sexta-feira, 3 de junho de 2016

Pedido de desculpas aos Adventistas do Sétimo Dia...

Por muito tempo tenho tratado a Igreja Adventista do Sétimo Dia como uma seita. Peço desculpas aos membros dessa religião pelo desconforto causado por minha falta de sensatez e pouca gentileza quando tratei esse assunto com vocês, mas continuarei com a essa postura. Nada do que tenho apontado até agora foi provado como sendo falso, antes, foi mantido. Portanto, apesar de deixar essas pessoas chateadas, por alguma dureza com que tratei pessoas desse arraial religioso, em algum comentário áspero aqui no blog, pelo que peço desculpas, porém, pelo conteúdo que apresento, não posso pedir desculpas.

A Igreja Adventista do Sétimo Dia é uma seita, e especialmente do ponto de vista cristão protestante ortodoxo. Pelas seguintes razões*

1.      Dizem que vários registros da Bíblia tem erros. Fazem isso para que por causa dos erros de Ellen White, seus escritos não sofram rejeição, e assim mantenham o mito.

2.      Dizem que a Trindade Cristã é uma doutrina filosófica com elementos heréticos, que quem discerniu a ‘verdadeira’ doutrina da trindade foram os adventistas, especialmente parida nas visões de Ellen White e formatada por dois acadêmicos adventistas de nome Raoul Dederen e Fernando Canale. Creem em outra trindade.

3.      Uma de suas doutrinas oficiais, incluem a crença em Ellen White, fato esse constatados apenas nos Mórmons, Tabernáculo da Fé, entre poucas outras, onde um profeta exclusivo da seita é elemento de crença.

4.      Ensinam que a IASD é a visível igreja verdadeira e que as demais são “filhas de babilônia”. Segundo a papisa Adventista, ensinos de igrejas cristãs protestantes, como a imortalidade da alma, o tormento eterno e o domingo, são ensinos de Satanás.

5.      Possuem uma doutrina remanufaturada de uma falsa profecia, a doutrina do Juízo Investigativo de 1844, sendo essa, segundo eles mesmos, o alicerce da fé adventista.

6.      Ensinam que no tempo final, no teste final que todos os humanos passaram, a salvação terá um selo – a guarda do sábado. Portanto, reconhecidamente para ao período escatológico a salvação em certo sentido, vai depender de uma obra.

Visto que todos esses fatos são mantidos, defendidos e promovidos vigorosamente, ao passo que buscam espaço entre as igrejas protestantes e evangélicos para a prática do proselitismo dissimulado, creio ser fundamental, para a proteção do rebanho de Cristo, manter bem alto essa bandeira de que a Igreja Adventista do Sétimo Dia, é uma seita, SEM SOMBRAS DE DÚVIDAS.

*Abaixo links/sites com as provas de minhas afirmações acima:








64 comentários:

  1. Vim correto ler o post estranhando o título. Mas como sempre, kkkk! Abraços Luciano

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não foi estranho... é que vc imaginou outra coisa.kkk

      Mudar de opinião em relação a essa seita é confirmar tudo que ela disse contra a Igreja de Cristo... na verdade, ela é que precisa pedir desculpas de nos chamar de Babilônia, e voltar ao Caminho da fé verdadeira.

      Excluir
    2. Olá, irmão Luciano:

      O sectarismo está em:

      1) Apoiar a crença de que os mandamentos de Deus foram abolidos;

      2) Apoiar a crença de que no antigo testamento a salvação era pelas obras da Lei ao invés da graça manifesta por meio do sacrifício do cordeirinho;

      A imortalidade da alma e o domingo são crenças de origem católica, trazida para dentro do seio cristão por meio da união entre a igreja e o estado de Roma e que trouxe o paganismo para dentro da tradição da igreja.

      Em toda a Bíblia não há uma única linha ordenando a guarda do domingo ao invés do sábado.

      A colocação da tradição do domingo como uma doutrina foi feita antes do surgimento da igreja protestante, estando devidamente registrada no catecismo romano.

      A trindade cristã bíblica não considera Deus de uma substância fantasmagórica, da mesma essência que a imortalidade da alma atribui ao ser humano, etérea, vazia e sem forma.

      A Bíblia registra erros dos profetas, derivadas de sua vida comum. Embora a Bíblia registre erros destes profetas, não há equívoco doutrinário naquilo que os profetas ensinam. Os erros estão nas ações destes profetas ou naquilo que é de sua limitação humana e não nos ensinamentos passados a eles por Deus.

      Ellen White cometeu erros como pessoa, mas não errou nas profecias, nem em seus ensinamentos doutrinários que estão 100% em conformidade com as doutrinas bíblicas.

      Ellen White regista tanto os erros como os acertos tanto de si mesma quanto dos demais adventistas e apresenta uma gradual ampliação do conhecimento adventista acerca dos ensinamentos da Bíblia Sagrada até a formação de todas as suas doutrinas fundamentais, tendo como base de estudo nenhum outro livro senão a Bíblia Sagrada.

      A Bíblia é o único livro que Ellen White recomenda e suas obras estão todas embasadas na Bíblia. Ela nos ensina que devemos guardar toda a Bíblia, incluindo o sábado e ensinar tudo que há ali escrito, incluindo acerca do santuário terrestre que era o centro de adoração do povo israelita e uma figura do santuário celeste onde Deus habita, descoberta do grupo de adventistas após o desapontamento millerita.

      Esta era a espinha dorsal de ensino didático à Israel e continua sendo a espinha dorsal da igreja de Deus, por meio do seu cumprimento em Cristo, que hoje é nosso intercessor, sumo-sacerdote, juiz e advogado e que realiza sua obra em favor dos salvos e que durará até a Sua vinda.

      Diferente do livro de mórmons, dos livros de Allan Kardec, dentre outros, as obras de Ellen White ensinam a colocar a Bíblia como regra infalível, insubstituível, e seus livros, tanto do antigo quanto do novo testamento como irrevogáveis.

      Considera as suas leis plenamente vigentes e que nenhum jota ou til jamais deve ser suprimido e que tudo que está ali escrito deve ser guardado e ensinado.

      Ensina também que nenhum outro livro deva ser colocado em pé de igualdade com a Bíblia, ainda que sejam seus próprios escritos.

      Excluir
    3. Deste modo ao invés de revogar o antigo testamento ou o novo testamento, como fazem algumas religiões, até mesmo alguns ramos do meio cristão, Ellen White ensina de que toda a Bíblia deve ser preservada e ensinada.

      E mais do que isto, crida e praticada.

      Ensina, que coisa alguma jamais foi revogada e que toda instrução bíblica continua plenamente válida.

      A IASD considera Ellen White uma profeta moderna, com autoridade não canônica, ou seja, que não agrega ensinamentos à Bíblia.

      Suas instruções servem para um período e propósito específico e que foi a formação da Igreja Adventista do Sétimo Dia.

      Seus livros porém, permanecem como testemunho dos eventos que ocorreram em torno de 1844 e permanecem como fonte de instrução, conselhos e ensinamentos acerca das doutrinas Bíblicas e em especial as profecias.

      O sábado, sendo o mandamento oficialmente cancelado da lei de Deus tanto no meio católico como no meio protestante, após ter dado lugar ao domingo, será o ponto controverso no tempo do fim, onde o cristão será provado mais uma vez segundo a sua obediência e fidelidade, como uma vez fora feito no Éden e por tantas vezes ao longo da história do povo de Israel.

      O propósito das obras de Ellen White é mostrar os ensinamentos bíblicos de forma clara e separada da tradição e ajudar o cristão a colocar em prática todos estes ensinamentos mesmo em meio ao período moderno de desenvolvimento no saber, aos quais Ellen White em muito contribuiu em vários ramos como a saúde, educação, finanças e vários outros assuntos.

      E a IASD surgiu porque Deus está preparando uma igreja visível, verdadeira, para restaurar a verdade jogada por terra e exaltar as verdades Bíblicas em meio à confusão religiosa que se estabeleceu no meio cristão.

      Esta igreja guarda todos os mandamentos de Deus e tem o Testemunho de Jesus. Ensina toda a Bíblia, do Gênesis ao Apocalipse e chama para fora o remanescente e apresenta a Bíblia e toda a Bíblia como normativa para a fé e conduta cristã.

      O conhecimento das verdades Bíblicas será essencial para a dura prova que todo o mundo haverá de enfrentar. Somente através dela, a Bíblia, saberemos se estamos seguindo a Deus, ou se estamos sendo enganados.

      Chega então o tempo de cada cristão deixar os ensinamentos e tradições de lado e que variam dentro das mais de 40 mil denominações hoje catalogadas, a fim de encontrar o denominador comum nas escrituras, como os adventistas uma vez fizeram.

      Estes encontrarão a verdade, ouvirão a voz de Deus e sairão da confusão religiosa.

      Excluir
    4. Deus tem um povo na terra, distribuído na várias denominações cristãs e até mesmo não cristãs. Estes são os que querem fazer a vontade de Deus e são fiéis a toda luz que receberam. Estes são os chamados remanescentes.

      São estes os que serão selados, com o selo do Deus vivo, que passarão pela grande tribulação e seu número é de uma grande multidão, incontável. Desde aquele que conheceu a cristo em um sonho ou visão de Cristo no meio dos muçulmanos, até um índio cuja única forma de conhecer a Deus foi por meio da natureza. Até aquele cuja única lei foi a lei moral implantada em sua consciência e até mesmo aqueles que ouviram a voz do Espírito Santo em lugares onde um cristão, munido da Palavra de Deus jamais pisou.

      E todo o meio cristão irá se polarizar em dois únicos grupos. Aqueles que permanecerão fiéis a Deus sendo perseguidos por amor à Sua Palavra e aqueles que virarão as costas para Deus e Suas verdades perseguindo aqueles que decidiram permanecerem fiéis.

      Antes porém que tudo isto ocorra, Deus nos faz um último convite:

      "Dizendo com grande voz: Temei a Deus, e dai-lhe glória; porque é vinda a hora do seu juízo. E adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas." (Apocalipse 14:7)

      A Igreja Adventista do Sétimo Dia é aquela que traz a mensagem que carrega o selo do Deus vivo:

      "Lembra-te do dia do sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus; não farás nenhuma obra, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o teu estrangeiro, que está dentro das tuas portas. Porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo que neles há, e ao sétimo dia descansou; portanto abençoou o Senhor o dia do sábado, e o santificou." (Êxodo 20:8-11)

      "Tu, pois, fala aos filhos de Israel, dizendo: Certamente guardareis meus sábados; porquanto isso é um sinal entre mim e vós nas vossas gerações; para que saibais que eu sou o Senhor, que vos santifica." (Êxodo 31:13)

      O sábado é o selo que separa o povo de Deus das demais nações que não reconhecem a Deus como único Senhor:

      "Entre mim e os filhos de Israel será um sinal para sempre; porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, e ao sétimo dia descansou, e restaurou-se." (Êxodo 31:17)

      Por meio deste sinal, reconhecemos que Deus é o criador de todas as coisas. E mais, reconhecemos que Ele é o Senhor que nos santifica.

      Excluir
    5. Há pessoas desinformadas e palpiteiras que não merecem nossa saliva e atenção. Ao identificarmos a falta de critério, de pesquisa, para fazer uma afirmação já temos justificativas para ignorá-las. Este é o caso aqui. Depois de um tempinho vim ver como andam as coisas no blog do meu amigo e irmão Luciano Sena (em partes pelo susto do título!) e eis que vejo o mesmo nível de 'réplicas' adventistas, com a mesma característica de sempre de 'flodarem' o debate com textos quilométricos sem muito critério ou progressão retórica.
      Eu poderia gastar parte do meu tempo respondendo, mas quero apenas mostrar aos irmãos que basta tocar nos pontos iniciais da resposta pra verificar que não há intenção de investigação da Verdade. Quem quiser seguir o trabalho que o faça. Repito: se não forem admitidos apenas alguns pontos não é preciso discutir todos os outros, já se vê a índole do adversário. Dito isso (prefácio que ficará, provavelmente, maior que a tréplica em si), vejamos os dizeres do Sr. Adventista:

      "O sectarismo está em:

      1) Apoiar a crença de que os mandamentos de Deus foram abolidos;

      2) Apoiar a crença de que no antigo testamento a salvação era pelas obras da Lei ao invés da graça manifesta por meio do sacrifício do cordeirinho;

      A imortalidade da alma e o domingo são crenças de origem católica, trazida para dentro do seio cristão por meio da união entre a igreja e o estado de Roma e que trouxe o paganismo para dentro da tradição da igreja."

      Vejam bem os equívocos iniciais. O primeiro, é claro, é um gigantesco espantalho. Nenhuma igreja protestante confessional (histórica) jamais disse coisas como 'os mandamentos foram abolidos' ou 'a salvação era pelas obras'! Fazer tal crítica evidenciou que tal 'Sr. Adventista' JAMAIS leu uma confissão de fé reformada ou luterana e, provavelmente, nenhum livro de um teólogo reformado ou luterano. Caso negue, poderia nos informar onde é que alguma confissão afirma coisas como essas? Ou mesmo onde é que o Luciano Sena o diz (quando ele diz que o Domingo é o Sábado cristão ainda permanece crendo no Quarto Mandamento e, portanto, não tente essa pois, ainda que discordem desse mandamento, concordam conosco em grande parte dos demais e não poderão mostrar que o Luciano não afirma o ofício diretivo da lei). Se não puder cumprir esse desafio, tua palavra já não é digna de crédito pois você fala muito mais do que pesquisa e estuda. Em outras palavras, palpiteiro.

      E há um último ponto. A união entre a Igreja e Roma se deu no século IV (efetivamente mais para o final do século, embora no começo tenha dado um enorme passo para isso). Se mostrarmos que autores cristãos de antes desse período criam tanto na imortalidade da alma quanto na guarda do Domingo, você se retrata do que disse? Novamente, se não o fizer não vale a pena lidar com nenhum dos seus demais argumentos. Ficará evidente que não tem qualquer compromisso com Deus e com a Verdade.

      Excluir
    6. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    7. Prezado Lucio, eu mesmo nem repondo mais o prolixo e geralmente sem interação com as provas, desse Sr Adventista, eu já havia assumido excluir seus comentários pois ele se nega dar pelo menos seu nome - (isso há anos que ele comenta aqui no blog).

      Nem sei por que não excluí esse comentário... mas como vc comentou, deixarei o comentário dele.

      Excluir
    8. Olá, irmão Lucio, segue a resposta a seu comentário:

      http://novamenteadventistas.blogspot.com.br/2016/06/resposta-ao-irmao-lucio-antonio-de.html

      Excluir
    9. Se me permite Lucio...

      De que vale, encontrar opiniões de Autores Cristãos de antes desse período, sem encontrar a validade Bíblica?

      Poderia-nos mostrar a validade Bíblica para Imortalidade da Alma e guarda do Domingo?

      Excluir
    10. Não se preocupe irmão JEFFERSON LEMOS, o dia do irmão Luciano vai chegar!!!

      Excluir
    11. Irmão Wesley, a paz do Senhor!

      Sobre sua pergunta que o irmão Luciano Sena disse "DE NOVO"!

      O irmão LUIZ tem os versículos!

      Só que os versículos dizem outra coisa, mas o irmão Luiz da a explicação mesmo os versículos dizendo outra coisa!

      Excluir
    12. Primeiro, não sabia se posto a resposta ao Sr. Adventista aqui ou no blog dele. Preferi aqui. Antes de respondê-lo, deixa eu já descartar o Wesley Diniz: à primeira pergunta eu respondo que eu não disse que há validade bíblica com isso. Só disse que tal fato contradiz a afirmação não só do Sr. Adventista quanto da senhora White mostrando que ambos estão equivocados. Quanto à mostrar validade bíblica pra isso, foge aos pontos que levantei, não? É dar início a outro debate vastíssimo ao qual o Luciano Sena já resolveu diversas vezes. É um clássico red herring da tua parte o qual eu não vou entrar...

      Na resposta do sr. Adventista encontramos apenas fuga (como eu já previa). Vamos lidar com cada ponto.
      "Em seus livros, Ellen White revelou que logo surgiria um movimento reivindicando de [sic.] que os mandamentos de Deus foram abolidos e que a salvação no antigo testamento era pela lei e que no novo testamento foi substituído pela graça. Obviamente Ellen White não estava falando dos protestantes, quer Luteranos, quer Calvinistas [...]"
      Primeiro, ele diz que sectarismo era adotar algumas posturas em resposta à afirmação do Luciano Sena que a IASD é uma seita. Se isso não foi uma afronta à fé do Luciano, então foi completamente sem sentido - a não ser que o sr. Adventista se restrinja a considerar sectarismo exclusivamente os pontos que destacou. Se não somos nós, protestantes, que adotamos tais práticas, apontar práticas sectárias de outras religiões não ajuda em nada no debate.
      Como se não bastasse esse movimento (cheirando a ad hoc), a afirmação é evasiva e genérica. A que grupo a sra. White se referia? Além disso, em grupos dissidentes antes dela já havia quem defendesse essas patacoadas. E adivinhem só: foram rejeitados e condenados pelas igrejas históricas. Um quadro muito diferente do que essa senhora 'previu', não? Além disso, com base em que afirmas que os grupos protestantes fazem vistas grossas e até uma certa aliança com esse tipo de heresia? Eu desconheço qualquer livro clássico ou popular (para os históricos) de teologia que afirme uma asneira dessas. Aliás, ao contrário do que afirmas, as igrejas e teólogos reformados têm combatido veementemente qualquer ideia que não aponte para Cristo como salvador único e exclusivo da humanidade, tal como nas Escrituras. Portanto, tua explicação não tirou-te do lugar e revelou acusações sem qualquer fundamento.

      O que vem a seguir no teu artigo foi simplesmente a mesma velha historieta que já ouvimos repetidamente dos adventistas. E é uma fuga ao meu desafio: se mostrarmos que a Igreja já abraçara o domingo como dia de culto ANTES de Constantino, você admite que White errou? Caso não, será impossível um diálogo racional.
      Vou colocar em termos silógicos para facilitar:
      1) Tanto a sra. White quanto o sr. Adventista afirmam que a guarda do domingo foi criação posterior a Constantino.
      2) Há evidências de que a guarda do Domingo precedeu a Constantino.
      3) Logo, White e Adventista estão errados.

      Você pode contestar apenas 1 ou 2, mas não a conclusão. Meu desafio é que você conteste 2. Se não o fizer, não adianta contar a história tal como você e os adventistas imaginam que é. Simplesmente dialogam com um construto, e não com os fatos históricos.

      Se não conseguir admitir esses pontos inegáveis, todo o resto da argumentação será inútil pois não importará quantas evidências sejam apresentadas, você estará compromissado inexoravelmente a priori com uma opinião.

      Excluir
    13. Olá Irmão Alexandre, paz do Senhor!

      Figuriníssimo Carlos!

      "De igual tenaz balburdia idiomática,
      posso concatenar sua retórica prática,
      descrevendo como inventividade tática,
      para uma crença acrobática."

      Quem foi que disse que vc disse? Eu não disse que vc houvesse dito, vc quem pensou que eu haveria dito sendo que eu não disse o que vc pensou que eu disse, apenas perguntei não? "Crença Acrobática" = "Achismo"

      Se nem mesmo vc consegue entender a linha de Raciocínio do Sr. Adventista e tenta coloca-la dentro de sua balburdia idiomática e egocentrismo, não poderia estar me acusando de estar fazendo um red herring, pois o mesmo é uma mão dupla... Reflita

      Minha pergunta que vc chama de red herring eu chamo de objetividade.

      Se vc só "entra" em uma conversa onde quer que as pessoas joguem seu "jogo", posso definir como?...

      Seja feita sua vontade querido Irmão...
      Estou fora do "jogo", estou "descartado".

      Excluir
    14. Esse 'Carlos' sou eu, Wesley? Deve ser pois só eu acusei alguém aqui de cometer red herring. Você chama de objetividade e acusa-me de evasiva. Pois bem, se isso não for demonstrado será um argumentum ad lapidem. Vou mostrar que você está equivocado.

      Perceba meu proceder no debate. O Sr. Adventista escreveu um texto enorme, divido em várias partes, com um montante de assuntos polêmicos e que geram muitas discussões. É óbvio que não é possível respondê-los sem uma infinidade de textos resposta. E é possível que o adversário com quem estejamos debatendo seja apenas um falador sem etiqueta e ética para debater. Para não perder meu tempo discutindo todos esses assuntos com alguém dessa estirpe, fiz um recorte. Para não me considerarem arbitrário no recorte, peguei os primeiros itens que já dão 'pano pra manga'. Pois bem. Funciona mais ou menos assim:
      1) 'A' traz para o debate os argumentos 'a', 'b', 'c', 'd' e 'e'.
      2) 'B' anuncia que irá verificar a integridade de 'A' refutando 'a' e 'b' e verificando se, mediante essas refutações cabais 'A' admite.
      3) 'C' (você) aparece e pergunta sobre 'd' e 'e'.
      4)'B' responde que isso foge à proposta de 2.
      5) 'C' acusa 'B' de estar fugindo ao debate.
      6) Conclusão, 'C' não sabe o que está dizendo.

      Excluir
    15. kkkkkk vdd Lucio, troquei seu nome, desculpe-me o equivoco da troca, mas é com vc mesmo.

      Tentei ser delicado com as palavras dizendo "mão dupla", mas vc não consegue entender mesmo e posa com toda essa prepotência, vou ser claro em dizer que não o acusei de ser evasivo, acusei de ser hipócrita mesmo, pois da mesma forma que usou de red herring com o Sr. Adventista, usei do mesmo red herring com vc (no seu ponto de vista) para voltar ao assunto (sendo objetivo no meu ponto de vista) que vc tirou o foco.
      Sua suposta opinião de falácia minha, pode, talvez, evidenciar um efeito placebo com o decorrer das explanações.

      Eu entendi sua linha de raciocínio ou seu proceder, obvio que o Sr. Adventista expôs vários temas mas o assunto principal era a não nova, mas antiga conversa entre ele e o Luciano sobre ele ou algum outro crítico ser sectarista, pela Adventista ter doutrinas tão distintivas das demais denominações ao ponto se ser chamada de Seita, particularmente não me incomodo, ao contrário, se for para aceitar as doutrinas aceitas pelo mundo evangélico que não tem respaldo Bíblico, prefiro ser do contra mesmo, mas respeito, vc partiu de um princípio teológico histórico para tentar refutar um assunto doutrinário. Não seria isso um costume já enraizado, para refutar um Adventista?

      Pois bem. Funciona mais ou menos assim:
      1) 'A' (Luciano) traz para o debate o assunto 'a'.
      2) 'B' depõe o assunto 'a' com temas 'a', 'b', 'c', 'd' e 'e'.
      3) 'C' anuncia que irá verificar a integridade de 'B' refutando os temas 'a' e 'b' sem perceber que o assunto não é o tema, se achando superior em etiqueta e ética.
      4) 'D' aparece e retoma o assunto doutrinário com perguntas simples e objetivas.
      5) 'C' não percebe que tirou o foco do assunto, se acha superior e quer uma resposta para sua nova proposta.
      6) 'D' acusa, 'C' de não entender 'B' e tentar colocar 'B' dentro de um jogo de palavras a que chamo de "Balburdia Idiomática".
      7) Conclusão, 'D' prova que 'C' tirou o foco do assunto e possivelmente pode estar sob um efeito placebo.

      Espero que compreenda que sua eloquência não significa sabedoria, tanto quanto a minha também não.

      Deus o abençoe querido Irmão.

      Excluir
    16. Wesley, não se arisque...

      Que outro assunto com o Sr Sei Lá Quem? Vc escreveu: "o Sr. Adventista expôs vários temas mas o assunto principal era a não nova, mas antiga conversa entre ele e o Luciano sobre ele ou algum outro crítico ser sectarista, pela Adventista ter doutrinas tão distintivas das demais denominações ao ponto se ser chamada de Seita,"

      Meu caro colega, a postagem não trata de outro assunto em outro momento... ele que fala, escreve, diz, com a prolixidade infindável e vazia dele. É só ir ver no blog dele... e em todos os argumentos dele, é uma ladainha de sempre... não interage com provas. Eu não respondo ele. E como ele sabe, irei excluir os comentários dele aqui sempre...

      Excluir
    17. Quanto a postagem, vc tem algo a comentar?

      Excluir
    18. Bom Dia Luciano!

      Vc me fez uma pergunta e vc mesmo respondeu com meu texto entre aspas, se não conseguiu entender, sinto muito.

      Que outro assunto? Que outro momento? Vc expõe 6 itens doutrinários Adventistas, mal formulados e mal interpretados, me diz que é outro assunto depondo o doutrinário e criticando o Sr. Adventista sem compreender o que ele diz e ainda me pergunta sobre a postagem sendo que já estamos conversando sobre a mesma.

      Se o assunto de seu post não é doutrinário, seria o que então?

      Vc que se explique, ou está fugindo da postagem proposta?

      Sou da Seita, não sou Irmão de fé, não é assim que vc pensa? Eu aceito e respeito, pode me chamar do que vc quiser e digo apenas uma coisa pra vc...

      Atos 24:14
      "Mas confesso-te isto que, conforme aquele caminho que chamam seita, assim sirvo ao Deus de nossos pais, crendo tudo quanto está escrito na lei e nos profetas."

      Excluir
    19. Prepotência? Hipocrisia? Se foram acusações que pensas poder justificar, por favor, poderia demonstrá-las claramente? Onde cometi hipocrisia? E onde foi que reivindiquei, para mim, o título de sábio ou eloquente? Se a forma que escreve te incomoda eu não posso ser culpado de prepotência por isso. Acho essa discussão dirigida à minha pessoa mais uma fuga. Não importa se sou arrogante, hipócrita ou prepotente. Meu argumento continuará intacto. Ergo, argumentum ad hominem.

      Primeiramente, desculpa-me a demora para respondê-lo. Estive e ando bem ocupado ultimamente. Selecionarei partes da tua fala, entre aspas, e vou propor respostas logo adiante.

      "Eu entendi sua linha de raciocínio ou seu proceder, [sic.] obvio que o Sr. Adventista expôs vários temas mas o assunto principal era a não nova, mas antiga conversa entre ele e o Luciano sobre ele ou algum outro crítico ser sectarista, pela Adventista ter doutrinas tão distintivas das demais denominações ao ponto se ser chamada de Seita, [sic.]"

      O que vou dizer aqui será recolocado nos passos que você elaborou. Mas já posso adiantar o seguinte. Eu não discordo que o que eu tenha dito não é perfeitamente o cerne da questão. Mas isso não é problema e muito menos red herring por duas razões. A primeira é que o debatedor é responsável por suas falas. Ele usou argumentos para defender pontos que tangem às questões principais. Posso legitimamente questionar esses argumentos e, inclusive, posso fazê-lo parcialmente - ainda mais quando não se tem o tato de não tentar abrir um debate expondo um milhão de temas (o que mostra despreparo ou má fé). Em seguida, como já cansei de explicar, existem pessoas que não estão interessadas em discutir de forma cavalheira e ética. São pessoas que não se dobrarão à refutação, não importa o que você diga ou quão bem evidencie seu ponto. Uma forma de testar o adversário quanto a isso é pegar um ponto fácil de ser refutado e ver se ele tem a ombridade de admiti-lo. Se ele não o fizer, então não vale a pena dirigir-se aos pontos mais complexos. Ao menos concorda comigo que essa é uma boa estratégia e é muito lícita?

      "particularmente não me incomodo, [sic.] ao contrário, se for para aceitar as doutrinas aceitas pelo mundo evangélico que não tem respaldo Bíblico, prefiro ser do contra mesmo, mas respeito,[sic.]"
      Aqui fazes muitíssimo bem. Não deve se apegar a doutrinas de quem quer que seja se ela é evidentemente contrária às Escrituras. Nem eu e nem o Luciano diríamos o contrário. A questão é que esse argumento, aqui, lançado assim, só funciona como uma auto-promoção (self-selling) e petição de princípio pois é justamente a biblicidade das questões que está em jogo. Mas, como eu acabo de explicar, não vale a pena discutir questões de exegese, que exigem muito mais finesa, se coisas mais básicas não são admitidas.

      "vc partiu de um princípio teológico histórico para tentar refutar um assunto doutrinário. Não seria isso um costume já enraizado, para refutar um Adventista?"

      Não, meu caro, não foi isso que eu fiz. Você simplesmente perdeu de vista a jogada. Posso remontá-la facilmente, caso seja culpa minha por pouca perspicuidade. Basicamente, dentre os argumentos do Sr. Adventista, eu selecionei os primeiros. Eles tangiam a questões históricas. Ele faz algumas afirmações que sustentam e endossam seus argumentos e são de cunho 'histórico' (embora o termo não seja exatamente apropriado). Refutá-las não acabará a discussão mas mostrará a integridade intelectual na admissão, como dito alhures. Afinal, como é que eu daria refutações bíblicas para afirmações de cunho histórico post tempore bíblicos. Ele afirma coisas como 'a Igreja não guardava o domingo antes de Constantino'. Isso pode ser desmentido por demonstração histórica. Não preciso de exegese bíblica para fazê-lo voltar atrás nesse ponto. E assim por diante.

      [P.S.: aliás, o que você quer dizer por "B' depõe o assunto 'a' com temas 'a', 'b', 'c', 'd' e 'e'."? Depõe?].

      Excluir
    20. Pois não meu caro!!!

      Como eu havia dito desde o princípio!
      Vc disse que eu estava fazendo red herring e eu disse que, do seu ponto de vista, era vc quem estava fazendo.
      No meu ponto de vista eu estava sendo objetivo e vc acaba de dizer: "Eu não discordo que o que eu tenha dito não é perfeitamente o cerne da questão". Portanto está concordando que eu estava sendo objetivo, meu ponto de vista prevaleceu, mas pelo seu ponto de vista, estava me acusando erradamente e vc quem não estava no cerne principal, portanto me deu o direito de dizer que era hipocrisia, lembremos bem que é pelo seu ponto de vista.
      No meu ponto de vista, até concordo que é uma boa mas não sábia estratégia e não concordo com sua proposta, pois tira o foco do assunto e como vc acusa demais sem ter a devida noção do que está dizendo, acaba encobrindo uma possível boa argumentação, o que prevalece em seu texto não é a boa estratégia mas a acusação desmedida e mais uma vez a hipocrisia, pois da mesma forma que diz que estou fazendo um "Argumentum ad hominem" posso dizer que vc faz o mesmo e se não percebeu, minha estratégia é coloca-lo em alguma ocasião em "frente a um espelho", pois estou seguindo sua linha de raciocínio, seu argumento é fora do foco e possivelmente levará longe da Bíblia.

      Consequentemente sua prepotência se evidencia pela hipocrisia e por querer pensar que tem o direito de rotular alguém, o Sr. Adventista ou eu, com palavras do tipo, "sem etiqueta e ética", "despreparo ou má fé", "red herring" ou "argumentum ad hominem", sem ter uma base sólida para tais, não evidenciando um fato, mas um achismo egoísta que se apóia em uma ilusão cultural de debate sendo que cada pessoa tem suas características, não somos perfeitos e temos que respeitar as diferenças e evidenciar as qualidades uns dos outros, da mesma forma que critica sem fundamento o Sr. Adventista de despreparo, sendo que é vc quem não acompanhou a linha de raciocínio dele e "má fé" sendo que vc escolheu um tema que, por mais que ele tenha responsabilidade em suas falas, foi fora de foco, eu poderia estar te criticando sem fundamento de "despreparo" e "má fé" tb, mas prefiro seguir sua linha de raciocínio e fazer criticas construtivas e evidenciar qualidades íntegras como "eloquência" e não disse que vc reivindicou, mas fiz um elogio a sua eloquência e uma critica construtiva a sua falta de sabedoria.

      Uma coisa vc tem razão, tem pessoas que não admitem a refutação, mas isso é comportamento de cada pessoa, estou começando a acreditar que é parte do processo de amadurecimento e temos que respeitar, indiferente de quem seja.
      Não diga pelo Luciano, primeiramente por chamar a Adventista de Seita, ou seja, que tem doutrinas não bíblicas e por ser uma típica pessoa que não admite refutação ou pelo menos não entende e eu o respeito.

      kkkkkk "self-selling" foi boa, aproveitei a oportunidade para expor que respeito o Luciano e Evangélicos que acreditam que a Adventista é Seita, pois não aceitam a refutação ou não entendem.

      O que vc chama de "coisas básicas" eu chamo de "fora de foco" pois poderíamos estar conversando sobre o "sábado ou domingo Bíblico" por exemplo, mas estamos conversando sobre admitir ou não um assunto fora de foco.
      Entendo o que vc quer com sua estratégia, mas digo, que este seu assunto não é básico, levaria a conversa distante da Bíblia.

      "'B' (Sr. Adventista) "forneceu indícios" do assunto "doutrinário" com temas..."

      Excluir
    21. "Vc expõe 6 itens doutrinários Adventistas, mal formulados e mal interpretados,"

      Wesley, me aponte por favor - onde os 6 apontamentos foram mal interpretados?

      Excluir
    22. Olá Querido Irmão Luciano!

      Esta pergunta é redundante, pois vc próprio tem várias postagens e debates sobre as doutrinas Adventistas e continua com o mesmo ponto de vista, concluo que se eu apontar a má interpretação, será em vão, pois vc já teve oportunidade de compreender e pelo jeito não compreendeu.

      Eu havia perguntado: "Se o assunto de seu post não é doutrinário, seria o que então?"
      Vc não me responde e socraticamente quer me colocar para expor kms de linhas explicativas que dará em nada como sempre.

      O problema com a Adventista é seu e não meu, existem vários caminhos para vc procurar conhecimento, sinto muito não poder ajuda-lo.

      Abraços.

      Excluir
    23. Wesley, algo devo reconhecer na apologética adventista - prolixidade. Muita fumaça para arder os olhos...

      Wesley se vc não pode ajudar, não critique. Agora se critica, é que deve saber o que está dizendo... mas não pode substanciar, é por que está falando sem base. Como sempre... eu evito falar com vc por causa disso, em vc existe discurso, mas nenhum conteúdo.

      Lidar com as provas que eu apresento é a sua grande dificuldade. Sua vontade em ser um filósofo adventista, é uma paixão vista em suas letras. Boa jornada.

      Excluir
    24. São 6 pontos doutrinários ou não?
      Se vc não consegue entender nem o que posta, tanto menos entenderá minha refutação rssss, a culpa não é minha, mas respeito...
      Não conseguiu entender o que é "socraticamente" né? rsssss

      Excluir
    25. Wesley, não, cara, não estou concordando que você esteja sendo objetivo. Você não parece muito treinado em lógica ou está usando de má fé. Não importa, com essa tua resposta já deu pra ver que não será um debate produtivo. Mas pelo menos quero deixar exposta a tua postura pra que pessoas sensatas não ouçam a ti e nem ao sr. Adventista (que, aliás, sumiu). Você achou que eu estava fugindo ao debate. Eu expliquei que não estava. Explorei parte do argumento usado, o que é legítimo. E você veio me acusar de fugir do debate além de puxar outros pontos como se o fato eu selecionar os primeiros para discutir não fosse legítimo. Acha mesmo que isso é um red herring? Só pra te avisar, meu caro, red herring não é só ‘fugir do ponto principal’, mas desconversar o argumento. Se eu colho uma premissa de um argumento para questionar não estou fazendo isso. Percebe? Eu levantei um questionamento sobre os argumentos ‘a’, ‘b’ e ‘c’. Você respondeu A MIM levantando um ponto ‘d’, ‘e’. Eu te acusei, portanto, legitimamente de levantar outro ponto enquanto você agiu incorretamente em pensar que eu estava sendo hipócrita. Espero que tenha a dignidade de se retratar.
      Claro, também não parece conhecer para além do Wikipédia o que é um ‘ad hominem’. Em momento algum eu estabeleci meus argumentos em acusações pessoais contra você (exceto nesta última resposta, mas pode dispensar as ofensas que meus argumentos subsistirão).
      Quanto aos meus argumentos levarem-no para fora da Bíblia não vem ao caso agora. É só uma declaração de temor boba e prepotente.
      Em seguida me acusa de rotulá-lo sem base ou sem evidência. Primeiro que não conhece minha formação para dizer que não tenho base. Depois, como é que dizes que o fiz sem evidência? Mostra um non sequitur que eu tenha cometido ou, por premissas, que uma das falácias das quais te acusei não procedem e te darei razão. No mais, só está evitando as denúncias com um ad lapidem. Uma segunda falácia não justifica a primeira, colega.
      Só para deixar claro, mais uma vez, você insiste, para negar-se a responder-me, que “vc escolheu um tema que, por mais que ele tenha responsabilidade em suas falas, foi fora de foco”. Eu insisto que minha escolha não foi arbitrária. Peguei os primeiros argumentos que surgiram para testar a integridade do contraditor. São porções de seu argumento. Posso escolher lidar com elas primeiro para depois lidar com as outras. Como é que não percebe ou acha isso uma ação desonesta? Eu não sei. O fato é, recusam-se a lidar com os pontos que falei. Compensa seguir? É claro que não. Sua recusa evidente de lidar com os pontos (provavelmente por já saber onde darão) faz com que não seja nem um pouco interessante seguir para as questões mais complexas. Se quiser continuar, responda aos pontos que levantei e depois seguiremos para os pontos que você tanto quer. Ok? No mais, estará agindo de forma desonesta (aqui uma dica, em vídeo – meu, en passant –, sobre falácias: https://www.youtube.com/watch?v=kfCuWz50_8M).
      Abraços! :)

      Excluir
    26. Demorou porque Lucio?

      Seu Raciocínio está lento, não entende e quer colocar a culpa em minha lógica, será que fui desafiado por um "pombo"?
      Mais uma vez: "Quem disse que eu disse que vc disse?" entendeu? se não, vou explicar...

      Eu não disse que vc estava fugindo ao debate, ou seja, fazendo red herring, vc quem disse que eu estava fazendo um red herring sendo que provei que estava dentro do assunto principal que era doutrinário, portanto, "cai por terra" seu argumento de que eu estava fazendo red herring, eu apenas digo que (Pelo seu ponto de vista e observe a Lógica Condicional "SE") "Se eu estava fazendo red herring por estar sendo objetivo no assunto, vc tb estava fazendo red herring por estar apenas no tema e não no assunto principal".
      Ou seja, nem eu, nem vc, estávamos fazendo red herring, eu apenas estava sendo objetivo com o assunto principal e fui, um tanto irônico com seu raciocínio, (te chamando de hipócrita querendo dizer que se eu estava fazendo red herring, vc tb estava) que está completamente entorpecido por seu achismo sem fundamento.
      Eu sei muito bem o que é red herring, vc é quem não deve saber, pois eu não fugi ao assunto.
      Entendeu agora? ou não?

      Eu não levantei outro ponto no debate, apenas fui objetivo com seus pontos 'a', 'b' e 'c', fui direto ao ponto, pois se eu provo a vc de que o domingo e vida após a morte ou "desencarnação", são doutrinas pagãs ou de Lúcifer, eu dou um xeque na sua argumentação, pois vc até poderá expor algum fato histórico de que outros cristãos podiam acreditar nestas doutrinas, mas eu derrubaria dizendo que não seria doutrina de Deus, mas doutrina de Lúcifer, ou seja, não são doutrinas dos Apóstolos, são doutrinas que foram oficializadas na igreja pagã de roma.

      Eu te chamar de hipócrita foi uma lógica relacionada a sua irresponsabilidade de dizer que eu estava fazendo red herring sendo que eu estava dentro do assunto, portanto quem tem que se retratar é vc meu camarada, por dizer um devaneio sem medida, onde não fiz red herring.
      Os temas 'a', 'b', 'c', 'd' e 'e' que vc está sugerindo, estão todos dentro do assunto 'doutrina'.

      Se vc não consegue raciocinar que estou dentro do assunto e do seu tema, como é que podemos continuar esse debate sendo que não tens "tutano" para prosseguir?

      Se vc não consegue ter discernimento sobre assuntos de interpretação textual e dialética, tanto menos terá sobre assuntos Espirituais...

      Não poderei debater assuntos Espirituais com vc meu Irmão, pois vc está focado em seu argumento "furado" e digo "furado" mesmo, pois vc pode até provar que existiram cristãos que acreditavam nestas doutrinas antes da igreja romana, mas caíra sempre no erro de que são doutrinas pagãs e o paganismo já estava no meio cristão desde os Apóstolos, leia 2 Tess 2:4,7.
      O paganismo acompanha o povo de Deus sempre, desde os Judeus, na adoração ao bezerro de ouro, ou a baal, ou ao sol, ou ao falo de Osíris, ou a Coruja, ou a jabulon, até nossos dias.

      Pra um cara que não consegue ter discernimento e prosseguir um dialogo ou um debate, será realmente inviável a dialética.
      Como eu disse desde o inicio: "Se vc só "entra" em uma conversa onde quer que as pessoas joguem seu "jogo", posso definir como?..."
      E interprete "jogo" como seu modo de pensar, pequeno, dentro de uma "caixa" e sem discernimento do que o envolve.

      Seja feita sua vontade meu camarada...

      Excluir
    27. Por que eu demorei? Sério que você perguntou isso? Como você é pedante, meu caro! Já parou pra pensar que eu estudo, trabalho, tenho obrigações. Agora mesmo estou em final de semestre e tenho provas e trabalhos, para não falar de aulas para dar na igreja nos finais de semana. Será que isso responde à tua pergunta? Se quiser saber mais da minha vida, posso contar com prazer. Talvez deixe, um pouco, de achar mesmo que ‘tenho raciocínio lento’ ou que eu não sei o que é um ‘red herring’. Aliás, você pode mostrar nalgum lugar, antes de nosso debate, você fazendo alguma apreciação ou identificando algum contendedor usando red herring? Tenho a impressão de que lestes sobre isso, pela primeira vez, aqui. Em qual manual de lógica e retórica você conheceu tal falácia?
      A nossa diferença, companheiro, é que você denunciou-me como se tivesse arrogando-me sábio por saber escrever um bom português. Ao mesmo tempo, gabou-se de seus supostos conhecimentos e erudição sem saber sintaxe básica do período composto. Se não sabe nem gramática, muito menos terá condições de compreender lógica, retórica e erística avançada. Como agiu de forma pedante, não vou deixa-lo com a última palavra para dar a impressão de que se deu bem no diálogo. Insisto que cometestes um red herring, e explico novamente (pois parece não ter percebido que meu último texto reafirmava o esquema que tentastes descartar). Vou usar um pouco mais de detalhes pra ver se você consegue entender (e tentar ser insofismável, desta vez, para que nenhuma canalhice possa ser utilizada):
      1) Fulano argumenta A e B.
      2) Para sustentar A, Fulano usa os argumento Aa, Ab, Ac, Ad e Ae.
      3) Fulano usa outros argumentos para discutir B.
      4) Ciclano entra no debate e questiona Aa, Ab e Ac como argumentos que sustentam o argumento maior, A.
      5) Beltrano entra no debate e manda Ciclano discutir A e B [Beltrano não percebe que discutir Aa, Ab e Ac é discutir A; nem que se pode discutir premissa por premissa, parte por parte, dos argumentos utilizados por Fulano sem cometer Red Herring].
      6) Ciclano anuncia que pode refutar facilmente Aa, Ab e Ac e quer ver se, ao fazê-lo, compensa prosseguir pois, no caso de ser bem sucedido e não houver admissão da parte de Fulano, não compensa debater os demais pontos.
      7) Beltrano acha que Ciclano está fugindo do assunto.
      8) Quando Beltrano recusa-se a debater Aa, Ab e Ac, pretendidos por Ciclano, está fugindo de debater um recorte legítimo levantando questões que tangem a Ad, Ae, Ba, Bb, Bc e etc.
      9) Levantar uma questão diferente para lidar com uma questão posta, quando a resposta à questão inaugural pode ser dada sem que se tanja à nova questão, é cometer um Red Herring.
      10) É justamente o que Beltrano fez.

      Excluir
    28. Que argumentos são esses?
      A) O Domingo não é bíblico.
      Aa) o Domingo foi inventado pela Igreja Católica, no 4º século [estou tentando dar informações mais precisas para: “A imortalidade da alma e o domingo são crenças de origem católica, trazida para dentro do seio cristão por meio da união entre a igreja e o estado de Roma e que trouxe o paganismo para dentro da tradição da igreja”].
      Ab)...
      Ac)...
      A...)...
      B) O Adventista não faz parte de uma seita.
      Ba) Fazer parte de uma seita é crer em doutrinas tais como:
      Ba – I) Abolir das leis vétero-testamentárias.
      Ba – II) Salvação pela Lei no Antigo Testamento.
      Você diz: “Eu provo a vc de [sic.!] que o domingo e vida após a morte ou ‘desencarnação’, [sic!] são doutrinas pagãs ou de Lúcifer, [sic! Vá estudar sintaxe, companheiro!] eu dou um xeque na sua argumentação, pois vc até poderá expor algum fato histórico de que outros cristãos podiam acreditar nestas doutrinas, mas eu derrubaria dizendo que não seria doutrina de Deus, mas doutrina de Lúcifer, ou seja, não são doutrinas dos Apóstolos, são doutrinas que foram oficializadas na igreja pagã de roma [sic! – procura o significado de ‘sic.’, por favor]”.
      Que linguajar apaixonado e afetado! Pois bem. Vou te dar essa oportunidade de me ensinar sobre essas coisas. Primeiro, eu quero apenas ver que estarei sendo ensinado por alguém que é, no mínimo, honesto. A dona White afirma que o domingo foi instituído por Constantino. Vamos acompanhar as evidências para ver se isso procede? Depois que eu mostrar que isso é falso, quero ver você o assumir. Depois disso, discutiremos os demais argumentos. Pode ser? Aí você irá me provar com toda a impetuosidade e segurança que demonstras, dando um “xeque” na minha argumentação [a qual, diga-se de passagem, você nem conhece...]. Que tal?
      Esta tua frase: “Os temas 'a', 'b', 'c', 'd' e 'e' que vc está sugerindo, estão todos dentro do assunto 'doutrina'”, ficou confusíssima. Refere-se a quais temas? E o que quer dizer por ‘doutrina’?
      No mais são só ofensas pessoais, evasivas, a velha acusação de que estou fazendo meu jogo (já explicado, espero, no esquema acima) e um patético self-selling ostentando dominar dialética quando provavelmente não conhece lógica e evidentemente não sabe muita coisa de gramática (vide teus erros crassos de sintaxe). Claro, você pode provar o contrário me respondendo ao que iniciei perguntando: quais as tuas fontes de lógica.
      Se você for um fanfarrão, um palpiteiro pedante e malcriado, estará desmascarado. Caso não seja, mas antes seja um exímio debatedor, conhecedor tal como arroga, então tudo ficará bem, responderá às minhas perguntas , aceitará a proposta e prosseguiremos com o debate.

      Excluir
    29. E para poupar-me tempo de argumentação (e instrução de outros que possam estar lendo o debate), eis uma fonte em que eu provo o que estou, neste movimento, propondo: http://doutrinacalvinista.blogspot.com.br/2009/10/ellen-g-white-falou-verdade-parte-1.html

      Excluir
    30. mimimi demais... Perdeu a linha querido? Não sou pedante camarada, sou objetivo, sou direto, não me venha com conversa fiada, com conversa de criança mimada... Dei oportunidade de dialogo, sua teimosia e falta de sensatez levou um possível dialogo para um debate.
      Como é que, sendo professor, não consegue discernir a diferença de “objetividade” e “descarte”? Desde o inicio vc vem dizendo que faço red herring ou agora dizendo que quero descartar seu argumento... Para não dizer que vc está com má índole, tenho que dizer que é muita tolice ou Raciocínio lento, pois não é possível, vc não ter entendido, que minha pergunta do inicio, é uma resposta ao seu argumento e ao mesmo tempo um princípio de réplica.

      A criança não consegue ter discernimento e raciocínio lógico, por isso precisa de uma resposta que satisfaça seu ego?
      Pois bem!!! White diz que a oficialização cristã do domingo foi com Constantino, não necessariamente tem que ser a primeira evidencia de guarda, mas a “oficialização”, portanto demonstra ser um argumento “furado” e no mínimo, de má interpretação com o texto de White, ( nem digo que é má índole, pois quem sou eu para dizer isso, mas falta de sabedoria para compreender o proposto).
      Esta resposta que satisfaça seu ego, não é satisfatória para o resultado da questão, por isso já estava um passo a sua frente, fazendo uma pergunta para chegar a um ponto mais a frente nesta conversa, mas como vc não tem "tutano", preciso explicar nos mínimos detalhes para que entenda. Lamentável!!!

      Sério que vc segue manual de lógica e retórica?
      Precisa jogar no lixo seu manual, está muito lento em seu raciocínio.
      Respondi todas suas questões no início, não obtive respaldo argumentativo deste meu oponente, nem hombridade para aceitar minhas verdades.
      Pois bem!! Acirrou-se este debate meu caro, ou diríamos, acirrou-se o ego para demonstrar sua capacidade em debater, onde não a encontro, nem perspicácia.
      Tentei ser simplista no inicio, mas a arrogância do oponente sempre leva para um debate mais acalorado.
      Vc é quem sabe, a decisão de continuar é sua, nem penso, se me "dei bem no dialogo", se isso te incomoda, problema é seu e do seu ego, na verdade eu queria desde o inicio um dialogo e uma troca de conhecimento, vc quem levou para um debate acirrado.
      Se vc preza tanto seu estudo e graduação, digo p jogar no lixo tb, se está tão ansioso para saber onde aprendi a debater, não tem problema, eu digo: já debati com Ateus, Professores diversos, Cientistas (Refuto a Teoria da Evolução), Teólogos e não me impressiona graduação, pois a verdade é uma, é Cristo, para aceitar a verdade não precisa de graduação.
      Estando exposta a verdade, aceita-se ou recusa-se, simples assim.
      Minhas fontes de lógica? Sou graduado em Ciência da Computação, lógica pura, mas não é por isso que sustento minhas argumentações e sim pela verdade exposta.

      Excluir
    31. Vamos ao proposto:

      As respostas do próprio blog citado, já dão respaldo para refutação do mesmo. Expor um blog onde existem boas respostas, já refutando o texto, é no mínimo tolice. E ainda tem coragem de me dizer sobre sua argumentação: “a qual, diga-se de passagem, você nem conhece...”.
      “Enquanto sua lógica está indo, a minha já está voltando, sempre, desde o início, estou um passo a sua frente...”, já sabia, eu disse e repito, “argumento furado” e vc provou minha argumentação antecipada, com este artigo pífio do blog.
      Uma das respostas inicia-se:
      “A primeira evidência
      histórica concreta sobre a existência de cristãos observadores do domingo é encontrada somente
      na metade do segundo século de nossa era.
      (Se você tiver alguma evidência histórica concreta, mostre-nos a fonte! Bem, nós dois sabemos que essa fonte não existe, né? Nem nós, nem nenhum historiador, enciclopédia, ou outra coisa...)”
      Se a evidência da guarda do domingo é na metade do segundo século, então podemos definir o fato dos Apóstolos não guardarem o domingo, pois João morreu no primeiro século. Seu queridíssimo autor do blog, naturalmente saiu pela “tangente” ao não dar outras fontes e não publicar o outro comentário do mesmo autor da resposta, demonstrando falta de honestidade com quem acompanha as respostas... que patifaria!!!

      Mas já que quer aprender, vou expor alguns itens para sua apreciação.

      O Novo Testamento não tem um texto explícito identificando a guarda do sábado nem do domingo, portanto vou demonstrar com versos bíblicos que o sábado da lei não foi abolido, nem substituído.
      1Co 7:19; Rm 2:13; Tg 2:10-11; Jo 14:15,21; Ap 14:12; 1Jo 2:3-4; 1Jo 3:24.
      Quero saber qual verso bíblico diz que o domingo substitui o sábado?

      Mitraísmo antigo e Roma

      https://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%89dito_de_Constantino

      https://pt.wikipedia.org/wiki/Mitra_(mitologia)

      https://pt.wikipedia.org/wiki/Sol_Invicto

      Sei que Wikipédia não é a melhor fonte de informação, mas já dá um pouco de conhecimento.

      Neste site, encontra-se explicado as passagens bíblicas e históricas, com fontes citadas, da adoração de Roma ao paganismo, ao deus sol e a mudança cultural (não bíblica) do dia de sábado para o domingo.

      http://www.adventistas-bereanos.com.br/2006agosto/desmascarandoasfarsasdocristianismo3.htm

      http://www.adventistas-bereanos.com.br/2006agosto/desmascarandoasfarsasdocristianismo5.htm

      Se vc quer acreditar em uma instituição que se diz Cristã, mas continua seguindo costumes pagãos, problema é seu, os adeptos podem estar inocentes, sinceros e serem cristãos e terem fé em Jesus e em Deus, mas os lideres crêem em outro deus.

      Excluir
  2. Respostas
    1. Prezado irmão, não dixe de ver os links apontados no fim da postagem.

      Deus te fortaleça!

      Excluir
  3. Ufa. Irmão Luciano pensei que tivess tambem aderido aos ensinos da pitonida Ellen white, que susto mas como sempre brilhante nos comentários

    ResponderExcluir
  4. Ufa. Irmão Luciano pensei que tivess tambem aderido aos ensinos da pitonida Ellen white, que susto mas como sempre brilhante nos comentários

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ufa, vc pensou isso de mim?!?!

      Excluir
    2. Não se preocupe irmão Odair Viera, o dia do irmão Luciano Sena chegará!

      Excluir
  5. Olá Sr. Adventista

    Boa tarde

    A santa doutrina da imortalidade da alma e do Domingo não foram invenções da Igreja Católica Apostólica Romana, são duas doutrinas bíblicas. São doutrinas católicas sim no sentido da Santa Igreja Universal( Católica).

    Veja a Bíblia diz em Gênesis 2:7 que os ser humano é uma "alma vivente" e se é uma alma vivente logo é um ser que vive e se é um ser que vive logo tem que existir em si mesmo esse ser para que o mesmo efetivamente exista e viva. A crença mortalista argumenta que o ser humano é uma soma ou seja fôlego de vida + corpo. Ora isso não é ser alma vivente no conceito bíblica mas sim uma soma ou adição vivente e a Bíblia nunca cita a "alma vivente" como uma simples soma ou adição vivente mas sim como uma alma como sendo um elemento espiritual consciente em si mesmo e que define e identifica de forma objetiva o ser.

    O fôlego de vida um elemento inconsciente espiritual ao se juntar ao corpo um elemento inconsciente material jamais poderia formar um ser consciente.

    Na verdade os mortalistas,talvez sem perceber, creem em uma visão inexistencialista pois não existe um ser no processo.

    Um abraço

    Luiz

    ResponderExcluir
  6. "Entre 1831 e 1844, William (Guilherme) Miller - um fazendeiro e pregador leigo Batista, ex-capitão de exército da guerra de 1812 - após estudar a Bíblia, lançou o "grande despertar do segundo advento", o qual eventualmente se espalhou através do mundo cristão nos EUA. Baseado em sua própria interpretação da profecia das 2.300 tardes e manhãs, contida no livro bíblico de Daniel 8:14, Miller subtraiu o número 2.300 de 457, visto que em 457 a.C. Esdras chegou a Jerusalém para reconstruir o templo. E chegou à conclusão que Jesus Cristo retornaria à Terra dentro entre a primavera de 1843 e a primavera de 1844.

    O período passou e nada aconteceu. Ele e muitos de seus colaboradores, pastores de várias denominações, voltaram novamente ao estudo da Bíblia para descobrir o erro. Dentre eles Samuel Snow, chegou à conclusão da vinda de Jesus para 22 de outubro de 1844, portanto no outono, no dia 10 do sétimo mês quando ocorria a purificação do santuário, que naquele ano cairia em 22/10. Quando Jesus não apareceu, os seguidores de Miller experimentaram o que veio a se chamar "O Grande Desapontamento".


    Eu pergunto aos Adventistas➡ De acordo com
    Mateus 24:26,36, Lucas 21:8, Atos 1:6-7, Atos 17:31, 1Tessalonicenses 5:1-3, 1Pedro 3:10, etc (pediria aos interessados que abrissem suas Biblias)..... Pergunto➡ Em vista destas passagens, QUAL DOS DEZ MANDAMENTOS WILLIAM MILLER E ASSOCIADOS TRANSGREDIRAM QUANDO MARCARAM DUAS VEZES A DATA PARA O RETORNO DE CRISTO?

    Esperando resposta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado irmão Paulo Cadi, a papisa deu uma indulgência para Miller, por isso ele pode ter desonrado qualquer um dos dez, a "Tetzel" nunca chamou aquilo de falsa profecia, então na cabeça de seus seguidores, foi apenas um equivoco...

      Excluir
    2. Boa noite irmão Paulo Cadi, a paz do Senhor!

      Willian Miller era profeta?

      Miller poderia PROFETIZAR não sendo PROFETA e ainda em nome de DEUS?

      Segundo AMÓS, 3:7, MILLER errou em sua PROFECIA? MILLER era PROFETA irmão PAULO CADI? SE MILLER fosse PROFETA, eu concordaria com você! Mas qual foi a VISÃO, SONHO ou REVELAÇÃO que ele recebeu de DEUS para ser chamado de PROFETA?

      Irmão Paulo Cadi, quem MENTE, mente para ter algum proveito ou vantagem!

      Qual foi a VANTAGEM ou PROVEITO da "SUPOSTA MENTIRA de MILLER"?

      Que eu saiba, MILLER pode ter morrido precocemente por "DEPRESSÃO"!

      Qual teria sido a VANTAGEM ou PROVEITO de MILLER com a FAMIGERADA "MENTIRA"? A "DEPRESSÃO"?

      Abraços!

      Excluir
  7. Pois é, irmão Luciano, dois dos dez mandamentos estavam sendo transgredidos por William Miller e seguidores, entre os quais se encontavam James e Ellen White; E não é difícil descobrirmos...

    Um deles não será o terceiro mandamento, que proíbe tomar "o nome de Deus em vão?" Usar o nome de Deus em uma falsa profecia.

    E o outro, não será o nono mandamento que proíbe o falso testemunho?.... Ou seja, William Miller deu falso testemunho contra a palavra e para o povo, fazendo a palavra dizer o que ela não diz é ignorando Deuteronômio 29:29, onde diz que "As coisas encobertas pertencem a Deus, mas as reveladas (pelos profetas, Amós 3:7), a nós e a nossa semente eternamente." Deus revelou para William Miller, o dia, mês e ano da vinda do Senhor?

    Não foi Deus mesmo que disse para Moisés... "E, se disseres no coração: Como reconheceremos a palavra que Yahweh falou? Quando um profeta falar em nome de Yahweh, e a palavra não se cumprir, nem acontecer como foi falado, é porque Yahweh não falou esta palavra (pela boca do tal profeta). O profeta falou por arrogância; não o temerário (como tendo pronunciado a palavra de Deus, como seu emissário).

    Em Amós 3:7 Deus diz: "Certamente, o Senhor Deus NÃO FARÁ COISA ALGUMA, SEM A REVELAR AOS SEUS SERVOS, OS PROFETAS."

    O dia, mês e ano da vinda do Senhor não é um segredo completo com Deus? Como Miller e grupo sabiam? Deus revelou para ele? Miller era profeta? Se Deus tivesse revelado o dia, mês e ano da vinda do Senhor, não seria através de "estudos biblícos", mas pela revelação da palavra, e Jesus teria confirmado e vindo já na primeira data que ele (Miller) havia marcado em 1843.

    Se os Adventistas disserem que William Miller não estava transgredindo os dez mandamentos (quem transgride um jota ou til da lei, transgride todos) eles NÃO TEM O DIREITO MORAL DE ENSINAR OS DEZ MANDAMENTOS.

    Continua mais tarde....


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irmão Paulo Cadi, não entendi seu questionamento!

      Qual o problema em se PECAR?

      Por acaso o irmão PREGA em sua IGREJA que uma vez que a pessoa aceitou a JESUS ela nunca mais comete PECADO?

      O que seria?

      Excluir
    2. Alexandre, poderia ler estas passagens?

      Mateus 24:36 Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai.
      37 E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem.
      38 Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca,
      39 E não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem.
      40 Então, estando dois no campo, será levado um, e deixado o outro;
      41 Estando duas moendo no moinho, será levada uma, e deixada outra.
      42 Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor.
      43 Mas considerai isto: se o pai de família soubesse a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria minar a sua casa.
      44 Por isso, estai vós apercebidos também; porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis.

      Atos 1:6 Aqueles, pois, que se haviam reunido perguntaram-lhe, dizendo: Senhor, restaurarás tu neste tempo o reino a Israel?
      7 E disse-lhes: Não vos pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder.


      Atos 17:30 Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam;
      31 Porquanto tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do homem que destinou; e disso deu certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos.


      1 Tessalonicenses 5:1 Mas, irmãos, acerca dos tempos e das estações, não necessitais de que se vos escreva;
      2 Porque vós mesmos sabeis muito bem que o dia do Senhor virá como o ladrão de noite;
      3 Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão.


      2 Pedro 3:10 Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão.


      Apocalipse 16:15 Eis que venho como ladrão. Bem-aventurado aquele que vigia, e guarda as suas roupas, para que não ande nu, e não se vejam as suas vergonhas.


      Lucas 21:8 Disse então ele: Vede não vos enganem, porque virão muitos em meu nome, dizendo: Sou eu, ➡e o tempo está próximo. Não vades, portanto, após eles.⬅Sinal vermelho para William Miller, e para todos que tentaram descobrir aquilo que Deus não revelou (Deuteronomio 29:29).

      Alexandre, em vista destas passagens, você poderia nos dizer se Deus estava apoiando o ativismo religioso liderado por William Miller, o qual marcou duas vezes (1843-44) a data para a vinda do Senhor, e sem sucesso? Se na primeira vez (1843) não deu certo, porque ele insistiu? Era o Espírito Santo, o autor das passagens citadas acima (todos os crentes creem que sim) quem estava guiando e conduzindo William Miller em sua empreitada?

      Todos nós pecamos, é evidente!

      Mas eu lhe pergunto : William Miller e seguidores (ainda que foi uma liderança quem fez isto, mas a massa de seguidores apoiou) ao marcar a data para o retorno do Senhor, estavam transgredindo os mandamentos de Deus (principalmente o nono mandamento) ou estavam fazendo a vontade de Deus?

      Você poderia explicar pela Bíblia, como alguém pode estar fazendo a vontade de Deus (em vista das passagens acima citadas) estipulando datas para a vinda do Senhor, e ainda ensinando isto dentro da igreja?


      Excluir
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    4. Eu diria que o REAVIVAMENTO SIM, a marcação da data também, sobre o personagem envolvido também, mas o EVENTO não! Ele errou o EVENTO! Por que de alguma forma, ele ignorou estes versículos e concordo plenamente com você, mas nesse erro, parece que na visão dele, ele poderia ter encontrado algo supostamente não percebido por outros (e não concordo com ele também neste aspecto), mas como você e o Luciano Sena se tornaram especialista em ADVENTISMO. Se não me engano, você já publicou algo a este respeito por qual linha de interpretação ele teria se voltado e por que.

      Não, não poderia! Mas o fez achando que estaria certo por causa da tal interpretação comentada acima.

      Então, sua acusação de FALSO PROFETA, não procede, pois você mesmo sabe que ele não foi um PROFETA! Ele apenas interpretou de FORMA ERRADA, parte, não o TODO!

      E também não MENTIU, e muito menos para levar VANTAGEM e PROVEITO! Pois ele entrou em DEPRESSÃO após o DESAPONTAMENTO! Ou seja, ele acreditava em sua interpretação! E não levou nenhuma VANTAGEM, pelo contrário! Ele foi muito prejudicado por seu equivoco!

      Lembrando, que grande MULTIDÃO de VÁRIAS DENOMINAÇÕES acreditaram mesmo conhecendo os mesmos versículos citados por você!

      E acreditaram!

      Qual era mesmo a linha de raciocínio dele?

      Excluir
  8. Boa tarde irmão Luciano Sena, a paz do Senhor!

    Novamente esse assunto...

    irmão Luciano, admita... você não consegue viver sem os comentários do Sr Adventista não é mesmo?!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  9. Alexandre, você não respondeu o que lhe perguntei. Existe material (matérias) sobre a vida e obra de William Miller, onde o caso 1844 é abordado com mais detalhes, desde a conversão de William Miller, também quando ele começou a estudar as profecias de Daniel e a proclamar com antecedência, desde 1822, que dentro de 21 anos (1843) viria o grande dia do Senhor, para julgar o mundo. Também, como Miller começou através dos anos a ganhar a aceitação e simpatia de muitos líderes religiosos, sendo convidado a apresentar seus estudos sobre as profecias do livro de Daniel. É mostrado como ele desenhou (desenvolveu) os primeiros esquemas proféticos, e também como pessoas que foram fundamentais para o movimento se uniram a ele, como Joshua Himes e muito outros. Além disso, é mostrado que o principal responsável pela data de 22/10/1844, foi Samuel Snow, e que Miller assentiu a isto. O assunto é bastante extenso, e o Luciano fez um excelente trabalho de pesquisa em seu livro "A Conspiração Adventista."

    Você não respondeu o que lhe perguntei. Você disse que Miller errou o evento, mas não a data... Ou seja, a data estava certa, mas não tratava-se do fim do mundo, mas da entrada de Cristo no lugar Santíssimo do santuário celestial, para iniciar a obra de Juízo Investigativo (remissão de pecados).

    O que eu lhe perguntei está NA CAUSA DO PROBLEMA. NÃO NOS EFEITOS.

    Vou colocar as passagens de novo.

    Mateus 24:36 Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai.
    37 E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem.
    38 Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca,
    39 E não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem.
    40 Então, estando dois no campo, será levado um, e deixado o outro;
    41 Estando duas moendo no moinho, será levada uma, e deixada outra.
    42 Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor.
    43 Mas considerai isto: se o pai de família soubesse a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria minar a sua casa.
    44 Por isso, estai vós apercebidos também; porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis.

    Atos 1:6 Aqueles, pois, que se haviam reunido perguntaram-lhe, dizendo: Senhor, restaurarás tu neste tempo o reino a Israel?
    7 E disse-lhes: Não vos pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder.


    Atos 17:30 Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam;
    31 Porquanto tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do homem que destinou; e disso deu certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos.


    1 Tessalonicenses 5:1 Mas, irmãos, acerca dos tempos e das estações, não necessitais de que se vos escreva;
    2 Porque vós mesmos sabeis muito bem que o dia do Senhor virá como o ladrão de noite;
    3 Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão.


    2 Pedro 3:10 Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão.


    Apocalipse 16:15 Eis que venho como ladrão. Bem-aventurado aquele que vigia, e guarda as suas roupas, para que não ande nu, e não se vejam as suas vergonhas.


    Lucas 21:8 Disse então ele: Vede não vos enganem, porque virão muitos em meu nome, dizendo: Sou eu, ➡e o tempo está próximo. Não vades, portanto, após eles.⬅Este último versículo aqui, não tem nenhum valor para os seguidores de Miller! O Senhor Jesus disse que se vier alguém dizendo "Chegou o tempo" não se deve dar crédito, quanto mais marcar datas.

    Continua........

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irmão Paulo Cadi, a CAUSA é muito simples...

      A vontade de ver JESUS logo era tanta que MILLER ficou cego com a possibilidade do retorno do Senhor com a nova descoberta dos cálculos (certos), mas o evento errado (retorno de Jesus), mas até o personagem estava correto (JESUS), mas apenas a passagem de um RECINTO para o outro!

      Seria essa uma possibilidade da causa irmão Paulo Cadi?

      Pra nós hoje, é muito simples o acusarmos do erro!

      Mas mais uma vez digo. Como você e o irmão Luciano se tornaram especialistas na doutrina e história adventista, tire-me uma dúvida caso saiba: qual era o entendimento ou doutrinas das denominações na época sobre as 2300 tardes e manhãs? Você sabe? Eu não sei, mas se você souber, compartilhe conosco!

      Excluir
    2. Alexandre, você disse.... "" A vontade de ver JESUS logo era tanta que MILLER ficou cego com a possibilidade do retorno do Senhor com a nova descoberta dos cálculos (certos), mas o evento errado (retorno de Jesus), mas até o personagem estava correto (JESUS), mas apenas a passagem de um RECINTO para o outro!"

      Resposta ➡Todos os cristãos verdadeiros anseiam pela vinda do Senhor, mas o apelo à emoção, ao sentimento NÃO É ARGUMENTO BÍBLICO. Se você perguntar para um Mórmon, se a igreja dele é a verdadeira, ele dirá que sim, pois tem o testemunho em seu coração.

      Miller e seguidores descreram na palavra do Senhor e seguiram uma falsa luz, e Deus não confirmou sua falsa profecia. Ele não era profeta, por isso mesmo que não iria receber nenhuma revelação, quanto mais saber o dia, mês e ano da vinda do Senhor.

      O próprio Senhor Jesus afirmou....

      "Lucas 21:8 Disse então ele: Vede não vos enganem, porque virão muitos em meu nome, dizendo: Sou eu, ➡e o tempo está próximo. Não vades, portanto, após eles.⬅Este último versículo aqui, não tem nenhum valor para os seguidores de Miller! O Senhor Jesus disse que se vier alguém dizendo "Chegou o tempo" não se deve dar crédito, quanto mais marcar datas."

      Excluir
  10. Existem declarações de líderes cristãos, na época, advertindo as pessoas para não acreditar nos falsos ensinamentos que Miller estava promovendo, quanto a vinda do Senhor.

    Então, eu estou indo NA CAUSA. DESDE O COMEÇO QUANDO WILLIAM MILLER É ASSOCIADOS COMEÇARAM COM ESSE NEGÓCIO DE MARCAR DATAS PARA O RETORNO DO SENHOR ELES JÁ ESTAVAM ERRADOS, E DEUS NÃO TERIA NADA A VER COM AQUILO.

    Leia ali acima novamente, Lucas 21:8.

    Desde o início NA CAUSA, lá no começo, esse cidadão já estava indo contra a palavra. O movimento é herético desde o princípio. Os Adventistas querem justificar Miller buscando elementos NOS EFEITOS DO MOVIMENTO, que para eles, e somente para eles, são importantes.

    Mas como os líderes cristãos da época, advertiram, o movimento Milerita estava em pecado DESDE O INÍCIO.

    A Pergunta que eu lhe fiz e que você não respondeu, foi esta: Você poderia explicar pela Bíblia, como alguém pode estar fazendo a vontade de Deus (em vista das passagens acima citadas) estipulando datas para a vinda do Senhor, e ainda ensinando isto dentro da igreja?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha ai irmão Paulo Cadi, as coisas estão começando a clarear com seu texto:

      "Existem declarações de líderes cristãos, na época, advertindo as pessoas para não acreditar nos falsos ensinamentos que Miller estava promovendo, quanto a vinda do Senhor".

      Veja, isso é 100% verdade!
      Assim como um grupo aceitou a mensagem de MILLER, outros rejeitaram!

      Agora, hoje, será que teríamos condições de quantificar se a MAIORIA teria ACEITADO ou REJEITADO?

      Pergunto, por que, se o 2º advento de JESUS era tão consistente assim em relação a não marcar DATA (e creio que deveria ser), por que então a maioria das pessoas e denominações da época aceitaram? A não possibilidade de marcação da DATA é uma realidade e sempre foi, mas o que as denominações da época sabiam sobre o livro de DANIEL? E se não sabiam nada ou muito pouco? Entende o que estou colocando?

      Por que algo tão líquido e tão certo como a NÃO MARCAÇÃO de DATA, seria suplantada por algo que fosse totalmente conhecido (2300 dias) na época? Entende o que estou dizendo?

      Por isso, desconfio que na época, esse conhecimento era muito pouco conhecido, ou pouco difundido ou até mesmo inconsistente!

      Não consigo ver uma lógica e profunda compreensão de que se tinha pleno conhecimento tanto da NÃO MARCAÇÃO de DATA (que se tinha) e igualmente um profundo conhecimento e divulgação na época sobre as profecias de Daniel e de repente aparece um LUNÁTICO em convence a maioria das pessoas e denominações da época suplantando algo que era totalmente conhecido, líquido e certo, para depois seguir o suposto doido! Você está me entendendo irmão Paulo Cadi?

      Claro, isso é apenas uma reflexão minha, não tenho conhecimento nenhum sobre os fatos históricos da época!

      Caso você tenha, compartilhe!

      Excluir
    2. Alexandre, conforme o tempo se aproximava, Miller mudou sua predição original, de que a segunda vinda ocorreria "em ou antes de 1843", porque outros crentes do movimento estavam exigindo uma data mais específica.

      Sabendo que pela Bíblia seria impossível saber a data exata, Miller predisse que o segundo Advento ocorreria entre 21 de Março de 1843 e 21 de Março de 1844.

      Quando 21 de Março de 1844 passou, sem deixar rastros da segunda vinda do Senhor, muitos mileritas retornaram ao estudo das profecias, e daí tiraram "a evidência" de que a segunda vinda seria precedida por um "tempo de espera."

      Cristo, eles acreditavam, atrasaria seu retorno, de maneira a testar a fé de seu povo. Por volta de Agosto de 1844, os mileritas impacientavam-se esperando o breve retorno de Cristo.

      Empregando um método diferente de interpretação profética, o evangelista Samuel Snow, argumentou que o julgamento ocorreria em 22 de Outubro de 1844.

      Esta data se tornou, "a posição ortodoxa" do movimento, por uns dois meses, até que o tempo passou sem deixar nenhum rastro da vinda de Jesus.

      Os misérias descrevem a falha na posição de Snow, como o "Grande Desapontamento."

      Quer dizer, o que houve foi uma manipulação das escrituras, todo o tempo, desconsiderando o testemunho das escrituras contra a marcação de datas para a vinda do Senhor.

      Lembra-se? " A lei e ao Testemunho! Se eles não falarem segundo esta palavra, nunca verão a alva." Isaías 8:20.

      "Ele respondeu: Cuidado! Não vos deixeis enganar, porque muitos virão em meu nome dizendo: "Sou eu" (não dizendo que é Jesus Cristo, mas que é enviado da parte dele) e : CHEGOU O TEMPO. NÃO OS SIGAIS." Prestou atenção? Quanto mais seguir pessoas afirmando saber o dia, o mês e o ano da vinda do Senhor!

      Escrituras, como, Mateus 24:36-44; Lucas 21:8; Atos 1:6-7; Atos 17:30-31; 1Tessalonicenses 5:1-3; 2Pedro 3:10; Apocalipse 16:15, etc, não tem nenhuma autoridade para os Adventistas, porque além deles terem saído de um grupo que estava desobedecendo a palavra, continuam a justificar o êrro através de uma reinterpretação da data que resultou em uma doutrina que nega a completa e suficiente expiação que houve na cruz.

      A sua afirmação de que.... "e de repente aparece um LUNÁTICO, e convence a maioria das pessoas e denominações da época...." está longe da verdade e não tem comprovação histórica. Depois do chamado "Grande Desapontamento", os mileritas foram ridicularizados (e mereceram!) porque foram atrás de uma miragem, e NADA ACONTECEU.



      Excluir
    3. Correção: Onde diz... Os ➡misérias⬅ [ler em vez de "misérias", "mileritas"] descrevem a falha na posição de Snow, como o "Grande Desapontamento."

      Excluir
  11. Irmão Paulo Cadi, você disse:

    "A Pergunta que eu lhe fiz e que você não respondeu, foi esta: Você poderia explicar pela Bíblia, como alguém pode estar fazendo a vontade de Deus (em vista das passagens acima citadas) estipulando datas para a vinda do Senhor, e ainda ensinando isto dentro da igreja"?

    Pra você se sentir melhor com sua argumentação, vou lhe responder!

    Absolutamente "NÃO"!

    Mas meu entendimento sobre isso está no comentário acima!

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa coisa de ir CONTRA a PALAVRA não é exclusividade de MILLER!

      Todas as DENOMINAÇÕES estão alinhadas no ASSIM diz O SENHOR?

      Não, não é mesmo!

      Se fosse tão simples assim...

      Excluir
    2. Atos 1:6 Aqueles, pois, que se haviam reunido perguntaram-lhe, dizendo: Senhor, restaurarás tu neste tempo o reino a Israel?
      7 E disse-lhes: Não vos pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder.


      Atos 17:30 Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam;
      31 Porquanto tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do homem que destinou; e disso deu certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos.

      Se os mileritas tivessem crido nestas escrituras, a história seria diferente.

      Excluir
  12. Resposta ao debochado "Pedido de desculpas aos Adventistas do Sétimo Dia" do blog MCA

    Olá, irmão Luciano:

    O sectarismo está em:

    1) Apoiar a crença de que os mandamentos de Deus foram abolidos;

    2) Apoiar a crença de que no antigo testamento a salvação era pelas obras da Lei ao invés da graça manifesta por meio do sacrifício do cordeirinho;


    IMORTALIDADE DA ALMA

    A imortalidade da alma e o domingo, dentro do meio protestante, são crenças de origem católica, trazida para dentro do seio cristão por meio da união entre a igreja e o estado de Roma e que trouxe o paganismo para dentro da tradição da igreja.

    DOMINGO

    Em toda a Bíblia não há uma única linha ordenando a guarda do domingo ao invés do sábado.

    A colocação da tradição do domingo como uma doutrina foi feita antes do surgimento da igreja protestante, está devidamente registrada no catecismo romano.

    A SUBSTANCIALIDADE DIVINA

    A trindade cristã bíblica não considera Deus de uma substância fantasmagórica, da mesma essência que a imortalidade da alma atribui ao ser humano, etérea, vazia e sem forma.

    ERROS DOS PROFETAS

    A Bíblia registra erros dos profetas, derivados de sua vida comum. Embora a Bíblia registre erros destes profetas, não há equívoco doutrinário naquilo que os profetas ensinam. Os erros estão nas ações destes profetas ou naquilo que é de sua limitação humana e não nos ensinamentos passados a eles por Deus.

    Ellen White cometeu erros como pessoa, mas não errou nas profecias, nem em seus ensinamentos doutrinários que estão 100% em conformidade com as doutrinas bíblicas.

    Ellen White registra tanto os erros como os acertos tanto de si mesma quanto dos demais adventistas e apresenta uma gradual ampliação do conhecimento adventista acerca dos ensinamentos da Bíblia Sagrada até a formação de todas as suas doutrinas fundamentais, tendo como base de estudo nenhum outro livro senão a Bíblia Sagrada.

    A Bíblia é o único livro que Ellen White recomenda e suas obras estão todas embasadas na Bíblia. Ela nos ensina que devemos guardar toda a Bíblia, incluindo o sábado e ensinar tudo que há ali escrito, incluindo acerca do santuário terrestre que era o centro de adoração do povo israelita e uma figura do santuário celeste onde Deus habita, descoberta do grupo de adventistas após o desapontamento millerita.

    Esta era a espinha dorsal de ensino didático à Israel e continua sendo a espinha dorsal da igreja de Deus, por meio do seu cumprimento em Cristo, que hoje é nosso intercessor, sumo-sacerdote, juiz e advogado e que realiza sua obra em favor dos salvos e que durará até a Sua vinda.

    Diferente do livro de mórmons, dos livros de Allan Kardec, dentre outros, as obras de Ellen White ensinam a colocar a Bíblia como regra infalível, insubstituível, e seus livros, tanto do antigo quanto do novo testamento como irrevogáveis.

    CONTINUA em (2)...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CONTINUANDO em (2)...

      Considera as suas leis plenamente vigentes e que nenhum jota ou til jamais deve ser suprimido e que tudo que está ali escrito deve ser guardado e ensinado.

      Ensina também que nenhum outro livro deva ser colocado em pé de igualdade com a Bíblia, ainda que sejam seus próprios escritos.

      Deste modo ao invés de revogar o antigo testamento ou o novo testamento, como fazem algumas religiões, até mesmo alguns ramos do meio cristão, Ellen White ensina de que toda a Bíblia deve ser preservada e ensinada.

      E mais do que isto, crida e praticada.

      Ensina, que coisa alguma jamais foi revogada e que toda instrução bíblica continua plenamente válida.

      A IASD considera Ellen White uma profeta moderna, com autoridade não canônica, ou seja, que não agrega ensinamentos à Bíblia.

      Suas instruções servem para um período e propósito específico e que foi a formação da Igreja Adventista do Sétimo Dia.

      Seus livros porém, permanecem como testemunho dos eventos que ocorreram em torno de 1844 e permanecem como fonte de instrução, conselhos e ensinamentos acerca das doutrinas Bíblicas e em especial as profecias.

      O sábado, sendo o mandamento oficialmente cancelado da lei de Deus tanto no meio católico como no meio protestante, após ter dado lugar ao domingo, será o ponto controverso no tempo do fim, onde o cristão será provado mais uma vez segundo a sua obediência e fidelidade, como uma vez fora feito no Éden e por tantas vezes ao longo da história do povo de Israel.

      O propósito das obras de Ellen White é mostrar os ensinamentos bíblicos de forma clara e separada da tradição e ajudar o cristão a colocar em prática todos estes ensinamentos mesmo em meio ao período moderno de desenvolvimento no saber, aos quais Ellen White em muito contribuiu em vários ramos como a saúde, educação, finanças e vários outros assuntos.

      E a IASD surgiu porque Deus está preparando uma igreja visível, verdadeira, para restaurar a verdade jogada por terra e exaltar as verdades Bíblicas em meio à confusão religiosa que se estabeleceu no meio cristão.

      Esta igreja guarda todos os mandamentos de Deus e tem o Testemunho de Jesus. Ensina toda a Bíblia, do Gênesis ao Apocalipse e chama para fora o remanescente e apresenta a Bíblia e toda a Bíblia como normativa para a fé e conduta cristã.

      O conhecimento das verdades Bíblicas será essencial para a dura prova que todo o mundo haverá de enfrentar. Somente através dela, a Bíblia, saberemos se estamos seguindo a Deus, ou se estamos sendo enganados.

      Chega então o tempo de cada cristão deixar os ensinamentos e tradições de lado e que variam dentro das mais de 40 mil denominações hoje catalogadas, a fim de encontrar o denominador comum nas escrituras, como os adventistas uma vez fizeram.

      Estes encontrarão a verdade, ouvirão a voz de Deus e sairão da confusão religiosa.

      Deus tem um povo na terra, distribuído na várias denominações cristãs e até mesmo não cristãs. Estes são os que querem fazer a vontade de Deus e são fiéis a toda luz que receberam. Estes são os chamados remanescentes.

      CONTINUA em (3)...

      Excluir
    2. CONTINUANDO em (3)...

      São estes os que serão selados, com o selo do Deus vivo, que passarão pela grande tribulação e seu número é de uma grande multidão, incontável. Desde aquele que conheceu a Cristo em um sonho ou visão de Cristo no meio dos muçulmanos, até um índio cuja única forma de conhecer a Deus foi por meio da natureza. Até aquele cuja única lei foi a lei moral implantada em sua consciência e até mesmo aqueles que ouviram a voz do Espírito Santo em lugares onde um cristão, munido da Palavra de Deus jamais pisou.

      E todo o meio cristão irá se polarizar em dois únicos grupos. Aqueles que permanecerão fiéis a Deus sendo perseguidos por amor à Sua Palavra e aqueles que virarão as costas para Deus e Suas verdades perseguindo aqueles que decidiram permanecerem fiéis.

      Antes porém que tudo isto ocorra, Deus nos faz um último convite:

      "Dizendo com grande voz: Temei a Deus, e dai-lhe glória; porque é vinda a hora do seu juízo. E adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas." (Apocalipse 14:7)

      A Igreja Adventista do Sétimo Dia é aquela que traz a mensagem que carrega o selo do Deus vivo:

      "Lembra-te do dia do sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus; não farás nenhuma obra, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o teu estrangeiro, que está dentro das tuas portas. Porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo que neles há, e ao sétimo dia descansou; portanto abençoou o Senhor o dia do sábado, e o santificou." (Êxodo 20:8-11)

      "Tu, pois, fala aos filhos de Israel, dizendo: Certamente guardareis meus sábados; porquanto isso é um sinal entre mim e vós nas vossas gerações; para que saibais que eu sou o Senhor, que vos santifica." (Êxodo 31:13)

      O sábado é o selo que separa o povo de Deus das demais nações que não reconhecem a Deus como único Senhor:

      "Entre mim e os filhos de Israel será um sinal para sempre; porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, e ao sétimo dia descansou, e restaurou-se." (Êxodo 31:17)

      Por meio deste sinal, reconhecemos que Deus é o criador de todas as coisas. E mais, reconhecemos que Ele é o Senhor que nos santifica.

      (BY Sr Adventista)

      Referência:

      http://novamenteadventistas.blogspot.com.br/2016/06/resposta-ao-debochado-pedido-de.html

      Excluir
  13. Olá Alexandre

    Boa noite

    A imortalidade da alma é realmente de origem católica e isso é muito bom e muito correto pois a Igreja de Cristo é Católica agora se a Igreja Católica Apostólica Romana depois adotou tal crença então parabens para ela.

    A visão mortalista é inexistencialista pois não existe um ser em si e logo não existe alma vivente e na verdade os mortalistas não entendem Gênesis 2:7.

    Que Deus ajude a todos e todas mortalistas sejam adventistas do sétimo dia, testemunhas de Jeová e todos e todas que mesmo não sendo nem adventistas do sétimo dia e nem testemunhas de Jeová creem nessa doutrina e que compreenderem a santa doutrina da imortalidade da alma.

    Um abraço

    Luiz

    ResponderExcluir