segunda-feira, 27 de maio de 2013

Caminhada Presbiteriana em Copacabana pela Cidadania – para ONU e Globo ver!?

Bem, a tal 'caminhada' ano passado em Copacabana, foi, pelo que sei, uma manifestação presbiteriana sem impacto, e muito menos em favor do Evangelho. Houve esforço, mas sem grande significado mesmo para os presbiterianos brasileiros.

Os últimos acontecimentos envolvendo o principal expoente dessa passeata, o Rev Marcos Amaral, acendeu uma luz de alerta para a mim. Quando ‘voltei a fita’ e comparei os temas abordados pela tal passeata, cheguei a seguinte conclusão - O reverendo Marcos Amaral está usando a IPB para se promover por meio desta passeata.

Veja os motivos:

1. A Rede Globo, deu cobertura antecipada em um site da emissora. Sabemos que a amizade de Amaral com a Globo não é de agora...

2. Curioso, a Globo cobrir um evento evangélico sem expressão significativa nem audiência!?

3. O tema da passeata não tem apresentação* alguma do Evangelho: “Cidadania, ponha Fé nessa ideia”. Isso se alinha com o liberalismo teológico que levou Jesus vomitar várias igrejas presbiterianas pelo mundo.

*Apesar de o Reverendo Hernandes ter pregado a Palavra no evento, enfatizando Cristo como salvador, porém, a meu ver, até ele foi usado neste interesse de Amaral, assim como toda a IPB.

4. Alguns trechos da postagem do site revela a sutil linguagem política que agrada a ONU. Observe:

“[os presbiterianos] a partir dessa caminhada, a ampliação de seu diálogo com a sociedade civil, tendo como base os valores cristãos: erradicar a extrema pobreza e a fome; atingir o ensino básico universal; promover a igualdade de gênero e a autonomia das mulheres; reduzir a mortalidade infantil; melhorar a saúde materna; combater o HIV/AIDS, a malária e outras doenças; garantir a sustentabilidade ambiental e estabelecer uma parceria mundial para o desenvolvimento. 

“manifestarão a importância da igreja (IPB) como defensora da cidadania e seu alinhamento com as metas da ONU para a construção de um mundo melhor, que a igreja compreende estarem de acordo com os ideais cristãos...”

O reverendo Marcos Amaral afirmou para o site: ““Todos que estão comprometidos com a construção de um mundo melhor são nossos convidados, religiosos ou não. O que desejamos é uma grande parceria na busca incansável por justiça, verdade, solidariedade e igualdade. Estendemos oficialmente nosso convite ao Prefeito de nossa cidade, ao Governador do Estado do Rio de Janeiro, ao Poder Judiciário, Ministério Público, Defensoria Pública, bem como à ABI, OAB, a todas as igrejas protestantes e históricas e a tantas outras entidades representantes das variadas áreas da sociedade civil”, declara o coordenador geral da Caminhada Presbiteriana, o Reverendo Marcos Amaral.


No site do Sínodo de Guanabara falou de sua missão de atender o chamado da ONU: “Ao vermos a sociedade levantar a bandeira contra a intolerância, ao vermos a ONU mandar emissários ao Brasil e receber relatório concluindo, após investigação sistemática que, das treze maiores capitais brasileiras pesquisadas, todas apresentam sinais de intolerância religiosa, diante do que, conclui o relatório entregue a ONU: É o Brasil é um país intolerante e os evangélicos estão na base desse grave problema social, político e ético; concluímos que nós presbiterianos somos intolerantes quando não levantamos a nossa voz para dizer à sociedade brasileira que não concordamos com a intolerância e que nosso olhar cristão não se alinha com tais práticas... Nesse momento a ONU conclui que 2/3 dos conflitos no mundo, têm em sua base a intolerância religiosa. O que ganharia a IPB? Seria reconhecida como única igreja brasileira, e verdadeiramente protestante, capaz de transparecer alinhamento ético com tema de tal relevância, e isso não é pouca coisa.

·        COMO É QUE A EXECUTIVA DO SUPREMO CONCÍLIO AINDA LIBERA R$ 100.000,00 PARA ESSE EVENTO (veja AQUI), QUE OBVIAMENTE ENVOLVE UM NOME QUE É ALVO DE POLÊMICA E DURAS CRÍTICAS POR PARTE DA MAIORIA DOS PRESBITERIANOS!?!?

Como observou Solano Portela, Amaral foi ‘notificado publicamente’ pelo Presidente do Supremo Concílio!

·         QUANTAS REVISTAS [DO MODELO DAS REVISTAS DE ESCOLA DE ESCOLA DOMINICAL] PODERIAM SER IMPRESSAS COM A CONFISSÃO DE FÉ DE WESTMINSTER E SEREM DISTRIBUÍDAS AOS CRENTES PRESBITERIANOS QUE NEM SEQUER SABEM DESSES SÍMBOLOS, USANDO ESSE RECURSO DE 100.000,00 REAIS?


Espero que Deus mostre-nos que dinheiro ‘sagrado’ é para coisas sagradas e não para interesses espúrios...

7 comentários:

  1. Esse cara é liso igual bagre ensaboado. Só a graça, usar a igreja para se promover é absurdo. O interessante é que a passeata não tem propósito evangelístico. Fazer obre social, qualquer um faz, mas pregar o Evangelho de Cristo é uma missão exclusiva da igreja.

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente a política nojenta domina cada vez mais a liderança da IPB. Um pastor não pode se destacar por um trabalho que logo querem a sua cabeça. Um bando de carniceiros que não desejam o bem da Igreja, mas os seus próprios interesses.
    E o que é "propósito evangelístico", caro Vanderson? Senão levar amparo aos necessitados, alimentar os famintos, vestir os despidos, cuidar dos órfãos e das viúvas, promover educação e capacidade de distinguir as coisas. De que adianta imprimir revistas de escola dominical para uma nação analfabeta? Como lhes apresentar Westminster se não confessarmos a nossa própria incapacidade de proclamar o evangelho?
    Estou farto de ver na IPB pessoas que apenas falam e falam e falam, mas não demonstram atitudes para com o anúncio das boas novas. A IPB está cheia de obesos espirituais, de ovelhas que vivem como que em um confinamento espiritual, se "alimentam" da palavra domingo após domingo e se fartam, engordam espiritualmente até ao ponto de não conseguirem mais se mover; aí a única coisa que conseguem fazer é falar, pois a gordura acumulada os impede de mover na proclamação do evangelho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. David quando li o seu comentário que fala sobre um aparecimento de homem da IPB um Rev. que seja vejo o erro, quando o que tem de aparecer é a Palavra de Deus. Por mim, poderia ser qualquer pastor da IPB à frente da caminhada e até mesmo poderia ser abordado esse tema da cidadania, desde que o foco principal e a leitura de um Brasil mais cidadão fosse através das Escrituras e não de um conceito humano e social.

      Fico preocupado porque o Rev. Marcos Amaral tem dado mal testemunho e falta de compreensão da verdadeira Palavra de Deus e do papel do cristão na sociedade.

      Espero que um dia você e os "defensores" do Rev. Marcos Amaral entendam que as atitudes e ensinos dele não tem haver com Palavra de Deus e sim com questões humanas e erradas, fazendo um pluralismo religioso regado a ecumenismo com quem não compartilha da fé cristã verdadeira.

      Abraços a vc.

      Excluir
  3. David, acredito que vc tenha razões, em sua insatisfação de ver entre nós pessoas e pastores indiferentes.

    Mas deste erro, vc justificar esse outro, vc erra tb.

    O rev. Amaral faz mais mal do que bem para a IPB. Eu acredito nisto. Se para vc o discurso dele agrada, creio que vc não está alinhado com a Fé Reformada, muito menos com a Evangelização Bíblica.

    ResponderExcluir
  4. (Parte 1)
    David Calaça, você disse: "Infelizmente a política nojenta domina cada vez mais a liderança da IPB. Um pastor não pode se destacar por um trabalho que logo querem a sua cabeça. Um bando de carniceiros que não desejam o bem da Igreja, mas os seus próprios interesses."
    1- Não estou envolvido em nenhuma esfera política da IPB. Sou apenas um simples evangelista do interior que prega o Evangelho de Cristo em lugares que você e aquele que você defende jamais sonharam em ir, e te garanto que não estou aqui por falta de oportunidade;
    2- Não sei que destaque que Marco Amaral tem tido, a não ser, pelos escândalos produzidos por declarações públicas do mesmo. As quais são contrárias ao Evangelho. Pois o Evangelho que aprendi e ensino, é um chamado ao arrependimento dos pecado e uma nova vida com Cristo (ensino que Marco Amaral discorda), não um monte de "discursinho" politicamente correto para a Rede Esgoto de Televisão bater palminha;
    3- Meu interesse não é outro, se não ver Cristo ser glorificado. Se buscasse glórias para mim, certamente não estaria trabalhando em lugares onde faltam coisas básicas, como uma estrada pavimentada para andar;

    ResponderExcluir
  5. (Parte 2)
    David Calaça, você também disse: "E o que é "propósito evangelístico", caro Vanderson? Senão levar amparo aos necessitados, alimentar os famintos, vestir os despidos, cuidar dos órfãos e das viúvas, promover educação e capacidade de distinguir as coisas. De que adianta imprimir revistas de escola dominical para uma nação analfabeta? Como lhes apresentar Westminster se não confessarmos a nossa própria incapacidade de proclamar o evangelho?"
    1- Pregar o Evangelho é expor a verdade de Cristo e levar o ser humano a fazer-se a seguinte pergunta: “[...] Que faremos, irmãos?" E ouvir a seguinte resposta: "Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo.” (Atos 2:37-38 RA). Pregar o Evangelho é isso. O restante, as Boas Obras, que abrangem aspectos sociais, políticos e educacionais, entre outros, visa a Glória de Deus: “Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus.” (Mateus 5:16 RA). Assim, as boas obras não são um fim em si mesmo, cidadania sem Cristo, manda pro inferno. O propósito do Evangelho não é remendar o mundo, ou criar pecadores politicamente corretos, mas salvar e transformar pessoas;
    2- Imprimir material didático é uma excelente ferramenta para se difundir o Evangelho. Se você discorda, fale-me mais da sua Bíblia impressa (se é que você tem uma). Conheço milhares de pessoas convertidas ao Evangelho alcançadas por literatura impressa, mas não conheço nenhuma convertida por uma caminhada, ainda mais com o tema: “Cidadania, ponha Fé nessa ideia”;

    ResponderExcluir
  6. (Parte 3)
    Por último, David Calaça, você ainda disse: "Estou farto de ver na IPB pessoas que apenas falam e falam e falam, mas não demonstram atitudes para com o anúncio das boas novas. A IPB está cheia de obesos espirituais, de ovelhas que vivem como que em um confinamento espiritual, se "alimentam" da palavra domingo após domingo e se fartam, engordam espiritualmente até ao ponto de não conseguirem mais se mover; aí a única coisa que conseguem fazer é falar, pois a gordura acumulada os impede de mover na proclamação do evangelho."
    1- Nisso eu concordo. Também me indigno com "crentes" que apenas ouvem o Evangelho e nunca saem disso. Tal fato é um ultraje às premissas mais básicas do Evangelho, dentre elas: “E disse-lhes: Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura.” (Marcos 16:15 RA). Por, faça chuva, ou faça sol, percorro comunidades rurais a semana inteira, pregando o Evangelho e incentivando minhas ovelhas a fazerem o mesmo. Um Cristão que não Evangeliza, precisa ser Evangelizado.

    Agora, para finalizar, se Marcos Amaral não tem Evangelizado (conforme a definição de evangelização dada acima) de que ele precisa? Lembrando que caminhada não salva ninguém, do contrário, os melhores missionários seriam os carteiros.
    Para mim, o pseudo-evangelista e o politiqueiro mal intencionado dessa história toda, não sou eu, ou o Luciano Senna, mas sim, aquele que você, David Calaça, defende.

    ResponderExcluir