sexta-feira, 7 de agosto de 2015

O Desafio de Azenilto – Como criticar as Testemunhas de Jeová e justificar a Igreja Adventista? – Parte 3

O autor do livro, O Desafio da Torre de Vigia, introduz na página 22 de seu livro o nascimento do “Russelismo”. Informa que o anteriormente protestante (presbiteriano e depois congregacional) Charles Russel, ouviu a pregação de um antigo milerita, não unido à Igreja Adventista do Sétimo Dia, pregar o retorno de Cristo novamente para outra data, 1874. Como aconteceu com a data de 1844, o Azenilto Brito afirma que eles “viram-se a braços com o novo desapontamento.” (P. 23).

Ocorreu depois disso, como consta a história relatada no livro em mira, que uma influência posterior de Nelson Barbour, que Cristo estaria presente desde 1874 invisivelmente. Valeu-se da tradução do termo grego “parousia”, conforme aparecia numa tradução de Benjamim Wilson. O sr. Azenilto então introduz uma afirmativa curiosamente comprometedora:

“Essa interpretação inédita no seio da cristandade foi pronto e aceita pelo Sr. Russel.” (p. 23).

E podemos perguntar, após o desapontamento de 1844: não foi também, a desculpa de uma entronização de cristo no santíssimo celestial a solução? E uma solução aceita de pronto, solução essa com uma interpretação inédita no seio do cristianismo? Sendo essa doutrina, única e exclusivamente da IASD?!

Outra coisa, diferentemente de Russel e Barbour, a reformatação deles não foi baseada em visões místicas, como foi o caso do Adventismo. O mesmo autor de Desafio da Torre de Vigia, foi tradutor do livro A História do Adventismo, que diz:

“O. R. L. Croiser evidentemente, a que visitassem alguns de seus vizinhos mileritas aos quais haviam ajudado a ganhar para Cristo, a fim de encorajá-los com sua nova confiança. Talvez para ganhar tempo eles tomaram um atalho em meio a um milharal ajuntado em grandes molhos. Enquanto atravessava o milharal, Edson nos conta: “Detive-me em meio ao campo. O céu parecia abrir-se-me à vista e vi distinta e claramente que em lugar de nosso Sumo Sacerdote sair do lugar Santíssimo do santuário celestial para vir à Terra [em 22 de outubro], ... Ele pela primeira vez entrava nesse dia no segundo compartimento desse santuário; e que Ele tinha uma obra para realizar no Santíssimo antes de vir à Terra... Num sentido muito especial a Igreja Adventista do Sétimo Dia nasceu naquele momento, naquele milharal, quando aquele fazendeiro contemplava a Cristo.” (A História do Adventismo, p. 49,50).

Depois, a profetisa Adventista, Ellen White também faz a mesma visão, ou segundo ela, recebe a uma visão, semelhante. A visão está no mesmo livro citado acima.

Portanto, nesse ponto, o Desafio de Azenilto foi vencido. Tratar a história daquele tema (1874 e Russel) com dois pesos e duas medidas. No caso TJ, acertadamente indica ele, foi uma farsa, por isso acabou em desapontamento a falsa profecia, e com posterior ‘remanejamento’... mas, no caso adventista, a orientação divina para a falsa profecia!!! Dois pesos e duas medidas...

Na página 24 me deparei com outra ‘indireta’ incongruente. O autor diz que não é verdade que as Testemunhas de Jeová não se dividiram. Algo que parece se ouvir entre os seguidores da Torre de Vigia. E nesse ponto, ele parece até mostrar que pessoas ‘dissidentes’ da Torre estão mostrando seus erros. ‘Não dá para entender’ qual o objetivo dessa informação. Se quando vemos o autor falando nas redes sociais, com críticos do adventismo, ele classifica com desdém os “dissidentes adventistas”?! Pode-se então divulgar o que D. Anderson, W. Rea, D. Ford, e tantos outros colocaram? Simplesmente a informação foi apenas para causar embaraço para os seguidores da Torre de Vigia, mas as implicações não são também pesadas pelo autor, olhando a sua denominação. Enquanto os de lá devem olhar a Torre de Vigia como a “única organização de Jeová”, qualquer opositor está contra o dono dessa organização... os adventistas devem olhar para a sua como a “igreja remanescente”, qualquer opositor, deve ser visto como se opondo contra Deus...

O retrovisor de Azenilto e a Dilma... [?!]

Nos dias das eleições presidenciais (2014), em um debate entre os candidatos Aécio Neves e a Dilma, ele disse que Dilma ficava “olhando para o retrovisor” em suas críticas. Em pouco tempo, Azenilto me disse que ‘eu era igual ela, e ficava olhando para o retrovisor, e lembrando do passado da IASD, quando ela ainda não estava muito decidida em torno da Trindade.’ Embora ele jamais interagiu com minhas informações sobre a crença do adventismo hoje a respeito da trindade, eu duvido que ele se lembrou do que escreveu no livro, O Desafio da Torre de Vigia, quando me disse aquilo. Perceba:

“Um estudo cabal das doutrinas das “testemunhas” requer que seja empreendido numa perspectiva histórica, analisando-se as origens de seus ensinos e as razões por que se fixaram. Obs: A ideia do Advento secreto, por exemplo, surgiu como explicação sucedânea ao desapontamento de Russel e seus associados em 1874. Para sustentar tal ponto de vista teve de contornar uma série de problemas na interpretação de várias passagens bíblicas: a ressurreição corporal de cristo teve de ser negada, o episódio da ressurreição dos justos foi reinterpretado segundo o ponto de vista do Advento secreto, etc.” (p.25).

Além de olhar para o retrovisor, ele não atinou, que tudo o que disse acima a respeito de 1874, aplica-se perfeitamente ao que a história nos conta a respeito de 1844 entre os adventistas.

1.      Foi uma explicação reajustando o desapontamento da data de 1844.
2.      Tiveram que fazer da ascensão de Cristo um ‘ministério bifásico’, com várias complicações bíblicas especialmente com a carta de Hebreus.

E o retrovisor não parou!!! Na página 26 ele se propõe fazer, mais adiante no livro, um estudo detalhado do livro O Mistério Consumado de 1917. Perceba que esse livro as Testemunhas não usavam em 1992 [data do livro de Azenilto], na verdade desde os dias que 1914 entrou em cena, no valor doutrinário da seita, por volta dos anos 30. Substituído nesta década pelo livro Luz, depois na década de 60 pelos livros Caiu Babilônia – O Reino de Deus já domina e Cumprir-se-á, então, o Mistério de Deus. E por fim, em 1988 pelo livro Revelação – Seu Grandioso Clímax está Próximo! (Testemunhas de Jeová - Proclamadores do Reino de Deus, p. 148).Todos esses, demarcando as interpretações do livro de Apocalipse da liderança dominante na época, e sendo propagado como “nova luz de Jeová” .

Mesmo assim, o cavaleiro do Desafio da Torre, olha para o retrovisor! E ainda admite:

“Um convite para recapitular a história da organização para comprovar ser um “profeta” de Deus, com base em O Mistério Consumado é surpreendente. Dito livro continha vários ensinos e interpretações proféticas hoje rejeitados por esse mesmo grupo, de supostos profetas que outrora difundia.” (p. 26).

Agora entendo por que o sr Azenilto, jamais topou fazer uma avaliação da doutrina da “Igreja Remanescente” com a história da doutrina de Deus/Trindade, entre eles! Entendo, pois o argumento é válido e, pelo que parece, destrutivo.

O capítulo primeiro do livro O Desafio da Torre de Vigia, termina com questionamentos tendo por base as várias mudanças doutrinárias que a seita da Torre de Vigia produziu na história. Azenilto Brito, questiona a credibilidade das mudanças, tendo a chancela propagada pela seita como sendo o povo de Deus e ‘profeta de Deus’.

Sabe-se que, mesmo após a organização da IASD ela continuou tendo mudanças. Ellen White mesmo foi responsável por algumas delas, porém bem cedo na história adventista, que cabe-se até a compreensão. Olhando, no entanto, para a doutrina de Deus, a natureza de divina de Cristo, sua natureza humana santa, percebemos que as mudanças ocorreram, muito tempo depois. Até mesmo a doutrina da trindade e da divindade, precisou de pressões para ser modificada, talvez mais fortemente após a morte do filho de Ellen White, Guilherme White. As Testemunhas de Jeová, pelo que se sabe, mantém as mesmas doutrinas a respeito do falso de Deus que defendem desde os seus primórdios.

Para o momento, apenas duas provas documentadas em fontes adventistas atestam isso:


“Essa década [1940], por exemplo, testemunhou esforços da parte de alguns de “purificar” e fortalecer as publicações adventistas. Três áreas ilustram essa tendência. A primeira diz respeito à Trindade. Como já observamos em capítulos anteriores, os pioneiros adventistas, eram em termos gerais, atitrinitarianos e semi-arianos.” (Em Busca de Identidade, p. 157).



“O judaísmo, o islamismo, as testemunhas de Jeová e o adventismo não-trinitariano inicial sempre tenderam a ressentir-se da falta de uma clara doutrina de justificação pela graça baseada nos mistérios da justiça divina. Foi apenas quando o adventismo começou a emergir de sua compreensão não-trinitariana da divindade de Cristo que passou a encontrar clareza na justificação somente pela graça mediante a fé. Parece que constituir uma lei de história sagrada que, a menos que os crentes adquiram uma compreensão mais profunda da plena divindade de Cristo, a salvação somente pela graça através da fé não consegue desempenhar-se muito bem.” (A Trindade, p. 284).

111 comentários:

  1. Excelente artigo, parabéns meu irmão que Deus continue abençoando você e sua família.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O artigo não está plenamente entendível.

      O irmão Paulo_furtado poderia me explicar?

      Excluir
  2. Esse adventista, não e humildade mesmo quer refutar essa materia faça me um favor , excelente artigo

    ResponderExcluir
  3. Não sei como uma pessoa pode defender tanto a seita como esse Sr adventista. Cério absurdo!

    ResponderExcluir
  4. É triste ver a forma tendenciosa como agem os adventistas e as TJ ao defenderem suas respectivas seitas. Lamentavelmente, muitos estão sendo enganados por esses movimentos e não conseguem se voltar para o que a Bíblia realmente ensina. Nenhum sectário analisa a Bíblia com profunda sinceridade, pois ele precisa se manter fielmente comprometido com os falsos dogmas de sua seita. Mas creio que devemos evangelizar os sectários, como você tem feito através deste site, irmão Luciano. Muitos eleitos de Deus ainda estão entre as seitas e precisam ser alcançados para o verdadeiro evangelho.

    ResponderExcluir
  5. Há pessoas que pregam de que os mandamentos de Deus foram abolidos.

    A estas, odair vieira, ferroefogo, sales santos, com o consentimento de Luciano Sena conferem o carimbo de:

    ORTODOXOS!

    Há pessoas, porém, que pregam de que os mandamentos de Deus são eternos e que recebem por estes mesmos o carimbo de:

    SECTÁRIOS!

    Porém analisando a opinião das várias igrejas, percebemos de que aqueles que pregam a eterna validade dos mandamentos é que são os considerados verdadeiramente ortodoxos.

    Junto com os quais respondemos:

    "Mas confesso-te isto que, conforme aquele caminho que chamam seita, assim sirvo ao Deus de nossos pais, crendo tudo quanto está escrito na lei e nos profetas." (Atos 24:14)

    A crença na trindade:

    A crença na trindade é uma fruto herdado de muita luta e disputa bíblica. É uma vitória e conquista pessoal da igreja e não algo herdado! O que comprova a sua sinceridade em seguir os mandamentos de Deus a todo custo. Ainda que contrariando a opinião de alguns de seus fundadores. O que mostra de que os adventistas se fiam na Bíblia e não em sua própria patrística.

    Algumas mentiras pregadas pelos que nos acusam de sectarismo:

    De que alguma vez em sua história a igreja tenha oficialmente rejeitado a doutrina da trindade (a fim de ter como acusá-la de sectária ainda que nalgum tempo de sua história).

    O que as fontes primárias nos mostram porém, é de que o anti-trinitarianismo nunca chegou a ser algo oficialmente imposto.

    A trindade se mostrou como uma questão em aberto, quando da fundação da IASD por meio de doutrinas fundamentais!

    Com estudo o resultado, a crença oficial, e que veio a fazer parte das nossas crenças fundamentais é esta:

    "2. A Trindade
    Há um só Deus: Pai, Filho e Espírito Santo, uma unidade de três Pessoas coeternas. Deus é imortal, onipotente, onisciente, acima de tudo, e sempre presente. (Deut. 6:4; 29:29; Mat. 28:19; II Cor. 13:13; Efés. 4:4-6; I Pedro 1:2; I Tim. 1:17; Apoc. 14:6 e 7)."

    http://novamenteadventistas.blogspot.com.br/2012/12/igreja-adventista-do-setimo-dia-crencas.html

    Todas as crenças constantes na Igreja Adventistas do Sétimo Dia e herdadas da ortodoxia, vieram por meio de validação e não por herança.

    Assim, as crenças compartilhadas com seus próprios fundadores, também vieram por validação e não por herança.

    Isto, longe de contrariar, pelo contrário, atesta a firmeza de suas doutrinas e o compromisso da igreja com a Bíblia e unicamente a Bíblia.

    Fossem as pessoas de nossa denominação, e não a Bíblia, a normativa de nossa fé, hoje seríamos ainda dominguistas, crentes na imortalidade da alma, doutrinas herdadas da Igreja Romana e que não foram biblicamente validadas pelo protestantismo.

    Hoje teríamos parte crente na trindade e outra parte descrente, sem um consenso. E assim como Ellen White, hoje um adventista comeria apenas carne e pão branco.

    Mas porque a Igreja Adventista do Sétimo Dia, mesmo após sua fundação, passou por continuada reforma e isto inclui a pessoa de Ellen White, é que a IASD é o que vemos hoje!

    (...)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sábado, morte como um sono, trindade, foram apenas algumas das conquistas da igreja, graças a seu continuado estudo e compromisso com a Bíblia.

      Somos uma igreja de crenças ortodoxas?

      Sim somos! Mas tão somente porque tais crenças passaram pela validação segundo os estudos baseados na Bíblia Sagrada!

      Não por influência de Ellen White, mas doutrinas como a Trindade foram fundamentadas mediante continuado e prolongado estudo, até que se tivesse a plena certeza acerca de tais doutrinas.

      E assim ocorreu com diversas crenças, alheias às nossas doutrinas fundamentais. E ainda hoje os estudos permanecem sobre diversos assuntos, assim como as divergências que nunca precisaram serem colocadas como disputas dentro da IASD.

      O bom conceito de respeitar as opiniões dentro da IASD, possibilitaram a solução de divergências sem a necessidade de disputas e divergências entre membros, mantendo a união.

      O simples ato de incentivar o estudo da Bíblia, em um contato direto e particular conseguiu, com o tempo ,filtrar aquilo que provinha unicamente de opinião e influência humana, permitindo que a verdade por si mesmo se exaltasse entre os adventistas.

      Se isto é ser sectário, então será neste caminho a que chamam de sectário que serviremos a contento o Deus de Paulo, crendo em tudo que há contido na lei e nos profetas. Ao invés de tradições como era na religião dos judeus, na época de Paulo.

      Hoje, a igreja tem apenas seguido para o outro extremo! E se antes se guardavam os mandamentos de forma fanática, há hoje os que se propõem à abolição dos mandamentos de Deus e isto, jamais ocorrerá dentro da Igreja Adventista do Sétimo Dia.

      Então, boa sorte com sua "mortodoxia" queridos irmãos abolicionistas. Porque se o objetivo é matar os ensinos da lei de Deus, estão pelo menos tentando fazer isto a contento.

      Quanto a mim, repito as palavras do profeta em Salmos 119:115.

      Um abraço, queridos irmãos!

      Excluir
  6. Respostas
    1. "??????" [2]
      O assunto é suco de laranja, o cara vem com parafuso com sal, em som de MPB, divagando sobre as ondas do mar...

      Excluir
    2. "??????" [3]

      Bem, irmão Luciano Sena, laranjada poderia definiria bem o artigo, porque:

      "O artigo não está plenamente entendível." (eufemismo)

      Conforme disse em:

      http://mcapologetico.blogspot.com/2015/08/o-desafio-de-azenilto-como-criticar-as.html?showComment=1438998555117#c2002894729458908375

      Então, antes de tratarmos detalhadamente o "parafuso com sal, em som de MPB", vamos tentar entender este artigo?

      "Algo que parece se ouvir entre os seguidores da Torre de Vigia. E nesse ponto, ele parece até mostrar que pessoas ‘dissidentes’ da Torre estão mostrando seus erros. ‘Não dá para entender’ qual o objetivo dessa informação."

      ?????

      Por favor, explique-me esta parte irmão Luciano.

      A pergunta:

      "Se quando vemos o autor falando nas redes sociais, com críticos do adventismo, ele classifica com desdém os “dissidentes adventistas”?! Pode-se então divulgar o que D. Anderson, W. Rea, D. Ford, e tantos outros colocaram? "

      E a resposta:

      "Simplesmente a informação foi apenas para causar embaraço para os seguidores da Torre de Vigia, mas as implicações não são também pesadas pelo autor, olhando a sua denominação."

      ?????

      Prosseguindo:

      "Enquanto os de lá devem olhar a Torre de Vigia como a “única organização de Jeová”, qualquer opositor está contra o dono dessa organização..."

      ????

      E continua:

      "os adventistas devem olhar para a sua como a “igreja remanescente”, qualquer opositor, deve ser visto como se opondo contra Deus..."

      ????

      O irmão então disse:

      "O retrovisor de Azenilto e a Dilma... [?!]"

      Estaria então o irmão fazendo uma paródia com aquela fala que virou meme na internet?

      "Nós não vamos colocar uma meta. Vamos deixar uma meta aberta. Quando a gente atingir a meta, vamos dobrar a meta". (Dilma)

      Pois estou tentando abstrair entendimento de partes como esta contidas no artigo do irmão, porém, continuo ainda "divagando sobre as ondas do mar" ao tentar interpretá-las, sem poder contar com a ajuda dos irmãos Paulo_furtado e Odair Vieira, e que consideraram o artigo excelente!

      Excluir
    3. Então, supondo que o irmão, agora, tenha entendido minha dificuldade, e o motivo de eu estar "divagando sobre ondas do mar" tratemos do "parafuso com sal, em som de MPB".

      Temas abordados:

      O sectarismo atribuído à Igreja Adventista do Sétimo Dia, no comentário de Sales Santos.

      http://mcapologetico.blogspot.com/2015/08/o-desafio-de-azenilto-como-criticar-as.html?showComment=1439040209511#c6071076174402079221

      O não trinitarianismo presente em fundadores do adventismo.

      [o conteúdo textual está logo ao lado da imagem, vide:

      http://3.bp.blogspot.com/-9aCJoKQqZUw/VcTiHRfJVlI/AAAAAAAABws/ijm19l32c5U/s200/download%2B%25282%2529.jpg ]

      E o desenvolvimento desta e outras doutrinas, segundo o trecho constante logo ao lado da imagem do livro, vide:

      http://2.bp.blogspot.com/-_uJGoDRFqOk/VcTh9UxTFGI/AAAAAAAABwk/-u6vkfv3WDc/s200/download%2B%25281%2529.jpg

      No qual, em consideração deixei uma resposta às críticas.

      Onde também elaborei algumas críticas, contrapondo a questão da trindade (que foi aceita pelos adventista) com a questão da lei (que não é aceita por abolicionistas).

      Onde a ausência de um, ou ambos, é considerado como indício de sectarismo, pela comunidade cristã ortodoxas.

      No que a IASD hoje, tem sido carimbada por sectária, por parte de abolicionistas da lei, ainda que tenha a doutrina da Trindade oficialmente reconhecida. Enquanto que tais abolicionistas, continuam a renegar os mandamentos de Deus, sendo porém carimbados como ortodoxos, ainda que reneguem os mandamentos de Deus.

      O qual o fazem aqui, colo aqui a afirmação:

      "com o consentimento de Luciano Sena".

      As igrejas, batistas, metodistas, presbiterianas, assembleia de deus e todas as demais, ditas ortodoxas, aceitam e firmam fé na trindade através de suas crenças oficiais.

      Porém, dentro destas igreja, há cristãos que, contrariando a própria fé oficial de suas igrejas, tem pregado por aí de que os mandamentos de Deus foram abolidos!

      Então, a Igreja Adventista do Sétimo Dia, onde lemos em suas crenças oficiais, a crença na trindade, é considerada pelos irmãos como sectária, mas cristãos separados da crença oficial de suas igrejas e que pregam a abolição dos mandamentos, são considerados pelos irmãos como ortodoxos?

      E nestas horas, o calvinista deixa de ser calvinista! Some-se a tal "guerra calvinista pela verdade".

      E então o que acontece?

      Vai lá o adventista fazer o trabalho que deveria ser do calvinista que sustenta este blog, em ensinar aos irmãos de que os mandamentos de Deus não foram abolidos, de que esta é uma visão equivocada da Bíblia e que a ortodoxia não admite uma descrença deste tipo, mesmo nos dias de hoje onde certas "teologias" modernas tem estado em moda.

      Então pergunto:

      Se algum dia me tornasse calvinista, teria que passar a mão na cabeça daqueles que dizem de que os mandamentos de Deus foram abolidos?

      Excluir
  7. E devemos nos perguntar, e refiro-me a todos que participam deste blog, o que seria necessário à IASD, para que esta então pudesse ser enquadrada na categoria de ortodoxa, tanto por calvinistas como Luciano Sena quanto abolicionistas da lei que participam dese blog?

    - Continuaríamos crendo na validade dos mandamentos. Sim porque o calvinismo crê na validade dos mandamentos.
    - Continuaríamos crendo no sábado. Sim porque os sabatistas do sétimo dia creem na validade do sábado.
    - Continuaríamos a crer no dom profético. Sim porque os evangélicos continuam a crer no dom de profetizar.
    - Continuaríamos crendo na trindade.
    - Continuaríamos crendo no juízo, mas subtrairíamos ali, a sub-doutrina da parte investigativa, a do pré advento.
    - Creríamos mais ou menos na doutrina do Santuário, uma vez que hoje, diferente de meados de 1844, muitas igrejas já admitem, mesmo que não oficialmente, a existência de um santuário no céu e atribuem a Cristo o cargo de Sumo-sacerdote.
    - Continuaríamos crendo que Miguel é um título honorífico de Cristo, porque Calvino e Mattew Henry, considerados ortodoxos, bem como outros, assim o criam.
    - Continuaríamos crendo que Azazel é uma referência a satanás, porque muitos teólogos e que eram considerados ortodoxos, assim também o criam e assim cre, popularmente, boa parte da comunidade cristã.
    - Continuaríamos crendo de que a morte é como um sono, porque Oscar Cullmann, considerado uma das maiores, senão a maior autoridade em novo testamento, assim também descreu da imortalidade a alma, como tantos outros estudiosos, e nem por isto foi chamado de herege ou sectário.
    - O sábado teria que ser guardado de uma forma mais light, para se parecer mais com o domingo e não ser considerado legalista.
    - O nome de Ellen White teria que ser tirado da crença sobre o dom profético, no que então se tornaria uma pessoa apenas "iuminada" como assim descreve o nosso irmão dirigente do ia-cs.

    ENTRETANTO:

    Também seríamos considerados ortodoxos se:

    - Decidíssemos não guardar dia algum, nem sábado, nem domingo.
    - Decidíssemos abolir os mandamentos.
    - Revogássemos as regras de saúde e passássemos a comer porco e rato.
    - Ao invés de estudar a bíblia, começássemos a utilizar nossos cultos para falar línguas estranhas, cair no espírito.
    - Praticássemos unção de todo o tipo, especialmente a nova que traz emagrecimento.

    Dentre outras práticas como:

    - Girar em torno de si mesmo com as mãos para trás.
    - Praticar exorcismos em todo o culto.
    - Pregar por meio de berros;
    - Orar em meio a gritarias;
    - Executar louvores ao som de rock pesado.
    - Bater palmas enquanto pastores dançam em cima do púlpito.

    Então pergunto aos comentaristas Odair Vieira, Sales Santos e ferroefogo:

    Isto aí em cima é ortodoxo queridos irmãos?

    ResponderExcluir
  8. O que é então considerado como ser ORTODOXO na visão dos irmão?

    Questões de doutrinas vimos que, essencialmente, não é!
    Questões de comportamento, essencialmente, também não é!

    Suponhamos então que seja A ORIGEM!

    Neste âmbito, segundo o que tenho lido na apologética brasileira, uma seita herética pode surgir de:

    a) Um líder que prega ser o Cristo ou um imediato com equivalente autoridade e que veio à terra;

    b) Um falso profeta, que recebeu visões e revelações, trazendo uma nova regra de fé escrita que substitui as Antigas e Novas Escrituras, ou ambas.

    c) Mitos;

    Na categoria a) tenho visto apologistas enquadrarem tanto seitas radicais, que existem desde sempre, quanto a ICAR.

    Na categoria b) tenho visto enquadrarem tanto seitas menos radicais, quanto os mórmons.

    Na categoria c) tenho visto enquadrarem tanto seitas mais reservadas, quanto Maçons.

    Como não levo em consideração opinião de terceiros, gostaria de ouvir do irmão Azenilto se este teria enquadrado os irmãos TJs na categoria c) de se baseariam em mitos, como deu a entender o artigo de Luciano Sena.

    Porém, noto que Luciano Sena tem tentado enquadrar a IASD em todas estas três categorias!

    Sendo a mesma investida que temos notado por parte da categoria de ativismo anti-adventista que se instalou aqui no Brasil. A qual, em meu trabalho que já existe a alguns anos, tenho me aproximado ao ponto de origem.

    Porém,deixando isto de lado, fato é que a Igreja Adventista do Sétimo Dia não poderia ser encaixada em nenhuma destas categorias, quanto menos todas as três juntas!

    E por que? Por exemplo:

    Miller jamais se colocou naquela posição que há contida no ponto a). Jamais se considerou como um Cristo ou um imediato de Cristo com poder e autoridade aqui na terra.

    Ellen White jamais se enquadrou naquela posição que há contida no ponto b). Jamais considerou seus escritos como uma substituta da Bíblia.

    A igreja Adventista jamais se enquadrou naquela posição que está contida no ponto c). Suas doutrinas são inteiramente fundamentadas na Bíblia.

    (...)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E se por um lado haveriam falsos profetas, por outro haveria novamente um verdadeiro profeta (no mínimo um a fim de haverem o verdadeiro e os falso. A Bíblia jamais declarou de que não haveriam mais profetas).

      E sendo que igrejas falsas poderiam surgir, a igreja verdadeira, onde estaria este verdadeiro profeta, também deveria surgir.

      E se por uma lado haveriam sectários seguindo outra regra de fé e tendo um falso profeta ao lado deles, por outro haveriam os remanescentes, seguindo a Bíblia e tendo um verdadeiro profeta a apoiá-lo.

      E o que há de mais peculiar entre o que ensina a IASD e o que ensinam outras igrejas que também se consideram como a igreja verdadeira?

      O fato de a mensagem adventista abranger TODA a cristandade, considerando como remanescente e parte da da igreja verdadeira, todo aquele que é um sincero filho de Deus e que é fiel à luz que recebeu, independente da denominação a qual pertença ou se frequente de fato alguma igreja.

      Assim há remanescente tanto na Católica, quanto na Batista, quanto na Testemunha de Jeová, quanto na Presbiteriana, quanto na Espírita. Porque não há limite de alcance da graça de Deus!

      E no que depender da adventista, a mensagem que recebemos será levada a todos estes. Para que estejam preparados para os acontecimentos que estão às portas. E para que tenham oportunidade de se unir à igreja profética surgida à partir do desapontamento e assim, juntos, terem um povo preparado para a volta de Cristo. Em um mundo que se dividirá entre aqueles que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus e aqueles que, ou não guardam os mandamentos de Deus, ou não guardam a fé em Jesus.

      Diante da difícil prova que está por vir:

      "Dizendo com grande voz: Temei a Deus, e dai-lhe glória; porque é vinda a hora do seu juízo. E adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas." (Apocalipse 14:7)

      Esta é uma das três mensagens angélicas.

      Excluir
  9. A primeira coisa que deve ser pontuada é que, os ASD não existiam até que um itinerante pregador Batista de nome William Miller "profetizou" que o Senhor Jesus retornaria em 22 de Outubro de 1844, MAS ELE NÃO VEIO.

    Milhares de seguidores de Miller venderam suas casas, abandonando todas as suas possessões terrenas, e ficaram completamente desapontados quando Jesus não veio.

    Para salvar a cara, foi sugerido que talvez Miller tivesse interpretado mal a profecia de Daniel 8:14, e que o evento esperado tivesse tomado lugar no céu.

    Foi isto que ficou estabelecido. Assim, uma nova seita surgiu e foi lhe dado o nome de Adventismo do Sétimo dia.

    Não há absolutamente nada na Bíblia que apoie tal doutrina bizarra, como é a do Juízo Investigativo. Pela manipulação de números e datas na Bíblia qualquer um pode predizer o que quiser, e depois do "mico" arranjar as justificativas para sua própria satisfação.

    As Testemunhas de Jeová, tem sua maneira de manipular a Bíblia para faze-lá encaixar em suas falsas doutrinas.

    Deve ser salientado que a igreja ASD NÃO EXISTIA antes da fracassada profecia de William Miller. Porquê SOMENTE Miller e seus seguidores acreditavam que Cristo voltaria em 1844?

    A própria maneira em que a igreja ASD veio à existência é irrefutável prova de que o adventismo é uma religião fabricada por homens.

    Na página 15 do Manual da Igreja diz: "Em 1844, no final do período profético dos 2300 dias, Ele entrou na segunda e última fase de seu ministério de expiação."

    Não há absolutamente nada nas Escrituras Sagradas, onde seja ensinado tal disparate. Ainda, o maior disparate é a ridícula afirmação de que a "segunda fase" começou em 22 de Outubro de 1844.

    Na página 15 do Manual da igreja ASD diz: "È uma obra de julgamento investigativo que é uma parte da disposição final de todo o pecado..."

    O Manual ASD mente. 1 Jo.1:7 diz: "Mas se nós andamos na luz, como ele está na luz, temos comunhão uns com os outros, E O SANGUE DE JESUS CRISTO SEU FILHO NOS PURIFICA DE TODO O PECADO."

    O sangue de Cristo faz uma purificação contínua dos pecados confessados, e não o contrário, enchendo o santuário celestial de pecados como ensina a bizarra doutrina do Juízo Investigativo.

    Continua depois......

    ResponderExcluir
  10. Para salvar a cara, foi sugerido que talvez Miller tivesse interpretado mal a profecia de Daniel 8:14"

    Nesta parte o irmão está proferindo julgamento! Despindo-se de suas vestes cristãs e avaliando o coração daquelas pessoas e ainda de forma generalizada.

    Isto é muito grave querido irmão.

    Muitos neo-ateus, ao estilo do "porta dos funtos", de forma escarnecedora, ao tratar da morte de cristo, sugerem que os cristão se desapontaram com um falso deus quer viria para salvar os judeus, mas que acabou morrendo e que para "salvar a cara" teriam inventado uma ressurreição.

    É o mesmo tipo de julgamento que o irmão tem feito para como os desapontados, querido irmão.

    Todos os apóstolos e discípulos de Jesus se desapontaram ao perceber de que aquilo que esperavam, a vinda do reino de Cristo em Glória naquele tempo, não aconteceu! Este desapontamento foi fruto de uma má compreensão da missão do messias.

    Cristo sabia que seus seguidores tinham uma compreensão equivocada acerca de sua vinda, mesmo assim não revelou-lhes a verdade imediatamente.

    Não se poderia frustrar as expectativas daquelas pessoas, sem que antes vissem o propósito real de Sua vinda, para que tivessem em que se firmarem.

    De forma semelhante isto ocorreu com os milleritas, que posteriormente, entenderam o propósito daquele movimento de reavivamento. Assim como os apóstolos e discípulos de Cristo, posteriormente, entenderam o propósito da primeira vinda de Cristo.

    Os apóstolos de Cristo foram vistos como sectários, seguidores de um Jesus que afirmava ser o messias. Dor e vergonha acometeram os seguidores de Cristo, quando o reino esperado não veio e Cristo morreu.

    Concordará então o irmão com neo-ateus, de que para "salvar a cara" os discípulos se Jesus teriam inventado uma ideia de que o Cristo morto haveria ressuscitado?

    Não é assim que as coisas funcionam querido irmão!

    A consciência de uma compreensão errada de toda ou parte das escrituras, acerca da missão de Cristo, foi algo que os discípulos de Jesus tiveram que enfrentar, por um período de tempo não muito diferente dos milleritas desapontados.

    E há fatos que não podemos ignorar:

    Aquela comoção do segundo grande reavivamento, não foi algo natural. Algo sobrenatural sobreveio a todo o mundo e as pessoas realmente voltaram a estudar a Bíblia como que entendendo de que algo importante estaria para acontecer naquele tempo.

    Aquelas eram as dores do parto para o surgimento da igreja profética que restauraria as verdades Bíblicas deitadas por terra.

    E assim como o legado apostólico se constituiu quando do reaparecimento de Cristo trazendo revelações a seus discípulos sobre Seu ministério. Assim também o legado da igreja que prepararia um povo para o real advento, se constituiu quando Cristo, através de seu testemunho, trouxe revelações àquele povo sobre o seu ministério. Revelações nada novas e que sempre houveram contidas nas Antigas Escrituras.

    E assim como Cristo passou da condição de Cordeiro recém sacrificado para a condição de sacerdote no ano de sua ascensão, em 1844 Cristo passa para a última fase de seu ministério, no santuário celestial.

    Toda aquela comoção da expectativa do reavivamento não foi por acaso. Semelhante expectativa ocorria antigamente sobre o Povo de Israel, quando se aproximava do Dia da Expiação.

    E a aflição que sentiam no momento em que toda a nação estava passando por um julgamento no santo-dos-santos, então culminava em alegria por mais um ano se remissão.

    (...)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O irmão complementou:

      "Não há absolutamente nada na Bíblia que apoie tal doutrina bizarra, "

      Porém isto é uma grande inverdade. O dia da expiação era uma representação por meio de simbolismos e que se cumpriria de forma tão real quanto os próprios rituais que o antecedem, o de Cristo sendo sacrificado como Cordeiro. E Cristo atuando em sua função de sacerdote.

      O Santuário é real, o sacrifício do Cordeiro é real. O sacerdócio é real, o sumo-sacerdócio é real. Logo, o dia da expiação também é real!

      A Purificação do santuário, no cerimonialismo israelita indicava o início dos trabalhos do sumo sacerdote que ocorria uma vez por ano.

      Não há como se negar hoje esta compreensão! O santuário era purificado uma vez por ano, dando início aos trabalhos sumo-sacerdotais no santo-dos santos.

      E se o irmão disser de que a purificação do santuário não existe na Bíblia, apenas demonstra que não conhece as Antigas Escrituras.

      Fato é que as 2.300 tardes e manhãs proféticas, que são literalmente 2.300 anos, se cumprem exatamente no ano de 1844.

      Nisto Miller não errou! E não haveria como errar, pois não é difícil contar 2.300 anos à partir do decreto que está bem claro nas escrituras.

      Assim, as 2300 tardes e manhãs se cumpriram em 1844, no que pergunto:

      Os desapontados estavam certos em interpretar o seguinte verso:

      "E ele me disse: Até duas mil e trezentas tardes e manhãs; e o santuário será purificado. Daniel 8:14"

      Como que se referindo àquela purificação do santuário que ocorria uma vez por ano entre o povo de Israel?

      Então a purificação do santuário no tempo Israelita não é bíblica, irmão Paulo Cadi?

      Não ocorria uma vez por ano, no seio israelita, a purificação do santuário, sendo tudo isto invenção dos adventistas?

      Os desapontados apenas tiveram uma ideia do que poderia ser, de fato, aquela purificação.

      Até aquela data, não se tinha a consciência que as igrejas têm hoje sobre a existência de um santuário no céu, embora por diversas vezes, tanto no Antigo, quanto no Novo testamento, tenha sido dito de que o santuário que havia na terra era uma cópia do santuário que há no céu!

      A primeira impressão de Miller foi de que a purificação do santuário seria de um santuário mesmo! Porém,como o santuário Israelita havia sido há muito destruído, então teria que ser outra coisa.

      Analisando versos Bíblicos concluiu que poderia ser a própria Terra que era mostrada como algo que seria purificado pelo fogo!

      Para o irmão entender esta questão, basta ver uma linha dispensacionalista que sugere de que o santuário de Israel, será novamente reconstruído de onde sairia as duas testemunhas ditas em apocalipse.

      Porém, hoje, a comunidade cristã entende que há um Santuário no céu, onde Cristo exerce seu Sumo-sacerdócio.

      Porém, foram primeiramente os adventistas que formularam esta doutrina, e a aplicaram em sua teologia, tornando esta doutrina, em seu cumprimento hoje, no ministério de Cristo, a espinha dorsal do Povo Adventista. Assim como o cerimonialismo em torno do Santuário era a espinha dorsal do Povo Israelita.

      Assim, longe de ser uma simples desculpa para o desapontamento (e que seria a última coisa com que se preocupariam naquele momento), a noção da existência de um santuário no céu, permitiu construir a Doutrina do Santuário!

      Veja portanto que Luciano Sena tem pregado uma inverdade ao dizer de que a IASD teria surgido de uma falsa predição!

      Porque a predição de Miller não causou o surgimento da IASD, mas tão somente dos milleritas.

      (...)

      Excluir
    2. E os desapontados não eram ainda considerados como a Igreja Adventista.

      Porque foi com OUTRA compreensão, ou visão, que de fato deu início à Igreja que Temos hoje.

      E esta compreensão é A DO SANTUÁRIO!

      Miller, juntamente com todas as igrejas da época, nem de longe imaginavam que haveria um santuário no céu!

      Este foi um ensinamento totalmente novo, sobre o qual foi construída toda a Igreja, juntamente com suas doutrinas.

      A doutrina do santuário possibilitou a sistematização de todas as doutrinas adventistas, desde a justificação pela fé por meio do sacrifício de Crsto, até o juízo, que é a última parte do ministério de Cristo.

      Assim as doutrinas adventistas se dão com base na interpretação dos simbolismos do santuário terrestre, seguindo a mesma linha teológica de ensinamento que era passado ao Povo Israelita, por meio do de figuras representativas.

      E assim, a Igreja Adventista do Sétimo Dia, conseguiu alinhar sua teologia com a compreensão de Paulo, que também desenvolveu sua visão acerca do sacerdócio de Cristo no Santuário celestial em seu ministério sacerdotal e sumo-sacerdotal, por meio da interpretação das figuras simbólicas e rituais contidas no santuário terrestre.

      E precisamos entender todo o cerimonialismo até mesmo para dar explicação de o porque de o véu do santuário ter sido rasgado ao meio quando da morte de Cristo. Além de entender o significado de SEU sacrifício e o trabalho que Ele realiza hoje em favor de todo o seu povo.

      E o irmão Paulo Cadi vem me dizer de que os ensinamentos do Santuário é invenção adventista e que não consta nas Escrituras!

      TODAS as figuras do santuário tem seu cumprimento! Incluindo os rituais preditos no dia da expiação!

      A compreensão alcançada pelos adventistas é de que o dia da expiação, antes prefigurada no santuário terrestre alcançou seu cumprimento naquela data de 22 de outubro de 1844, que foi o final das 2.300 tarde e manhãs, preditas em Daniel e que indicaria o início do dia da expiação, marcada pela purificação do santuário, onde então se realizaria os trabalhos do DIA DA EXPIAÇÃO.

      Nada a ver com a Bíblia, irmão Paulo Cadi? Desculpa de adventista para tapar o desapontamento?

      Que tipo de julgamento é este?

      E pergunto ao irmão:

      Os irmãos Testemunhas de Jeová, tem sua doutrinas fixadas na espinha dorsal do cerimonialismo israelita assim como a Igreja Adventista do Sétimo Dia?

      (...)

      Excluir
    3. Respondendo esta questão o irmão entenderá o porque de a Igreja Adventista não se desviar dos ensinos Bíblicos a respeito de toda obra de redenção, desde a queda do pecado, até a volta de cristo.

      Porque a Doutrina do santuário e os trabalhos que ali seriam realizado se iniciam imediatamente quando Adão e Eva pecaram, simbolicmaente recebendo vestes da graça, propiciadas pelo próprio Deus, por meio de sacrifício de animal.

      E nas ofertas entregues por seus filhos ao Senhor.

      Desta forma, sobre os trilhos de tudo aquilo que foi, detalhadamente, nos ensinado, por meio do cerimonialismo a respeito da obra que Cristo em favor da humanidade, a IASD construiu toda a sua compreensão biblico-doutrinária.

      Assim, a IASD hoje vive todo aquele cerimonialismo e seu CUMPRIMENTO. Assim como Paulo vivia, entendendo a obra que Cristo fez e continua fazendo em nosso favor em SEU ministério real.

      Toda a compreensão de Paulo acerca do ministério que Cristo realiza no santuário celestial, foi extraído do cerimonialismo das Antigas Escrituras. As mesmas que Cristo utilizava para falar de Sua vinda e de Si mesmo.

      Cristo disse: Eu sou o pão da vida (referência aos pães da proposição). Eu sou a luz do mundo (referência ao castiçal).

      Todas referentes a figura do cerimonialismo.

      João disse: Eis o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.

      Referência ao cerimonialismo.

      O santuário e todo aquele cerimonialismo e simbolismo eram pré-figurações dos trabalhos que Cristo realiza hoje em seu ministério real e verdadeiro. Cumprimento de TUDO aquilo que havia sido dito, ensinado e representado.

      Porém, muitos cristãos tem dificuldade em aceitar o cumprimento do dia da expiação!

      E daí inventam que esta questão de dia da expiação como cumprimento do maior período profético de Daniel é coisa de adventista desapontado!

      Excluir
  11. Meu caro, você não percebe que está sozinho nessa tua empreitada. Veja se algum daqueles que propagada essas heresia estão contigo? não estão! Só há uma saída pra você,aceite as verdades da Escritura,porque tudo que Luciano têm anunciado aqui deixa muito claro a falta de coerência naquilo que vocês pregam.

    ResponderExcluir
  12. Meu caro, você não percebe que está sozinho nessa tua empreitada. Veja se algum daqueles que propagada essas heresia estão contigo? não estão! Só há uma saída pra você,aceite as verdades da Escritura,porque tudo que Luciano têm anunciado aqui deixa muito claro a falta de coerência naquilo que vocês pregam.

    ResponderExcluir
  13. O quê? Sozinho? Você está muito enganado meu caro! Só ficamos observando os disparates que vocês postam.
    Sr Adventista tem apresentado muito bem as verdades latentes. A cada recusa de vocês reconhecerem estas verdades, entendo melhor as palavras de Jesus em Lucas 16:31 "Se não ouvem a Moisés e aos Profetas, tampouco se deixarão persuadir, ainda que ressuscite alguém dentre os mortos".

    ResponderExcluir
  14. O quê? Sozinho? Você está muito enganado meu caro! Só ficamos observando os disparates que vocês postam.
    Sr Adventista tem apresentado muito bem as verdades latentes. A cada recusa de vocês reconhecerem estas verdades, entendo melhor as palavras de Jesus em Lucas 16:31 "Se não ouvem a Moisés e aos Profetas, tampouco se deixarão persuadir, ainda que ressuscite alguém dentre os mortos".

    ResponderExcluir
  15. Sr. Adventista,

    No livro de Daniel, capítulo 8:10-14, diz que DURANTE "2300 tardes e manhãs" passariam e somente então o "santuário seria purificado."

    DURANTE o período de 2300 "tardes e manhãs [assim está no original] o santuário seria profanado por forças estrangeiras [pagãos] após este tempo, é que seria restaurado [seus serviços] mas antes da adoração ser retomada, deveria haver sua purificação afim de que os serviços fossem aceitos por Deus.

    Isto se cumpriu no tempo dos Macabeus; é história realizada, fato documentado e comprovado.

    Por outro lado, a doutrina adventista do juízo investigativo careçe de qualquer comprovação; os adventistas, arbitráriamente deram como ponto de partida para as "2300 tardes e manhãs, o ano 457 antes de Cristo, e que para eles também foi o início das 70 semanas de Dn.9:24.

    Agora, segundo Dn.8:10-14, as "2300 tardes e manhãs seria o tempo em que o santuário seria profanado; este tempo [2300 tardes e manhãs] não seria um período ocioso, mas exatamente a faixa de tempo em que o santuário seria profanado.

    Bem, se a igreja Católica não existia quando se iníciou a profanação do santuário celestial [segundo os adventistas, no ano 457 antes de Cristo] pergunto, quem estaria profanando o santuário celestial do ano 457 antes de Cristo, até o ano de 1844 depois de Cristo [porque neste ano termina o período de "2300 tardes e manhãs de Daniel 8:14, para os adventistas]?

    Lembre-se de que o período inteiro das 2300 e manhãs, é o tempo em que o santuário estaria sendo profanado [para os adventistas trata-se do santuário celestial].

    Segundo os adventistas, as 2300 tardes e manhãs de Dn.8:14
    começam em 457 antes de Cristo; então os adventistas terão de admitir que o santuário celestial começou a ser profanado neste ano de 457 aC, pois Daniel foi informado de que o santuário [para os cristãos, o santuário judaico] seria profanado DURANTE TODO O PERÍODO das "2300 tardes e manhãs.

    E se Cristo levou sobre a cruz os pecados dos crentes, como é que eles foram parar lá no santuário celestial? Cristo, após a sua ressurreição os levou consigo?

    Caracas.......que doutrina mais muquifa!

    Continua.............

    ResponderExcluir
  16. Foram 2.300 tardes e manhãs de transgressão do santuário?

    Não, querido irmão! Esta é uma interpretação dispensacionalista extremamente equivocada. A transgressão durou uma parte das 2.300 tardes e manhãs e não toda ela.

    Veja:

    "Quanto tempo durarão os acontecimentos anunciados por essa visão?" (Daniel 8:13) [esta tradução aqui somente na Nova Versão Internacional]

    Se formos pegar esta tradução, ela estaria se referindo a TODOS os acontecimentos daquela visão de Daniel, E que começaria à partir dos eventos descritos desde o terceiro versículo de Daniel 8 (que se dá no reino medo-persa)!

    Que é o reinado de onde partiu o decreto de Artaxerxes.

    Nas demais Bíblias, porém, está escrito:

    "Depois ouvi um santo que falava; e disse outro santo àquele que falava: Até quando durará a visão do sacrifício contínuo, e da transgressão assoladora, para que sejam entregues o santuário e o exército, a fim de serem pisados?" (Daniel 8:13)

    Nesta interpretação porém:

    O verso não diz QUANTO TEMPO DURARÁ!
    Mas sim, ATÉ QUANDO DURARÁ!

    Referindo-se àquela visão aterradora da obra do chifre pequeno!

    As 2.300 tardes e manhã não se referem somente à transgressão do santuário. Há vários acontecimentos envolvidos nestas 2.300 tardes e manhãs cujo detalhamento é passado pelo próprio anjo em Daniel 9 à partir do verso 24.

    O verso 25, marca o início deste primeiro BLOCO PROFÉTICO das 2.300 tardes e manhãs, tratando dos primeiros 490 anos, desde a promulgação do decreto de Artaxerxes, até a rejeição do Povo de Israel como nação escolhida.

    Veja o quadro:

    http://novotempo.com/bibliafacil/videos/as-2300-tardes-e-manhas-8a-temporada/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E o irmão tem tido o mal costume de tentar interpretar a doutrina adventista segundo a visão dispensacionalista.

      O que mostra de que o irmão não estuda de fato o assunto em nossas fontes.

      Cristo não é um bode emissário que leva os pecados da humanidade sobre si, como que carregando estes até fora das portas de Israel! Como creem alguns dispensacionalistas.

      A transferência dos pecados perdoados para o santuário celestial ocorre de forma contínua, por meio de registro.

      Cristo veio não para ajuntar os pecados sobre si para levar a algum lugar ainda que seja o céu! Cristo vei para PAGAR por estes pecados. TODOS, tanto os passados, quanto presentes, quanto os futuros.

      O santuário terrestre não substituía o santuário celestial, apenas o representava, de forma que os registro dos pecados perdoados, sempre eram imediatamente transferidos para o santuário celeste.

      E isto ocorre desde Adão!

      Porém, não havia ainda um sacerdote, que tivesse direito de oficiar na expiação daqueles pecados!

      Por isto Cristo veio para morrer em nosso lugar! Para não apenas pagar por todos aqueles pecados mas também obter o direito de oficiar no Santuário Celestial como nosso Sacerdote e Sumo Sacerdote.

      De modo que assim, com o sacrifício de Cristo, a expiação foi TOTALMENTE PROVIDA na cruz. E hoje ela é APLICADA na obra sacerdotal de Cristo.

      E enquanto Cristo, aplica a expiação em sua obra sacerdotal, hoje, em Sua obra Sumo-sacerdotal, também elimina os livros contendo todos os pecados registrados dos salvos.

      Excluir
  17. Sr. Adventista, o texto é claro.

    ⇒.......Quanto tempo durará a visão RELATIVA AO HOLOCAUSTO, e a TRANSGRESSÃO ASSOLADORA, para entregar o santuário e o exercito a fim de serem pisados." American Standard Version, 1901.

    A interpretação correta, que aplica a passagem à Antioco Epífanes, e aceita por comentaristas tais como, Albert Barnes, Adam Clark, John Gill, entre outros, afirma que as "2300 tardes e manhãs" refere-se ao tempo em que o holocausto seria retirado.......

    A interpretação adventista não passa de fantasia, e carece de comprovação histórica. Ela contém inúmeras discrepâncias, e vou agora mostrar uma.

    Os adventistas dizem que as "2300 tardes e manhãs", começaram [não desde a saída de ordem dada por Ciro] mas quando [segundo eles] o decreto para a reconstrução de Jerusalém "foi completado" e emitido por Artaxerxes no ano 456 aC. Está data é a ordem final para a reconstrução de Jerusalém. Dn.9:24.

    Já que para os adventistas, as profecias das "2300 tardes e manhãs" [Dn.8:14] e das 70 semanas começam juntas, na mesma data [456 aC] como é que no mesmo ano [456 aC] ocorre a profanação do templo [Dn.8:10-14] e no mesmo ano ocorre a reconstrução de Jerusalém e a reconstrução do templo [Neemias, 455 aC]?

    Se a profanação do templo não ocorreu no início das "2300 tardes e manhãs", então o que aconteceu no início das "2300 tardes e manhãs?

    Os adventistas alegam que a profecia das "2300 tardes e manhãs", não pode ter sido cumprida por Antioco Epífanes, porque o tempo da profanação do templo por ele, não fecha 2300 dias exatos.

    Bem [e não vou entrar nesta questão agora] se os adventistas querem [eu estou partindo do ponto de vista deles] que as suas "2300 tardes e manhãs" tenha um cumprimento EXATO de 2300 "anos", então a ordem para voltar e reconstruír Jerusalém [que para os adventistas é a mesma onde começa a profecia das 2300 tardes e manhãs de Dn.8:14, 456 aC] tem de ter como data "22 de Outubro de 456 aC!

    Ou seja, para dar 2300 anos exatos, sem faltar nenhum dia, a profecia de Dn.8:14 tem de ter seu início NO DIA JUDAICO DA EXPIAÇÃO!!!

    Só que o decreto de Artaxerxes [456 aC] não saiu no dia da Expiação, e pela lei, nem poderia, e além do mais a ordem para reconstruir o tabernáculo, somente ocorreu no ano de 445 aC.

    Sr. Adventista, vou perguntar de novo: se Cristo levou os pecados dos crentes desde Adão, na cruz, como é que os pecados de todos os crentes, desde Adão, foram parar NO LUGAR SANTÍSSIMO do santuário celestial?

    Prossegue.........


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Se a profanação do templo não ocorreu no início das "2300 tardes e manhãs", então o que aconteceu no início das "2300 tardes e manhãs?"

      Se o irmão houvesse visto o vídeo que lhe passei, saberia! São as 70 semanas:

      "Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo, e sobre a tua santa cidade, para cessar a transgressão, e para dar fim aos pecados, e para expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e para ungir o Santíssimo." (Daniel 9:24)

      Não podemos selecionar uma tradução que melhor nos convém e aplicar-lhe uma interpretação, sendo que esta não se harmoniza com a ordem dos acontecimentos que estavam previstos para aquele tempo profético de 2.300 tardes e manhãs!

      2.300 tardes e manhãs se referem ao tempo em que todas aquelas coisas ocorreriam, iniciando-se no império medo-persa que então seria dominado pelos gregos. Isto é o que está contido no início da visão de Daniel!

      Passado ESTES ACONTECIMENTOS, aí sim ocorreria a transgressão assoladora. Leia Daniel 8 à partir do verso 3.

      Então vá para o capítulo 9 onde há o DETALHAMENTO das coisas que inicialmente ocorreriam dentro daquele período profético de 2.300 anos. Ali encontramos primeiramente um período de 70 semanas proféticas, ou 490 anos e as coisas que se sucederiam ao povo de Israel, desde sua saída para edificar Jerusalém até sua rejeição como Nação Escolhida.

      Ali não ocorre a transgressão assoladora! O que a Bíblia nos mostra é que o santuário é reconstruído e os israelitas voltam a fazer seus sacrifícios!

      Então, como o santuário poderia sofrer transgressão durante todos estes 2.300 anos? Sendo que logo após a promulgação do decreto de Artarxerxe, tanto a cidade quanto o santuário foram resconstruídos?

      Cristo entrou naquele santuário e ali os sacrifícios ocorriam normalmente! O santuário só voltou a ser destruído novamente quando da invasão de Jerusalém!

      Porém, ao término dos 2.300 anos, já não havia mais o santuário terrestre, portanto não havia na terra santuário algum a ser purificado.

      Veja o gráfico das 70 semanas já que o irmão se recusa a assistir o vídeo:

      http://estudandoabiblia.tripod.com/70Semanas.jpg

      Nestas 70 semanas, ou seja, 490 anos, não ocorre ainda a transgressão mostrada a Daniel!

      Prova disto, veja o que Disse o próprio Jesus:

      Quando, pois, virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no lugar santo; quem lê, entenda; (Mateus 24:15)

      A transgressão assoladora não havia se mostrado ainda no tempo de Jesus! Então não poderia ser Antíoco!

      Veja o que Paulo disse:

      "Ninguém de modo algum vos engane; porque o dia não chegará sem que venha primeiro a apostasia e seja revelado o homem da iniqüidade, o filho da perdição," (2 Tessalonicenses 2:3)

      (...)

      Excluir
    2. O tal mistério da iniquidade ainda não havia se mostrado mas JÁ operava nos tempos de Paulo:

      "Pois o mistério da iniqüidade já opera; somente até que seja removido aquele que agora o detém." (2 Tessalonicenses 2:7)

      Agora veja o gráfico geral dos 2.300 anos:

      http://i970.photobucket.com/albums/ae183/jesusvoltara/jesusvoltara/profeciasdaniel/profeciasdaniel_arquivos10/image002.jpg

      A transgressão assoladora, ocorreria após as 70 semanas e dentro do tempo profético de 1810 anos que faltavam para o cumprimento das 2.300 tardes e manhãs.

      O que a profecia de Daniel nos mostra é que ocorreria em algum tempo dentro destes 1810 anos.

      Mas quanto tempo duraria a transgressão assoladora?!

      "... um tempo, tempos e metade do tempo.." (Daniel 12:7)

      "...Eles hão de pisar debaixo dos pés a cidade santa por quarenta e dois meses." (Apocalipse 11:2)

      Que são o mesmo tempo profético de Apocalipse 11:3 e Apocalipse 12:6.

      2 anos e meio (tempo, tempos e metade de um tempo) assim como 42 meses equivalem a exatos 1.260 anos proféticos! Ou seja, são eventos concorrentes no MESMO período profético:

      http://4.bp.blogspot.com/-cTdD0VZZIBQ/VbqEFLxsocI/AAAAAAAACr8/1rPLqFOWZy4/s1600/Snap%2B2015-07-30%2Bat%2B17.05.45.jpg

      Ou seja, o tempo de duração da transgressão assoladora são 1.260 anos.

      E o que ocorreria em paralelo à este tempo profético?

      "Darei às minhas duas testemunhas que, vestidas de saco, profetizem durante mil e duzentos e sessenta dias." (Apocalipse 11:3)

      "A mulher fugiu para o deserto, onde Deus lhe havia preparado um lugar, para ser ali alimentada durante mil e duzentos e sessenta dias." (Apocalipse 12:6)

      A Bíblia foi proibida e teve que ser pregada escondida e a Igreja Pura foi perseguida, tendo que fugir para lugares desertos. Enquanto um falso sacerdote se colocava no lugar de Cristo aqui na terra.

      Excluir
    3. * três anos em meio (tempo, tempos e metade de um tempo)

      Excluir
    4. Ah! O irmão está falando dos livros de registros.

      Então, respondendo à sua pergunta.

      "Sr. Adventista, vou perguntar de novo: se Cristo levou os pecados dos crentes desde Adão, na cruz, como é que os pecados de todos os crentes, desde Adão, foram parar NO LUGAR SANTÍSSIMO do santuário celestial?"

      Irmão Paulo Cadi:

      Não apenas nossos pecados, mas cada ato, bom ou mal é registrado em livros! Estes livros é que são abertos na obra de julgamento que ocorre no lugar santíssimo.

      Estes livros contém o registro tanto das coisas boas, quanto das coisas más que fazemos.

      "porque pelas tuas palavras serás justificado, e pelas tuas palavras serás condenado." (Mateus 12:37)

      E desde quando isto ocorre?

      Ora, desde que o homem caiu em pecado. Cada pessoa possui seu livro de registros e tal registro serve aos anjos, a fim de mostrar, na obra final de juízo, como Deus lida com o pecado e o pecador.

      Tanto na questão dos salvos (investigativo), quanto dos perdidos (condenatório).

      Quanto aos salvos, no juízo pré advento, e que ocorre antes do milênio, serve para justificar o porque daqueles, cujos registros são abertos terem sido salvos!

      Quanto aos perdidos, no juízo final, e que ocorre durante o milênio, servem para justificar o porque daqueles, cujos registros são abertos, terem sido condenados.

      E no milênio, os livros contendo os registros dos condenados, servirão também para mostrar aos salvos, porque determinada pessoa não foi salva. Um amigo, ou ente querido, ou até mesmo um pastor de sua igreja.

      E a existência de tais livros de registros, juntamente com o livro da vida, raramente é ensinado nos cultos nas igrejas.

      Porém, sabemos que os tais existem e que são de fato abertos na obra de Juízo:

      Daniel 7:10, Apocalipse 20:12, Daniel 12:1, Lucas 10:20, Filipenses 4:3, Apocalipse 21:27.

      Então estes livros não foram transferidos para o Santíssimos, pois estes registros sempre estiveram lá, assim como o livro da vida!

      Ou seja, desde que Adão pecou, nossas ações começaram a ser registradas, e isto vem ocorrendo com toda a humanidade.

      Excluir
    5. Parabéns Sr. Adventista

      Brilhante, Transparente e com muito Amor pelo nosso Próximo, mesmo sendo relutantes, mas seu texto alcança a muitos outros.

      O Paulo Cadi já começa a se apavorar com as Verdades Reveladas, não consegue refutar e começa a manipulação e jogo psicológico.

      Eu sei como é complicado a elaboração e organização de idéias para deixa-las concisas e de uma compreensão clara.

      Feliz Sábado a todos.

      Excluir
  18. Mais tarde respondo ao Sr. Adventista. Tá difícil juntar os cacos.....kkkk!

    ResponderExcluir
  19. Paulo, eles acham que esta certo.Cruz credo!

    ResponderExcluir
  20. Paulo, eles acham que esta certo.Cruz credo!

    ResponderExcluir
  21. Paulo, eles acham que esta certo.Cruz credo!

    ResponderExcluir
  22. É irmão Matias, nosso Senhor Jesus teve de esperar trancafiado dentro do lugar santo do santuário celestial, desde o ano de sua ascenção até 22 de Outubro de 1844 [após o fracasso de William Miller por anunciar o dia de Sua vinda, sendo que ele mesmo disse não saber o dia e nem a hora] para, veja só, começar a remissão ou apagamento de nossos pecados, sendo que Hebreus 10:10-18 desmente isso.

    Assim mesmo eles acham que estão certos!

    ResponderExcluir
  23. É irmão Matias, nosso Senhor Jesus teve de esperar trancafiado dentro do lugar santo do santuário celestial, desde o ano de sua ascenção até 22 de Outubro de 1844 [após o fracasso de William Miller por anunciar o dia de Sua vinda, sendo que ele mesmo disse não saber o dia e nem a hora] para, veja só, começar a remissão ou apagamento de nossos pecados, sendo que Hebreus 10:10-18 desmente isso.

    Assim mesmo eles acham que estão certos!

    ResponderExcluir
  24. O Sr. Adventista ainda insistindo na tese derrotada de 1844, disse: "Não podemos selecionar uma tradução que melhor nos convém e aplicar-lhe uma interpretação, sendo que esta não se harmoniza com a ordem dos acontecimentos que estavam previstos para aquele tempo profético de 2.300 tardes e manhãs!

    R. Toda a doutrina verdadeira pode ser demonstrada por qualquer boa tradução da Bíblia, ao contrário das falsas doutrinas [tipo juízo investigativo] em que se torna necessário trocar de tradução quando lhes convém.

    Exemplo: Os adventistas, no Brasil, usam a tradução Almeida Atualizada. Motivo: Porque em 1Jo.3:4 diz que "pecado é transgressão da lei", e na Corrigida diz que "pecado é iniquidade", e eles pensam que João está se referindo aos dez mandamentos "igualzinho" como está em Êx.20, com ênfase na observância do sábado.

    Agora, esta mesma versão Almeida Atualizada, usada pelos adventistas pelo motivo acima exposto, não lhes serve quando chega em Hebreus 9:12, porque aí diz que Cristo "entrou de uma vez por todas no santo dos santos."

    Então eles tem de ir para a versão Corrigida de Almeida, onde diz que Cristo "entrou de uma vez por todas no santuário", e assim interpretar que em sua ascenção o Senhor se deteve no lugar santo do santuário celestial até 22 de Outubro de 1844.

    Eles fazem com isto uma deturpação grosseira do texto bíblico, já que a intenção do escritor de Hebreus [o autor é Deus] sob a unção do Santo Espírito, é dizer que da mesma forma como o sumo sacerdote entrava no dia da Expiação, no lugar santíssimo, assim também Cristo como Sumo Sacedote de outra ordem, superior, entrou direto na presença de Deus Pai, que era representado pelo lugar santíssimo do santuário terrestre; o sumo sacerdote nunca oficiava no lugar santo.

    Os adventistas ensinam que o "princípe" de Daniel 8:11 é Jesus Cristo. Portanto de Daniel 8:8 até 8:11, segundo eles, o "pequeno chifre" é Roma pagã quem crucificou Cristo, "o princípe", e Roma pagã que fez com que os "sacrifícios diários" cessassem quando o templo de Jerusalém foi destruído no ano 70 dC.

    Históricamente, o "princípe" de Daniel 8:11 foi o sumo sacerdote Onias Ⅲ. Antioco Ⅳ removeu este sumo sacerdote, e fez com que cessassem os sacrifícios diários, quando ele profanou o templo ao oferecer uma porca sobre o Grande Altar, em 25 de Dezembro de 167 aC.

    prossegue....

    ResponderExcluir
  25. Sr. Adventista, em primeiro lugar vou lembrá-lo de que para as 2300 tardes e manhãs, para vocês 2300 anos, terem o número exato de dias para o cumprimento da profecia, segundo o entendimento de vocês, o decreto terá de ter saído em 22 de Outubro de 456 aC, que para vocês é o décimo dia do sétimo mês, ou o dia da Expiação segundo o calendário judaico.

    Não estou nem me referindo as variantes em que cai este dia.

    Como Artaxerxes não emitiu o decreto para a reconstrução de Jerusalém no dia 22 de Outubro de 456 aC, os 2300 anos com o número exato de dias não existe.

    Vale também lembrar que Dn.8:14 se refere a profanação do templo pelo chifre pequeno do verso 9 [Antioco Epífanes]e não por causa dos pecados dos cristãos.

    A profanação se estenderia por 2300 tardes e manhãs, com a omissão dos sacrifícios matutino e vespertinos, que validavam e abriam os serviços do dia.

    Daniel 9:24 se refere a reconstrução de Jerusalém até a vinda de Cristo e destruição do templo em 70.

    Agora eu quero que o Sr. Adventista diga, QUANDO iníciou a profanação do santuário de Dn.8:14?

    Para responder terá de voltar ao verso 9 e explicar os versos 10-12.

    Quanto a pecados sendo enviados ao céu e mantidos em registros literais, com anjos com canetas e pergaminhos sendo abertos........ Qualquer bom estudante da Bíblia sabe que isto é linguagem antropomórfica, representando realidades espirituais. Deus é onisciente e não precisa de registros primitivos para se inteirar dos acontecimentos.

    No livro de Apocalipse aparecem anjos tocando trombetas [o shofar judaico] rolos de pergaminho se abrindo, incenso queimando como acontecia no templo, etc. Todas estas imagens não podem ser tomadas em seu sentido literal, senão o dragão de sete cabeça, a mulher Babilônia também vão existir.

    Então o céu tem que se informatizar, e abandonar os pergaminhos....este literalismo adventista é uma joinha, ou melhor, maluco, até anjo tem de andar "cum us documentu", cartão de ouro para entrar de volta no céu.

    Deus é conhecedor absoluto e universal, portanto esta crença na existência de "registros em livros", é no minímo infantil.

    Prossegue.....

    ResponderExcluir
  26. Ainda no assunto sobre pecados no céu...

    Ellen White, mais uma vez, como é de praxe, contradizendo a Bíblia.

    Olhem o que ela diz: "Como antigamente eram os pecados do povo colocados, ela fé, sobre a oferta pelo pecado, e, mediante o sangue desta, TRANSFERIDOS SIMBOLICAMENTE para o santuário terrestre, assim em o NOVO CONCERTO, os pecados dos que se arrependeram SÃO, PELA FÉ, COLOCADOS SOBRE CRISTO E TRANSFERIDOS DE FATO, PARA O SANTUÁRIO CELESTE."

    Ela disse que no "novo concerto" os pecados são colocados SOBRE CRISTO E TRANSFERIDOS PARA O SANTUÁRIO CELESTE.

    O que a Bíblia diz: Porque repreendendo-os, diz: Eis que virão dias, diz o Senhor, em que estabelecerei com a casa de Israel e com a casa de Judá UM NOVO CONCERTO.


    Não segundo o pacto que fiz com seus pais no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; pois não permaneceram naquele meu pacto, e eu para eles não atentei, diz o Senhor.


    Ora, este é o pacto que farei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o Senhor; porei as minhas leis no seu entendimento, e em seu coração as escreverei; eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo;


    e não ensinará cada um ao seu concidadão, nem cada um ao seu irmão, dizendo: Conhece ao Senhor; porque todos me conhecerão, desde o menor deles até o maior.


    Porque serei misericordioso para com suas iniquidades, E DE SEUS PECADOS NÃO ME LEMBRAREI MAIS


    Dizendo: Novo pacto, ele tornou antiquado o primeiro. E o que se torna antiquado e envelhece, perto está de desaparecer."

    "LEVANDO ELE MESMO OS NOSSOS PECADOS EM SEU CORPO SOBRE O MADEIRO, para que mortos para os pecados, pudéssemos viver para a justiça; e pelas suas feridas fostes sarados." 1 Pedro 2:24

    Ellen White contradiz o apóstolo Pedro, e diz que Cristo esta ainda levando os nossos pecados, e o que é pior, o sangue de Cristo no qual o crente está escondido, por isso em Cristo ele
    é impecável, no adventismo é o que expõe o pecado confessado daquele que ele deveria encobrir, ou fazer propiciação.

    Sr. Adventista, quando é que o santuário de Daniel começou a ser profanado? Esperando resposta.

    prossegue....

    ResponderExcluir
  27. Irmão Paulo, lá na minha igreja têm um curso chamado: A aperfeiçoamento teológico. Estou fazendo este curso incentiva pelas muitas explicações baseadas na palavra de Deus por você. Fico maravilhado quando posso ler explicações tão coerentes como as suas. Que nosso Deus, o qual pagou nossos pecados te conceda cada dia graças.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irmão Matias, é mais do que tempo de orar e ler as escrituras, pois a apostasia está crescente, já está aí, é seita, heresias, falsos ministérios etc prá tudo que é lado....bem, mas já estava previsto.

      Excluir
  28. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  29. Agradeço ao irmão Wesley pelas palavras de incentivo.

    Fiz a parte que me cabe em transmitir informação acerca de nossas doutrinas. Relutante como o irmão disse.

    Porém não o fiz tão somente para passar informação ao irmão Paulo Cadi, mas àqueles também que nos acompanham.

    E creio que seja hora oportuna para tratar diretamente com os irmãos Paulo Cadi e ferroefogo.

    ResponderExcluir
  30. O Sr. Adventista quer colocar as 70 semanas de Dn.9:24 dentro das 2300 tardes e manhãs de Dn.8:14, como o início do período das 2300 tardes e manhãs.

    Para os adventistas as 70 semanas que iniciam os 2300 anos em 456 aC, terminam no ano 34 dC, sobrando 1810 anos até 22 de Outubro de 1844, quando Cristo começa a purificação do santuário celestial, e o Sr. Adventista terá de dizer QUANDO teve início a profanação do santuário celestial.

    Além do mais, se as 70 semanas de Daniel 9:24 estão dentro das 2300 tardes e manhãs, torna sem sentido o tal juízo investigativo que nada mais é que a remissão ou apagamento dos pecados, que não ocorreu na cruz, segundo ele, ou seja, o sangue de Cristo que lavou seu corpo onde estavam os nossos pecados, não teve poder para apagá-los.

    Então, Cristo morreu, ressucitou e os pecados continuaram lá, com ele, que os levou consigo para o lugar santo do santuário celeste [o santuário do céu não tem dois compartimentos] ou os despachou antes, porque de alguma forma tem de ter chegado lá....além do mais, segundo White, Cristo continua levando pecados sobre si!!!

    Hebreus 1:3 arrasa com esta heresia, dizendo: "......havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à destra da majestade nas alturas. O livro de Hebreus em nenhuma parte mostra Cristo passando do lugar santo para o santíssimo.

    O livro de Hebreus jamais mostra Cristo ainda levando pecados e transferindo para o santíssimo lugar. Se Cristo ficou como diz White, 18 séculos no lugar santo, então os pecados cometidos antes de 22 de Outubro de 1844, então também estes pecados estavam sendo colocados sobre ele, que após esta data entrou com os pecados para o segundo compartimento ou lugar santíssimo, a fim de começar a apagá-los.

    Se isso não é heresia ferrada, então eu não sei o que é!

    Agora, os adventistas ao colocarem as 70 semanas de Dn.9:24
    como parte das 2300 tardes e manhãs de Dn.8:14, e que após este período haveria a remissão de pecados, entram em um tremendo impasse.

    Vejamos o que diz em Dn.9:24, que os adventistas dizem pertencer as 2300 tardes e manhãs:"Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo, e sobre a tua santa cidade, para cessar a transgressão, e para DAR FIM AOS PECADOS, e para EXPIAR A INIQUIDADE, e TRAZER A JUSTIÇA ETERNA, e SELAR A VISÃO E A PROFECIA, e PARA UNGIR O SANTÍSSIMO." (Daniel 9:24)

    Este santíssimo, não pode ser o do santuário de Jerusalém que foi destruído no ano 70, mas ao santíssimo celeste em que Cristo inaugurou com todas as bençãos enumeradas aí em cima, e que mais tarde o apóstolo Paulo vai anunciar, dizendo que em Cristo os gentios em um corpo com os judeus são participantes dela.

    Então, a própria profecias das 70 semanas contém uma mensagem poderosa, e que anula qualquer possibilidade de uma remissão de pecados, seja em que tempo for, quanto mais aquela data espúria de 22 de Outubro de 1844.

    Além do mais, o Senhor Jesus se referiu à profecia das 70 semanas, mas NUNCA se referiu a profecia das 2300 tardes e manhãs, nem um apóstolo e nem o livro de Hebreus, que deveriam, já que tal profecia estaria relacionada a remissão de nossos pecados.

    Continua depois........

    ResponderExcluir
  31. Pois bem:

    "Mais tarde respondo ao Sr. Adventista. Tá difícil juntar os cacos.....kkkk!" (Paulo Cadi)

    Realmente é difícil juntar os "cacos" das profecias.

    Mas seguindo a interpretação dispensacionalista, que é a crença do irmão Paulo Cadi, melhor é ignorar os detalhes dos tempos proféticos, bem como os acontecimentos que ali deveriam ocorrer e se fixar tão somente no número 2.300 (referente às tardes e manhãs) para dar uma explicação ao que seria o cumprimento desta profecia.

    O que os dispenacionalistas fazem?

    Pegam as 2.300 (tardes e manhã) que se referem a 2.300 dias proféticos, e as transformam em 2.300 ocorrências alternantes entre tardes e manhãs.

    Ou seja, seriam 2.300 divididos entre tardes e manhãs,o que dariam 1150 tardes e 1150 manhãs!

    Só aí então aplicam o princípio Bíblico dia-ano, e então 1150 tardes somadas com 1150 manhãs dariam 1150 dias inteiros.

    Ou seja, ao invés de aplicarem o princípio bíblico dia-ano diretamente à profecia, desmembram as tardes e manhãs, para ao final juntá-las novamente para então, terem como resultado a metade do tempo, ou seja 1150 dias.

    Assim afirmam hoje que 2300 tardes e manhãs equivaleriam a 1150 tardes + 1150 manhãs = 1150 dias

    E por que fazem isto?

    Pelo seguinte: Se fossem interpretar as 2.300 tardes e manhãs do jeito que está escrito em Daniel 8:14, ou seja, 2.300 dias proféticos, chegariam à data de 1844 que para os dispensacionalistas, não apontaria para acontecimento histórico algum relativo ao santuário!

    E de fato era o mesmo dilema de Miller! Não havia mais um santuário na terra a ser purificado!

    E o que então fizeram?

    Da parte de Miller, aplicou a interpretação de que o santuário referido seria à terra!

    Da parte dos dispensacionalistas, decidiram desmembrar as tardes e manhãs, cuja metade então NÃO antingiria, mas chegaria perto (com diferença de alguns anos) da atuação de Antíoco Epífanes e então elaborar uma outra teoria diferente da que era seguida pelos historicistas até meados de 1792 e que criam que as 2.300 tardes e manhãs seriam 2.300 anos literais.

    E o que os dispensacionalistas fizeram com as 70 semanas?

    A mesma coisa que os historicistas, aplicando o início das 70 semanas à saída do decreto, porém não do último decreto de Artaxerxes em 457 a.c para restaurar Jerusalém como fazem os historicistas, mas sim ao ano de 445 a.c.

    Porém, pegam aquelas última semana, que se refere ao ministério de Cristo e jogam para o FUTURO!

    Veja as duas interpretações sobrepostas, e como pegam a última semana da profecia e jogam para o futuro:

    Gráfico historicista:
    http://estudandoabiblia.tripod.com/70Semanas.jpg

    Gráfico dispensacionalista:
    http://image.slidesharecdn.com/ateoriadointervaloemdaniel9-27-120330103812-phpapp02/95/a-teoria-do-intervalo-em-daniel-9-27-10-728.jpg?cb=1333104644

    Então não é difícil entender as diferenças acerca das 70 semanas entre a visão historicista e a visão dispensacionalista!

    Então qual seria o problema?

    O problema para dispensacionalistas é o fato de os historicistas acomodarem as 70 semanas DENTRO do período profético das 2.300 tardes e manhãs! E não À PARTE como fazem os dispensacionalistas:

    https://setimodia.files.wordpress.com/2011/06/2300-anos.jpg

    E não produzem gráfico algum, apenas dizem de que as 2.300 tardes e manhãs (1150 anos na compreensão destes) apontavam para Antíoco Epífanes.

    Esta é a bronca de nosso irmão Paulo Cadi, o fato de historicistas colocarem, como nos aconselha a Bíblia, todos os períodos proféticos menores do livro de Daniel (a exemplo das 70 semanas) dentro do período profético maior de 2.300 tardes e manhãs.

    E como deve-se ter notado, sobra um período de 1810 anos, após as 70 semanas e o que acontece neste período?

    Ora aquela visão da transgressão dita por Daniel:

    "E proferirá palavras contra o Altíssimo, e destruirá os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos e a lei; e eles serão entregues na sua mão, por um tempo, e tempos, e a metade de um tempo." (Daniel 7:25)

    (...)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E o verso já nos dá o tempo de duração de tal transgressão (um tempo, tempos e metade de um tempo)

      um tempo equivale a 1 ano, então:

      um tempo (1 ano) + tempos (2 anos) + metade de um tempo (6 meses) = 3 anos e meio.

      Notemos que 3 anos e meio equivalem a:

      42 meses

      ou

      1260 dias

      E a contagem deste tempo termina aqui, no que é dito:

      "Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo, e sobre a tua santa cidade, para cessar a transgressão, e para dar fim aos pecados, e para expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e SELAR A VISÃO e a profecia, e para ungir o Santíssimo." (Daniel 9:24)

      "E a visão da tarde e da manhã que foi falada, é verdadeira. Tu, porém, CERRA A VISÃO, porque se refere a dias muito distantes." (Daniel 8:26)

      E quando começou a ser aberto novamente o entendimento acerca desta profecia de Daniel?

      A resposta é, o livro de Apocalipse! Que vai nos dar detalhes daquele tempo de 3 anos e meio que equivalem a 42 meses ou 1260 dias proféticos.

      Apocalipse:

      "E deixa o átrio que está fora do templo, e não o meças; porque foi dado às nações, e PISARÃO a cidade santa por quarenta e dois meses." (Apocalipse 11:2)

      Lembra da pergunta do anjo em Daniel?

      "...Até quando durará a visão do sacrifício contínuo, e da transgressão assoladora, para que sejam entregues o santuário e o exército, a fim de serem PISADOS?" (Daniel 8:13)

      Chegou enfim o tempo de o santuário ser pisado!

      E o que ocorreria e como o santuário e o exército seriam pisados:

      "Darei às minhas duas testemunhas que, vestidas de saco, profetizem durante mil e duzentos e sessenta dias." (Apocalipse 11:3)

      "A mulher fugiu para o deserto, onde Deus lhe havia preparado um lugar, para ser ali alimentada durante mil e duzentos e sessenta dias." (Apocalipse 12:6)

      Então este é o tempo de duração da transgressão assoladora!

      Colocando no gráfico a junção do que é dito em Daniel, com o que é descoberto em apocalipse:

      http://1.bp.blogspot.com/-eVfXk2W1i4A/UQclazxx7RI/AAAAAAAABUg/Jj1okxdTIDI/s1600/grafico-23001.jpg

      Veja, sem arrebatamento, sem reinado do anti-cristo, sem 7 anos a mais de oportunidade de arrependimento depois do suposto arrebatamento.

      Para quem tiver curiosidade, um melhor detalhamento de todos os acontecimentos preditos em Daniel e Apocalipse pode ser encontrado em:

      http://pt.slideshare.net/maelbap/2300-tardes-e-manhas

      Este é o historicismo interpretando todas as profecias à luz da história.

      Historicismo é Bíblia e história, sem teorias!

      Quem porém quer teorias, ao invés de somente Bíblia e história, tem a opção do dispensacionalismo!

      Excluir
  32. Agora vamos tratar das cogitações do irmão Paulo Cadi:

    O santuário terrestre, bem como TODO o seu simbolismo apontava para a obra que Cristo faria em favor te toda a humanidade.

    TUDO aquilo que foi representado no santuário deveria obrigatoriamente ser cumprido pelo Cristo que viria!

    O qual foi reconhecido em Jesus:

    "E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo." (Mateus 16:16)

    O ritual do santuário começava com o sacrifício de um animal, sempre simbolizando a Cristo.

    Quando o pecador colocava as mãos sobre o animal e ali confessava seus pecados, seus pecados eram simbolicamente transferidos para o animal, que então era sacrificado e a pessoa então era perdoada.

    Isto se cumpriu quando Cristo foi morto na Cruz derramando seu sangue em favor da humanidade!

    Porém o ministério de Cristo não termina aí!

    Quando o cordeiro era morto, seu sangue era levado para dentro do santuário, no que então era colocado um pouco sobre as pontas dos chifres do altar e aspergidos sobre a cortina que dava acesso a um segundo compartimento do santuário, também chamado de santo-dos-santos, ou santíssimo!

    O sangue contido ali naquela cortina, simbolizava as nossas transgressões. À medida que o sangue era acumulado e com ele as nossas transgressões, ocorria a necessidade da remoção daquele sangue através do ritual de PURIFICAÇÃO DO SANTUÁRIO, que ocorria uma vez por ano sempre ao décimo dia do sétimo mês.

    O início desta obra teve seu cumprimento ao final das 2.300 tardes e manhãs, preditas por Daniel, conforme o verso que diz:

    "E ele me disse: Até duas mil e trezentas tardes e manhãs; e o SANTUÁRIO SERÁ PURIFICADO." (Daniel 8:14)

    A obra de purificação do santuário estava prevista nos trabalhos do DIA DA EXPIAÇÃO!

    Então, ao décimo dia do sétimo mês do cumprimento da profecia de Daniel, teve início os trabalhos do dia da expiação no santuário celestial, o que ocorreu no exato dia de 22 de outubro de 1844 que é o décimo dia do sétimo mês no calendário judaico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tratando do livro de Hebreus:

      A função do livro de hebreus não é explicar a doutrina do santuário celestial! A explicação sobre o santuário celestial está contida no próprio cerimonialismo.

      Tudo aquilo que ocorria no santuário terrestre era uma cópia daquilo que ocorre hoje no santuário celestial, de modo que, compreendendo-se o que acontecia no santuário terrestre, compreende-se o que ocorre hoje no santuário que há no céu.

      E tudo aquilo que o apóstolo Paulo diz, está de acordo com o que havia sido representado!

      Qual era a base de Paulo para nos falar acerca do Santuário Celestial e do ministério sacerdotal de Cristo?

      O antigo testamento, nos símbolos e representações do cerimonialismo! Portanto Paulo não nos trouxe doutrina nova acerca de um santuário celestial! Porque tudo aquilo que era representado no cerimonialismo se referia àquilo que ocorreria no futuro, no santuário Celestial, no ministério sacerdotal de Cristo!

      Por isto é dito de que aquilo que ocorria no santuário terrestre era uma sombra do que ocorreria no santuário verdadeiro!

      Porque até mesmo o santuário terrestre era uma cópia do verdadeiro!

      De modo que todos os trabalhos realizados no santuário terrestre era uma representação daquilo que ocorreria no santuário verdadeiro.

      Excluir
    2. Então se queremos entender a obra redentora de Cristo, temos que entender os simbolismos e representações do cerimonialismo, pois era através do cerimonialismo que o Povo de Deus tomava ciência sobre a obra que Cristo faria em favor de todo o povo!

      O sangue daqueles animais não poderiam redimir pecado algum, e as representações de um sacerdote terrestre tampouco!

      De forma que todas aquelas coisas se cumprem no ministério real de Cristo!

      Excluir
  33. Usando aquilo que ensina o cerimonialismo, acerca do ministério de Cristo, para responder as perguntas:

    Quando nossos pecados são perdoados?

    R: Imediatamente quando os colocamos sobre Cristo. Confessando a Deus e nos arrependendo.

    O que então é feito com este pecado perdoado?

    R: É imediatamente transferido para dentro do santuário, sendo registrado com o sangue de Cristo, indicando de que o pecado foi pago.

    Sendo que o pecado foi perdoado, o por que de ser levado para dentro do santuário?

    R: Para se fazer expiação por este pecado.

    Quem proveu a expiação de nossos pecados?

    R: Cristo, na cruz

    Quem aplica esta expiação sobre nossos pecados?

    R: Cristo, em seu trabalho sacerdotal.

    Quem elimina definitivamente o registro destes pecados?

    R: Cristo em seu ministério sumo-sacerdotal.

    Significa que, embora nossos pecados sejam perdoados, estes permanecem registrados?

    R: Sim

    Até quando?

    R: Até o dia da expiação.

    E o por que de tudo isso?

    R: Para mostrar aos anjos como é feita a expiação de nossos pecados, assim como foi mostrado aos homens como seria feita a expiação de nossos pecados.

    Por favor, explique me mais!

    R: Assim como os homens, os anjos não têm como acompanhar a onisciência de Deus a fim de entender a forma como Deus está julgando cada pecado e pecador. Deste modo, precisam então de uma forma visível pela qual possam acompanhar a forma justa como Deus redime o pecador arrependido. E isto acontece por meio da obra que Cristo realiza no Santuário Celestial. Assim, o santuário celestial serve a todo o universo, assim como o santuário terrestre serviu aos homens!

    Então quer dizer que para entender a obra que Cristo faz hoje no Santuário Celestial, eu tenho que entender a obra que era feita lá no Antigo Israel, através do cerimonialismo?

    R: Isto mesmo.

    E o que acontece se eu tentar fazer de outra forma?

    R: Terá uma compreensão diferente da do próprio Cristo, de Paulo e de demais apóstolos, e até mesmo dos anjos, que estão a acompanhar no Santuário Celeste aquelas mesmas coisas que ocorriam no Santuário Terrestre.

    ResponderExcluir
  34. Paulo, por favor! nos traga luz a tanta confusao.

    ResponderExcluir
  35. Paulo, por favor! nos traga luz a tanta confusao.

    ResponderExcluir
  36. Se essa doutrina do juízo investigativo é tão importante porque os adeptos do adventistas não sabem aborda tal ensino? Paulo, você pode nos esclarecer o porquês?

    ResponderExcluir
  37. Se essa doutrina do juízo investigativo é tão importante porque os adeptos do adventistas não sabem aborda tal ensino? Paulo, você pode nos esclarecer o porquês?

    ResponderExcluir
  38. Se essa doutrina do juízo investigativo é tão importante porque os adeptos do adventistas não sabem aborda tal ensino? Paulo, você pode nos esclarecer o porquês?

    ResponderExcluir
  39. Irmão Matias, o que ocorre é a aplicação errada que os adventistas fazem da tipologia do sacerdócio judaico, ao relaciona-la com a pessoa de Jesus Cristo.

    No sacerdócio judaico, nosso Senhor é representado pelo sumo sacerdote que uma vez por ano, entrava com o sangue da vítima diante do propiciatório, sobre a arca, que representava o trono de Deus, no lugar santíssimo onde a coluna de fogo se apresentava entre os dois querubins uma vez ao ano, no dia do Perdão ou Expiação.

    Assim, Cristo, com seu próprio sangue, entrou no santíssimo celeste e assentou-se à destra de Deus, mostrando que a expiação tinha sido realizada. Os sumos sacerdotes da ordem Araônica, tinham de ficar todo o tempo de pé quando oficiavam no santíssimo ano após ano, porque aquilo era uma representação do sacrifício vicário de Cristo, que de fato, em sua pessoa fez o cancelamento dos nossos pecados.

    Os adventistas, errôneamente, ensinam que o sacrifício de Cristo não cancelou os nossos pecados, não efetuou a remissão deles, mas providenciou a remissão ou cancelamento deles, em um tempo futuro, quando Cristo iniciaria sua obra como sumo sacerdote; até lá, após sua ascenção, Cristo adentrou o primeiro véu do santuário celeste e permaneceu no primeiro compartimento ou lugar santo, intercedendo mas não fazendo a obra de cancelamento de pecados, desde Adão, o que só passou a acontecer quando adentrou o lugar santíssimo no santuário celeste, fazendo a mesma obra de expiação que simbolicamente fazia o sumo sacerdote do santuário terrestre, isto à partir de 22 de Outubro de 1844.

    Todo o livro de Hebreus desmente este ensinamento adventista; Cristo entra direto pelo seu sangue, e se assenta régiamente à destra de Deus. No santuário terrestre, o trono de Deus sempre ficava no lugar santíssimo, e era representado pelo propiciatório que ficava em cima da arca da aliança e onde uma vez ao ano era aspergido o sangue.

    Quando as Escrituras dizem que Cristo subiu sos céus, e assentou-se à destra de Deus, quer dizer que ele entrou direto no lugar santíssimo, assim como fazia o sumo sacerdote no dia da Expiação; agora, os adventistas não podem dizer como as Escrituras, de que Cristo ao ascender assentou-se à destra de Deus porque ensinam que Cristo permaneceu até 1844, no lugar santo do santuário celeste, só que o trono de Deus nunca ficou no lugar santo, mas somente atrás do véu principal, interior, no lugar santíssimo.

    São os êrros da tipologia adventista......

    Depois eu vou responder as questões levantadas pelo Sr. Adventista, que pelo jeito já está ministrando o curso da Voz da Profecia, kkk!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelo contrário, irmão Paulo Cadi, o amigo está a alegar de que Deus tenha ensinado errado ao Seu Povo, por séculos acerca do plano da salvação da humanidade.

      De que Cristo não cumpriria a parte diária do cerimonialismo exercida pelos sacerdotes! Tampouco exerceria a parte expiatória anual do Sumo-sacerdote!

      Dizer de que todo o trabalho de expiação se deu automaticamente através do sacrifício do Cordeiro, não faz sentido com os ensinamentos das Escrituras. Trata-se de presunção!

      Tampouco faz sentido a alegação de que Cristo, após assentar-se à destra do Pai, esteja privado de exercer seus trabalhos no Santuário!

      Excluir
  40. Sr. Adventista disse: "Pelo contrário, irmão Paulo Cadi, o amigo está a alegar de que Deus tenha ensinado errado ao Seu Povo, por séculos acerca do plano da salvação da humanidade."

    Resposta: "Pelo contrário" coisa nenhuma Sr. Adventista.

    Você é que de má fé está torcendo as escrituras. Leia hebreus capítulos 8-10 e prove que Cristo ficou em um suposto lugar santo até 22 de Outubro de 1844.

    O livro de Hebreus trata especifícamente do ritual do tabernáculo e da obra intercessora de Cristo, até à sua conclusão.

    Porque no livro de Hebreus não tem a passagem de Daniel 8:14, se de acordo com vocês ela cumpre um papel essencial no que está descrito principalmente nos capítulos 8=10 deste livro?

    Está falsa doutrina propagada por vocês, aqui, já virou picadinho, e embalado para voltar ao lugar de onde veio.

    À tarde, continua....agora, sem tempo.....tem mais.

    ResponderExcluir
  41. "O livro de Hebreus trata especificamente do ritual do tabernáculo"

    Conclusão equivocada!

    Paulo não está tratando especificamente do ritual do santuário, mas sim de particulares características sacerdotais e sumo-sacerdotais de Cristo.

    A Parte Bíblia que fala do santuário celestial e dos trabalhos que ali seriam realizados, segundo o modelo terrestre, cópia do verdadeiro e segundo os trabalhos ali realizados, cópia dos trabalhos que se realizariam no santuário celestial é o cerimonialismo.

    "e prove que Cristo ficou em um suposto lugar santo até 22 de Outubro de 1844."

    Faço-lhe o mesmo desafio. Prove de que Cristo ficou preso ao santo-dos-santos, amarrado ao Seu trono.

    Críticos desinformados é que assumem de que a crença adventista impossibilite a Cristo de andar livremente pelo santuário. Fazendo um espelhamento de suas próprias crenças de que Cristo esteja assentado em Seu trono no santo-dos-santos, impedido de exercer qualquer função no santuário.

    A compreensão adventistas porém é de que Cristo entrou no santuário, ELE todo, inaugurando-o assim como Arão, quando do términos da construção do santuário, onde adentrou ao santo-dos-santos a fim de inaugurá-lo e prepará-lo!

    No qual Cristo assentou-se à destra do Pai, sendo empossado como Rei e Sacerdote, segundo a ordem de Melquisedeque que também era sacerdote e rei.

    Por isto a crença adventista costuma dizer de que o trono de Deus tem "rodinhas". Significa que o trono não O limita a nenhum dos compartimentos!

    E como Deus, Cristo pode se movimentar por todo o universo, porém, como sacerdote, cristo não pôde passar ao santo-dos-santos até a data prevista por Daniel, a fim de cumprir TAMBÉM esta parte no cerimonialismo relativo ao Seu ministério!

    Quando fala do "passar ao santo-dos santos" está se falando do seu ofício sacerdotal! Como sacerdote, cristo não passou ao santo-dos-santos até a data prevista por Daniel. Porém como Rei e Deus, cristo pôde andar pelo santuário tranquilamente.

    Mas quando Cristo, dotado então de suas vestes sumo-sacerdotais, adentra ao Santo-dos-santos, para ali oficiar, dá início à um novo trabalho no plano da salvação, o juízo de toda a humanidade.

    ResponderExcluir
  42. E veja, se Paulo estivesse dizendo algo contrário àquilo que encontramos no cerimonialismo, Paulo é quem estaria distorcendo as Escrituras que ele estudara desde a sua infância!

    Mas Paulo não está fazendo isto! O que Paulo está exemplificando é a superioridade do sacerdócio de Cristo em relação ao sacerdócio humano.

    Precisava-se de vários sacerdotes e UM sumo-sacerdote vitalício, para que pudessem atender a TODA a congregação!

    No qual precisavam também de vários animais, para que cada pessoa pudesse cumprir, individualmente, o ritual representativo do derramamento de sangue de animais.

    Porém Paulo demonstra que Cristo e seu sangue consegue atender, por si mesmo, toda a humanidade!

    Noutras partes Paulo exalta a eficácia do sangue de cristo, demonstrando de que o sangue de animais, realmente não podiam salvar a pessoa alguma. Diferente do sangue de Cristo, capaz de redimir toda a humanidade.

    Porém Paulo não está menosprezando o sangue dos animais, nem os trabalhos sacerdotais, mas mostrando de que isto era uma representação daquilo que é o seu cumprimento, ou seja, o sangue de Cristo e seu trabalho hoje como nosso Sacerdote é que tem seu efeito salvífico.

    Assim Paulo ensinou que realidade onde se cumprem todas aquelas coisas é SUPERIOR à sua representação!

    Paulo utilizava estes argumentos para jogar a atenção dos cristãos para o cumprimento dos sacrifícios, que é Cristo! A fim de que as pessoas não se apegassem mais aos rituais de sacrifício de animais, ainda seguido pelos judeus.

    Assim, Paulo não estava criando uma doutrina nova acerca do Santuário Celestial! Paulo estava apenas ensinando que tudo aquilo que se passava no cerimonialismo eram sombras representativas de Cristo e Seu ministério sacerdotal.

    Tendo também que explicar certas diferenças do cerimonialismo terrestre para seu cumprimento no sacerdócio de Cristo.

    Porque a LIMITAÇÃO humana exigia que houvessem vários sacerdotes e o derramamento de sangue de vários animais!

    Porém no sacerdócio real, todas estas coisas se cumprem em um único homem, Cristo!

    Aquele sangue que precisava ser derramado diariamente, em seu cumprimento foi derramado UMA única vez na Cruz!

    E todos aqueles trabalhos, que exigiam vários sacerdotes, em seu cumprimento hoje é realizado por UM único homem!

    Então são estes DETALHES, e que dificultavam a compreensão da igreja, que Paulo se atentou primordialmente a explicar!

    ResponderExcluir
  43. E Paulo não fala do texto específico de Daniel 8:14, mas Pedro nos diz acerca dos eventos que se iniciam com o seu cumprimento (1 Pedro 4:17):

    O que Paulo trata em dois versos é dos eventos que antecedem este cumprimento, no mistério da iniquidade disto por Daniel.

    No que continuava sendo um mistério, porque a obra de transgressão ao santuário não havia alcançado ainda o tempo de seu cumprido.

    Cristo:
    "Quando, pois, virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no lugar santo; quem lê, entenda;" (Mateus 24:15)

    Se tal mistério houvesse se cumprido em Antíoco, Paulo e Jesus com certeza os identificariam! Mas não é isto o que a Bíblia nos mostra:


    "Ninguém de modo algum vos engane; porque o dia não chegará sem que venha primeiro a apostasia e seja revelado o homem da iniqüidade, o filho da perdição," (2 Tessalonicenses 2:3)

    "Pois o mistério da iniqüidade já opera; somente até que seja removido aquele que agora o detém." (2 Tessalonicenses 2:7)

    E quem detinha tal obra, era o próprio Cristo, a fim de se cumprirem antes as 70 semanas de oportunidade que Deus deu ao Povo de Israel.

    Mas com a morte de Estêvão e o fechamento deste tempo profético de 490 anos, a iniquidade teve liberdade de operar!

    Cristãos começaram a serem mortos, veio a destruição de Jerusalém e os cristãos tiveram que se refugiar nos montes.

    Veio a aliança com Roma, surge o Papado! A verdade é deitada por erra e o exercito de Deus é pisado.

    A Bíblia é escondida e os sinceros filhos de Deus que têm que fugir para o deserto, onde ficaria por 1.260 anos da supremacia papal.

    E ao final deste período, a Bíblia retoma seu lugar de destaque e as duas testemunhas Antigo e Novo Testamento, voltam a profetizar! E a igreja que antes havia fugido para o deserto retorna ao cenário mundial.

    ResponderExcluir
  44. O prazer desse rapaz é distorcer a bíblia, e o pior é que escreve, escreve e acaba não dizendo nada. E triste isso!!

    ResponderExcluir
  45. O prazer desse rapaz é distorcer a bíblia, e o pior é que escreve, escreve e acaba não dizendo nada. E triste isso!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O remanescente:

      Durante os 1.260 anos de supremacia papal, os remanescentes que se posicionaram contra o sistema papal tiveram que se abrigar em montanhas e lugares a esmo.

      Mesmo tendo sido perseguidos e dizimados, a chama da verdade porém, nunca foi apagada e os ensinos verdadeiros mantidos por estes povos, dentre eles, os valdenses e os albigenses, alcançaram posteriormente os mártires da fé, dentre eles Wycliffe, Jan Hus e Jerônimo de Praga.

      Estes remanescentes semearam o caminho da reforma que surgiria mais tarde por meio de um homem chamado Martinho Lutero.

      A reforma foi feita, porém de forma incompleta, e neste percurso a igreja se dividiu!

      Mas no tempo aprazado do cumprimento das maior profecia de Daniel o próprio livro de Daniel, antes selado, começou a ser novamente aberto ao entendimento!

      E as igrejas se reuniram novamente em torno de uma mensagem: a de que Cristo voltaria!

      Antes, doce como o mel, esta mensagem porém resultou em um amargo desapontamento!

      Milhares de cristãos desistiram da fé. Outros milhares retornaram para suas igrejas, muitos ao custo de muita humilhação.

      Um grupo porém, de remanescentes, perseverou e encontrou as respostas para o livro de Daniel!

      Surge então a Igreja Remanescente!

      E já não mais um, dois ou três individualmente, mas toda uma igreja remanescente então nomeada "Igreja Adventista do Sétimo Dia", agora surge no cenário mundial, a fim de dar continuidade à restauração das verdades deitadas por terra pelo papado e ajudar a preparar um povo a estar de pé na vinda de Cristo.

      Excluir
    2. Kkkkkkkkk Kkkkkkkkk
      Kkkkķkkkk
      E um pouco mais:
      Kkkkkķkkkkk

      Excluir
  46. Quanta fantasia! Onde é que esse rapaz quer chagar? Se alguém souber me avisa por favor!!

    ResponderExcluir
  47. Quanta fantasia! Onde é que esse rapaz quer chagar? Se alguém souber me avisa por favor!!

    ResponderExcluir
  48. Boa Noite! Em comentários anteriores, eu chamei atenção para o fato de que as "2300 tardes e manhãs" de Daniel 8:14, conforme interpretada pelos adventistas, não completa o número EXATO DE DIAS para chegar as "2300 tardes e manhãs, conforme pretendem os adventistas.

    Eu nem estou contemplando outras interpretações aceitas, com respeito a profecia das 70 semanas de Daniel 9:24, que os adventistas dizem, começou em 456 aC. Estou somente me detendo, e partindo da interpretação dos adventistas.

    Enfim, eles dizem que a profecia das "2300 tardes e manhãs" de Daniel 8:14, começa no mesmo ano da profecia das 70 de Daniel 9:24 [que vai até Cristo] no ano 456 aC.

    A profecia das 70 semanas vai de 456 aC até o ano 34 dC; a profecia das 2300 tardes e manhãs começa no mesmo ano da profecia das 70 semanas [456 aC], estendendo-se até o dia 22 de Outubro de 1844, perfazendo 2300 dia-anos proféticos, ou seja, cada dia da profecia das "2300 tardes e manhãs", vale um ano.

    Eu já disse, que para a profecia das "2300 tardes e manhãs" [tudo isto que eu estou dizendo "segundo" os adventistas, é claro] ter seu cumprimento EXATO DE NÚMERO DE DIAS, o decreto do rei Artaxerxes [para a reconstrução do templo, não da cidade, mas isto é outro êrro dos adventistas, porque eles partem da data para a reconstrução do templo, não da cidade, conforme Dn.9:24, mas deixa prá lá por enquanto] continuando, para as "2300 tardes e manhãs" de Dn.8:14, cumprirem o NÚMERO EXATO DE DIAS, o decreto de Artaxerxes teria de ter sido emitido em 22 de Outubro de 1844.

    Bem, depois de toda essa conversa, eu vou provar, ops!, não eu, a Bíblia vai provar que os adventistas ouviram o galo cantar, mas não sabem onde.

    Vamos abrir a Bíblia no livro de Esdras, no capítulo 7:7....aí diz que Esdras subiu a Jerusalém, no sétimo ano do rei Artaxerxes; no verso 8, diz que Esdras chegou a Jerusalém no QUINTO MÊS [seria o fim de Julho e início do nosso mês de Agosto]; no verso 9, diz que Esdras havia partido de Babilônia para Jerusalém, NO PRIMEIRO DIA DO PRIMEIRO MÊS, e chegou a Jerusalém [conforme o verso 8] NO PRIMEIRO DIA DO QUINTO MÊS.

    No verso 11, está a cópia [do Decreto de Artaxerxes, Daniel 9:24, data que os adventistas dizem que começou as 2300 tardes e manhãs] que o rei Artaxerxes, na Babilônia, deu a Esdras, e que entrou em vigor NO QUINTO MÊS [início de nosso Agosto].

    Resumo da Ópera: Esdras saiu de Babilônia, com a cópia do decreto de Artaxerxes NO PRIMEIRO DIA DO PRIMEIRO MÊS [Abril] e chegou em Jerusalém NO PRIMEIRO DIA DO QUINTO MÊS [Agosto] do ano 456 aC [de acordo com os adventistas, no caso a data do ano do Decreto], para o Decreto entrar em vigor.

    Portanto, o Decreto de Artaxerxes, entrou em vigor nos primeiros dias de Agosto do ano 456[, para alguns, 457,458].

    Agora vem o "final cut".

    Os adventistas dizem que Cristo entrou no lugar santíssimo do santuário celestial, em 22 de Outubro de 1844, segundo os adventistas NO DÉCIMO DIA DO SÉTIMO MÊS [Judaico].

    Só, que para o cálculo deles dar EXATO, Cristo teria de ter entrado no santíssimo celeste, vai, em NO DIA PRIMEIRO DO QUINTO MÊS [ o nosso Agosto] porque nesse mês o Decreto entrou em vigor, ou NO PRIMEIRO DIA DO PRIMEIRO MÊS [Abril] quando Esdras saiu de Babilônia com o Decreto do rei!!!

    Então, os adventistas estão com a faísca atrasada, se pretendem que seus cálculos tenham exatidão profética.

    O Jesus deles entrou no lugar santíssimo do santuário celestial, com quase setenta dias de atraso, se contarmos à partir de quando o Decreto entrou em vigor NO PRIMEIRO DIA DO QUINTO MÊS [nosso Agosto], ou com 180 dias de Atraso [arredondando] se contarmos à partir da saída de Esdras da Babilônia com o decreto do rei, NO DIA PRIMEIRO DO PRIMEIRO MÊS [nosso Abril]!!!!!

    A conta adventista não tem a exatidão profética que eles pretendem.

    pausa para o café.... depois, tem mais!





    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para um Dispensacionalista que acredita, que as 70 semanas pararam de ser contadas na morte de Cristo e voltará a ser contada seculos depois na segunda volta de Cristo, chega ser até hilário ver este comentário incoerente sobre as 70 semanas sendo contadas no seu ponto de vista Dia/Mes/Ano, faltou vc contar as horas, minutos, segundos, milissegundos e milionésimos de segundos. rsss

      O mundo não gira em torno de vc Paulo Cadi, as explicações Escatológicas não têm que satisfazer suas vontades, seus interesses, seu ego.
      Entenda de uma vez por todas, não é o seu gosto, é o que a palavra de Deus diz e pronto, simples assim. Mas sei que vc não quer explicação, quer sim, encontrar maneiras de distorcer o assunto.

      Nós seres humanos somos falhos e pecadores mas podemos ser racionais, vc é Dispensa cionalista. rsss

      Se contar apenas o Ano vc encontrará a exatidão, a Adventista considera a data de 22 de Outubro simplesmente porque o dia do Yon Kipur, dia do Perdão, Purificação do Santuário é o mesmo que está em Daniel 8:14.

      E ele me disse: Até duas mil e trezentas tardes e manhãs; e o SANTUÁRIO SERÁ PURIFICADO.

      Santuário será Purificado, Purificação do Santuário, Yon Kipur, dia do Perdão, Décimo dia do Sétimo Mês, tudo equivale ao nosso dia 22 de Outubro.

      É tão obvio, não entendo sua raiva pela Adventista.

      Excluir
    2. Correção rssss

      Eu disse:"70 semanas sendo contadas no seu ponto de vista Dia/Mes/Ano"

      O Correto: 2300 tardes e manhãs inclusos as 70 semanas, sendo contadas no seu ponto de vista Dia/Mes/Ano.

      Excluir
  49. Correção, no quinto parágrafo, última linha, onde diz "Artaxerxes teria de ter sido emitido em 22 de Outubro de 1844" LER "Artaxerxes teria de ter sido emitido em 22 de Outubro DE 456 AC."

    ResponderExcluir
  50. Paulo Cadi.
    Usando as palavras de seu fiel escudeiro Matias, vulgo Ferro e fogo.
    "Quanta fantasia! Onde você quer chegar rapaz? Se alguém souber me avisa por favor!"

    ResponderExcluir
  51. Moisés Neves, lembre-se, o progenitor espiritual de vocês, o qual Ellen White disse que estava sendo iluminado pelo deus capeta e saci pererê, marcou o DIA, O MÊS, E O ANO DA VINDA DE JESUS, e vocês aceitaram, e deram outra explicação.

    Os cálculos de vocês não batem, porque para ser EXATO tem de fechar o dia e o mês para deixar sem falha os 2300 anos de vocês, e que pela previsão de William Miller fazem parte o DIA E O MÊS.

    Alguém só comemora o aniversário, quando completam-se o dia, o mês e o ano.

    Para dar 2300 anos completos, com o dia e o mês que William Miller fez questão de incluir, e White aceitou, o, Decreto de Artaxerxes teria de ter sido emitido em 22 de Outubro de 456 aC, de outra forma o cálculo de vocês é falho, porque Miller e depois White não levaram em conta somente o ano, mas também o dia e o mês.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bingo irmão Paulo Cadi!

      Parabéns pra você! Você nos pegou!

      Se na sua visão (exclusivamente) nossa conta NÃO FECHA... o que dizer da SUA CONTA de 1150 dias LITERAIS que não FECHAM por faltar se não me engano 90 DIAS LITERAIS sobre ANTÍOCO EPIFÂNIO?

      Quem teria o CÁLCULO certo já que nós e o seu CÁLCULO estariam errados?

      Quem?

      Excluir
  52. Paulo Cadi está questionando a data. Porém, ao fazer isto não está questionando os adventistas, mas o historicismo.

    Porém, de forma infundada:

    https://herancajudaica.wordpress.com/2013/12/24/o-decreto-de-reconstrucao-de-jerusalem/

    Percebendo que, partindo 2.300 anos do decreto, chegamos à exata data de 1844, o único recurso (fora da interpretação) para anular o cumprimento desta data como naquele ano, seria questionar o ano de partida da contagem.

    Porém, nem historicamente nem profeticamente há como se negar aquela data.

    Historicamente porque a data de início da contagem é algo que passou por estudos por diversas vezes e os historicistas chegaram à conclusão de que não há dúvidas quanto a este assunto.

    Paulo Cadi teria que apresentar razões históricas ou documentais a fim de provar sua teoria, ao invés de especulações.

    Uma larga diferença que há entre o historicismo e o dispensacionalismo é que o historicismo especializa-se na história.

    Outro fato é que tanto se pode organizar as datas à partir do seu início, quanto de qualquer evento ocorrente dentro das 70 samanas, como, a data em que Cristo foi batizado, a data da morte de Cristo e a data da morte de estêvão, e até mesmo o cumprimento das primeiras 7 semanas:

    http://s970.photobucket.com/user/jesusvoltara/media/jesusvoltara/arquivos_selo/jpeg29.jpg.html

    Portanto se a data de partida de 457 a.c estivesse errada, as ocorrências que estão dentro das 70 semanas não "bateriam". O que de fato não ocorre, pois as profecias ocorrem perfeitamente nos intervalos previstos quando a data inicial tomada é 457 a.c

    Portanto, tendo como base o cumprimento de vários eventos anteriores, é obvio que não há como se ter dúvida de que 1844 corresponde ao final das 2300 tardes e manhãs.

    Outro fato é que em 1844 encontramos o cumprimento da profecia da abertura do livro selado de Daniel:

    Apocalipse 10:9-10;

    E a missão da igreja que começou a surgir à partir dali:

    Apocalipse 10:11;

    Tanto é verdadeira a profecia das 2.300 tardes e manhãs de Daniel em 1844 que houve uma cogitação mundial em torno da retomada de estudos aprofundados!

    E tanto o cumprimento das 2.300 tardes e manhãs em 1844 é verdadeira que não somente os adventistas, mas outras denominações e crenças, e que inclui as de Paulo Cadi, também encontraram a existência de um Santuário Celestial e do Sumo-sacerdócio de Cristo!

    E esta compreensão surgiu imediatamente após o desapontamento, por meio de uma conclusão/visão adventista.

    E reconhecemos a existência das três mensagens angélicas, no escopo de ensinamentos adventistas:

    1ª Mensagem:

    "E vi outro anjo voar pelo meio do céu, e tinha o evangelho eterno, para o proclamar aos que habitam sobre a terra, e a toda a nação, e tribo, e língua, e povo,
    Dizendo com grande voz: Temei a Deus, e dai-lhe glória; porque é vinda a hora do seu juízo. E adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas."
    (Apocalipse 14:6,7)

    Estas palavras se cumprem imediatamente pós o desapontamento, no movimento Adventista que então surgiu.

    - Na mensagem do início do juízo;
    - E na mensagem da necessidade de adorar a Deus no dia memorial da Criação;

    E também a segunda mensagem:

    "E outro anjo seguiu, dizendo: Caiu, caiu Babilônia, aquela grande cidade, que a todas as nações deu a beber do vinho da ira da sua fornicação." (Apocalipse 18:8)

    - Trazendo a elucidação do que é a Babilônia;
    - Mostrando historicamente e profeticamente as mazelas da Igreja Romana sob a autoridade do papado.

    E por fim, a terceira mensagem:

    " E seguiu-os o terceiro anjo, dizendo com grande voz: Se alguém adorar a besta, e a sua imagem, e receber o sinal na sua testa, ou na sua mão," (Apocalipse 14:9)

    A marca da Besta tem a ver com aquilo que foi alertado pelo primeiro anjo, sobre adorar a Deus e dar-lhe glória, citando os eventos da criação no que parafraseia aquilo que há contido no 4º mandamento da Lei de Deus.

    (...)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, não consigo ver outra igreja, como que cumprindo os quesitos proféticos que indicam o início da obra de juízo, previsto no ritual da Purificação do Santuário.

      Outro sinal que aponta o cumprimento destas profecias em 1844 é o fato de também ter surgido, mais uma vez, um profeta verdadeiro. O que reconhecemos em Ellen White.

      Dentre os candidatos a profetas, dentre eles, Joseph Smith, Alan Kardec, Maomé, dentre tantos outros o único verdadeiramente cristão, e que se apoiou inteiramente na Bíblia, sem revogar nenhum de seus livros e que construiu obras que exaltam a Jesus, foi Ellen G. White.

      Ela cumpre todos os quesitos necessários para um verdadeiro profeta:

      Nos bons frutos exigido a um verdadeiro profeta, no que podemos ver em sua vida dedicada inteiramente ao cristianismo, à caridade.

      Nas instituições destinadas a cuidar do ser humano integral, através de escolas, hospitais, centro de vida saudável e igrejas.

      Nas mais de 2.000 visões dentre as quais mais de 99% delas se conservam inquestionadas quanto ao seu cumprimento.

      Na extensa obra de mais de 100 mil páginas construídas de próprio punho, todas em torno da Bíblia sem se desviar para outra fonte de fé.

      Sendo a escritora cristã mais aceita pela cristandade em todo o mundo o que a tornou a escritora cristã mais traduzida de toda a história.

      E no resultado de suas instruções e recomendações e que vemos traduzidos na IASD hoje!

      Um povo de larga longevidade, extremamente estudiosos da Bíblia e que tem sido hoje foco de atenção mundial, tanto pela parte religiosa/doutrinária, quanto pela parte de saúde que é alvo de pesquisa de universidades conceituadíssimas como a de Havard e pelo "ministério da saúde" dos EUA.

      Ali vemos a Bíblia por inteiro sendo cumprida de forma visível, desde mandamentos como o sábado, até as regras de saúde! E també as profecias!

      Tudo aquilo que há nas escrituras é ensinado pela igreja que surgiu à partir de 1844. E se cumpre de forma admirável na Igreja Adventista do Sétimo Dia! E que considera TODOS os ensinos Bíblicos tanto do Antigo como Novo Testamento inteiramente válidos.

      O que é um pisão no pé de abolicionistas e simpatizantes, uma vez que há, a contragosto destes, uma igreja que consegue viver harmonicamente com as doutrinas do Novo Testamento sem se revogar ponto algum do que há contido no Antigo Testamento!

      Contrariando o que alegam alguns abolicionistas, que ainda hoje tentam se fazer acreditar de que é impossível harmonizar Antigo e Novo testamento, guardando assim a Bíblia como se fosse um ensinamento só e harmônico!

      Este é o motivo de tais pessoas se tornarem críticos e tentarem tanto perseguir a Igreja Adventista do Sétimo Dia.

      Porque pregam em si, de forma prática e real, contra aqueles ensinamentos de que certos mandamentos teriam sido abolidos/modificados.

      E como diz aquela frase meme popular hoje nas redes sociais:

      ("haters gonna hate")

      Excluir
  53. Irmão Matias, eles não tem argumentos, não apresesentam os textos que apoiem a heresia do "juízo investigativo"; ficaram pendurados naquele verso de Daniel 8:14, e mais nada! Sempre quando um adventista sai para " campo aberto", para um debate "ao vivo" com alguém que conhece bem suas doutrinas, eles perdem e começam a levar "toco" de todos os lados. A única coisa que eles tem, é este rosário manufaturado lá em 1844, por gente que não se arrependeu da "porcaria" que eles fizeram.

    Ontem não foi possível..... depois continua a "depredação", he he he!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E onde aconteceu isto, irmão Paulo Cadi?

      "quando um adventista sai para " campo aberto", para um debate "ao vivo" com alguém que conhece bem suas doutrinas, eles perdem e começam a levar "toco" de todos os lados." (segundo Paulo Cadi)

      O irmão teve algum sonho neste sentido?

      Isto é o que todo crítico anti-adventista deseja ser quando crescer?

      Excluir
  54. Paulo, onde na bíblia aparece expiação provida e aplicada. Tenho muito tempo como cristã; nunca vi fala de tal doutrina, você pode explica-la.

    ResponderExcluir
  55. Paulo, onde na bíblia aparece expiação provida e aplicada. Tenho muito tempo como cristã; nunca vi fala de tal doutrina, você pode explica-la.

    ResponderExcluir
  56. Irmão Matias, isso é outra invenção adventista, já que eles dizem que Cristo levou os nossos pecados, sendo esta a primeira etapa da expiação, e a segunda etapa é quando Cristo começa o cancelamento ou remissão dos pecados que estão no segundo compartimento ou santíssimo lugar do santuário celestial. A coisa funciona assim ⇒ Cristo levou nossos pecados, mas não os apagou, não houve a remissão ou cancelamento deles no dia de sua morte, e nem no dia de sua ressurreição.

    Depois de sua ressurreição, e Cristo ficar ainda 40 dias com os discípulos, ele subiu aos céus e dirigiu-se ao primeiro compartimento do santuário celestial onde teve de aguardar até 22 de Outubro de 1844, para começar a segunda fase da expiação que começou na cruz; o que é a segunda fase da expiação? Segundo a doutrina adventista, a segunda fase da expiação é quando Cristo começa a examinar a vida de todos aqueles que professaram a fé nele, desde Adão. Então Cristo compara o caráter de cada indivíduo com os dez mandamentos; se a pessoa se arrependeu de seus pecados, e viveu de acordo com os dez mandamentos, o perdão definitivo lhe é concedido com base no sacrifício de Cristo, ou seja, o sangue de Cristo está sendo aplicado aos crentes, desde a segunda fase da expiação à partir de 22 de Outubro de 1844, que para os adventistas corresponde ao dia da Expiação judaico que caia no décimo dia do sétimo mês, quando o sumo sacerdote entrava no lugar santíssimo para efetuar a purificação dos pecados do povo, anualmente.

    Está doutrina adventista, da expiação em duas fases como descrevi acima, NÃO É ENSINADA PELOS APÓSTOLOS! É PURA HERESIA.

    Daqui a pouco eu volto, porque tenho algumas considerações a fazer, daquilo que eles estão afirmando.....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Está doutrina adventista, da expiação em duas fases como descrevi acima, NÃO É ENSINADA PELOS APÓSTOLOS! É PURA HERESIA."

      Esta doutrina era aprendida por Paulo e por todos os discípulos de mestres da Lei.

      Tanto que por conta disto, Paulo foi plenamente capaz de compartilhar parte de seu conhecimento acerca do ministério sacerdotal de Cristo com a Igreja.

      João Batista aprendeu a doutrina do santuário, tanto que reconheceu em Cristo a figura real do cordeiro pelo qual o pecado era expiado no cerimonialismo.

      Pedro, reconheceu que se aproximava o dia da expiação e previu o juízo que sobreviria sobre a humanidade, começando pela própria Casa de Deus, os salvos em Cristo.

      E não houvesse Paulo dito que há um Santuário no Céu, onde Cristo intercede como nosso Sumo sacerdote e não houvesse Paulo ligado o santuário terrestre e seus compartimentos ao santuário terrestre, os irmãos estariam dizendo de que "esse negócio de santuário e sumo-sacerdócio" seria bobagem e heresia.

      Os adventistas assim entendem que o Sacerdócio de Cristo no Santuário Celestial é cumprimento daquilo que havia sido previsto no santuário terrestre, porque assim como Paulo e demais estudiosos da lei, os adventistas estudaram profundamente as escrituras, no que chegaram à mesma conclusão de Paulo, de que Cristo cumpre hoje o seu sacerdócio no santuário celestial que é realidade daquele santuário terrestre.

      Portanto, longe de ser heresia, os trabalhos expiatórios e de juízo, realizados por Cristo, são uma realidade hoje, só não enxerga quem não quer enxergar, porque Paulo, João batista, Jesus e Pedro conseguiram perfeitamente enxergar de que Cristo cumpriria TODOS aqueles quesitos do cerimonialismo, sem em nada faltar.

      E por tanto se a IASD pregasse uma heresia, seria uma "heresia" que estava prevista no cerimonialismo, representado em toda a história do Povo de Israel e tendo sido dada e ensinada pelo próprio Deus.

      Portanto não é heresia, mas a doutrina do santuário terrestre aplicada e explicada em seu cumprimento!

      Seguindo exemplo de Paulo que fez isto de forma parcial, na oportunidade de suas epístolas e que tratavam evidentemente de um outro assunto.

      Assim utilizamos a aplicação que Paulo fez, em ligar o cerimonialismo, como uma sombra, ao ministério celestial de Cristo.

      E sabemos que toda sombra é uma representação fiel de sua imagem.

      Excluir
    2. Sr. Adventista, quando você der suas explicações, faça como eu, mostre os textos para provar o que diz. Cole os versículos, entendeu?

      Não adianta ficar de papo furado.

      Cole os versículos que comprovem o que você está afirmando, para confirmar o que você está afirmando.

      Não cite apenas o número dos capítulos e versículos, como ocasionalmente você faz.

      Cole o texto, para vermos se o que você pretende provar, tem fundamento.

      Você fica, falando demais, e não faz a CITAÇÃO DOS VERSÍCULOS.

      E, se possível, pare de postar estes links, porque eu conheço o adventismo de trás prá frente!

      Explique mas também mostre os versículos, como por exemplo Cristo no lugar santo até 22 de Outubro de 1844.

      Ok?

      Excluir
  57. Agora eu vou mostrar um outro êrro nesta interpretação adventista da profecia de Daniel 8:14. Os adventistas dizem que a profecia das 70 semanas de Daniel 9:24-27, fazem parte e começam no mesmo ano da profecia das 2300 tardes e manhãs de Daniel 8:14, no ano 456 aC.

    A profecia das 70 semanas de Daniel 9:24-27, são 490 anos que se estendem até Jesus.

    Os adventistas interpretam assim..... A última semana semana de anos desta profecia, 7 anos, vai do ano 27 quando começa o ministério de Cristo, em seu batismo, chegando a metade da semana no ano 31 com a morte de Cristo, onde, segundo os adventistas. Cristo fez cessar a oferta de sacrifícios, restando a última metade da septuagésima semana, seu fim, no ano 34, quando Estevão é martirizado e a nação de Israel é rejeitada deixando de ser o povo de Deus.

    Bem, vamos citar o texto.....


    "24 Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo, e sobre a tua santa cidade, para cessar a transgressão, e para dar fim aos pecados, e para expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e para ungir o Santíssimo.25 Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar, e para edificar a Jerusalém [456 aC para os adventistas] até ao Messias, o Príncipe, haverá sete semanas [49 anos] e sessenta e duas semanas [434 anos]; as ruas e o muro se reedificarão, mas em tempos angustiosos.26 E depois das sessenta e duas semanas [434 anos+49 anos= 483 anos, restando a última semana de anos, 7 anos] SERÁ CORTADO O MESSIAS [JESUS], mas não para si mesmo; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas as assolações.27 E ELE FIRMARÁ UMA ALIANÇA COM MUITOS POR UMA SEMANA; E NA METADE DA SEMANA FARÁ CESSAR O SACRIFÍCIO E A OBLAÇÃO; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador."

    Os adventistas dizem que foi Cristo quem fez "aliança com muitos por 1 semana [a septuagésima] e também fez cessar os sacrifícios e ofertas, e que o fim da septuagésima semana ocorreu no ano 34 dC com o martírio de Estevão e com isso a rejeição da nação de Israel.

    Antes de eu esclarecer isto, vou esperar a explicação do Sr. Adventista.

    ResponderExcluir
  58. Sim irmão Paulo Cadi a última semana de Daniel, corresponde aos eventos desde o batismo de Cristo, até o apedrejamento de Estêvão, tendo a ocorrência da crucifixão de Cristo na metade da semana:

    http://i970.photobucket.com/albums/ae183/jesusvoltara/jesusvoltara/arquivos_selo/jpeg29.jpg

    Enquanto que na visão dispensacionalista, esta última semana é deslocada para um futuro incerto, sem data marcada. Com que correspondendo ao período da grande tribulação.

    Lembra que o irmão me pediu datas exatas de início e final de cada profecia?

    Pois é, o gráfico dispensacionalista, por sua vez, não cabe em suas exigências:

    http://image.slidesharecdn.com/ateoriadointervaloemdaniel9-27-120330103812-phpapp02/95/a-teoria-do-intervalo-em-daniel-9-27-10-728.jpg?cb=1333104644

    E joga o cumprimento da última semana para teorias onde:

    - Israel faria aliança com o Anticristo;
    - Ocorreria uma quebra da aliança;
    - Então viria o armagedom;

    E colocam também um arrebatamento secreto, antes da vinda do anti-cristo:

    http://2.bp.blogspot.com/-MT6MuezRTSE/TwmYsKLe3-I/AAAAAAAAAnY/g6H-u_k5MO4/s1600/As+setenta+semanas+%2528Daniel+Cap.+9%2529%255B1%255D.jpg

    Comparando as duas crenças:

    "E ele firmará aliança com muitos por uma semana;
    Daniel 9:27"

    Quem?

    (historicista): Cristo com os de Israel;
    (dispensacionalista): Israel com o anti-cristo;

    "e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação;" (Daniel 9:27)

    Por que? O que ocorre?

    (historicista) Cristo morre;
    (dispensacionalista): Quebra da aliança;

    E o que marca o final da última semana?

    (historicista) O fim das setenta semanas de oportunidade para Israel;
    (dispensacionalista) O armagedom;

    Veja a simplicidade e concisão da última semana, segundo historicistas:

    http://www.iasdemfoco.net/2009/esc2.jpg

    ResponderExcluir
  59. Sr. Adventista disse....."Sim irmão Paulo Cadi a última semana de Daniel, corresponde aos eventos desde o batismo de Cristo, até o apedrejamento de Estêvão, tendo a ocorrência da crucifixão de Cristo na metade da semana"

    Resposta⇨ Está interpretação adventista [assim como interpretações semelhantes] apresentam alguns problemas.

    Cristo, não fez aliança com ninguém, durante 7 anos; a única aliança que ele fez, foi a nova aliança, com seus apóstolos, que representavam os judeus crentes, à quem o apóstolo Paulo chamou de "Israel de Deus." Gl.6:16 "E a todos quantos andarem conforme esta regra, paz e misericórdia sobre eles e sobre o Israel de Deus."

    "Porque, repreendendo-os, lhes diz: Eis que virão dias, diz o Senhor, Em que com a CASA DE ISRAEL e com a casa de JUDÁ estabelecerei uma NOVA ALIANÇA 9 NÃO SEGUNDO A ALIANÇA QUE FIZ COM SEUS PAIS no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; Como não permaneceram naquela minha aliança, Eu para eles não atentei, diz o Senhor.10 PORQUE ESTA É A ALIANÇA que depois daqueles dias farei com a CASA DE ISRAEL, diz o Senhor; Porei as minhas leis no seu entendimento, E em seu coração as escreverei; E eu lhes serei por Deus, E eles me serão por povo." Hebreus 8: 8-10.


    "Ora, o Deus de paz, que pelo SANGUE DA ALIANÇA ETERNA tornou a trazer dos mortos a nosso Senhor Jesus Cristo, grande pastor das ovelhas." Hebreus 13:20.


    "Semelhantemente, tomou o cálice, depois da ceia, dizendo: Este cálice é a NOVA ALIANÇA no meu sangue, que é derramado por vós. Lucas 22:20.

    ESTÁ É A ÚNICA ALIANÇA QUE CRISTO FEZ NO SEU SANGUE. Cristo nunca iria fazer uma aliança que não fosse no seu sangue; inclusive a antiga aliança feita com o sangue de animais, apontava para a única e eterna aliança NO SANGUE de Cristo, inaugurada na cruz.

    Segundo a lei, a aliança tinha de ser ratificada com o derramamento de sangue; no batismo de Cristo, não houve derramamento de sangue.

    Os adventistas terão de dizer quem são "os muitos" de Daniel 9:27 com quem Cristo teria feito aliança por 1 semana [7 anos]?

    Os adventistas dizem que Deus rejeitou a nação de Israel, no ano 34 dC, final da septuagésima semana de Daniel, por causa do martírio de Estevão. Isto não é verdade, porque Deus reafirma Israel na nova aliança.

    "Porque, repreendendo-os, lhes diz: Eis que virão dias, diz o Senhor, Em que com a CASA DE ISRAEL e com a CASA DE JUDÁ [Reinos do Norte e do Sul] estabelecerei uma NOVA ALIANÇA.



    "Digo, pois: PORVENTURA REJEITOU DEUS O SEU POVO? DE MODO NENHUM; porque também eu sou israelita, da descendência de Abraão, da tribo de Benjamim." Rm.11:1.



    A nova aliança foi feita com Israel, não com os gentios. Os gentios entram na nova aliança pelo Evangelho.


    Daniel 9:27........ "[E ELE] firmará aliança com muitos por uma semana; E NA METADE DA SEMANA FARÁ CESSAR O SACRIFÍCIO E A OBLAÇÃO;

    e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador."

    Os adventistas dizem que Cristo com sua morte, fez "cessar" os sacrifícios e demais ofertas prescritas pela lei cerimonial.

    Isto não é verdade, porque os Judeus continuram a oferecer sacrifícios, até que o templo foi destruído no ano 70 dC. O livro de Atos da abundante testemunho disso.

    O "fazer cessar" [os sacrifícios e ofertas de Daniel 9:27, é um ATO DE FORÇA, DE COAÇÃO, por um poder inimigo da nação de Israel. shâbath⇨ do hebraico, " literalmente fazer cessar como no descanso do sétimo dia.

    O personagem que faz aliança [com muitos] os adventistas terão de dizer que são esses " muitos", não é Jesus Cristo.

    Espero retorno do Sr. Adventista, COM TEXTOS BÍBLICOS PARA PROVAR O SEU PONTO DE VISTA. Se o Sr. Adventista não apresentar os textos bíblicos para demonstrar o contrário, e só vier com conversa solta, não irei responder.

    ResponderExcluir
  60. "Jesus enviou estes doze, e lhes ordenou, dizendo: Não ireis pelo caminho dos gentios, nem entrareis em cidade de samaritanos;Mas ide antes às ovelhas perdidas da casa de Israel;" (Mateus 10:5,6)

    "E ele, respondendo, disse: Eu não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel." (Mateus 15:24)

    Esta é a aliança que Cristo fez com a casa de israel! Porque pouco tempo faltava para o término das 70 semanas de oportunidade ao Povo de Israel.

    E o irmão mesmo disse, a nova aliança também foi estabelecida com o Povo de Israel! Desde o batismo de Cristo e início de Seu ministério, até o apedrejamento de Estêvão!

    E os judeus, continuaram oferecendo sacrifício, mesmo após o rasgar do véu do templo, porém não aqueles judeus com os quais Cristo fez aliança!

    Portanto Cristo faria aliança com muitos da casa de Israel. Antes do término do período de oportunidade e seriam estes que dariam continuidade ao legado de Cristo.

    Dispensacionalistas porém, alegam de que a ultima semana não poderia se cumprir neste período, porque não haveria NAÇÃO com as quais Cristo houvesse feito aliança!

    Porém isto parte de um equivocado pressuposto de que o "muitos" ali estaria se referindo a "nações". Por isto o dispensacionalismo não é confiável, porque se fia muito em pressupostos equivocados.

    Opinião dispensacionalista:

    "É importante saber que as 70 semanas de Daniel capítulo 9 são de anos e não de dias. Chega-se a essa conclusão devido os eventos mencionados em 9.24 que não se cumpriram ainda sobre Israel. E o versículo 29 diz “E ele fará aliança com muitos por uma semana”. Uma aliança com nações por uma semana de dias é praticamente sem sentido."

    http://www.eliziariodias.com.br/igrejacristabiblica/index.php/escola-dominical/estudo-biblicos?start=9

    Quando, porém, analisamos o texto de Daniel, percebemos que o "fazer aliança com muitos" se refere a pessoas.

    Quando uma pessoa prega a muitos, prega a pessoas.
    Quando uma pessoa ajuda a muitos, ajuda a pessoas.
    E quando uma pessoa faz aliança com muitos, faz com pessoas.

    ResponderExcluir
  61. Recentemente a Igreja presbiteriana no EUA aceitou o homossexualismo dentro de suas fileiras.
    poderíamos então usar da mesma premissa que o Sr. luciano utiliza a nosso respeito para descrever que todos dentro do presbiterianismo aceitam o
    homossexualismo?

    ResponderExcluir
  62. Ora, ora! quase todos os pioneiros adventistas eram anti-trinitarianos. Isto não quer dizer que não possam mudar de posição quanto confrontados com mais luz sobre o assunto.
    Isto é ponto pacificado dentro do adventismo desde o século XIX.
    Mas.... o homossexualismo é algo bem recente o qual o presbiterianismo aceitou de braços abertos nos EUA. Seria justo afirmar que todos os presbiterianos o aceitam? Creio que não.

    ResponderExcluir
  63. Ademais de onde vieram os pioneiros adventistas? Do metodismo, batistas do sétimo dia, etc....

    ResponderExcluir
  64. Ademais de onde vieram os pioneiros adventistas? Do metodismo, batistas do sétimo dia, etc....

    ResponderExcluir
  65. Ora, ora! quase todos os pioneiros adventistas eram anti-trinitarianos. Isto não quer dizer que não possam mudar de posição quanto confrontados com mais luz sobre o assunto.
    Isto é ponto pacificado dentro do adventismo desde o século XIX.
    Mas.... o homossexualismo é algo bem recente o qual o presbiterianismo aceitou de braços abertos nos EUA. Seria justo afirmar que todos os presbiterianos o aceitam? Creio que não.

    ResponderExcluir
  66. Recentemente a Igreja presbiteriana no EUA aceitou o homossexualismo dentro de suas fileiras.
    poderíamos então usar da mesma premissa que o Sr. luciano utiliza a nosso respeito para descrever que todos dentro do presbiterianismo aceitam o
    homossexualismo?

    ResponderExcluir