmente a Bíblia.
      Leia, como complemento: Mateus 16:27; 25:31-41. I Coríntios 15:51-55. I Tessalonicenses 4:16-17. Apocalipse 22:12, etc.
      Tenho ânsias de explodir em brados de aleluias ao Senhor, pois que Ele é bom, e nos dá sabedoria para andarmos na luz. – Aleluia! Glória a Deus!

      Excluir
  6. (2 Corintios 5)

    "Irmãos, não queremos que vocês sejam ignorantes quanto aos que dormem, para que não se entristeçam como os outros que não têm esperança. Se cremos que Jesus morreu e ressurgiu, cremos também que Deus trará, mediante Jesus e juntamente com ele, aqueles que nele dormiram." (1 Tessalonicenses 4:13-14)

    O modelo de Paulo era Jesus, neste sentido paulo disse que preferia estar com Jesus.

    Ali diz que Jesus morreu e ressurgiu, assim Paulo cria que morreria e ressurgiria, junto com os que dormem e habitaria com Cristo.

    Por isto preferia deixar logo o corpo, para não ter que esperar ainda pelos longos anos de sua vida, mas aguardar a vinda de Cristo, em sono, como os demais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os mortos, neste texto vem com Cristo. "Para confirmar os vossos corações, para que sejais irrepreensíveis em santidade diante de nosso Deus e Pai, na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo COM TODOS OS SEUS SANTOS. 1 Ts. 3:13. Os santos aqui não são os anjos, mas os salvos, que são chamados de santos por todo o novo testamento. " E destes profetizou também Enoc, o sétimo depois de Adão, dizendo: Eis que é vindo o Senhor com milhares de seus SANTOS; para fazer JUÍZO contra todos os ímpios..." Judas 14-15. "Não sabeis que os SANTOS hão de julgar o mundo? Ora se o mundo deve ser JULGADO por VÓS..." 1 Co. 6:2 No v. 3 do mesmo cap. 6 de 1 Co.: "Não sabeis que havemos de julgar os anjos? Então essa vinda com os santos cristãos é para JULGAR o mundo. (1 Ts. 4:13-16.

      Excluir
  7. Apocalipse 20:

    "O mar entregou os mortos que nele havia, e a morte e o Hades entregaram os mortos que neles havia; e cada um foi julgado de acordo com o que tinha feito."

    Os ímpios serão julgados e condenados após a ressurreição, e não antes!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sr. Adventista, Jesus disse assim: "Quem crê nele não é condenado; mas quem NÃO CRÊ JÁ ESTÁ CONDENADO, porque não crê no nome do unigênito filho de Deus. Após a ressurreição é a aplicação definitiva da pena. Antes, estavam reservados para juízo. 2 Pe 2:4: " Porque, se Deus não poupou os anjos que pecaram, mas, havendo-os lançado no tártaro, os entregou às cadeias de escuridão, ficando RESERVADOS para JUÍZO". É outra classe de anjos, muito perigosa que Deus teve que prende-los. Não trata-se de Satanás! 1 Pe 5:8: " Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão bramando, buscando a quem possa tragar". Assim é com o espíritos dos perdidos. Ficam nas trevas, RESERVADOS para juízo. Lc. 16, em o "Rico e lázaro" deixa bem claro este assunto, já que Jesus não iria servir-se de um ensinamento falso para ensinar as pessoas, deixando registrado nas escrituras inspiradas uma falsa doutrina, fazendo milhares de pessoas errarem o caminho. ESTE, NÃO É O MEU JESUS!

      Excluir
  8. A doutrina do estado intermediário não é uma crença Judaica, conforme nos mostra as escrituras. Para o judeu, a morte é um sono inconsciente e se não há consciência, não há noção de tempo, nem espera.

    Para os que dormem, a morte é como um fechar e abrir de olhos.

    ResponderExcluir
  9. Era a crença dos fariseus e dos profetas no antigo testamento! A denominação, (fariseus), de que Paulo saiu, cria no estado intermsdiário. Texto? Atos 23:7-8: " E, havendo disto isto, houve dissenção entre os fariseus e saduceus; e a multidão se dividiu. Porque os os saduceus dizem que não há ressurreição, nem anjo, NEM ESPÍRITO (Gr. Pneuma); mas os FARISEUS ADMITEM UMA e OUTRA COISA". No v.9: "E originou-se um grande clamor; e, levantando-se os escribas da parte dos FARISEUS, contendiam, dizendo: Nenhum mal achamos neste homem, e, se algum ESPÍRITO, (Gr. pneuma), ou anjo lhe falou, não lutemos contra Deus. Espírito como Samuel, vindo com a PERMISSÃO de Deus. Não se trata de necromancia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A questão contida naquele verso 8 (que deveria estar no mínimo entre parênteses) não se trata do estado intermediario entre a morte e a ressurreição! Digo isto porque, se não criam na ressurreição, como poderia haver um estado intermediário? Porque o estado seria INTERMEDIÁRIO justamente por estar entre a morte e a ressurreição! Logo, sem ressurreição, não há estado intermediário. Percebe?

      E onde o amigo encontrou neste capítulo esta menção ao Espírito como Samuel? Esta é uma conclusão do amigo e não da Bíblia.

      E veja que espírito é colocado no mesmo patamar de anjos como 'MENSAGEIROS'.

      A questão é que Paulo ao falar da ressurreição (que os Saduceus não criam) levantou a opinião dos FARISEUS QUE CRIAM na ressurreição.

      O levantamento desta questão (acerca da ressurreição) sucitou outros pontos, cridos pelos fariseus, como a crença em espírito e anjos:

      Os Fariseus conjulgaram duas de suas crenças, àquela crença na ressurreição apresentada por Paulo, e trouxeram a questão ao seu favor ao afirmarem:

      "Quem sabe se algum espírito ou anjo falou com ele?"

      Não apenas pelo fato de apoiarem a ressurreição, mas de agregarem à discussão outras duas crenças, acirrou-se a discussão entre Saduceus e fariseus.

      Como Paulo havia trazido a razão para os Fariseus, os Saduceus desejaram matá-lo, enquanto que da parte dos fariseus:

      "Não encontramos nada de errado neste homem"

      Então nada de estado intermediário nem espíritismo (como no caso de Samuel, que se trataria sim de necromancia, consulta aos mortos).

      Excluir
    2. No texto de atos 23:7 Lucas afirma que os fariseus criam na existência de espíritos. Paulo era fariseu e portanto cria na MESMA coisa! Em 1 Co 12, Paulo diz que não sabe se foi arrebatado no corpo ou FORA do corpo, o que não teria sentido se ele tivesse recebido as visões DENTRO de seu cérebro, que é como os materialistas religiosos querem supor. Mas o texto NÃO afirma isto! Em 2 Co. 5:6-8 Paulo afirma: "Por isso estamos sempre de bom ânimo, sabendo que, enquanto estamos no corpo, vivemos ausentes do Senhor , porque andamos por fé e não por vista. Mas temos confiança e desejamos antes DEIXAR este corpo, para habitar com o Senhor". 2 Pe. 1:13-14: "E tenho por justo, enquanto estiver neste TABERNÁCULO despertar-vos com admoestações. Sabendo que brevemente hei de DEIXAR este meu TABERNÁCULO, como também nosso Senhor Jesus Cristo já me tem revelado". Paulo diz com todas as letras; "deixar este corpo" para habitar com o Senhor, assim como o apóstolo Pedro. Comparando as duas declarações vemos que as escrituras claramente ensinam que ao deixar este corpo ou tabernáculo, o crente vai a presença de Cristo! É IRREFUTÁVEL!!!

      Excluir
    3. Agora me mostre na Bíblia onde está escrito a doutrina de que espírito seria uma alma etherea imaterial que sai para fora do corpo!

      Para isto eles davam outro nome (Marcos 6:49).

      E isto se trata de uma crença da cultura grega.

      Pessoalmente creio em espíritos ministradores, mas não creio em fantasmas. Todo mundo sabe que fantasmas não existem.

      Quanto ao crente ir para à presença de Cristo, devemos nos perguntar QUANDO isto há de ocorrer. A conclusão de que seria imediatamente após a morte, partiu do amigo. Em todo este capítulo da Bílbia não encontramos Paulo dizendo que isto se daria imediatamente após a morte, muito pelo contrário, a visão de Paulo e de toda a Escritura é a de que o estar com Cristo se dará por ocasião da SUA vinda.

      Não é que a pessoa irá para junto de Cristo, mas que Cristo virá para nos buscar e naquele dia todos que estiverem vivos, deixarão este corpo corrompido para dar lugar a um corpo glorificado.

      Quanto aos mortos, que já deixaram o corpo, estes serão revestidos do corpo imortal.

      A vinda de Cristo é imediata para os que dormem. Não porque haveremos de ser arrebatados imediatamente ao céu, mas que não teremos consciência do tempo que se passou. Então para quem morre, a vinda de cristo se torna imediata.

      Eu também diria hoje que estou ansioso, para deixar este corpo mortal e me revestir da imortalidade, e que se eu tivesse que deixar este vorpo hoje, não me importaria. Porque sei que entre a morte e a ressurreição é como um fechar e abrir de olhos.

      Deste modo, os mortos não 'esperam' como sugere nosso amigo Luciano Sena.

      A morte então é mais parecida com um sono. E nos tempos modernos poderíamos dizer que mais se parece com um estado de coma profundo.

      Quando a pessoa acorda não imagina que se passaram 5, 10 ou até 15 anos. Imaginam que seja um dia seguinte, ou algumas horas depois de ter entrado naquele estado.

      Todo ser humano já teve a experiência de um sonos. Para paulo, todos os séculos e anos que passariam durante a morte é como se fossem aquelas poucas horas entre dormir à noite e acordar em outro dia.

      Quando entendemos isto, TODA aquela afirmação de Paulo passa a fazer todo o sentido.

      Paulo tinha a consciência de que a espera da vinda de cristo após a morte, é como uma curta noite de sonos.

      Como se deitasse para dormir e ao acordar, já testemunhasse a vinda de Cristo.

      O conceito de morte como um sono, leva em conta o sono normal do cotidiano, e não um sono de séculos, como a da Bela Adormecida (mais uma crença agregada aos dias de hoje)!

      A questão é que diversas culturas gregas e provindas de outras fontes nublam o nosso entendimento e dificulta-nos entrar no espírito da época de Paulo.

      Por isto costumo usar o método historicista de estudo, onde se pesquisa a história e o contexto cultural de certo povo em cada época, para então se tirar conclusões.

      Não podemos basear os escritos da Bíblia no contexto cultural em que vivemos hoje, senão realmente acharemos doutrinas de fantasmas, rapunzeis que dormem por séculos.

      Basta então o amigo ter em mente que o Sono tanto para Paulo como para Cristo era basado no sono de uma pessoa viva.

      O sono não apenas nos explica o estado dos mortos, mas também a questão da brevidade entre a morte e a vinda de cristo, que para o que dorme seria como dormir em uma noite e acordar no outro dia de manhã.

      Deixar o corpo então seria como tirar uma roupa à noite antes de dormir e vestir uma outra nova no dia seguinte, logo de manhã.

      Quando éramos crianças ansiosos por uma viagem divertida, os pais costumavam dizer para que dormíssemos cedo, assim, o tempo passaria mais rápido e a viajem chegaria mais rápido.

      Assim a ressurreição é como fechar os olhos para dormir e então abri-lo ao acordar. Neste sentido, Paulo cria que se morresse antes de completar seus anos, receberia seu corpo glorificado mais cedo, porque ao invés de ter que esperar, talvez décadas ainda, esperaria algo que seria tão somente como uma noite em sono profundo.

      Excluir
  10. Era a crença dos fariseus e dos profetas no antigo testamento! A denominação, (fariseus), de que Paulo saiu, cria no estado intermsdiário. Texto? Atos 23:7-8: " E, havendo disto isto, houve dissenção entre os fariseus e saduceus; e a multidão se dividiu. Porque os os saduceus dizem que não há ressurreição, nem anjo, NEM ESPÍRITO (Gr. Pneuma); mas os FARISEUS ADMITEM UMA e OUTRA COISA". No v.9: "E originou-se um grande clamor; e, levantando-se os escribas da parte dos FARISEUS, contendiam, dizendo: Nenhum mal achamos neste homem, e, se algum ESPÍRITO, (Gr. pneuma), ou anjo lhe falou, não lutemos contra Deus. Espírito como Samuel, vindo com a PERMISSÃO de Deus. Não se trata de necromancia.

    ResponderExcluir
  11. (momento de descontração)

    Detalhes interessantes:

    "em SUBINDO um homem ancião, e está envolto numa capa."
    "Por que me inquietaste, fazendo-me SUBIR? "

    (Samuel 1:28)

    Samuel DESCEU do céu? Ou será que SUBIU da sepultura?

    "E o Senhor entregará também a Israel contigo na mão dos filisteus, e amanhã tu e teus filhos estareis comigo;"

    Saul estaria com Samuel? Onde?

    Porque se fosse no Céu, Saul gozaria da salvação mesmo sendo mau. Se fosse no Inferno, o fiel servo Samuel é quem se daria mal.

    Ou será que a própria crença daquele espírito fajuto era de que após a morte o destino é um só, o da sepultura?

    "E, clamando, disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim, e manda a Lázaro, que molhe na água a ponta do seu dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama." (Lucas 16:24)

    Almas desencarnadas se refrescam com coisas materiais, como uma gota de água?

    "E disse ele: Não, pai Abraão; mas, se algum dentre os mortos fosse ter com eles, arrepender-se-iam. Porém, Abraão lhe disse: Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tampouco acreditarão, ainda que algum dos mortos ressuscite" (Lucas 16:30-31)

    Se mortos precisariam ressuscitar para falar com os vivos, quem era aquele que apareceu para Saul?

    A parábola do rico e Lázaro, trazidos para os dias de hoje, poderia ser representada por duas tumbas, uma do lado da outra, bem próximas.

    Em uma estaria o Lázaro, no seio (lar) de Abraão em um ambiente espaçoso, com ar condicionado, descansando em sua caminha confortável, ao lado de uma ampla piscina de lazer, enquanto espera a ressurreição.

    Do outro lado estaria o rico, deitado sobre uma cama extremamente desconfortável, com um aquecedor ligado à mais de 40 graus em um cômodo onde não dá nem para esticar as pernas.

    Junto com Lázaro estaria Abraão. O seio de Abraão seria o Lar de Abraão, a tumba onde Lázaro também se encontra

    Da sua própria tumba, o rico começa a pedir em voz alta, para que Abraão diga, a Lázaro, para molhar o seu dedo na piscina ampla e de água cristalina em abundância e que estendesse o braço pelo buraco a fim de pingar uma gota na lingua do Rico.

    Abraão se nega e o rico então pede a Abraão para ressuscitar e ir avisar para seus parentes, para que não fossem para o lugar apertado onde o Rico está e que é muito apertado e além disto é muito quente e desconfortável.

    Abraão então lembra ao rico de que, se os parentes não creem na Bíblia, tão pouco acreditariam que, aquele que estaria lhes trazendo a mensagem, seria o Abraão ressuscitado.

    Como podemos ver, mesmo as crença antiga, tanto do AT como do NT não envolvem céu nem inferno, mas tão somente tumbas, de onde supostamente os espíritos sairiam, como fantasmas no caso de Saul, ou de ressurretos, que haveria de ser o caso de Abraão, caso decidisse atender ao pedido feito pelo Rico.

    Portanto, nada de imortalidade da alma, a crença popular era totalmente outra. Todos iriam para a tumba, e de lá se desenrolaria as historinhas populares.

    Para se entender este diálogo entre rico e Lázaro, basta observar uma mãe conversando com seu filhinho, ao mesmo tempo em que simula a própria conversa do bebê.

    É realmente engraçado imgaginar, um rico e um pobre, conversando entre si em suas sepulturas, uma do lado da outra, enquanto o Rico está desconfortável e em tormento, reclamando e pedindo favores ao Pobre que agora está em uma posição confortável. Ou seja, inverteu-se totalmente a situação de antes.

    "Disse, porém, Abraão: Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro somente males; e agora este é consolado e tu atormentado."

    É neste sentido e neste clima de descontração que a parábola do Rico e Lázaro é apresentado, e como vemos, exceto a lição moral acerca de não haver diferença entre ricos e pobres, nada do que há contido na parábola pode ser aproveitado a fim de ser usado como fonte de crença. Porque senão teríamos começar, acreditando que mortos possam conversar e pedir favores uns aos outros de dentro de suas tumbas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sr. Adventista, Esta mania de querer se aproximar com esta nossa pedante mente "moderna" regada a ciência por todos os lados, é que gera este tipo de argumentos que você lançou. Você tem de INVENTAR objeções que supõe lógicas, para entender a mecânica do mundo espiritual. O Senhor Jesus NUNCA iria usar um ensinamento FALSO, afim de comunicar verdades! O homem rico, pede ao pai Abraão que tome providência para que os seus não fôssem para aquele lugar de tormento, o que seria impossível se ele estivesse inconsciente!!! O homem rico, evidentemente não sabe o que diz , mas o desespero o leva a sentir aquilo que o mendigo , de fato, havia sofrido e ainda erronêamente pedir a intercessão de Abraão. Ao negar o que as escrituras afirmam sobre a vida além, tanto no antigo como novo testamentos, você está, mesmo sem querer, fazendo aquilo que se chama de DEMITOLOGIZAÇÂO, que é o que os incrédulos fazem quando chamam várias narrativas da biblía de mitos, lendas etc. O ESCRITOR de 1 Samuel, encerra a narrativa chamando o profeta pelo NOME! Eu pergunto novamente e espero a resposta que até agora não obtive: Porque os adventistas não imprimem biblías onde venha escrito em 1 Samuel 28, os nomes Satanás ou demônio se é o que realmente foi aquela aparição? Os tradudores (não adventistas), já conseguiram tirar de muitas traduções modernas o texto de 1 João 5:7! Porque vocês também não fazem a correção, já que o ESCRITOR da narrativa se equivocou no encerramento da mesma e trocou os nomes?! Onde está o texto que afirma que Moisés ressucitou? Quer dizer; As pessoas podem arrancar versículos da biblía, podem negar as afirmações claras que as escrituras fazem, podem trazer ensinamento sem mostrar os respectivos textos. É um verdadeiro CARNAVAL!!! Antes de Cristo, ninguém subiu ao céu como ELE MESMO afirmou. João 3:13. 1 Co. 15 só poderia entrar em operação APÓS o Calvário. Moisés não subiu ao céu e nem ressucitou para a vida eterna ANTES de Cristo. Afirmar que o foi é ensinamento de anticristo! Como que uma pessoa debaixo do sangue de animais, ainda com seus pecados não remitidos iria para a presença de um Deus Santo? Impensável, não escriturístico! Moisés e Elias segundo este ensinamento NÃO precisaram do sacrifício de Cristo! Antes da encarnação da Palavra eles já estavam gozando as venturas celestiais?! Don´t make sense!! Isto é pura fantasia, devaneios ou o que seja!

      Excluir
    2. MARCOS 9
      2 E seis dias depois Jesus tomou consigo a Pedro, a Tiago, e a João, e os levou sós, em particular, a um alto monte; e transfigurou-se diante deles;
      3 E as suas vestes tornaram-se resplandecentes, extremamente brancas como a neve, tais como nenhum lavadeiro sobre a terra os poderia branquear.
      4 E apareceu-lhes Elias, com Moisés, e falavam com Jesus.
      5 E Pedro, tomando a palavra, disse a Jesus: Mestre, é bom que estejamos aqui; e façamos três cabanas, uma para ti, outra para Moisés, e outra para Elias.
      6 Pois não sabia o que dizia, porque estavam assombrados.
      7 E desceu uma nuvem que os cobriu com a sua sombra, e saiu da nuvem uma voz que dizia: Este é o meu filho amado; a ele ouvi.
      8 E, tendo olhado em redor, ninguém mais viram, senão só Jesus com eles.
      ver tambem: ( Mt 17:1-13 Lc 9:28-36 ), ( Mt 17:1-8 Lc 9:28-36 )

      Excluir
    3. E quem foi que disse de que Cristo não possa se utilizar de anedotas comuns de um época para ilustrar um ensinamento?

      Parábola é isto meu amigo! É usar também a imaginação!

      Imagine a cena de dois mortos conversando de seus túmulos, um pedindo para o outro pingar uma gota de água na sua língua.

      Imagine ouvir o rico pedindo para Abraão mandar Lázaro fazer isto, enquanto Abraão, tenta explicar a situação ao rico.

      Peço ao amigo que desenhe isto em um papel:

      Desenhe duas criptas, daquelas antigas, que ficavam dentro de um cômodo, cuja porta era lacrada. Coloquem-nas próximas o suficiente para os mortos poderem bater um papinho, mas desenhe um abismo (buraco sem fundo) entre eles.

      Para o túmulo de Lázaro, que está no seio de Abraão, desenhe um lar luxuoso e fresquinho, com piscina e quadra de esportes.

      Para o do rico, desenhe um quadrado, pequeno e coloque o rico lá de qualquer jeito.

      Agora imagine Abraão ressuscitando e aparecendo vivo para a família do Rico! Imagina o susto!

      Imagine Abraão dizendo: - Olha isto não vai dar certo, pois se não crêem nem em Moisés e nos Profetas, muito menos haverão de acreditar que eu sou Abraão.

      Agora imagine a cena de Abraão chegando para a família do rico e dizendo:

      - Olha, eu sou Abraão e o rico me mandou aqui para avisar a vocês que o lugar para onde ele foi não é muito bom não!

      Agora analisemos se Abraão tivesse atendido o pedido do rico e mandado lázaro ir pingar uma gota de água em sua língua.

      Imagine Lázaro, ressuscitando, pulando o abismo, morrendo de novo e descendo para o lugar do rico, pingando então a gota em sua língua e em seguida ressuscitando novamente para pular o abismo, morrer novamente e voltar para o seio de Abraão, sua sepultura.

      Coloquei até uma imagem ilustrativa do seio de Abraão, lugar para onde, anedoticamente, todos gostariam de ir, durante a morte:

      http://novamenteadventistas.blogspot.com.br/2013/09/parabola-do-rico-e-lazaro-e-aparicao-de.html


      Deste modo se fôssemos adotar que um paraíso e um inferno existe, seriam dentro das próprias sepulturas. Sepulturas feitas para aumentar o desconforto e sepultura para aumentar o conforto.

      (...)

      Excluir
    4. Uma alusão ao que ocorre na vida, onde os pobres como Lázaro vivem em um desconforto tremendo e o rico vive em extremo conforto!

      Esta é a idéia, uma inversão social.

      Os judeus tinham uma anedota para menosprezar os ricos e diziam que os ricos viviam bem de vida e que quando morriam habitavam em túmulos privilegiados.

      O pobre, até mesmo na morte tinha que se contentar com um túmulo apertado.

      Cristo inverteu a situação e colocou o rico, em um lugar onde já se podia sentir a chama, que lhe estava reservada.

      O pobre do Lázaro, por outro lado, foi recebido no seio de Abraão, que os Judeus, viam como um dos homens mais ricos, senão o mais rico de sua época.

      Assim o pobre do Lázaro que deveria ir para uma vala comum, foi acolhido por Abraão, foi para o seio de Abraão.

      Então seguindo a anedota deveríamos imaginar que se a riqueza na terra influiria na "morada dos mortos", então Abraão deveria ter o melhor túmulo de todos.

      Por isto Jesus colocou o pobre Lázaro como tendo sido acolhido no seio de Abraão.

      O rico então é que passou a pedir favores, mas não fez isto diretamente ao Lázaro, mas pediu para que Abraão MANDASSE Lázaro servi-lo com gotícula de água na língua para refrescá-lo.

      Abraão então explica que ali a coisa se invertia, e era justamente o contrário do que os judeus diziam na época.

      Lá na morte, os ricos avarentos é que iam para uma vala comum e os pobres e tementes a Deus, eram bem recebidos por Abraão, e passavam a usufruir de um lugar bem mais agradável que pertencia ao Pai da Fé, o seio de Abraão.

      Agora pergunto ao amigo, COMO! Eu posso pegar uma história desta e transformar em doutrina?

      Exceto pela lição moral, os detalhes da parábola são irreverentes demais para servirem como base de doutrinas sérias.

      Para os judeus, os limites dos mortos, mesmo nas piadas, não passavam do pó da terra, era dali para baixo. Se quisessem sair dali, tanto os justos como os ímpios, ou teriam que ressuscitar (segundo cria os fariseus), ou então teria que subir como um fantasma, como cria Saul.

      Portanto até mesmo os 'espíritos' nestas crenças não tinham nada a ver com almas penadas que saiam vagando pelo céu e pela terra. Todos estes estavam como que AMARRADOS à suas sepulturas.

      (...)

      Excluir
    5. Imagine Samuel, levantando do túmulo e reclamando com Saul, por tê-lo feito subir. Aquilo meu amigo era Satanás se aproveitando da crença popular e ingenuidade de Saul. O que tal fantasma disse, apenas levou Saul a insistir em sua decisão errada e não se arrepender.

      Pense na cena então de Samuel, descendo novamente, retornando ao seu repouso!

      É justamente isto que estou querendo lhe mostrar amigo Paulo Cadi. As crenças dos judeus não é nada daquilo que a maioria dos cristãos crêem atualmente!

      Eles não tinham o conhecimento que temos acerca do novo testamento, sobre detalhes da ressurreição, um céu para onde os salvos sobem, para depois descer em uma nova Jerusalém.

      A base deles era o AT e de lá é que tiravam as suas crenças. Mas isto não impedia que alguns superstiticiosos como o rei Saul, se dessem a acreditar em adivinhos, necromantes e tudo mais.

      Não é a toa que Deus proibiu SEU povo de procurar tais práticas para não serem confundidos.

      Infelizmente o pior aconteceu e a cristandade foi contaminada justamente por aquilo que Deus havia nos alertado!

      Assimilamos várias crendices provindas da cultura grega, e ainda outras mais. Temos isto hoje arraigado em nossa cultura e satanás aproveitou para implantar o espiritismo.

      Se apoiarmos a imortalidade da alma naqueles versos do rei Saul!

      Porque espiritismo é justamente a crença de que pessoas mortas, possam sair em espírito dos túmulos e se comunicarem com seres humanos (como haveria sido feito por Samuel).

      Já na parábola do Rico e Lázaro não tem nada disso! Para Abraão subir, teria primeiro que ressuscitar, para depois falar aos vivos! Veja o que diz a Palavra do Senhor:

      "Quando, pois, vos disserem: Consultai os que têm espíritos familiares e os adivinhos, que chilreiam e murmuram: Porventura não consultará o povo a seu Deus? A favor dos vivos consultar-se-á aos mortos?"

      (Isaías 8:19)

      Percebemos que nem mesmo Deus acreditava em fantasmas!

      Na Bíblia podemos citar dois exemplos de pessoas que acreditaram em fantasmas e se deram mal:

      O rei Saul;
      O apóstolo Pedro;

      Pedro duvidou de Cristo! Mas acreditava em fantasmas!

      E Pedro teve que ser aparado por cristo, para não se afogar, por causa da falta de fé!

      Seria a falta de fé em fantasmas!? Creio que não! Mas falta de fé naquilo que é real a verdade, Cristo e as palavras contidas na Bíblia!

      (...)

      Excluir
    6. Jesus nos deu a doutrina da morte como um sono, algo simples e que bem representa o estado dos mortos. Já resume também o estado de espera dos mortos pela ressurreição que será como uma noite de sono comum.

      Se quisermos então saber como é o estado intermediário de um morto, basta observarmos a noite de sono profundo de uma pessoa viva. Para os que dormem no pó da terra, será como aquilo.

      Excluir
    7. Sr, Adventista, o amigo não respondeu as minhas objeções no comentário que fiz no dia 20/09/2013. Escreveu um texto muito longo. Pediria que fôsse mais objetivo ao responder as questões.

      Excluir
  12. O Adventismo e Jeovismo, não fizeram um apanhado geral bíblico neste assunto. Interpretam as informações do NT a respeito do assunto, sob a perspectiva de várias passagens do VT que não está tratando da condição dos mortos no 'além', mas em seu relacionamento com esse mundo debaixo do Sol.

    Jesus e o NT ensinam o tormento, descanso e a sobrevivência de algo no estado intermediário. Era só continuar com a revelação progressiva.

    Mas parece que esses grupos só veem revelação progressiva no escopo de suas mudanças doutrinárias, que na verdade não é, pois estão labutando em uma mesma Bíblia que está nas mãos da Igreja desde os dia de João...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luciano, vamos ver se aparece uma tradução da biblía feita pelos adventistas, seguindo o exemplo dos testemunhas de jeová que inserem a espúria pronuncia do tetragrama nos textos proféticos que são citados no novo testamento, fora outras passagens! Quem sabe os adventistas façam as "correções" nescessárias, como no relato de 1 Samuel 28:20, onde o escritor encerra o relato naturalmente, chamando o profeta pelo seu próprio nome. Deus abençõe o irmão! Amém!

      Excluir
  13. Paulo Cadi, seus argumentos são ótimos.

    Deus te abençoe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O amigo tem idéia de quantos versos bíblicos os adventistas utilizam para fundamentar a morte como um estado inconsciente?

      Se soubesse não diria que não fizemos um apanhado de tudo que há nas escrituras, pois é justamente o que fizemos.

      E realmente não fizemos apanhados de testos alguns acerca da condição dos mortos no 'além', porque tal além não existe.

      Não cremos em além, nem em fantasmas.

      Os mortos dormem no pó da terra, esta é a visão Bíblica. Tanto ímpios quanto justos, à espera da ressurreição, para então irem, ou para o céu, ou para o inferno.

      Estas são doutrinas de fundamento bíblico e exclusivamente bíblicos!

      Excluir
    2. APOCALIPSE 6
      9 E, havendo aberto o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos que foram mortos por amor da palavra de Deus e por amor do testemunho que deram.
      10 E clamavam com grande voz, dizendo: Até quando, ó verdadeiro e santo Dominador, não julgas e vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra?
      11 E foram dadas a cada um compridas vestes brancas e foi-lhes dito que repousassem ainda um pouco de tempo, até que também se completasse o número de seus conservos e seus irmãos, que haviam de ser mortos como eles foram.

      Excluir
    3. Xiiii!!

      Vcs acreditam em fantasminha legal... rsrs

      Vcs assistem mtos filmes hollywoodianos: ghost, constantino, espíritos e etc...

      Deveriam estudar mais a Bíblia e parar de fantasiar ou ficar atrás de fantasmas que não existem...

      Agora se vcs acreditam que na morte vcs vão virar fantasmas... paciência, né!!!

      Mas cada um crê naquilo que acredita ser verdade - nos filmes de hollywood - pois na Bíblia não fala nada sobre isso a não ser nos cinemas do espiritismo de satanás!!

      Tirem as vendas dos olhos!!

      Fiquem com Deus, o Grande EU SOU, JEOVÁ!

      Abraço.

      Excluir
    4. Fernando Costa, texto clarissímo, sobre a consciência da alma após a morte! O final do verso 11, onde diz: "que haviam de ser mortos como ELES FORAM", diz tudo. Haviam sido mortos e estavam no céu, sob o altar de incenso, clamando com grande voz! No verso 10 os mártires dizem: "dos que habitam SOBRE a terra", mostrando que estavam no céu! As escrituras sempre dão testemunho do que afirmam! Amém!

      Excluir
    5. Xiii, apareceu um fantasma que não poderia apresentar argumentos contra Ap 6.9,10 e sumiu!!!

      Será que é TJ? Apareceu os filhos dos adventistas...?

      Excluir
    6. Se após a morte a pessoa vai para o céu em forma de "fantasma" então a quem JESUS vai levar na sua segunda vinda? A nós? Mas como, já que na morte as pessoas já vão para o céu ou para o inferno?

      Excluir
    7. "E foram dadas a cada um compridas vestes brancas e foi-lhes dito que REPOUSASSEM ainda um pouco de tempo, até que também se completasse o número de seus conservos e seus irmãos, que haviam de ser mortos como eles foram."

      O que diz o texto?

      Que repousariam, AINDA um pouco de tempo, até que SE COMPLETASSE O NÚMERO.

      Ou seja, estavam dormindo, acordaram para clamar à Deus e então voltaram a dormir, até que os demais santos fossem mortos, completando o número de martires.

      Peço que me mostrem, o que há neste verso que seja diferente daquilo que lhes tenho dito!

      Até mesmo nesta passagem os mortos são apresentados em um estado de repouso. O verso, até que simula um estado de consciência a fim de tão somente clamarem a Deus antes de voltarem ao repouso, de forma semelhante ao que lemos em Gênesis 4:10.

      E também neste verso de Gênesis 4:10 é dito que o clamor vem desde a terra. O que mostra que Abel também está reposando no seio da terra.

      Excluir
    8. "Ou seja, estavam dormindo, acordaram para clamar à Deus e então voltaram a dormir"
      KKKKKKK

      quem os acordou??????

      ou a interpretação correta seria, esperem mais um pouco.

      Excluir
    9. Tow vendo que o Sr. Sena e o Sr. Paulo Caddi teem adeptos a se transformarem em "Gasparzinho, o fantasminha legal" de Hollywood.

      Pois é só em Hollywood que tem essa pregação espírita de Satanás...

      Foi satanás que disse para Eva que ela não morreria: "Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis. (Gênesis 3:4)" contradizendo o conselho dado por Deus que disse: "E ordenou o Senhor Deus ao homem, dizendo: De toda a árvore do jardim comerás livremente, Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás. (Gênesis 2:16-17)"

      Foi satanás que pregou a doutrina da imortalidade da alma. E tem gente pregando essa doutrina satânica por ai...

      Excluir
    10. Gilson Tenório, Você NÃO tem condição de discutir comigo. Vá ler os puritanos e não fique enchendo o saco.

      Excluir
  14. Deus criou o corpo de Adão, do barro, e após isto soprou em suas narinas. Adão então se TORNOU uma alma vivente.

    Ou seja, Deus não criou primeiro uma alma e depois "socou-a" dentro do corpo de Adão, Juntamente com o espírito!

    Assim quando o espírito (sopro de vida) saiu de Adão, por ocasião de sua morte, Adão voltou a ser o que era, pó!

    A doutrina de que ao se colocar o espírito em um corpo, se gere uma alma imortal, é de fato uma doutrina satânica, pois trata-se de uma mentira e da grossa.

    Porque assim disse o Senhor:

    "Então disse o Senhor Deus: Eis que o homem é como um de nós, sabendo o bem e o mal; ora, para que não estenda a sua mão, e tome também da árvore da vida, e coma e viva eternamente," (Gênesis 3:22)

    Pelo que sabemos Deus expulsou Adão e Eva, e colocou anjos a guardar o caminho, justamente para não terem acesso à árvore da vida e então viverem eternamente.

    Nem mesmo o conhecimento do bem e do mal, Adão e Eva tinham inatos. Precisaram comer do fruto da árvore para obter tal conhecimento.

    Da mesma forma não tinham a imortalidade inata, precisariam tomar do fruto da árvore da vida, meio pelo qual viveriam eternamente.

    E devemos nos atentar de que, mesmo neste trecho, o Senhor NÃO diz, que Adão e Eva se TORNARIAM imortais. Apenas diz que viveriam eternamente, com a ajuda do fruto.

    A imortalidade só virá, quando a Morte for jogada no lago de fogo (Apocalipse 20:14), mesmo assim, a imortalidade continuará não sendo inerente, a única coisa que teremos de vantagem será um corpo revestido da imortalidade, um corpo glorificado, aí sim conseguiremos viver eternamente.

    ResponderExcluir
  15. Paulo Cadi, isso é paganismo:

    E lançá-los-ão na fornalha de fogo; ali haverá pranto e ranger de dentes. Mt 13.50

    E os filhos do reino serão lançados nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes. Mt 8.12

    E lançá-los-ão na fornalha de fogo; ali haverá pranto e ranger de dentes. Mt 13.42

    Lançai, pois, o servo inútil nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes. Mt 25.3

    Ali haverá choro e ranger de dentes, quando virdes Abraão, e Isaque, e Jacó, e todos os profetas no reino de Deus, e vós lançados fora. Lc 13.28

    E separá-lo-á, e destinará a sua parte com os hipócritas; ali haverá pranto e ranger de dentes. Mt 24.51

    Disse, então, o rei aos servos: Amarrai-o de pés e mãos, levai-o, e lançai-o nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes. Mat 22.13

    Pois tenho cinco irmãos; para que lhes dê testemunho, a fim de que não venham também para este lugar de tormento. Lc 16.28

    Disse, porém, Abraão: Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro somente males; e agora este é consolado e tu atormentado. Lc 16.25


    Vemos, portanto, que o Senhor sabe livrar os piedosos da provação e manter em castigo os ímpios para o dia do juízo,2 Pedro 2.9

    E a fumaça do seu tormento sobe para todo o sempre; e não têm repouso nem de dia nem de noite os que adoram a besta e a sua imagem, e aquele que receber o sinal do seu nome. Ap 14.11

    E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde está a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre. Ap 20.10

    Um rio de textos bíblicos, na parte que tratou do assunto, não mudará crentes em Ellen White.

    Em vários casos, não todos, e nem é de fato o caso aqui, tenho aprendido, como disse Calvino: 'alguns precisam mais de remédio para a cabeça do que de argumentos para convencê-los'.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luciano, quando o futuro adepto é captado pelas seitas, ela recebe o doutrinamento e passa a ser mais um no exército faccioso, repetindo o tal ensinamento com mais zelo que as suas lideranças, e dali em diante não que mais saber o que a própria biblía diz sobre o assunto. De fato, ficam com uma venda nos olhos. Como este doutrinamento não ocorre nas nossas igrejas protestantes, os membros tornam-se frágeis quando defrontados com a avalanche de heresias que eles vomitam. É como eu sempre digo: se eles puderem pegar aquelas ovelhinhas daquele pastor que está comprometido com o evangelho, vão fazer. Por isso o trabalho de apologética é essencial para a saúde das nossas congregações.

      Excluir
    2. "Em vários casos, não todos, e nem é de fato o caso aqui, tenho aprendido, como disse Calvino: 'alguns precisam mais de remédio para a cabeça do que de argumentos para convencê-los'."
      kkkkkkkkk

      a mente está cauterizada...é mas existe o poder do Espirito Santo.

      Excluir
    3. Mt 25.3

      O verso diz que há pranto e ranger de dentes ou que HAVERÁ!?

      Se haverá, então ainda NÃO há!

      Futuro, é o que denota todas estas passagens!

      "E separá-lo-á, e destinará a sua parte com os hipócritas"

      Tais versos se referem ao dia da punição dos ímpios (de TODOS os ímpios), o próprio contexto nos mostra isto.

      "Vemos, portanto, que o Senhor sabe livrar os piedosos da provação e manter em castigo os ímpios PARA O DIA DO JUÍZO," (2 Pedro 2.9)

      E o para todo o sempre, é delimitado pela segunda morte!

      Nos países onde há prisão perpétua, as pessoas são presas eternamente, ou para todo o sempre, mas pergunto se quando morrem, continuam a sofrer o castigo!

      O eternamente, ou para todo o sempre, segundo a visão do povo de Israel da época, não se referia necessáriamente a algo que obrigaria a pessoa a viver eternamente como forma de cumprir o castigo.

      Eterno, e para sempre, poderia ser usado tanto para coisas que se perpetuam INFINITAMENTE como para coisas que se perpetuam FINITAMENTE.

      O castigo dos ímpios será algo perpétuo, porém finito. Quimarão eternamente até que se cumpra seu castigo.

      Eternamente aqui tem o sentido de (tempo indefinido) ou (indefinidamente).

      Percebemos isto analizando a natureza da palavra original em grego, bem como o original em hebraico.

      Em tais línguas, a palavra traduzida por eterno, NÃO TEM o mesmo signfificado do 'eterno' que usamos hoje em dia.

      O conceito de eternidade do povo de Israel, servia tanto para coisas finitas, como para coisas infinitas.

      Este fato tem sido usado amplamente para explicar tais versos na Bíblia e adivinha:!

      Nenhum imortalista da alma se atreveu ainda a contestar! Isto porque, ao se verificar percebe-se que a visão de eternidade do povo de Israel era exatamente assim.

      Pergunto então novamente ao amigo Luciano Sena e também ao amigo Paulo Cadi, se as cidades de Sodoma e Gomorra ainda estão queimando eternamente, conforme diz a palavra de Deus!

      Somente uma pessoa insensata não levaria em conta de que a eternidade atribuída ao castigo de Sodoma e Gomorra era algo temporário.

      Se em nossa cultura houvesse uma palavra que usássemos costumeiramente para definir tanto as coisas finitas como as coisas infinitas, esta seria mais apropriada para estar no lugar da palavra traduzida por eterno na Bíblia.

      Entretanto, não é difícil, nem mesmo às pessoas seculares entender o que tenho exposto, basta lembrar daquela famosa frase que até virou uma música secular:

      "Que seja eterno enquanto dure este amor".

      Basta ter em mente que onde há a palavra traduzida por eterno, nos trechos em questão, significia, apenas que não tem um período de tempo definido para durar. Portanto pode durar infinitamente ou não.

      Portanto temos o (Eterno finito) e o (Eterno infinito).

      Eterno finito é geralmente empregado para descrever 'duração'. Enquanto que o Eterno infinito geralmente é empregado para descrever 'essência' como é o caso de Deus que É infinito, e que também É eterno.

      Excluir
  16. O sr Alessandro, por exemplo, diz ser um convicto crente na Trindade. Mas essa sua convicção deve-se por causa de Ellen White, que segundo alguns, cria ou passou a crer na Trindade (não estou abrindo tema aqui, o assunto é outro).

    O fato é que, ele crê no que Ellen White crê. Ela negou a imortalidade da alma, então os adventitas não creem nessa doutrina, mesmo o NT esguelando o assunto, mesmo Jesus ensinando... "a Mãe White" não disse assim, assim não é!!!

    ResponderExcluir
  17. Gilson, essa que o diabo pregou a imortalidade da alma é coisa para seus filmes!

    Se vc quiser conversar sobre o assunto, agente pode caminhar, em um texto por vez. Não escreva muito, não tenho tempo...

    Em Gn 2.7 a Bíblia diz que a alma é: a pessoa? o sangue? a vida? o 'eu' emocional?

    ResponderExcluir
  18. Ok queridos irmãos,

    vamos seguir a lógica:

    A natureza humana foi definida por Deus na criação irmãos:

    Gen 2:7: “Então formou o Senhor Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida, e o homem passou a ser alma vivente”

    O “pó da terra” corresponde ao corpo

    O “fôlego de vida” corresponde ao espírito

    Então temos a seguinte equação:

    corpo + espírito = alma

    Essa equação também se aplica aos animais. Os animais, assim como os homens, são almas viventes(Lev 11:46) e têm fôlego de vida(Gên 7:21, 22)

    No Antigo Testamento, a palavra “alma” é traduzida do hebraico: nephesh

    Na maioria dos casos nephesh é traduzido por “vida” e em outras vezes é traduzido por “pessoa”. Em alguns textos nephesh é traduzido por “sangue”, no sentido de que o sangue “é” a vida.

    No Novo Testamento, “alma” deriva do grego psyche, que também é traduzido por “vida”

    Em todos os casos, “alma” designa uma entidade única, indivisível e não uma parte constituinte do indivíduo

    Portanto, pode-se dizer que o homem não tem uma alma, ele é uma alma

    A palavra “espírito”, no Velho Testamento, deriva do hebraico ruach, que também é traduzido por “fôlego”

    No Novo Testamento, “espírito” deriva do grego pneuma

    Pneuma é usado referindo-se a: 1) ar em movimento (p/ex: vento); 2) seres incorpóreos (p/ex: demônios e espíritos maus); 3) estado de ânimo ou disposição do homem

    Em nenhum texto “espírito” designa uma parte consciente do homem, capaz de existir independentemente do corpo.

    Portanto, espírito não existe sem corpo.

    Pronto! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabriel, se o espírito que Deus, Elohim, soprou no homem é o mesmo que o dos animais, então porque ele não soprou o folêgo nos animais mas simplesmente disse: "HAJA"? Se o homem foi feito à imagem e semelhança de Deus e Deus é Espírito, então o corpo em que o espírito do homem foi colocado é um corpo natural, psíquico ou animal (da natureza) capacitando o ser feito à imagem e semelhança de Deus, habitar este orbe. Em Gênesis 1:26 primeiro o homem é feito à imagem e semelhança de Deus, e em Gênesis 2:7 o corpo feito do pó da terra para ele habitar. O corpo natural (da natureza), foi feito á semelhança dos mamíferos, com todas as suas funções. Não foi feito á imagem e semelhança de Deus que é Um Espírito tri-pessoal (depois da encarnação do verbo, isto não se alterou por causa de sua natureza divina, no caso, de Jesus)). Quando Adão pecou, ele pecou em seu espírito através de seu corpo. Naquele MESMO dia ele MORREU. A morte da qual Deus falou não foi a que aconteceu 930 ano depois. Deus disse: "NO DIA que dela comeres MORRERÁS". E foi isto que aconteceu. Ele morreu em seu espírito, feito á imagem e semelhança de Deus. A morte do corpo e do resto da natureza da qual ele faz parte veio como consequencia. Cristo não morreu pelos nossos corpos que herdamos de nossos pais com seu DNA e que não será o mesmo corpo da ressurreição. Então se somos apenas o corpo, na ressurreição, não será mais você, mas outra pessoa. Cristo morreu pelo nosso espírito, feito á imagem e semelhança de Deus, e é ele, o espírito do crente, que suspira pela vinda do senhor por causa da operação do Espírito Santo. Não é o cérebro que recebe o novo nascimento, mas o espírito do homem. Quando o homem morre, perecem como diz o eclesiastes, os seus projetos, designíos, como no caso das histórias do "Rico e Lázaro" e do "Rico Fanfarrão", onde diz: "Está noite pedirão a tua alma". Em Gênesis 3:19, onde Deus diz sómente para Adão que ele tornaria ao pó da terra de onde tinha sido tomado, porque como está em romanos 14, a morte em sua TOTALIDADE espiritual e fisíca atingindo toda a criação, entrou através de Adão. NO DIA que ele comeu o fruto, ele MORREU. O voltar ao pó só ocorreu 930 anos depois. E é este espírito que morreu, estando totalmente depravado e por si mesmo impossibilatado de voltar a Deus, porque está morto, e que tem que ser regenerado ou receber vida nova, do alto, o novo nascimento. Não é o cérebro que faz parte do corpo e que leva o DNA corrupto de nossos pais e vai ser destruído na ressurreição, absorvido, no sentido de ser aniquilado que morreu NAQUELE DIA ( Éden), mas o espírito que está no homem, feito à imagem e semelhança de Deus. Por isso o homem já está no espaço, e infinitamente distante dos animais que não evoluem (no sentido de improviso) a não ser em contato com o homem. Toda a criação estava representada no corpo de Adão, e por isso o regresso de seu corpo ao pó significa a morte de toda a criação que estava ligada a ele pelo seu corpo.

      Excluir
    2. Errata: onde diz Rm. 14, leia-se Rm. 5:14

      Excluir
    3. Concordo em vários aspectos com você PAULO CADI. Por certo, o "espírito", que é o fôlego de Deus, é o que mantém as nossas emoções e a nossa razão. mas não isoladamente. Nós existimos através de um conjunto de coisas.

      Jesus realmente não veio salvar o nosso "corpo" corruptível e mortal, porém ELE veio nos salvar como um TODO! E é por isso mesmo que seremos TRANSFORMADOS e não recriados.

      Você tem razão, quando diz que Adão teve uma "morte espiritual" quando comeu do fruto, pois é isso mesmo! O pecado entrou no mundo trazendo a morte física e a morte espiritual. É óbvio que Deus não criou o homem impossibilitado de morrer. Se ele não pecasse continuaria imortal, mas, ao pecar, o homem tornou-se mortal. Ou seja, o ser humano estava sujeito a morrer pra sempre, como um todo!

      E é por isso mesmo que a Bíblia menciona DUAS mortes, num contexto de DUAS ressurreições. Uns ressuscitarão da morte física para a vida eterna, e outros ressuscitarão da morte física para a morte eterna.

      O fato de termos sido criados à semelhança de Deus, não significa que temos uma natureza imortal por nós mesmos. Pois a imortalidade é algo condicional. Está ligada à Deus! Ele é a "fonte de vida". Se não estivermos conectados nessa "fonte", não podemos ser imortais. Semelhante não significa igual. A semelhança está na capacidade humana de realizar escolhas conscientes, de sermos seres tão intelectuais quanto sentimentais, de termos instinto criativo e percepção cognitiva avançada, de termos o senso do certo e do errado, de termos necessidades espirituais e etc. Somos semelhantes à Deus em sua "essência", mas não em sua natureza. Deus é Criador Imortal por Si só, nós somos criaturas dependentes de Deus.

      Em meio a isso, aplicando a linguística e seus significados e aplicações contextuais, não é possível afirmar que os seres humanos possuem uma consciência após a morte física, pois isso não condiz com o pensamento bíblico.

      “A alma que pecar, essa morrerá” (Ezeq 18:20)

      Morrer está muito além de apenas deixar de existir neste mundo. Morrer é um estado de inexistência. Morte é o contrário de vida. A morte é o resultado da desobediência, é o resultado do pecado – “O salário do pecado é a morte” (Rom 6:23)

      Ecl 9:5: “Os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, pois sua memória jaz no esquecimento”

      Sal 115:17: “Os mortos não louvam o Senhor, nem os que descem à região do silêncio”

      É só seguir esse raciocínio: Cor 15:52: “A trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e todos seremos transformados” (o vocábulo grego aphtartos é traduzido para “imortalidade” ou “incorruptibilidade”)

      Se o homem recebe a promessa de tornar-se imortal após a ressurreição, pode-se concluir que ele não é imortal agora.

      Na criação do homem, Deus lhe apresentou a morte como resultado da desobediência.

      Naquele momento o homem era imortal, mas a sua imortalidade era condicional, ou seja, a perpetuação da imortalidade era condicionada à obediência.

      :)

      Excluir
    4. Não é NADA provado que eles foram ao céu. Você continua tornando DESNECESSÁRIO o sacrifício e ressurreição de Cristo para o homem entrar no céu. É isso é que eu disse quando dei o exemplo de Maria. Paulo é enfático em 1 Co. 15: Se Cristo não ressucitou ainda PERMANECEIS nos vossos pecados. Só através da cruz o homem teve acesso a Deus. Enoc, Moisés e Elias, não foram ao céu, segundo Hb. cap. 11. Se alguma coisa está provado na biblía, é que nem um santo do antigo testamento, teve acesso a Deus, com seus pecados. Se quiser, continue crendo nesta heresia, mais aquela onde Ellen White afirma que os nossos pecados não foram cancelados na cruz.

      Excluir
    5. Errata: O comentário acima, não é para o Gabriel, mas para o Alessandro. Eu postei ele no lugar errado!

      Excluir
    6. Vc continua desmentindo Paulo em Hebreus 11:5 e continua desmentindo 2 Reis 2:1 e 11 dizendo que Elias e Enoque morreram.
      Prefiro a bíblia do que sua opinião!

      Excluir
  19. Pois bem Gabriel, vc mostrou como não caminham com a Escritura TODA.

    A Bíblia mostra que alma é: pessoa (existe almas mortas, diz o VT), que é sangue, que é o 'eu', que é vida! Porém, o NT >>acrescenta<<, o que vcs não querem admitir. Perceba que em Gn 2.7, não disse tudo que a palavra alam pode significar. Você caminhou um pouco, mas não o bastante.

    No NT temo expressões "as almas dos mortos", que não teria espaço em sua estreita visão linguistica. A carga semântica de psiqué pode ser comparada ao termo 'espírito'. Em um momento na Escritura é a força de vida, até mesmo a respiração, mas caminhando com o desenvolvimento semântico, 'espírito' são anjos e Deus!

    Com o tempo até mesmo ânimo (rainha de sabá) e disposição de caráter!!! No NT está associado tb ao que é imortal dentro do homem (no meu caso, um sinônimo de alma, para os tricotônomos, distinto).

    Se vc aceitar essa construção bíblica, não terá que torcer nenhum texto da Escritura - alma é: pessoa (viva ou morta), vida, sangue, 'eu', anseios, animal e a parte imaterial que sobrevive na morte do corpo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você tem toda a razão! :)

      Mas você também pode perceber que, para todas essas ações, é necessário que a pessoa esteja VIVA. Para todos esses significados que você mencionou, o "espírito" tem que estar dentro de um contexto de existência e vida.

      :)

      Excluir
  20. Luciano Bom dia ....

    Sempre estou acompanho seu blog, os posts e os comentários !!!!

    O que eu vou comentar agora vai ser uma critica direcionada a sua pessoa, pela a sua postura de Tratar nós Adventista diferentes com os demais Cristãos, fazendo assim, acepção de pessoa.

    Cristo nos diz que devemos ser Como O Pai celestial, se Ele não faz acepção de Pessoas, nós também não devemos fazer o mesmo !!!

    Eu entendo o por que qui você tenta combater nós Adventista, pois, pra você e muitos outros nós pregamos heresias...

    Pois bem vamos lá, acompanhei o dialogo "amistoso" entre Paulo Cadi e o Alexsandro......

    E lendo uma tentativa de refutação de Paulo Cadi me deparei com a seguinte afirmação sem base nenhuma ...

    Aqui vai :::

    " Sr, Adventista, Cristo desceu ao sheol. NAQUELE TEMPO O PARAÍSO NÃO ERA NO CÉU1 É óbvio que Jesus não havia subido ao céu! 1 Pedro 3:18. É só ler a respeito da aparição de Samuel. O ESCRITOR da narrativa fecha o relato afirmando que era Samuel!"


    O paraíso Luciano, era aonde ??
    E quem era que apareceu na consulta da Médium ??? Samuel ou o Diabo ???

    São esses tipos de heresia que VOCÊ não repreende e que se fosse um Adventista que te tivesse escritor essa heresia, você caia matando encima te tal Adventista!!!! ...

    Essas suas atitudes demonstra que você não estar em busca da verdade !!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai sumir de novo? Bem, eu já fiz distinção entre heresias e erros doutrinários. Já até disse que o assunto imortalidade da alma não é ponto para resolver se é ou não seita. E nunca disse isso de vcs por causa desse tema.

      Sobre esse assunto, existem várias posições, até mesmo reformados que ensinam que foi Samuel mesmo que apareceu lá !!!

      http://mcapologetico.blogspot.com.br/2012/12/era-o-espirito-de-samuel-primeira.html

      Acho que vc sabe porque os considero uma seita...

      Excluir
    2. Sentiu minha falta ? rsrsrs

      E qual é a sua posição ?

      E enquanto ao Paraíso ???

      Excluir
    3. Sim, senti.

      Com respeito ao 'espírito', uma farsa da pitonisa, ou uma farsa diabólica.

      Paraíso, creio que é o estado intermediário na presença de Deus. É o terceiro céu, o lugar que o ladrão arrependido foi no dia da morte. Se antes da vinda de Cristo existia em uma faceta diferente, eu não compartilho dessa ideia, mas também nunca estudei sobre o assunto - mas já ouvi a respeito.


      Excluir
    4. Vc chama Ellen White de pitonisa. O desejo do seu coração, é ser um profeta, creio eu.
      Será que vc tem capacidade de escrever livros como O Desejado de Todas as Nações, Caminho a Cristo e o Grande Conflito?
      Todas as acusações sobre Ellen White são velhas e sem fundamentos; e todas já refutas pela igreja Adventista.

      Excluir
    5. ....

      Eu teria capacidade de copiar, como ela 'plagiou'... e se eu tivesse um grupo de assistentes, e uma frota de vendedores de livros, sendo todos meus seguidores e me tivessem como único profeta...

      Todas as acusações lançadas contra mórmons, TJs etc, são respondidas pelos seus apologistas tb... normal... agora, se essas respostas são explicações, justificativas, não são as respostas que reclama-se...

      O que realmente se cobra não são explicações, mas mudanças.

      Excluir
  21. Sr. Sena e Sr. Paulo Caddi, tenho visto aqui vários argumentos que refutam suas teses...

    Mas vcs não dão ouvidos. Preferem se posicionar de forma orgulhosa e não admitem o erro.

    Todos os argumentos defendidos por vcs são fracos e fora de contexto e vai de encontro com o ensinamento bíblico.
    Foram mostrados vários textos bíblicos claríssimos através dos posts de Gabriel Sanchez, Sr. Adventista, e Alessandro César Monteiro Santos, sobre a mortalidade da alma e vcs não deram créditos. Preferiram manter o nariz empinado.

    Até os textos mais simples no princípio como em Gênesis foi citado de forma clara que a alma, o ser vivente, morre, e foi o próprio Deus, O Todo Poderoso, quem disse e vcs querem dizer o contrário. Deturpando a Palavra com emaranhados de versos fora de contexto.

    Se vcs lessem o Pentateuco, a Torá, escritos por Moisés inspirado por Deus, esses livros são a base de toda doutrina bíblica. Os outros livros da bíblia falam de acordo com os 5 primeiros e apontavam para Cristo e não entram em contradição. Assim disse Jesus:

    “Como podeis vós crer, recebendo honra uns dos outros, e não buscando a honra que vem só de Deus? Não cuideis que eu vos hei de acusar para com o Pai. Há um que vos acusa, Moisés, em quem vós esperais. Porque, se vós crêsseis em Moisés, creríeis em mim; porque de mim escreveu ele. Mas, se não credes nos seus escritos, como crereis nas minhas palavras? (João 5: 44-47)”

    E, irmãos não nos esquecemos de: “Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. (Gálatas 5:22)”

    Deus os abençoe e o que Espírito Santo os acompanhe em suas pesquisas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se os meus argumentos são fracos então mostre os seus.

      Excluir
    2. Gilson, o discípulo de Luciano, Paulo Cadi, é focado no seu mestre.

      Excluir
    3. O meu ÚNICO MESTRE é O SENHOR JESUS CRISTO e TODOS os que defendem a FÉ que uma vez foi dada, por autoridade apostólica são meus irmãos. Todos os que tem discordâncias, ainda que permanecam nos arraiais da ortodoxia, à estes me irmano.

      Excluir
  22. Mt 10:
    28 E não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei antes aquele que pode fazer perecer no inferno a alma e o corpo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O próprio verso já responde:

      "que pode fazer PERECER no inferno a alma e o corpo"

      Ora, se tanto a alma como o copro podem perecer, como então a alma pode ser imortal?

      O que o verso está dizendo é que a pessoa VIVA irá percer no inferno (alma e corpo).

      E a questão não é, tão somente, que Deus possa destruir no inferno tanto a alma como o corpo, mas que Deus irá, quanto aos ímmpio, destruir no inferno (lago de fogo e enxofre), tanto a alma quanto o corpo.

      Excluir
    2. MATEUS 25
      46 E irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna.

      Excluir
    3. "Ou seja, o ser humano estava sujeito a morrer pra sempre, como um todo!"

      essa afirmação não condiz com as escrituras.
      a expressão perecer não tem sentido de extermínio.

      Excluir
    4. "E irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna"

      Está dizendo aqui que estes estão INDO para o tormento eterno ou que IRÃO para o tormento eterno.

      Novamente toco naquela tecla, de que as referências ao inferno se referem ao futuro.

      E que 'perecer' tem o sentido de morrer, isto está claro pelo contexto:

      "E não temais os que MATAM o corpo e não podem MATAR a alma"

      Ou seja, trata-se de perecer de MORTE.

      Se o amigo tiver dúvidas ainda, poderá consultar o significado da palavra 'perecer', contida original em hebraico:

      De antemão poderá dar uma lida em:

      "Não tenham medo dos que matam o corpo, mas não podem matar a alma. Antes, tenham medo daquele que pode DESTRUIR tanto a alma como o corpo no inferno." (Nova Versão Internacional)

      Excluir
  23. O que Sétimo Dia e Gilson expressaram é o o meu sentimento em relação às condutas anti-bíblicas dos Srs: Luciano e Paulo Cadi, que sinceramente parecem ser a mesma pessoa...Os argumentos dos mesmos já foram mais que refutados e a única coisa que o Sr Paulo sabe dizer é: VOCÊ NÃO TEM CONDIÇÃO DE DEBATER COMIGO- VÁ ESTUDAR A BÍBLIA. Quem te que estudar a bíblia aqui? A Palavra de Deus nunca foi tão deturpada pelos referidos senhores. Quanto mais vocês falam falácias, mais sem créditos ficam, não convencem ninguém de que estão certos, sabem por que? Por que o certo é o que a bíblia diz e não o que vocês inventam e distorcem. Não tem ninguém aqui apoiando vocês, as pessoas que entram nesse blog, certamente avaliam os comentários e tiram as suas conclusões, mas sequer se posicionam para apoia-los, por que a verdade é latente nos comentários dos irmãos adventistas. Vocês não tem compromisso com a verdade e sim em inflamar o ódio anti-adventismo. Muitas pessoas já passaram por esse blog e se tornaram mais fiéis em suas convicções se estavam com alguma dúvida, pois viram quem é que está com a verdade. Deus tenha misericórdia de vossas vidas!

    ResponderExcluir
  24. O que Sétimo Dia e Gilson expressaram é o o meu sentimento em relação às condutas anti-bíblicas dos Srs: Luciano e Paulo Cadi, que sinceramente parecem ser a mesma pessoa...Os argumentos dos mesmos já foram mais que refutados e a única coisa que o Sr Paulo sabe dizer é: VOCÊ NÃO TEM CONDIÇÃO DE DEBATER COMIGO- VÁ ESTUDAR A BÍBLIA. Quem te que estudar a bíblia aqui? A Palavra de Deus nunca foi tão deturpada pelos referidos senhores. Quanto mais vocês falam falácias, mais sem créditos ficam, não convencem ninguém de que estão certos, sabem por que? Por que o certo é o que a bíblia diz e não o que vocês inventam e distorcem. Não tem ninguém aqui apoiando vocês, as pessoas que entram nesse blog, certamente avaliam os comentários e tiram as suas conclusões, mas sequer se posicionam para apoia-los, por que a verdade é latente nos comentários dos irmãos adventistas. Vocês não tem compromisso com a verdade e sim em inflamar o ódio anti-adventismo. Muitas pessoas já passaram por esse blog e se tornaram mais fiéis em suas convicções se estavam com alguma dúvida, pois viram quem é que está com a verdade. Deus tenha misericórdia de vossas vidas!

    ResponderExcluir
  25. O que Sétimo Dia e Gilson expressaram é o o meu sentimento em relação às condutas anti-bíblicas dos Srs: Luciano e Paulo Cadi, que sinceramente parecem ser a mesma pessoa...Os argumentos dos mesmos já foram mais que refutados e a única coisa que o Sr Paulo sabe dizer é: VOCÊ NÃO TEM CONDIÇÃO DE DEBATER COMIGO- VÁ ESTUDAR A BÍBLIA. Quem te que estudar a bíblia aqui? A Palavra de Deus nunca foi tão deturpada pelos referidos senhores. Quanto mais vocês falam falácias, mais sem créditos ficam, não convencem ninguém de que estão certos, sabem por que? Por que o certo é o que a bíblia diz e não o que vocês inventam e distorcem. Não tem ninguém aqui apoiando vocês, as pessoas que entram nesse blog, certamente avaliam os comentários e tiram as suas conclusões, mas sequer se posicionam para apoia-los, por que a verdade é latente nos comentários dos irmãos adventistas. Vocês não tem compromisso com a verdade e sim em inflamar o ódio anti-adventismo. Muitas pessoas já passaram por esse blog e se tornaram mais fiéis em suas convicções se estavam com alguma dúvida, pois viram quem é que está com a verdade. Deus tenha misericórdia de vossas vidas!

    ResponderExcluir
  26. O que Sétimo Dia e Gilson expressaram é o o meu sentimento em relação às condutas anti-bíblicas dos Srs: Luciano e Paulo Cadi, que sinceramente parecem ser a mesma pessoa...Os argumentos dos mesmos já foram mais que refutados e a única coisa que o Sr Paulo sabe dizer é: VOCÊ NÃO TEM CONDIÇÃO DE DEBATER COMIGO- VÁ ESTUDAR A BÍBLIA. Quem te que estudar a bíblia aqui? A Palavra de Deus nunca foi tão deturpada pelos referidos senhores. Quanto mais vocês falam falácias, mais sem créditos ficam, não convencem ninguém de que estão certos, sabem por que? Por que o certo é o que a bíblia diz e não o que vocês inventam e distorcem. Não tem ninguém aqui apoiando vocês, as pessoas que entram nesse blog, certamente avaliam os comentários e tiram as suas conclusões, mas sequer se posicionam para apoia-los, por que a verdade é latente nos comentários dos irmãos adventistas. Vocês não tem compromisso com a verdade e sim em inflamar o ódio anti-adventismo. Muitas pessoas já passaram por esse blog e se tornaram mais fiéis em suas convicções se estavam com alguma dúvida, pois viram quem é que está com a verdade. Deus tenha misericórdia de vossas vidas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Até agora vocês estão indo DE encontro aos textos biblícos e não AO encontro deles. O ensinamento que vocês ajudam a propagar NÃO é cristocêntrico, mas estranhos ao novo testamento. Eu já afirmei e reitero o meu desafio aos sabatistas para demonstrarem o seu ensinamento nas cartas de Paulo. Quanto as manifestações de apoio, com certeza temos de todos os ex-adventistas que graças a Deus abriram os olhos e abandonaram esta falsa revelação, resultado da desobediência as escrituras e que os sabatistas empedernidos acharão sempre justificativas para o engano de 22 de outubro de 1844 que inventou uma heresia que nega a expiação completa de Cristo dizendo que não houve a remissão de pecados na cruz. Até agora. NENHUM adventista conseguiu me citar um versículo sequer nas cartas do apóstolo aos gentios que comprove o ensinamento adventista. Isto é um fato. Os adventistas é que entraram em cena chamando os protestantes de "o falso profeta de ap. 13" e não o contrario. Os protestantes estão apenas defendendo as ovelhas do Senhor de seitas proselitistas como vocês que usam várias artimanhas para arrebatar aos nossos irmãos que não costumam ser alimentados com heresias para depois saírem vomitando em cima dos outros. A palavra só é deturpada por quem não crê nas declarações positivas das escrituras do novo testamento, para a Igreja, que é o que interessa. Até agora vocês não consigaram demonstrar nas cartas de Paulo, que ele cria e ensinava a MESMA doutrina que vocês crêem. O adventismo está doutrinariamente desconectado da reforma, como toda a seita. Por isso deve ser rejeitado como uma denominação cristã legítima.

      Excluir
    2. Acaso a crença comum cristã hoje É o novo testamento?

      Porque pelo que lemos o Novo Testamento é aquela parte da Bíblia que inicia-se em Mateus e termina em Apocalipse.

      Se o amigo pegar, a obra 'A divina comédia' encontrará ali, a quase totalidade das crenças imortalistas da alma dos cristãos atuais.

      Mas compare tal obra com o Novo Testamento!

      O suposto estado intermediário dos mortos, não se encontra em parte alguma da Bíblia, nem mesmo no novo testamento.

      Porque uma coisa é crer que a alma seja imortal. Outra de que após a ressurreição o castigo seria eterno e a alma nunca morreria.

      Mas outra coisa meu amigo é a doutrina do estado intermediário, onde os justos já iriam para o paraíso logo após a morte ou para o inferno.

      Sendo que a imortalidade da alma, possamos tratar como um equívoco ou má interpretação, a doutrina do estado intermediário dos mortos é uma clara HERESIA!

      A tentativa de validar tal doutrina e seus perigos, foi muito bem exemplificado em um outro artigo deste mesmo blog, onde certo autor produziu uma outra bíblia contendo um trecho ADICIONADO, que não está contido nas escrituras originais, o que criou um gancho para se pendurar a doutrina do estado intermediário!

      E por que é tão difícil se pendurar a doutrina do estado intermediário dos mortos no novo testamento?!

      Ora! Pelo simples fato de que as referências ao inferno como meio de castigo estão todas apontando para o FUTURO, ou seja, para o inferno do lago de fogo e enxofre.

      Leia aqui:

      http://mcapologetico.blogspot.com.br/2013/09/a-condicao-dos-impios-entre-morte-e.html

      "O Novo Testamento diz bem pouco acerca da condição dos ímpios entre a morte e a ressurreição"

      "a passagem mais clara do Novo Testamento, que trata da condição do ímpio morto durante o estado intermediário, seja a de 2 Pedro 2.9"

      Consulte aí o amigo em sua Bíblia para ver se há esta parte aqui escrita:

      "enquanto continua sua punição"

      que supostamente estaria na NIV:

      Veja que se trata de um acréscimo que está contido em uma Bíblia tendenciosa.

      (...)

      Excluir
    3. "O Senhor sabe como livrar os homens justos de provações e como reservar os injustos para o dia do juízo, << enquanto continua sua punição >>”

      O trecho destacado trata-se de um acréscimo. Isto já nos dá base para entender o porque de nem mesmo os profundos estudiosos imortalistas da alma utilizarem mais estes versos que os amigos nos tem apresentado.

      Peço que os amigos perguntem à algum teólogo, presbiteriano por exemplo que defenda a imortalidade da alma e pergunte se os versos que os amigos tem apresentados, serviriam para demonstrar o estado intermediário dos mortos!

      Em verdade tais trechos que os amigos tem apresentado NÃO servem para explicar tal estado intermediário, pelos vários motivos que nosso colegas adventistas têm apresentado aqui.

      Por isto, a ênfase dos adventistas em dizer que os amigos não tem aceito passagens e explicações claras que mostram que os versos que os amigos tem apresentado, não servem de base para apoiar a doutrina imortalista da alma, quanto ao estado intermediário dos mortos.

      Tenham isto em mente! Nenhum daqueles versos que os amigos apresentaram, servem de base para explicar o estado intermediário (aquele onde os mortos estariam queimando até o dia do juízo e da ressurreição).

      Qualquer teólogo que crê na imortalidade da alma, lhes diriam a mesma coisa! De que não é possível firmar a doutrina do estado intermediário nos versos que os amigos tem apresentado.

      Uma coisa é defender a imortalidade da alma, para isto, os teólogos imortalistas citam vários versos e argumentos. Mas para o estado intermediário, quase nada há que possa ser usado como embasamento bíblico.

      Isto que desejo que os amigos entendam!

      Ora se não há como se sustentar o estado intermediário da alma plenamente através da Bíblia (ou que seja o novo testamento), então, por que não se poderia ter no lugar do estado intermediário a doutrina da morte como um sono, conforme profetas como Daniel, Jesus e o apóstolo Paulo pregaram?

      Daí então amigo, as questões acerca de se a alma é imortal ou imortal, já se torna um outro assunto!

      Mas por que a doutrina do estado intermediário é tão importante para os imortalistas da alma?

      A resposta é simples! E por causa de um único ponto de questão!

      Se a alma é capaz de estar em um estado de inconsciência e que a primeira morte tem a capacidade de revogar-lhe a consciência, isto enfraquece e muito a doutrina de que a alma seria imortal.

      (...)

      Excluir
    4. O estado intermediário, meus amigos, posso dizer-lhes com certeza de que os amigos encontrarão com variedade e riquezas de detalhes nas filosofias gregas, nas crenças budistas e muitas outras, mas não na Bíblia, nem mesmo no Novo Testamento, onde os imortalistas tem achado vários ganchos onde pendurar a crença de que a alma seria imortal.

      Se rejeitarmos portanto esta crença pagã acerca do estado dos mortos, o que nos sobre é a interpretação Bíblica, da alma como sendo mortal e do estado dos mortos não sendo mais do que um sono.

      A principal dificuldade de aceitação destas doutrinas bíblicas se dá por parte dos calvinistas, que crêem em doutrinas como o tormento eterno. Daí precisam das doutrinas da imortalidade da alma para sustentar tais crenças.

      Então, de modo xulo, poderíamos dizer que:

      As crenças da imortalidade da alma, em seu resultado, serviria apenas para tornar o castigo dos ímpios eternos e revogar a sua destruição!

      Para os vivos que não crêem em espiritismo, o fato dos mortos estarem conscientes ou em sono profundo é irrelevante!

      Para os salvos que irão para o céu, também pouco importaria se a alma fosse mortal ou não porque no fim das contas viveríamos eternamente mesmo!

      O perigoso porém das doutrinas da imortalidade da alma é que outras formas de religiões que não a cristã, a utilizam largamente para pendurar outros ensinamentos, como, comunicação com os mortos, perdão dos pecados dos mortos, salvar alguém que está no inferno e outros mais.

      Asim posso garantir que a imortalidade da alma é uma crença e uma doutrina universal onde se penduram a crença de várias religiões não cristãs!

      A crença na mortalidade da alma e na morte como um sono, porém, coloca um BASTA nisto!

      A pergunta é, por quanto tempo a cristandade moderna continuará compartilhando da crença comum das diversas religiões não cristãs, acerca deste estado do mortos?

      Excluir
    5. Sr. Adventista, desde que começei a dialogar com o amigo, me esqueço de lhe perguntar como você compreende a criação do homem "à imagem e semelhança de Deus". O que, para você, significa a expressão, "imagem e semelhança de Deus"?; ou seja, Deus Pai, tem um corpo como o nosso, com cabeça, tronco e membros? O Verbo (Cristo), antes da encarnação possuía um corpo como Deus, o Pai? E o Espírito Santo? E os anjos? Quero lhe lembrar que estou colocando estas questões em relação a doutrina da Trindade, que ensina a eternidade destas três pessoas. Levanto estas questões porque creio que seria elucidativo dentro do assunto imortalidade da alma. Eu defendo que sómente Deus é imortal, ou possui a imortalidade inerente e não derivada, ou seja o espírito do homem é imortal não de si mesmo, mas recebe a imortalidade (existência sem fim) não como condição de obediência (condicional), mas porque é criação feita a imagem deDeus. Entendo que viver para sempre é viver com Deus, morrer para sempre é viver apartado de Deus, em eterna miséria que é o que aconteceria com Adão se comesse da árvore da vida. Adão morreu NO DIA que comeu do fruto, tendo como consequencia sua expulsão do jardim como prova de que estava morto, separado de Deus A morte da criação do qual seu corpo, composto dos elementos da natureza foi feito, era a consequencia da morte de Adão. A existência, é dada ao homem como criatura feita à imagem de Deus, sendo a morte, a separação do ser que Adão mais amava, como a uma mãe amada. O que o amigo entende como morte física, que seria o aniqulamento, eu entendo como morte espiritual, separação eterna de Deus. Os textos nos evangelhos, nas epístolas apostolicas e no livro de Revelação deixam bem claro a eternidade das penas, e que a morte eterna é a separação de Deus, banidos de sua presença, porque mesmo os incrédulos, estão mesmo de forma indireta, na presença de Deus, mas haverá um dia em que continurão a existir em eterna miséria, como se não mais existissem. Há muitas referências nas escrituras a respeito das pessoas mesmo estando fisicamente vivas ao MESMO tempo estarem mortas.

      Excluir
    6. O fato de Deus ter criado o homem à SUA imagem e semelhança, significa que Deus é uma pessoa, ou seja, um ser pessoal.

      Esse ser pessoal, agrega alguns valores à sua essência, de forma que Deus é:

      Amor;
      Bondade;
      Misericórdia;

      E todos os outros sentimentos nobres que permeiam a essência do ser humano.

      O homem não possui a natureza Divina, nem poderia, e é justamente aí que mora o perigo!

      O homem não é amor, mas foi criado com a capacidade de ter amor, assim se sucede com os demais sentimentos nobres.

      Da mesma forma Deus é espírito, mas o homem não é espírito, em verdade o homem possui espírito.

      E todas as coisas que citei, provém de Deus sem Deus, tais coisas não existiriam.

      Tudo que lhe citei, são também coisas espirituais.

      A verdade é que nosso corpo simula, através de reações químicas e de dados contidos na razão humana, aquilo que é natural em Deus.

      O que Cristo faz, quando nos torna novas criaturas, é colocar o SEU espírito em nós, desta forma, não mais somente através de mecanismos químicos/emocionais, mas diretamente por uma via espiritual, o cristão é capaz de apresentar, então, o sentimentos provindos das coisas espirituais direto da fonte que é Cristo.

      Assim Cristo derrama do seu espírito que por natureza é PAZ, Longanimidade, Bondade, Amor, dentre outros.

      O que é justamente as mesmas características derramadas pelo Pai e pelo Espírito Santo.

      A diferença básica então entre o homem e Deus é que:

      Deus É, equanto que o homem TEM.

      Agora fisicamente, será que o homem é realmente a imagem de Deus?

      Não podemos explicar de o porque Deus ter justamente esta forma, dois membros superiores, dois inferiores, 10 dedos em cada mão e 10 dedos em cada pé, além de uma cabeça e um tronco unidos por um pescoço.

      Bem sabemos que Deus não precisa de dentes para mastigar alimentos. Nem precisa de pulmões para respirar, nem de unhas para proteger a parte de cima dos dedos. Nem de sobrancelhas para desviar o suor que escorre da testa de cair nos olhos.

      Nem precisa de rins, nem fígado, nem coisas do tipo.

      O ser humano tem estas coisas porque é um ser de carne que interage com um mundo biológico!

      Em nosso mundo hoje, temos por exemplo o mundo virtual, onde não existem órgãos vitais, nem carne nem matéria. Um mundo lógico gerado por computador, compostos de placas eletrônicas e códigos de programação, são no fim imagens geradas por programas de computador.

      Entretanto, podemos muito bem criar seres virtuais com inteligência artificial, contendo nossa exata aparência.

      Deus estaria para nós assim como nós estaríamos para estas criaturinhas virtuais. Os mundos são diferentes e a forma de comunicação diferente. As leis são diferentes e tudo mais neste mundo são diferentes, embora este mundo virtual seja feito à imagem e semelhança de nosso mundo real, e suas criaturinhas com comportamento semelhante ao do ser humano e por que não dizer, algumas com aparência também semelhante?

      (...)

      Excluir
    7. Deus está em um mundo espiritual onde estão os anjos! Lá Deus realmente tem uma aparência semelhante ao do ser humano. Porque fomos feitos à SUA imagem e semelhança.

      Agora saindo do âmbito teológico e indo para um âmbito puramente científico e expressando exclusivamente a minha opinião pessoal: Pessoalmente Creio que Deus está além até do mundo espiritual dos anjos. O mundo original, da época onde somente Deus existia!

      Não haviam anjos, nem santuário, nem criaturas! Então não posso dizer se nesta época Deus tinha a aparência de um ser humano, mas quanto À SUA natureza e essência, Deus é o mesmo de antes e o mesmo de sempre.

      Não sei dizer se Deus já possuia ou adotou esta forma, fato é que Deus em seu trono, governando entre os anjos e as demais criaturas, possui hoje sim uma aparência semelhante ao do ser humano, com mãos, pés e tudo mais. A Bíblia nos dá um vislumbre de SUA aparência em:

      "E a sua cabeça e cabelos eram brancos como lã branca, como a neve, e os seus olhos como chama de fogo; E os seus pés, semelhantes a latão reluzente, como se tivessem sido refinados numa fornalha, e a sua voz como a voz de muitas águas." (Apocalipse 1:14-15)

      João descreveu o que viu utilizando referências da época.

      O Senhor, não depende de uma retina para enxergar, então no lugar vemos algo como que apresenta uma luz flamejante. O senhor não precisa de pele carnal, então é coberto por algo de aparência metálica e magnífica. Seus cabelos também possuíam uma estrutura diferente, mas no fim, embora a composição fosse bem diferente, como era de se esperar é claro, a aparência remonta muito bem o aspecto do ser humano.

      Assim, embora o Senhor em sua aparência gloriosa não tenha nosso órgãos internos, e sua estrutura externa seja de composição diferente, pois é espiritual, o Senhor possui sim uma feição como a do ser humano.

      Esta é a aparência gloriosa que O Senhor adotou para se apresentar neste mundo material à João, bem como alguns outros apóstolos, aos quais Jesus se transfigurou. Com o mesmo rosto luminoso que se apresentou à Moisés.

      Então sequer podemos imaginar a glória que Deus apresenta diante de SEUS anjos, que homem pecador algum suportaria contemplar.

      Devemos então crer que internamente Deus é puro PODER. Um poder inimaginável que jamais poderíamos entender. Poder tão grande que é capaz de gerar matéria ilimitada ou quaisquer outras formas de mundo que ELE desejar.

      Deste modo creio que embora Deus não necessite de uma forma física, ELE possui, ou adotou sim uma forma em seu reino, que é esta que ELE colocou no ser humano.

      Quanto a Deus sempre ter tido esta aparência, isto já é outra história que provavelmente só saberemos quando estivermos no céu e lhe perguntarmos pessoalmente.

      Mas pode ter certeza meu amigo, de que no céu, poderemos conversar com Deus face a face e reconheceremos Nele os traços de perfeição que ELE colocou em nós, já que teremos corpos transformados, glorificados.

      E com estes corpos poderemos gozar ainda dos prazeres que Deus havia criado para nós no jardim do Éden. O gosto das frutas, o afago e o carinho de um irmão, a suavidade do vento no rosto, o frescor da água e todas as emoções que tornam a nossa vida ainda mais interessante.

      Poderemos abraçar os anjos e formaremos uma grande família universal, quem sabe até provaremos do maná dos anjos, como o povo de Israel um dia teve a oportunidade de experimentar.

      Excluir
    8. Sr. Adventista, como o amigo explica o texto de Hebreus 12:9, que diz: "Além do que tivemos nossos pais segundo a carne (Gr. sarks) para nos corrigirem, e nós os reverenciavamos; não nos sujeitaremos muito mais ao Pai dos espíritos (Gr. pneuma) para vivermos?" Observe que Deus não é o Pai de nossos corpos. Eu sempre destaco a palavra corpo, porque os adventistas crêem que somos "apenas" o corpo. "O próprio (Espírito) testifica com nosso espírito (pneuma) que somos filhos de Deus". Rm. 8:16. Lucas 24:38-39: "E ele lhes disse: Por que estais perturbados, e por que sobem tais pensamentos aos vossos corações? Vede as minhas mãos e os meus pés, que sou eu mesmo; apalpai-me e vede, POIS UM ESPÍRITO NÃO TEM CARNE NEM OSSOS, como vedes que eu tenho". Vemos por está declaração, que o Senhor Jesus, admitia a existência do espírito humano. Em Hebreus 12:9, Deus é chamado de "Pai dos espíritos". A Paternidade de Deus, sobre os homens, veio por Jesus Cristo. Se o espírito é algo impessoal, como Deus pode ser chamado de "Pai dos espíritos"? Está expressão, "o homem como um todo", é muito vaga, é não traz luz sobre o assunto, já que se somos apenas o corpo com suas diversas funções, e o pensamento é fruto de processos elétro-físio químicos que ocorrem no cérebro, perguntamos; Onde está o espírito do homem que recebe o testemunho filial. À quem o Espírito santo está se dirigindo? Ao cérebro? Este elemento que traz o Dna de nossos pais e antepassados é o receptáculo do novo nascimento? Ou é o espírito do homem, feito à imagem e semelhança de Deus (que é Espírito) que é vivificado para Deus? O corpo que recebemos de nossos pais, será ANIQUILADO pela ressurreição que o absorverá, no sentido de EXTINGUI-LO. Como confirmado em 1 Co. 6:13: "Os alimentos são para o estômago e o estômago para os alimentos; ANIQUILARÁ tanto um como os outros". E as pessoas que morreram e doaram seus orgãos? Elas serão ressucitadas no mesmo corpo? E aqueles que já viraram pó ou devorados pelas feras, ou queimados, torrados que nem churrasquinho? Virão no mesmo corpo? Claro que não! "E, quando semeias, não semeias o corpo que há de nascer, mas o simples grão..." 1 Co. 15:37. A morte, é comparada com o sono, porque a aparência de um defunto é a de uma pessoa dormindo, só que não é um sono inconsciente como revela a história do Rico e Lázaro, as almas debaixo do altar de incenso, a aparição de Samuel a Saul, Paulo em 1 Co. 12, onde diz que não sabe se foi no corpo ou fora do corpo que foi etc arrebatado. Se apessoa a ser ressucitada , é foi em sua vida pretérita, apenas o corpo, na ressurreição NÃO será o mesmo indivíduo, pois o antigo corpo com seu DNA paterno foi ANIQUILADO. Então tem de haver algo no homem que preserve a sua individualidade, sob quaisquer circunstâncias. Este, é o espírito do homem, feito à imagem e semelhança de Deus.

      Excluir
  27. Vocês são mancos...A Bíblia tem 66 livros e não só as cartas de Paulo. Se você desconectar do restaste da Bíblia, até pode dar a entender essa doutrina espírita, mas veja, dar a entender, não significa que o é. Isaías 28:10 nos ensina como estudar a Palavra e como se adquire realmente o conhecimento. Um exemplo, quando vamos defender uma tese, quantos autores temos que citar? Muitos não é? Não é diferente com os estudos Bíblicos. Se vocês se baseiam apenas nas epístolas de Paulo, vocês tem um evangelho manco, tem que harmonizar com o restante conforme a própria Bíblia nos ensina. Pedro, na sua 2ª epístola 3:16 explicita bem o que está acontecendo aqui: (...) ao falar acerca desses assuntos, como de fato costuma fazer em todas as suas epístolas, nas quais há certas coisas difíceis de entender, que os ignorantes e INSTÁVEIS deturpam, como também deturpam as demais escrituras para a própria condenação deles." Isso é o que está acontecendo aqui, deturpam os ensinos de Paulo, se agarram em certas cartas que eram destinadas à alguma igreja em especial e fazem DOUTRINA em cima disso, causando um mal estar geral, principalmente no que diz respeito às mulheres. Mudando um pouco de assunto, já presenciei muitas boas mulheres se desviarem das igrejas porque essas impunham que as mesmas tinham que ficar caladas. Isso é no mínimo desconcertante e enfraquecedor da fé. Pois a Bíblia diz que onde há o Espírito do senhor, aí há liberdade, é claro, em Cristo. Então, acho que não são os adventistas que estão DETURBANDO a Bíblia. Ok? A propósito, a Bíblia protestante deve ser fininha...Só com o NT e olhe lá...Vocês me fazem rir sem querer.

    ResponderExcluir
  28. Os Cristãos primitivos, a Igreja Original, NÃO tinham biblías com 66 livros, mas as cartas de Paulo é que circulavam entre as comunidades locais. "E quando está epístola tiver sido lida entre vós, fazei também que o seja na igreja dos laodicenses, e a que veio de laodicéia lede-a vós também". Cl. 4:6. O homem que a quem Deus revelou o evangelho aos gentios foi Paulo. "Para o que fui constituído pregador, e apóstolo, (digo a verdade em Cristo, não minto) e doutor dos gentios na fé e na verdade". 1 Tm. 2:7. "Antes pelo contrário, quando viram que o evangelho da INCIRCUNCISÂO me estava confiado, como a Pedro o da circuncisão (porque aquele que operou eficazmente em Pedro para o apostolado da circuncisão, esse operou também em mim como eficácia para com os GENTIOS". Gl. 2:7-8. "E, conhecendo Tiago, Cefas e João, que eram considerados como as colunas, a graça que me havia sido dada, deram-nos as destras, em conunhão comigo e com Barnabé, para que NÓS fôssemos AOS GENTIOS. e eles à circuncisão". Gl. 2:9. A revelação para a Igreja gentia SÓMENTE VEIO À PAULO. Nas grejas locais, tinha de ser ensinado a mesma doutrina que ele recebeu por revelação de Jesus Cristo. Os cristãos, em sua maioria, eram gente simples do povo e não tinham biblías, bibliotecas, ou internet como os "cristãos" modernos. Eles tinham mesmo, era o Espírito Santo, operando com seus dons ministeriais entre eles. "E eu, irmãos, apliquei estas coisas, por semelhança, a mim e a Apolo, por amor de vós; para que em nós aprendais A NÃO IR ALÉM DO QUE ESTÁ ESCRITO, não vos ensoberbecendo a favor de um contra outro". 1 Co. 4:6. Em 2 Pe. 3:16 , o apóstolo adverte EXATAMENTE contra os apóstatas que deturpam o que Paulo recebeu do Espírito, que é o que os sabatistas fazem. Os pastores das igrejas locais ensinavam o que estava nas epístolas de Paulo e não tinham autorização divina para estabelecer doutrina. Você disse: "A propósito, a biblía protestante deve ser bem fininha...só com o novo testamento e olhe lá..." Olha, uma pessoa que se expressa assim sobre as escrituras, no minímo não tem temor de Deus. Pelo menos é o que parece. Não exste biblía protestante. Vé estudar como se formou o cânon das escrituras. Onde nas cartas de Paulo está o mandamento para os gentios observarem o sábado, onde está nas cartas de Paulo, a "revelação sobre o juízo investigativo que NEGA que a remissão dos pecados ocorreu na cruz? NENHUM sabatista conseguiu está façanha. Quem diz que a biblía protestante deve ser bem fininha, está tratando as escrituras comoum livro ordinário, que após sua leitura esgota-se sua mensagem. Um homem de Deus, pode passar a vida se aprofundando e colhendo ricos ensinamentos só de João 3:16, por exemplo. não é o volume de escrituras, mas sim sua qualidade espiritual. Manco deve ser o seu entendimento, que para defender uma heresia chega quase as raias de blasfemar das escrituras. Você, pelo que acabou de dizer, está demonstrando que não aceita Paulo como seu mentor espiritual e pensa que os mandamentos contra mulheres ocuparem o púlpito é sómente legalismo, desconhecendo sua aplicação espiritual através das escrituras.Depois quando eu digo que não sabem o que dizem, se indignam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre o sábado meu amigo, não precisava Paulo mandar guardar aquilo que já era óbvio e guardado por ele mesmo. Vamos fazer uma análise do Apóstolo...
      Em sua primeira viagem missionária, Paulo fundou as IGREJAS de Antioquia da Pisídia, Icônio, Listra e Derbe, e muitas outras nas segunda e terceira viagens; no entanto, a nenhuma delas disse que o Sábado cedeu seu lugar ao domingo.
      PRIMEIRA VIAGEM MISSIONÁRIA:
      CHIPRE – ANTIOQUIA DA PSÍDIA
      Paulo fez muitas viagens, estabeleceu diversas igrejas (Atos 16:5; 18:22; Gál. 1:22; I Cor. 16:19; II Cor. 8:1; Atos 14:21-27, etc), mas nunca disse nada a respeito do domingo substituindo o Sábado. Tome sua Bíblia. Como ponto de partida, examinaremos a respeito o livro de Atos, e, no capítulo 13, verso 2, por ordem do Espírito Santo, foram Paulo e Barnabé separados para a obra do Ministério. Empreenderam imediatamente a primeira viagem missionária, que abrangeu inúmeras cidades:

      Atos 13:14
      “E eles, saindo de Perge, chegando a Antioquia, da Pisídia, e, entrando na Sinagoga, num dia de Sábado, assentaram-se.”
      Paulo e seu companheiro foram à Sinagoga no dia do Senhor, o Sábado, e foi convidado a pregar o evangelho. Muitos admitem que Paulo só pregava nas Sinagogas dos judeus. Por isso pregava aos Sábados.
      Bem, continue a leitura e aguarde a resposta. Por enquanto não esqueça: Paulo está no Sábado diante de judeus e gentios, e vai pregar. Que excelente oportunidade para anunciar a mudança do dia de repouso! Será que vai mencionar esta alteração? Diz a Bíblia:

      Atos 13:16
      “E, levantando-se Paulo, e pedindo silêncio com a mão, disse: Varões israelitas, e os que temeis a Deus, ouvi.”
      Note suas palavras: “Israelitas, e os que temeis a Deus”. Isto disse porque estavam congregados judeus e gentios. Paulo discursa poderosamente até o verso 41 deste capítulo e o tema central é a ressurreição de Jesus. Portanto, estava à frente da Sinagoga pregando, e nada disse da mudança do dia de Sábado para o domingo, em virtude da ressurreição do Senhor, como querem muitos cristãos. Ouça:
      Atos 13:27
      “Por não terem conhecido a Este, os que habitavam em Jerusalém, e os seus príncipes, condenaram-nO, cumprindo assim as vozes dos profetas que lêem todos os Sábados.”
      Paulo está confirmando que todos os Sábados era lida a Bíblia conhecida, isto é, o Antigo Testamento. Paulo relembrou a uma Sinagoga repleta de judeus e gentios o belo hábito da leitura da Bíblia aos Sábados. Ouça mais:

      Atos 13:42
      “E, saídos os judeus da Sinagoga, os gentios rogaram que no Sábado seguinte lhes fossem ditas as mesmas coisas.”
      Meu caro irmão, é contundente a expressão bíblica: os GENTIOS rogaram que Paulo novamente lhes pregasse no Sábado seguinte. Por isso concluo: seria desumano e cruel se aqueles gentios que amavam Jesus e desejavam servi-Lo fossem ensinados erradamente. Paulo atendeu a solicitação dos gentios. Passou uma semana inteira trabalhando e se preparando para no próximo Sábado voltar a pregar-lhes o evangelho. Veja:

      Atos 13:44 – “... no Sábado seguinte ajuntou-se quase toda a cidade para ouvir a Palavra de Deus.”

      Continuo...

      Excluir
    2. Que oportunidade magna para Paulo! Estava diante de quase toda a cidade (de Antioquia da Síria). Que grande responsabilidade! Eu pergunto: Porque Paulo não disse abertamente: Irmãos, vocês terão agora que guardar o domingo no lugar do Sábado, por causa da ressurreição de Jesus... Afinal, não pregava Paulo a respeito da ressurreição do Senhor? Caro irmão, Paulo sequer insinuou ou deixou transparecer algo a esse respeito. Partiu dali, deixando os irmãos exatamente como encontrou: guardando o Sábado, e com um presente, veja:
      “Muitos creram e, foi organizada a primeira congregação gentia fora da Sinagoga.” – Conciso Dicionário Bíblico, editado pela Convenção Batista Brasileira, em 1983, 12ª edição, pág. 138. Ouça o que disse o referido Dicionário, à pág. 137:
      “Depois do martírio de Estêvão, na época da dispersão, alguns judeus de Chipre e de Cirene, que se criaram em terras gregas chegaram a Antioquia (da Síria) e na Sinagoga pregaram aos judeus e prosélitos gregos. As pregações foram coroadas de êxito. Um misto de judeus e prosélitos gregos formou a congregação primitiva que, pouco a pouco, cresceu até que chamou a atenção da IGREJA EM JERUSALÉM...” (Viu? Igreja, e não Sinagoga).
      A igreja em Jerusalém enviou Barnabé a Antioquia para ver o milagre que estava ocorrendo. Milhares de gentios estavam aceitando a Jesus pela pregação dos discípulos que foram dispersos pela perseguição desencadeada no apedrejamento de Estêvão – Atos 11:19-22.
      Barnabé foi e ficou maravilhado. Encontrou uma igreja florescente e vibrante. Isso o motivou a tal ponto que decidiu ir a Tarso buscar aquele que fora o perseguidor da igreja – Saulo. Conduziu-o a Antioquia. Durante um ano Barnabé e Paulo permaneceram ali, fortalecendo a IGREJA. Ouça novamente:
      “Daí em diante Antioquia tornou-se o local de grande desenvolvimento evangelístico e de interesse histórico para a igreja.” Idem, pág. 137. E é verdade mesmo, a ponto do Dr. Lucas, registrar o seguinte:
      Atos 13:1
      “E na IGREJA que estava em Antioquia havia alguns profetas e doutores, a saber: Barnabé e Simeão, chamado Níger, e Lúcio, cirineu, e Manaém, que fora criado com Herodes o tetrarca, e Saulo.” (Paulo – verso 9).
      Certamente Paulo fortaleceu a fé e esperança dos irmãos, porém quanto ao dia de guarda, não houve, de fato, nenhuma mudança. Foi exatamente em Antioquia, onde, pela primeira vez, os discípulos foram chamados cristãos (Atos 11:26). Ora, sendo uma cidade onde surgiram os primeiros cristãos, e a primeira igreja sedimentada e fortalecida por Paulo, como não lhes ordenou claramente ter o domingo tomado o lugar do Sábado? Considere isto irmão!
      Percebeu? Paulo prega na Sinagoga e o cristianismo se beneficia. Lembre-se: Paulo NUNCA falou que o Sábado foi trocado pelo domingo. Não o disse na Sinagoga, tampouco na Igreja.

      Continuo...

      Excluir
    3. ICÔNIO – LISTRA – DERBE

      Nas cidades de Icônio e Listra, Paulo não prosperou na pregação do evangelho, NA IDA. Mas, em Derbe, “o evangelho foi pregado com muito êxito”. (Ibidem, pág. 139). Paulo e Barnabé “deixaram de pregar, QUANDO REGRESSARAM, a fim de se dedicarem à tarefa de organizar novas igrejas, elegendo anciãos (Atos 14: 21,23) ou pastores em cada uma.” – Ibidem.
      Atos 14:1
      “E aconteceu que em Icônio entraram juntos na Sinagoga dos judeus, e falaram de tal modo que creu uma grande multidão, não só de JUDEUS mas de GENTIOS.”
      Paulo sempre começava seu trabalho missionário pela Sinagoga. Aqui pregou de “tal modo” que houve imensa conversão, inclusive de gentios. Acha você que após essa decisão ao lado de Cristo, Paulo não tenha orientado os irmãos em toda a doutrina do Senhor, no estabelecimento da Igreja Cristã? Certamente que sim. Eles continuaram guardando o Sábado, porque o próprio Paulo considerava-o o Dia do Senhor, não há dúvidas! Ouça mais:
      Atos 14:21, 23
      “E, tendo anunciado o evangelho naquela cidade e feito muitos discípulos, voltaram para Listra, e Icônio e Antioquia... E havendo-lhes, por comum consentimento, eleito anciãos em cada IGREJA, orando com jejuns, os encomendaram ao Senhor em Quem haviam crido.”
      Pois bem irmão, Paulo fez muitos discípulos em Derbe, e assim a primeira providência seria a aquisição de uma casa onde pudessem acomodar-se. Se foram organizadas igrejas, como diz o texto, forçoso seria delinear as normas, regulamentos, doutrinas e tudo o que tange à liturgia cristã. Se isso é verdade, seria grave erro de Paulo não determinar também o dia que deviam santificar e reservar para o encontro especial dos irmãos com Deus. Se Paulo explicitamente não o fez é porque o Sábado já era conhecido de todos. Nada mais lógico. Da mesma sorte, se estabeleceu anciãos (auxiliares de pastor – presbíteros) em cada igreja, certamente deu todas as instruções necessárias na condução do rebanho de Deus, e o Sábado permaneceu intocável e inalterado. Nada se falou a respeito, sequer houve vestígios a favor do domingo.
      Atos 14:28 – “E ficaram ali não pouco tempo com os discípulos.”
      É um grande desamor deixar alguém enganado com relação a alguma doutrina bíblica. Se Paulo ficou tanto tempo com esses discípulos e nada lhes falou da mudança do Sábado para o domingo, duas razões teremos de admitir.
      Primeira: Concordava ele que o Sábado era o dia de repouso, aceito por todos, judeus e gentios, por isso sequer o mencionava, pois era caso encerrado.
      Segunda: Foi muita falta de consideração deixar os irmãozinhos enganados, sem lhes comunicar que agora o domingo era o dia santificado. Que acha?

      Continuo...

      Excluir
    4. SEGUNDA VIAGEM MISSIONÁRIA:
      TRÔADE – MACEDÔNIA – FILIPOS

      É maravilhoso! Deus “perdeu” Estêvão, mas Paulo o substituiu, e o cristianismo ganhou o maior de todos os baluartes. E vai ele:
      Atos 16:13
      “E no dia de Sábado saímos fora das portas, para a beira do rio, onde julgávamos ter lugar para a oração; e, assentando-nos, falamos às mulheres que ali se juntaram.”
      Esse costume benfazejo de Paulo, nós todos poderemos ter. O mais importante do relato é que Paulo não está na igreja, nem na Sinagoga e sim pregando em praça pública (ar livre) no Dia do Senhor. Portanto, Paulo ia à igreja pela manhã, no dia de Sábado, e à tarde saía para o Trabalho Missionário. Exatamente como fazemos nós, os Adventistas do Sétimo Dia.
      Ainda há que ressaltar o brilhante fato de que Paulo viajou de Trôade (Ásia) para Macedônia (Europa), por ordem divina (Atos 16:9). Foi diretamente para a cidade de Filipos, uma colônia romana (Atos 16: 12, 21). Ali, em um dia de Sábado, pregou para um grupo de mulheres, e entre elas está Lídia, uma comerciante de púrpura imigrante da Ásia, mulher pagã, que aceitou os ensinos de Paulo, e se converteu com toda sua casa (Atos 16: 14-15). Tornou-se, assim, a primeira cristã na Europa, fruto do trabalho missionário de Paulo. Ela o ajudou a estabelecer a igreja de Filipos, e o Sábado permaneceu sendo guardado como antes (Atos 16: 13). Começou portanto o cristianismo no Continente Europeu, no Sábado.
      ATENÇÃO – Ouça com carinho o contexto comprobatório:
      Filipenses 1:1 - “Paulo e Timóteo, servos de Jesus Cristo, a todos os santos em Cristo Jesus, que estão em Filipos, com os bispos e diáconos.”
      Percebeu? Paulo está aqui se referindo a uma Igreja Cristã (seus membros) e não a Sinagoga. Esta é a IGREJA que Paulo fundou em sua segunda viagem missionária no Sábado. E Lídia e seus parentes foram seus primeiros membros. E o Sábado ficou como sempre: O Dia do Senhor. Por que Paulo não falou: Domingo!
      TESSALÔNICA – BERÉIA

      Atos 17: 2
      “E Paulo, como tinha por costume, foi ter com eles e por três Sábados disputou com eles sobre as Escrituras.”
      Veja como é claríssimo e insofismável. O costume de Paulo era ir à igreja aos Sábados. Quem duvida!? Valho-me da expressão de Lucas – “disputou” – , para dizer-lhe que: se Paulo disputou sobre as Escrituras, como é que nunca disputou a respeito do Sábado? Lógico que não faria, pois o Sábado é o Dia do Senhor, confirmado por todos, judeus, prosélitos e gentios. Por isso nunca disputaram sobre este santo dia.
      Atos 17:17
      “De sorte que disputava na Sinagoga com os judeus e religiosos, e todos os dias na praça com os que se apresentavam.”
      O texto é esclarecedor. Todos os dias! Paulo pregou o evangelho durante anos e anos, e nada disse da mudança do dia de repouso do Sábado para o domingo. Por que não fez? Ouça o que Paulo disse:
      I Tessalonicenses 1:1-9
      “Paulo, Silvano e Timóteo à IGREJA dos tessalonicenses... como dos ídolos vos convertestes a Deus, para servir o Deus vivo e verdadeiro.”
      Vê! Uma igreja só de gentios convertidos do paganismo. Paulo nada lhes falou sobre o domingo no lugar do Sábado.

      OLHA ESTE DETALHE
      Paulo confirmava as igrejas (Atos 15: 41).
      Paulo ensinava nas igrejas (I Cor. 4: 17; 7: 17).
      Paulo pregava em todas as igrejas (II Cor. 8: 18-19).
      Percebe? Paulo não pregava só na Sinagoga.

      Continuo...

      Excluir
    5. CORINTO

      Nesta cidade foi que Paulo diferenciou e exaltou o Dia do Senhor, o santo Sábado. O apóstolo partiu de Atenas para Corinto, e ali encontrou um casal missionário – Áquila e Priscila, que eram construtores de tendas, e Paulo a eles se associou, veja:

      Atos 18:3-4
      “E, como era do mesmo ofício, ficou com eles, e trabalhava; pois tinham por ofício fazer tendas. E todos os dias disputava na Sinagoga, e convencia JUDEUS e GREGOS.”
      Percebeu? Judeus e gregos (gentios), todos ouviam maravilhados as grandezas de Deus e se convertiam ao Senhor Jesus. Anote agora:
      Atos 18:11 – “E ficou (Paulo) ali um ano e seis meses, estudando entre eles a Palavra de Deus.”
      Por favor, irmão, preste atenção: Já me disseram que Paulo trabalhava dia e noite para não ser pesado a ninguém. Já ouviu isso? Pois bem, não questiono que ele, como qualquer ser humano, trabalhava, mas... somente de domingo a sexta-feira, pois acabamos de ler que aos Sábados, ele, Áquila e Priscila fechavam a oficina e iam para a igreja, pois Paulo era o pastor, e isso de manhã, porque à tarde saíam para o trabalho missionário, com a oficina fechada (Atos 16: 13). Tal ensino durou, naquela cidade, um ano e seis meses.
      Sabe você quantos Sábados há em um ano e seis meses? Isto mesmo: 78 Sábados, nos quais Paulo foi a igreja, trabalhando nos dias precedentes. Não foi tempo suficiente para que doutrinasse os coríntios quanto a observância do domingo em lugar do Sábado? Por que não o fez?
      Medite nisto: Por visão celestial, Paulo pregou nesta cidade (Atos 18: 9-10). Por visão celestial, converteu-se, no caminho de Damasco (Atos 9). Não poderia o Senhor lhe dar uma visão celestial a respeito do domingo? Mas, não deu!

      ATENÇÃO – Anote estes textos:
      I Coríntios 1:2 – “A Igreja de Deus, que está em Corinto...”
      II Coríntios 1:1 – “Paulo, apóstolo de Jesus Cristo... à igreja de Deus que está em Corinto...”
      Não há dúvidas, para um sincero leitor, compreender que estes 78 Sábados, Paulo os guardou não na Sinagoga, mas na igreja junto aos irmãos. Em realidade tanto na Sinagoga (judeus) quanto na igreja (gentios, prosélitos gregos e judeus convertidos), todos guardavam o Sábado. Mas ressalte-se a grande verdade: Paulo nunca falou nada a respeito do domingo tomando o lugar do Sábado.
      TERCEIRA VIAGEM MISSIONÁRIA – ÉFESO

      Paulo embarcou para Éfeso e deixou os coríntios guardando o Sábado, que tanto amavam, exatamente como diz a Bíblia. Nesta cidade Paulo também positivou a prerrogativa de ser o Sábado o Dia do Senhor, tanto na Sinagoga, quanto na Igreja Cristã. Veja:
      Atos 19:8,10
      “E, entrando na Sinagoga, falou ousadamente por espaço de três meses, disputando e persuadindo-os acerca do Reino de Deus... E durou isto por espaço de dois anos, de tal maneira que todos os que habitavam na ÁSIA ouviram a Palavra do Senhor Jesus, assim JUDEUS como GREGOS.”
      Sabe, 2 anos e 3 meses são 116 Sábados guardados por Paulo. É tempo suficiente para doutrinar, de maneira que ficasse patente, sem sombra de dúvidas. Porém, que silêncio tumular! Nada de domingo. Toda a Ásia ouvira do apóstolo que trabalhava durante a semana fazendo tendas e, aos Sábados, ia à igreja pregar o evangelho e estar com os irmãos. Era o dia mais festivo e feliz, pois se reuniam, vindo de todas as partes, ao encontro de Deus, em Sua casa.
      Convenhamos, o Sábado circundava a vida de Paulo. Seu viver foi uma demonstração inequívoca de que o Dia do Senhor para ele era o Sábado. Como ele gostava de ir à igreja neste dia!
      Portanto, os 116 Sábados guardados por Paulo na Ásia resultou num grande avanço para o cristianismo.


      Acho melhor parar por aqui... por enquanto! Tenho muitos mais argumentos!

      Excluir
    6. SEMPRE no livro de Atos o dia de sábado está ligado aos judeus, aos quais Paulo ia anunciar o nome do Senhor, cumprindo a regra: Primeiro o judeu, depois o grego. Até mesmo naquele evento que trata da conversão de Lídia, uma prosélita do judaísmo, o apóstolo foi procurar onde se supunha haver um lugar ou casa de oração, que os judeus mantinham em cidades onde não haviam sinagogas. Se o sábado fôsse o sinal entre o Senhor e Sua igreja, o mandamento para observa-lo deveria estar escancarado nas epístolas do apóstolo aos gentios, devido a tamanha importância do mandamento. Mas não há NADA. Agora eu vou lhe pedir a explicação de colossenses 2:16. Me explique como entende este verso? Colossenses diz: "Dias de festa, Luas Novas ou sábados". Se os sábados aí, se referem aos dias de Festa de Levitico 23, o que são os dias de Festa? Ou se os dias de Festa são os de Levitico 23, o que são os sábados? Você quase escreveu um livro para TENTAR encontrar este mandamento do sábado aos gentios e não encontrou o MANDAMENTO. Porque Paulo não citou em suas cartas, o decálogo como está em Êx. 20? A Única vez que ele fala no decálogo é em 2 Co. 3:7, chamando-do de ministério da morte e no v.9 ministério da condenação em oposição a ministração do Espírito na nova aliança. O sêlo para a Igreja é o Espírito Santo. Ef. 1:13; Ef. 4:30.

      Excluir
    7. Outra coisa: os gentios encontrados nas sinagogas, eram todos PROSÉLITOS DO JUDAÌSMO. Outra coisa: Para os judeus, o mandamento mais importante era o da CIRCUNCISÃO, pois é através dele que a pessoa era admitidada na comunidade de Israel. A observância da lei, sem a circuncisão era NULA. Por isso que Paulo disse que quem se deixa circuncidar, está obrigado a guardar TODA a lei. NÃO EXISTE nas escrituras o sujeito observar PARTE DA LEI. Tiago afirmou que aquele que guarda TODA a LEI e tropeça em UM SÓ PONTO É CULPADO TRANSGREDIR TODA A LEI com seus 613 preceitos. A lei é um TODO. Não existe anular um pedaço dela e ficar com o resto mais conveniente. Que biblía você está lendo?

      Excluir
    8. Errata: Onde diz, na quinta linha "admtidada, leia-se "admitida".

      Excluir
    9. Querido amigo Paulo Cadi, o mandamento mais importante não era o da circuncisão, veja:

      "A circuncisão é nada e a incircuncisão nada é, mas, sim, a observância dos mandamentos de Deus." (1 Coríntios 7:19)

      Sempre cai na mesma tecla. Ora citando os mandamentos, hora, exemplos de guarda do sábado sendo expostos.

      Fato é que na criação em Gênesis, Deus pregou o sábado pelo exemplo, assim também foi com Jesus e também com o apóstolo Paulo.

      Se formos ignorar os exemplos, então realmente pouco acharíamos sobre o sábado através das novas escrituras, exceto os diversos versículos que mandam guardar TODOS os mandamentos (o que inclui o sábado).

      Mas bem sabemos que as escrituras pregam a verdade por duas formas didáticas básicas, além das leis, preceitos, estatutos, prepresentações, dentre outros:

      Explicações e exemplos.

      Não é somente através de ordens e Leis, mas Paulo, assim como Jesus e os demais profetas, ensinaram-nos muito através de explicações e exemplos! As epístolas de Paulo são basicamente isto, explicações e exemplos:

      Então nos ateremos somente às explicações e ignoraremos os exemplos?

      Nananinanão!!!! Meu caro amigo!

      A Bíblia está repleto de exemplos e não é à toa!

      A maior pregação de Cristo foi através dos exemplos.

      Em sua breve, mas intensa estadia entre nós, quando em carne, Jesus foi um exemplo vivo deixado para nós para que seguíssemos!

      Por isto somos chamados cristãos, seguidores de cristo, porque fazemos de Cristo o nosso exemplo e procuramos ser semelhantes a ELE.

      No dia em que o amigo, bem como os demais cristãos, reconhecerem que os exemplos são tão importantes importantes quanto as explicações, então não terão mais dúvidas acerca das verdadeiras doutrinas.

      Se Jesus houvesse ido às sinagogas todos os domingos par ler as escrituras, todos os dominguistas diriam que o domingo deve ser guardado porque Cristo deu o exemplo.

      Mas como Jesus de fato se levantava para ler as escrituras no sábado, como de costume, então dizem que o exemplo não vale!

      Pessoalmente considero isto uma forma de cegueira espiritual.

      Quando Cristo disse aos seus discípulos: Vem e segue-me. Garanto que tais discípulos entenderam que deviam proceder da mesma forma que Jesus procedia e tenho a mais rica certeza de que os apóstolos, procuravam ser como Jesus, espelhando-se em SEU exemplo e ensinamentos.

      Os cristãos hoje não devem ser menos do que os discípulos e apóstolos de Jesus da época. E tenho plena convicção de que após a morte de Jesus, os apóstolos continuaram a seguir fielmente os exemplos e ensinamentos de Jesus.

      Creio também de que Paulo fez jus aos seus ensinamentos adquirido por toda uma vida junto aos grandes mestres entendidos da lei.

      Pense no seguinte:

      Imagine que a cristandade de hoje fosse transportada para a época de Jesus e então nos encontrássemos com ELE face a face.

      Se um cristão perguntasse a Cristo se poderia mudar a Lei e substituir o sábado pelo domingo após a SUA morte, o que será que Cristo diria?

      Fato é que no mínimo Jesus haveria se esquecido de mudar a Lei, e morreu sem ter tido a oportunidade de exaltar o domingo como novo dia de guarda. Estranho não acha? Como Cristo poderia se esquecer de algo tão importante?

      E por que na oportuindade me que Cristo falava acerca da santa seia, não disse aos discípulos acerca do domingo, dizendo, façam isto também em memória de mim!?

      Olhando mais à frente na Bíblia, por que folheamos as páginas deste livro e não enconstramos uma orintação sequer acerca de guardar o domingo no lugar do sábado?

      Extra-biblica, a doutrina do domingo é uma doutrina extra-biblica.

      Doutrina baseada na crença de que Jesus e Paulo haveriam se esquecido de ordenar acerca da guarda do domingo no lugar do sábado!

      Se esqueceram tanto que continuaram a guardar o sábado, mesmo após a morte de Cristo.

      Excluir
    10. Sr. Adventista, creio que você citou 1Co. 7:19, fora de contexto. Parece que sempre quando o novo testamento fala em mandamentos está se referindo ao decálogo. Na Torah, eles nunca são chamados de 10 mandamentos. Na Torah, eles são chamados de "aseret ha D´varim (Êx. 34.28, Dt. 4:13, Dt. 10:4). Nos textos rabínicos, eles são chamados de "aseret ha Dibrot. As palavras D´varim e Dibrot, vem da raiz hebraica, "dalet-beit-reish, significando, "palavra, fala ou coisa. Portanto, a frase é acuradamente traduzida como os 10 ditados, declarações ou palavras, mas não como os 10 mandamentos, que seria "aseret ha Mitzvot". "Aseret ha Dibrot", não é compreendido como mandamentos individuais. Eles são "categorias" ou "classificações" de mandamentos. Cada um dos "613 mandamentos", estão classificados sob alguma destas dez categorias. Portanto, a lei, é indissolúvel. Você não pode ter uma parte dela sem a outra. As escrituras sempre tratam a lei como uma UNIDADE. Onde cai um mandamento, caem o resto, como um colar. A lei, não foi dada para operar em partes separadas, mas quando um dos 613 mandamentos é aplicado, todos são aplicados, quando um é quebrado, todos são quebrados. Em Jo. 15:10 Jesus disse: "Se guardardes meus MANDAMENTOS, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os MANDAMENTOS de meu Pai, e permaneço no seu amor". No v. 12:"O meu MANDAMENTO É ESSE: "Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei". Este NOVO MANDAMENTO, NÃO É PARTE DA LEI. É o amor de Deus, que veio pela Cruz. Os cristãos do primeiro século, estavam imersos neste amor. At> 2:42-47. Em 1 Jo 3:22-24: "E qualquer coisa que lhe pedimos, dele a receberemos, porque guardamos os seus MANDAMENTOS, e fazemos o que é agradável à sua vista. E o seu MANDAMENTO é este; que creiamos no nome de seu Filho Jesus Cristo, e nos amemos uns aos outros, segundo nos deu MANDAMENTO. E aquele que guarda os seus mandamentos nele está e ele nele. E nisto conhecemos que ele está em nós, pelo Espírito que nos tem dado". 2 Pe 3:2: "Para que vos lembreis das palavras que primeiramente foram ditas pelos santos profetas, e do NOSSO MANDAMENTO, os apóstolos do Senhor e Salvador". At. 1:2 "Até o dia que foi recebido em cima, depois de ter dado MANDAMENTOS, pelo Espírito Santo, aos apóstolos que escolhera". 1Co. 14:37 "Se alguém cuida ser profeta, ou espiritual, reconheça que as coisas que vos escrevo, são MANDAMENTOS DO SENHOR". Em Mt. 22:34-40, o Senhor cita os 2 maiores mandamentos da lei, que estão FORA dos chamados "dez mandamentos", e DENTRO do livro da lei! LHe faço uma pergunta: Se as cartas doa apóstolos, estão cheias de mandamentos, admoestações, exortações etc, porque não há um único mandamento para os gentios observarem o sábado. A maioria dos gentios, eram gente simples, que nunca tinham ouvido a respeito da observância do sábado. A não ser quando começaram a ser perseguidos pela ala da circuncisão. Lhe faço outra pergunta: Em Colossenses 2:16, está assim: "dias de festa, lua nova e sábados. Se os sábados aí, se referem aos dias de festa de levitíco 23, o que sãos os dias de festa, neste MESMO versículo? E vice-versa. Sem a circuncisão, a observância da lei era NULA. Os mandamentos de que Paulo fala em 1 Co. 7:19, são os dado pelo Espírito, sob sua ministração, com sanção apostolica. A única vez que Paulo cita as tábuas de pedra, as chama de "ministério da morte, em 2 Co. 3:7, e "ministéro da condenação, em 2 Co. 3:9. Espero pelo menos a resposta para a pergunta sobre Colossenses 2:16.

      Excluir
    11. Este raciocínio é comum de se encontrar, porém falho!

      Porque a palavra mandamento, independente de se referir à toda a Lei ou tão somente aos 10 mandamentos, ela é INCLUDENTE e não excludente.

      Os mandamentos estão contidos na Lei. Logo, sob qualquer perspectiva que se adote, os 10 mandamentos estão sendo ordenados a guardar, quando o apóstolo menciona que o importante é guardar os mandamentos.

      Agora os mandamentos podem se referir a toda a lei?

      Digo-lhe que é até mais do que o amigo pensa:

      Citemos por exemplo uma lei contida no antigo testamento que foi dado a Moisés. Lembra da lei que proibia o povo de subir no monte Sinai? Onde Deus advertiu que quem subisse seria punido com pena de morte?

      Esta lei "caiu" não caiu? Ou será que depois da entrega das táboas de Moisés o povo continuou sendo proibido de ultrapassar o pé do monte?

      Quando falamos de Lei, nos referimos à todas as instruções dadas ao povo de Deus, ou seja, toda a Bíblia.

      Felizmente Deus dotou o ser humano com uma extraordinária capacidade de raciocínio e entendimento.

      Deste modo Deus não precisou explicar o tempo daquela lei de não poder subir ao monte duraria enquanto Deus estivesse ali.

      Da mesma forma, certas leis perpétuas foram dadas à Israel (estatutos perpétuos), que tinham um objetivo específico de simbolizar o papel de Cristo, ATÉ QUE ELE VIESSE EM CARNE!

      O messias veio e cumpriu tudo que havia sido predito acerca de sua primeira vinda, assumiu então o papel de todas as representações cerimoniais.

      Se Cristo já foi morto, tem sentido a observação da páscoa? Não, não tem!

      Se Israel foi feito uma grande nação e recebeu o Messias prometido, tem sentido o ritual da circuncisão da carne? Também não!

      Sendo que Cristo já pagou pelos nossos pecados, tem sentido continuarmos a sacrificar um cordeirinho?

      Nada disto tem mais sentido, porque cumpriram seus objetivo.

      Pergunto então ao amigo, quais leis do Antigo Testamento cumpriram seu objetivo? O amigo conhece o objetivo de cada lei?

      (...)

      Excluir
    12. Voltemos lá no início quando da libertação de Israel. Deus colocou uma lei, de que ninguém deveria sair de suas tendas no dia de sábado, nem acender fogo. Percebemos que Deus havia dado um Castigo ao povo.

      Como vemos claramente nas escrituras, após o cumprimento do castigo e da reeducação do povo quanto ao sábado, quando o povo passou a guardar o sábado da maneira correta, o castigo perdeu o sentido.

      A natureza de todo castigo é que termine após a reeducação.

      Vamos lá para o Novo Testamento:

      Por que será que Cristo não apoiou que os israelitas continuassem a apedrejar os adúlteros?

      Ora o povo de Israel era de dura cerviz, e o único senso de justiça que tinham era o olho por olho e a crença de que honra somente se lavava com sangue!

      Porém, na época de Jesus, Israel já não tinha mais esta justificativa! Embora houvessem penas capitais para crimes como o adultério e a transgressão do sábado, o que impedia o povo de perdoar os transgressores?

      Lembremos que Deus prometeu matar aquele que provasse da árvore do conhecimento do bem e do mal, mas no final das contas, perdoou a humanidade, provendo inclusive o que era necessário para o perdão.

      Somente quando entendermos o sentido da morte de Cristo, da graça e do perdão, é que podemos realmente entender o que é a Lei.

      A Lei sempre foi amar ao próximo como a si mesmo! Então se você não deseja para si, morrer por conta de aluma falha ou pecado, também não deveria desejar isto para o seu próximo.

      Desta forma, como o povo de Israel já havia sido quebrantado e se tornado mais brandos, não havia mais sentido em aplicar a pena capital, pois Israel já era um povo CIVILIZADO.

      Jesus trouxe então a parte que faltava para a transformação definitiva do povo, ensinando-os o modo correto de praticar as boas obras.

      Outra questão é que as leis punitivas (preceitos judiciais) foram dadas à um povo que não tinha lei alguma e portanto tinham a necessidade de serem regulados pela justiça, para que houvesse um mínimo de harmonia que possibilitasse o povo a crescer, ao invés de se extinguirem por conflitos e desavenças internas.

      Quanto aos dez mandamentos, lembremos que Israel por diversas vezes se afastou da lei, e transgrediram inclusive o sábado. Entretanto, Deus não aplicou a pena capital ao povo, como fez ao pé do monte Sinai.

      (...)

      Excluir
    13. Desta forma a Lei pode ser também castigativa, reeducativa e tolerante. A lei só não é perdoativa, porque quem perdoa é somente Deus e Cristo Jesus. Além disto também somos capacitados e instruídos a também perdoar nossos semelhantes.

      Sempre que o povo se arrependia, Deus perdoava e tornava a colocá-los no caminho correto. Deste modo, se sempre tivemos e temos especialmente hoje, acesso ao perdão, que necessidade haveria em revogar-se qualquer lei?

      Voltando ao assunto:

      Vou explicar por que os 'mandamentos' citados em 1 Coríntios 7:19, se referem a toda a LEI, excluindo porém as leis referentes ao aspecto cerimonial:

      "Eis que eu, Paulo, vos digo que, se vos deixardes circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará. E de novo protesto a todo o homem, que se deixa circuncidar, que está obrigado a guardar toda a lei. Separados estais de Cristo, vós os que vos justificais pela lei; da graça tendes caído."

      Paulo nos diz claramente de que não temos que guardar TODA a lei! Mas também não diz que devemos deixar de guardar toda a lei.

      Então lhe pergunto, que parte da lei devemos guardar e que parte não devemos guardar!?

      O cerimonialismo é o único aspecto da lei, que claramente vemos que não tem mais sentido guardar, porque desde a circuncisão, passando pelo sacrifício do cordeirinho, até a expiação dos pecados no santuário, apontavam para o papel de Cristo.

      Desta forma a parte da lei que perdeu o sentido de se guardar foi justamente aquela que representam uma sombra do que estaria por vir, que de fato era o corpo de Cristo.

      'Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados, Que são sombras das coisas futuras, mas o corpo é de Cristo."

      Veja que se trata justamente das festas, cerimoniais, onde o povo comia, bebia e festejava, nos vários sábadoS cerimoniais.

      E por que a guarda destas cerimônias representaria algum problema? Assim está escrito:

      "Ninguém vos domine a seu bel-prazer com pretexto de humildade e culto dos anjos, envolvendo-se em coisas que não viu; estando debalde inchado na sua carnal compreensão, E não ligado à cabeça, da qual todo o corpo, provido e organizado pelas juntas e ligaduras, vai crescendo em aumento de Deus."

      Paulo queria que o povo desligasse sua atenção DA SOMBRA DE CRISTO e passassem a se concentrar NO CRISTO.

      Uma vez que Cristo havia assumido o verdadeiro papel cerimonial, seria muito ruim, o povo continuar seguindo uma sombra, já tendo o corpo de Cristo!

      Então, sabendo que Paulo tinha consciência de que os mandamentos que fazem parte do aspecto cerimonial não mais precisavam ser guardados e Paulo criticava quem os guardasse, porque estariam se ligando à uma sombra ao invés de se ligarem ao Cristo diretamente.

      Então percebemos que Paulo realmente estava se referindo a TODA a Lei, mas excluindo os aspectos cerimoniais, que desde o princípio já tinham seus dias contados, à partir de sua promulgação até o seu cumprimento representativo do papel de Cristo, quando da SUA morte na Cruz, aceitação do sacrifício por parte de Deus e SUA assunção ao céu.

      Então, realmente não há um efeito dominó que diga que quando um conjunto de preceitos perde o sentido, todos os demais tenham que também perder o sentido, isto NÃO é bíblico.

      Excluir
    14. QUANTO AO SÁBADO:

      Existem motivos primordiais para se crer que, sem sombra de dúvida, de que a guarda do sábado continuou sendo praticada (ver explicações de Alessandro César Monteiro Santos):

      Notamos nas Novas Escrituras de que o sábado continuou sendo exigido, juntamente com os outros 9 mandamentos como lemos em (Mateus 19:17-20)(Apocalipse 22:14), dentre vários outros outros:

      E também foi continuamente demonstrado através dos exemplos de Jesus, Paulo e outros cristãos que guardaram o dia de sábado.

      E mais uma prova de que todos guardavam o sábado está no dia da preparação:

      Ora se não houvesse mais a necessidade de guarda do sábado, não haveria mais a sexta da preparação! Ou no mínimo haveriam transferido o dia da preparação para o sábado, para que pudessem então fazer os preparativos para o domingo, mas veja o que diz a Bíblia:

      E era o dia da preparação, e amanhecia o sábado. (Lucas 23:54) contido em:

      "E, havendo-o tirado, envolveu-o num lençol, e pô-lo num sepulcro escavado numa penha, onde ninguém ainda havia sido posto.
      E era o dia da preparação, e amanhecia o sábado.
      E as mulheres, que tinham vindo com ele da Galiléia, seguiram também e viram o sepulcro, e como foi posto o seu corpo.
      E, voltando elas, prepararam especiarias e ungüentos; e no sábado repousaram, conforme o mandamento."

      "E havia um horto naquele lugar onde fora crucificado, e no horto um sepulcro novo, em que ainda ninguém havia sido posto.
      Ali, pois (por causa da preparação dos judeus, e por estar perto aquele sepulcro), puseram a Jesus." (João:9-41-42, comentário).

      As escrituras demonstram que quanto ao Sábado e o dia da preparação, nada mudou, e sendo que não mudou, então não existe a mínima possibilidade de o sábado ter sido substituído naquele período descrito nas escrituras. Ou seja, as Novas Escrituras se encerram com o povo de Deus guardando o sábado e não o domingo.

      Sendo que não há como se enfiar ali, um domingo, então não houve substituição de Dias e a Bíblia não mostra motivo algum aparentemente justificável para se abolir o mandamento do sábado e deixar de legado uma lei "manca" contendo apenas 9 mandamentos.

      E agora permita-me deixar os caro amigo um pouquinho desconcertados com um argumento:

      Se as escrituras, no entendimento do amigo, não deixam claro que se deva guardar o sábado, por que é que o amigo guarda o domingo?

      (...)

      Excluir
    15. Ora se não há ordem direta dizendo "Guarde o sábado!" também não há ordem direta dizendo "Guarde o domingo!"

      Deste argumento dito pelo amigo, apenas supomos que:

      Não há realmente a mínima razão para se guardar o domingo, porque não há em todo Novo Testamento, uma única ordem direta sequer para a guarda deste dia!

      Ou seja, neste raciocínio do amigo que também é compartilhado por muitos cristãos, estão abolido, em primeira mão, o próprio domingo!

      Mas veja que os argumentos dos adventistas e inúmeros outros sabatistas não se dão tão somente firmados em ordens diretas do novo testamento!

      Nossos argumentos são firmados, por exemplo, nas referências de Jesus, Paulo e os demais apóstolos, nas pregações sobre os mandamentos.

      Também as ordens de tais pessoas em se guardar os mandamentos de Deus e muitas vezes definindo claramente que se tratavam dos 10 mandamentos (não matar, não furtar, não adulterar, etc)

      Existe ainda o fator do exemplo, de Jesus, Paulo e os demais apóstolos guardando o sábado em inúmeros versos contidos nas Escrituras.

      Temos ainda os exemplos dos discípulos, em especial das mulheres que acompanhavam o ministério de Jesus, fazendo uso do dia da preparação e guardando o sábado.

      Notamos também que palavra sábado é citada repetidamente, fazendo parte do contexto do Novo Testamento.

      Vemos também que os apóstolos mesmo após a morte de cristo continuaram a ministrar Antigas Escrituras aos sábados nas sinagogas, fora das sinagogas e até mesmo em solos gentios.

      Vemos então o sábado presente e arraigado na cultura e no costume do povo!

      O Novo Testamento portanto nos diz que em relação ao sábado, nada mudou, os discípulos e apóstolos e o próprio Jesus, continuaram a guardar o sábado como de costume.

      O domingo portanto é extra bíblico, e não há razão alguma nas escrituras que nos leve a crer que tal dia deva substituir o sábado.

      Não questiono que o domingo possa ser usando como uma homenagem à ressurreição de Cristo ou que possa ser tomado como um dia especial de adoração a Deus. Mas o domingo jamais poderá usurpar o lugar do sábado e o SEU valor.

      Porque o Sábado é o verdadeiro Santo Dia do Senhor, memorial da criação, memorial da libertação do povo de Deus no Egito. Dia cujo Cristo é o Senhor. Dia onde Jesus pregou que é correto fazer o bem e onde Cristo realizou inúmeros milagres.

      Dia abençoado e santificado, separado dos demais dias da semana, dia de se fazer o bem e separado para a adoração, dedicação e louvor a Deus. Dia que o próprio Deus guardou na semana da criação.

      Tais coisas jamais poderiam ser transferidas para um domingo que a cristandade sequer tem plena certeza de onde veio.

      Excluir
    16. Sr Adventista, compreendo o seu ponto de vista, ainda que tenha lhe mostrado que não existe mandamento para os gentios observarem o sábado, que só foi dado 430 após Abraão, como está lá em gálatas. Não existe prova textual de que Adão até Moisés o mandamento para observar o sábado foi dado aos patriarcas, sendo que a circuncisão e outros mandamentos dado a eles estão claramente registrados nos anais do livro de Gênesis. O motivo dado para a observância do sábado, não esta sómente em Êx. 20, mas também em Dt. 5, onde a redação dos chamados "dez mandamentos" está redigida de maneira diferente, sendo que o motivo para a observância do sábado, era a libertação do povo da terra do Egito. Então, existiam dois motivos. Será um sinal entre Deus e Israel e para os gentios sob a antiga aliança que se uniam a nação de Israel. Este mandamento para os gentios NÃO EXISTE nas epístolas dos apóstolos, apesar de todos os mandamentos, exortações, admoestações etc. NENHUM versinho, por menor que seja existe, ordenando os gentios observarem o sábado. Os apóstolos deram mandamentos pelo Espírito Santo e sobre a guarda do sábado NADA. E, repito, não adianta afirmar que como o sábado era naturalmente observado não precisaria do mandamento, porque a GRANDE MAIORIA dos gentios, NÃO sabia NADA sobre a observância do sábado. SE este fôsse o SINAL entre Deus e Sua Igreja, não Israel, seria imprescíndivel haver nas escrituras apostólicas, no minímo UM claro, inequívoco mandamento para os gentios observarem o sábado. Ao contrário, quando Paulo cita as tábuas da lei chama-as de ministério da morte e ministério da condenação, em oposição ao ministério do Espírito Santo. 2 Co. 3:7-9. A ÚNICA vez que Paulo cita o dia de sábado para os gentios, é em colossenses 2:16. A propósito, o amigo não respondeu está questão. Vou repetir: Em colossenses 2:16, está, "DIAS DE FESTA, LUAS NOVAS OU SÁBADOS". Me responda; Se os sábados aí, são os dias de festa de levitíco 23, o que são estes dias de festa e vice versa? Não estou afirmando que o domingo tomou o lugar do sábado, mas que o mandamento para observar o sábado não é para a Igreja gentia, como está Se você ler em atos 2, nos versos finais do cap., verá que os cristãos se reuniam TODOS OS DIAS. Então, em colossenses, o que são os dias de festa, e os sábados?

      Excluir
    17. QUANTO AOS GENTIOS E OS SÁBADO:

      Como é que o amigo pode dizer que os gentios não ouviram falar do sábado? Uma vez que as escrituras mostram-nos se reunindo no sábado para ouvirem as pregações!?

      A Bíblia relata estes gentios pedindo à Paulo que retornasse nos outros sábados a fim de pregar-lhes. Então não apenas conheciam como já estavam ACOSTUMADOS a se reunirem naquele dia para ouvir as pregações.

      E a Bíblia também diz:

      "Porque Moisés, desde os tempos antigos, tem em cada cidade quem o pregue, e cada sábado é lido nas sinagogas." (Atos 15:21)

      Ora meu amigo, a Bíblia é CLARA, a lei era lida TODOS OS SÁBADOS nas sinagogas. E SEMPRE houve em CADA cidade quem o pregasse!

      Como então nunca ouviram falar de sábado, se na sinagoga o que se pregava constantemente era Moisés!?

      Será que nas sinagogas pregaram os escritos de Moisés mas acabaram de se esquecer, ou pularam, justamente o mandamento que explicava o porque deles estarem se reunindo ali justamente no sábado?

      E alguns dos gentios, desde sempre, se acostumaram a comer das migalhas que caíam da mesa dos afortunados judeus:

      "Ele, porém, respondendo, disse: Não é bom pegar no pão dos filhos e deitá-lo aos cachorrinhos. E ela disse: Sim, Senhor, mas também os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus senhores. Então respondeu Jesus, e disse-lhe: Ó mulher, grande é a tua fé! Seja isso feito para contigo como tu desejas. E desde aquela hora a sua filha ficou sã."


      Como poderiam então não conhecer o famosos sábado dos Judeus, onde paravam suas atividades e declaravam quem era o SEU Deus?

      Portanto, que tenha sido por migalhas e também pela leitura de Moisés, nas sinagogas, todos os sábados onde compareciam para ouvir, estes gentios receberam instruções mais do que suficiente, principalmente quanto à algo tão importantes para os Judeus tal qual é o sábado.

      Agora leia o contexto completo:

      "Por isso julgo que não se deve perturbar aqueles, dentre os gentios, que se convertem a Deus. Mas escrever-lhes que se abstenham das contaminações dos ídolos, da fornicação, do que é sufocado e do sangue. Porque Moisés, desde os tempos antigos, tem em cada cidade quem o pregue, e cada sábado é lido nas sinagogas."

      (...)

      Excluir
    18. Leu o que Paulo escreveu? De que deveriam alertá-los de forma emergencial para e abster dos ídolos e do sangue e também da fornicação, o que era de maior urgência naquele momento.

      Quanto a Lei de Moisés, aprenderiam nas sinagogas, onde em cada cidade havia quem o pregue, sendo lido no SÁBADO nas sinagogas.


      Então pergunto: O que os gentios faziam, importunando Paulo e pedindo para que pregassem no sábado seguinte?

      Ora estavam apenas demonstrando que de fato ocorreu com os gentios da forma como foi dito em Atos 15:20-21.

      Quando da conversão, já eram ensinado a se absterem dos ídolos e do sangue e da fornicação, então se dirigiam aos que pregavam em CADA CIDADE, onde liam Moisés no SÁBADO.

      A questão presente em Atos 15 era de que os judeus não queriam concordar em aceitar a conversão dos gentios ATÉ que viessem a guardar TODA a lei. Queiram inclusive que os pobres praticassem a circuncisão.

      Mas vendo a necessidade de urgência em aceitar a conversão daqueles gentios, emergencialmente, os instruíram a cessar de imediato certas práticas, pare serem então, totalmente instruídos sobre Moisés (Pentateuco).

      Ou seja, guardem o emergencial e o resto virá depois com os estudos de Moisés nas sinagogas, em cada cidade.

      A questão que imperava era a de que se os gentios precisariam se tornar antes judeus, para então serem aceitos!

      Justamente ESTE ponto que gerou inúmeros conflitos tratados nas cartas de Paulo!

      A instrução de Paulo em tudo que lemos em suas cartas entretanto nos diz que:

      "Porque não é judeu o que o é exteriormente, nem é circuncisão a que o é exteriormente na carne." (Romanos 2:28)

      "Mas é judeu o que o é no interior, e circuncisão a que é do coração, no espírito, não na letra; cujo louvor não provém dos homens, mas de Deus." (Romanos 2:29)

      Assim quanto a questão de ser judeu, ou não judeu, de ser circuncidado ou não circuncidado se diz resumidamente que:

      A circuncisão é nada e a incircuncisão nada é, mas, sim, a observância dos mandamentos de Deus. (1 Coríntios 7:19)

      Então naquela reunião mostrada em atos, se decidiu que nos final das contas os gentios não precisariam se tornar judeus, nem se circuncidar na carne, nem coisa do tipo. Bastariam emergencialmente cessar com aquelas práticas escandalosas e contrárias ao estilo de vida de um integrante da família de Deus e o mais viria em seus estudos sobre Moisés, todos os sábados, à partir daqueles que pregavam os ensinamentos deste profeta nas sinagogas.

      Veja então querido amigo, como a Bíblia é clara e como a Palavra de Deus, se auto-explica quando buscamos versos paralelos e entendemos o contexto onde estão contidas as afirmações.

      Portanto, os gentios conheceram o Pentateuco (lei) sendo feitos então um povo (judeus no interior e circuncisos no coração) tão bom quanto os próprios Judeus .

      Nada de precisar adotar a tradição judaica, tudo que precisavam era guardar os mandamentos de Deus (Lei), começando por se absterem da prostituição, do sangue das carnes sufocadas e dos ídolos.

      Excluir
    19. Sr. Adventista, os gentios, NUNCA são chamados de judeus, nas escrituras. O amigo não vai encontra isso. Peço a você que abra a sua biblía em Rm. no capítulo 2 dos versos 17 ao 29, e verá que Paulo não está chamando os gentios de judeus espirituais, mas está se referindo à judeus mesmo. No v.26, ele diz: "Se, pois a INCIRCUNCISÃO (gentios) guardar os preceitos da lei (os 613), porventura a Incircuncisão,não será reputada como circuncisão? Este texto, está em oposição aos versos 21-24. No verso 17, Paulo diz que o judeu "repousa" na lei, confiado na sua observância dela. este verso faz oposição à Gálatas 6:14 "Mas longe esteja de mim gloriar-me a não ser na cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo...".Paulo em romanos afirma que não adianta os judeus se gloriarem na sua profissão falsa de conhecer e guardar a lei (os 613 preceitos), porque até um gentio (incircuncisão) se guardar a lei verdadeiramente (os 613 preceitos, inclusive a circuncisão) pelo seu testemunho julgará o judeu carnal que na verdade não observa a lei, porque o judeu Não gentio) e a circuncisão verdadeira é que é no coração, pelo Espírito Santo. Voce não me respondeu ainda, Colossenses 2:16: Se OS SÁBADOS NO REFERIDO VERSÍCULO, SÂO OS DIAS DE FESTA DE LEVITÍCO CAPÍTULO 23, O QUE SIGNIFICAM OS DIAS DE FESTA, NO MESMO VERSÍCULO E VICE-VERSA. Escrevi em maiuscula porque você NÃO respondeu a esta pergunta.

      Excluir
    20. Errata: Na linha abaixo de onde diz: 613 preceitos, está : "porque o judeu Não gentio)", leia-se "porque o judeu (não gentio)".

      Excluir
    21. Amigo Paulo Cadi.

      Os gentios NÃO são chamados de judeus nas escrituras? De fato!

      Mas são colocados em equivalência!

      "Porque, para com Deus, não há acepção de pessoas.
      Porque todos os que sem lei pecaram, sem lei também perecerão; e todos os que sob a lei pecaram, pela lei serão julgados.
      Porque os que ouvem a lei não são justos diante de Deus, mas os que praticam a lei hão de ser justificados.
      Porque, quando os gentios, que não têm lei, fazem naturalmente as coisas que são da lei, não tendo eles lei, para si mesmos são lei;
      Os quais mostram a obra da lei escrita em seus corações, testificando juntamente a sua consciência, e os seus pensamentos, quer acusando-os, quer defendendo-os;"

      Haviam ali, os chamados judeus e que interiormente não eram judeus (afamados por serem zelosos em seguir os preceitos da lei)?

      Realmente havia! Cristo estava falando justamente destes? Sim, o contexto demonstra claramente isto:

      "Eis que tu que tens por SOBRENOME judeu, e repousas na lei, e te glorias em Deus;"

      Ou seja as críticas foram para os judeus de SOBRENOME, que eram os que a bíblia chama de judeus.

      Entretanto existe o 'Judeu em essência':

      "Mas é judeu o que o é no interior, e circuncisão a que é do coração, no espírito, não na letra; cujo louvor não provém dos homens, mas de Deus."

      E quem eram estes judeus em essência, os que eram judeus interiormente?

      "Porque não é judeu o que o é exteriormente, nem é circuncisão a que o é exteriormente na carne."

      E afinal quem eram estes judeus interiormente? E que eram judeus não por carregar um sobrenome que se lê 'J U D E U'?

      Isto se refere ao interior onde deus não faz acepção de pessoas entre judeus ou gentios, para Deus são um só tipo de pessoa:

      "Porque, para com Deus, não há acepção de pessoas." (verso 11)

      Portanto, exteriormente, a Bíblia faz a distinção entre judeus e gentios, mas interiormente, Paulo pretende acabar com esta diferença, dizendo que são equivalentes, por ambos seguirem a lei interiormente.

      Então tanto Judeus como gentios circuncisos não na carne mas no coração, cujo louvor não provém da letra, eram verdadeiros judeus (zelosos pela lei) interiormente:

      "a que é do coração, no espírito, não na letra; cujo louvor não provém dos homens, mas de Deus."

      Assim Paulo demonstra no fim das contas que haviam tanto Judeus exteriores que no interior eram na verdade como os gentios (que não eram zelosos da lei), como haviam gentios que pouco conhecendo da lei, mas que já eram zelosos por aquilo que conheciam (assim como os judeus).

      Veja o contraste:

      "Porque, como está escrito, o nome de Deus é blasfemado entre os gentios por causa de vós." (referindo-se aos judeus de aparência, que no interior, não eram zelosos e por isto não faziam jus ao sobrenome que carregavam, ‘judeu’)

      (...)

      Excluir
    22. E agora Paulo exaltando os gentios que mesmo não carregando o sobrenome judeu, interiormente eram muito mais zelosos do que aqueles que eram judeus tão somente interiormente:

      "Porque os que ouvem a lei não são justos diante de Deus, mas os que praticam a lei hão de ser justificados.
      Porque, quando os gentios, que não têm lei, fazem naturalmente as coisas que são da lei, não tendo eles lei, para si mesmos são lei;
      Os quais mostram a obra da lei escrita em seus corações, testificando juntamente a sua consciência, e os seus pensamentos, quer acusando-os, quer defendendo-os;"

      Bonito este ensinamento, não acha? De que haviam tanto judeus exteriores que interiormente eram como gentios que pareciam não conhecer a lei, como haviam gentios que não conheciam a lei como os judeus, mas que interiormente eram como os judeus, praticando zelosamente aquilo que conheciam.

      Este é o significado deste capítulo, meu querido amigo.


      Quanto a Colossenses 2:16. lhe pergunto de um modo bem simples e direto:

      Ali há referência à comida (comum nas festas), bebida (comum festas), dia (de festas), lua nova (outro dia festa).

      Aquele sábado ali então eram os sábados cerimoniais, ou o sábado do mandamento de descanso do trabalho no sétimo dia?

      Aprofundemos:

      Além do sábado do mandamento haviam outro tipo de sábados? Sim, pois haviam, os sábados especiais de cerimônias.

      Então se todo o contexto fala de festas, porque o sábado ali deveria ser o sábado do mandamento e não o sábado cerimonial?

      Veja que que os judeus chamavam tanto os feriados festivos e cerimoniais, como sábado abençoado e santificado do sétimo dia de SÁBADOS!

      Então devemos ter o cuidado de nos atentar para que sábado Paulo estaria se referindo!

      O contexto era sobre costumes e dias de festas e não sobre leis morais, logo se conclui que o 'sábados' referidos eram os cerimoniais e não o sábado da lei moral.

      Agora será que os sábados cerimoniais ali seria redundante, uma vez que o verso já cita os dias de festas?

      Não pelo seguinte, porque haviam os sábados mais festivos e os sábados que exigiam maior reverência, como o do Dia da Expiação.

      Por isto Paulo fez, em sua obsevação, a separação entre os sábados mais festivos (dias de festas) e o sábado mais ritualisticos (sábados).

      Então na verdade, são tudo uma coisa só, os aspectos ritualisticos e comemorativos, presentes na lua nova, nos sábados festivos, nos sábados mais ritualísticos e que exigiam maior reverência

      Talvez o amigo não conheça o contexto em que se davam as festas de Israel, mas veja pelo seguinte:

      Aqui no Brasil é costume que em dias de feriados, as pessoas se reúnam, em locais públicos como bares, restaurantes, por exemplo, para comer, beber, estar entre os colegas e familiares. Geralmente comemorando uma data especial que tem um significado, ou seja, comemorações de feriados!

      Com Israel ocorria a mesmíssima coisa, SÓ QUE, as festas eram voltadas TODAS para Deus e em comemoração aos os aspectos do papel de Cristo na importante missão de salvação da humanidade.

      Eram dias SAGRADOS.

      Haviam os sábados de festas, comemorativos, mas também os sábados ritualisticos de maior reverência.

      Portanto o verso de coríntios fala de uma coisa só! Aqueles aspectos contidos no cerimonial! Em suma:

      Acabaram-se os feriados!

      Agora! Acabar com os feriados hoje significaria acabar também com o final de semana? Claro que não! Porque o final de semana não é um feriado comemorativo, ou um feriado mais reverente (como o feriado dos dias de eleição política), mas um dia necessário de descanso ao trabalhador.

      Basta ter em mente que NEM TODOS os sábados da época eram dias de festejos, comilança e beberrança. Daí então entendemos o porque de Paulo ter feito esta separação das comemorações (dias de festa, lua nova, sábados cerimoniais).

      Excluir
    23. Corrigindo:

      "E agora Paulo exaltando os gentios que mesmo não carregando o sobrenome judeu, interiormente eram muito mais zelosos do que aqueles que eram judeus tão somente EXTERIORMENTE:"

      Excluir
  29. Irmãos Alessandro César Monteiro Santos e Sr. Adventista, parabéns pelo trabalho que vcs tem feito à favor da Igreja. Tenho visto aqui o trabalho de vcs e vocês realmente são iluminados pelo Espírito do Nosso Senhor Jesus Cristo.

    Os irmãos Sena e Paulo Caddi são orgulhosos demais para admitir o erro.

    Está mais do que explicito através de toda Bíblia e dos exemplos do apóstolo Paulo e principalmente de Jesus, o Senhor do Sábado, que o Sábado sempre foi o dia de guarda desde no início da criação.

    Todos os argumentos lançados aqui sobre o Sábado são claríssimos e esclarecedores. Infelizmente, os irmãos Sena Paulo Caddi não aceitam que estão errados e ficam tentando justificar a mudança de guarda para o domingo, como disse antes: ...argumentos fracos e fora de contexto...

    Que Deus ilumine a mente e abra o coração de todos que lêem este blog para a verdade argumentada pelos irmãos Alessandro César Monteiro Santos e Sr. Adventista. Amém!

    Vou estar em oração, tbm, pelos irmãos Sena e Paulo Caddi, afinal de contas, eles são pesquisadores da palavra de Deus. Que o Senhor ilumine suas mentes e seus corações. Amém!

    ResponderExcluir
  30. vcs trinitarios sao tudo saco da mesma farinha e esse autor do blog é muito fraquinho

    ResponderExcluir
  31. Flávio
    Deus te ilumine
    Mostre teus argumentos com bases nas Escrituras.
    Jesus te ama
    Em Cristo
    Wilton

    ResponderExcluir
  32. "Parabolas usam elementos reais"? Quer dizer que Deus é um juiz iniquo (Lucas 18.1-8) e que o Inferno e o céu são tão proximos que é possivel os mortos convesarem? E que os justos no céu podem ver crianças, velhos, mães, homens, pegarem fogo numa agonia brutal e interminavel ao ponto das pessoas no céu ouvirem os infidaveis gritos e gemidos dos condenados? Quer dizer que abraão, como diz a tradição mistica judaica, é o porteiro do céu? E que espiritos podem beber água? Me poupe? Parabolas são elementos simbolicos com o proposito de expressar conceitos morais, lisões, e não lugares reiais...

    ResponderExcluir
  33. Henrique, se realmente solicita alguma resposta, posso apresentar:

    1. Deus não é Juiz iníquo, mas juiz iníquo existe.

    2. Me parece que o no ensaio da parábola, Abraão representa Deus.

    3. Lázaro não conversa com o Rico, nem o vê em tormentos. Além disso, se os santos verem tal julgamento justo, eles saberão que é justo!

    4. A tradição mistica judaica não me interessa e sim o que Jesus disse. Pelo menos para mim ele é autoridade.

    5. Espíritos não podem beber água, mas se compreende que essa linguagem mostra o sofrimento do perdido, é algo que poderíamos comparar ao antropomorfimos/antropopatismo. É impossível falar de coisas espirituais sem analogias. A Bíblia fala que nos céus alguns anjos tem face de animais e as ruas são de ouro, acho que compreende bem a figura de linguagem nesses casos.

    6. Parábolas ensinam tudo isso que vc citou, inclusive >>realidades espirituais<<.

    ResponderExcluir
  34. (1)
    Imortalidade da Alma ou Ressurreição dos Mortos?

    Uma das maiores declarações bíblicas que contrariam a ILUSÃO da IMORTALIDADE da ALMA é o que o apóstolo Paulo escreve em 1ª Coríntios, no capítulo 15. Como veremos a seguir, o capítulo inteiro é uma REFUTAÇÃO à doutrina de que a ALMA IMORTAL se RELIGA ao CORPO por ocasião da RESSURREIÇÃO. Ele mostra que a RESSURREIÇÃO, longe de ser apenas uma RELIGAÇÃO entre CORPO e ALMA, é o único meio pelo qual podemos viver em alguma existência FUTURA, numa vida PÓSTUMA.

    Para os IMORTALISTAS, se nenhuma RESSURREIÇÃO EXISTISSE nós já estaríamos assegurados no Céu de qualquer jeito com as nossas ALMAS IMORTAIS, e a existência da RESSURREIÇÃO apenas implicaria em ALMAS voltando do PARAÍSO e se RELIGANDO ao nosso CORPO MORTO, para depois retornarem novamente ao Céu "COMPLETOS". Tal conceito é totalmente ESTRANHO à Bíblia e INCONSISTENTE com a TEOLOGIA PAULINA. Na visão DUALISTA, se a RESSURREIÇÃO não existisse nós ficaríamos como ESPÍRITOS DESENCARNADOS durante TODA a ETERNIDADE.

    Já para a Bíblia, que não atesta para a existência de um “ESTADO INTERMEDIÁRIO DAS ALMAS”, se a RESSURREIÇÃO do último dia não existisse, então estaríamos todos PERDIDOS, MORTOS no PÓ da TERRA sem mais nenhuma esperança. A pergunta que fica é: qual seria a posição do apóstolo Paulo sobre o assunto? Seria ele favorável a uma RELIGAÇÃO do CORPO com a ALMA, sendo a RESSURREIÇÃO um mero detalhe desnecessário, ou seria ele favorável ao fato de que NÃO EXISTE vida entre a MORTE e a RESSURREIÇÃO? Paulo nos responde a esta questão em um longo capítulo de sua primeira epístola aos Coríntios. E é exatamente isso o que analisaremos a partir de agora.

    CONTINUA EM: (2)

    ResponderExcluir
  35. (2)
    Após lermos I Coríntios 15:12-32 vemos que alguns cristãos da igreja de Corinto estavam dizendo que a RESSURREIÇÃO não iria acontecer. Paulo, então, primeiramente mostra as CONSEQUÊNCIAS disso, depois mostra o que aconteceria caso a ressurreição NÃO existisse, em seguida confirma que, de fato, a RESSURREIÇÃO irá acontecer como algo FUTURO, mostra os TEMPOS em que ela se cumprirá e termina o capítulo mostrando o que ele faria caso NÃO ocorresse a RESSURREIÇÃO dos MORTOS.

    O capítulo inteiro, que vai até o verso 58, é uma verdadeira aula sobre a RESSURREIÇÃO dos mortos. Se houve um ótimo momento para Paulo afirmar a sua "DOUTRINA da IMORTALIDADE da ALMA", com a menção das nossas ALMAS IMORTAIS no Céu ou de "RELIGAÇÃO de CORPO e ALMA" por ocasião dessa RESSURREIÇÃO, aí estava uma ótima OPORTUNIDADE! Contudo, vemos que as implicações do que é acima exposto é muito, mas muito diferente daquilo que imaginam os IMORTALISTAS.

    Em primeiro lugar, se existisse uma IMORTALIDADE da ALMA, os que “DORMEM” estariam como ALMAS INCORPÓREAS no Céu. Contudo, Paulo diz que, se não há a RESSURREIÇÃO, então os MORTOS já teriam PERECIDO (eles não ficariam “DESINCORPORADOS pela eternidade”, pelo contrário, estariam todos MORTOS!). O original grego traz a palavra APÔLONTO neste verso 18, que, de acordo com a Concordância de STRONG significa: "PERECER, ESTAR PERDIDO, ARRUINADO, DESTRUÍDO"(622). Todos esses significados dão a mesma dimensão de implicação: para Paulo, os mortos estariam agora PERDIDOS, ou totalmente DESTRUÍDOS, ARRUINADOS, se não fosse pela RESSURREIÇÃO dos MORTOS.

    O problema para os IMORTALISTAS reside precisamente no fato de que, em sua TEOLOGIA, os que morreram em Cristo estariam neste momento no Céu, e continuariam lá da mesma forma se não ocorresse a RESSURREIÇÃO, com o único detalhe de que viveriam para sempre em forma INCORPÓREA. Então, como é que eles poderiam estar PERDIDOS, ARRUINADOS ou DESTRUÍDOS se não fosse pela RESSURREIÇÃO? Simplesmente não faz sentido.

    Estar no Céu, ainda que em estado INCORPÓREO PRÉ-RESSURRETO, deveria ser motivo de REGOZIJO, ALEGRIA e EXULTAÇÃO, e não de estar "PERDIDO" ou de já ter "PERECIDO". Esses versos, de fato, só tem sentido se Paulo cresse que NÃO EXISTE VIDA ENTRE A MORTE E A RESSURREIÇÃO, E QUE É A RESSURREIÇÃO QUE TRAZ UMA PESSOA DE VOLTA À EXISTÊNCIA. Desta forma, dizer que se não fosse por essa RESSURREIÇÃO os que morreram em Cristo já PERECERAM ou estão PERDIDOS faz todo o SENTIDO, uma vez sendo que não haveria RESSURREIÇÃO para voltarem herdarem uma vida eterna póstuma.

    Esta é uma das consequências fatais em caso de a alegação infundamentada dos Coríntios de que a ressurreição não existe, fosse verdadeira. Aqueles que aguardam a ressurreição dentre os mortos a fim de ganhar vida nesta ocasião não ganhariam vida nenhuma – ESTARIAM DESTRUÍDOS – sem vida, para sempre, sem esperança (v.18,19,30,32). Não estariam desfrutando as bênçãos PARADISÍACAS no CÉU por toda a eternidade DESPROVIDOS de CORPOS. O que Paulo estava dizendo era que, se a RESSURREIÇÃO não existe, então os mortos já pereceram. Em outras palavras, se não fosse pelo fator "RESSURREIÇÃO", coitados – já teriam perecido! De jeito nenhum que estariam com as suas “ALMAS IMORTAIS” desencarnados para todo o sempre!

    Além disso, no verso 19 o apóstolo continua batendo firme nessa mesma linha, afirmando que se não há a RESSURREIÇÃO [de um simples corpo morto(?)], então a nossa esperança "SE LIMITARIA APENAS A ESTA VIDA", razão dele escrever no verso seguinte, seguindo a mesma lógica: 'SE A NOSSA ESPERANÇA EM CRISTO SE LIMITA APENAS A ESTA VIDA, SOMOS OS MAIS INFELIZES DE TODOS OS HOMENS” (cf. 1Co.15:19). Ora, mas as nossas ALMAS já não estariam lá no CÉU, INCORPÓREAS porém CONSCIENTES, na OUTRA vida?


    CONTINUA EM: (3)

    ResponderExcluir
  36. (3)
    A RESSURREIÇÃO de um SIMPLES corpo MORTO não seria um MERO detalhe? Por que a nossa esperança se limitaria apenas para esta presente vida se nós ficaríamos A ETERNIDADE INTEIRA LÁ NO CÉU DO MESMO JEITO, só que sem CORPO? É evidente que, para o apóstolo Paulo, a vida é somente a partir da RESSURREIÇÃO, e, portanto, já teriam perecido os que dormiram em Cristo caso ela não fosse uma realidade, e não existiria uma vida PÓSTUMA nem como “ALMAS” nem como “ESPÍRITOS”. A nossa esperança limitar-se-ia apenas e tão somente a esta presente vida.

    Uma “SAÍDA” encontrada por alguma parte dos defensores do ESTADO INTERMEDIÁRIO é que Paulo referia-se somente ao versículo anterior: “SE CRISTO NÃO RESSUSCITOU, É VÃ A VOSSA FÉ, E AINDA PERMANECEIS NOS VOSSOS PECADOS” (v.17). Contudo, se contextualizarmos a passagem, veremos que o apóstolo está relatando uma série de CONSEQUÊNCIAS no caso da RESSURREIÇÃO não existisse, das quais UMA delas é a de que nem o próprio Cristo teria se levantado do TÚMULO, outra delas é que a nossa FÉ seria VÃ, outra delas é que os apóstolos seriam tidos como FALSAS TESTEMUNHAS de Cristo, outra delas seria que os que DORMIRAM em Cristo já teriam PERECIDO, outra delas é que a nossa ESPERANÇA se limitaria apenas a ESTA VIDA, e assim por diante, como podemos constatar por todo o contexto:

    a) Alguns corintos estavam dizendo que a RESSURREIÇÃO NÃO existia.

    b) Paulo diz que, se a RESSURREIÇÃO não existe, então Jesus também NÃO RESSUSCITOU, e nós continuamos MORTOS em nossos pecados.

    c) “E ainda mais” (ou seja, ele estava enumerando um outro ponto), se a RESSURREIÇÃO NÃO existe, ENTÃO os que dormiram em Cristo já PERECERAM.

    d) Se a RESSURREIÇÃO NÃO existe, então conforme o verso 19 a nossa esperança seria APENAS PARA ESTA VIDA (em outras palavras, não existiria uma “VIDA PÓSTUMA”!)

    e) Mas, de fato, Cristo RESSUSCITOU como PRIMÍCIA daqueles que dormem, e por isso VIVIFICARÁ todos os mortos na sua segunda vinda (v.23)

    f) O último INIMIGO a ser VENCIDO, é a MORTE. Ou seja, a MORTE não é nossa amiga! O que nos leva ou levará para o CÉU será a RESSURREIÇÃO dos MORTOS em CRISTO, NÃO a MORTE!

    g) Se NÃO há RESSURREIÇÃO, então Paulo lutou com feras em Éfeso à TOA.

    h) Se NÃO há RESSURREIÇÃO, então seria melhor “COMER, BEBER, E DEPOIS MORRER”.

    Como vemos, alguns de Corinto estavam duvidando da existência da RESSURREIÇÃO, e Paulo lhes apresenta uma série de conclusões que naturalmente se extrairiam desta falsa alegação.

    Se os mortos não ressuscitam, logo:

    (1) nem sequer Cristo ressuscitou (v.13);
    (2) é vazia a nossa pregação (v.14);
    (3) é vã a nossa fé (v.14);
    (4) somos falsas testemunhas de que Cristo foi ressuscitado (v.15);
    (5) ainda estamos nos nossos pecados (v.17);
    (6) ainda estamos na condenação do pecado (v.17);
    (7) também os que dormiram em Cristo já pereceram (v.18);
    (8) a nossa esperança seria somente para esta vida (v.19);
    (9) somos os mais dignos de compaixão (v.19);
    (10) sofremos adversidades à toa (v.30);
    (11) o melhor a fazer seria viver a vida hedonisticamente (v.32).

    Principalmente as conclusões de Paulo de números 7 a 11 nos mostram claramente que, sem a RESSURREIÇÃO, nem existiria mais nenhuma vida PÓSTUMA. Perceba ainda que em nenhum dos argumentos Paulo fala de que “OS QUE MORRERAM NÃO ESTARIAM COM CRISTO AGORA MESMO”; ou que eles “NÃO ESTARIAM NA GLÓRIA”; tampouco fala ele sobre “RELIGAÇÃO de CORPO e ALMA”. Se Paulo fosse IMORTALISTA, não diria que sem RESSURREIÇÃO os que morreram em Cristo já teriam PERECIDO e que a nossa ESPERANÇA se LIMITADA apenas a esta VIDA, MAS teria dito que neste caso os que MORRERAM em Cristo não ESTÃO NO CÉU e que continuariam como ESPÍRITOS INCORPÓREOS PARA SEMPRE.

    CONTINUA EM (4).

    ResponderExcluir
  37. (4)
    Isso nos mostra que, na visão paulina, não existia nenhuma forma de VIDA RACIONAL entre a MORTE e a RESSURREIÇÃO. Por isso, se não existisse ressurreição, seria o fim de tudo (cf. 1Co.15:18,19; 15:30,32). Vale a pena lembrar também que, se existisse uma ALMA IMORTAL em nós, então o fato de Cristo ter ou não RESSUSCITADO nos garantiria de qualquer jeito uma vida PÓSTUMA por meio dela, ainda mais quando de acordo com a teologia IMORTALISTA os que morreram antes de Cristo já estariam com vida em algum lugar e, portanto, não poderiam ter “PERECIDO” como mostra o verso 18, e já obteriam uma vida PÓSTUMA contrariando o que indica o verso 19.

    Para os IMORTALISTAS, os justos que morreram ANTES da ressurreição de Cristo já tinham suas almas conduzidas ao Céu ou ao Seio de Abraão, a um lugar de paz e descanso, e, portanto, o fato de Cristo ter RESSUSCITADO ou NÃO seria elementar, pois vida PÓSTUMA antes da ressurreição aconteceria de qualquer jeito. Neste caso, Paulo também não teria dito que os MORTOS SEM a RESSURREIÇÃO de Cristo já teriam PERECIDO ou estariam PERDIDOS, mas teria dito que ficariam para SEMPRE no CÉU ou no SHEOL (o que não deixaria de ser um PRÊMIO, ao invés de uma PERDIÇÃO, como ele diz claramente no verso 18).

    Ainda, seria errôneo afirmar que nossa esperança se limitaria apenas a esta presente vida (v.19), já que, COM ou SEM a existência da nossa RESSURREIÇÃO ou da RESSURREIÇÃO de Cristo, os mortos teriam SIM uma VIDA PÓSTUMA, quando a suposta ALMA IMORTAL se DESLIGA do CORPO após a MORTE, o que, segundo eles, já estava acontecendo desde o início da humanidade, antes mesmo da RESSURREIÇÃO de Jesus ou da RESSURREIÇÃO geral dos demais mortos. Portanto, não existem escapatórias à luz da clareza da linguagem de Paulo neste capítulo sobre a RESSURREIÇÃO, que todo ele é uma NEGATIVA enfática à possibilidade de VIDA CONSCIENTE antes da RESSURREIÇÃO dos mortos.

    Ele nega inteiramente que qualquer crente em qualquer era já pudesse estar com vida antes da RESSURREIÇÃO. Os versos mostrados deixam bem claro que, na visão de Paulo, a vida era somente a partir da RESSURREIÇÃO, e não ANTES da ressurreição em um ESTADO INTERMEDIÁRIO, como dizem os IMORTALISTAS. Evidentemente as únicas EXCEÇÕES a isso são os que não passaram pela morte, como é o caso de ELIAS e ENOQUE e, portanto, não necessitam de uma RESSURREIÇÃO, pois foram transladados vivos.

    Mais algumas observações podem ser feitas à luz de todo o capítulo de 1ª Coríntios 15. O ÚLTIMO INIMIGO a ser VENCIDO é a MORTE, que diante do contexto será vencida em função da RESSURREIÇÃO, e não de uma ALMA IMORTAL que VENCE a MORTE sendo liberta do CORPO por ocasião do FALECIMENTO. A morte não é tratada na Bíblia como sendo uma AMIGA, mas como uma INIMIGA, como o ÚLTIMO INIMIGO a SER VENCIDO, que será DESTRUÍDO somente pela RESSURREIÇÃO. Como bem destacou Oscar Cullman:

    "Somente aquele que discerne com os primitivos cristãos o horror da morte, que leva a morte a sério como ela é, pode compreender a exultação da celebração da comunidade cristã primitiva e entender que o pensamento de todo o Novo Testamento é governado pela crença na ressurreição. A crença na imortalidade da alma não é a crença num evento revolucionário. Imortalidade é, na verdade, só uma afirmação negativa: a alma não morre, mas simplesmente continua viva. Ressurreição é uma afirmação positiva: todo homem, que morreu de fato, é chamado de volta à vida por um novo ato criativo de Deus. Algo aconteceu - um milagre de criação! Pois algo também tinha ocorrido anteriormente, algo temível: a vida criada por Deus havia sido destruída"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se após a MORTE FÍSICA nossa ALMA sobrevivesse e fosse direto à presença DIVINA, a MORTE teria sido VENCIDA pela IMORTALIDADE da ALMA, e não somente pela RESSURREIÇÃO, no final de todas as coisas, como nos diz João, no Apocalipse (cf. Ap.20:14). E, por fim, Paulo diz que, se não há RESSURREIÇÃO, então ele lutou com feras em Éfeso à TOA (v.32). Mas como seria “À TOA” caso ele fosse para o Paraíso do mesmo jeito só que DESINCORPORADO? Por que ele diz que não se aproveitaria nada disso, “SE OS MORTOS NÃO RESSUSCITAM”? Não valeria a pena caso estivéssemos com nossa ALMA durante toda a eternidade no Paraíso do MESMO jeito?

      CONTINUA EM (5)

      Excluir
  38. (5)
    Como vemos, para Paulo o Cristianismo só valeria a pena de ser vivido caso existisse a ressurreição, pois sem ela a nossa luta diária seria inútil, seria em vão. É óbvio que Paulo não imaginava que se pudesse estar no Céu como espírito incorpóreo antes da ressurreição. E isso fica ainda mais nítido com o verso seguinte, onde ele diz:

    “Se os mortos não ressuscitam, então comamos e bebamos, que amanhã morreremos” (v.32)

    Segundo o apóstolo, a melhor opção seria aproveitar hedonisticamente esta vida, “comendo e bebendo e depois morrendo”. Qual a razão para Paulo falar deste jeito? Simplesmente porque se a ressurreição não existe então também não existiria nenhuma vida póstuma. Seria o “morrer e acabou”. Para sempre. A melhor opção, então, seria “comer e beber, e depois morrer”! Clarissimamente o que se segue à morte não é um “estado intermediário das almas”, mas sim a ressurreição na volta de Cristo (v.22,23).

    Sem a realidade da ressurreição, não há nenhuma esperança de vida eterna. Também é importante analisarmos o verso 30: “E por que também nós nos expomos a perigos a toda hora? Dia após dia morro!” (v.30). Para Paulo, não fosse a ressurreição dos mortos, nem valia a pena viver, porque a morte seria o fim de tudo. Por isso, o melhor a fazer seria viver hedonisticamente esta vida (v.32), pois não existiria uma vida póstuma (v.19), e ele estaria exposto a perigos sem razão lógica nenhuma (v.30)! Citando de exemplo uma prática existente entre os pagãos, Paulo diz:

    “Se não há ressurreição, que farão aqueles que se batizam pelos mortos? Se absolutamente os mortos não ressuscitam, por que se batizam por eles?” (1ª Coríntios 15:29)

    Paulo usa o exemplo “deles” (os pagãos), que tinham o costume de batizar em favor dos mortos, por causa da esperança deles na ressurreição. Mas, se os mortos não ressuscitam, então este batismo que era feito em favor deles seria simplesmente inútil, uma perda de tempo. Difícil imaginar isso no caso de que as almas já estivessem em algum lugar após a morte, pois, neste caso, tal batismo pelos mortos teria efeito com ou sem a ressurreição acontecer!

    Mas, na teologia bíblica, este verso faz total sentido. Afinal, se não há ressurreição, não há vida póstuma, já que a vida póstuma se inicia na ressurreição. E, se não há vida póstuma, não há razão de se batizar pelos mortos. Aqueles que batizavam pelos mortos não faziam isso por crer na imortalidade da alma, mas por crer na ressurreição. Eles tinham a esperança de que aqueles que já morreram iriam um dia retornar à vida por meio de uma ressurreição dentre os mortos, e, com essa esperança, batizavam em favor deles. Mas, se não há ressurreição, não há retorno à vida, não há retorno à existência – por isso a inutilidade de tal batismo! Portanto, até mesmo quando Paulo faz uso do exemplo do convívio dos pagãos, mesmo assim há a clara menção de que é só por meio da ressurreição, e não antes dela, que alcançamos a vida.

    Claramente Paulo não imaginava de jeito nenhum que sem a ressurreição os que já morreram viveriam eternamente do mesmo jeito por meio de uma alma imortal. O contexto todo faz com que qualquer pessoa com um mínimo de bom senso abandone completamente na mesma hora a heresia de que “morremos e vamos com as nossas almas imortais para o Céu, e a ressurreição é de um simples corpo morto que se religa às nossas almas no Paraíso por ocasião da ressurreição que acontece na segunda vinda de Cristo”.

    A coisa mais absurda que algum imortalista diria é que sem a ressurreição o melhor que temos a fazer é viver hedonisticamente

    CONTINUA EM (6)

    ResponderExcluir
  39. (6)
    sem mais nenhuma esperança, porque para eles a vida seria eterna do mesmo jeito por meio de uma alma imortal em nós implantada. A ressurreição, sendo ou não sendo uma realidade, não impediria a vida após a morte. Seria um mero detalhe sem muita importância, pois nós viveríamos eternamente, seríamos julgados e todas as demais coisas seriam feitas sem corpo. Isso é claramente negado pelas palavras do apóstolo Paulo.

    A verdade é que a própria esperança de vida eterna ou imortalidade teria perecido em caso que a ressurreição na volta de Cristo não existisse (cf. 1Co.15:18,19,30,32), o que nos mostra claramente que a esperança cristã não é a de eternidade por meio de uma alma imortal implantada em nós por ocasião do nascimento, mas sim de uma imortalidade mediante a ressurreição dos mortos, o foco de todo o capítulo (cf. 1Cor.15); aliás, de todo o Novo Testamento. É apenas pela ressurreição, por meio da ressurreição e na ressurreição que obteremos a imortalidade. Paulo nega em absoluto a existência de vida póstuma senão por ocasião da ressurreição dentre os mortos, a nossa esperança.

    Do início ao fim, o apóstolo segue a linha de pensamento holista. Sendo que não existe uma “alma imortal”, então não existe uma vida “com almas” antes da ressurreição. Por isso, se essa ressurreição não existe, então os que dormem em Cristo já teriam perecido. Por isso, a nossa esperança se limitaria apenas a esta presente vida. Por isso, Paulo teria lutado com feras em Éfeso totalmente à toa, pois não existiria uma vida póstuma. Então, o melhor a fazer caso os mortos não ressuscitassem seria “comer, beber e depois morrer”. Seria o fim. Não fosse pelo fator ressurreição, a morte que cada indivíduo passa seria o fim de sua existência.

    É óbvio que Paulo não tinha a mínima noção de que a ressurreição se limitava a um simples corpo mortal que se religaria ao nosso “verdadeiro eu”, as nossas almas imortais que já estariam no Paraíso em uma existência contínua. Qual nada, se não fosse pela ressurreição, já teriam perecido. Mas, de fato, Paulo traz uma esperança. Essa é a mesma esperança que os apóstolos alimentavam tanto: a esperança da ressurreição dentre os mortos, no último dia.

    Paulo dá um motivo de esperança e de alegria aos coríntios, que não se baseava na ilusão pagã de que as nossas almas imortais já estariam no Céu, mas sim no dia em que todos os que estão literalmente mortos seriam vivificados. E essa esperança é apresentada nos versos 22 e 23 de maneira mais clara: “Porque, assim como todos morrem em Adão, assim tambémtodos serão vivificados em Cristo. Mas cada um por sua ordem: Cristo as primícias, depois os que são de Cristo, na sua vinda”.

    Em Adão todos morremos, literalmente, pois Adão desobedeceu as ordens de Deus, tornando-se mortal, sendo enganado pela mentira de Satanás de que certamente não morreria (cf. Gn.3:4). Porém, a esperança é de que, em Cristo Jesus, todos serão vivificados. De acordo com o dicionário, “vivificar” significa exatamente “Dar vida a; fazer existir”. Os mortos voltarão à vida na ressurreição do último dia, na gloriosa volta do Nosso Senhor Jesus Cristo.

    Curioso é notar que, enquanto por todo o capítulo o apóstolo lista uma série de fatos trágicos que seriam realidade na hipótese de não existir ressurreição, ele por fim cita as boas-novas, falando sobre o meio pelo qual podemos ganhar vida novamente no futuro, onde em momento nenhum é mencionado que seja através de uma alma imortal imediatamente após a morte, mas sim por meio da ressurreição dos mortos, quando seremos vivificados na segunda vinda de Cristo (cf. 1Co.15:22,23).

    Não é a toa que Paulo passou algumas epístolas falando capítulos inteiros sobre a ressurreição, como em 1ª Coríntios 15, o único capítulo na Bíblia completamente elaborado à ressurreição dos mortos, mas não há referência nenhuma à religação dos corpos ressurretos a almas deixando o Céu, o inferno ou o purgatório.

    CONTINUA EM (7)

    ResponderExcluir
  40. (7)
    Como Paulo poderia ter se esquecido do ponto mais fundamental da doutrina da ressurreição, no ponto de vista dualista?

    Certamente os teólogos imortalistas do século XXI com as suas doutrinas dualistas iriam dar uma “aula teológica” para o apóstolo Paulo aprender a falar de algo tão importante na doutrina da ressurreição! Não seria estranho que Paulo deixasse de mencionar isso inteiramente em sua discussão acerca daquilo que acontece na ressurreição? Afinal, tal conceito é de fundamental importância a fim de compreendermos o que se dá por ocasião da ressurreição. Se Paulo fosse imortalista, certamente não deixaria de mencionar um “fato” tão importância dentre os acontecimentos que sobrevêm na ressurreição!

    E olha que Paulo não poupou palavras sobre o tema. Disse sobre as consequências da ressurreição (v.19,20), disse sobre as testemunhas da ressurreição (v.4,5), disse sobre o seu próprio testemunho (v.8), disse sobre a ressurreição de Cristo (v.13), disse sobre quando seremos vivificados (v.22,23), disse sobre o inimigo da ressurreição (v.26), disse com que tipo de corpos virão (v.36-39), disse sobre os corpos celestes e os corpos terrestres (v.40), disse sobre o corpo semeado e o corpo ressurreto (v.v.42-44), disse sobre a imagem do homem terreno e celestial (v.47,48), disse sobre quando seremos imortais (v.53), disse sobre quando seremos incorruptíveis (v.51-54), disse sobre quando a morte é tragada (v.54,55). .. mas sobre a religação de corpos ressurretos com almas incorpóreas, um dos principais pontos e focos da doutrina da imortalidade da alma no contexto da ressurreição...nada!

    Mais do que isso, ele acentua o momento em que realmente atingiremos a imortalidade:

    “Eis que eu lhes digo um mistério: Nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados, num momento, num abrir e fechar de olhos, ao som da última trombeta. Pois a trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis e nós seremos transformados. Pois é necessário que aquilo que é corruptível se revista de incorruptibilidade, e aquilo que é mortal, se revista de imortalidade. Quando, porém, o que é corruptível se revestir de incorruptibilidade, e o que é mortal, de imortalidade, então se cumprirá a palavra que está escrita: A morte foi destruída pela vitória” (cf. 1Co.15:51-54)

    Como vemos, a imortalidade não é algo que nós já possuímos (supostamente na forma de uma alma imortal dentro de nosso ser), mas sim algo pelo qual nos revestiremos, no futuro. E quando? Na ressurreição dos mortos.

    CONTINUA EM (8)

    ResponderExcluir
  41. (8)
    Poderíamos resumir os argumentos levantados em torno de 1ª Coríntios 15 com um quadro que resume o contraste entre a teologia paulina com a teologia imortalista:

    O QUE ACONTECERIA CASO A RESSURREIÇÃO NÃO EXISTISSE

    PARA OS IMORTALISTAS

    1.Os mortos ficariam desencarnados para sempre
    2.Existiria uma vida póstuma em forma de “espírito incorpóreo”
    3.Deveríamos dar o máximo pela nossa salvação pois as nossas almas ficariam para sempre no Céu do mesmo jeito
    4.Valeria a pena ficar em perigo pois as nossas almas ficariam para sempre no Céu do mesmo jeito, embora sem um corpo físico
    5.Na ressurreição a alma imortal se religa ao corpo morto
    6.A morte é vencida quando a alma imortal vence a morte sendo liberta da prisão do corpo
    7.Nós já detemos a imortalidade na forma de uma alma imortal implantada em nosso ser

    PARA O APÓSTOLO PAULO

    1.Os que dormiram em Cristo já pereceram – cf. 1Co.15:18
    2.A nossa esperança se limitaria apenas a esta presente vida – cf. 1Co.15:19
    3.O melhor a fazer seria viver a vida hedonisticamente, “comamos e bebamos, para que amanhã morramos” – cf. 1Co.15:32
    4.Estaríamos correndo perigo totalmente à toa – cf. 1Co.15:30
    5.Pessoas são mortas, pessoas são vivificadasna volta de Cristo – cf. 1Co.15:22,23
    6.A morte só é vencida por ocasião da ressurreição dos mortos – cf. 1Co.15:55
    7.A imortalidade é uma possessão futura, a qual só alcançaremos com a ressurreição dos mortos – cf. 1Co.15:51-54

    Com tudo isso, podemos constatar que, na visão de Paulo, a imortalidade está ligada unicamente à ressurreição dos mortos, como podemos ver em todo o capítulo de 1ª Coríntios 15. E Paulo termina o capítulo da seguinte maneira: “Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho no Senhor não é em vão” (cf. 1Co.15:58). No capítulo inteiro toda a esperança da recompensa pelo trabalho dos cristãos não é relativa a uma alma imortal que lhes garante a imortalidade, mas unicamente ligada à ressurreição na volta de Cristo.

    Se todos os crentes tivessem uma alma imortal implantada dentro deles, Paulo certamente lhes lembraria disso como garantia certa de imortalidade e de recompensa pelo trabalho no Senhor. Contudo, vemos em todo o capítulo que a ressurreição é o único fundamento e penhor da esperança do crente a fim de atingir uma vida eterna e imortalidade na volta de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.


    ResponderExcluir
  42. Olá IRMÃO Luciano Sena, a paz do Senhor!

    ALMA VIVENTE

    "Então, formou o Senhor Deus ao homem do pó da terra e lhe SOPROU nas narinas o FÔLEGO de VIDA, e o homem passou a SER ALMA VIVENTE." (Gênesis 2:7 RA).

    ALMA: CONCEITO BÍBLICO

    O ser humano foi formado de dois elementos básicos: "PÓ da TERRA" (matéria prima utilizada para estruturar o corpo) e "FÔLEGO de VIDA" (vitalidade proveniente de Deus que retirou o corpo de seu estado inanimado). Assim, "ALMA VIVENTE" é o resultado da associação entre "PÓ da TERRA" e "FÔLEGO de VIDA".

    OUTRAS REFERÊNCIAS BÍBLICAS REFORÇAM ESTE PRINCÍPIO:

    "O ESPÍRITO de Deus me FEZ, e o SOPRO do Todo-Poderoso me dá VIDA." (Jó 33:4 RA).

    "(...) quando lhes retiras o FÔLEGO, MORREM e voltam ao PÓ." (Salmos 104:29 NVI).

    "Parem de confiar no homem, cuja VIDA não passa de um SOPRO em suas NARINAS. Que valor ele tem?"
    (Isaías 2:22 NVI).

    Biblicamente, "ALMA" NÃO é algo invisível que habita o interior do homem e RETIRA-SE quando ele MORRE.

    "ALMA" refere-se ao próprio indivíduo. Ao ser criado, o homem passou a "SER ALMA VIVENTE", ele "FOI FEITO ALMA VIVENTE" (Gênesis 2:7; I Coríntios 15:45), e não a TER uma "ALMA" vivendo dentro de si.

    Deus NÃO formou nenhuma ENTIDADE SOBRENATURAL destinada a VIVER no CORPO do HOMEM, em parte
    alguma das Escrituras isso é demonstrado.

    Acrescenta-se ainda o fato de que o ser humano não é o único a ser caracterizado como "ALMA VIVENTE" ("PÓ DA TERRA" + "FÔLEGO de VIDA"), outras espécies de SERES VIVOS são classificadas da mesma forma. A expressão "ALMA VIVENTE" (ou "SER VIVENTE"), originada do HEBRAICO "NEPHESH CHAY" (A) (no Velho Testamento) e do GREGO "PSUCHE ZAO" (B) (no Novo Testamento), refere-se a cada "CRIATURA ATIVA", única e indivisível:

    "Deus disse: 'Que a terra produza SERES VIVOS [NEPHESH CHAY] segundo sua espécie'. (...)" (Gênesis 1:24 BJ).

    "(...) o homem passou a SER "ALMA VIVENTE" [NEPHESH CHAY]." (Gênesis 2:7 RA).

    "(...) todos os SERES VIVOS [NEPHESH CHAY] de todas as espécies que vivem na terra." (Gênesis 9:16 NVI).

    "(...) de toda ALMA VIVENTE [NEPHESH CHAY] que se move nas águas, e de toda CRIATURA [NEPHESH] que povoa a terra." (Levítico 11:46 RA).

    "(...) o primeiro homem, Adão, foi feito ALMA VIVENTE [PSUCHE ZAO]. (...)" (I Coríntios 15:45 BJ).

    "(...) e morreu todo SER VIVENTE [PSUCHE ZAO] que havia no mar." (Apocalipse 16:3 RA).

    Os termos "NEPHESH" e "PSUCHE" (de onde se traduz a palavra "ALMA") são utilizados com vários significados na Bíblia, e NENHUM deles apresenta a ideia de uma ENTIDADE EXTRA CORPÓREA (algo sobre-humano) convivendo temporariamente em algum corpo.

    ADIANTE ALGUNS EXEMPLOS:

    1) As palavras "NEPHESH" e "PSUCHE" designando "VIDA":

    "(...) 'Vi a Deus face a face, e a minha VIDA [NEPHESH] foi salva'." (Gênesis 32:30 RA).

    "Agora, vou dar-lhe um conselho para salvar a sua VIDA [NEPHESH] e também a VIDA [NEPHESH] do seu
    filho Salomão." (I Reis 1:12 NVI).

    "Quem quiser, pois, salvar a sua VIDA [PSUCHE] perdê-la-á; e quem perder a VIDA [PSUCHE] por causa de Mim e do evangelho salvá-la-á." (Marcos 8:35 RA).

    "(...) Vi também as VIDAS [PSUCHE] daqueles que foram decapitados por causa do Testemunho de Jesus e da Palavra de Deus (...)" (Apocalipse 20:4 BJ).

    Tendo em vista os EXEMPLOS acima, o IRMÃO poderia indicar os VERSÍCULOS do VELHO e NOVO TESTAMENTOS o HEBRAICO e GREGO com o sentido de ALMA como sendo uma ENTIDADE EXTRA CORPÓREA (algo sobre-humano) convivendo temporariamente em algum corpo ou ainda uma ALMA IMORTAL, ou ainda o HEBRAICO e GREGO do ESTADO INTERMEDIÁRIO?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 2) As palavras "NEPHESH" e "PSUCHE" indicando "INDIVÍDUOS", "PESSOAS":

      "São estes os filhos de Raquel, que nasceram a Jacó, ao todo catorze PESSOAS [NEPHESH]." (Gênesis 46:22 RA).

      "Os DESCENDENTES [NEPHESH] de Jacó eram, ao todo, setenta PESSOAS [NEPHESH]. (...)" (Êxodo 1:5 BJ).

      "Os que aceitaram a mensagem foram batizados, e naquele dia houve um acréscimo de cerca de TRÊS MIL "PESSOAS" [PSUCHE]." (Atos 2:41NVI).


      "(...) Nela apenas algumas PESSOAS [PSUCHE], a saber, oito, foram salvas por meio da água." (I Pedro 3:20 NVI).

      Tendo em vista os EXEMPLOS acima, o IRMÃO poderia indicar os VERSÍCULOS do VELHO e NOVO TESTAMENTOS o HEBRAICO e GREGO com o sentido de ALMA como sendo uma ENTIDADE EXTRA CORPÓREA (algo sobre-humano) convivendo temporariamente em algum corpo ou ainda uma ALMA IMORTAL, ou ainda o HEBRAICO e GREGO do ESTADO INTERMEDIÁRIO?


      3) As palavras "NEPHESH" e "PSUCHE" referindo-se ao "CORAÇÃO" (sentimento; âmago de algo):

      "Mas seu CORAÇÃO [NEPHESH] inclinou-se por Dina, filha de Jacó (...)" (Gênesis 34:3 BJ).

      "Quanto a você, eu o farei reinar sobre tudo o que o seu CORAÇÃO [NEPHESH] desejar; você será rei
      de Israel." (I Reis 11:37 NVI).

      "(...) fazendo de CORAÇÃO [PSUCHE] a vontade de Deus." (Efésios 6:6 NVI).

      "Tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o CORAÇÃO [PSUCHE], como para o Senhor e não para
      homens." (Colossenses 3:23 RA).

      Tendo em vista os EXEMPLOS acima, o IRMÃO poderia indicar os VERSÍCULOS do VELHO e NOVO TESTAMENTOS o HEBRAICO e GREGO com o sentido de ALMA como sendo uma ENTIDADE EXTRA CORPÓREA (algo sobre-humano) convivendo temporariamente em algum corpo ou ainda uma ALMA IMORTAL, ou ainda o HEBRAICO e GREGO do ESTADO INTERMEDIÁRIO?


      4) As palavras "NEPHESH" e "PSUCHE" usadas como "PRONOME PESSOAL" e "PRONOME POSSESSIVO":

      "Eis que serão como restolho, o fogo os queimará; não poderão livrar-SE [NEPHESH] do poder das chamas. (...)" (Isaías 47:14 RA).

      "O Senhor dos Exércitos jurou por SI [NEPHESH] mesmo (...)" (Jeremias 51:14 NVI).

      "E direi a MIM [PSUCHE] mesmo: 'Você tem grande quantidade de bens (...)'." (Lucas 12:19 NVI).

      "Quanto a mim, de bom grado despenderei, e me despenderei todo inteiro, em VOSSO [PSUCHE] favor. (...)" (II Coríntios 12:15 BJ).

      Tendo em vista os EXEMPLOS acima, o IRMÃO poderia indicar os VERSÍCULOS do VELHO e NOVO TESTAMENTOS o HEBRAICO e GREGO com o sentido de ALMA como sendo uma ENTIDADE EXTRA CORPÓREA (algo sobre-humano) convivendo temporariamente em algum corpo ou ainda uma ALMA IMORTAL, ou ainda o HEBRAICO e GREGO do ESTADO INTERMEDIÁRIO?


      5) A palavra "NEPHESH" expressando "APETITE", "VONTADE":

      "Mas agora perdemos o apetite [NEPHESH]; nunca vemos nada, a não ser este maná!" (Números 11:6 NVI).
      "(...) por DESEJARES [NEPHESH] comer carne (...) então, segundo o teu DESEJO [NEPHESH], comerás carne.
      " (Deuteronômio 12:20 RA).

      "Todo trabalho do homem é para sua boca e, no entanto, seu APETITE [NEPHESH] nunca está satisfeito." (Eclesiastes 6:7 BJ).

      Tendo em vista os EXEMPLOS acima, o IRMÃO poderia indicar os VERSÍCULOS do VELHO e NOVO TESTAMENTOS o HEBRAICO e GREGO com o sentido de ALMA como sendo uma ENTIDADE EXTRA CORPÓREA (algo sobre-humano) convivendo temporariamente em algum corpo ou ainda uma ALMA IMORTAL, ou ainda o HEBRAICO e GREGO do ESTADO INTERMEDIÁRIO?

      CONTINUA...

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. 6) A palavra NEPHESH significando "CADÁVER":

      "Não fareis incisões no corpo por algum MORTO [NEPHESH] e não fareis nenhuma tatuagem. Eu sou Iahweh." (Levítico 19:28 BJ).

      "Todos os dias da sua consagração para o Senhor, não se aproximará de um CADÁVER [NEPHESH]." (Números 6:6 RA).

      "Quem tocar num CADÁVER [NEPHESH] humano e não se purificar, contamina o tabernáculo do Senhor e
      será eliminado de Israel." (Números 19:13 NVI).

      Tendo em vista os EXEMPLOS acima, o IRMÃO poderia indicar os VERSÍCULOS do VELHO e NOVO TESTAMENTOS o HEBRAICO e GREGO com o sentido de ALMA como sendo uma ENTIDADE EXTRA CORPÓREA (algo sobre-humano) convivendo temporariamente em algum corpo ou ainda uma ALMA IMORTAL, ou ainda o HEBRAICO e GREGO do ESTADO INTERMEDIÁRIO?


      7) A palavra PSUCHE manifestando "EXPECTATIVA", "ANSIEDADE":

      "(...) Até quando nos deixarás a mente em SUSPENSO [PSUCHE]? Se tu és o Cristo, dize-o francamente. " (João 10:24 RA).

      8) A palavra PSUCHE referindo-se a "MENTE", "RACIOCÍNIO":

      "Mas os judeus que continuaram incrédulos incitaram e indispuseram os ÂNIMOS [PSUCHE] dos gentios contra os irmãos." (Atos 14:2 BJ).

      "(...) e os perturbaram, transtornando a MENTE [PSUCHE] de vocês com o que disseram." (Atos 15:24 NVI).



      Pela compreensão bíblica exposta nos exemplos acima, nota-se a INEXISTÊNCIA de uma "ALMA" convivendo no homem; NENHUMA referência escriturística transmite o ensino de que o ser humano seja composto por um "CORPO" e uma "ALMA" independente e racional. Ao contrário, o relato bíblico da criação , a etimologia e a análise contextual de "NEPHESH" e "PSUCHE" , demonstram que o homem é uma criatura INDIVISÍVEL resultante da associação entre "PÓ DA TERRA" e "FÔLEGO de VIDA"; que ele foi feito "ALMA VIVENTE". Tanto "NEPHESH" e "PSUCHE", quanto as suas fontes de origem (NAPHASH, PSUCHO), possuem como significado principal o ato de "RESPIRAR". Teria a imaginária "ALMA" da crença PAGÃ esta necessidade?

      ALMA: CONCEITO PAGÃO

      O ensino de que cada ser humano contém uma "ALMA" AUTÔNOMA habitando o corpo provisoriamente não é bíblica, mas surgiu com os antigos povos pagãos, e ganhou notoriedade com a FILOSOFIA GREGA, que se baseou nos conceitos egípcios.(1)


      Os egípcios acreditavam que a "ALMA" era composta por uma FORÇA VITAL chamada "KA"(C) que permanecia próxima ao corpo APÓS a MORTE, e por uma parte ESPIRITUAL chamada "BA"(D) de livre locomoção. A antiga civilização chinesa, outro exemplo entre os povos da antiguidade, desenvolveu a ideia de que a "ALMA" era composta de uma parte INFERIOR que desaparecia com a MORTE do CORPO e
      outra SUPERIOR que mantinha-se atuante, sendo esta última a RESPONSÁVEL pela RACIONALIDADE. Estas concepções PAGÃS tornaram-se posteriormente a base doutrinária de que, após a MORTE do ser humano, existiria uma "ALMA" que era encaminhada para o CÉU ou para o INFERNO.

      O CRISTIANISMO APOSTATADO absorveu as ideologias GREGAS sobre a "ALMA", sobretudo às de PITÁGORAS,
      PLATÃO e SÓCRATES que defendiam-na como sendo algo INCORPÓREO (semelhante aos deuses), existindo antes do surgimento do corpo e permanecendo ativa depois de sua morte. Os primeiros FILÓSOFOS CRISTÃOS adotaram este ensino com algumas adaptações, para eles a "ALMA" era uma ENTIDADE CRIADA por Deus e TRANSFERIDA para o corpo no momento do NASCIMENTO. Entre esses FILÓSOFOS
      tem-se AGOSTINHO, que fortemente influenciado pelos ensinos de PLATÃO, afirmava que a "ALMA" era a responsável pelas atitudes do corpo.(2) Assim, estas FICÇÕES HUMANAS substituíram o significado bíblico de "NEPHESH" e "PSUCHE".

      CONTINUE...

      Excluir
    4. (A). "NEPHESH", substantivo hebraico que significa: CRIATURA; ser VIVO; ALMA (pessoa; indivíduo). "NEPHESH", provém do verbo NAPHASH, que significa RESPIRAR. CHAY, adjetivo hebraico que significa: VIVO, ATIVO.

      (B). "PSUCHE", substantivo grego que significa: RESPIRAÇÃO (vitalidade, "FÔLEGO de VIDA"); ALMA (criatura, ser vivo - equivalente ao hebraico NEPHESH).PSUCHE deriva do verbo PSUCHO, que significa: RESPIRAR; SOPRAR; ESFRIAR pelo SOPRO. Em sentido figurado: tornar o coração FRIO, ENFRAQUECER O AMOR. Exemplo: "E pelo crescimento da iniquidade, o amor de muitos ESFRIARÁ [PSUCHO]." (Mateus 24:12 BJ). ZAO, verbo grego que significa: VIVER; ESTAR ATIVO.

      (C,D). Para a MITOLOGIA EGÍPCIA, o "dEUS KHNUM" originou o "KA", que era ilustrado por dois braços e duas mãos erguidas para o alto, e o "BA", retratado na forma de um pássaro com cabeça humana para expressar a mobilidade da ALMA após a morte.

      (1). STOCKER, C. W. (1831). The History of the Persian Wars from Herodotus, vol. II. London: A. J. Valpy, p. 73 (sec. 123); KENRICK, J. (1841).The Egypt of Herodotus: the second and part of the third books of his history, London: B. Fellowes, p. 161-162 (see too footnote, sec. 123); LARCHER, PIERRE-HENRI. (1844). Larcher's Notes on Herodotus: historical and critical comments on the history of Herodotus, vol. I, London: Whittaker & Co., p. 306-308.

      (2). "SOUL". (2010). Encyclopædia Britannica, Chicago: Encyclopdia Britannica; DeVRIES, M. (1998). Augustine's Confessions: Shepherd's Notes, Nashville, TN: B&H Publishing Group, p. 2 (introduction); MANN, W. E. (2006). Augustine's Confessions: Critical Essays, Lanham, Maryland: Rowman & Littlefield Publishing Group, Inc., p. 182, 217.

      Um forte abraço e fique com Deus!

      Excluir
  43. O pastor cujo artigo inicia esta discussão comete mais uma DISTORÇÃO dentre tantas que vemos neste blog com respeito aos ensinos e sentimentos dos adventistas. Não cremos IGUAL os "testemunhas de Jeová", em sono das almas. Aliás, as TJ's TAMBÉM NÃO CREEM nisso. Mas não reparei se o dono do blog, Luciano Sena--que foi "testemunha de Jeová", pelo que me consta--corrigiu essa noção errada, ou mais uma vez silenciou a respeito de clara distorção registrada em debates quando quem a pratica está, de qualquer modo, participando de sua CONSPIRAÇÃO ANTIADVENTISTA. Vejo repetidamente essa sua atitude em tantos debates em que oponentes ensinam coisas antiprotestantes e antipresbiterianas, mas ele não dá um pio para corrigi-los pelo referido motivo.

    Seja como for, a ideia de "sono das almas", chamado de psicopaniquismo, dá a entender que os mortos mantêm-se de certa forma vivos, numa 'alma' que permaneceria como num estado de hibernação inconsciente.

    Não é isso o que os adventistas ensinam. Cremos que "alma" é o ser integral, não uma parte do ser. Na morte o que se dá é o que o salmista declarou a respeito de sua própria experiência, como comentou se morresse:

    "Desvia de mim os teus olhos, para que eu volte a ter alegria, antes que eu me vá e deixe de existir". (Salmos 39:13).

    E ele fala do "sono da morte" no Sal. 13:3, e estabelece o instrutivo paralelo entre os que morrem e "descem ao silêncio" (115:17).

    Na morte homens e animais se igualam, diz o sábio Salomão, pois "assim como morre um, morre o outro", já que têm "o mesmo fôlego de vida" (Ecl. 3:19-21). Nunca vi ninguém dizendo que animais na morte têm uma alma que fica dormindo. . .

    Mas para analisar devidamente esse tema, temos que ir primeiro de tudo aos ALICERCES do ensino bíblico sobre a formação do homem originalmente:

    a) Gên. 2:7 apresenta a ‘montagem’ ou criação do homem, SÓ de dois elementos—“pó da terra” + “fôlego de vida”. Assim, o homem se faz “alma vivente”. Não é dito que o homem TEM alma (imortal) e sim que É alma (vivente). Na formação do homem não ENTRA nenhuma “alma imortal”.

    b) Na ‘desmontagem’ do homem (morte), como tratado por Salomão em Ecl. 12:7, o pó volta à terra, como era, e o espírito-‘ruach’ (fôlego vital) volta para Deus que o deu. O texto fala tanto do pó quanto do espírito-‘ruach’ de TODOS os homens (não só dos salvos). Na morte do homem não consta que SAI qualquer “alma imortal”.

    c) Davi usa linguagem semelhante à de Salomão em Ecl. 12:7 no Sal. 104:25-29 falando da morte DOS ANIMAIS: Deus remove a respiração-‘ruach’, e esses ANIMAIS voltam ao pó.

    d) Temos então Salomão no Ecl. 3:19-21 falando didaticamente sobre como a sorte de homens e animais é idêntica na morte. “Assim como morre um, morre o outro” porque tanto homens como animais “têm o mesmo fôlego de vida-‘ruach’”.

    e) Davi prossegue dizendo que na morte não há a mínima consciência—Sal. 146:3, 4; pois os mortos “não louvam ao Senhor” nem os que “descem ao silêncio” (um paralelo muito instrutivo—Sal. 6:5, 115:17), sendo que a sua própria morte representaria para ele a não-existência (Sal. 39:13).

    f) E no antiquíssimo livro de Jó, aquele Patriarca confirma como a morte é a inexistência em termos bem claros: Jó 7:21, 14:7-14. E ele ainda fala de quando se encontraria com o seu Redentor—não quando morresse e fosse de imediato para o céu com sua alma, mas sim quando Ele Se levantasse sobre a Terra, e O veria com o seu próprio corpo renovado: Jó 19:25-27.

    Estas questões é que precisam ser bem definidas, analisadas de modo cabal, e não evitadas com “cortinas de fumaça” apologéticas, e tiroteio de textos avulsos e teimosias irracionais.

    ResponderExcluir
  44. ** 20 DIFICULDADES PARA ENTENDER A PARÁBOLA DO RICO E LÁZARO COMO SENDO UM RELATO REAL, LITERAL **

    * Nesta parábola encontramos a Jesus mencionando um homem rico, representando o segmento da privilegiada classe dos abastados dentro da sociedade israelita—tal como também os poderosos fariseus, sempre tão ‘visados’ pelas repetidas denúncias de Cristo contra seus ensinos e atitudes—que na época eram os que levavam vantagem em tudo, em contraponto com o “pobre” seguidor de Cristo, a quem Ele atribui o nome de Lázaro, levando desvantagem no campo material. Mas tudo isso um dia se reverteria, e os “mendigos” que seguiam a Cristo é que estariam na glória, enquanto os “ricos”, do ponto de vista do conceito religioso da época, iriam se dar mal. . .

    E pode-se imaginar os cinco parentes do homem rico, privilegiados como ele na sociedade judaica: fariseus, saduceus, publicanos, herodianos, zelotes.*

    Mas há 20 dificuldades para se entender a parábola do homem rico e Lázaro como se fora um relato literal, e abaixo as enumeramos para análise de todos:[/i]
    .
    1 - Não ocorre qualquer menção a “alma” ou “espírito” em toda a parábola, e sim pessoas interagindo, já que a própria noção de haver ‘alma’ ou ‘espírito’ como componente do homem que prevalece consciente à morte do corpo JAMAIS foi demonstrada como sendo um elemento colocado por Deus no homem ao criá-lo (ver Gên. 2:7).

    2 – Na parábola anterior, do mordomo infiel (também envolvendo um homem rico), não consta na introdução tratar-se de uma parábola, pois Jesus a inicia dizendo simplesmente, “havia um homem rico. . .”, com o que o argumento de não ser referido que o relato do homem rico e Lázaro é uma parábola não serve de prova de que a referida parábola seja um relato literal.

    3 – Jesus nunca ensinou que as recompensas de justos e ímpios ocorrem imediatamente após a morte, e sim o contrário disso em vários outros textos como: Mat. 16:27; 25:31-40.

    4 – Outros autores bíblicos confirmam que a recompensa não se dará imediatamente após a morte, como se vê em Dan. 12:2; I Cor. 15:51-55; I Tes. 1:7-10; Apo. 22:12.

    5 – A menção ao “seio de Abraão” ocorre pela única vez nesta passagem, e a única opção dos crentes na imortalidade da alma seria admitir tratar-se do “sheol/hades”, mas em Ecl. 9:10 Salomão, em linguagem que não é de parábolas, e sim objetiva e didática, diz que no “sheol” para onde vão todos os que o liam, “não há obra nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma”.

    6 - Não se explica como almas podem ter olhos, além de dedos e língua, sendo que a noção prevalecente é de que as “almas” ou “espíritos” têm caráter de algo abstrato, incorpóreo, imaterial.

    7 – Também não se explica uma suposta água espiritual que tivesse a capacidade de molhar literalmente algo abstrato, como seria a “alma” ou “espírito”.

    8 – O ambiente é de um estranho céu sem o esplendor do trono de Deus, sem anjos, sem Cristo, sem nada que lembre as magníficas descrições da glória como em tantas outras passagens bíblicas referentes à morada celestial.

    9 - Sendo que o condenado apela a Abraão, os católicos poderiam justificar o seu ensino de “intercessão dos santos” mediante tal relato hipotético.

    10 - Na própria parábola, ao final a ênfase está na ida de algum dentre os mortos para pregar aos irmãos do condenado e o personagem Abraão fala em “ainda que RESSUSCITE alguém dentre os mortos. . .” (vs. 30 e 31), confirmando que só a ressurreição é o caminho do retorno de quem morreu à existência.

    ResponderExcluir
  45. 11 - Noutro texto simbólico da Bíblia ocorre a conversação entre árvores, sendo isso inteiramente fora de propósito, em termos normais (ver Juí. 9:12-15 e Isa. 14:8).

    12 - Também requer atenção especial para entender a parábola que vem exatamente antes desta, do mordomo infiel, pois literalmente fica a impressão de que Cristo está ensinando pessoas a agirem aeticamente no campo dos negócios.

    13 - A linguagem do mesmo Cristo em Mar. 9:43-45 não pode ser entendida literalmente, já que ninguém deve arrancar mesmo membros do corpo para obter a salvação, e no céu não haverá realmente manetas, pernetas ou caolhos.

    14 - Não ocorre qualquer doutrina básica da fé Cristã tendo por base uma parábola sendo considerado um erro metodológico firmar doutrinas sobre parábolas, textos simbólicos em geral ou passagens isoladas e consensualmente de difícil entendimento.

    15 - Cristo não quis ensinar a natureza dualística do homem por esta parábola, pois tal ensino JAMAIS é encontrado em qualquer outra parte de Suas mensagens.

    16 - Sendo que a garantia bíblica é de que não haverá lembrança das coisas más do passado, um pai ou mãe jamais poderiam esquecer-se dos sofrimentos de um filho ou filha que esteja eternamente em torturas, sendo que a vizinhança de céu e inferno é de tal monta que se pode ver de um lado o que se passa do outro.

    17 - Sendo que Paulo assegura que em Deus nós “vivemos, e nos movemos, e existimos” (Atos 17:28), o pensamento de que o Criador propositadamente preservaria pela eternidade, em absolutas torturas, a vida de bilhões de Suas criaturas só pode produzir o imenso contingente de ateus e materialistas que documentadamente esse entendimento pervertido das Escrituras tem produzido ao longo da história.

    18 - O próprio cenário criado pelo narrador, de um pobre à porta de um rico recolhendo suas migalhas de comida, é algo inteiramente impensável, especialmente numa época em que o fosso entre pobres e ricos era muito maior do que em nossa época de tanta “tolerância”.

    19- Diante do que diz o salmista Davi, no Sal. 37:25, “Fui moço, e agora sou velho; mas nunca vi desamparado o justo, nem a sua semente a mendigar o pão” o mendigo do relato bíblico morreu em condição de miséria, contradizendo a promessa bíblica. Se ele era justo, merecedor do céu, por que mendigava o pão? (ver Jó 5:20: “Na fome te livrará da morte; e na guerra, da violência da espada”).

    20 - Em Provérbios 13:25, lemos: “O justo tem o bastante para satisfazer o seu apetite, mas o estômago dos perversos passa forme”. De acordo com esse texto, quem passa fome é o perverso, não o justo.

    ResponderExcluir
  46. Respostas
    1. Olá irmão Luciano Sena, a paz do Senhor!

      Como sempre o irmão não Lê os comentários, mas o curioso é que o irmão AZENILTO tem 1001 razão BÍBLICAS! Já você, defende TODA uma doutrina com uma PARÁBOLA sabendo que a mesma não serve como base para formação da mesma, mas continua TEIMANDO e IGNORANDO o que a BÍBLIA TODA afirma sobre esse ASSUNTO!

      Irmão Luciano, da forma com que você acredita no ESTADO da MORTE, não é BÍBLICO, mas na compreensão GREGA, de SÓCRATES e PLATÃO!

      Um forte abraço e fique com Deus1

      Excluir
  47. Olá, Luciano e demais participantes deste debate

    Minhas razões são plenamente bíblicas e justificáveis. O seu erro grosseiro de dizer que adventistas e testemunhas de Jeová creem no "sono das almas" mostram quão superficial é seu conhecimento do que realmente os adventistas creem.

    Se isso ocorre quanto ao tema da natureza do homem, igualmente ocorre em outras questões, como ao deturpar o nosso entendimento sobre a Trindade, copiando trechinhos de um pensador aqui, outro acolá, IGNORANDO o que consta do documento oficial "Nisto Cremos", que é a expressão e FUNDAMENTO do nosso pensamento doutrinário.

    Desafio você a me apresentar o que no "Nisto Cremos", ao tratar do tema da Divindade--primeiros parágrafos--destoa da ortodoxia cristã protestante sobre o assunto.

    E por falar em "desafio", eis minhas 30 perguntas tira-teima sobre o tema da imortalidade, lembrando que acima coloquei minha concatenação de textos que vão aos alicerces da questão, e ninguém teve capacidade de refutar o que expusemos.

    ** 30 PERGUNTAS AOS QUE CREEM NA IMORTALIDADE DA ALMA **

    * 1a. – Se Deus colocou no ser humano uma alma imortal, então por que razão existiria a “árvore da vida” no Jardim do Éden?

    - Obs.: Se o homem comesse da árvore da vida, se tornaria imortal (cf. Gên. 3:22). Contudo, foram expulsos do Jardim do Éden, SEM TEREM COMIDO DA ÁRVORE DA VIDA, e dois querubins ficaram na guarda do Jardim para que não comessem da árvore da vida e vivessem eternamente (cf. Gên. 3:24). Tudo isso seria totalmente desnecessário se já possuíssemos uma alma imortal.

    * 2a. – Por que em Gên. 2:17 lemos claramente sobre o homem experimentando a morte de forma definitiva (até à ressurreição), sem qualquer pista de uma morte só de parte do seu ser (do corpo)?

    - Obs.: No original hebraico lemos ‘moth tâmuth’—traduzido literalmente por “morrendo morrereis”. A morte seria o fim total de qualquer existência humana, corpo e alma, pois, como consequência do pecado, o processo de morte teria início a partir do primeiro falecimento. A verdade incontestável é que não existiria nenhum estado de vida entre a morte e a ressurreição, como Davi também refere ao falar da própria morte como uma condição de não-existência (Sal. 39:13).

    * 3a. – Por que Moisés, no relato da criação do homem, não deixa a mínima pista de uma “alma imortal” como componente essencial da vida humana, exclusivo de sua existência, na criação?

    - Obs.: Seria a ocasião de Moisés tratar do assunto, já que oferece tantos detalhes dos atos divinos na obra da Criação em geral, e do homem, em particular.

    * 4a. – Por que Moisés usa exatamente as mesmas palavras para “alma vivente” com relação ao homem e aos animais (Gên. 2:7 cf. 1:20 e Lev. 11:46)?

    - Obs.: Certas versões da Bíblia traduziram o hebraico ‘nephesh hayyah’ como “criatura vivente” ao referir-se aos animais. Mas não há a mínima variante. É a mesma linguagem original que trata de “alma vivente” referindo-se ao homem.

    * 5a. – Por que Moisés trata na mesma base o fôlego de vida do homem e dos animais, com linguagem tão semelhante (Gên. 2:7; 6:17)?

    - Obs.: O fôlego de vida não pode ser algo imaterial, imortal, que sobrevive à matéria pois não há tal definição bíblica para “alma”, e nunca tal palavra é modificada pelos adjetivos “imortal” ou “eterno” na Bíblia toda. A expressão “fôlego de vida (‘neshamah’)” em Gên. 2:7, indica que Deus soprou nas narinas de Adão, não uma alma imortal, pois é claro o paralelo entre tal termo, e ‘ruach’, como em Jó 33:4. Esse paralelismo entre o “ESPÍRITO de Deus” e “o SOPRO do Todo-poderoso”, se acha com frequência na Bíblia, como em Isa. 42:5; Jó 27:3; 34:14-15 e sugere que os dois termos são usados intercambiavelmente, ambos fazendo referência ao dom da vida concedido por Deus a Suas criaturas mediante esse fôlego vital.

    ResponderExcluir
  48. * 6a. – Como prova que o fato de Deus ter soprado particularmente o fôlego de vida no homem faz com que tal fôlego seja uma “alma imortal”, quando o autor nunca transmite tal ideia, o que seria de muita importância para definir a natureza humana?

    - Obs.: O detalhe da criação separada, tanto do homem quanto dos animais, é prova fragilíssima para a visão dualista. É detalhada a criação dos seres principais da criação--homem e mulher. Os animais são meros coadjuvantes no cenário, que retrata a preocupação divina com o ser criado à Sua imagem e semelhança, o que não caracteriza os animais.

    * 7a. – Como prova que o fato de Deus ter soprado particularmente o fôlego de vida no homem faz com que tal fôlego seja um “espírito imortal”, quando há clara informação de que “o mesmo fôlego de vida” do homem é atribuído aos animais, tanto no relato da criação, quanto milênios depois, nas palavras do sábio Salomão (ver Ecl. 3:19-21)?

    - Obs.: Salomão dedica-se a uma profunda reflexão da vida humana e mostra que “tudo é vaidade”, já que nem mesmo na morte o homem leva vantagem sobre os animais. Se ele cresse na imortalidade da alma, não empregaria tal linguagem para evitar ambiguidade ou para não transmitir noções materialistas. Mas até a descrição dele da morte do homem, com a retirada do fôlego de vida, se assemelha à forma como o salmista se refere à morte dos animais (comparar Ecl. 12:7 com Sal. 104:25-29).

    * 8a. – Por que o salmista Davi confirma não só que animais e homens têm o mesmo fôlego de vida (comparar Ecl. 12:7 e 3:19-21 com Sal. 104:25-29), como também que na morte prevalece a inconsciência (Sal. 6:5, 13:3; 146:3-4) e a total inexistência (Sal. 39:13)?

    - Obs.: Davi reflete ainda profundos pensamentos sobre a condição de não-existência dos que morrem no Sal. 88:3-6, e indica que os que morrem não louvam ao Senhor, utilizando o significativo paralelo sinônimo de “mortos” e “descem ao silêncio” (Sal. 115:17).

    * 9a. - Por que o homem precisaria de uma alma imortal, já que, segundo o projeto original da criação divina, viveria eternamente como um ser físico, num paraíso físico (aliás, como também se daria com os animais. . .)?

    - Obs.: O pecado é um intruso neste planeta que trouxe morte física e espiritual ao homem. Mas o “plano de contingência” divino é a ressurreição final, uma providência tomada APÓS o pecado, como parte de Seu plano restaurador. A ressurreição integra o “esmagar a cabeça” da serpente no conflito entre o bem e o mal (Gên. 3:15; Rom. 16:20). A vitória sobre a morte ocorre em função da ressurreição dos mortos, não de o indivíduo superá-la por contar com algum elemento espiritual que prevalece sobre a morte (ver 1 Cor. 15:52-55).

    * 10a. - Quando exatamente a “alma imortal” é introduzida no ser vivo? Quando o óvulo é fecundado? Quando o bebê respira por primeira vez, já que se estabelece o paralelo fôlego—de vida/alma imortal?

    - Obs.: A dificuldade de estabelecer o início da posse dessa “alma imortal” é imensa ao se fazer a ligação 'fôlego de vida/alma imortal'. O feto NÃO RESPIRA na bolsa maternal, envolto por fluídos até o nascimento.
    .
    * 11a. - Não é estranho que no antiquíssimo livro de Jó, tido como escrito por Moisés, não haja a mínima pista de uma noção dualista, pois retrata o patriarca expressando uma visão holista, não dualista?

    - Obs.: O livro de Jó é um golpe de morte sobre a noção dualista. Ele compara a morte a um rio e lago que se secam, e ao referir-se a estar com Deus, fala de quando o Redentor “Se levantará sobre a Terra”, sem deixar a mínima pista de uma alma indo ao Seu encontro (ver 14:7-14 e 19:25-27).

    * 12a. - Onde exatamente se situa a “alma imortal”? Já que se estabelece o paralelo ‘fôlego de vida/alma imortal’, e Jó declara a certa altura, “enquanto em mim houver alento, e o sopro de Deus no meu nariz” (Jó 27:3), é no nariz de cada um que se situa a “alma imortal”?

    ResponderExcluir
  49. - Obs.: Se o paralelo 'fôlego de vida/alma imortal' for válido, essa alma entra e sai no organismo o tempo todo, saindo contaminado (gás carbônico) e entrando novo fôlego de outra substância (oxigênio) para purificar o sangue. Coisa bem estranha para parecer algo fluídico que tem consciência e para sempre permanece após a morte.

    * 13a. – Por que Jesus diz a Seus seguidores que iria subir para lhes “preparar lugar”, mas a ênfase está no momento do reencontro com eles quando retornasse para os receber, e não quando morressem e suas almas fossem para o céu para as irem ocupando (João 14:1-3)?

    - Obs.: É estranho que Jesus não diga nada sobre essas moradas estarem disponíveis antes do tempo de Seu retorno, deixando implícito que só então levará os Seus consigo para ocuparem ditas moradas.

    * 14a. – As palavras de Jesus em João 5:28 e 29, sobre a ressurreição final de salvos e perdidos, são antecedidas pela Sua declaração: “. . . vem a hora, e já chegou, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus; e os que a ouvirem, viverão” (vs. 25). Por que VIVERÃO só a partir de então, quando deviam estar vivos num estado intermediário, como “almas imortais”?

    - Obs.: A linguagem de Cristo pelo contexto torna claro que os que VIVERÃO são os que estiverem nas sepulturas, não em alguma parte do universo—céu, inferno, purgatório, hades. . .

    * 15a. – Por que Jesus, quando confortava as irmãs do falecido Lázaro, além de ter empregado antes a metáfora do sono—“Nosso amigo Lázaro está dormindo. . .”—não lhes indicou que o falecido estava na glória celestial, mas referiu-lhes a esperança da ressurreição (João 11:17-27)?

    - Obs.: É comum consolarem-se os enlutados falando de como seus falecidos estão felizes por terem trocado este mundo de sofrimento e dor pela habitação nos “páramos da glória. . .”. Contudo, não é este o quadro do diálogo de Cristo com as irmãs de Lázaro. O tema da conversação deles não é o suposto destino celestial do fiel seguidor de Cristo, mas a FUTURA ressurreição dos mortos.

    * 16a. – Quando Cristo ressuscitou Lázaro, já morto por quatro dias, tirou-o do céu, do inferno ou do purgatório? Se foi do céu fez-lhe uma maldade trazendo-o de volta para sofrer na Terra. Se do inferno (pouco provável, pois era um seguidor do Mestre), concedeu-lhe uma segunda oportunidade de salvação, o que é antibíblico.

    - Obs.: Lázaro ressuscitou e não trouxe nenhuma informação do mundo do além. Se tivesse algo a contar, sem dúvida João teria o maior interesse em reproduzir o seu testemunho no seu evangelho.

    * 17a. – Quando Jesus diz que o Seu Pai “não é Deus de mortos, e, sim, de vivos” (Mat. 22:32), estava querendo demonstrar a imortalidade da alma ou tais palavras refutam exatamente tal ideia?

    - Obs.: A resposta está no relato paralelo de Luc. 20:37-40, especialmente no segmento, “E QUE OS MORTOS HÃO DE RESSUSCITAR, Moisés o indicou no trecho referente à sarça, quando chama ao Senhor o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó. Ora, Deus não é Deus de mortos, e, sim, de vivos; porque para ele todos vivem”. Os saduceus não perguntaram, no contexto: “E quando esses sete irmãos forem morrendo e suas almas forem chegando no céu. . .” Percebe-se que o enfoque jaz totalmente SOBRE A RESSURREIÇÃO DOS MORTOS. E também digno de nota é o detalhe de que Cristo fala dos que hão de ser dignos de “alcançar a era vindoura [a consumação dos séculos] E A RESSURREIÇÃO DENTRE OS MORTOS”.

    * 18a. – Por que Cristo e Paulo acentuam que os mortos ressuscitarão ao ouvirem a voz do arcanjo e a trombeta divina, sendo “despertados” do sono da morte (Mat. 24:30, 31; 1 Tes. 4:16), quando suas almas supostamente vêm do céu, inferno, purgatório para reincorporarem, estando já bem despertas?

    ResponderExcluir
  50. - Obs.: A metáfora do sono é constante, tanto no VT quanto no NT, representando a morte. Diante de claras passagens que tratam da inconsciência dos mortos percebe-se por que se dá o uso de tal metáfora, como no Sal. 13:3—“o sono da morte”; em Dan. 12:2—“dormem no pó da terra”; João 11:11—“Lázaro adormeceu”; 1 Tes. 4:13—“os que dormem”; 1 Cor. 15:18—“os que dormiram em Cristo”. . .: é que na morte prevalece uma condição de INCONSCIÊNCIA para os que morreram. Outros textos que falam da morte como um sono: Sal. 146:1-4; Ecl. 9:5,10; Isa. 38:18,19; 1 Re. 2:10; 1 Re. 11:43; Jó 14:10-12; Jer. 51:39.

    * 19a. – Por que Paulo, ao discutir específica e detalhadamente em 1 Tes. 4:13-18 e, especialmente, em 1 Coríntios 15, como será o reencontro final de todos os salvos com o Salvador em parte alguma fala de almas vindas, seja de onde for, para reincorporarem?

    - Obs.: Como no início da história do homem não consta qualquer “alma imortal” sendo introduzida no ser original, nada consta sobre almas vindas do céu, inferno ou purgatório para reincorporarem quando do surgimento dos que se foram, na ressurreição.

    * 20a. – Paulo diz aos tessalonicenses ainda que não deviam lamentar pelos amados que “dormiam”, encerrando com a recomendação: “Consolai-vos, pois, uns aos outros com estas palavras” (vs. 18). Por que ele nunca diz que já desfrutavam as bênçãos celestiais, e sim que estavam “dormindo” e seriam despertados?

    - Obs.: A consolação derivaria da esperança da RESSURREIÇÃO, não do fato de que os que “dormiam” estivessem no desfrute das glórias celestiais.

    * 21a. – Por que, ao enviar consolações à família de Onesíforo (já morto), Paulo nada fala também de que ele já estivesse desfrutando das bênçãos paradisíacas; pelo contrário, de novo foca-se inteiramente na esperança de alcançar a misericórdia de Deus “NAQUELE DIA” (cf. 2 Tim.1:17)?

    - Obs.: Se Onesíforo tivesse morrido e ido para o céu, a misericórdia divina já lhe teria sido propícia, mas Paulo obviamente não fala daquele dia no sentido de ser o de sua morte.

    * 22a. – Paulo diz claramente que SEM A RESSURREIÇÃO DOS MORTOS—confirmada e garantida pela do próprio Cristo—“os que dormiram em Cristo pereceram” (1 Cor. 15:16 a 18). Por que pereceram, já que deviam estar garantidos no céu?

    - Obs.: O tema dominante do capítulo é a ressurreição dos mortos, assim a lógica da pergunta é inescapável. 1 Tes. 4:14 diz que Cristo “trará juntamente em Sua companhia os que dormem”, mas todo o teor da passagem e do ensino bíblico é de que Ele os trará, não do céu, mas das sepulturas (ver João 5:28, 29; Dan. 12:2).

    * 23a. – Mais adiante no mesmo capítulo Paulo confirma o dito nos vs. 16 a 18, acentuando que arriscou morrer lutando com feras, dando a entender que se morresse estaria também perdido (vs. 32). Ao comentar, “comamos, bebamos que amanhã morreremos”, não indica claramente que SEM A REALIDADE DA RESSURREIÇÃO, não há esperança alguma de vida eterna?

    - Obs.: À luz da pergunta anterior, esta revela-se prova irrefutável de que Paulo não pensava em termos de uma “alma imortal” indo para o céu quando da morte, pois não tinha ele próprio tal esperança. Sua expectativa é expressa em 2 Tim. 4:6-8 onde fala que “naquele dia” esperava receber o seu galardão eterno. Para ele, não fosse pela ressurreição, nem valia a pena viver pois a morte seria o fim de tudo.

    * 24a. – Quando realmente, segundo Paulo em 1 Cor. 15:53, 54, ocorre a vitória sobre a morte—quando da ressurreição dos mortos ou quando a “alma” é liberada da “prisão corporal”?

    - Obs.: Pela interpretação popular do “morrer e ir pro céu”, a morte é contraditoriamente derrotada PELA PRÓPRIA MORTE, pois com a liberação da “alma imortal” quando da morte do corpo, não ocorre realmente morte, mas preservação da vida e consciência de quem dá o último suspiro, noutra dimensão.

    ResponderExcluir
  51. * 25a. – À luz de 2a. Cor. 5:8 e contexto imediato, se o termo “despido” se refere a uma condição incorpórea onde Paulo JÁ ESTARIA com Cristo, por que razão ele diz tão claramente que NÃO QUERIA ESTAR DESPIDO?

    - Obs.: Se Paulo queria estar com Cristo, mas não despido, é porque não estaria com Cristo sem um corpo, mas REVESTIDO com o corpo glorioso da ressurreição. Por isso fica ÓBVIO que ele cria que só estaremos com Cristo com corpos ressurretos, não em forma de espírito incorpóreo (despido) num estado intermediário.

    * 26a. – Por que em 2a. Cor. 4:14, exatamente no capítulo anterior ao de 2a. Cor. 5:1-8, Paulo fala de reencontrar os crentes que conhecia (muitos dos quais ganhou para a fé cristã), mas a ênfase dada é “nos ressuscitará também por Jesus, e nos apresentará convosco”?

    - Obs.: Pelo raciocínio dualista, ele os reveria quando morresse e fosse imediatamente para o céu, sem essa longa espera até a ressurreição do dia final. O texto de Fil. 1:23 é explicado pelo MESMO Paulo, na MESMA epístola—3:20, 21. Ele estaria com Cristo quando fosse revestido do “corpo celestial”, sobre que tratou tão detalhadamente em 1 Cor. 15:35-55.

    * 27a. – Por que Pedro fala do regozijo e exultação dos crentes, ligando isso à “revelação da Sua glória [de Cristo]”, e acentua que “quando se manifestar o Sumo Pastor” é que a “imarcescível coroa de glória” seria atribuída aos crentes (ver 1 Ped. 1:3-7, 13; 4:12, 13 e 5:4)?

    - Obs.: A revelação da glória de Cristo se dará quando de Seu advento. Ora, se Pedro cresse na imortalidade da alma não teria por que falar em regozijo e exultação dos crentes ligando isso diretamente àquela ocasião. Se fossem com suas almas para o céu, seguindo-se à morte, não iriam ali exultar e alegrar-se? Na perspectiva do Apóstolo, porém, só quando da “revelação da Sua glória” é que tal sentimento de felicidade se confirmaria, “quando se manifestar o sumo Pastor”.

    * 28a. – Por que o apóstolo João acentua a confiança para os crentes “no dia do juízo” e não no dia da morte, quando a “alma imortal” supostamente iria entrar no céu, além de utilizar as sentenças “quando Ele Se manifestar” e “na Sua vinda” como referencial da eterna redenção (ver 1 João 2:28; 3:2, 3; 4:17)?

    - Obs.: Isto mostra que, assim como Paulo e Pedro, João não cria nem ensinava a doutrina de origem pagã da imortalidade da alma.

    * 29a. – Por que as palavras “alma” e “espírito” aparecem tantas vezes na Bíblia, em diferentes sentidos e contextos, mas nunca acompanhadas dos adjetivos “imortal”, “eterno”, “perpétuo”, além de que, em vez de declarar que alma não morre jamais, lemos é sobre morte da alma, tanto no VT quanto no NT (Eze. 18:4 e Tia. 5:20)?

    - Obs.: A crença na ressurreição final de todos os mortos é característica do cristianismo genuíno que não devia acolher noções claramente do paganismo. Tais noções derivam da primeira mentira proferida pelo diabo sobre este planeta, “É certo que não morrereis” (Gên. 3:4).

    * 30a. – Não é muita coincidência que todos os povos pagãos sempre se caracterizaram em sua crença na imortalidade da alma, até atribuindo almas e espíritos a animais ou coisas inanimadas, como florestas, rios, lagos, vulcões?

    - Obs.: Não se sabe de nenhum povo pagão, do presente ou do passado, que tenha deixado de crer em “almas” e “espíritos”, para crer que “vem a hora . . . em que os que estão nas sepulturas ressuscitarão; os que fizeram o bem, na ressurreição da vida; os que fizeram o mal, na ressurreição da condenação” (João 5:28, 29).

    ------

    NOTA: As perguntas 1ª., 2ª., 21ª. e 25ª. baseiam-se em discussões sobre o tema do livro de Lucas Banzoli, ‘A Lenda da Imortalidade da Alma’.

    ResponderExcluir
  52. Oláamigos

    Os mortalistas não tem uma explicação satisfatória para o versículo 28 da Parábola Especial do rico e Lazaro. Se na visão mortalista no referido relato cada elemento tem um significado o que significa então o "lugar de tormento"? Somente a visão imortalista consegue explicar.

    Um abraço e felicidades

    Luiz

    ResponderExcluir
  53. Pessoal a Paz do Senhor Jesus a todos! Olhem somos todos cristãos e queremos a verdade. Eu queria que vocês debatessem sobre a fiel e verdadeira palavra de Deus mas com amor cristão. Podemos debater num nível muito bom sem nos tornarmos inimigos ou desafetos. Vamos tirar as ironias e nos respeitar pois sei que cada um aqui são homens de Deus e devemos dar exemplo de amor e respeito. Imagine uma pessoa sem religião vir bater neste site ou outro site apologista e ver os irmãos se ofendendo um ao outro, como ficaria o nosso cristianismo. Vamos nos suportar e defender nossas crenças com calma e equilibrio para nao vulgarizar a Bíblia e o cristianismo. A Paz do Senhor a todos e muito amor fraterno irmãos.

    ResponderExcluir
  54. E ai já conseguiram chegar a um acordo???

    ResponderExcluir
  55. as minhas perguntas são mais básicas: quem consegue dormir diante do trono, ainda mais quando se livra do pesado corpo. E Elias e Moisés, o que fazem sozinhos no céu ao lado de anjos?

    ResponderExcluir
  56. Se todo mundo foi para seus devidos lugares, jesus não voltará e não haverá julgamento ? poupa -me ,fica falando o que não sabe, texto sem contexto é pretexto para heresia