sábado, 19 de março de 2011

REJEITO O NOVO CALVINISMO: O Calvinismo não precisa da ‘CANÇÃO NOVA’, do NOVO (=pentecostalismo), precisa de Pastores dedicados!

As postagens que estão propondo um ‘novo’ calvinismo é futilidade e celeuma além da conta. Mas parece que está agradando a muitos. Eu como presbiteriano sempre li nossos Símbolos de Fé, e sempre percebi que não existe problema na disposição da teologia calvinista ali nos Símbolos de Fé de Westminster. Fui evangelizado por um supralapsariano covicto, apoiador (pessoal, financeiramente, etc) da obra missionária. O que está errado? R: Na verdade são seus supostos promotores. Nós mesmos!

Quando rumores do horizonte ‘pentecostal calvinista’ diz que precisamos de um ‘novo calvinismo’, não raro estão confundindo as coisas. [Amo demais meus irmãos pentecostais, como já provei em algumas postagens . Mas a IPB tem uma abordagem que difere em muitos campos da teologia continuísta, pentecostal ou carismática. Ao mesmo tempo presbiterianos não estão disposto de negar as experiências de muitos, até mesmo de presbiterianos, que se alinham com milagres, atos da providenciais, extraordinários ou não, de Deus, etc.]

O clamor do ‘novo calvinismo’ não é nada mais que uma confusão no estilo pessoal de  Driscoll,  Piper,  etc com a essência do calvinismo. É isso mesmo! Os blogs e pastores que estão apontando para esses servos de Deus como exemplo de um ‘novo’ calvinismo (claro que são exemplos para nós!) estão confundido pressupostos calvinistas com a disposição ardentes desses irmãos queridos que Deus levantou nos EUA.
É a idolatria Americana, como sempre.

Quando vemos esses (supostos) ícones do novo calvinismo, eles por sua vez voltam-se sempre a  Edwards, Calvino... ou seja, o velho calvinismo de sempre, de alma, fibra, suor , jejum e lágrimas!

Veja, aqui no Brasil temos o Hernandes Dias Lopes, A. Nicodemus, Jeremias Pereira, e tantos outros. O que dizer de Ronaldo Lidório? Quem na sua estupidez pode indicar para o Ronaldo Lidório essa coisa de ‘novo calvinismo’ para ele ser mais envolvido pelo Espírito Santo, ou com uma visão ‘missional’? Um missionário formado, talvez, em um dos seminários mais calvinistas da IPB, e com o Velho Calvinismo?

Por que então não gritam pelos blogs da vida, sites , etc, para seguirem um calvinista tal como Ronaldo Lidório, pelo menos teríamos uma formatação Brasileira dessa coisa, ‘novo calvinismo’. Mas missionário brasileiro não dá ibope, claro que não. Tem que ser americano.

Vou transcrever um trecho do Catecismo Maior (104), e vejamos se tem falta de paixão e fogo do Espírito:

Quais os deveres exigidos no primeiro mandamento? R: Os deveres exigidos no primeiro mandamento são- o conhecer e reconhecer Deus como único Deus verdadeiro como nosso Deus, e adorá-lo e glorificá-lo com tal: pensar e meditar nele, lembrar-nos dele, altamente apreciá-lo, honrá-lo, adorá-lo, escolhe-lo, amá-lo, desejá-lo e temê-lo; crer nele confiando, esperando, deleitando-nos e regozijando-nos nele; ter zelo por ele; invocá-lo, dando-lhe todo louvor e agradecimento, prestando-lhe toda obediência e submissão do homem todo; ter cuidado de o agradar em tudo, e ter tristeza quando ele é ofendido em qualquer coisa; e andar humildemente com ele.”

Querido irmão Calvinista, ou não, que leu essa expressão da alma submissa a Deus.
NÃO EXISTE NADA NESSE NOVO CALVINISMO QUE SUPERE ESSA ABORDAGEM DO CATECISMO MAIOR!!! É ESPÍRITO SANTO PURO!!!

Sim, se Piper é o que é, ele está exatamente seguindo um conselho desses! Não precisamos dessa coisa de ‘Novo’ calvinismo, precisamos de crentes/presbiterianos/calvinistas/reverendos/presbíteros/evangelistas/missionários/teologos/etc, etc, etc... que cumpram as sugestões do Catecismo na pergunta 104, como obediência do ‘Velho’ Mandamento!

Quem faz isso? Pregue isso, lute, ore para fazer isso, seja assim. Se as igrejas fossem ensinadas a viverem as instruções bíblicas como essas, e se tal disposição fosse vista em nossos pastores, mestres, crentes, etc, todos os prebisterianos, essa coisa de ‘novo’ calvinismo seria um apelo inútil para todos nós. Então, voltemos aos Símbolos de Fé que expressam a Bíblia fielmente. Só isso.

O que me preocupa é que a coisa está sendo colocada como um movimento real, de magnitudes teológicas, quando não é. E sempre que tais movimentos surgem, alguma inovação teológica surge para autenticar o movimento e sustentar sua existência apresentando razões para justificar a sua presença.
O apelo contnuísta ou pentecostal desse novo calvinismo propagado, não deve ser confundido com os testemunhos de milagres , etc, que vários calvinistas testemeunharam e testemunham no decorrer dos séculos. Está sendo proposto  esse fator como sinal de um novo calvinismo.
Isso é uma versão calvinista da 'canção nova'.  Irmãos, nao precisamos disso.

Agora se novo calvinismo fosse apenas um desafio para pregarmos o velho calvinismo com roupagens e formas, para o homem do século XXI, não teremos problemas.

13 comentários:

  1. Luciano,

    Tenho acompanhado blogs e sites que abordam o tal "Novo Calvinismo". As minhas primeiras impressões desse movimento é que é apenas um movimento "quase" pentecostal misturado com algumas vertentes do neopentecostalismo. Continuidade dos dons extraordinários e tentativa da igreja de se misturar com o mundo para ganhar o mundo me lembra e muito algumas igrejas neopentecostais tais como Renascer e Igreja Bola de Neve.

    Preciso ler mais sobre isso, mas a princípio não estou gostando muito das intenções desse movimento.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Prezado irmão Luciano,

    Se me permite a observação, seu texto e posicionamento é precipitado. Não por rejeitar o "novo calvinismo", mas por faze-lo cedo demais.

    A verdade é que muitos dos que tem escrito favoravelmente ao novo calvinismo brasileiro, nem se assumiram de fato como tal. E uma das razões para isso é que esse movimento sequer tem contornos de movimento no Brasil. Embora haja alguns pontos de referência, não há uma formatação definida e aparente. Talvez por isso você tenha dito que não viu nada de novo no novo calvinismo.

    Ora, se nada há de novo, não se justifica ser contra. Só podemos ser contra algo novo se de fato enxergarmos novidade, e não gostarmos disso. Nem o continuísmo, como lembrou o Helder, pode ser considerado novo.

    Enfim, irmão, acho prudente a fala do Heitor, que traz "minhas primeiras impressões" e reconhece "preciso ler mais sobre isso" mesmo "a princípio não estou gostando muito das intenções desse movimento".

    Acho que todos nós, olds e news, precisamos ir com calma.

    Em Cristo,

    Clóvis

    ResponderExcluir
  3. Luciano,

    Uma outra coisa que não entendi muito bem. Se você não é cessacionista, por que é contra o novo calvinismo por ele ser continuísta?

    Em Cristo,

    Clóvis

    ResponderExcluir
  4. Clóvis e demais,

    Acredito que para um movimento se consolidar é preciso que ele passe por muitas transformações e mudanças até mostrar de fato suas pressuposições.

    O movimento ainda tá nascendo e sem estrutura clara de sua doutrina e comportamento no âmbito da igreja e social.

    Não estou gostando muito do jeito que ela tá caminhando, mas vou aguardar mais para ver o que vai acontecer antes de falar algo de concreto.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  5. Clóvis, prezado irmão.
    1)pode ser cedo dizer algo, (assumi isso, obrigado pela advertência, se mais para frente isso mostrar diferente da pintura atual, eu me retrato...) mas pra mim não existe nada de novo aí para dizer que é um novo calvinismo. Apenas a enfase no continuísmo.
    2) A IPB tem um documento oficial sobre dons,(acho que vc conhece, se não eu te envio) ali existe a ponderação que não podemos ser fechados em alguns assuntos, sempre disse isso pra vc no blog cinco solas. O documento afirma, 'que não existe nem evidencia clara na Bíblia que cessou alguns dons, ou mesmo que a pratica atual está respaldada na Escritura'...
    3)Sigo a orientação desse documento que é mais claro que a CFW, e mais poderado e equilibrado do que se posicionae do lado restrito do cessacionismo absoluto. No entanto, isso não prova que o cessacioismo está errado.
    4) sempre disse aqui que não tenho 'problemas' com o pentecoistalismo, minhas postagens que questionaram o Internautas Cristãos foram provas disso.
    5) mas acho que presbiterianos agirem em favor de um movimento continuísta, ainda que pessoalmente cada um tenha suas próprias visões de tal assunto, é contribuir para uma desorde na IPB. E não seguir sua orientação em forma de Carta Pastoral.
    Só isso irmão.

    ResponderExcluir
  6. Heitor Alves muito grato pelo comentário. Diferente do que eu disse para o irmão Clóvis, que temos profunda admiração e respeito, agora falo com um presbiteriano.
    1) esse movimento é marketing, não existe nada que pode classificar aí de novo calvinismo. É onda... esses caras não passaram 6 anos orando e jejuando para achar que podem acrescentar algo ao movimento puritano que produziu a CFW e ou o calvinismo.
    2) Sejamos honestos, o que eles podem dizer que atualizaram no Calvinismo quando lemos Baxter, Owen, Edwards, Rutherford,e uma nuvem de calvinistas? Packer subiu nos ombros de que gigantes? [os autores dos blogs que jogaram isso na net não tem um % do calibre deles para que eu mude minha mentalidade]
    Irmão, conheço campo missionário da IPB e conheço irmãos missionários que, como eu, estão ensinando com os Símbolos de Fé, fazendo discipulados com Breve Catecismo, ensinando CFW e CMW. O ensino puro da fé reformada está essencialmente e satisfatoriamente ali. Falta mais oração, como sempre houve, falta jejum, como sempre houve, falta lágrimas, como sempre houve, nada mais...
    >>o que falta quando acrescentado não é novo é resgatado<<

    ResponderExcluir
  7. Luciano,

    É melhor ficar mesmo com Baxter, Owen, Edwards, Rutherford e uma nuvem de calvinistas!rsrsrs

    Você foi mesmo certeiro quando disse que o problema não está numa "atualização" do calvinismo, mas numa vida de mais oração e lágrimas.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  8. Pois é... ainda tem gente que diz que calvinismo e puritanismo não se associam! (pelo menos no que diz respeito a certeza da salvação!)

    Daqui a pouco (Talvez já até exista!) vão fazer também a distinção entre Neo puritanismo e Novo puritanismo, Neo cristianismo, Novo Cristianismo... e por ai vai!

    http://www.olharreformado.com/2011/01/calvinismo-puritanismo-e-certeza-de.html

    ResponderExcluir
  9. Heitor e Luciano,

    Cautela é algo recomendável tanto a news como a olds, neste momento especialmente. Duas palavras recorrentes nos envolvidos na discussão é entusiasmo e calma. Sei que não podemos esperar entusiasmo de quem está vendo o NC de fora, mas podemos pedir calma, pelo menos.

    Se vocês virem alguns posts sobre o NC (amanhã no 5S eu publico alguns links, verá que há algumas críticas e autocríticas feitas, as quais tem sido bem recebidas e processadas pelo grupo.

    O que vi até agora:

    1. O NC não pretende ser um movimento à parte, nem propõe uma ruptura com o calvinismo clássico. Tampouco se arroga capaz de sobrepujar os gigantes puritanos.

    2. A sabedoria e o conselho de calvinistas mais experientes não é desprezado, pelo contrário, é desejado.

    3. Apesar do continuísmo ser uma característica do NC, não é a tônica. Parece-me, pelo menos no Brasil, que a ênfase recai sobre a característica missional.

    O que peço é que observem o NC, orando pelos seus proponentes enquanto observam.

    Em Cristo,

    Clóvis

    ResponderExcluir
  10. Irmão Clóvis, sábios conselhos, irei seguí-los. Vindo de vc em especial...
    Mas discordo do que disse sobre o aspecto 'missional', se isso quer dizer missão da maneira que conheço. Os grandes movimentos missionários tiveram baluartes da velha escola calvinista.
    Claro, estamos em declinio com a visão missionária em todas as denominações calvinistas, existe exeções, e se um ardor >>resgastar<< isso, cumprirá o dever de todo cristão, mas nada novo, porém muito bem vindo.
    abraços

    ResponderExcluir
  11. Clóvis,

    Irei seguir seus conselhos. Irei ler seus links que divulgará, ok?

    Abraços.

    ResponderExcluir
  12. Luciano,

    Eu estou entusiasmado com o novo calvinismo, como movimento dentro (e que pretende permanecer) do calvinismo.

    Mas preciso compreender melhor seus aspectos mais práticos. Inclusive a missionalidade. Portanto, embora entusiasmado e me vendo dentro do movimento, não sou especialista no assunto e nem saberia explicar muita coisa sobre.

    Mas convido-o a acompanhar de perto o movimento. Se vir algo de bom, não deixe de apoiar apenas porque é "novo". E se vir algo que não é bom, não deixe de criticar apenas porque é "calvinismo".

    Em Cristo,

    Clóvis

    ResponderExcluir
  13. Por favor meus irmãos... ainda não vimos em nossa nação a prática verdadeira do VELHO calvinismo, e estamos querendo inventar um NOVO???

    O problema não é a validade ou o nomenclatura, mas a prática! Concordo com o Luciano no que diz respeito a utilização deste termo "NOVO" se nem o VELHO nós conseguimos por em prática! (É só olharmos para IPB, reconhecida por sua tradicionalidade calvinista, QUANTOS dos pastores presbiterianos esforçam-se para seguirem, à risca, os símbolos de Westminster?)

    Sinceramente e com todo respeito aos que se auto-intitulam Neo calvinistas... esforcemo-nos em seguirmos a Palavra de Deus genuinamente (como se esforça a ANTIGA visão calvinista) e só!

    Que o SENHOR JESUS nos abençoe!

    ResponderExcluir