quarta-feira, 7 de agosto de 2013

A Caminhada Presbiteriana em Copacabana - é Conciliar?

"A igreja não crê que sua visibilidade deva se dar por marchas ou caminhadas

Em 2006 o Supremo Concílio da IPB pronunciou-se sobre a "Marcha para Jesus" de modo contrário ao movimento. Segue abaixo parte da resolução:

"... Considerando: 1. o que estabelece o art. 97, na alínea “m” e em seu parágrafo único; 2. que apesar de serem realizados eventos em locais diferentes por outras lideranças evangélicas, existe certa unidade entre eles quanto à natureza, ao propósito, às datas e à teologia; tanto no uso da marca e do nome “Marcha para Jesus”, quanto a inexistência de qualquer esforço para distinguir-se daquele realizado em São Paulo-Capital demonstram tal unidade. 3. que na “Marcha para Jesus” – SP houve participação de grupos gays, que se consideram evangélicos, com ampla divulgação na imprensa, sem qualquer pronunciamento por parte da liderança do evento. 4. que o caráter teológico do evento é contrário às Sagradas Escrituras e aos Símbolos de Fé da IPB, a saber: a) Teologia da Prosperidade; b) Confissão Positiva; c) Batalha Espiritual (inclusive Espíritos Territoriais); d) Teologia Triunfalista; e outros, O SC-IPB-2006 RESOLVE: 1.pronunciar-se contrário à participação de seus concílios e membros na “Marcha para Jesus” e movimentos ou eventos de natureza teológica similar; 2. determinar aos concílios e aos pastores que orientem suas igrejas para que não se envolvam em eventos e movimentos dessa natureza..." (SC-2006- Doc. 148)

Em agosto de 2012 aconteceu no Rio de Janeiro, promovida por concílios da IPB a "Caminhada Presbiteriana". Certamente que a teologia por detrás da "Caminhada Presbiteriana" nada tem a ver com a da  "Marcha para Jesus", todavia, em nossa opinião, há um equívoco: O alegado objetivo da visibilidade da Igreja, por meio de uma marcha ou caminhada, não encontra respaldo bíblico.

Não temos paralelo bíblico de manifestação do povo de Deus, nos tempos bíblicos, por meio de marchas. Naquele tempo, a marcha da igreja se dava de forma silenciosa e efetiva, tal qual o sal penetrando no alimento (Mt 5.13); pessoal e de relacionamento, como na igreja primitiva (At 8.4); cotidiana e sem cessar, como entre os primeiros convertidos (At 2.42-47).

Marchas, caminhadas ou passeatas têm caráter isolacionista, próprio de gueto, e não o que Cristo nos ensinou, a saber, envolvimento amplo na sociedade, como sal e luz (Mt 5.13-16), com irrepreensível testemunho cristão: “…mantendo exemplar o vosso procedimento no meio dos gentios, para que, naquilo que falam contra vós outros como de malfeitores, observando-vos em vossas boas obras, glorifiquem a Deus no dia da visitação” (1 Pe 2.12).

Neste sentido, o Rev. Cláudio Marra, editor da Editora Cultura Cristã, publicou precioso texto no editorial do Jornal Brasil Presbiteriano de maio passado:

"Ocorre que as marchas, manifestações, caminhadas, etc., têm sido promovidas pelas minorias da sociedade, ou grupos isolados, de qualquer proporção e tamanho, como um meio de afirmação de sua identidade e reivindicação do livre exercício de seus direitos civis. Assim é que afro-descendentes, indígenas, homossexuais, mulheres, operários de uma mesma categoria profissional e outros grupos periodicamente ocupam os espaços públicos (espaços privados, às vezes!) para gritar suas palavras de ordem e apresentar as suas exigências. Aí vão os evangélicos para a rua com seus cânticos e bandeiras e, desse modo, anunciam para a sociedade que somos apenas mais um grupo barulhento no meio dessa babel pós-moderna de confusas facções. Não somos, porém, só mais um grupo. Somos minoritários, mas não somos apenas outra minoria no mosaico social. (...) O cristianismo fala à sociedade as palavras de Jesus: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei” (Mt 11.28). Venham pessoas de todos os grupos, categorias, minorias, maiorias. Venham como estão. Certamente não continuarão como estão. Nos que vêm a ele Jesus opera por seu Espírito algo que a sociedade não pode proporcionar: a remissão de seus pecados, a comunhão com o Pai, a inclusão na família de Jesus. Isso não tem marcha que dê jeito..."

Tanta força, dinheiro e entusiasmo despendidos nestas marchas/caminhadas deveriam ser canalizados para preparar nosso povo na pregação do Evangelho. Quantos crentes que, há anos, não sabem o que é evangelizar? A maioria não sabe como testemunhar sua fé ou discipular um amigo. Sair em grupos, pelas ruas, com faixas e bandeiras é relativamente fácil. O desafio é marcharmos individualmente na escola, no trabalho, na faculdade, pregando o Evangelho, confrontando pecados. É isso o que nosso Senhor Jesus espera de nós."

2 comentários: