sexta-feira, 13 de junho de 2014

Libertação da mentira - “Adventista”

Eu já disse aqui a todos os adventistas que, se de fato o tema sábado é a pedra de decisão a serem adventistas, então que se afiliem ao grupo de cristãos genuínos da Igreja Batista do Sétimo Dia. Embora discorde eu da abordagem do sétimo dia, não posso desconsiderar o peso bíblico em favor do sábado – especialmente no que está no Antigo Testamento. Vejo isso como um descompasso com algumas coisas do NT, mas ainda sim, desde que seja para a guarda de um preceito livre de interpolações místicas e legalistas (=salvíficas), temos que proceder com sabedoria e amor. Caso fossem para a IBSD não acolheriam heresias como 1844, Ellen White e a Igreja Remanescente, entre outras coisas - (mais informações documentadas que provam que a IASD é uma seita, você poderá obter no livro A Conspiração Adventista).

Como mais uma prova que essa é minha disposição, não em declinar a minha tradição – tenho convicção que o dia do Senhor é o Domingo (Ap 1.10), apresento aqui um breve testemunho de um ex-adventista que o Senhor Jesus libertou das trevas para a bendita luz, e hoje está entre nossos irmãos batistas do sétimo dia:

“Congrego na Igreja Adventista há alguns anos; antes disso, era católico romano (embora já fosse mais protestante que católico, uma vez que não cria na autoridade do papa e da intercessão de Maria e dos santos). Conheci a IASD em uma daquelas conferências evangelísticas, e que foi realizada em meu bairro (onde eles começam apresentando temas sobre saúde, relacionamento, e vão passando gradualmente a apresentar suas doutrinas). 

Ao assistir as palestras, criei um amor ainda maior pela Bíblia, e entendi certas coisas que antes não entendia, como a doutrina da segunda vinda de Cristo e o Dia do Senhor [o sábado]. Algumas coisas foram mais difíceis de aceitar para mim, mas com o tempo (e esforço para tentar me encaixar à igreja) acabei acatando (como proibição de carnes imundas, negação da existência da alma e do inferno, que as demais igrejas eram Babilônia, etc.). Porém, houve duas doutrinas que nunca me fizeram muito bem: o 'dom profético' da senhora White e um juízo investigativo começando em 1844. Mas eu decidi não me aprofundar muito nesses assuntos, e quem sabe um dia no futuro pensar a respeito deles (acho que tinha um certo medo de descobrir que realmente isso tudo era uma mentira). 

Depois de alguns anos, decidi pesquisar na internet sobre outras igrejas guardadoras do Sábado, e fiquei sabendo da existência dos Batistas do 7º Dia. Lendo sobre eles, me identifiquei muito, e acabei concluindo de vez que Ellen White não foi uma profeta de Deus, e que a Bíblia era uma regra de fé suficiente para todo o cristão. Mas como não há uma Igreja Batista do 7º Dia na minha cidade, acabei ficando na IASD. Mesmo sabendo de todos os erros, não conseguia ver o perigo espiritual em que estava metido. Via a IASD apenas como mais uma denominação, com alguns problemas teológicos.

Recentemente alguns amigos adventistas, queriam me convencer sobre o dom profético de Ellen White, e ao estudarem a questão, eles mesmos acabaram se convencendo de todo o engano por trás da denominação. Eles saíram da IASD e agora congregam em uma Igreja Presbiteriana do Brasil. Acabamos nos convencendo da questão da alma e do inferno (os únicos pontos do Adventismo que eu ainda estava relutante em descartar). Eles eram adventistas muito sérios, levavam todos os pontos à risca, sendo inclusive vegetarianos. E me convenceram que estar na IASD representa um grande risco espiritual. Eles sofreram muito com essa saída, sofrendo preconceito e ostracismo de muitos que antes eram 'amigos' muito chegados deles.

Percebi, pela graça de Deus, que estava sendo conivente com uma obra de engano, e escondendo a verdade de Deus das pessoas. Por isso, decidi para ainda esse ano, pedir minha exclusão da IASD e declarar-me um Batista do 7º Dia. Quero ser fiel ao que Deus nos mostrou.

Um grande abraço, que Deus continue abençoando o seu ministério apologético a favor de Seu reino.”


Enviado por e-mail ao Blog MCA.

135 comentários:

  1. Se uma denominação como os Batistas do Sétimo Dia, (originais), ou similares, considerarem a observância do repouso no dia de sábado, de acordo com Rm.14:5-6, onde diz: "5 Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja inteiramente seguro em sua própria mente.
    6 Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz e o que não faz caso do dia para o Senhor o não faz"...... dentro da liberdade cristã, e não como um dogma ou ponto de salvação, eu, pessoalmente não vejo problema algum.

    As coisas se tornam problemáticas, quando sem nenhuma autorização do Espírito Santo, e dos Apóstolos, se quer impor uma lei que fazia parte da Antiga Aliança, aos gentios, sob a a meaça de perder a salvação.

    "Atos: 15:24 Porquanto ouvimos que alguns que saíram dentre nós vos perturbaram com palavras, e transtornaram as vossas almas, dizendo que deveis circuncidar-vos e guardar a lei, não lhes tendo nós dado mandamento,

    "Atos 15:28 Na verdade pareceu bem ao Espírito Santo e a nós, não vos impor mais encargo algum, senão estas coisas necessárias:
    29 Que vos abstenhais das coisas sacrificadas aos ídolos, e do sangue, e da carne sufocada, e da prostituição, das quais coisas bem fazeis se vos guardardes. Bem vos vá.
    30 Tendo eles então se despedido, partiram para Antioquia e, ajuntando a multidão, entregaram a carta.
    31 E, quando a leram, alegraram-se pela exortação..."

    O cristão, não estando debaixo do pacto de obras, ou seja, não será julgado pela lei, mas é salvo pela graça, tem a liberdade de escolher um dia para adorar a Deus, em comunidade; os cristãos escolheram, (por motivos óbvios), o primeiro dia da semana, ou domingo, por ser o dia da ressurreição de Senhor Jesus, e o início da nova criação do qual o Senhor Jesus é o protótipo, ou seja, assim como na velha criação que está presentemente passando, Deus disse, no primeiro dia, "Haja Luz", a nova criação em seu primeiro dia teve a luz da ressurreição, a luz da vida eterna.

    Agora, se os adventistas tem a observância do sábado como ponto de salvação, eles tem de repousar neste dia de acordo com a Torah, começando por circuncidar-se, senão a sua observância da lei não será válida, ou seja, é nula.

    Mas se o cristão não está debaixo do pacto de obras, mas sim debaixo da graça, sendo julgado somente pela fé ou não em Jesus Cristo, ele não estará errando se quiser reunir-se no sábado, dentro da liberdade cristã, ou seja, não estando preso as ordenanças da lei quanto a observância do sétimo dia, mas simplesmente como um dia de adoração a Deus e não transferindo as obrigações da observância do sábado judaico para o sábado cristão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Observações ponderadas meu irmão Paulo...

      Excluir
    2. Ao irmão Paulo,

      Os Batistas do 7º Dia creem que o Sábado é um mandamento moral, ainda válido na Nova Aliança (assim como os irmãos presbiterianos e de outras denominações históricas reconhecem a validade moral do 4º mandamento, embora creiam em uma teologia de substituição para o 1º dia da semana).

      Mas ressalto que, conforme afirma a Declaração de Fé:

      "Cremos que a salvação do pecado e da morte eterna é o dom de Deus, que manifestou Seu amor na redenção mediante a morte e ressurreição de Jesus Cristo, e esta só é recebida mediante a fé e arrependimento nele.

      Cremos que todos os que se arrependem do pecado, e recebem a Cristo como Salvador, não serão punidos no juízo final, mas desfrutarão da vida eterna."

      Portanto, a IBSD não vincula o Sábado a uma condição de salvação, nem deixam de considerar seus irmãos em Cristo aqueles que pensam de forma diversa nesse assunto.

      Paz!

      Excluir
    3. Olá Amigos! Sou Adventista, respeito todos e quero expor umas idéias para chegarmos a um bom senso. Respeito o que o Amigo Paulo escreveu, e concordo, pois Deus é misericordioso e o Apostolo Paulo nos diz em Efésios 2 que não somos salvos pelas obras mas sim pela graça, para que não nos gloriemos, mas nos versículos 21 e 22 é-nos identificados que temos que crescer espiritualmente para sermos edificados em Cristo, ou seja, se crescermos em Cristo automaticamente estaremos cumprindo os Mandamentos que é Amar a Deus sobre todas as Coisas (Os 4 primeiros mandamentos) e Amar o próximo como ele nos amou (Os 6 últimos mandamentos), se pegarmos os ensinamentos de Cristo chegaremos a algumas conclusões como ele próprio disse em Mateus 5:17-19 que não veio para anular a Lei e os profetas, portanto a Lei não foi abolida e as parábolas indicam além de comportamentos que temos que tomar, indica o reino de Deus e o fim dos tempos que os Livros de Daniel e Apocalipse nos mostra como será pois são livros de profecias e quem não quiser acreditar na Adventista pode ler o Livro de Isaac Newton "As Profecias de Daniel e Apocalipse" ou ver o programa Bíblia Fácil Daniel com Pr. Arilton na net. Em Apocalipse 14:12 mostra que devemos guardar os Mandamentos e a Fé em Cristo, não tenho espaço para descrever tudo, mas indico a todos fazer um estudo destes Livros, pois conta como será o tempo do fim e muitos Cristãos (Indiferente de denominação) estão identificando que estamos chegando próximo da volta de Cristo e a parábola das moças virgens conta que 5 moças entraram para o casamento e 5 ficaram para fora, nós identificamos que é o casamento de Cristo com a Nova Jerusalem, portanto devemos estar atentos mesmo que passem 100 ou 200 anos ou que já morremos, mas que estejamos preparados para sua volta, pois ninguém sabe quando será e este 4º mandamento que a Adventista guarda é cumprindo as escrituras para estarmos preparados, pois a guarda do sábado será primordial na volta de Jesus. Concluindo Amigos! O Estudo da Bíblia é difícil para todos, até os próprios Adventistas, quero deixar claro que a Adventista não prega que os Cristãos não serão salvos, prega sim que no "Tempo do Fim" (Volta de Cristo) fará diferença quem guarda o sábado. Espero contribuir e não criar brigas. Abraços Irmãos.

      Excluir
  2. Já provei que isto é verdade pois um colega adventista mim falou que não adianta para IBSD para a igreja adventista da promessa pois só isto não basta para pertencer a igreja verdadeira, ou seja, para ele só IASD é verdadeira igreja, Luciano Sena sou o Benivaldo Nunes Lima, uma pergunta a IBSD cre na imortalidade da alma e na eternidade do inferno.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irmão Benivaldo, pelo que consta sim.

      Excluir
    2. Boa noite Pós Hermeneutica FE!

      Podes ver a Declaração de Fé Batista do 7º Dia (BSD) aqui:

      http://www.ib7.org/_novo/declaracao-de-fe

      Conforme o preâmbulo da Declaração, "A Declaração de Fé da Igreja Batista do Sétimo Dia não tem força coercitiva sobre igrejas e/ou indivíduos."; "É por esse motivo que não temos nenhum credo obrigatório, ao qual os membros devam submeter-se (“Princípio do Não Credo”), exceto a Bíblia, e nenhum teste de credo, salvo as evidências de um coração regenerado pelo Espírito Santo, arrependimento dos pecados, confissão de Jesus como seu Senhor e Salvador, batismo por imersão, observância à lei moral e de uma vida cristã alicerçada nas Sagradas Escrituras."

      Ou seja, ao contrário de outras denominações, os BSD não têm um credo obrigatório sobre alguns assuntos específicos da teologia, para todos os seus membros. Como Batistas, a maioria esmagadora acredita na doutrina da imortalidade da alma e do inferno. Mas sei de membros oriundos de grupos que não criam assim (como ex-adventistas), e que continuaram mantendo seu anterior entendimento, mas isso não foi impedimento para que pudessem fazer parte da denominação.

      Abraços!

      Excluir
    3. Olá, amigos

      Um detalhe que se "esqueceram" de apresentar--os batistas do sétimo dia teimam que Jesus morreu numa quarta-feira e ressuscitou no sábado (como também os adventistas da promessa).

      E agora, será que eles estão certos e são superiores aos adventistas teologicamente? Por que ninguém aborda isso?

      Excluir
  3. Resposta:

    http://novamenteadventistas.blogspot.com.br/2014/06/testemunhos-anonimos-agora-comecam.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Puxa vida Sr >>>anônimo<<<, preciso te responder?

      Acho que não, - até por que não respeita mesmo o que te pedi, não comentar mais aqui como um >>anônimo<<<, mas em respeito aos meus irmãos que leram sua acusação dou a seguinte informação:

      Não existe anonimato, eu sei quem é... acontece que estamos lidando com uma SEITA, e assuntos familiares estão envolvidos... até que se notifiquem, preciso preservar isso. Se fosse um cristão de uma igreja verdadeira, como a IPB, ele poderia simplesmente dizer - me dê carta de transferência para a IBSD... mas como está saindo de uma SEITA, não existe saída digna.

      Por favor, não responda nada, pois vou excluir seus comentários anônimos...

      Excluir
    2. *"aos meus irmãos que >>>lerem<<<"

      Excluir
    3. Anônimo Luciano Sena? Pois dou-lhe a mesma resposta:

      "Não existe anonimato, eu sei quem é"

      Da mesma forma, quanto a minha pessoa, não existiria anonimato, pois a google sabe quem sou.

      Porém da mesma forma como meu nome completo não consta nos comentários, também o nome completo da testemunha não consta em seu artigo!

      Estranho este conceito do amigo sobre anonimato não?

      E sim amigo Luciano Sena, atendi o seu pedido quanto a não comentar aqui, até que percebi de que o amigo não foi honesto com minha pessoa.

      http://mcapologetico.blogspot.com/2014/05/o-sabado-entre-os-adventistas-uma.html?showComment=1401022673213#c1635030706069809080

      Ainda estou aguardando sua reposta. Em vista do seu silêncio adotarei de que tenha sido isto mesmo o ocorrido.

      Obrigado!

      Excluir
    4. Tá difícil... tá difícil...

      Você é chato em!!! Para depois não usar aquela sua ladainha no seu blog - 'Comentário que o Luciano Sena não responde', deixo esse aí... mais uma vez.

      'Bom juízo, passar bem!'

      Excluir
    5. Oi Luciano sena. Vc ainda está vendedor o livro conspiração adventista?
      Quero comprar um.
      Que Deus te Abençoe grandemente.

      Excluir
  4. Olá irmão Luciano Sena a paz do Senhor!

    O que o irmão está esperando para fazer parte do IBSD?

    Seria mais uma VERDADE acrescentada a sua FÉ!

    Um forte abraço e fique com Deus!

    ResponderExcluir
  5. Alexandre... leia novamente a postagem...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá irmão Luciano Sena, a paz do Senhor!

      Acho que o querido irmão é que não leu seu próprio comentários.

      Pois você mesmo reconhece a questão do SÁBADO na bíblia, mas prefere ignorá-lo, e mais, ainda diz que o dia DIA do SENHOR é o DOMINGO, baseando-se em um único versículo (Ap 1:10) que não tem nada a ver com o assunto!

      Um forte abraço e fique com Deus!

      Excluir
    2. Alexandre (por favor, não me chame de irmão...)

      Não foi isso que vc escreveu. Mas para não ser indelicado, gostaria de frisar o que escrevi. Reconheço que o sábado é um assunto bíblico, ok? Mas creio que há um descompasso com a perspectiva neotestamentária. Isto é; o NT por vezes coloca o sábado em uma perspectiva judaica e não raro negativa. Além disso, o dia do Senhor = domingo, é foco de serviços litúrgicos no NT.

      Ponto!

      Excluir
    3. Olá irmão Luciano Sena, a paz do Senhor!

      "Além disso, o dia do Senhor = domingo, é foco de serviços litúrgicos no NT"(Luciano Sena).

      De um exemplo de LITURGIA no DOMINGO?

      Se você quiser responder, claro!

      Um forte abraço e fique com Deus!

      Excluir
    4. Olá irmão Luciano Sena, a paz do Senhor!

      A expressão "DIA do SENHOR" presente nos versos acima provém do grego "KURIAKOS HEMERA". A palavra "KURIAKOS", significa: "que pertence ao Senhor"; "concernente ao Senhor"; "relacionado ao Senhor". E a palavra "HEMERA", significa: "DIA". Em todo o Novo Testamento, "KURIAKOS HEMERA" é usado apenas em Apocalipse 1:10.

      Entretanto, algumas traduções bíblicas trocam inconsequentemente a expressão "DIA do SENHOR" pela palavra "DOMINGO" e promovem o falso ensino de que o "PRIMEIRO DIA DA SEMANA" foi mencionado por JOÃO ao redigir o LIVRO de APOCALIPSE. A palavra "DOMINGO" nunca foi utilizada por qualquer autor da Bíblia, ela é completamente desconhecida nas Escrituras Sagradas. Então, qual seria o objetivo de traduzir "KURIAKOS HEMERA"" como equivalente a "DOMINGO"?

      A origem da palavra "DOMINGO"

      Os dias da semana são definidos de acordo com a cronologia de GÊNESIS CAPÍTULO 1, e possuem a seguinte ordem: PRIMEIRO DIA, SEGUNDO DIA, TERCEIRO DIA, QUARTO DIA, QUINTO DIA, SEXTO DIA e SÉTIMO DIA. O último dia da semana (SÉTIMO DIA) Deus o chama de "SABBATH" (SÁBADO), os demais dias semanais não recebem por parte dEle qualquer designação peculiar e são conhecidos ao longo das Escrituras apenas pela ordem cronológica originada na criação.

      Contudo, com o surgimento da idolatria, o homem passou a atribuir NOMES de ASTROS e de seus ÍDOLOS aos dias da semana. Foi no Império Romano que a astrologia introduziu o uso popular da SEPTIMANA ("sete manhãs", em latim), convenção de origem BABILÔNICA. Inicialmente, os nomes dos deuses orientais foram SUBSTITUÍDOS por equivalentes LATINOS. O DIA do SOL, DIES SOLIS (domingo); LUA (segunda); MARTE (terça); MERCÚRIO (quarta); JÚPITER (quinta) e VÊNUS (sexta) e o SATURNI DIES, dia de SATURNO (sábado) A igreja de Roma com o intuito de combater a nomenclatura semanal PAGÃ utilizou o LATIM LITÚRGICO ou ECLESIÁSTICO para nomeá-los. Então, os dias da semana passaram a ser conhecidos também como: "PRIMA FERIA", "SECUNDA FERIA", "TERTIA FERIA", "QUARTA FERIA", "QUINTA FERIA", "SEXTA FERIA" e, "SABBATUM" (todos nomes LATINS). Posteriormente essa igreja, sem autorização da Bíblia, intitulou "PRIMA FERIA" (que refere-se ao primeiro dia da semana) como sendo "DIES DOMINICUS", que em LATIM significa "DIA do SENHOR". Lembrando que os textos bíblicos foram escritos em HEBRAICO, ARAMÁICO e GREGO, não consta absolutamente nada em LATIM.

      Consequentemente, as diversas línguas originadas do LATIM e, influenciadas pelo LATIM ECLESIÁSTICO, tiveram a expressão "DIES DOMINICUS" como referência ao "PRIMEIRO DIA DA SEMANA". E isso ocorreu com a língua portuguesa que, além de ter sido persuadida por essa artimanha, possui a palavra "DOMINGO" (primeiro dia da semana) derivada de "DOMINICUS". Assim, a igreja de Roma disseminou também por este meio o falso ensino de que o DOMINGO seria o "DIA do SENHOR".

      CONTINUA ...

      Excluir
    5. O "DIA do SENHOR" na BÍBLIA

      No V.T a expressão "DIA do SENHOR" é escrita de duas formas:

      "YHOVAH YOWM" e "ADONAY YOWM”

      Enquanto no N.T ela é representada por:

      "URIOS HEMERA", exceto em Apocalipse 1:10 onde se tem "KURIAKOS HEMERA".

      Ao todo, a expressão "DIA do SENHOR" surgi 27 vezes, e está distribuída em 25 versos, destes, 23 apresentam-na como sendo o:

      "DIA do AJUSTE de CONTAS com DEUS",
      "DIA do JUÍZO FINAL",
      "DIA do JULGAMENTO" e
      "DIA do RETORNO de JESUS".

      E esses 23 versos são:

      Is 2:12; Is 13:6; Is 13:9; Jr 46:10; Ez 13:5; Ez 30:3; Joel 1:15; Joel 2:1; Joel 2:11; Joel 2:31; Joel 3:14; Amós 5:18; Amós 5:20; Ob 1:15; So 1:7; So 1:14; Za 14:1; Ml 4:5; At 2:20; I Co 5:5; I Te 5:2; II Te 2:2; II Pe 3:10.
      E os DOIS VERSOS que não tratam a expressão "DIA do SENHOR" como sendo o "DIA da VOLTA de JESUS", ou, "DIA do JÍZO de DEUS" são:
      1. ISAÍAS 58:13-14 RA.
      2. APOCALIPSE 1:10 RA

      Portanto, o dia mencionado em Apocalipse 1:10 é esclarecido em Isaías 58:13, onde Deus pessoalmente diz que o Seu santo SÁBADO, instituído no SÉTIMO DIA da semana, é o "DIA do SENHOR". E eis os motivos para tal designação:

      "DESCANSOU, ABENÇOOU e SANTIFICOU" (Gênesis 2:2-3NVI).
      "Mas o SÉTIMO DIA é o SÁBADO [...] Pois DESCANSOU, ABENÇOOU e SANTIFICOU" (Êxodo 20:10-11 NVI).

      Alguns interpretam o "DIA do SENHOR" de Apocalipse 1:10 como sendo o "DIA do JUÍZO FINAL", após comparar o seu trecho: "uma voz forte, como de trombeta", com o trecho de I Tessalonicenses 4:16 que diz: "voz do Arcanjo acompanhada pelo som de trombeta". Porém, uma análise cuidadosa revela que Apocalipse 1:10 descreve uma VOZ de intensidade SEMELHANTE ao SOM de uma trombeta (cf. Isaías 58:1), e não uma voz seguida ao som desse instrumento (como narrado em I Tessalonicenses 4:16). A voz mencionada em Apocalipse 1:10 era de Jesus vinda do santuário celestial, que na ocasião transmitia eventos proféticos a João, e isso difere do cenário de Sua segunda vinda relatado em I Tessalonicenses 4:16-17. O texto de Apocalipse 4:1 também auxilia nesta questão ao mencionar o ASPECTO da voz de Jesus:

      "Depois dessas coisas olhei, e diante de mim estava uma porta aberta no céu. A voz que eu tinha ouvido NO PRINCÍPIO, falando comigo COMO TROMBETA, disse: 'Suba para cá, e lhe mostrarei o que deve acontecer depois dessas coisas'. Imediatamente me vi tomado pelo Espírito, e diante de mim estava um trono no céu e nele estava assentado Alguém." (NVI).
      Mas, independentemente desta análise paralela, é fato comprovado que Apocalipse 1:10 não refere-se ao "PRIMEIRO DIA DA SEMANA". A afirmativa de que, o "DIA do SENHOR" no verso em pauta aluda ao "DOMINGO", está fundamentada na presunção.

      Um forte abraço e fique com Deus!

      Excluir
    6. Excelente,irmão Alexandre!

      Fique, como sempre, com o Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo!

      Excluir
    7. Olá irmão Josinaldo Costa, a paz do Senhor!

      Obrigado, desejo o mesmo pra você e sua família e para todos os participantes deste BLOG e seus familiares!

      A paz do Nosso Senhor e Salvador Jesus Crsito a todos!

      Excluir
  6. Sr. Paulo Cadi,

    Sobre este texto que vc citou:
    "Atos: 15:24 Porquanto ouvimos que alguns que saíram dentre nós vos perturbaram com palavras, e transtornaram as vossas almas, dizendo que deveis circuncidar-vos e guardar a lei, não lhes tendo nós dado mandamento,"

    Aqui não se trata de ensinamento sobre um suposto novo "decálogo" na nova aliança, mas sim que os discípulos esclareciam aos novos conversos de Antioquia acerca de uma compreensão equivocada da lei, a qual tinham alguns "fariseus que haviam crido" (v. 05) no cristianismo.
    Estes fariseu tinham a lei como meio de salvação, daí o parecer dos apóstolos, em Atos 15, com estes termos contidos no verso 24.

    O apóstolo Paulo, por exemplo, respondendo a alguns fariseus, que haviam crido, na Galácia (o mesmo problema de Antioquia) disse:
    "...o homem não é justificado por obras da lei, e sim mediante a fé em Cristo Jesus..." (Gál.: 2.16).
    Ou seja, tanto os fariseus "conversos" de Antioquia quanto os da Galácia tinham a lei como meio de salvação, sendo que os mandamentos não são para salvar, mas para mostrar a situação do pecador e sua necessidade do Salvador. Disse o apóstolo: "...eu não teria conhecido o pecado senão, por intermédio da lei..." (Rom.: 7.7).
    Ele, Paulo, também diz que, uma vez conhecendo-nos que somos pecadores, a "lei nos serviu de aio para nos conduzir a Cristo, a fim de que fôssemos justificado por fé." (Gál.: 3.24)
    Uma vez indo a Cristo, somos salvos pela graça dEle (Ef.: 2.8). Depois, somos obedientes a Ele por amor ("Se me amais, guardareis os Meus mandamentos". Jo.: 14.15).
    Assim, a lei do Senhor torna-se de uma reveladora do pecado, antes da pessoa ir ao Salvador, a um canal de bênção, pois como "a lei é santa, e o mandamento santo, e justo, e bom." (Rom.: 7.12), todo aquele que, salvo "para as boas obras" (Ef.: 2.10) , torna-se, em Cristo, uma pessoa santa, e justa e boa. Esta é a verdadeira razão de ser da Lei do Senhor tão bem explicada pelo apóstolo Paulo e tão deturpada pelos professos cristãos dominicais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só uma pequena correção:

      Onde se diz, no final do meu comentário acima 15/06, 13h30:
      "Esta é a verdadeira razão de ser da Lei do Senhor tão bem explicada pelo apóstolo Paulo e tão deturpada pelos professos cristãos dominicais."

      Leia-se:
      Esta é a verdadeira razão de ser da Lei do Senhor tão bem explicada pelo apóstolo Paulo, DEFENDIDA PELOS ADVENTISTAS, e tão deturpada pelos professos cristãos dominicais.

      Excluir
  7. Prezado Luciano,

    Como bem falou o irmão, Sr. Adventista, é muito estranho uma pessoa dar seu suposto testemunho sem se identificar.
    Eu, por exemplo, saí, após 10 anos, da igreja quadrangular para abraçar, com todas as minhas forças, a mensagem do breve advento do Senhor; e não tomei esta decisão no anonimato, muito pelo contrário! Fiz questão de que todos na igreja quadrangular o soubesse, até porque, eu queria testemunhar de que havia encontrado de fato a verdade, como a Bíblia realmente ensina, sem mandamentos ou tradições humanas no arcabouço doutrinário.

    Claro que minha intenção era contribuir para que mais pessoas viessem abraçar a mensagem do breve advento (e deu certo para alguns casos, graças ao Senhor!).

    ResponderExcluir
  8. Josinaldo,
    o testemunho postado pelo Luciano é meu.

    Ele explicou a razão do (temporário) anonimato: "assuntos familiares estão envolvidos... "

    Como dito na postagem, minha saída do Adventismo ainda não foi efetuada (ha certas questões que precisam ser resolvidas ainda). Depois disso, não terei problemas em anunciar publicamente minha fé, e todos os que problemas que cercam o Adventismo e sua falsa profetisa.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  9. E os Batistas do 7 Dia também creem no advento de Cristo, e nos mandamentos do Senhor:

    "Cremos que Jesus ressuscitou da morte, vive eternamente com o Pai, e que ele virá novamente com poder e grande glória."

    "Cremos que o sétimo dia da semana, Sábado, é um tempo sagrado, um dom de Deus para todas as pessoas, instituído na criação, afirmado nos Dez Mandamentos e reafirmado no ensino e exemplo de Jesus e dos apóstolos."

    O problema são todas as doutrinas adicionais e não-bíblicas que o Adventismo mantém: uma falsa profetisa (com todos os seus plágios, profecias não cumpridas, mudanças de posições doutrinárias ao longo da vida, etc.), um juízo 'investigativo' começando em 1844, consideração das demais igrejas como 'Babilônia', o sábado como o 'selo de Deus', etc.

    ResponderExcluir
  10. Ser imaterial que sobre vive fora do corpo depois que morre = Alma Imortal ???

    Arrebatamento Secreto ??

    Carne de porcos ?? Imundas ???

    Purgatório Evangélico, Estado INTERMEDIÁRIO ???

    Ímpios que terão a mesma sentença de Satanás, QUEIMARÁ ETERNAMENTE ???

    Ímpios terão como dialogar com os salvos, estando eles no "inferno" e os salvos no céu ???

    Fablulo, la estas HERESIAS SÃO PREGADAS ????


    Sendo eu adventista, vou colocar meu nome, se não o Luciano APAGA !!

    Sei que o Luciano soltará piadinhas, por ter eu passado um tempão sei comentar aqui, sei que não devo satisfações a ninguém, mas quem estuda e trabalha .............

    Edilberto

    ResponderExcluir
  11. Esse é o Luciano que conheço... que levanta bandeira contra IASD, que tem preconceito e faz acepção de pessoas, não tolera ser chamado de irmão por um ASD, que faz de tudo para que IASD (que é Deus) seja destruída, e etc, etc, etc.

    Mas felizmente Deus sempre tem seu povo. Que são perseverantes e não se cansam de pregar o Evangelho Eterno. Muito obrigado ao irmão Sr. Adventista, Josinaldo, ALEXANDRE DIETRICH, Edilberto e outros que sempre estão por aqui. Continuem assim, não desistam... as forças do maligno não prevalecerão contra o Espírito Santo de Deus que está em vcs.

    Fiquem com Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, realmente não tolerar ser chamado de irmão não é legal, mas de qualquer maneira, só sei que os pecados do Luciano não são maiores que os seus e de seus colegas ASD.

      Excluir
    2. Tenho direito de não aceitar ser chamado de irmão da parte de quem eu não considero irmão... algum mal nisso? O que adianta ele de maneira demagógica me chamar de irmão sendo que ele está aqui querendo fazer seu proselitismo.

      Excluir
    3. Olá irmão Luciano Sena, a paz do Senhor!

      O irmão nos chama de SEITA, de HEREGE e etc!

      Isso seria alguma regra BÍBLICA para determinar que alguém não é seu irmão?

      Será que esta regra seria a mesma que o IRMÃO se utiliza para afirmar que o DOMINGO é O DIA do SENHOR? Ou seja, tal regra não existe, mas o IRMÃO, faz seu PROSELITISMO NÃO BÍBLICO!

      Um forte abraço e fique com Deus!

      Excluir
    4. Olá irmão Luciano Sena, a paz do Senhor!

      Quando o irmão disse: "Ponto!"

      O irmão esqueceu de dizer:

      Pula uma linha e dois dedos [...].

      Um forte abraço e fique com Deus!

      Excluir
    5. Alexandre, solicitei algo, mas os dedos e os teclados são teus...

      Quanto a considerar a IASD uma seita, portanto todo adventista coerente um herege, é o mesmo que a IASD considerar os presbiterianos e outros, filhos de Babel.

      Excluir
    6. Prezado Luciano,

      Não consideramos os presbiterianos, os batistas, assembleianos, catolicos, espíritas, ..., ou seja, AS PESSOAS EM SI, como a babilônia espiritual... Vc estar equivocado de novo.

      Excluir
    7. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    8. Olá irmão Felipe, a paz do Senhor!

      Exatamente irmão Felipe, somos todos pecadores!

      Um forte abraço e fique com Deus!

      Excluir
    9. Romanos 14:22 a todos os participantes do blog.

      Até mais.

      Excluir
    10. Prezado Felipe,

      Muito boa a mensagem de Rom.: 14.22, só que este verso tem que ser entendido à luz de outras passagens bíblicas, pois a vontade de Deus deve prevalecer sobre o entendimento espiritual humano, ainda que seja um estudioso da Bíblia (ele pode se equivocar na compreensão da Palavra).
      Inclusive, está escrito: "Há caminho que parece direito ao homem, mas afinal são caminhos de morte." (Prov.: 16.25)

      Portanto, Rom.: 14.22 deve ser entendido, por exemplo, combinado com Apoc.: 14.12: "Aqui está a perseverança dos santos, os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus."

      Excluir
    11. E os adventistas são os pecadores que guardam todos os mandamentos de Deus.

      Ta "serto".

      Excluir
    12. Os adventistas são pecadores como qualquer pessoa, mas não fazem do pecado o seu estilo de vida, como algumas denominações o fazem (transgredir ao sábado rotineiramente, por exemplo).
      Os adventistas buscam ter uma vida em obediência aos "mandamentos de Deus e a fé em Jesus." (Apoc.: 14.12).

      Excluir
    13. Isso não faz com que seu pecado seja menor do que o das pessoas de outras denominações.

      Se você tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos.

      Adventistas também são culpados, guardando o sábado ou não.

      Excluir
    14. Olá irmão Felipe, a paz do Senhor!

      Exatamente irmão Felipe! Somos todos pecadores!
      Se um NÃO adventista quebrar um dos dez mandamentos é culpado de todos!
      Se um ADVENTISTA quebrar um dos dez mandamentos TAMBÉM é culpado de todos!
      Não EXISTE diferença de PECADO entre NÃO adventistas e ADVENTISTAS!
      SOMOS TODOS PECADORES!

      Perdoe-me, mas parece que em seus questionamentos indicariam que algum ADVENTISTA teria dito a você que NÃO PECAMOS ou que nossos PECADOS seriam diferentes dos NÃO adventistas?

      Se por acaso foi isso o que aconteceu, por favor, desconsidere! Esta pessoa não sabe o que falou! Mas se nenhum ADVENTISTA lhe falou isso, mas você ouviu alguém falar isso de nós, por favor, também desconsidere! Pois isso, não é verdade!

      E se alguém também lhe falou que GUARDANDO o SÁBADO estaríamos livres dos outros nove mandamentos, isso também é uma GRANDE MENTIRA.

      Assim como apenas 9 não nos libera de 1 e apenas 1 não nos libera de 9. A matemática de Deus é diferente da nossa! Enquanto que para nós 10-1=9 para Deus 10-1=0!

      SOMOS TODOS PECADORES!

      Um forte abraço e fique com Deus!

      Excluir
    15. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    16. Que bom que você pensa assim. Fiquei mais tranquilo, pois agora sei que reconhece que o Luciano Sena, Paulo Cadi, Fablulo e outros guardam tanto os mandamentos de Deus quanto você e seus colegas ASD.

      Obrigado e até a próxima.

      Excluir
    17. Prezado Felipe,

      Nós não estamos aqui para justificar os pecados de ninguém (nem de adventistas nem de não adventistas). Todos somos pecadores, ponto final.

      Agora, os próprios srs. Sena, Cadi e demais dominguistas dizem que transgridem o sábado em favor de uma observância do domingo (dizem que o fazem à moda deles). Com esta atitude - dos mesmos - significa dizer abertamente que não querem obedecer a Deus num claro preceito sagrado de Sua lei. Isto, segundo a Escritura, é rebeldia contra o SENHOR! (ver Nee.: 13.17-18).
      Sei que quem os julgará é o SENHOR, o Juiz do Universo, mas os prezados dominguistas parecem não estar preocupados com isso.

      Excluir
    18. Olá irmão Felipe, a paz do Senhor!

      Isso mesmo irmão Felipe, somos todos pecadores!

      Não existe um único JUSTO, só CRISTO!

      Um forte abraço e fique com Deus!

      Excluir
    19. Josinaldo, o Cadi e o Sena não são obrigados a acreditar naquilo que você acredita. A visão deles destoa da sua, mas qual a prova que você tem que tudo o que acredita é o certo? Qual a prova que você tem que Jesus entrou no santíssimo em 1844? Nenhuma! É por pura fé, e aquilo que você escolheu acreditar, cada um acredita no que escolhe acreditar sem ter prova de nada, afinal de contas nenhum de nós desceu do céu com todas as respostas para todas as perguntas.

      Se nem você pode provar aquilo que crê, por que eu deveria acreditar em você? Aí entra romanos 14:22 tenha a sua fé diante de Deus e só. Pois como já disse antes aqui nesse blog e repito, o motivo que você usa para rejeitar outros deuses, outras religiões e outros profetas, pode ser o mesmo motivo que eu uso para rejeitar o seu deus, a sua religião e sua profetiza.

      Excluir
    20. Além do mais, você também transgride as leis de Deus deliberadamente, e acho que você deveria se preocupar com isso também. A lei de Deus não é indulgente com suas fraquezas nem permite uma obediência parcial, embora sincera e de coração, senão ela não seria aquilo que é: " santa, justa e boa" é justo que a lei condene o pecador. A lei só tem uma simples e direta pergunta a fazer: " és tu aquilo que deveria ser?" Se sua resposta é não. A lei nada pode fazer senão lançar sobre ti as maldições contidas nela por transgredi-lá.

      O que lhe falta, talvez seja meditar na leitura de Lucas 18:10-14.

      Até mais.

      Excluir
    21. Prezado Felipe,

      A Palavra de Deus é que dar o testemunho verdadeiro. (Jo.: 17.17).
      A Escritura ensina sobre o sábado e não tem o domingo (ou o primeiro dia da semana) como santo. Isto é uma das prova de que a doutrina adventista é correta e o ensino dominical, equivocado.

      A prova de que Cristo entrou no santíssimo em 1.844 é Dan.: 8.14; 9.23-27; Heb.: 9.23-24, etc. Os fatos históricos (a partir de 457 a.C.) relacionados ao assunto mostram que as profecias se cumpriram conforme o ensinamento adventista sobre o tema.

      Sobre Rom.: 14.22, já argumentamos de que esta passagem deve ser entendida à luz de outras citações bíblicas que dizem que a vontade de Deus é que prevalece em detrimento de alguma concepção humana sobre qualquer tema. (ver 1 Jo.: 2.3-4). Senão a verdade seria relativa (conforme o entendimento de cada ser humano).

      Sobre a questão de transgressão da lei do Senhor, eu nunca disse aqui que sou perfeito. Sei que não passo de um pobre pecador que necessita desesperadamente da graça de Cristo, e o que destaco é o ensino equivocado dos srs. Sena e Cadi em relação ao tema do sábado ou domingo como dia do SENHOR. A Bíblia diz que o sábado é sagrado e o domingo apenas mais um dia da semana. E os srs. dominicais dizem abertamente que desonram ao sábado em favor do domingo! Portanto não é nenhuma acusação minha, mas o próprio testemunho verbal dos srs. Sena, Cadi e demais dominguistas.

      O texto de Luc.: 18.10-14 não tem nada a ver com o que estamos discutindo.

      Excluir
    22. Mas os dominguistas alegam que o sábado era um sombra e que a guarda de dias são rudimentos fracos e pobres, e eles tem base bíblica para afirmar isso. Dai entra a questão da interpretação, que é de acordo com o que cada um escolheu acreditar.

      Inclusive você confundiu interpretação com prova, pois você mostrar texto bíblico para provar algo não faz sentido, esses textos que você citou não são provas de nada e sim interpretação, e interpretação é como a fé, cada um tem a sua, com certeza não adventistas e judeus não concordam.

      Não há evidência alguma de que Jesus tenha entrado no santíssimo em 1844, não há evidência sequer que Deus existe.

      Mas como a ausência de evidência não é evidência de ausência, você pode ter a fé que Deus existe e ter de no suposto evento de 1844 até porque a fé não precisa de provas e se provar que existe já não é mais fé.

      Debata com os participantes apenas os fundamentos que vocês alicerçam sua fé, e sua visão acerca dos temas levantados. Paulo Cadi e Luciano Sena tem a convicção de que estão seguido a doutrina correta da mesma maneira que você também tem suas convicções.

      O adventista diz que o presbiteriano esta errado, e vice-versa, o judeu diz a que os 2 estão errados e o ateu diz que os 3 estão errados.

      Cada um acredita no que escolhe acreditar, mas ninguém tem prova de nada, somos todos iguais, somos todos humanos.

      Excluir
    23. Pois é, prezado Felipe,

      Os "dominguistas alegam que o sábado era sombra e que a guarda de dias são rudimentos fracos e pobres", sim, sr. Felipe, mas cadê as provas bíblicas para este entendimento? Abrir a boca e dizer que tem provas sem apresentá-las não dar, né?
      Ah, mas vc vai dizer que eles tentam se basear, na maioria da vezes, em Col.: 2.16, né, meu prezado? Só que os sábados dessa passagem são cerimoniais ou, como bem explica o dr. Bacchiocchi trata-se de uma observância sábatica dentro de um sincretismo pagão, isto é, alguns colossenses profanavam o sábado dedicando-o a deuses pagãos.
      Porém, sr. Felipe, isto não significa dizer que o sábado em si deixou de ser o dia do SENHOR por causa dos colossenses equivocados, muito pelo contrário!

      Não fiz confusão alguma ao citar os versos de Daniel e a História como prova da doutrina adventista, o método historicista é a melhor forma de se chegar a conclusões corretas a respeito de profecias.

      Escolhi acreditar na doutrina do breve advento do SENHOR porque é a que tem fundamento bíblico. A doutrina presbiteriana, assembleiana ou outra dominical, não possuem base bíblica.

      Excluir
    24. Quem é esse dr. Bacchiocchi? É um ser que veio do além com todas as respostas? Um oráculo do universo? Não preciso acreditar no que ele diz, é uma questão de interpretação.

      "Uma observância sábatica dentro de um sincretismo pagão, isto é, alguns colossenses profanavam o sábado dedicando-o a deuses pagãos".

      Não tem como provar que isso seja verdade, quero ver quem vai declarar que tem absoluta certeza que isso é verdade e assim aconteceu, e que o apóstolo Paulo estava se referindo a isso que afirmou. Eu tenho outra interpretação e acredito estar tao certo quanto você.

      A história não prova a doutrina adventista, respeito sua crença mas não acredito, simples assim.

      Também não acho o método historicista o melhor método, não acredito. E também não acredito nessa doutrina do breve advento.

      O que os você diz das doutrinas assembleiana e presbiteriana é o mesmo que eles dizem da doutrina adventista.

      Excluir
    25. Dr. Bacchiocchi é um dos mais respeitados eruditos da Igreja Adventista do Sétimo Dia, sendo o primeiro não-católico a se formar na Universidade Gregoriana de Roma, defendendo a tese de que o sábado não foi mudado para o domingo, como criam (e creem) os próprios administradores da Universidade Gregoriana em Roma.

      A sua tese "Do sábado para o domingo" está disponível na internet, é só digitar no google e vc a encontrará. Leia as páginas 205 em diante e verá as conclusões que ele teve à luz de uma ampla investigação de documentos históricos e de uma exegese de Col.: 2.16-17, não apenas dele, mas também de outros eruditos não-adventistas.

      Embora o dr. Bacchiocchi entenda que Paulo condenou uma super-estimação do sábado praticado por alguns em Colossos, também é notório perceber que, parte dos colossenses, tinham o sétimo dia como meio de salvação, e isto é absolutamente equivocado.

      Ele, Bacchiocchi, também diz que o sábado era observado, por parte dos que haviam crido, numa concepção sincretista com a adoração pagã naquela cidade e naquele período.
      Se vc puder ver a tese do doutor... seria interessante.

      Respeito o seu posicionamento, se vc não acredita no método historicista na interpretação das profecias bíblicas, é uma decisão sua, mas que é o melhor método, o é. Outras linhas de interpretação são muito conjecturantes, mas vc é que sabe no que deve crer...

      Sei que os assembleianos, presbiterianos, católicos, têm suas concepções para com o adventismo, mas SEI QUE A MENSAGEM DO BREVE ADVENTO é a que tem a devida base bíblica.

      Excluir
    26. Nem sábado nem domingo. Só que os adventistas precisam fazer estudos e mais estudos para explicar o texto bíblico e ainda apresenta mais de uma resposta como explicação, pois primeiro me disseram que a palavra sábados significa todos os sábados possíveis menos o sábado semanal, e agora tem essa explicação desse erudito que reconhece ser o sábado semanal, no entanto, afirma, como você mencionou, que era um sincretismo religioso ( carece de provas ) que profanava o sábado, ou seja, Paulo afirmou que não deveria julgar pelos dias de festas judaico, lua nova outra festa judaica e pelos sábados pois isso era apenas sombra das coisas futuras, mas esse sábado era na verdade esse sincretismo religioso que supostamente existia...

      Eu não acredito, e o fato de esse bacchiocchi ser doutor na universidade gregoriana não é o suficiente para eu acreditar nele. Na minha opinião é uma tentativa de fugir do óbvio e produziu uma tese para poder legimitar aquilo que ele escolheu acreditar.

      Não aceito o método historicista pois eu interpreto as profecias com livros de história e sim com a própria bíblia. A bíblia interpreta a bíblia. Cada coloca o cumprimento das profecias na história de acordo com sua crença, os fatos históricos são colocados de modo que favoreça a crença de cada um, logo um historicista adventista jamais terá a mesma interpretação de um historicista católico, assembleiano e etc...

      Se eu perguntar para mil historicistas em qual momento das profecias estamos, eu receberei 1000 respostas diferentes.

      A mensagem do BREVE advento não pode ser aplicada para os dias de hoje, e exista muita base bíblica para isso.

      Excluir
    27. Prezado Felipe,

      Em meus comentários (20/06 às 16h49 e 19h11) digo que creio que os "sábados" de Col.: 2.16, podem ser cerimoniais ( e não o sétimo dia da semana), ou, conforme o dr. Bacchiocchi, se for uma referência ao sétimo dia, Paulo estava combatendo uma crença numa suposta salvação pelos mandamentos (sábado como meio de salvação) ou ainda, o apóstolo combatia um sincretismo religioso (adoração no sábado sendo desvirtuada para o paganismo). As provas estão na tese doutoral do Dr. Samuelle Bacchiocchi, defendida na Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma, intitulada "Do sábado para o domingo". Esta tese pode ser conseguida facilmente pela internet.
      E que o mandamento do sábado em si continuava em vigor na nova aliança, temos certeza de que continuava, além de continuar hoje e sempre.

      Sobre o método historicista de interpretação das profecias e a mensagem do breve advento do SENHOR, vc tem toda a liberdade para acreditar ou não, estou apenas dando uma contribuição no que diz respeito ao tema.

      Excluir
    28. A mesma facilidade para se encontrar a tese de bacchiocchi eu tive para encontrar os que refutam sua obra.

      Eu acredito na espiritualização da lei na nova aliança, Paulo não era contra a lei nem contra o templo onde se realizava os sacrifícios.

      Paulo mesmo chegou a celebrar festas judaicas que vocês dizem que foram abolidas. Durante as festas toda pessoa do sexo masculino devia peregrinar até Jerusalém.

      Atos 20:16
      Atos 20:6
      1 Coríntios 5:8

      A celebração física do mandamento não é mais necessária pois é sombra e não realidade.

      Romanos 7:6

      Até mais.

      Excluir
    29. Este negócio de suposta "espiritualização" ou "celebração espiritual" da lei na nova aliança não passam de um pretexto utilizado para não se obedecer aos mandamentos de Deus. Tudo isso por causa do shabbat.
      Vc é que sabe se quer permanecer nesse cristianismo barato, sr. Felipe.

      Nós, adventistas, não celebramos as festas da mesma forma em que eram celebradas antes de Cristo, ou seja, através da apresentação de cordeiros e bodes no Templo. Pois isto sim (os sacrifícios) que eram sombra dAquele que havia de vir, e não os mandamentos morais (Êx.: 20.03-17) escritos pela própria digital do SENHOR (Êx.: 31.18).
      As sombras sacrificais perderam o seu valor com a vinda dAquele que era representado por esses sacrifícios. Os judeus continuam celebrando estas festas como se o Salvador nunca tivesse vindo ao mundo, daí a razão pela qual os adventistas não as celebram NO MESMO FORMATO da celebração dos judeus.

      Qual o problema de Paulo celebrar as festas? Não era no mesmo formato da celebração do judeus!? Não há nada de errado nisso nem existe incoerência alguma na mensagem adventista!

      A expressão "libertados da lei" de Rom.: 7.6 diz respeito à maldição imposta pela desobediência à lei, pois como desobedecê-la significa cometer pecado (1Jo.: 3.4, ARA, KJV) e o pecado gera a morte (Rom.: 6.23), daí temos o que o apóstolo Paulo quis dizer com o "libertados da lei"; não que a lei em si seja pecado ou pecaminosa.

      Inclusive, vc Felipe, não cita, propositalmente, o que o apóstolo diz logo em seguida no mesmo contexto, quando ele afirma:
      "É a lei pecado? De modo nenhum! ... a lei é santa; e o mandamento, santo, e justo, e bom" (Rom.: 7.07, 12)

      Excluir
    30. Que coisa chata rapaz! É sempre assim? Quando alguém não concorda você fica nervosinho? As pessoas pensam diferente uma da outra e você tem que saber lidar com isso. Cristianismo barato é aquele que a pessoa se condena a si mesmo naquilo que defende, falar de Jesus é fácil, quero ver seguir seus ensinamentos.

      Sobre a espiritualização da lei, os adventistas falam do cumprimento espiritual das festas judaicas em Jesus, e dessa forma, estão cumprindo todas as festas através de Cristo, afinal de contas, quando a pessoa confessa seu pecado a Deus, Jesus com seu sangue purifica todo aquele que chega a Ele com fé, e isso é o cumprimento espiritual do dia da expiação ou yom kipur, as festas não foram abolidas ao contrário do que lhe foi ensinado, mas como estatuto perpétuo de Deus, foi cumprido perpetuamente em Cristo. O cumprimento físico não é errado, mas também não mais necessário.

      A circuncisão a mesma coisa a cumprimento físico não é mais necessário e sim o cumprimento espiritual. E os adventistas também reconhecem a circuncisão espiritual a não ser que neguem Colossenses 2:11; Romanos 2:29 ou ainda Deutoronomio 30:6 e Jeremias 4:3.

      De qualquer maneira Paulo não se colocou contra a circuncisão como vemos abaixo:

      Porque a circuncisão é, na verdade, PROVEITOSA, se tu guardares a lei; mas, se tu és transgressor da lei, a tua circuncisão se torna em incircuncisão.
      Romanos 2:25

      Qual é pois, a vantagem do judeu? Ou qual a utilidade da circuncisão?
      MUITA, EM TODOS OS SENTIDOS, porque, primeiramente, as palavras de Deus lhe foram confiadas.
      Romanos 3:1-2

      A espiritualização da lei não é pretexto e sim o correto entendimento do evangelho de Cristo, e não defendo apenas o cumprimento espiritual do sábado e das festas, mas sim de toda a lei, pois, você amaria o próximo por que? Porque Jesus mandou? Porque esta escrito na bíblia? Ou porque seu coração se compadece do seu semelhante? Entendeu o cumprimento espiritual da lei? Entende que é necessário se tornar uma nova criatura? Pois a essência do homem é má e só através do novo nascimento que se cumpre a lei, lembrando que novo nascimento é obra de Deus, não vem de homens pois é Deus que santifica o homem.

      Continua...

      Excluir
    31. Só que você em vez de pregar o Espírito Santo de Deus que santifica o homem, Espírito que só foi dado aos homens depois que Jesus foi glorificado inaugurando a nova aliança, pois o Espírito so foi dado na antiga aliança a alguns poucos reis de Israel e aos profetas. E na antiga aliança Deus nunca prometeu vida eterna, essas palavras são sequer mencionadas em todo velho testamento. Você prefere pregar a lei ao invés do Espírito, comentendo o erro do ensino da autosantificação, pregando a lei.

      Quando Paulo celebrou as festas, o fez do modo judaico pois não existe outra maneira de se celebrar senão da maneira prescrita na Torah. E por esse seu comentário, parece que você não sabe que os sacrifícios de animais permaneceram sendo realizados mesmo após a morte de Cristo que se deu aproximadamente em 30
      d.C. Os sacrifícios de animais só deixaram de ser realizados após a destruição de jerusalem e do templo em 70 d.C pois os sacrifícios só podem ser realizados no templo de Jerusalem que fica no monte Moriá local onde Abraão levou Isaque para ser sacrificado. Por isso que os judeus não sacrificam animais até hoje, pois se tivesse templo lá, haveria sacrifício ainda. E no tempo de Paulo o templo estava de pé, nos dias de hoje só restou uma pequena parte do muro que cercava o templo e esse muro se chama muro das lamentações, no lugar do templo esta construída uma mesquita islâmica com uma cúpula dourada em cima que se chama domo da rocha e esta presente em quase todas as fotografias de Jerusalém. Foi construída a mais de 1000 anos atrás.

      Excluir
    32. Continuando...

      6 Mas agora temos sido libertados da lei, tendo morrido para aquilo em que estávamos retidos; para que sirvamos em novidade de espírito, e não na velhice da letra.

      Na sua interpretação fomos libertados da maldição da lei causada pela transgressão, so que fica completamente sem sentido pois Paulo afirma que fomos libertados da lei com o objetivo de servir a Deus em espirito e não mais na velhice da letra. Para quem a lei foi feita, Paulo responde em 1 Timóteo 1:1:9-10, a lei condena as obras da carne.

      19 Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia,
      20 Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias,
      21 Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus. Gálatas 5:19-21

      A lei foi feita para quem está na carne!!! E Paulo é enfático:

      Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós. Mas, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele. Romanos 8:9

      E o que devemos fazer para estar no Espírito???

      6 O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito.
      7 Não te maravilhes de te ter dito: Necessário vos é nascer de novo. João 3:6-7

      Só está debaixo da lei quem é guiado pela carne, quem não nasceu de novo, pois...

      Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais debaixo da lei. Gálatas 5:18

      14 Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus.

      E por que são filhos de Deus? Porque nasceram de Deus, nasceram do Espírito. A guarda dos mandamentos e de toda a lei é dom de Deus que santifica, e não há mérito humano algum!

      A lei de modo algum é pecado, a lei é santa justa e boa! Mas tem um problema:

      Porque bem sabemos que a lei é espiritual; mas eu sou carnal, vendido sob o pecado. Romanos 7:14

      A lei espiritual é incompatível com natureza humana carnal. Por isso que só nascendo de novo que se guarda a lei a Deus, pois só se guarda uma lei espiritual sendo espiritual também.

      Coloquei muitos versículos aqui sem contradição alguma, pelo contrário, um se encaixa no outro . Não precisei fazer teses de doutorado para explicar os versículos.

      Continua...

      Excluir
    33. Pra finalizar, você não sabe, mas Deus colocou os 10 mandamentos em tábuas de pedra pois pedra significa dureza de coração, incredulidade, falta de fé. Mandamentos em tábuas de pedra não é coisa boa, péssima por sinal. Mas para a nova aliança, Deus promete:

      26 E dar-vos-ei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne.
      27 E porei dentro de vós o meu Espírito, e farei que andeis nos meus estatutos, e guardeis os meus juízos, e os observeis. Ezequiel 36:26-27.

      Deus escreve suas leis no coração daquele que crê em Jesus, escreve com seu próprio dedo e isso é o novo nascimento, a nova aliança, se distingue da antiga pela presença do Espírito Santo habitando pessoa. E onde na antiga aliança o Espírito de Deus se manifestava? No templo de Jerusalém! Onde tinha aquele véu, mas agora que rasgou o véu, não somos nós o templo do Espirto Santo? Não é assim na nova aliança? Por essas e outras Jesus bem profetizou que do templo não sobraria pedra sobre pedra. Pois aquilo tudo era sombra.

      E sobre os sacrifícios de animais, Deus nunca quis nem se agradava de sacrifícios pelos pecados, isso mesmo NUNCA!

      21 Assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel: Ajuntai os vossos holocaustos aos vossos sacrifícios, e comei carne.
      22 Porque nunca falei a vossos pais, no dia em que os tirei da terra do Egito, nem lhes ordenei coisa alguma acerca de holocaustos ou sacrifícios.
      23 Mas isto lhes ordenei, dizendo: Dai ouvidos à minha voz, e eu serei o vosso Deus, e vós sereis o meu povo; e andai em todo o caminho que eu vos mandar, para que vos vá bem.
      24 Mas não ouviram, nem inclinaram os seus ouvidos, mas andaram nos seus próprios conselhos, no propósito do seu coração malvado; e andaram para trás, e não para diante. Jeremias 7:21-24

      11 De que me serve a mim a multidão de vossos sacrifícios, diz o SENHOR? Já estou farto dos holocaustos de carneiros, e da gordura de animais cevados; nem me agrado de sangue de bezerros, nem de cordeiros, nem de bodes.
      12 Quando vindes para comparecer perante mim, quem requereu isto de vossas mãos, que viésseis a pisar os meus átrios?
      Isaias 1:11-12

      Vocês adventistas não observam as festas nem do modo judaico nem de modo algum, vocês espiritualizam corretamente o mandamento, so erram ao afirmar que foi abolido, no entanto, não reconhece a espiritualização do restante da lei.

      Josinaldo, me respeita, pois já pensou se fosse dizer que os adventistas estão a 170 anos pregando a "breve" vinda do Senhor? rs.

      Eu estou no descanso de Deus e você?

      Hebreus 4:3 / Hebreus 4:10

      Excluir
    34. Olá irmão Felipe, a paz do Senhor!

      Nossa, eu acreditava que as PEDRAS dos DEZ MANDAMENTOS representavam a ETERNIDADE da LEI de DEUS, assim como Deus é eterno, mas segundo o irmão Felipe, não é assim! Representam a dureza do coração da HUMANIDADE!

      Um forte abraço e fique com Deus!

      Excluir
    35. É o que os adventistas dizem, porém não apresentam um versículo sequer para sustentar a afirmação.

      O autor de provérbios sabia que a lei tinha sido dada em tábuas de pedra, no entanto, ele afirma:

      Filho meu, não te esqueças da minha lei, e o teu CORAÇÃO guarde os meus mandamentos.
      2 Porque eles aumentarão os teus dias e te acrescentarão anos de vida e paz.
      3 Não te desamparem a benignidade e a fidelidade; ata-as ao teu pescoço; escreve-as na TABUA DO TEU CORAÇÃO. Provérbios 3:1-3

      * atenção as palavras benignidade e fidelidade. São frutos do Espírito em Gálatas 5:22

      1 Filho meu, guarda as minhas palavras, e esconde dentro de ti os meus mandamentos.
      2 Guarda os meus mandamentos e vive; e a minha lei, como a menina dos teus olhos.
      3 Ata-os aos teus dedos, escreve-os na TÁBUA DO TEU CORAÇÃO.
      Provérbios 7:1-3
      Tábua de pedra x Tabua do coração

      Apóstolo Paulo.

      3 Porque já é manifesto que vós sois a carta de Cristo, ministrada por nós, e escrita, não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas nas tábuas de carne do coração.
      2 Coríntios 3:3

      Paulo não tirou esse ensinamento do nada, ele se baseou no ensinos do antigo testamento, e aqui ele tem como base principalmente a profecia da nova aliança em Ezequiel 36:26-27

      Em 2 Coríntios 3 Paulo fala sobre a espiritualização da lei claramente.

      As tábuas de pedra era também chamada de tábuas do testemunho, que foram colocadas dentro da arca que também era chamada de arca do testemunho, e essa arca foi colocada em atrás de um véu, que era chamado de véu do testemunho e tudo isso ficava dentro do templo ou tabernáculo que também era chamado de tabernáculo do testemunho.

      E que tudo isso testemunhava?

      Deus queria para Israel e existência do sacerdócio levitico?

      E pote de ouro com mana e a vara de Arão que floresceu por que foram colocados dentro da arca do testemunho?

      Tudo isso era um ensinamento, e um propósito, mas que chegou ao fim com a chegada da nova aliança.

      É sempre bom, meditar nos testemunhos do tabernáculo.

      A gente vai se falando. Até a próxima.

      Excluir
    36. Que aula de bíblia nos discípulos da sra white!

      Parabéns.

      Excluir
    37. Que aula fraquinha nos discípulos da sra white! (rs)

      Para que responder se o rapaz não que acreditar?!
      Tenho mais o que fazer com o tempo que o Senhor me concede, em vez de ficar nessa conversa com o sr. Felipe. Já deu o que tinha de dar.

      Silêncio nele, como resposta.

      Excluir
    38. Olá irmão Cesar Talles, a paz do Senhor!

      O que o Felipe escreveu é tudo VERDADE!

      E não é uma aula e muito menos novidade!

      Ele só está equivocado querendo deixar a entender que no VT a Lei era guardada apenas na letra e que no NT no coração onde seríamos transformados pelo Espírito Santo (e é pelo E.S mesmo), mas tanto no VT como no NT sempre foi pelo E. Santo.

      Ou o irmão Cesar Talles acredita que as pessoas no VT eram SALVAS pelas obras da Lei ao invés da GRAÇA mediante a FÉ?

      Claro que não, não é mesmo irmão Cesar? Pois se assim não fora, teríamos um grande problema aqui. Pois teríamos a Lei com um caráter SALVÍFICO, o que é anti-bíblico! Tenho certeza que você sabe disso!

      Um forte abraço e fique com Deus1

      Excluir
  12. Boa tarde Edilberto!

    Vou numerar os tópicos que citaste, para comentá-los:

    1) Particularmente, deixei de crer no ensino da mortalidade da alma e do aniquilacionismo. Acredito que o ensino da imortalidade da alma e do inferno eterno está em maior concordância com a revelação do Novo Testamento, sendo também a crença dos cristãos primitivos, conforme pode se ver nas catacumbas, epitáfios de tumbas e cartas cristãs. Mas como disse anteriormente, essa doutrina não é condição para membresia na Igreja Batista do 7º Dia. Você pode continuar sendo um mortalista, e ainda assim, um Batista do 7º Dia. Seu entendimento da Bíblia nesse assunto será respeitado.

    2) Você pergunta, "Ímpios que terão a mesma sentença de Satanás", mas é exatamente isso o que Jesus diz em Mateus 25.41: "Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos."

    3) Ao contrário dos Adventistas, os Batistas do 7º Dia não possuem uma teologia completa sobre escatologia, a qual todo membro deve se sujeitar para fazer parte da igreja. Entende-se que esse assunto é secundário, e cada membro é encorajado a estudar as Escrituras e construir suas conclusões.
    Particularmente, não creio em arrebatamento secreto (sou preterista e amilenista). O que a declaração de fé declara é: "Cremos que Jesus ressuscitou da morte, vive eternamente com o Pai, e que ele virá novamente com poder e grande glória."

    4) Em relação às carnes imundas, minha posição é a seguinte: Essas leis fazem parte de um escopo mais amplo de leis, que envolviam leis sobre impurezas relacionadas à menstruação, relações sexuais, doenças de pele, parto, contato com cadáveres, mofo em uma casa, etc. Embora muitas dessas leis tenham interessantes correlações com princípios sanitários/médicos, outras parecem ser completamente arbitrárias. A impureza que devia ser evitada era a impureza cerimonial/religiosa. Seguindo essas leis, os israelitas demonstravam que eram um povo santo, consagrado, separado aos propósitos de Deus (Lv 20.24-26) e distinto dos demais povos. Com a vinda de Cristo, as barreiras de separação entre Israel e os demais povos foram derrubadas, e todos os que creem são agora um só corpo (Atos 10, Efésios 2). Portanto, não estamos mais sujeitos às leis sobre pureza/impureza do Antigo Testamento, o que inclui as regulamentações alimentares mosaicas. Mas, se tua consciência te acusa se comes esse tipo de carne, então não comas, e os Batistas do 7º Dia respeitariam essa sua posição. Mas é errado querer que todos os membros se sujeitem a essas leis, e tornar isso uma condição de membresia para a igreja.

    5) Não podes simplesmente sair taxando as doutrinas que não concordas de heresias. Uma heresia é um ensino que coloca em risco a salvação de uma pessoa - tal como negar a divindade de Jesus ou a salvação pela graça como um dom de Deus, recebido pela fé. Alguém não irá ao inferno se crer na imortalidade da alma (ou na sua mortalidade), no arrebatamento secreto ou se comer certos tipos de carne.

    Qualquer dúvida que tiveres, coloco-me á disposição.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  13. Gilson,

    os Adventistas se ofendem se são criticados, mas faz parte de sua teologia também depreciar as demais igrejas, identificando-as com Babilônia e suas filhas, etc.

    Por exemplo, o evangelista ASD Dan O'Ffill, em um livro aprovado pelo presidente da Divisão norte-americana ASD, compartilha como os adventistas do sétimo dia têm o monopólio sobre a verdade: "O mundo inteiro está enganado hoje. Verdade foi coberta com o erro. As igrejas protestantes aceitaram o ensino do anticristo ... E assim a maioria [não] ASD está em perigo mortal, mas não sabe .... a Igreja Adventista do Sétimo Dia é a última esperança para o resgate do mundo."


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá irmão Fabulo, a paz do Senhor!

      O não gostar de que falem mal de nós (ser humano) ou em que acreditamos, é totalmente normal!

      Ninguém gosta!

      Eu por exemplo acho totalmente normal!

      Um forte abraço e fique com Deus!

      Excluir
  14. Olá irmão Fabulo, a paz do Senhor!

    Só uma curiosidade:

    Os IBSD guardam o SÁBADO de forma?

    Obrigado e fique com Deus!

    ResponderExcluir
  15. Olá Alexandre!

    Os BSD, assim como em outras questões, prezam pela liberdade individual de consciência dos membros. Ou seja, eles não prescrevem um método exato de como o Sábado deve ser guardado, deixando aos membros a decisão da melhor forma como fazê-lo.

    Há um livro publicado pela Conferência BSD, intitulado 'Fiel ao Sábado, Fiel ao nosso Deus', que oferece princípios gerais para a observância sabática - em suma, resume-se a deixar as nossas preocupações e atividades comuns da rotina de lado, para nos dedicarmos em atividades de amor a Deus e ao próximo (familiares, irmãos, pessoas necessitadas, etc.).

    Claro, a aplicação dos princípios gerais em casos específicos pode variar de pessoa para pessoa. Alguma família pode querer reunir seus membros no Sábado para praticar algum jogo/esporte, como forma de unir a família; outros podem achar isso inapropriado.

    Espero poder ter ajudado.

    Abraços, Deus abençõe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá irmão Fabulo, a paz do Senhor!

      Obrigado pela resposta, foi muito apropriada!

      Tenha uma ótima semana e feliz sábado!

      Fique na paz do Senhor!

      Excluir
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  17. Olá irmão Fabulo, a paz do Senhor!

    Eu já li os seguintes livros de EGW algumas vezes:

    PRIMEIROS ESCRITOS
    HISTÓRIA DA REDENÇÃO
    PATRIARCAS E PROFETAS
    PROFETAS E REIS
    O DESEJADO DE TODAS AS NAÇÕES
    O GRANDE CONFLITO
    EVENTOS FINAIS
    MENSAGENS AOS JOVENS
    EDUCAÇÃO
    MENTE CARÁTER E PERSONALIDADE I e II
    CONSELHOS SOBRE O REGIME ALIMENTAR

    Devo ter lido mais algum, mas não me recordo no momento.

    O irmão chegou a ler quais livros?
    Pergunto por causa de seu testemunho abaixo:

    "Recentemente alguns amigos adventistas, queriam me convencer sobre o dom profético de Ellen White, e ao estudarem a questão, eles mesmos acabaram se convencendo de todo o engano por trás da denominação. Eles saíram da IASD e agora congregam em uma Igreja Presbiteriana do Brasil. Acabamos nos convencendo da questão da alma e do inferno (os únicos pontos do Adventismo que eu ainda estava relutante em descartar). Eles eram adventistas muito sérios, levavam todos os pontos à risca, sendo inclusive vegetarianos. E me convenceram que estar na IASD representa um grande risco espiritual. Eles sofreram muito com essa saída, sofrendo preconceito e ostracismo de muitos que antes eram 'amigos' muito chegados deles."

    Se possível, o irmão poderia me passar suas dúvidas ou melhor, os assuntos e questionamentos debatidos com os irmãos adventistas citados acima?

    Não quero debater sobre isso com você, apenas pesquisar o assunto.

    Se preferir, pode mandar em meu e-mail!

    dietrych@ig.com.br

    Feliz sábado! O verdadeiro DIA do SENHOR!

    Um forte abraço e fique com Deus!

    ResponderExcluir
  18. Boa tarde Alexandre!

    Que eu me lembre, li 'O desejado de todas as nações', 'O grande conflito', 'Eventos finais', 'Caminho a Cristo' (quase todo), 'A obra daquele outro anjo', 'O futuro decifrado' (uma compilação de seus escritos proféticos), 'Jesus meu modelo' (meditação matinal), 'Conselhos para a Igreja' e 'Vida de Jesus'.

    Só para frisar um ponto: a questão da imortalidade da alma e do inferno é secundária nessa discussão. Eu poderia ainda continuar crendo nesses pontos, mas não mais consideraria Ellen White como profeta e o Adventismo como a igreja remanescente. Como eu disse em outro comentário anterior, há batistas do 7º dia (inclusive conheço um pastor) que não creem na imortalidade da alma.

    Os problemas com ela estão delineados mesmo nas fontes oficiais da igreja.
    Vou citar alguns exemplos:

    1) A doutrina da porta fechada em 1844.
    No documento oficial 'Documentos referentes à porta fechada', admite-se claramente que Ellen White sustentou a doutrina da porta fechada por pelo menos 7 anos após sua primeira visão. Na edição de 1851 do livro 'Primeiras Visões', a parte que falava da porta fechada para o mundo ímpio foi suprimida.
    Posteriormente, ela negou que tivesse mantido esse ensino depois de sua primeira visão. Analisando os pontos 5, 7, 24, 44 e 80 do documento, percebe-se que:

    Analisando os pontos acima, podemos chegar às seguintes conclusões:
    1) Na primeira visão de Ellen White, em 1844, foi-lhe revelado que a porta da graça (a possibilidade de salvação) havia sido fechada para o mundo ímpio.
    2) Em abril de 1846, Ellen White ainda estava ensinando a doutrina da porta fechada.
    3) Em dezembro de 1849, o casal White ainda cria que a porta de salvação estava fechada para o mundo ímpio.
    4) Em agosto de 1851, Ellen White republicou suas primeiras visões, omitindo misteriosamente a frase que ‘Deus havia rejeitado o mundo ímpio’ (não sei de nenhum profeta bíblico que tenha tido que editar ou suprimir visões anteriormente dadas por Deus).
    5) Em 1883, Ellen White afirmou que sua posição da porta fechada havia sido tomada antes de sua primeira visão, em 1844. Olson faz um esforço tremendo para tentar justificar o esse engano.

    Podes ver o documento aqui:
    http://centrowhite.org.br/perguntas/perguntas-sobre-ellen-g-white/os-documentos-referentes-a-porta-fechada/

    2) Os problemas do plágio.
    Veja esse documento: http://centrowhite.org.br/perguntas/perguntas-sobre-ellen-g-white/projeto-o-desejado-de-todas-as-nacoes/

    Fred Veltman gastou 8 anos investigando os problemas do uso de fontes em 'O desejado de todas as nações'. Das 2.624 sentenças de 15 capítulos avaliados, cerca de 823 sentenças são claramente dependentes de 500 obras avaliadas. Isto representa algo como 31% de dependência literária. Num livro de 835 páginas, chegaríamos a mais ou menos 259 páginas de cópias ou dependências literárias significativas. Ellen usou o livro de William Hanna para compor a base dos 15 capítulos avaliados. Ela utilizou vários autores como: Hanna, March, Frederic Farrar, John Harris, Henry Melvill, Octavius Winslow, entre outros. Ela utilizou pelo menos 23 fontes, seguramente, só para compor estes 15 capítulos, incluindo-se também obras de ficção.

    Veja como ele responde à seguinte pergunta:


    ResponderExcluir
  19. 3. “Como o senhor harmoniza o uso de fontes por Ellen White com suas declarações em contrário? Acha o senhor que a declaração introdutória ao Grande Conflito constitui um reconhecimento adequado de dependência literária?”

    Devo admitir, de início, que segundo o meu julgamento, este é o problema mais sério a ser enfrentado em ligação com a dependência literária de Ellen White. Ele fere o sentimento de sua honestidade, sua integridade e, por conseguinte, de sua fidedignidade.

    Até agora não tenho e – quanto seja do meu conhecimento – ninguém tem uma resposta satisfatória para esta importante pergunta. A declaração de O Grande Conflito vem muito mais tarde em sua carreira de escritora e é muito limitada nas referências feitas a historiadores e reformadores. Admissões semelhantes não aparecem como prefácio em todos os seus escritos nos quais as fontes estão envolvidas e não há nenhuma indicação de que esta declaração especial se aplique a seus escritos de um modo geral."

    3) Outras defesas oficiais do Centro White, como 'O relatório Vincent Ramik' (ver aqui: http://centrowhite.org.br/perguntas/perguntas-sobre-ellen-g-white/o-relatorio-ramik/) apenas se focam em uma defesa jurídica de Ellen Whte. Já que a legislação de sua época não era específica sobre plágios, então isso poderia 'inocentá-la' da acusação.

    4) Há contradições em seus escritos. Robert Olson, no documento de Veltman listado mais acima, admite:

    "Mas eu não afirmaria que Ellen White foi infalível nas decisões que tomou ao longo dessa linha de conduta [uso de fontes]. Há em seus escritos exemplos nos quais ela discordou de si mesma. Gostaria de dizer que não tenho explicação para esta espécie de coisa. Simplesmente não mereço tanto!

    Consequentemente, não pretendo comprovar toda a história, por exemplo: devido a que Ellen White escreveu? ...
    Assim, por exemplo, em um lugar ela diz que a Torre de Babel foi construída antes do Dilúvio (1). Bem, em Patriarcas e Profetas isto está corrigido. Encontrareis coisas dessa espécie – ocasionalmente ela contradiz a si mesma. Devemos reconhecer a falibilidade. Ela aqui está."

    ResponderExcluir
  20. 5) Erros históricos em seus escritos, conforme admitido por eruditos adventistas, como Bacchiocchi e Graybill. Ela erra nos assuntos da mudança do sábado para o domingo, sobre os valdenses, na cronologia da vida de John Hus, sobre a vida de Lutero, sobre a Dieta de Speyer, sobre o surgimento da supremacia papal, entre outros assuntos. A justificativa Adventista (insuficiente a meu ver) é que Ellen White nunca pretendeu que seus escritos fossem utilizados como autoridade em matérias de História (ver aqui: http://centrowhite.org.br/perguntas/perguntas-sobre-ellen-g-white/supostos-erros-historicos/)

    Poderia citar mais exemplos, mas acredito que escrevi bastante já e isso já dá um bom contexto para estudo e discussão.

    Espero poder ter ajudado, e qualquer comentário estou à disposição para ler e responder, se puder.

    (acho que o amigo está meio confuso com o feriado, ainda não é sexta para desejarmos feliz sábado, hehe).

    Abraços!

    ResponderExcluir
  21. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  22. Olá irmão Fabulo, a paz do Senhor!

    Mais uma vez obrigado pela resposta!

    Vou pesquisar sobre o assunto!

    Um forte abraço e fique com Deus!

    ResponderExcluir
  23. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, não! Não estou confuso não! É simplesmente pela proximidade do sábado! E também não sabia se falaríamos novamente antes do SÁBADO!

    Não tem como me confundir! Já o observo a muitos anos!

    Feliz sábado novamente! kkkkkkkkkkk

    Um forte abraço e fique com Deus!

    ResponderExcluir
  24. Paz Alexandre!

    Obrigado pelo retorno!
    Não precisas agradecer. Peço até desculpas se as vezes pareço um pouco ofensivo em minhas respostas. Não quero ofender ninguém que seja, apenas expor o entendimento bíblico e cristão tal qual eu entendo.

    Tire o tempo que precisar para ler, orar e refletir. Não estamos em nenhum debate para ver quem 'ganha'.

    Ah, certo então... é que esse feriado tava com um clima de sexta-feira mesmo, kkkk... mas agora sim, um feliz e abençoado Sábado!

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá irmão FAbulo, a paz do Senhor!

      Sinceramente, não vejo em suas respostas nenhuma ofensividade!

      Um forte abraço e fique com Deus!

      Excluir
  25. Olá, amigos. Vejam o debate que temos tido com o Paulo Cadi noutro tópico. Eu lancei um desafio e ele se atrapalhou todo, não sabendo como resolver a questão. Esse desafio apresento aqui novamente para que todos vejam. E confiram lá como Paulo Cadi NÃO SABE o que dizer, tentando por todos os meios enfiar assunto DIVERSO para nos contestar, sendo que o debate NÃO TRATA de outra questão, mas do que verão abaixo explicado:

    Os adventistas do sétimo dia são, por incrível que possa parecer a alguns, os que realmente mantêm a mais legítima tradição interpretativa protestante/evangélica sobre, pelo menos CINCO pontos.

    DESAFIO QUALQUER UM a provar-me que não seja exatamente assim como aponto, pois os adventistas ensinam (juntamente com TODAS as Igrejas cristãs ao longo dos séculos) que

    a - os 10 Mandamentos seguem como normativos aos cristãos em TODOS os seus preceitos;

    b - dentro dos 10 Mandamentos, o seu 4o. preceito é originário da criação do mundo, tendo, pois, caráter MORAL e UNIVERSAL, devendo ser respeitado nos moldes do que é estabelecido em Gên. 2:2, 3, Êxo. 20:8-11 e Isa. 58:13, 14. O fato de o reinterpretarem para equivocadamente aplicá-lo agora ao domingo não desfaz a base ideológica da questão;

    c - as leis divinas devem ser entendidas segundo seus objetivos e características como “moral” (o Decálogo), “cerimonial” (prefigurativa de Cristo e abolida na cruz), “civil”, “penal”, etc.

    Adicionalmente, consta claramente das confissões batista, luterana, anglicana e presbiteriana que

    d - os primeiros 4 mandamentos referem-se a nossa responsabilidade para com Deus, e os 6 últimos, idem quanto ao semelhante.

    e - Finalmente, os adventistas ensinam O MESMO que os Reformadores sobre a figura do Anticristo, e antes desses os valdenses, que nada sabiam sobre essas teorias modernas de “arrebatamento secreto”, Anticristo misterioso que surgirá no futuro para perseguir judeus, “deixados para trás”, etc.


    Noutros termos, o teor do desafio é o seguinte:

    DESAFIO QUALQUER ANTI-SABATISTA A NOS PROVAR:

    Que as Igrejas-mãe derivadas do Movimento Reformado, das quais tantas outras também derivaram ensinavam e ensinam nos seus documentos confessionais:

    a - Que os 10 Mandamentos NÃO SÃO mais normativos aos cristãos, sendo apenas parte do “pacote único de leis”, tudo abolido na cruz para ser substituído pela “lei de Cristo” que dispensa guarda de dias.

    b - Que o sábado NÃO É LEI MORAL E UNIVERSAL, cada um seguindo o melhor caminho que quiser, sem observar dia nenhum, apenas indo à Igreja aos domingos para “cumprir a obrigação”, sem a mínima noção de se SANTIFICAR um dia ao Senhor.

    c - Que NÃO EXISTE essa classificação/categorização/divisão das leis como “moral” (o Decálogo), “cerimonial” (prefigurativa de Cristo, abolida na cruz), “civil” e que fazer tal divisão é um erro, já que as leis eram todas um só 'pacote' legal do judaísmo, tudo abolido na cruz.

    PRONTO, assim vamos definir as coisas claramente.

    ResponderExcluir
  26. Para equilibrar as coisas, eis uma breve defesa de Ellen White diante desses ataques preconceituosos, falsos e até irracionais que temos aqui, como transcrevo de outro fórum:

    Ellen White não foi a fundadora da IASD, como alguns imaginam. Ela participou do grupo de pioneiros iniciadores da IASD, mas não mandava em nada, nunca foi "presidente" nem teve qualquer cargo de importância. Apenas atuava como conselheira, pregadora, autora inspirada cujos frutos de sua obra se vê em vários aspectos. Sua obra de ênfase à educação transparece hoje no elevado número de escolas, desde jardim de infância até universidades, da IASD, que tem a maior rede de instituições escolares do mundo, depois da ICAR.

    Os princípios de saúde promovidos por Ellen White se refletem nas pesquisas científicas que demonstram a maior saúde e longevidade dos adventistas, em comparação com outros segmentos populacionais. Isso tem aparecido em publicações como “Prevention”, “National Geographic Magazine”, revista “Time” e reportagens pela TV americana. Até o "Fantástico", da Rede Globo, apresentou curta matéria sobre o tema, o que é algo muito especial, partindo de uma rede que reconhecidamente sempre se apresentou hostil aos evangélicos.

    Muito antes de se falarem dos males do fumo, Ellen White já apontava aos malefícios desse hábito e a IASD sempre se destacou como uma Igreja que condenou os vícios, e ajudou milhões a deles se verem livres através de programas de recuperação de viciados, como o popular "Como Deixar de Fumar Em Cinco Dias" e outros mais.

    A visão de evangelização de Ellen White coloca a Igreja Adventista como uma das que maior número de missionários tem no mundo, proporcionalmente ao número de seus membros. O seu livrinho “Caminho a Cristo” teve as primeiras edições lançadas pela editora evangélica Revell, de um cunhado de Moody, pois reconheceu nele o seu potencial evangelístico. A Igreja Adventista já atua em mais de 200 países, sendo a que tem o maior número de países penetrados dentre todas as denominações cristãs..

    E no campo "profético", Ellen White advertiu muitas vezes sobre a terrível situação das cidades grandes que justificaria o abandono das mesmas por quem pudesse, pois a criminalidade, os vícios, a poluição seriam crescentes em tais locais.
    Alguém ainda tem dúvida quanto ao acerto de tal previsão e recomendação vendo-se o que se passa em São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Salvador, só para citar cidades brasileiras?

    Aliás, agora vemos o Vaticano se empenhando para apresentar-se como líder numa campanha mundial para "salvar o planeta", promovendo o ECOmenismo. E o incrível é que vem confirmar outra previsão de Ellen White--que o domingo seria mais e mais exaltado e ligado a algo relativo ao bem-estar do mundo inteiro, com desastres naturais atribuídos ao desrespeito pelo domingo. Pois o papa Bento XVI numa homilia em Viena, recentemente, tratando disso--falou da "dimensão ecológica" do domingo que é algo que precisa ser considerado por todos no mundo. . .

    Vozes já se têm levantado para que todos parem tudo um dia por semana para preservar a natureza, reduzir a carga de poluentes e ter um lazer familiar socialmente benéfico, etc., etc. Isso foi exatamente o que o jornal britânico “The Guardian” abordou recentemente, na sua edição de 17-09-09. E adivinhem que dia seria escolhido para tal mister. . . .

    Lembrem-se que Jesus declarou que "por seus frutos se conhece a árvore, se é boa ou má, e os frutos da obra de Ellen White são muitos e positivos, como os poucos que acima indiquei.

    [Conclui no próximo quadro]

    ResponderExcluir
  27. Recentemente até um autor não-adventista esteve fazendo um levantamento de áreas do mundo onde as pessoas vivem mais, e citou Loma Linda, na Califórnia, um centro de adventistas, como uma das “Zonas Azuis”, de pessoas longevas e de saúde superior, em comparação com o restante da população. Ele disse que Loma Linda é um “oasis de longevidade” na paisagem americana, com muitas pessoas com mais de 100 anos vivendo lá, da IASD.

    Agora, há um ex-pastor evangélico que se tornou ateu, chamado Dan Barker. Ele apresenta supostas contradições, declarações anti-científicas e coisas "absurdas" na Bíblia e vive desafiando os crentes na Bíblia a lhe dar resposta e refutar suas alegações.

    Eu não sei responder todas as objeções de Barker, mas continuo crendo na inspiração bíblica, pois não temos um claro entendimento de como Deus utiliza as pessoas que inspira. E se há dificuldades na Bíblia, por que não haveria na obra de Ellen White que abrange um total de 100.000 páginas?

    Aqui mesmo vemos como se utiliza a Bíblia para defender posições tão contraditórias, como no caso da predestinação. Dependendo da posição que se tenha, há textos e mais textos apontando para um lado, e textos e mais textos apontando para o outro. É assim mesmo que se dá com a literatura de Ellen White. . .

    Agora, é tão fácil encontrar defeitos e atacar, condenar, criticar dando-se ouvidos só aos que atacam e condenam, IGNORANDO os que DEFENDEM. Acaso os críticos de Ellen White se deram ao trabalho de ver as explicações oficiais de tantas coisas que parecem estranhas e contraditórias em seus escritos, indo aos sites apropriados? E o que dizer do livro “Mensageira do Senhor”, de Herbert Douglass? Leram tal livro? Conhecem o seu teor?

    Então, até por uma questão de justiça, ficar só dando ouvidos preconceituosamente à acusação sem atentar aos argumentos da defesa não é atitude justa e muito menos cristã. E o preconceito é pecado, se querem saber (Mat. 7:1; João 7:24).

    Eis os endereços de sites de DEFESA onde perguntas a respeito de aspectos de seus escritos são devidamente explicados:

    http://centrowhite.org.br/perguntas/perguntas-sobre-ellen-g-white/

    http://elenawhitedefensa.es.tl/Ellen-White-Defesa-em-portugu%EAs.htm

    E vejam este vídeo onde se confirmam as palavras de Jesus: “pelos frutos se conhece se uma árvore é boa ou má”. Revela os BONS FRUTOS do ministério profético da Sra. White na área de saúde. Não sei de nenhum líder religioso que haja deixado um legado tão precioso, que tenha levado um governo, como o dos Estados Unidos da América, a investir uns milhões de dólares para saber o segredo de uma vida mais plena e longa, graças aos ensinos de alguém ligado a uma filosofia religiosa, como se deu com Ellen White.

    http://www.youtube.com/watch?v=2PYfrvaQ36w

    ResponderExcluir
  28. Prezado Azenilto e demais comentaristas... De fato é inquestionável a concatenação que a construção teológica adventista realizou em termos de abrangência e harmonia dos principais credos reformados históricos em sua proposição teológica. (É claro que no que tange a soteriologia e doutrina de Deus a linha de reflexão teológica adventista tende ao arminianismo, devido sua notável herança wesleyana - apenas uma ressalva aos calvinistas, visto que vez por outra muitas de nossas doutrinas são permeadas dessa compreensão, inclusive nosso olhar sobre as confissões reformadas históricas ao longo dos séculos).
    O problema de dissenção com outras denominações ao longo de cerca de 160 anos, talvez não seja oriundo disso, mas sim, do desejo de muitos de nosso meio de divulgar mais a nossa denominação do que a pessoa de Cristo... muito mais nossa metodologia lógica de crenças do que de fato Jesus... Essa de fato é a razão do que por quê de tanta raiva que evangélicos tradicionais e ou pentecostais tem de nós...
    É bem verdade, que de alguns anos pra cá, graças à diminuição da influência teológica perfeccionista de M. L. Andreasen no meio adventista, fez com que melhorássemos muito. Mas, existem ainda muitos em nosso meio que adeptos e apaixonados pos posições antigas da denominação (e diga-se de passagem, graças a Deus há muito tempo abandonadas oficialmente, crenças horríveis como pós lapsarianismo, perfeccionismo, exclusivismo denominacional, etc), menosprezam toda e qualquer experiência cristã externa ao adventismo... E por causa destes, todos pagamos... Não estou aqui defendendo a assim auto intitulada "ortodoxia evangélica", ou ainda "apologética evangélica" tradicional, pois muitos deles compartilham do mesmo espírito daqueles que entre nós são os mais inflamados adeptos do perfeccionismo, a saber: o espírito que defende apenas que os indivíduos troquem de religião e não que venham a ter uma experiência de redenção, salvação e relacionamento real com Cristo. Porém, estou comentando que não adianta a gente tentar se defender promovendo o que nossa religião é em termos teológicos e teóricos, visto que no passado demos margem para que eles nos odiassem quando tentamos fazer com eles exatamente o que a todo momento procuram fazer conosco, ou seja, dizer que estamos errados e que temos de deixar a nossa denominação para ir pra deles, e vice versa...
    Em suma, eu acredito que ambos os lados precisam se revestir de Cristo em amor... ambos os lados precisam mais da presença do Senhor deles fluindo neles... todos precisamos...
    A defesa doutrinária é importante, todavia, com que cordialidade o fazemos? Seja de um lado ou de outro...

    "Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo."
    Filipenses 2:3

    ResponderExcluir
  29. Olá, irmão Benício

    Concordo que temos de crescer “na graça e no conhecimento” de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. E creio, sim, que no seio do adventismo houve evolução, tanto que a maioria dos pioneiros era composta de antitrinitarianos, e chegou-se ao consenso de acatar a visão da cristandade conservadora quanto à Trindade. Não sei de nenhum deles que saiu da Igreja ou se pôs a criar dissidências por causa dessa decisão.

    Também houve evolução de entendimento mais completo do tema da justificação pela fé, eliminando-se os conceitos perfeccionistas (embora haja ainda alguns poucos adeptos dessa corrente em nosso meio).

    Agora, realmente é lamentável encontrarmos essa verdadeira CONSPIRAÇÃO ANTIADVENTISTA em andamento, como este próprio tópico indica, trazendo no título linguagem de “mentira adventista”, com testemunho de alguém que abandonou nossas fileiras (mas não abandonou o sábado, rs, rs, rs).

    Sempre busco apresentar nossas posições da forma mais diplomática e construtiva possível em sítios internéticos de debates por aí. O que se dá, porém, é que logo se levantam os que nos atacam virulenta e preconceituosamente, levando-nos a ter que recorrer à DEFESA DA FÉ. É que há uma campanha declarada para nos combater, principalmente a partir de um indivíduo, que até conheço pessoalmente, que nem é formado em Teologia, mas gosta de passar a imagem de grande teólogo e especialista em Religiões Comparadas. Esse indivíduo certamente percebeu o “mercado” favorável a literatura contra outros religiosos concorrente, e pôs-se a publicar livros e apostilas e fazer palestras em igrejas e seminários, entre os quais destacam-se os contra a Igreja Adventista. E ele ganhou um bom dinheiro com isso, diga-se de passagem. . .

    Esse indivíduo até se gaba de ser “especialista em adventismo”, só que é especialista em pinçar desonestamente trechos de nossa literatura e corromper o sentido do que o autor quer dizer. Pois fez isso até comigo, ao citar trecho do livro “Consultoria Doutrinária”. Alguém aliado dele me citou um trecho para “provar-me' um ponto, mas eu logo identifiquei tal trecho como sendo DE MINHA PRÓPRIA AUTORIA! Ora, claro que eu não iria dizer as coisas do modo como estavam sendo apresentadas, pois contradiria nossa doutrina.

    É que o livro teve vários colaboradores respondendo a perguntas de leitores de nossas revistas sobre pontos de doutrina. Eu participei do grupo de redatores, e exatamente um trechinho de minhas participações foi assim citado. Ou seja, apanhei essa gente com a mão na massa praticando esse vergonhoso ato de torcer escritos alheios!

    Assim, o “clima” que já se criou nos arraiais evangélicos contra nossas posições está armado há muito tempo. Prova disso está no Luciano Sena que abriu este blog quase que especialmente para nos fustigar.

    O engraçado é que já vi gente a quem ele até prestigiou no seu livro antiadventista condenando diretamente sua teologia calvinista. Foi engraçado vê-lo experimentando do seu próprio veneno. É tão mais confortável ficar atacando os outros, tomando trechinhos de sua literatura e a interpretando de modo tão diverso do sentido real e contextual do que os autores querem dizer, não é mesmo?

    ResponderExcluir
  30. Olá A G Brito.

    Em relação ao seu desafio aos anti-sabatistas, não acredito que esse seja o post adequado para isso. Os Batistas do 7º Dia defendem a validade do Sábado desde 1617, mais de 250 anos antes dos Adventistas. Não é a verdade do Sábado que faz com que a IASD seja a ‘igreja remanescente’.

    Seus comentários sobre as instituições de educação e princípios de saúde não comprovam que Ellen White seja uma verdadeira profeta. Tenho um material que uma vez recebi dos mórmons, defendendo o dom profético de Joseph Smith. Entre os argumentos listados, estavam a rede educacional mórmon, e os princípios de saúde recebidos por Smith em 1820 (que eles chamam de ‘Palavra de Sabedoria’), que também aumentam a expectativa média de vida dos americanos, e são anteriores e em muitos aspectos similares aos de Ellen White. Não há nada nos escritos dela que ela não possa ter aprendido de Joseph Smith, John Wesley (o fundador metodista era um reformador de saúde), Sylvester Graham, Tiago Jackson, L. Coles, entre outros.

    Crescimento numérico não comprova aprovação e verdade divina, basta analisar as taxas de crescimento dos mórmons, TJ e muçulmanos nos últimos anos.

    Ellen White também tem muitas falsas profecias, como que Jerusalém jamais seria reconstruída novamente, e que alguns que estavam presentes em uma reunião que ela estava seriam submetidos às 7 últimas pragas.

    E poderás ver em meus comentários anteriores que apenas recorri às defesas adventistas do Centro White para esclarecer minha posição. Vou colocá-las aqui novamente.

    ResponderExcluir
  31. 1) A doutrina da porta fechada em 1844.
    No documento oficial 'Documentos referentes à porta fechada', admite-se claramente que Ellen White sustentou a doutrina da porta fechada por pelo menos 7 anos após sua primeira visão. Na edição de 1851 do livro 'Primeiras Visões', a parte que falava da porta fechada para o mundo ímpio foi suprimida.
    Posteriormente, ela negou que tivesse mantido esse ensino depois de sua primeira visão. Analisando os pontos 5, 7, 24, 44 e 80 do documento, percebe-se que:

    Analisando os pontos acima, podemos chegar às seguintes conclusões:
    1) Na primeira visão de Ellen White, em 1844, foi-lhe revelado que a porta da graça (a possibilidade de salvação) havia sido fechada para o mundo ímpio.
    2) Em abril de 1846, Ellen White ainda estava ensinando a doutrina da porta fechada.
    3) Em dezembro de 1849, o casal White ainda cria que a porta de salvação estava fechada para o mundo ímpio.
    4) Em agosto de 1851, Ellen White republicou suas primeiras visões, omitindo misteriosamente a frase que ‘Deus havia rejeitado o mundo ímpio’ (não sei de nenhum profeta bíblico que tenha tido que editar ou suprimir visões anteriormente dadas por Deus).
    5) Em 1883, Ellen White afirmou que sua posição da porta fechada havia sido tomada antes de sua primeira visão, em 1844. Olson faz um esforço tremendo para tentar justificar o esse engano.

    Podes ver o documento aqui:
    http://centrowhite.org.br/perguntas/perguntas-sobre-ellen-g-white/os-documentos-referentes-a-porta-fechada/

    ResponderExcluir
  32. 2) Os problemas do plágio.
    Veja esse documento: http://centrowhite.org.br/perguntas/perguntas-sobre-ellen-g-white/projeto-o-desejado-de-todas-as-nacoes/

    Fred Veltman gastou 8 anos investigando os problemas do uso de fontes em 'O desejado de todas as nações'. Das 2.624 sentenças de 15 capítulos avaliados, cerca de 823 sentenças são claramente dependentes de 500 obras avaliadas. Isto representa algo como 31% de dependência literária. Num livro de 835 páginas, chegaríamos a mais ou menos 259 páginas de cópias ou dependências literárias significativas. Ellen usou o livro de William Hanna para compor a base dos 15 capítulos avaliados. Ela utilizou vários autores como: Hanna, March, Frederic Farrar, John Harris, Henry Melvill, Octavius Winslow, entre outros. Ela utilizou pelo menos 23 fontes, seguramente, só para compor estes 15 capítulos, incluindo-se também obras de ficção.

    3. “Como o senhor harmoniza o uso de fontes por Ellen White com suas declarações em contrário? Acha o senhor que a declaração introdutória ao Grande Conflito constitui um reconhecimento adequado de dependência literária?”

    Devo admitir, de início, que segundo o meu julgamento, este é o problema mais sério a ser enfrentado em ligação com a dependência literária de Ellen White. Ele fere o sentimento de sua honestidade, sua integridade e, por conseguinte, de sua fidedignidade.

    Até agora não tenho e – quanto seja do meu conhecimento – ninguém tem uma resposta satisfatória para esta importante pergunta. A declaração de O Grande Conflito vem muito mais tarde em sua carreira de escritora e é muito limitada nas referências feitas a historiadores e reformadores. Admissões semelhantes não aparecem como prefácio em todos os seus escritos nos quais as fontes estão envolvidas e não há nenhuma indicação de que esta declaração especial se aplique a seus escritos de um modo geral."

    ResponderExcluir
  33. 3) Outras defesas oficiais do Centro White, como 'O relatório Vincent Ramik' (ver aqui: http://centrowhite.org.br/perguntas/perguntas-sobre-ellen-g-white/o-relatorio-ramik/) apenas se focam em uma defesa jurídica de Ellen Whte. Já que a legislação de sua época não era específica sobre plágios, então isso poderia 'inocentá-la' da acusação.

    4) Há contradições em seus escritos. Robert Olson, no documento de Veltman listado mais acima, admite:

    "Mas eu não afirmaria que Ellen White foi infalível nas decisões que tomou ao longo dessa linha de conduta [uso de fontes]. Há em seus escritos exemplos nos quais ela discordou de si mesma. Gostaria de dizer que não tenho explicação para esta espécie de coisa. Simplesmente não mereço tanto!

    Consequentemente, não pretendo comprovar toda a história, por exemplo: devido a que Ellen White escreveu? ...
    Assim, por exemplo, em um lugar ela diz que a Torre de Babel foi construída antes do Dilúvio (1). Bem, em Patriarcas e Profetas isto está corrigido. Encontrareis coisas dessa espécie – ocasionalmente ela contradiz a si mesma. Devemos reconhecer a falibilidade. Ela aqui está."

    ResponderExcluir
  34. Olá, Flabulo. Você cita coisas já inteiramente resolvidas, mas faz que conta que não foram, pois até pesquisou no site do White Estate. Só que não cita TUDO quanto é exposto lá.

    Primeiramente, as suas alegações sobre mórmons não leva em conta que JAMAIS as supostas reformas de saúde deles chamou a atenção do público, pela abrangência e confirmação científica, como se deu com o que Ellen White ensinava. Nem os escritos mórmons levaram o governo dos EUA a investir uns milhões de dólares para descobrir o segredo da vida mais longa e melhor saúde dos mórmons e outros, como foi feito com relação aos adventistas. A diferença é marcante.

    Que tal ler o livro "Ellen G. White, Mensageira do Senhor", de Herbert Douglass? Acaso o leu? Pois o autor discute abrangentemente todas essas questões bem documentadamente. Seria bom lê-lo para não ficar só dando ouvidos aos que ATACAM, mas considerar também os argumentos dos que DEFENDEM. Essa é uma atitude justa e cristã, não acha?

    O problema da "porta fechada" é claramente explicado no site do White Estate, bem como da suposta previsão de reconstrução de Jerusalém. Tomar fora de contexto as questões e dar interpretações preconceituosas é coisa que já me acostumei a ver por aí constantemente, mas os que assim agem só mostram a confirmação do seu preconceito.

    Essa questão de "reconstrução de Jerusalém", por exemplo, é muitíssimo bem explicada à luz do contexto do que se promovia na época em que ela fez tal declaração. Havia gente promovendo uma mudança para Jerusalém por que se predizia que a velha cidade, e o Templo, em sua glória passada seriam restaurados. Pois há poucos semanas eu estive em Jerusalém, e até ajudei na tradução de uma jovem judia, que trabalha numa campanha para reedificação do Templo (o tradutor teve que interromper o seu trabalho quando seu telefone celular tocou e ela apontou para mim e disse--"você fala inglês, então continuemos. . ."). Os dispensacionalistas ainda ensinam até que voltarão os sacrifícios de animais num templo reconstruído, e daí os judeus entenderão finalmente o sentido daquilo tudo e aceitarão a Cristo, com o que claramente contradizem as últimas palavras do Salvador, "Está consumado".

    Então, não há nenhuma novidade nessas alegações, pois ao tempo dela havia também extremistas com tais ideias. Apenas isso, nada mais.

    Toda a prosopopeia de plágio já foi resolvida. Era prática comum do seu tempo citarem-se autoridades sem preocupação em colocar as fontes. E ela deixava por conta de assistentes literários acrescentar detalhes históricos e outras questões que servissem para enriquecer os textos mais em forma de esboço que ela preparava. Ela nunca foi saber sobre leis de "copyright" para conferir se o que os assistentes acrescentavam. Se concordava com o que ela entendia da questão, era-lhe suficiente. Tanto que ela própria promoveu a leitura do "História da Reforma" de Daubigné, depois vastamente citado em "O Grande Conflito". Se houvesse qualquer tentativa de ocultar o fato das cópias ela jamais iria recomendar a leitura de tal livro.

    E a Igreja não se arroga o título de "remanescente" nesse sentido deturpado que sempre dão, como de únicos a serem salvos. O sentido é que há um movimento remanescente de defesa de verdades negligenciadas, principalmente o da restauração do sábado e da imortalidade condicional, ante os difundidos erros da guarda do domingo (ou do "dianenhumismo", muito mais popular e extenso) e da imortalidade da alma.

    Aliás, eu fico curioso em saber como os demais religiosos interpreta Apo. 14:6-14. Qual o sentido das TRÊS MENSAGENS ANGÉLICAS segundo outros crentes? A interpretação adventista é magnificamente coerente e óbvia. Vi um pregador americano certa vez alegando que nos últimos dias três anjos passarão pelo meio do céu pregando o evangelho para os judeus! É assim que se entende a passagens nos meios evangélicos?

    Por favor, dê-me a sua interpretação de tal texto para matar minha curiosidade, é possível?

    ResponderExcluir
  35. Bom dia A G Brito

    Não é verdade que a longevidade mórmon não tem chamado a atenção de pesquisadores da saúde e da mídia americana.

    As early as 1925, eminent scientist Franklin S. Harris and Newbern Butts publishedFruits of Mormonism revealing low Mormon rates in such diseases as cancer, tuberculosis, pneumonia and kidney diseases -- as well as suicide and homicide.
    In March 1975, Dr. James Enstrom of UCLA School of Public Health (not a Mormon) reported to an American Heart Association Conference that Mormon deaths from heart and cardio problems were from one third to one half less than average in the U.S..
    Then came an independent study by established epidemiologist, Dr. Joseph Lyon that Mormons in Utah were contracting cancer 25 percent less frequently than non-Mormons.
    Soon, Enstrom, Lyon and others examined and confirmed Elder Widtsoe’s 1938 statistics that Mormon diabetes was 50% less and bladder and kidney disease 51 percent less than average.

    The nation was concerned about the loss of life and costs of dreaded diseases and the good news from reliable studies about Mormon lifestyle was welcome. Illustrative was the Washington Post with a front page headline “Study Shows Low Mormon Cancer Rate” on 11/18/74.
    http://www.ldsmag.com/article/1/12071

    The UCLA Press Release on their latest study of Mormon longevity summarized: “If you want to live a long healthy life, you may want to take a tip from the Mormons…. A group of actively practicing Mormons in California, followed for a 25-year period, had the lowest total death rates and the longest life expectancies ever documented in a well-defined U.S. cohort. The authors believe the findings suggest a model for substantial disease prevention in the general population.”
    The males that were highly committed to the Mormon lifestyle had a life expectancy of 84.1 years which was 9.8 years greater than that of U.S. white males. Highly committed females had a life expectancy of 86.1 years which was 5.6 years longer than U.S. white females.

    The low LDS mortality findings are in harmony with earlier studies of low Mormon rates of cancer. In one instance the benefits of high Mormon adherence to Church doctrines by men was dramatically shown. John Gardner and Joseph Lyon found that the most devout group of Mormons (Seventies and High Priests) had lung cancer rates 80% lower than those in the least devout group. Cancer of the stomach and the leukemias and lymphomas also had lower rates in the most devout group. The most devout Mormon women also had a substantially lower lung cancer rate than the least devout. (American Journal of Epidemiology, Aug. 1982)
    http://www.ldsmag.com/article/1/12079

    Se as ‘reformas’ de saúde comprovam que Ellen White foi uma profeta, então as ‘reformas’ de saúde de Joseph Smith, que antecedem as de Ellen White em mais de 40 anos, também comprovam que ele foi um profeta.

    Continua...

    ResponderExcluir
  36. Sim, eu li o Documento referente à porta fechada do Centro White. Inclusive, esse foi o documento que foi decisivo para a saída de meus amigos da Igreja Adventista. A questão não é explicada claramente, ao contrário do que você deseja.

    Analisando o ponto 5 do documento: Na primeira visão de Ellen White, em dezembro de 1844, foi-lhe revelado que a porta da graça (a possibilidade de salvação) havia sido fechada para o mundo ímpio. Veja o que ela diz: "Era-lhes tão impossível voltar novamente ao caminho e prosseguir para a Cidade, como para o mundo ímpio que Deus havia rejeitado. Caíam em toda a extensão do caminho, um após o outro, até que ouvimos a voz de Deus, semelhante a muitas águas, que nos deu o dia e a hora da vinda de Jesus."

    Em abril de 1846, Ellen White ainda estava ensinando a doutrina da porta fechada, conforme se vê pela carta de Otis Nichols para Guilherme Miller. Conforme o ponto 24: "Durante pelo menos oito meses, Ellen Harmon vinha pregando que “nosso trabalho em favor da igreja nominal e do mundo estava feito, e o que restava ser feito era pela família da fé”. Em 20 de abril de 1846, Otis Nichols escreveu para Guilherme Miller e tentou persuadi-lo de que Ellen Harmon era uma profetiza. Ele resumiu brevemente as atividades de Ellen, inclusive a mensagem que ela dava ao visitar os grupos adventistas. Ele insistiu que sabia do que estava falando, porque Ellen havia feito da casa dele sua sede durante os últimos oito meses."

    Em dezembro de 1849, o casal White ainda cria que a porta de salvação estava fechada para o mundo ímpio. Tiago White: “Ainda cremos . . . que a porta está fechada.”

    Em agosto de 1851, Ellen White republicou suas primeiras visões, omitindo misteriosamente a frase que ‘Deus havia rejeitado o mundo ímpio’.

    80. Agosto de 1851: Ellen White publicou as visões do princípio em seu primeiro livro, omitindo a frase de que Deus havia rejeitado “o mundo ímpio”.

    Não sei de nenhum profeta bíblico que tenha tido que editar ou suprimir visões anteriormente dadas por Deus. Sabes de algum?

    Em 1883, Ellen White afirmou que sua posição da porta fechada havia sido tomada antes de sua primeira visão, em 1844. Olson faz um esforço tremendo para tentar justificar o esse engano.

    O texto diz: "Ellen White parece estar dizendo que adotou a “verdadeira posição” imediatamente após ter recebido sua primeira visão. Contudo, tal interpretação de suas palavras não parece estar em harmonia com outros documentos da época, especialmente a carta de Otis Nichols para Guilherme Miller. (Ver item no 24.) Parece mais provável que a primeira visão de Ellen tenha confirmado a validade da experiência de 1844 e, com as visões subseqüentes, levou-a gradualmente à compreensão de que, conquanto a porta da misericórdia houvesse de fato se fechado para alguns em 22 de outubro, não se havia fechado para todos. A princípio pareceu a ela que não havia mais esperança para o “mundo ímpio” ou para aqueles que negaram a direção de Deus no movimento milerita."

    Ou seja: primeiramente ela mentiu, dizendo que fora demovida da posição da porta fechada logo após sua primeira visão. Claro, essa declaração vem mais de 40 anos após o incidente, quando muitos já tinham morrido e outros nem lembravam mais.

    Após 7 anos da primeira visão, ela mutila as partes comprometedoras, e a explicação de Olson é que ela havia entendido mal sua visão, e isso foi corrigido depois.

    Novamente pergunto: algum profeta bíblico, mesmo não entendendo suas visões, teve que corrigir ou alterar algum de seus escritos anos depois? E ainda negar esse fato?

    Realmente acredita que isso seja uma boa justificativa?

    Continua...

    ResponderExcluir
  37. Quanto ao plágio, não a questão não está resolvida.
    Como o próprio Veltman admite:

    "3. “Como o senhor harmoniza o uso de fontes por Ellen White com suas declarações em contrário? Acha o senhor que a declaração introdutória ao Grande Conflito constitui um reconhecimento adequado de dependência literária?”

    Devo admitir, de início, que segundo o meu julgamento, este é o problema mais sério a ser enfrentado em ligação com a dependência literária de Ellen White. Ele fere o sentimento de sua honestidade, sua integridade e, por conseguinte, de sua fidedignidade.

    Até agora não tenho e – quanto seja do meu conhecimento – ninguém tem uma resposta satisfatória para esta importante pergunta. A declaração de O Grande Conflito vem muito mais tarde em sua carreira de escritora e é muito limitada nas referências feitas a historiadores e reformadores. Admissões semelhantes não aparecem como prefácio em todos os seus escritos nos quais as fontes estão envolvidas e não há nenhuma indicação de que esta declaração especial se aplique a seus escritos de um modo geral."

    Novamente, vejo que sua defesa se refere aos aspectos legais da época. Pode até ser que muitos em sua época citassem outros sem indicar a fonte, mas nenhum deles se proclamou profeta ou estar falando em nome do Senhor Deus.

    Ellen White não só usou fontes (se fosse só isso, não haveria problema), mas ela continuamente NEGOU que estivesse usando outras fontes.
    Há inúmeras citações dela, em que ela afirma que não depende de outros, que as palavras que ela usa são dela e de mais ninguém, que ela só escreve o que Jesus e os anjos ditam para ela em visão, etc. etc.

    Inclusive li um artigo de Robert Olson, do Ellen G. White Estate, em que tentando explicar a questão do plágio, ele chega a levantar a hipótese de Ellen White realmente ter mentido!

    Ele diz mais ou menos assim: Bem, ela era humana, e os humanos erram. Abraão era profeta de Deus e também mentiu. Isso não comprova que EGW não seja uma profeta!

    Não sei de nenhum profeta que tenha mentido a respeito de revelações vindas do Senhor Deus.

    As admissões do uso de fontes por Ellen White são bem recentes, e só começaram a acontecer, de forma cada vez mais crescente, após a exposição dos fatos por Walter Rea, quando a própria IASD começou a empreender pesquisas e investigações nessa área.

    Continua...

    ResponderExcluir
  38. "E a Igreja não se arroga o título de "remanescente" nesse sentido deturpado que sempre dão, como de únicos a serem salvos."

    Eu nunca afirmei isso. Mas biblicamente, não existe esse conceito de uma 'igreja restauradora' no tempo do fim, como defendem os adventistas, TJs e mórmons. A Bíblia que as portas do inferno jamais prevaleceriam contra a Sua igreja, e que o louvor a Cristo seria dado em todas as gerações.
    Em relação à 'restauração do Sábado', os Batistas do 7º Dia restauraram o Sábado mais de 250 anos antes dos Adventistas.

    À tarde envio meu entendimento em relação às 3 mensagens angélicas. Defendo uma data pré-70 d.C. para o Apocalipse, e entendo que a maioria das profecias ali se cumpriu na queda da cidade de Jerusalém e nas perseguições imperiais romanas aos cristãos do primeiro século.

    Deus te abençõe.

    ResponderExcluir
  39. Para entender o Apocalipse, quero identificar duas personagens que aparecem nesse livro: a besta e a prostituta Babilônia.

    Em relação à ‘besta’, entendo que ela possui uma ‘identidade genérica’ e uma ‘identidade específica’: ou seja, ora se refere a um reino, ora a um governador específico desse reino.
    Em sua identidade geral, a besta é o Império Romano do século I; em sua identidade específica, ela é o imperador César Nero.
    As 7 cabeças da besta representam as 7 colinas de Roma (Roma era conhecida como a ‘cidade das 7 colinas’) e a sucessão de 7 reis, de Júlio César a Galba. Os 10 chifres representam as 10 províncias as quais o império era dividido.

    Nero se encaixa perfeitamente na descrição da besta: 1) essa identificação está de acordo com as perspectivas temporais da profecia (há mais de 20 referências temporais no Apocalipse de que os destinatários originais deveriam esperar um cumprimento ‘logo’, ‘imediatamente’, ‘em breve’); 2) seu caráter perverso, blasfemo e imoral; 3) sua perseguição aos cristãos, que durou de novembro 64 a junho de 68 d.C. (42 meses – Ap 13.5); 4) a soma dos caracteres hebraicos de seu nome soma 666 (Ap 13.18); 5) Nero suicidou-se com uma espada (Ap 13.10); 6) Nero proclamou-se divino, pensando nele mesmo como o deus Apolo (Ap 13.5).

    Em relação à Grande Babilônia, entendo que se trata da cidade de Jerusalém (embora outros preteristas a identifiquem com a cidade de Roma imperial). Favorecem essa identificação: 1) Jerusalém é identificada com uma prostituta ou mulher infiel em muitos profetas do Antigo Testamento (por exemplo, Jeremias 3, que possui notáveis ligações com Apocalipse 17-18); 2) ela é identificada como a ‘grande cidade’, que em outro lugar é descrito como ‘o lugar onde seu Senhor foi crucificado’, o qual sabemos ser Jerusalém (Apocalipse 11.8; identificar a França e a revolução Francesa aqui me parece desprovido de sentido); 3) ela está montada sobre a besta, o que representa as alianças políticas entre Jerusalém e Roma, e seu envolvimento mútuo na morte de Cristo e dos cristãos; 4) Jesus afirmou para os cristãos fugirem de Jerusalém, pois haveria dias de vingança contra aquele povo (Lucas 21.21-22); da mesma forma, o povo de Deus deve fugir de Babilônia para não ser cúmplice em seus pecados e flagelos (Ap 18.4); 5) em Babilônia foi encontrado o sangue de profetas e santos, assim como em Jerusalém (Mateus 23.34-37); 6) A veste da prostituta remete às vestimentas sacerdotais judaicas: escarlate, púrpura e ouro (Êxodo 28); 7) há um contraste literário entre a prostituta e a noiva por vir em Apocalipse 21-22, o que parece indicar o contraste entre a velha cidade de Jerusalém e a Igreja, a Nova Jerusalém (ver Gálatas 4.24-31, Hebreus 12.28-34); 8) a besta se volta e destrói Babilônia com fogo (Ap 17.16), assim como Roma destruiu Jerusalém em 70 d.C.

    Assim sendo, interpreto como se segue as 3 mensagens angélicas:
    1) Em Ap 6.9-11, os mártires cristãos clamam a Deus sobre quando viria o juízo sobre seus assassinos. Em Ap 14.6-7 vemos uma proclamação urgente do evangelho pela Igreja, pois Deus julgará a humanidade (isso não se refere a um ‘juízo de investigação’ em 1844). A primeira mensagem anuncia que a eterna boa notícia vai para toda nação, tribo, língua e povo.

    2) A segunda mensagem proclama a vingança de Deus quanto à infiel e assassina cidade de Jerusalém, que matou profetas, derramou o sangue do Messias e perseguiu à Sua igreja.

    3) A terceira mensagem adverte os cristãos a se manterem firmes e não se renderem à religião romana, traindo a Cristo e reconhecendo a divindade do imperador. Aqueles que não adoravam o imperador romano eram perseguidos e mortos. Eles podiam adorá-lo e evitar problemas, mas trocar Cristo por Nero ou Domiciano lhe renderia o juízo eterno de Cristo. Por isso, a Igreja primitiva deveria suportar o sofrimento com paciência, obedecendo aos mandamentos de Deus e sendo fieis a Jesus (Ap 14.12).

    ResponderExcluir
  40. Azenilto, quem sab epela graça de Deus, vc veja a Luz conversando com o Fablulo...

    ResponderExcluir
  41. Olá, Flabulo e demais debatedores. Ante o que diz o Luciano Sena, francamente, não vejo luz nos seus comentários, somente trevas. E suas interpretações sobre o Apocalipse deixam muuuuito a desejar, transparecendo uma deficiência muito grande. Tudo já se cumpriu com Roma/Jerusalém do passado, mas o sentido claro de Apocalipse 14, 17, 18 leva ao FIM de todas as coisas.

    A queda de Babilônia não se deu ainda, meu caro. Basta ler atentamente esses capítulos e ver como o que teremos ao final, como crise decisiva neste mundo, é a GENUÍNA 'versus' FALSA adoração.

    E a ênfase das três mensagens angélicas está na ADORAÇÃO A DEUS COMO CRIADOR, o que não se percebe nas suas interpretações, pois esse aspecto se dilui totalmente.

    A passagem de Apo. 14:6 e 7 deve ser comparada com Êxo. 20:11 e se verá quase a reprodução palavra por palavra do que consta ali.

    Os que anunciam a restauração da verdade do sábado (negada tanto do dispensacionalistas dianenhumistas quanto por crentes dominguistas--absolutamente minoritários) cumprem esta profecia que indica a situação de tal pregação ANTES MESMO da manifestação gloriosa de Cristo, o fim de todas as coisas, a ceifa final nos vs. 16 em diante. Este é o real e óbvio contexto da passagem.

    E se quer saber, tenho uma pesquisa em que demonstro como NUNCA ANTES NA HISTÓRIA o mundo esteve mais "maduro" para o cumprimento da antecipação profética tão anunciada pelos adventistas quanto à "Lei Dominical" universal.

    Aliás, eis o título e cabeçalho dos artigo, além do seu primieiro parágrafo:

    - - - - -

    O GRANDE DEBATE NOS TEMPOS FINALÍSSIMOS DA HISTÓRIA HUMANA

    “Selo de Deus” e “Sinal da Besta”— É Tempo de Saber o Que Representam Esses Símbolos Bíblicos!

    Urge “abrir o jogo” e dizer as coisas claramente. Neste artigo expomos de modo conciso o que a Bíblia aponta como acontecimentos finalíssimos da história mundial, envolvendo uma questão que a todos afeta e que estará ao centro do grande debate religioso-político-filosófico-econômico-ecológico dos tempos finais.

    AO LONGO DA HISTÓRIA vemos como há uma “agenda” de caráter religioso sendo cumprida. Mas essa “agenda” não é de nenhuma Igreja ou organização religiosa, e sim daquele ser que sempre fez de tudo para afastar o povo de Deus da genuína adoração. Quantas e quantas vezes na história de Israel o povo e até seus reis não foram afastados de Deus mediante a idolatria. Quem estava por detrás disso senão Satanás? Ele criou até uma “rainha do céu” a quem o povo queimava incenso (Jer. 44:18). E hoje, não temos uma “rainha do céu” revisada, com até campanhas para torná-la “co-Redentora”?!

    Estaria o diabo menos ativo agora? Não se empenharia ele com igual vigor para afastar as pessoas da genuína adoração, e até, se possível, diminuir a glória do Salvador, como sempre buscou fazer? Não recorreu ao apelo para ser adorado, em lugar de Deus, pelo próprio Cristo a fim de derrotá-Lo no deserto da tentação?

    - - - - -

    Pois bem, aí está o oferecimento para quem desejar receber o referido artigo e conferir os dados e fatos atuais que demonstram como ‘LEI DOMINICAL mundial futura’ não é nenhuma ideia extravagante dos adventistas, e sim uma possibilidade que nunca foi tão real como em nosso tempo. Garanto-lhes que até já houve um 'ensaio' disso algumas décadas atrás, como eu explico no artigo.

    Quem desejar recebê-lo poderá confirmar-nos interesse pelo e-mail ---> profazenilto@hotmail.com

    Quanto a suas alegações sobre mórmons, pode até ser que sendo um grupo fácil de se pesquisar, pois há uma concentração dos mesmos em Utah e Idaho (aliás, até visite a famosa Salta Lake City uns anos atrás), e sendo que são abstêmios de bebida e cigarro, além de terem alguns princípios de saúde semelhantes aos adventistas, se destacariam em termos de saúde em comparação com os demais americanos.

    ResponderExcluir
  42. Mas nisso os adventistas se revelaram como “campeões da saúde” de muito maior comprovação, e nem se compara a repercussão que houve das pesquisas com adventistas, inclusive com financiamento governamental (li coisa de 15 milhões de dólares do American Health Institutes) com essas dos mórmons.

    Pois até o “Fantástico” da Globo tratou do tema, quando esteve no auge com a matéria de capa da “National Geographic Magazine” destacando essa “Adventist Advantage”. Pena que depois o vídeo do programa foi editado de modo a eliminar qualquer referência ao fato, dentro da política “global” de não dar margem a menções positivas a igreja evangélica alguma. Mas chegar a sair no “Fantástico” por si só é algo fantástico, mesmo que de curta duração.

    Sobre as dificuldades com escritos de Ellen White, os ateus, materialistas e descrentes em geral também levantam as mais “cabeludas” contradições, declarações anticientíficas e coisas afins na Bíblia Sagrada. Há um ex-pastor evangélico chamado Dan Barker, que virou ateu e vive desafiando os crentes na Bíblia com sua lista de suas "contradições". Eu não sei resolver os problemas que ele aponta, mas continuo a crer na Bíblia assim mesmo, pois há vários outros fatores positivos desse divino escrito que me aponta à sua inspiração. O mesmo diria quanto aos escritos da Sra. White.

    O fato é que a avaliação de Veltman não o levou a abandonar o adventismo, ao que me consta. Ele expressa com franqueza suas perplexidades, mas creio que Herbert Douglass, em “Ellen G. White—Mensageira da Igreja Remanescente” nos resolve as dificuldades plenamente. Acaso já o leu? Seria imperioso para um “especialista em adventismo” como você ter tal livro em sua posse e o ler e analisar.

    Aliás, um grande crítico dos escritos de Ellen White e da denominação adventista, que até tem (ou tinha) um site específico (em inglês) sobre suas ideias condenatórias a ambos, um tal de Dirk Anderson, deixou também em registro o seguinte:

    “Ainda cultuo a Deus no sábado, mas não mais creio ser o sábado o ‘selo de Deus’ ou a marca de identificação do povo especial de Deus. Quando não estou visitando uma IASD, assisto na Igreja de Deus, observadora do sábado. Não incentivo as pessoas a saírem da IASD. ELA SEGUE A BÍBLIA MAIS FIELMENTE DO QUE QUALQUER OUTRA IGREJA. Incentivo as pessoas a seguirem a direção divina. Para mim, foi a decisão acertada. Pode não ser a decisão apropriada para você” (Destaques em maiúsculos meus).

    A questão da “porta fechada” pode parecer tão difícil e desafiadora, mas não vejo tal dificuldade quando consideramos que um profeta pode não entender sua própria visão, como se deu com Daniel. Um anjo foi-lhe enviado para explicar a visão que o deixou perplexo. Pedro também não entendeu a visão do lençol (Atos 10). Só depois é que lhe veio a devida iluminação a respeito, como esclarece em seu discurso de Atos 15).

    Ellen White não entendeu o sentido da visão e deu-lhe uma interpretação precipitada inicialmente. Ela nunca pretendeu ser infalível, pois até admitiu candidamente:

    “Com respeito a infalibilidade, nunca a reivindiquei; Deus somente é infalível. Sua palavra é a verdade, e Nele não há variação, nem sombra de mudança”. – “Mensagens Escolhidas”, Liv I, p. 37.

    ResponderExcluir
  43. Um reparo necessário: O livro de Herbert Douglass é intitulado "Mensageira do Senhor", publicado pela Casa Publicadora Brasileira.

    ResponderExcluir
  44. Olá A. G. Brito.

    Não sou ‘debatedor’, muito menos ‘especialista’ em Adventismo. Minha área de formação é em Ciências, não em Teologia. Apenas procuro explicar meus pontos de vista e dar, dentro do entendimento que possuo, respostas para as questões que me são feitas sobre meus posicionamentos teológicos.

    A visão preterista parcial das profecias já foi e é defendida por muitos teólogos de renome no meio cristão: Jay Adams, Kim Riddlebarger, Cornelis Vanderwaal, David Chilton, G. K. Beale, Phillip Mauro, Arthur W. Pink e Adam Clarke. Esses são mais recentes na história cristã - alguns ainda vivos. Eu poderia citar a Patrística aqui também, demonstrando que vários Pais da Igreja viam cumprimentos escatológicos em Nero e na queda de Jerusalém.

    João estava escrevendo especificamente para cristãos que estavam sofrendo tribulações e perseguições. Ele garante várias vezes na sua profecia (mais de 20) que as coisas que revela são para se cumprir ‘em breve’. O objetivo de sua profecia é assegurar a vitória final de Deus sobre os inimigos de Sua igreja, particularmente a Jerusalém apóstata e o império romano. Não vejo sentido na interpretação dispensacionalista, nem na interpretação historicista adventista que enxerga no Apocalipse o surgimento do Islã, a Revolução Francesa, o terremoto de Lisboa, um juízo de investigação em 1844, e outros eventos que só ocorreriam muitos séculos após sua escrita – isso teria sido irrelevante para a platéia original de João, que queria respostas de Deus para o sofrimento que eles estavam suportando naquele tempo presente.

    Claro que o preterismo leva em conta a adoração verdadeira/legítima, e o papel de Deus como Criador em sua interpretação. A tensão que os cristãos primitivos sofriam era justamente entre adorar o imperador, reconhecendo a sua divindade (receber a sua marca na mão ou na testa), ou adorar o Deus legítimo, Criador e Salvador, o Senhor Jesus.

    As interpretações adventistas foram em sua maior parte, criadas por antinitritarianos, que só tinham a Bíblia King James à mão, e nenhum conhecimento de línguas originais. A identificação do domingo com a ‘marca da besta’ foi uma criação de José Bates, a qual recebeu depois o ‘selo da aprovação profética’ de Ellen White. Essas interpretações tinham alguma apelação quando foram criadas, quando leis dominicais existiam em vários estados americanos.

    Já que cita o Dirk Anderson, dê uma olhada no seu livreto (disponível online): 'National Sunday Law - Fact or Fiction?', onde ele esboça como foi desenvolvida a doutrina adventista de um 'decreto dominical'.

    ResponderExcluir
  45. Veltman não chegou a abandonar o Adventismo – duvido muito que o Centro White se dispusesse a publicar os resultados de sua pesquisa, caso ele o tivesse feito.

    Apenas contrastei sua afirmação sincera, depois de 8 anos de pesquisa, reconhecendo a dificuldade em manter a honestidade e integridade da senhora Ellen White, com as afirmações adventistas de que ‘tudo está resolvido!’ e ‘não há problema algum mais envolvendo plágio’.

    Claro que muitos dos profetas não entendiam suas próprias visões. "Foi a respeito dessa salvação que os profetas perguntaram e procuraram saber com muito cuidado. Eles profetizaram a respeito da salvação que Deus ia dar a vocês e procuraram saber em que tempo e como essa salvação ia acontecer." 1 Pedro 1.10-11

    A questão é que nenhum dos profetas bíblicos teve que editar suas palavras, ou retirar partes de visões anteriormente recebidas, muito menos mentir a respeito, como Ellen White fez com seus escritos. Não só as ideias, mas as palavras de cada profeta bíblico são inspiradas por Deus. Como os adventistas, ao contrário da ortodoxia evangélica, não se atém à doutrina da inerrância, eles não veem problema em Ellen White mutilar seus escritos.

    Além disso, Ellen White mentiu depois, em 1883, afirmando que a posição da porta fechada fora mantida por ela até que sua 'primeira visão a corrigiu dessa doutrina'. O Robert Olson tem que fazer 'das tripas coração' pra conseguir justificá-la em seus atos.

    Conheço o livro do Douglass, e até pretendo lê-lo um dia.
    Mas levando em conta as respostas que a própria igreja disponibiliza até agora em suas fontes oficiais, duvido que conseguirá fazer muita coisa para salvar sua padroeira.

    Deus abençõe.

    ResponderExcluir
  46. Olá, Fablulo, suas considerações felizmente deixam claro que é a SUA MANEIRA DE VER,e o que não significa a "palavra final". Felizmente. . .

    Se julga que o preterismo é a resposta às indagações naturais quanto ao sentido dos símbolos proféticos, tudo bem. Só que se esquece que João não se LIMITOU a tratar dos acontecimentos ligados ao seu tempo e ao de seus leitores primários. Ele amplia o leque dos símbolos, descrevendo acontecimentos inteiramente ligados ao fim.

    Por exemplo, eu ressaltei como as 3 mensagens angélicas de Apo. 14:6-14, que até simboliza o adventismo do 7o. dia, compondo até o seu logotipo, é para serem entendidas no seu contexto da CEIFA FINAL. É uma última mensagem de advertência.

    Claro que os adeptos das interpretações preteristas entendem que devem honrar a Deus como Criador, só que NÃO PROCLAMAM ISSO como mensagem final, como fazem os adventistas. O paralelo entre Apo. 14:6, 7 com Êxo. 20:11 é muito claro para indicar que em meio à apostasia quase total do cristianismo, acatando um falso sábado de origens tão suspeitas, é necessário PROCLAMAR uma mensagem não só de advertência quanto de RESTAURAÇÃO dessa negligenciada verdade.

    Eu conheço muito bem as teses do Dirk Anderson e até me comuniquei com ele por e-mail e telefone, quando residia nos EUA. Mas é significativo ele destacar que a Igreja que melhor interpreta a Bíblia é a adventista, a despeito de todas as suas objeções a Ellen White e à liderança denominacional. O que se deu é que ele se envolveu com grupos de "perfeccionistas" em nosso meio, e daí se atrapalhou todo em suas análises.

    O que eu tinha que dizer sobre Ellen White, já disse. Eu sei muito bem como agem os incrédulos na Bíblia. Não adianta apresentar-lhes os mais claros pontos explicativos de suas "dúvidas" que eles já têm a 'cabeça feita'. Levantarão outra, e outra, e outra mais. . . Não aceitarão nenhuma das justificativas que se apresente para defender a veracidade e inspiração das Escrituras.

    Creio que no seu caso e de outros aqui, é a mesma coisa. Nem um caminhão de evidências vai mudar seu modo preconceituoso de pensar. Mas leia o livro do Herbert Douglass. Quem sabe verá alguma "luz no fim do tunel".

    Ah sim, e saiba que eu conheço bem OS DOIS LADOS do debate, pois não só fui nascido e criado numa tradicional Igreja evangélica (na época chamada Igreja Cristã Evangélica Congregacional), como depois trabalhei por mais de 10 anos numa entidade interconfessional, e até servi de tradutor para pregadores americanos, africanos, australianos, tanto nas reuniões de "capela" da instituição como em Igrejas evangélicas. Pediam-nos para fazer isso, e eu de bom grado aceitava a incumbência, mesmo sem receber qualquer valor extra por tal trabalho.

    Assisti a muitas e muitas reuniões, cultos, atividades várias em diferentes denominações, tanto da linha pentecostal quanto tradicional. Assim, conheço muuuuito bem todo o modo de pensar e doutrinas dessas igrejas.

    Se sou adventista, garanto-lhe que é por ter optado por esta Igreja por claras evidências da direção divina a essa Igreja. Conheço todas as distorções e insinuações malévolas que levantam contra a nossa fé, mas não me impressiono nem um pouco, pois "eu sei em Quem tenho crido".

    Abraços

    ResponderExcluir
  47. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  48. Ah sim

    E continua o meu oferecimento de um artigo onde demonstro como a ideia de uma "futura lei dominical mundial" nunca foi tão patente para o nosso mundo atual Ou seja, nunca a sociedade e o mundo moderno estiveram mais maduros para isso, embora tantos façam pouco caso de tal "extravagância interpretativa" dos adventistas.

    Se houve tentativas para impor uma lei dominical nos EUA, isso não passou de ensaios de algo muito mais abrangente e maior no futuro. Na década de 70 também houve certo "ensaio" disso, pois o diabo é quem está por detrás de tal iniciativa, como eu explico no artigo.

    Aliás, eis como é o seu título, subtítulo e primeiros parágrafos:

    . . . . .

    ** O GRANDE DEBATE NOS TEMPOS FINALÍSSIMOS DA HISTÓRIA HUMANA **

    “Selo de Deus” e “Sinal da Besta”— É Tempo de Saber o Que Representam Esses Símbolos Bíblicos!

    Urge “abrir o jogo” e dizer as coisas claramente. Neste artigo expomos de modo conciso o que a Bíblia aponta como acontecimentos finalíssimos da história mundial, envolvendo uma questão que a todos afeta e que estará ao centro do grande debate religioso-político-filosófico-econômico-ecológico dos tempos finais.

    AO LONGO DA HISTÓRIA vemos como há uma “agenda” de caráter religioso sendo cumprida. Mas essa “agenda” não é de nenhuma Igreja ou organização religiosa, e sim daquele ser que sempre fez de tudo para afastar o povo de Deus da genuína adoração. Quantas e quantas vezes na história de Israel o povo e até seus reis não foram afastados de Deus mediante a idolatria. Quem estava por detrás disso senão Satanás? Ele criou até uma “rainha do céu” a quem o povo queimava incenso (Jer. 44:18). E hoje, não temos uma “rainha do céu” revisada, com até campanhas para torná-la “co-Redentora”?!

    Estaria o diabo menos ativo agora? Não se empenharia ele com igual vigor para afastar as pessoas da genuína adoração, e até, se possível, diminuir a glória do Salvador, como sempre buscou fazer? Não recorreu ao apelo para ser adorado, em lugar de Deus, pelo próprio Cristo a fim de derrotá-Lo no deserto da tentação?

    . . .

    Pois bem, quem quiser saber mais, lendo o restante do artigo, basta confirmar-nos interesse por ele pelo e-mail: profazenilto@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo isso não passa de fé, e fé por fé, cada um tem a sua.

      Você não tem condições de provar nada do que você acredita, todas essas profecias que você disse são hipóteses, é aquilo que você escolheu acreditar, sem ter a certeza de que esta certo ou não, as passagens bíblicas que você apresenta são interpretadas de maneiras distintas entre as pessoas.

      Todos nós acreditamos no que escolhemos acreditar, essa é a verdade, ninguém veio do além com todas as respostas para todas as perguntas, somos iguais, somos todos humanos, não temos prova nenhuma se esta certo ou não, e isso é fé. A fé não precisa de provas, até porque se provar já não é mais fé. Você não tem como provar o juízo investigativo, nem que essas profecias vão se cumprir, nem sequer que Deus existe. Você tem fé.

      Sempre digo isso, e por mais repetitivo que seja, merece ser mais uma vez, que o mesmo motivo que você usa para rejeitar outros deuses, outras religiões e outros profetas, pode ser o mesmo motivo que eu uso para rejeitar o seu deus, a sua religião e sua profetiza.

      Excluir
  49. Olá, Felipe

    Creio que em parte você tem razão, mas só em parte. Contudo, não vou me aprofundar quanto às razões de assim pensar.

    Mas quem sabe seria justo dizer ao nosso amigo Luciano Sena que ele também pensa como pensa por puro condicionamento ideológico originário de como foi instruído, como foi abordado por ensinadores religiosos, a literatura que lhe caiu às mãos para ler, já dentro desse condicionamento. a frequência a reuniões de igrejas que ensinam o que constitui tal condicionamento, etc.

    Então, ele NÃO TEM DIREITO de ficar rotulando o pensamento de outros religiosos como sendo MENTIRAS, não acha? Quem sabe eu também não posso iniciar um 'blog' e falar das MENTIRAS dos presbiterianos, como a de que Deus escolheu aqueles poucos aos quais daria 'visto' de entrada no céu, e daí não há o que se discutir. A "soberania divina" é assim, e ponto final. Mesmo sabendo que a maioria dos seres humanos se perderia, esse Deus ordenou aos primeiros pais que crescessem e se multiplicassem, com o que se torna responsável pelas multidões que irão permanecer eternamente queimando num inferno inapagável (a meu ver, outra tremenda MENTIRA interpretativa que merece ser denunciada).

    Ele até convencidíssimo de que essa é a verdade, e até enfrentou uma situação cômica, pois homenageia em certo livro seu um grupo de "apologistas" de certo ministério "anti-seitas", cujo diretor promoveu um livro no seu próprio blog "detonando" com esses conceitos que ele defende.

    Claro que esse seu suposto aliado de antiadventismo termina considerando MENTIRAS também o que ele crê nesse aspecto do predestinismo.

    Então, seria melhor ele evitar esses rotulamentos preconceituosos, como o que dá título a este tópico, não concorda comigo?

    ResponderExcluir
  50. Olá, Felipe.

    A passagem que cita, como todas as passagens da Bíblia, devem ser entendidas dentro do CONTEXTO.

    O que Paulo trata em Romanos 14 não é nada mais do que conselhos específicos para um problema LOCAL. Confundir instruções sobre problemas locais como sendo REGRAS UNIVERSAIS é que causa tanta confusão no mundo religioso. Daí é que temos aqueles religiosos cristãos que obrigam as mulheres a usarem véu na cabeça nas horas de culto, não poderem falar em público na presença de homens, e todos deverem praticar o "ósculo santo".

    Havia problemas especiais na igreja de Roma porque cristãos queriam forçar sobre outros certos conceitos de observância de dias de jejum da tradição judaica, ou festas que seriam ainda importante, como a do Purim (um feriado mais de caráter nacionalista). Paulo se bate pela harmonia entre os crentes, e deixa em aberto quem queira ainda manter tais dias a fazê-lo sem obrigar todos a terem que aceitar sua visão da questão. E aos que não quisessem acatar tais datas, que compreendessem o "zelo" de seus irmãos que insistissem nisso e os tolerassem.

    Também a discussão sobre alimentos não tem nada a ver com um "liberou geral" para se comer o que se queira, abolindo-se as leis de restrições alimentares (como tanta gente interpreta erradamente). O tema em discussão eram alimentos sacrificados a ídolos, sobre que pairavam dúvidas deverem ou não ser consumidos pelos cristãos.

    Paulo toma a iniciativa particular de deixar também em aberto tal questão, mesmo contrariando a decisão do Concílio de Jerusalém registrado em Atos 15. Que aquela questão não fosse um ponto mais de conflito entre os crentes de Roma. O que Paulo quer é manter a paz e harmonia entre os crentes, como no contexto ele se empenha em fazer, e até entre a igreja e o estado dominante (caps. 12, 13).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por que a passagem deve ser entendida no seu contexto? Eu não citei Romanos 14:22 para falar sobre sua interpretação desse capítulo. De qualquer modo fique a vontade para manifestar sua religião.

      O trecho que citei deve ser entendido dentro do NOSSO contexto, da nossa conversa.

      Tens tu fé? Tem-na em ti mesmo diante de Deus. Bem-aventurado aquele que não se condena a si mesmo naquilo que aprova. Romanos 14:22

      Que era sobre a fé de cada um. Tudo o que voce citou acima não tem como provar se realmente as coisas eram assim e que Paulo pensava assim como você acha. Voce escolheu acreditar nisso, e quando você afirma que os outros interpretam erradamente, eles afirmam o mesmo de você, quem esta com a verdade? não há consenso.

      Você reconhece que não tem como provar e que suas afirmações não passam de fé, e se nem você pode provar aquilo que crê, por que eu deveria acreditar em você?

      Excluir
  51. Olá, boa noite.

    Sou preterista parcial (não hiperpreterista), entendendo que algumas profecias ainda não se cumpriram (particularmente a segunda vinda de Jesus e o estabelecimento dos novos céus e nova terra – Apocalipse 21-22).

    O próprio João diz que as coisas reveladas são para mostrar aos seus servos que as coisas descritas devem se cumprir em breve (Ap 1.3). Portanto, não vejo sentido em querer encontrar o Adventismo (ou o Mormonismo ou o Jeovismo, que também são ‘grupos restauradores da verdade’) em profecias de Daniel e Apocalipse. Normalmente, os grupos sectários tentam encontrar a sua identidade e suas doutrinas específicas justamente nas profecias simbólicas, onde mais existe divergência de opinião entre os cristãos, em símbolos e números, ao invés de nos textos claros e didáticos das Escrituras.

    Não acho que pela primeira mensagem angélica remeter à linguagem do Sábado, que o Sábado é o ponto de destaque da profecia (ou o ‘selo’ de Deus). Muito da linguagem da ‘Grande Babilônia’ vem das condenações dos profetas do Antigo Testamento à Jerusalém apóstata, mas mesmo assim você não crê que o Apocalipse 17 fale de Jerusalém.

    Não creio que a ‘igreja que melhor interpreta a Biblia’ seja o Adventismo. Os Batistas do 7º Dia, há quase 400 anos vêm proclamando a suficiência das Escrituras, a divindade de Jesus, a salvação pela graça, a validade da Lei Moral e do santo Sábado, o batismo por imersão, etc. E isso, sem suas declarações de fé jamais enaltecerem algum personagem extra-bíblico como ‘profeta’.

    Não acredito ter sido preconceituoso em nenhum dos meus comentários. Acredito que justamente seus comentários demonstram orgulho e arrogância, depreciando as demais igrejas e cristãos que pensam de forma diversa da sua, e se atém apenas à Bíblia, sem crer que há uma ‘nova e contínua fonte de verdade’. Me parece que sua confiança para a salvação está mais na Igreja Adventista do que no Senhor Jesus.

    Agradeço o oferecimento do artigo, mas não tenho interesse. Mesmo que fosse possível crer que uma ‘lei dominical’ esteja a caminho, dizer que isso é o que a profecia aponta é outra questão. Devemos fazer exegese da Bíblia, não de jornal.

    Que Deus te guarde.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você está quase lá. Leia de novo com calma Lucas 21:20-22 e veja quando tudo foi cumprido.

      Excluir
  52. Olá, Fablulo

    Uma igreja que ensina que Jesus morreu na 4a. feira e ressuscitou no sábado, daí ELIMINANDO TOTALMENTE o valor do domingo, suposto "memorial da Ressurreição" segundo interpretação da maioria esmagadora dos documentos protestantes/evangélicos, seria tida por SECTÁRIA também na visão dos que mantêm esse entendimento, não acha?

    Assim, pelo que dá a entender, é melhor não ficar exaltando, então, IGREJA NENHUMA, pois ninguém sabe nada melhor do que ninguém, nem os adventistas, nem os batistas do sétimo dia.

    Aliás, todos os pontos que menciona sobre o ensino dos batistas do 7o. dia são acatados e promovidos pelos adventistas, segundo se pode constatar no documento oficial da IASD, "Nisto Cremos".

    Parece que seu único problema está em considerarmos Ellen White como uma profetisa. Mas vou lhe contar um segredinho: sabe porque os batistas do 7o. dia pararam no tempo e no espaço, não se desenvolveram quase nada ao longo dos séculos, enquanto os adventistas estão aí com a maior rede de escolas particulares, igualmente clínicas e hospitais do mundo (só perdendo nisso para a Igreja Católica)? E por que a IASD é uma das que mais crescem no mundo, tendo alcançado 18 milhões de membros, sendo 4/5 de nações do chamado 3o. mundo?

    A Rádio Mundial Adventista transmite o evangelho para mais de 100 línguas, especialmente da chamada "Janela 10/40". A rede Novo Tempo no Brasil e Hope Channel e outros canais de TV americanos e internaiconais estão aí transmitindo a mensagem do evangelho a milhões pelo Brasil e pelo mundo.

    Temos representantes da Igreja tanto junto ao Congresso dos EUA quanto a ONU (e são obreiros assalariados para tais funções, não meros voluntários). O atual capelão do Senado Americano é adventista do 7o. dia.

    Seria longo enumerar as diferenças gritantes entre o testemunho mundial dos adventistas e dos batistas do 7o. dia. Um amigo meu, ex-colega dos tempos de estudante no IAE (Instituto Adventista de Ensino, de São Paulo, SP) teve lá seus problemas com a liderança de sua Igreja. Saiu da IASD e foi entender-se com os batistas do 7o. dia. E chegou até à posição de pastor-associado numa congregação BSD que até visitei em Riverside, CA., EUA.

    Pois bem, esse amigo foi vendo a falta de dinamismo, o mero tradicionalismo nas práticas e ações da denominação, a falta de unidade doutrinária (o pastor cria, como nós, na imortalidde condicional e a esposa era crente na imortalidade da alma, por exemplo) que terminou VOLTANDO PARA A IASD. Hoje frequenta com a família uma igreja nossa na cidade onde reside.

    Creio que isso ilustra a diferença entre os BSD's e os ASD's. Sabe qual é o FATOR que aponta ao dinamismo evangelistico, visão global, visão de saúde e educação, enfim, o que levou a IASD a essas muitas conquistas, enquanto os BSD's ficaram parados no tempo e no espaço, como eu acentuei no princípio? Pois pode crer que é o fator EGW.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, realmente. A IASD é uma empresa de sucesso.

      Excluir
    2. O inimigo, o pai da mentira, cresce e se expande rapidamente! Eis a evidência!

      Excluir
  53. Agora, uma pessoa cujo campo de atuação é da área de Ciências alegar que um estudo indicado é indigno de sua atenção, com julgamento precipitado de ser "coisa de jornal", sem nem ter ideia do que se trata, é muito desapontador.

    Essa atitude antiintelectual, preconceituosa, intolerante é do tipo NÃO LI E NÃO GOSTEI. Pois primeiro tem-se que analisar a exposição indicada para DEPOIS estabelecer um critério de mérito ou demérito do exposto, com fundamentos bem firmados.

    O nosso estudo sobre "selo de Deus"/"sinal da besta" é todo fundamento primeiramente nas Escrituras, e só depois das bases bíblicas serem estabelecidas é que adentramos fatos vários documentados, e não por meros "jornais". Há muito mais a se considerar no tema discutido.

    Mas o oferecimento prossegue a Fablulo e a qualquer outro participante aqui. Se querem saber por que a possibilidade de uma "lei dominical" mundial é patentemente maior em nosso século XXI do que em qualquer outra época da história humana basta confirmar interesse no referido estudo, onde isso se demonstra, pelo e-mail ---> profazenilto@hotmail.com

    ResponderExcluir
  54. Olá A.

    A ressurreição de Jesus no findar de Sábado (ao invés de na manhã de domingo) não é um ponto de fé dos Batistas do 7º Dia, no sentido de que se deve crer nele para se aderir à igreja (ao contrário, por exemplo, da denominação Adventista da Promessa).

    Embora esse entendimento tenha sido desenvolvido por um BSD lá no começo dos 1700, esse é um assunto no qual não há unanimidade na denominação (particularmente, não penso assim). Um dos pontos de doutrina que defendem os Batistas em geral é a liberdade de consciência: se permite que em assuntos não essenciais à salvação (como interpretações proféticas, usos e costumes, etc.), os membros possam estudar e chegar às suas próprias conclusões, por meio das Escrituras e da iluminação do Espírito Santo. Você pode ver isso como uma ‘falta de firmeza doutrinária’. Já eu, penso que apenas uma igreja teologicamente madura é capaz de encorajar a discussão e o estudo desimpedido, e congregar com irmãos que em assuntos secundários da fé, pensem de forma diversa da minha.

    Os Batistas do 7º Dia jamais foram considerados sectários pelas outras denominações. Eles têm ajudado a compor ao longo da História grupos cristãos interdenominacionais (como os Conselhos Nacional e Mundial de Igrejas), bem como outros grupos amplos de orientação Batista (como a Aliança Batista Mundial e a Junta Batista para Assuntos Públicos), sendo recebidos como cristãos autênticos nesses meios.

    Eu sei que os pontos que destaquei são ensinados pelos Adventistas. O problema, é o que vai além disso. Você acertou em cheio, é o que estou dizendo desde o começo. O fato de o Adventismo acatar os ensinos de uma falsa profeta é o que compromete a sua identidade como grupo cristão. Acrescentar mais de 100 milhões de palavras às Escrituras (como uma ‘contínua e autorizada fonte de verdade’) de uma mulher que plagiou dezenas de outros autores e negou isso, que cometeu inúmeros erros históricos, que promoveu ensinos não-bíblicos (como um juízo investigativo em 1844 e uma interpretação sectária das profecias) e requerer isso como uma condição de membresia para a igreja, são fatores fortes para não se aderir ao Adventismo.

    Nenhum dos fatores que citaste comprovam a veracidade do Adventismo. Tenho estudos que ganhei dos mórmons certa vez, onde eles argumentam da mesma forma que a sua: nosso estrondoso crescimento numérico, nossas universidades, as profecias de reforma de saúde dadas a Joseph Smith, nossas TVs e rádios, etc. Mas nenhum desses critérios é bíblico. Nem crescimento numérico. Mórmons, TJs, Islamismo e seitas neopentecostais também tem crescido a taxas alarmantes mundo afora.

    Eu diria que o baixo número de Batistas do 7º Dia no mundo se deve principalmente às perseguições históricas que eles sofreram, acabando por retraírem-se e dedicarem-se mais aos seus próprios grupos familiares. Não é de forma alguma um sinal de ‘desaprovação’ de Deus. Realmente, desejo que essa situação mude e os BSD se tornem mais ativos em evangelização.

    Boa noite.

    ResponderExcluir
  55. Quanto à questão das suas interpretações proféticas... acredito já ter estudado o suficiente para saber no que não creio e no que creio.

    Estou bem familiarizado com a escatologia adventista - cerca de 10 anos lá. Já li as seguintes obras escatológicas adventistas:

    O grande conflito (Ellen White)
    O futuro decifrado (Ellen White)
    O tempo do fim (Roberto de Azevedo)
    Daniel verso por verso
    Apocalipse verso por verso (ambos de Henry Feyerabend)
    O dia do dragão
    1844: uma explicação das principais profecias de Daniel (ambos do Goldstein)
    O terceiro milênio e as profecias do Apocalipse (Bullon)
    Uma nova era segundo as profecias do Apocalipse
    Uma nova era segundo as profecias de Daniel (C. Maxwell)
    Ninguém será deixado para trás (Dwight Nelson)
    A visão apocalíptica e a neutralização do Adventismo (George Knight)
    Revelando os mistérios de Daniel (Mark Finley)
    Sinais de esperança (Bullon)
    Eventos finais (Ellen White)

    Talvez tenha até lido outros, mas esses são os que me recordo.
    Portanto, não creio que podes me acusar de desconhecimento de causa, ou de não querer conhecer outro lado.

    Além desses livros, li vários livros e artigos que tratam da forma dispensacionalista, preterista e idealista de estudar as profecias. A posição em que mais encontrei robustez teológica e apoio histórico foi o preterismo.

    ResponderExcluir
  56. *no que não creio e no que não creio

    ResponderExcluir
  57. Olá, Fablulo

    Primeiro, que já mostrei que os mórmons não receberam nem 10% do destaque pela imprensa mundial, pelo governo dos EUA (com milhões de dólares em pesquisas), pelas autoridades mundiais quanto aos princípios de saúde, nem se desenvolveram como os asd's em termos de clínicas e hospitais e na área da educação.

    Aliás, os asd's já superaram os mórmons em crescimento pelo mundo, a despeito de ser obviamente muito mais difícil ser asd, com a questão do sábado e restrições alimentares, do que mórmon.

    E todas essas alegações sobre Ellen White foram já plenamente refutadas e superadas, mas quem já tem a "cabeça feita" de oposição não vai mesmo aceitar nem uma jamanta de 18 rodas de evidência, igualzinho os descrentes na Bíblia rejeitarão as explicações quanto às "contradições", "erros" e "declarações anticientíficas" da Escrituras. Sempre levantarão outra objeção, e outra, e outra.

    Ficar arranjando ganchos para duvidar de que Deus empregou Ellen White para orientar, instruir, ampliar o sentido da Palavra de Deus não é ter esses escritos ao mesmo nível da Bíblia. Isso é distorcer o nosso entendimento do papel de Ellen White, como, aliás, os opositores não se cansam de fazer.

    Aproveito para divulgar um que assim age, e não só uma vez, mas muitas vezes:

    ** DESONESTIDADE DENUNCIADA **

    Natanael Rinaldi é tremendamente DESONESTO em tomar trechinhos de nossa literatura e distorcer o sentido do que o autor quis dizer como ao citar artigo da "Revista Adventista" de fevereiro de 1984.

    Pois NO PRÓPRIO PARÁGRAFO SEGUINTE do trecho citado é esclarecido o que o articulista quis dizer. É impossível que Rinaldi não tivesse lido os parágrafos seguintes, pois se é pesquisador sério de trechos, tomará o cuidado de ler o que vem antes e depois.

    Pois bem, eis o que REALMENTE o artigo declara:

    TRECHINHO COPIADO E DIVULGADO AOS QUATRO VENTOS PELOS DESONESTÍSSIMOS “PESQUISADORES" ANTI-ADVENTISTAS:

    >>> ”Negamos que:

    ”1. A qualidade ou grau de inspiração dos escritos de Ellen White sejam diferentes dos encontrados nas Escrituras Sagradas. <<<

    CONTINUAÇÃO DO ARTIGO DA "REVISTA ADVENTISTA" DE FEV/84, págs. 37 e 38 (desonestamente omitido):

    [NEGAMOS QUE. . .]

    “2. Os escritos de Ellen White sirvam como autoridade final e fundamento da fé cristã, o que é atribuição exclusiva das Escrituras Sagradas.

    “3. Os escritos de Ellen White sejam uma adição ao cânon sagrado.

    “4. Os escritos de Ellen White possam ser usados como base para o estabelecimento de doutrinas.

    “5. O estudo dos escritos de Ellen White devam tomar o lugar do estudo da Bíblia.

    “6. As Escrituras Sagradas possam apenas ser compreendidas através dos escritos de Ellen White.

    “7. Os escritos de Ellen White esgotem todo o significado das Escrituras Sagradas.

    “8. Os escritos de Ellen White sejam essenciais para a pregação das verdades das Escrituras ao povo em geral.

    “9. Os escritos de Ellen White sejam produto de mera piedade cristã.

    “10. O uso de fontes literárias e de assistentes feito por Ellen White, anule a inspiração de seus escritos.

    “Concluímos, portanto, que o correto entendimento da autoridade e inspiração dos escritos de Ellen White evitará dois posicionamentos extremos:

    “1. Atribuir a esses escritos nível canônico semelhante ao das Sagradas Escrituras, ou

    “2. Considerá-los como literatura cristã corrente e comum”.

    Pronto, gente, aí está o DESMASCARAMENTO DA MENTIRA E DA DISTORÇÃO. Quem desejar a reprodução completa do artigo, em arquivo PDF, basta confirmar-nos tal interesse que enviaremos por e-mail.

    Sem falar que basta examinar o documento confessional OFICIAL da IASD, “Nisto Cremos”, para ver como nele não se reflete qualquer ideia contrária aos vários parágrafos omitidos pelo desonesto compilador.

    Se quem divulga este trecho comprovadamente distorcido do contexto, ser for mesmo um amante da verdade, terá a OBRIGAÇÃO MORAL de desfazer esse FALSO TESTEMUNHO que contribui para dar sobre o pensamento dos adventistas, já que ficou esclarecido este ponto.

    ResponderExcluir
  58. Creio sinceramente que muitos que alegam essas coisas sobre Ellen White ser a “segunda Bíblia” dos adventistas, ou alegações semelhantes, DESCONHECEM esse contexto claro, que DESFAZ a mentirada montada em torno desse trechinho pinçado do contexto.

    Mas também sei que haverá os que, a despeito de toda essa riqueza de informação, preferirão prosseguir espalhando a MENTIRA. Como em geral são da linha do dispensacionalismo dianenhumista, que prega a "abolição da lei", talvez não se preocupem tanto com o preceito “não dirás falso testemunho contra o teu próximo” pois, afinal de contas, se a lei foi abolida. . .

    O que o documento começa dizendo é que a inspiração da Sra. White e da Bíblia são idênticas, NO QUE SE REFERE AO FATOR DE DEUS VALER-SE DE PROFETAS para transmitir Sua mensagem.

    Sendo que nas Igrejas pentecostais há tantos profetas, e são tidos como iluminados por Deus na mesma base que Ele iluminava homens e mulheres no passado como profetas e profetisas, a declaração do artigo da "Rev. Adventista" tem esse exato sentido, no parágrafo 1.

    E quando se examina o que diz o "Nisto Cremos", que expressa o PENSAMENTO OFICIAL de doutrinas dos adventistas, isso se torna por demais claro:

    “O Que os Adventistas do Sétimo dia Crêem

    “Os [asd’s] aceitam a Bíblia como seu único credo e mantêm certas crenças fundamentais como sendo o ensino das Escrituras Sagradas. Estas crenças, da maneira como são apresentadas aqui, constituem a compreensão e a expressão do ensino das Escrituras por parte da Igreja. Pode haver revisões destas declarações numa assembléia da Associação Geral, quando a Igreja é levada pelo Espírito Santo a uma compreensão mais completa da verdade bíblica ou encontra melhor linguagem para expressar os ensinos da Santa Palavra de Deus.

    “1. As Escrituras Sagradas:

    “As Escrituras Sagradas, o Antigo e Novo Testamento, são a Palavra de Deus escrita, dada por inspiração divina por intermédio de santos homens de Deus que falaram e escreveram ao serem movidos pelo Espírito Santo. Nesta Palavra, Deus transmitiu ao homem o conhecimento necessário para salvação.

    “As Escrituras Santas são a infalível revelação de Sua vontade. Constituem o padrão de caráter, a prova de experiência, o autorizado revelador de doutrinas e o registro fidedigno dos atos de Deus em História.

    E eis o que diz o artigo 18, com destaque meu para realçar o que distorcem por aí (ou omitem desonestamente):

    “18. O Dom de Profecia:

    “Um dos dons do Espírito Santo é a profecia. Este dom é uma característica da Igreja remanescente e foi manifestado no ministério de Ellen G. White. Como a mensageira do Senhor, seus escritos são uma contínua e autorizada fonte de verdade e proporcionam conforto, orientação, instrução e correção à Igreja. ELES TAMBÉM TORNAM CLARO QUE A BÍBLIA É A NORMA PELA QUAL DEVE SER PROVADO TODO O ENSINO E EXPERIÊNCIA. (JOEL 2:28 e 29; ATOS 2:14-21; HEB. 1:1-3; APOC. 12-17; 19:10)”.

    Pois bem, termina que o meu artigo foi oferecido e sua rejeição ao mesmo se baseia no mesmo preconceito de sempre (NÃO LI E NÃO GOSTEI), e mantenho o que eu disse quanto a uma pessoa que tem uma formação científica assim agir ser inteiramente decepcionante.

    Ah sim, e sua explicação do porquê os batistas do sétimo dia pararam no tempo e no espaço é muito pouco convincente. Os adventistas sofreram, sofrem e sofrerão perseguição por todo o mundo, e mesmo assim não pararam de crescer. Pode não ter sido sempre uma perseguição física, mas a intolerância das mais diferentes formas têm ocorrido, como de um tal Fablulo que sai-se por aqui divulgando seu “testemunho” de condenar o adventismo, com razões que não justificam tal atitude, e argumentos por demais falaciosos, pontos de vista distorcidos e já inteiramente refutados.

    O meu e-mail para pedir esse ou o outro artigo oferecido é profazenilto@hotmail.com

    Abraços

    ResponderExcluir
  59. Bom dia A.!

    Os Adventistas podem dizer que não igualam a Bíblia e os escritos de Ellen White, mas na prática, isso é tentar lançar areia nos olhos dos outros. Não existe isso de ‘luz menor’ e ‘luz maior’. Ou o Espírito Santo inspirou uma obra ou não inspirou; não há ‘graus de inspiração’. O engraçado é que a ‘luz menor’ dos adventistas escreveu o equivalente a vários cânones das Escrituras, e teve dezenas de vezes mais visões que todos os profetas da Bíblia juntos... Tendo também o privilégio de entrar no Santíssimo do céu, passear pelos mundos afora, conversar com o ‘bom e velho’ Enoque...

    Outro ponto é que ninguém pode se batizar na Igreja Adventista se não crer nos escritos dela (todo certificado de batismo tem essa cláusula) como obra inspirada por Deus. Como já disse, nenhuma confissão de fé cristã, seja dos primeiros séculos da Igreja, seja do movimento após a Reforma, exigiu que alguém cresse em qualquer escrito, que não as Sagradas Escrituras.

    Se não aceitas minha explicação, não posso fazer nada. Apenas reforçar que crescimento numérico não é parâmetro algum para comprovar a verdade de um movimento. O povo de Deus sempre foi pequeno. Apenas 7.000 não haviam dobrado seus joelhos a Baal em Israel. A porta que conduz à vida eterna é estreita, e poucos são os que entram por ela.

    Agora, querer comparar as perseguições que os batistas do 7º dia sofreram em sua origem (tanto por serem Batistas, já que por lei o batismo infantil constituía alguém cidadão e membro da igreja estatal; quanto por serem sabatistas), com os adventistas (que surgiram quase 3 séculos depois, em uma América de muito maiores liberdades religiosas)é demais... e ainda achar que sou intolerante por condenar o Adventismo (como se os livros e escritos adventistas não condenassem todas as igrejas que existem mundo afora, tentando pescar os seus membros para si).

    OK, vou aceitar o seu artigo, e depois vou comentá-lo aqui. Essa semana lhe envio um e-mail .

    ResponderExcluir
  60. Povo brinca com a Lei de Deus (e os irmãos evangélicos ainda apoiam):
    http://www.dn.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=4010554
    Abraços!
    Maranata!
    Viva com Esperança!

    ResponderExcluir
  61. Passando por aqui para deixar esta pérola do grande apologista do Na Mira Na Verdade!

    http://www.youtube.com/watch?v=2Y10Zy6Bbow

    ResponderExcluir
  62. Cada dia que se passa este senhor me surpreende ainda mais e mais.....

    ResponderExcluir
  63. usei o que ele disse nesse programa para mostrar que a IASD, não crê na inerrância... em algumas postagens.

    ResponderExcluir
  64. O debate sobre inerrância só agora chegou ao Brasil, mas é coisa bem anterior. E a posição da Igreja Adventista é super-equilibrada nesse ponto. Há os que só encontram erros e contradições na Bíblia (como fazem com os escritos de Ellen White), daí negando totalmente a validade de tal livro, como é o caso de um ex-pastor evangélico chamado Dan Barker, que se tornou ateu e vive a desafiar os cristãos quanto a sua crença nas Escrituras, e os que entendem que houve interporlações e há declarações equivocadas no texto bíblico em relativamente pequena escala, que não desabona o livro como sendo inspirado por Deus.

    A mensagem é de Deus, mas os escritos são de homens. E esses estão sujeitos a circunstâncias várias de seu tempo e experiência de vida.

    Não vou entrar aqui nos méritos dessa questão, que é bem pormenorizada e extensa, mas só para dar um exemplo, certa vez o pastor Darci Dusilek, batista, que dirigia a entidade interconfessional Visão Mundial, à qual eu servi por muitos anos, surpreendeu a todos declarando, numa reunião de capela, que a versão católica da Oração do Pai Nosso é que era a certa, e a versão protestante, errada.

    Pois é, a parte final, "Porque teu é o reino, o poder, e a glória, para sempre, amém" seria uma INTERPOLAÇÃO, um acréscimo ao texto bíblico de alguma época que não saberia definir agora.

    Tanto que quando a mesma oração é ensinada por Jesus em Lucas, não conta tal acréscimo (ver Luc. 11:1-4).

    Este é somente um pequeno exemplo de muito mais que se pode comentar a respeito.

    ResponderExcluir
  65. E qual é a posição "super equilibrada" que a IASD tem a respeito desse assunto? Inerrância da Escritura...?

    Já começa a comparação que muito me impressiona e escandaliza...

    O Sr escreveu: "Há os que só encontram erros e contradições na Bíblia (como fazem com os escritos de Ellen White)"...?

    ResponderExcluir
  66. Seus escritos 'não estão no mesmo nível', portanto pode existir erros do começo ao fim.... não seria esse o caso?

    ResponderExcluir