sexta-feira, 12 de julho de 2013

Dez propostas/desafios ao novo presidente do SC da IPB

Mais um ano e a IPB irá, por meio de delegados de todos os Presbitérios do Brasil, eleger o novo ‘Moderador’, ou Presidente, da Assembleia Geral da IPB, o Supremo Concílio.

Não sabemos ao certo ainda, qual será a decisão do Reverendo Roberto na próxima eleição. Todos na IPB são gratos pela vida desse fiel e humilde servo do Senhor, e por tudo que ele fez faz e fará por essa denominação.

Como membro da IPB, creio que precisamos enfrentar outros desafios. Penso no seguinte:

1. O novo presidente do SC terá que, por meios Conciliares, ‘convencer’[já está na CI !!!] a IPB que TODAS AS IGREJAS devem ser dizimistas ao Supremo Concílio [aqui estou mexendo em ‘caixa de abelha’!]. Aumentar o horário do Programa Verdade e Vida seria uma das grandes bênçãos advinda da fidelidade de Igrejas que por hora são infiéis a Deus e ao Supremo Concílio.

2. O novo presidente do SC terá que, por meios Conciliares, elevar o investimento da IPB em missões ao máximo dramático.

3. O novo presidente do SC terá que, por meios Conciliares, estabelecer requisitos de trabalhos para os candidatos ao ministério sagrado. Além da aprovação de um Seminário da IPB, fiel aos princípios da fé reformada, tendo profundo conhecimento teológico, o Presbitério precisa também verificar após a formatura a disposição de trabalho dos novos pastores em locais de necessidades. Um pastor da IPB é Ministro da denominação (também) e deveria servir onde existe necessidade [mais uma vez, estou mexendo em caixa de abelha!].

4. O novo presidente do SC terá que, por meios Conciliares, encontrar e tirar da IPB os chamados teólogos/pastores liberais. Quantos de nós na IPB não ouvimos sempre que ‘aqui e ali’ tem um parasita pregando ou dando aula no arraial da IPB? Vamos acabar com isso ou essa praga satânica, que vive abaixo da superfície, (bem típico do esgoto que ensina), acabe com a Igreja.

5. O novo presidente da SC terá que, por meios Conciliares, definir quais igrejas de fato estão ensinando os Símbolos de Fé e os Princípios de Liturgia. Ou se estamos em uma federação multifacetada sem identidade. Todos os pastores e Igrejas que na prática estão negando isso, poderiam ser convidadas a se retirarem da IPB e ‘montar’ sua comunidade. Ah, isso mexeria muito com o interesse de estabilidade de muitos.

6. O novo presidente do SC terá que, por meios Conciliares, repensar o quanto Andrew Jumper* e Mackenzie estão ajudando a IPB na prática, ou se está apenas promovendo especializações para indivíduos que não olham o bem da IPB – e do povo comum dela!!!

·         Aqui, meus irmãos, dói dizer isso, mas preciso dizer. Doutorados e mestrados faz bem para alguns, mas tira o faro pastoral de muitos e destrói a vocação missionária de outros para locais simples e rudes. Alguém precisa dizer isso. Todos nós na IPB sabemos disso. Não adianta fingirmos que não estamos com esse problema... me exponho, mas não posso suprimir a minha consciência.

(*Nota dia 21 de julho: alguns fieis servos de Deus tem interpretado esse ponto como sendo uma crítica ao ensino acadêmico de minha Igreja. Convido os fieis pastores e presbíteros a perceberem que esse item é uma insatisfação com a busca de divisas por parte de indivíduos. É contra o academicismo. Infelizmente preciso indicar onde isso está ocorrendo, por isso, citei os nomes das Instituições. E que fique claro também, que não apenas os indivíduos vaidosos que são os culpados, mas a política de contemplação ali alojada que também proporciona esse desejo. Os que estão firmes com a disposição de Atos 20.24, com ou sem mestrados/doutorados, continuarão 'gastando e sendo gastos' [II Co 12.15] pela Igreja do Senhor. Deus nos fortaleça.)

7. O novo presidente do SC terá que, por meios Conciliares, promover a consciência evangelística na IPB. Seminários e congressos “GRATUITOS” para o povo ‘SIMPLES’. É isso mesmo. Uma mega interação nacional, em bases presbiteriais, que promova o treinamento evangelístico – teórico e prático. Que preze a boa Teologia Reformada na Evangelização, e que seja prática em sua esfera, acessível a todos. A APECOM deveria cuidar disso. Mas fica aqui meu recado: nada de taxa de inscrição!!!

8. O novo presidente do SC terá que, por meios Conciliares, determinar que os Símbolos de Fé sejam impressos e distribuídos gratuitamente aos membros da IPB. Em modelo de revista de EBD, para todos os interessados na fé reformada. E que cada Igreja use tais como discipulado dos novos crentes. É um absurdo os Símbolos de Fé não serem conhecido por falta de divulgação e de distribuição.

9. O novo presidente do SC terá que, por meios Conciliares, estabelecer treinamento para oficiais nas igrejas locais tendo base, manuais teológicos de autores Reformados. Preparar os homens das igrejas locais a serem oficiais que conheçam a Bíblia, a Confissão e a Constituição da IPB.

10. O novo presidente do SC terá que, por meios Conciliares, falar publicamente assuntos relevantes do interesse da sociedade. Não temer, de tratar de assuntos políticos, homossexualismo e pluralismo religioso. (Como recentemente aconteceu com a Carta de princípios do Mackenzie foi retirada sob pressão do ativismo gay. Aquela Instituição não é da IPB? Então, fale ela o que nossos Símbolos de Fé falam!!!), Precisamos do Calvinismo de Abraham Kuyper no Calvinismo Brasileiro!

Outros motivos? Existem... Esses são os que entendo serem necessários, de um ponto de vista presbiteriano leigo. (Não terá nenhuma validade para alguns que estão atolados em suas notas acadêmicas e busca de 'divisas'. Submeto essas proposta a qualquer um, incluindo tais, que ame o povo do Senhor, a IPB, sob oração, se não são necessárias.)

Hoje, em minha limitada visão, um dos melhores nomes para satisfazer essas exigências, seria o do Reverendo Ageu Magalhães. Nunca temeu confrontar assuntos polêmicos com a Fé Reformada em seu blog.  


7 comentários:

  1. É meu irmão, amém amém e amém...

    Se interessar, 'compartilhe'...

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Glórias a Deus pelo discernimento que ELE tem te dado, meu irmão. Concordo contigo e peço a Deus que desperte nos corações dos nossos delegados a vontade de Deus para a Igreja Presbiteriana do Brasil.
    Que Deus nos ajude.

    ResponderExcluir
  3. Caro Luciano;
    Creio que os liberais, mencionados no item 4, concordariam totalmente com o que está escrito e desenvolvido no item 6, contra o JUMPER, seus docentes e seus programas. É uma pena que você defenda essa bandeira de ataque.
    Solano Portela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querido e respeitado irmão Pb. Solano Portela,
      Lamento, mas preciso discordar do irmão. Pois não consigo ver liberal algum concordando com o Luciano. Releia o ponto 6. Ele não está pedindo o fechamento do Mackenzie ou do Andrew Jumper. Nem mesmo sugere a diminuição de suas atividades. Muito pelo contrário, o ponto 6 é um pedido de socorro. É um apelo à democratização do conhecimento produzido nas esferas acadêmicas de nossa Igreja. De nada vale tanto conhecimento concentrado num único polo, ou menos ainda, conhecimento que não resulte em prática missionária. Nem mesmo as literaturas produzidas neste arraial são acessíveis, uma vez que os livros mais caros, são os da nossa editora. (enquanto seitas macabras distribuem gratuitamente seus materiais)
      Sou evangelista na IPB, ainda farei um seminário, e se Deus me der oportunidade, farei especializações, mas apenas aquelas que forem úteis para o meu serviço na causa do Senhor e não para encher as paredes do meu gabinete de papeis carimbados.
      Não entenda minha fala um pouco rude como um ataque. Fazemos parte do mesmo Corpo e tenho visto as necessidades interioranas deste.

      Excluir
  4. Prezado Pb. Solano Portela, uma honra ter seu comentário aqui.

    Primeiro, os liberais da quarta proposta precisarão encontrar onde eu escrevi, "contra o JUMPER, seus docentes e seus programas."

    Provavelmente, esses liberais terão um grande problema, quando toda a IPB, o povo nas igrejas, for contemplada por uma política de ensino acadêmico abrangente, que olhe aos interesses da denominação como corpo de Cristo, em suas regiões carentes e especialmente em sua missão evangelística.

    Agora, se apenas este item te desagradou (visto que apenas ele está sendo o ponto polêmico nos e-mails) significa que estou no caminho certo. Apenas 1 ponto ente 10 ser negado, significa que a proposta tem 90% de coerência com os sentimentos de muitos presbíteros, pastores e presbiterianos.

    Não seria aceito por todos...

    Confiante que me tem como irmão
    de seu conservo
    Luciano

    ResponderExcluir